Saltar para o conteúdo

Diferenças entre edições de "Usuário:Zac Salvatore/Testes/6"

branqueio de página
(branqueio de página)
Etiqueta: Esvaziamento
{{Info/Canção <!-- Veja Wikipédia:Projetos/Música/Canções -->
| nome = Bedtime Story
| imagem = Madonna - Bedtime Story.jpg
| tipo = single
| artista = [[Madonna]]
| álbum = [[Bedtime Stories (álbum de Madonna)|Bedtime Stories]]
| ladoB = "Survival"
| lançada = {{Data de início|1995|2|13}}
| formato = [[CD single|CD ''single'']] {{·}} [[Single#Como definir|DVD ''single'']] {{·}} [[fita cassete|cassete]] {{·}} [[Maxi single|maxi ''single'']] {{·}} [[Disco de vinil|vinil]]
| gravada = 1994
| estúdio = Estúdios Chappell<br />{{pequeno|([[Encino (Los Angeles)|Encino, Califórnia]])}}
| gênero = [[Música eletrônica|Eletrônica]]
| duração = {{Duração|m=4|s=53}}
| gravadora = [[Sire Records|Sire]] {{·}} [[Maverick Records|Maverick]] {{·}} [[Warner Bros. Records|Warner Bros.]]
| compositor = [[Björk]] {{·}} [[Nellee Hooper]] {{·}} [[Marius de Vries]]
| produtor = Madonna {{·}} Hooper
| título anterior = "[[Take a Bow (canção de Madonna)|Take a Bow]]"
| ano anterior = 1994
| título seguinte = "[[Human Nature (canção de Madonna)|Human Nature]]"
| ano seguinte = 1995
| miscelânea = {{Lista de faixas extra
|álbum = [[Bedtime Stories (álbum de Madonna)|Bedtime Stories]]
|tipo = estúdio
|faixa_ant = "Sanctuary"
|num_ant = 9
|faixa_seg = "Take a Bow"
|num_seg = 11
}}{{Ligação externa vídeo|{{YouTube|CSaFgAwnRSc|"Bedtime Story"}}}}
}}
"'''Bedtime Story'''" é uma [[canção]] da cantora americana [[Madonna]], contida em seu sexto álbum de estúdio ''[[Bedtime Stories (álbum de Madonna)|Bedtime Stories]]'' (1994). Foi composta por [[Björk]], [[Marius de Vries]] e [[Nellee Hooper]], e produzida pela própria intérprete em conjunto com o último. Como parte de seu objetivo de "realizar um impacto" no cenário musical ''[[Soul music|soul]]'', Madonna decidiu colaborar com novos produtores para a concepção de seu novo disco e explorar outros estilos musicais, como o [[R&B contemporâneo|R&B]] e a cena musical britânica. A intérprete contatou profissionais ligados à [[música eletrônica]], como [[Nellee Hooper]] e [[Marius de Vries]]; através de seus contatos com eles, propôs à islandesa Björk que composse uma canção para o seu novo trabalho, inspirado pelo álbum ''[[Debut]]'', lançado por ela no anterior. de Vries e Hooper refizeram a demo, até então intitulada "Let's Get Unconscious", com o último encarregando-se da produção juntamente com Madonna.
 
"Bedtime Story" foi gravada nos estúdios Chappell em [[Encino (Los Angeles)|Encino, Califórnia]], onde ocorreram outras sessões com Hooper, e acabou por servir de base para o título do álbum. Foi lançada como o terceiro ''[[single]]'' do disco em 13 de fevereiro de 1995 através das gravadoras [[Maverick Records|Maverick]], [[Sire Records|Sire]] e [[Warner Bros. Records|Warner Bros.]], acompanhada de diversos ''[[remix]]es'' e sendo disponibilizada em diversos formatos. Em termos musicais, é uma canção eletrônica de [[Tempo (música)|ritmo moderado]] com influências de ''[[acid house|acid]]'', ''[[House music|house]]'', ''[[techno]]'' e [[música ambiente]]. Sua estrutura consiste numa melodia subjacente e esquelética de [[sintetizador]]es, apoiada por efeitos como palmas, ''loops'' de [[caixa de ritmos]], [[Órgão (instrumento musical)|órgãos]] e [[Instrumento de cordas|cordas]]. É um afastamento do repertório prévio de ''[[Música pop|pop]]'' e R&B do restante do álbum, em favor de músicas eletrônicas e não convencionais. Em termos líricos, retrata as alegrias do mundo inconsciente.
 
"Bedtime Story" foi aclamada por [[críticos de música|críticos especializados em música contemporânea]], que elogiaram a sua produção e estilo eletrônico e hipnótico; alguns resenhistas a selecionaram como um dos destaques do disco e notaram o seu afastamento da discografia de Madonna, enquanto outros compararam-na com trabalhos de Björk e observaram sua influência em trabalhos posteriores. Em retrospecto, autores apontaram que a faixa serviu de prévia à exploração da música eletrônica feita pela cantora em ''[[Ray of Light]]'' (1998), e consideraram-na subestimada e uma das músicas com potencial menos aproveitado em sua carreira. Obteve um desempenho comercial moderado, atingindo as dez primeiras posições na Austrália, Itália e Reino Unido, enquanto nos Estados Unidos tornou-se o primeiro lançamento de Madonna desde "[[Burning Up]]" a não atingir as quarenta primeiras posições da tabela [[Billboard Hot 100|''Billboard'' Hot 100]], parando na 42ª posição. Apesar disso, liderou a [[Hot Dance Club Songs|tabela de músicas ''dance'']], onde foi a terceira mais bem sucedida naquele ano, tornando-se uma favorita nas boates.
 
O vídeo musical correspondente foi dirigido por [[Mark Romanek]] e filmado num período de seis dias no [[Universal Studios|Estúdio Universal]]. É um dos [[Lista dos videoclipes mais caros|vídeos mais caros de todos os tempos]], custando 5 milhões de [[Dólar dos Estados Unidos|dólares]] em sua produção, e passou por uma série de tratamentos e problemas nas filmagens até chegar ao produto final — uma gravação composta por imagens surrealistas e da nova era, com influências de artistas como [[Remedios Varo]], [[Frida Kahlo]] e [[Leonora Carrington]]. Lançado em 10 de março de 1995 em cinemas da rede Odeon Cineplex, algo inovador para a época, o vídeo foi aclamado pela crítica, tendo sido colocado em exposição permanente no [[Museu de Arte Moderna (Nova Iorque)|Museu de Arte Moderna de Nova Iorque]]. "Bedtime Story" foi apresentada ao vivo uma única vez, como o número de abertura do [[Brit Awards|Prêmio Brit]] de 1995, onde utilizou-se o ''[[remix]]'' de Junior Vasquez e Madonna se caracterizou com um vestido prateado [[Versace]] e uma longa peruca. Outra vertente da faixa foi usada como interlúdio de vídeo na ''[[Re-Invention Tour]]'' (2004).
 
== Antecedentes e lançamento ==
{{quote box|align=left|width=25%|quoted=true|quote=Creio que na época, sim, [''Vamos ficar inconscientes''] era o que eu queria ouvir da boca [de Madonna]. Mas isso foi, tipo, há seis anos atrás, quando tudo sobre ela parecia muito controlado. [Atualmente] acho ela uma pessoa muito intuitiva, e definitivamente seus instintos de sobrevivência são incríveis. Na época, as palavras que pensei que ela diria foram, 'Não estou mais usando palavras, vamos ficar inconscientes, querido. Dane-se a lógica. Apenas seja intuitivo. Seja mais livre. Vá com o fluxo'. Agora, parece que ela está sim indo com o fluxo.|source=—Björk sobre a criação de "Bedtime Story" em entrevista para a revista ''Nylon'' em 2001.<ref name="nylon">{{citar web|url=https://www.nylon.com/articles/bjork-nylon-magazine-cover|título=Flashback Friday: Dancer in the Dark|último=Servin|primeiro=James|acessodata=22 de junho de 2020|língua=en |obra=[[Nylon (revista)|Nylon]]|data=20 de novembro de 2013}}</ref>}}
 
Em 1992, Madonna lançou o polêmico livro ''[[Sex (livro)|Sex]]'' e o seu quinto álbum de estúdio ''[[Erotica]]'', ambos os quais apresentaram temáticas explícitas, centradas no sexo e em fantasias sexuais, além de estrelar o filme de terror erótico ''[[Body of Evidence]]''. Todos esses lançamentos foram vistos de forma negativa por jornalistas e fãs, que consideraram que "ela tinha ido longe demais" e que sua carreira estava em declínio. Além disso, sua controversa entrevista ao [[Late Show with David Letterman|programa]] de [[David Letterman]] em 1994, marcada pelo uso de palavrões e comentários de teor sexual, contribuiu para o ápice de rejeição da mídia e do público geral em relação à imagem exageradamente sexual da cantora.<ref name="feld">{{harvnb|Feldman|2000|p=255}}</ref><ref>{{citar web|língua=en|url=https://ew.com/article/1994/04/15/madonnas-shocking-david-letterman-interview/|título=Madonna's shocking David Letterman interview|autor=Ken Tucker|obra=[[Entertainment Weekly]]|publicado=[[Time Inc.]]|data=15 de abril de 1994|acessodata=7 de outubro de 2019}}</ref><ref>{{citar web|língua=en|url=http://entertainment.time.com/2009/02/13/top-10-disastrous-letterman-interviews/slide/dont-f___-with-madonna/|título=Top 10 Disastrous Letterman Interviews &#124; Don't F___ with Madonna|obra=[[Time (revsista)|Time]]|publicado=Time Inc.|data=13 de fevereiro de 2009|acessodata=7 de outubro de 2019}}</ref> Naquela época, Madonna liberou a faixa "[[I'll Remember]]" para a trilha sonora do filme ''[[With Honors]]''. Bem recebida criticamente e comercialmente, foi vista como o primeiro passo positivo da intérprete em se reconectar com o público de massa e reparar os danos em sua carreira causados por sua personalidade provocante.<ref name="feld"/>
 
De acordo com a autora Lucy O'Brien em seu livro ''Madonna: Like an Icon'', Madonna queria "realizar um impacto" no cenário da [[soul music|música ''soul'']] e, para isso, começou a trabalhar com famosos produtores de R&B, como [[Dallas Austin]], [[Babyface]] e [[Dave Hall]], sendo uma das poucas ocasiões em que ela colaborou com profissionais conhecidos.<ref name="Lucy291">{{harvnb|O'Brien|2008|pp=291–292}}</ref><ref>{{harvnb|Sullivan|2013|p=648}}</ref> A cantora também queria explorar a cena musical das boates britânicas, onde gêneros como o ''[[dub]]'' estavam crescendo em popularidade, e decidiu trabalhar com produtores e compositores europeus ligados à cena eletrônica, incluindo [[Nellee Hooper]], que elogiou Madonna devido à sua "sensibilidade bem europeia".<ref name="Lucy291"/> Após convidar Hooper para [[Los Angeles]], iniciaram-se sessões no estúdio Chappell em [[Encino (Los Angeles)|Encino]], [[Califórnia]], que foram as últimas a serem realizadas para o disco.<ref name="Lucy291"/><ref name="rik45">{{harvnb|Rooksby|2004|p=45}}</ref> Madonna queria que as pessoas se concentrassem nos aspectos musicais do projeto, e que as músicas falassem por si mesmas.<ref>{{citar episódio|título=Madonna interview|série=FAX|rede=[[MuchMusic]]|data=25 de novembro de 1994}}</ref> O produto final, ''[[Bedtime Stories (álbum de Madonna)|Bedtime Stories]]'', é um álbum derivado do ''[[Música pop|pop]]'' e [[R&B contemporâneo|R&B]] predominantemente composto de canções lentas e com uma abordagem lírica menos sexual do que o seu antecessor, incorporando novos estilos a discografia da cantora como ''[[trip hop]]'', ''[[hip hop]]'' e ''[[techno]]''.<ref name="rik45"/><ref>{{citar web|língua=en|url=http://www.slantmagazine.com/features/article/best-albums-of-the-1990s/P8|título=The Best Albums of the 1990s|autor=Sal Cinquemani|publicado=[[Slant Magazine]]|data=14 de fevereiro de 2011|acessodata=7 de outubro de 2019}}</ref>
 
De acordo com o autor Mark Pytlik em seu livro ''Björk: Wow and Flutter'', Madonna estava inspirada na época pelo segundo álbum de Björk, ''[[Debut]]'' (1993). Através de suas conexões com Vries e Hooper, a cantora entrou em contato com Björk e lhe solicitou a chance de compor uma faixa para o seu disco. A islandesa não se considerava fã da estadunidense, mas ficou intrigada pela oferta e aceitou.<ref name="google82"/> Ela escreveu uma música inicialmente intitulada "Let's Get Unconscious", com as linhas iniciais; "''Hoje é o último dia / Em que estou usando palavras''",{{nota de rodapé|grupo=n|No [[Língua inglesa|original]]: "''Today is the last day / That I'm using words''".}} concebidas a partir de seu próprio criticismo em relação à estética de Madonna.<ref name="google82"/> Desta forma, ela criou as letras a partir dessas frases e com Madonna em mente; Em uma entrevista, Björk esclareceu: "Quando foi oferecida a oportunidade de escrever uma música [para Madonna], eu realmente não conseguia me imaginar fazendo uma canção que se encaixasse com ela. [...] Mas, ao repensar, decidi fazer isso — escrever as coisas que sempre quis ouvi-la dizendo [e] que ela nunca disse".<ref name="google82">{{harvsp|Pytlik|2003|pp=82—83}}</ref> Madonna havia demonstrado interesse em trabalhar com Björk, mas as duas nunca se conheceram pessoalmente por decisão desta, que preferiu se manter à distância e até se recusou a cantá-la em dueto por considerar que seria "um erro".<ref name="google293"/><ref name="gay"/>
 
<blockquote>Eu estive num estado mental reflexivo. Fiz muitas procuras na alma e me senti num espírito romântico quando estava compondo [as músicas], então foi sobre isso que eu escrevi. [...] Eu decidi que queria trabalhar com uma série de produtores diferentes. O álbum de Björk foi um dos meus preferidos por anos — é brilhantemente produzido. [...] Nellee foi a última pessoa com quem trabalhei, e não foi até esse ponto que tive uma percepção de como seria o som do disco, então eu tive que voltar e refazer muitas [coisas]
:{{redimensionar|85%|—Madonna falando sobre o envolvimento de Björk e Nellee Hooper na elaboração do álbum.<ref name="rik45"/>}}</blockquote>
 
A intérprete entregou a [[Demo (música)|''demo'']] contendo seus vocais na canção para Hooper e Vries, que reorganizaram a composição — por esse fator os três também receberam o crédito de autoria — a versão final foi intitulada "Bedtime Story".<ref name="google82"/> O título da música serviu de base para o nome do álbum, com Madonna considerando que ele remetia à ideia de "histórias sendo contadas, de palavras que você ensina a crianças".<ref>{{citar web|título=Madonna: Come and get it!|autor=Chris Heath|acessodata=22 de junho de 2020|língua=en |obra=[[Details]]|data=dezembro de 1994|volume=185|número=12|issn=0740-4921}}</ref> Björk mais tarde declarou que Madonna pronunciou algumas das letras erroneamente, como "''abandonando a lógica e a razão''" ao invés da original "''aprendendo a lógica e a razão''";{{nota de rodapé|grupo=n|No original: "''Leaving logic and reason''" e "''Learning logic and reason''".}}<ref name="ret">{{harvsp|Rettenmund|2016|p=51}}</ref> No entanto, ela considerou isso um "erro interessante".<ref name="bedtime">{{citar web|url=https://www.bjork.fr/Bedtime-Stories|título=Bedtime Stories|arquivourl=Bjork.fr|arquivourl=https://web.archive.org/web/20170511181237/https://www.bjork.fr/Bedtime-Stories|arquivodata=25 de Maio de 2009 |ligação inativa=sim}}</ref> A versão original foi mais tarde retrabalhada por Björk e lançada sob o título de "Sweet Intuition", aparecendo como o [[lado B]] do ''single'' "Army of Me" e em versão remixada na canção "It's Oh So Quiet".<ref>{{harvsp|Pytlik|2003|p=194}}</ref> "Bedtime Story" foi lançada como a terceira [[música de trabalho]] do disco em 13 de fevereiro de 1995 na Europa e na Austrália, e em 11 de abril nos Estados Unidos.<ref name="aus"/><ref name="Promis"/>
 
== Estrutura musical e letras ==
{{Escute
| arquivo = Madonna-bedtime story.ogg
| título = "Bedtime Story"
| descrição = {{pequeno|No trecho de 22 segundos de "Bedtime Story" acima, ouve-se batidas ''[[House music|house]]'', com melodias inspiradas na [[música ambiente]] e ''[[New age (música)|new age]]''. O exemplo também ilustra o uso de [[Bateria (instrumento musical)|baterias]], sintetizadores, órgãos, bem como uma estrutura rítmica intrincada. Seu estilo [[música eletrônica|eletrônico]] contrasta com as canções [[R&B contemporâneo|R&B]] e ''[[new jack swing]]'' apresentadas por Madonna no restante do álbum.}}
| posição = direita
}}
No âmbito musical, "Bedtime Story" é uma canção derivada da [[música eletrônica]], sendo um notável contraste das outras músicas do álbum, que exploram majoritariamente o R&B e o ''[[new jack swing]]''.<ref name="Idolator"/><ref name="Falconi"/> Ao contrário dos trabalhos mais acelerados e melódicos de Madonna, a obra é mais lenta e possui uma estrutura rítmica complexa que se sustenta através de ''[[loop]]s'' 'silenciosamente' rítmicos.<ref name="google253"/> Sem conter muita [[melodia]], a cantora a interpreta de uma forma "abafada".<ref name="rikky"/> Apresenta um som influenciado pela [[música ambiente]], com uma batida ''[[House music|house]]'' "pulsante", "profunda [e] borbulhante". Há comparações estilísticas ao ''[[acid house]]'', com seu "esquelético" arranjo de [[sintetizador]]es, além de influências de [[Trance psicadélico|''trance'' minimalista]] e ''[[techno]]''.<ref name="Lucy291"/><ref name="rikky"/><ref name="ghv2"/> Segundo Eduardo Viñuela, editor do livro ''Bitch She's Madonna: La Reina del Pop en La Cultura Contemporánea'' (2018), a gravação transmite a sensação de "uma viagem à cultura oriental".<ref>{{harvsp|Viñuela|2018|p=130}}</ref> A instrumentação da obra é sintetizada, consistindo em ''loops'' de [[Caixa de ritmos|caixas de ritmos]], [[Órgão (instrumento musical)|órgãos]], [[Instrumento de cordas|cordas]], gorgolejos e palmas, bem como um coral "homofônico" digitalmente alterado.<ref name="rikky"/><ref name="google253"/> De acordo com a partitura publicada pela Alfred Publishing no portal Musicnotes.com, "Bedtime Story" é composta na [[clave]] de [[sol menor|''sol'' menor]] e possui um [[Tempo (música)|andamento moderado]] de 108 [[batidas por minuto]]. Os vocais de Madonna abrangem-se entre as notas de ''[[lá]]''<sub>3</sub> e [[sol bemol|''sol'' {{música|bemol}}]]<sub>5</sub>, com a canção contendo uma sequência básica formada pelas notas de ''sol'' menor<sub>9</sub>, [[ré menor|''ré'' menor]], ''[[mi]]'' e ''lá'' como sua [[progressão harmônica]].<ref>{{citar web|url=https://www.musicnotes.com/sheetmusic/mtd.asp?ppn=MN0018727|título=Bedtime Story By Madonna - Digital Sheet Music|acessodata=22 de junho de 2020|língua=en |obra=Musicnotes. Alfred Publishing Co., Inc.}}</ref>
 
A canção é ligada ao final da faixa anterior no álbum, "Sanctuary", e começa com o som de alguns de seus [[acorde]]s. Após isso, se inicia o arranjo de sintetizadores, sobre o qual a cantora pode ser ouvida gemendo, dando sequência ao som das caixas de ritmos e palmas.<ref name="rikky">{{harvsp|Rooksby|2004|p=49}}</ref><ref name="sopitas"/> Segundo o autor Santiago Fouz-Hernández, em ''Madonna's Drowned Worlds: New Approaches to Her Cultural Transformations'' (2004), ouve-se uma voz "grossa", desenvolvida por manipulação tecnológica, e sons que remetem a uma referência etérea ou mesmo "cosmológica" devido à sua estrutura desarticulada.<ref name="fouz">{{harvsp|Fouz-Hernández|Jarman-Ivens|2004|p=46}}</ref> Víctor Amaro Vicente, em seu livro ''The Aesthetics of Motion in Musics for the Mevlana Celal Ed-Din Rumi'' (2007), observou que a estrutura musical da canção apresenta muitas semelhanças ao ''[[New age (música)|nova era]]'' e a diferentes formas de [[Sufismo|música sufista]]. Ele comparou suas qualidades de atmosfera lenta ao [[mantra]] "[[mevlevi]]-sufista", enquanto a estrutura rítmica "constante e contínua" tem sido comparada à música utilizada nas cerimônias do ''[[Dhikr|zikr]]'', também presente quando a cantora repete a sílaba ''ah'' de forma intermitente com a sua voz alterada digitalmente, mas sobretudo na [[Introdução (música)|introdução]].<ref name="google253">{{harvsp|Amaro Vicente|2007|pp=253—254}}</ref> Björk foi creditada por dar à canção seu estilo particular; Nesse sentido, Vries considerou a construção da faixa "distintivamente Björkiana" e comentou que a islandesa "tem uma abordagem tão particular e idiossincrática para a construção de letras e frases [que] Madonna capturou [aquela] atmosfera maravilhosamente."<ref name="google293">{{harvsp|O'Brien|2008|p=293}}</ref> Num capítulo de ''Music and Technoculture'' (2003), os autores Charity Marsh e Melissa West escreveram que é possível ouvir a influência de Björk nos vocais de Madonna durante a canção.<ref>{{harvsp|Lysloff|Gay, Jr.|2003|p=182}}</ref>
 
Rikky Rooksby, autor de ''The Complete Guide to the Music of Madonna'', notou que as letras de "Bedtime Story" são um [[ode]] às alegrias da inconsciência e uma rejeição às supostas restrições da razão e da linguagem, citando como exemplo o trecho; "''Palavras são inúteis / Especialmente frases / Elas não significam nada / Como poderiam explicar o que eu sinto?''".<ref name="rikky"/><ref name="newnownext"/> Da mesma forma, Larry Flick da ''Billboard'' disse que foi um "apelo pungente por fuga e alegria inconsciente", expressando angústia e determinação,<ref name="flick"/> e para o autor Francesco Falconi representou uma viagem "na estética e no subconsciente".<ref name="Falconi"/> Liricamente, embora seja uma canção que fale sobre uma viagem ao inconsciente, foram apontadas outras conotações no significado de suas letras. Vicente notou a prevalência de temas [[Pós-modernidade|pós-modernistas]] e da ''nova era'' em algumas linhas, especialmente se tratando da incapacidade de articular o conceito de verdade, além da [[meditação]] e o relaxamento. O autor notou ainda que as referências [[clichê]]s a "querido", "saudando" e "ansiando", além das conotações sexuais de estar "molhada por dentro" não se referem ao amor "[[Secularização|secular]]", mas sim à [[Sufismo|poesia sufista]] "extática". O conteúdo lírico é um contraste dos trabalhos anteriores de Madonna, que eram altamente sexuais, eles se referem a conceitos de movimentos que são "centrais" na filosofia sufista: "Indicam atingir a ''fana'' através da ''[[mevlevi|sema]]'' (ficar 'perdido' e 'deixar a lógica e a razão nos braços da inconsciência')".<ref name="google253"/>
 
== Crítica profissional ==
[[Imagem:Björk_by_deep_schismic_at_Big_Day_Out_2008,_Melbourne_Flemington_Racecourse.jpg|esquerda|185px|thumb|"Bedtime Story" foi frequentemente comparada à trabalhos de sua co-autora a islandesa [[Björk]] (''imagem'').]]
De forma geral, "Bedtime Story" atraiu críticas positivas de acadêmicos, análistas especializados e jornalistas musicais, que alegaram que sua produção a tornou uma das melhores canções do álbum, bem como uma das mais subestimadas da carreira de Madonna. É o caso de [[Stephen Thomas Erlewine]], do banco de dados [[Allmusic]], que reconheceu-o como um dos maiores destaques do disco,<ref>{{citar web|último=Erlewine|primeiro=Stephen Thomas|autorlink=Stephen Thomas Erlewine|título=Madonna > ''Bedtime Stories'' > Overview|url=https://www.allmusic.com/album/bedtime-stories-mw0000119241|acessodata=22 de junho de 2020|língua=en |obra=Allmusic}}</ref> ou Sal Cinquemani da revista ''[[Slant Magazine|Slant]]'', que o considerou um de seus ''singles'' mais "desperdiçados".<ref>{{citar web|último=Cinquemani|primeiro=Sal|título=Review: Madonna, Bedtime Stories|url=https://www.slantmagazine.com/music/madonna-bedtime-stories/|acessodata=22 de junho de 2020|língua=en |obra=[[Slant Magazine]]|data=9 de março de 2003}}</ref> O mesmo autor deu a gravação uma nota "A" em sua revisão à compilação ''[[GHV2]]'' e acrescentou que poderia ter sido o próximo "[[Vogue (canção)|Vogue]]" (1990), porém "[até] mesmo os mais bravos programadores de rádios ''pop'' [a] ignoraram."<ref name="ghv2">{{citar web|último=Cinquemani|primeiro=Sal|título=Review: Madonna, GHV2|url=https://www.slantmagazine.com/music/madonna-ghv2/|acessodata=22 de junho de 2020|língua=en |obra=Slant Magazine|data=19 de novembro de 2001}}</ref> A jornalista da ''Billboard'', Larry Flick, revisou três vezes a obra. Em sua primeira crítica antes do lançamento comercial, ela o chamou de "hino ''trance''/''house'' obscuro" que está entre os "mais agitados do álbum, ideal para casas noturnas".<ref>{{citar web|url=https://books.google.com.ar/books?id=wgsEAAAAMBAJ&pg=PA26#v=onepage&q&f=false|título=Dance Trax|último=Flick|primeiro=Larry|data=18 de fevereiro de 1995|acessodata=22 de junho de 2020|língua=en |obra=Billboard|volume=107|número=7|página=26|issn=0006-2510}}</ref> Após seu lançamento, ela o descreveu como uma das canções ''pop'' "mais ousadas e experimentais" de Madonna, destacando a sua sonoridade "''dance''-''trance'' vanguardista" e o "[[gancho (música)|gancho]] intrigante".<ref name="flick">{{citar web|último=Flick|primeiro=Larry|título=Single Reviews|acessodata=22 de junho de 2020|língua=en |obra=Bilboard|data=18 de março de 1995|volume=107|número=11|página=59|url=https://books.google.com.mx/books?id=2wsEAAAAMBAJ&pg=PA59&redir_esc=y#v=onepage&q&f=false|issn=0006-2510}}</ref> Por último, enquanto avaliava "[[Human Nature (canção de Madonna)|Human Nature]]", ela reconheceu "Bedtime Story" como "magnífica e brilhantemente concebida que grudou sobre a mente de muitos".<ref>{{citar web|último=Flick|primeiro=Larry|título=Single Reviews|acessodata=22 de junho de 2020|língua=en |obra=Bilboard|data=3 de junho de 1995|volume=107|número=22|página=83|url=https://books.google.com.ar/books?id=1gsEAAAAMBAJ&pg=PA83#v=onepage&q&f=false|issn=0006-2510}}</ref> Jose F. Promis, do Allmusic, deu-lhe três estrelas de cinco e considerou-o um de seus ''singles'' "mais aventureiros e menos comerciais", que se manteve fiel à sua origem, ou seja, "música ''dance'' pura e não adulterada".<ref name="Promis"/> Peter Galvin, da publicação ''[[The Advocate]]'', destacou a sonoridade ''[[techno]]'' do tema, reminiscente do outro "hino de êxtase, "[[Rescue Me (canção)|Rescue Me]]" (1991).<ref>{{citar web|último=Galvin|primeiro=Peter|título=Virginesque: Madonna, Bedtime Stories|acessodata=22 de junho de 2020|língua=en |obra=[[The Advocate]]|data=15 de novembro de 1995|número=668|página=84|url=https://books.google.com.mx/books?id=y2QEAAAAMBAJ&lpg=PP1&hl=es&pg=PA84#v=onepage&q&f=false|issn=0001-8996}}</ref> Amaro Vicente escreveu que, graças à sua "complexa textura rítmica", tornou-se uma das "favoritas das pistas de dança em meados da década de 1990".<ref name="google253"/> Alejandra Torrales, do ''site'' mexicano ''Sopitas'', o descreveu como "uma joia que é posta perto do final do álbum como se fosse uma forma de encontrar a pérola, pegue-a e deixe-se levar por ela até o fim".<ref name="sopitas">{{citar web|último=Torrales|primeiro=Alejandra|título=De "Madonna" a "Confessions": Los discos de la Reina del Pop que valen la pena escuchar|url=https://www.sopitas.com/musica/10-discos-de-madonna-que-vale-pena-escuchar/|acessodata=22 de junho de 2020|língua=es |obra=Sopitas|data=18 de agosto de 2018}}</ref> Para a revista musical ''[[Rolling Stone]]'', Barbara O'Dair destacou o sonoridade "latejante" da canção, que "renuncia à linguagem em favor do entorpecimento".<ref>{{citar web|último=O'Dair|primeiro=Barbar|título=Bedtime Stories|url=https://www.rollingstone.com/music/music-album-reviews/bedtime-stories-183042/|acessodata=22 de junho de 2020|língua=en |obra=[[Rolling Stone]]|data=15 de dezembro de 1994}}</ref> No livro ''Enciclopedia Gay'' (2012), os autores Ignacio D'Amore e Mariano López o descreveram como "extremamente intenso e subaquático".<ref name="gay">{{harvsp|D'Amore|López|2012|p=94}}</ref>
 
Alguns outros críticos notaram a influência de Björk na obra. Por exemplo, Charity Marsh e Melissa West, autores de ''Music and Technoculture'' (2003), compararam os primeiros quarenta segundos de "Bedtime Story" com a música "[[Possibly Maybe]]", incluída no segundo álbum da islandesa, ''[[Post (álbum)|Post]]'' (1995), e notaram que era "evidente que [Madonna] imita [sua] técnica vocal, usando um tom íntimo e sussurrante".<ref>{{harvsp|Lysloff|Gay, Jr.|2003|p=199}}</ref> Chris Wade, escritor do livro ''The Music of Madonna'' (2016), afirmou que embora tenha sido composta por Björk, Madonna "se apossou dela ao adicionar uma sonolência estranha que a tornou uma de suas canções mais inusitadas, extravagantes e desafiadoras".<ref>{{harvsp|Wade|2016|pp=79–80}}</ref> James Servin, da revista ''Nylon'', a caracterizou como "sonhadora, atmosférica e vibrante", e mencionou que "colocava Madonna no contexto da música ''dance'' intelectual, [que é o] o terreno de Björk, ao cantar sobre sua decisão de não usar mais palavras, descartar a linguagem e se entregar totalmente aos sentimentos".<ref name="nylon"/> Na ''Encyclopedia Madonnica 20'' (2016), Matthew Rettenmund o listou como um de seus lançamentos mais incomuns, descrevendo-o como "uma jornada hipnótica, quase alucinógena por um estado mental idealizado". No entanto, ele sentiu que o fato de ter sido lançado depois de "'Take a Bow' diminuiu seu potencial".<ref name="ret"/> Quentin Harrison do portal ''Albumism'', chamou-o de "hipnótico" e elogiou a cantora por saber como "mantê-lo coeso com o R&B comercial" do resto do álbum.<ref name="Albumism"/> Em críticas menos favoráveis, Eduardo Viñuela sentiu que não acabou de coalhar e que o resultado não foi superior ao esperado. Embora tenha elogiado a mixagem, ele sugeriu que talvez estivesse muito "à frente de seu tempo".<ref>{{harvsp|Viñuela|2018|p=28}}</ref> Rooksby, que a comparou ao som da banda [[Everything but the Girl]], argumentando que era uma das "faixas mais artificiais" da artista e que "deveria ser mais longa e psicodélica".<ref name="rikky"/> Em sua revisão para o ''[[Pitchfork]]'', o músico [[Owen Pallett]] chamou-a de "inconcebivelmente decepcionante, estéril e estática" e "o primeiro fracasso realmente vergonhoso de Madonna". Ele o comparou negativamente a "[[Violently Happy]]" de Björk e concluiu que a abordagem desta última a uma canção de amor, "funciona tão bem quando combinada com sua própria estética mística, mas que não funciona com o consumismo zeloso de Madonna".<ref name="BSPitchfork">{{citar web|último=Pallett|primeiro=Owen|título=Madonna - Bedtime Stories|url=https://pitchfork.com/reviews/albums/madonna-bedtime-stories/|acessodata=22 de junho de 2020|língua=en |obra=[[Pitchfork Media|Pitchfork]]|data=16 de agosto de 2017}}</ref>
 
Em retrospecto, Mary von Aue da revista ''[[Vice (revista)|Vice]]'', em um artigo comemorativo ao 20º aniversário do álbum, disse que "Bedtime Story" e "Human Nature" provaram que ela "era dona de sua própria sexualidade e que não iria deixá-la obscurecê-la".<ref name="Vice">{{citar web|url=https://noisey.vice.com/en_au/article/69eyz6/madonna-bedtime-stories-20th-anniversary-sex-sexuality-feminism|título=Why Madonna's Unapologetic 'Bedtime Stories' Is Her Most Important Album|último=von Aue|primeiro=Mary|data=24 de outubro de 2014|acessodata=22 de junho de 2020|língua=en |obra=[[Vice (revista)|Vice]]}}</ref> Em um artigo da ''[[Parade (revista)|Parade]]'', Samuel R. Murrian observou que criou "uma experiência deslumbrante diferente de qualquer outra coisa no cânone de Madonna" e a incluiu em 43º lugar em sua lista dos 100 melhores ''singles'' da intérprete.<ref>{{citar web|último=Murrian|primeiro=Samuel R.|título=We Ranked the 100 Best Madonna Songs of All Time|url=https://parade.com/897929/samuelmurrian/best-madonna-songs-ranked/|acessodata=22 de junho de 2020|língua=en |obra=[[Parade (revista)|Parade]]|data=22 de fevereiro de 2020}}</ref> Bianca Gracie, da página ''[[Idolator]]'', a considerou a melhor do álbum, destacando sua "atmosfera psicodélica" que "absorve você com seus padrões vibrantes de bateria retirados diretamente da música ''trance'', o que cria uma atmosfera etérea". Além disso, ela lembrou que foi uma das principais inspirações para conceberem "Breathe on Me" (2003), de [[Britney Spears]].<ref name="Idolator">{{citar web|último=Gracie|primeiro=Bianca|título=Madonna's "Bedtime Stories" Turns 20: Backtracking|url=https://www.idolator.com/7567225/madonna-bedtime-stories-20-year-anniversary-backtracking?chrome=1|acessodata=22 de junho de 2020|língua=en |obra=[[Idolator]]|data=24 de outubro de 2014}}</ref> Em sua contagem dos 100 melhores, Louis Virtel da ''NewNowNext'', a classificou em 49º lugar, escrevendo que "Bjork poderia ter mantido essa odisseia de inconsciência para si mesma, mas ela encontrou uma sucessora digna em Madonna."<ref name="newnownext">{{citar web|url=http://www.newnownext.com/the-100-greatest-madonna-songs/02/2012/|título=The 100 Greatest Madonna Songs|último=Virtel|primeiro=Louis|data=3 de fevereiro de 2012|acessodata=22 de junho de 2020|língua=en |obra=NewNowNext}}</ref> A equipe da ''Rolling Stone'' classificou-o em 47º e disse que foi "uma exploração de sentimentos atmosféricos tão profundos que transcendem a linguagem".<ref>{{citar web|título=Madonna's 50 Greatest Songs - "Bedtime Story" (from 'Bedtime Stories,' 1994)|url=https://www.rollingstone.com/music/music-lists/madonnas-50-greatest-songs-126823/bedtime-story-from-bedtime-stories-1994-100903/|acessodata=22 de junho de 2020|língua=en |obra=Rollong Stone|data=27 de julho de 2016}}</ref> Na sua análise publicada pelo jornal britânico ''[[The Guardian]]'', Jude Rogers a classificou em 53º e mencionou que, embora Madonna a tenha interpretado de forma "soberbamente hipnótica", ainda soava "muito" similar a Björk.<ref>{{citar web|último=Rogers|primeiro=Jude|título=Every one of Madonna's 78 singles – ranked!|url=https://www.theguardian.com/music/2018/aug/16/every-one-of-madonnas-78-singles-ranked|acessodata=22 de junho de 2020|língua=en |obra=[[The Guardian]]|data=16 de agosto de 2018}}</ref> Mayer Nissim, do jornal online ''[[PinkNews]]'', considerou-a como a décima terceira melhor canção da intérprete, chamando-a de um "clássico ''[[dance pop]]'' ambiental incomum".<ref>{{citar web|url=https://www.pinknews.co.uk/2018/08/15/madonna-60-best-singles/|título=Madonna at 60: Queen of Pop's 60 best singles ranked|último=Nissim|primeiro=Mayer|data=15 de agosto de 2018|acessodata=22 de junho de 2020|língua=en |obra=[[PinkNews]]}}</ref> Para Guillermo Alonso, da edição espanhola da ''[[Vanity Fair (revista)|Vanity Fair]]'', era a 40ª canção mais marcante de sua discografia,<ref>{{citar web|último=Alonso|primeiro=Guillermo|título=Todos los singles de Madonna, ordenados de peor a mejor|url=https://www.revistavanityfair.es/sociedad/celebrities/articulos/discografia-madonna-singles-ordenados-peor-a-mejor-ranking-rebel-heart-tour-espana/21203|acessodata=22 de junho de 2020|língua=es |obra=[[Vanity Fair (revista)|Vanity Fair]]|localização=Espanha|data=6 de agosto de 2015}}</ref> e para Matthew Jacobs, do ''[[HuffPost]]'', é a mais "hipnótica" de Madonna.<ref>{{citar web|último=Jacobs|primeiro=Matthew|título=The Definitive Ranking Of Madonna Singles|url=https://www.huffpost.com/entry/the-definitive-ranking-of-madonna-singles_n_5078934|acessodata=22 de junho de 2020|língua=en |obra=[[HuffPost]]|data=22 de abril de 2014}}</ref> Andrew Unterberger, da ''Billboard'', considerado o ''remix'' "Junior's Wet Dream Mix" como a 44ª melhor música da intérprete, argumentou: "O pulso central [da música] tinha um certo apelo, e o DJ Junior Vasquez o trouxe em seu ''remix'' "Wet Dream", ao encontrar o hedonismo implícito no gancho, determinou que não era preciso escolher entre o quarto e a pista de dança".<ref>{{citar web|título=The 100 Greatest Madonna Songs: Critics' Picks|url=https://www.billboard.com/articles/news/list/8469835/100-greatest-madonna-songs-list|acessodata=22 de junho de 2020|língua=en |obra=Billboard|data=15 de agosto de 2018}}</ref>
 
"Bedtime Story" foi descrita como a canção que introduziu o uso da música eletrônica nas obras posteriores de Madonna, particularmente em ''[[Ray of Light]]'' (1998).<ref name="google293"/> Em relação a este último, Amaro Vicente considerou que "seu caráter contemplativo e ''techno''/''[[rave]]'' eletrônico se deve a "Bedtime Story","<ref name="google253"/> enquanto o autor italiano Francesco Falconi chamou-a de "uma joia" que também representava "o primeiro passo para a direção eletrônica da artista em 1998".<ref name="Falconi">{{harvsp|Falconi|2017|pp=86—87}}</ref> Opinião compartilhada por James Servin de ''Nylon''.<ref name="nylon"/> Promis, do Allmusic, admitiu que, em vez de se encaixar na "calorosa ''vibe'' [[Adulto contemporâneo|adulto contemporâneo]]" do restante de ''Bedtime Stories'' era mais parecido com o material de ''Ray of Light'', devido às suas "nuances eletrônicas".<ref name="Promis">{{citar web|url=https://www.allmusic.com/album/bedtime-story-mw0000126433|título=Madonna > ''Bedtime Story'' > Overview|último=Promis|primeiro=Jose F.|acessodata=22 de junho de 2020|língua=en |obra=[[Allmusic]]}}</ref> Para Lucy O'Brien, autora de ''Madonna: Like an Icon'' (2008), a música "parecia querer explorar algo" nela; A este respeito, De Vries declarou: "Ela começou a querer sair da coleira e encontrar outras línguas para falar. Foi um momento embrionário que foi muito mais longe nos álbuns seguintes".<ref name="google293"/> Sal Cinquemani a considerou "o germe que a inspiraria a conquistar a eletrônica e trabalhar com figuras como [[William Orbit]] e [[Mirwais Ahmadzaï]]".<ref name="ghv2"/> Ao eleger seus sessenta ''singles'' preferidos de Madonna, Chuck Arnold da ''[[Entertainment Weekly]]'', enfatizou que a faixa era importante em seu catálogo, pois era "um ponto de partida para a eletrônica de ponta de ''Ray of Light''",<ref>{{citar web|último=Arnold|primeiro=Chuck|título=Madonna's 60 best singles, ranked|url=https://ew.com/music/2018/08/15/madonnas-60-best-singles-ranked/|acessodata=22 de junho de 2020|língua=en |obra=[[Entertainment Weekly]]|data=15 de agosto de 2018}}</ref> algo que os editores da revista digital de entretenimento [[Medium (site)|Medium]] concordaram.<ref name="BSPitchfork"/><ref name="Albumism">{{citar web|último=Harrison|primeiro=Quentin|título=Madonna's 'Bedtime Stories' Turns 25 - Anniversary Retrospective|url=https://www.albumism.com/features/madonna-bedtime-stories-turns-25-anniversary-retrospective|acessodata=22 de junho de 2020|língua=en |obra=[[Albumism]]|data=20 de outubro de 2019}}</ref><ref>{{citar web|último=LaBeau|primeiro=Raichard|título=Ranking All 57 of Madonna's Billboard Hits in Honor of Her 60th(!) Birthday|url=https://medium.com/rants-and-raves/ranking-all-57-of-madonnas-billboard-hits-in-honor-of-her-60th-birthday-b4f5e2d10fcd|acessodata=22 de junho de 2020|língua=en |obra=[[Medium (site)|Medium]]|data=18 de agosto de 2018}}</ref>
 
== Vídeo musical ==
=== Desenvolvimento ===
[[Imagem:Mark Romanek Tokyo Intl Filmfest 2010.jpg|180px|thumb|right|upright|[[Mark Romanek]] dirigiu o vídeo de "Bedtime Story", através do qual apresentou seu "surrealismo pictórico".]]
O vídeo musical de "Bedtime Story" foi filmado de 5 a 11 de dezembro de 1994 nos [[Universal Studios|Estúdios Universal]] em [[Universal City (Califórnia)|Universal City]], [[Califórnia]], sob a direção de [[Mark Romanek]].<ref name="Nación">{{citar web|título=Los siete videoclips más caros de la historia|url=https://www.lanacion.com.ar/espectaculos/musica/los-siete-videclips-mas-caros-de-la-historia-nid1998661|acessodata=22 de junho de 2020|língua=es |obra=[[La Nación (Argentina)|La Nación]]|localização=Argentina|data=27 de março de 2017}}</ref><ref name="BBBigScreen">{{citar web|último=Russell|primeiro=Deborah|título=Madonna's Vid Sneaks In Theaters|acessodata=22 de junho de 2020|língua=en |obra=Billboard|data=25 de março de 1995|volume=107|número=12|página=42|url=https://books.google.com.mx/books?id=7AsEAAAAMBAJ&pg=PA42&redir_esc=y#v=onepage&q&f=false|issn=0006-2510}}</ref> Filmado pelo cinematógrafo Harris Savides, o vídeo foi feito em lentes [[35 mm]], com ''design'' de produção de Tom Foden.<ref name="BBBigScreen"/> Devido aos [[efeitos especiais]] "elaborados", seu orçamento foi estimado em 5 milhões [[Dólar dos Estados Unidos|dólares]], tornando-o um dos [[Lista dos videoclipes mais caros|mais caros de todos os tempos]], tendo sido o mais caro na época de seu lançamento — em conjunto com o de "[[Express Yourself]]", lançado por Madonna em 1989 e também com produção avaliada em 5 milhões dólares.<ref>{{citar web|último=McIntyre|primeiro=Hugh|url=https://www.forbes.com/sites/hughmcintyre/2014/08/24/the-top-5-most-expensive-music-videos-of-all-time/|título=The 5 Most Expensive Music Videos Of All Time|acessodata=22 de junho de 2020|língua=en |obra=[[Forbes]]|data=24 de agosto de 2014|arquivourl=https://web.archive.org/web/20140826074648/https://www.forbes.com/sites/hughmcintyre/2014/08/24/the-top-5-most-expensive-music-videos-of-all-time/|arquivodata=25 de Maio de 2009 |ligação inativa=sim}}</ref><ref name="RS20"/> Madonna havia primeiramente entrado em contato com Romanek para dirigir o vídeo de "[[Bad Girl (canção de Madonna)|Bad Girl]]", ''single'' do álbum ''Erotica''. Ela lhe apresentou como inspiração uma pintura escura e perturbadora, o que surpreendeu o diretor. A gravação acabou por ser dirigida por [[David Fincher]], mas Romanek veio a trabalhar no vídeo de "[[Rain (canção de Madonna)|Rain]]", também faixa de trabalho daquele álbum. Ele comentou em seu DVD, ''The Work of Director Mark Romanek'', ter sido contatado novamente para dirigir o vídeo de "Bedtime Story", aceitando a proposta depois de ouvir a música — considerando-a um recurso para demonstrar seu "surrealismo pictórico". Como forma de buscar inspiração para dirigi-lo, Romanek investigou a vida e obra de vários pintores surrealistas, como [[Leonora Carrington]] e [[Remedios Varo]], a quem buscou homenagear nesse trabalho.<ref name="RS20">{{citar web|título=Express Yourself: The Making of Madonna’s 20 Greatest Music Videos - "Bedtime Story" (1995)|url=https://www.rollingstone.com/music/music-lists/express-yourself-the-making-of-madonnas-20-greatest-music-videos-140803/bedtime-story-1995-65848/|acessodata=22 de junho de 2020|língua=en |obra=Rolling Stone|data=25 de fevereiro de 2015}}</ref> Em seguida, Romanek contatou o artista gráfico Grant Shaffer para criar o [[esboço sequencial]] para o vídeo; isso já havia sido feito com Madonna antes em "[[Deeper and Deeper]]" (1992) e "Rain". Eles se encontraram no dia seguinte na Spot Welders, uma empresa de edição cinematográfica em [[Venice]], [[Los Angeles]], onde Romanek estava finalizando o processo de edição do vídeo de "[[Closer to God|Closer]]", da banda de ''rock'' [[Nine Inch Nails]]. O diretor tocou "Bedtime Story" para Shaffer e também lhe mostrou algumas fotos de Madonna, que na época estavam sendo consideradas para a capa do álbum. As imagens inspiradas pelo [[surrealismo]] apresentavam a cantora num estilo místico, com cabelos brancos ondulados atrás dela.<ref name="BoyToyBedtime">{{citar web|último=Shaffer|primeiro=Grant|título=Bedtime Storyboards: An All-time Classic Madonna Video in the Making|acessodata=22 de junho de 2020|língua=en |obra=Icon|data=janeiro de 1995|volume=5|número=2|páginas=8—10, 20}}</ref> Em entrevista com a revista ''Aperture'', Madonna revelou a inspiração para o vídeo:
 
<blockquote>O vídeo de "Bedtime Story" é totalmente inspirado em pintores surrealistas como Leonora Carrington e Remedios Varo. Há uma cena em que as minhas mãos estão no ar e estrelas giram ao meu redor. Outra onde eu voo com o meu cabelo se arrastando atrás de mim, os pássaros voando para fora do meu roupão aberto — todas essas imagens foram homenagens à pintores surrealistas.<ref name="Falconi"/></blockquote>
 
Romanek detalhou a Shaffer cada cena que havia concebido com Madonna; ela ligou da [[Flórida]] e explicou o orçamento necessário para o vídeo, bem como seus próprios conceitos por trás dele. Nos dias seguintes, Shaffer desenhou os esboços sequenciais e enviou-os por [[fax]] ao diretor, que acrescentava revisões a elas; Em uma entrevista à revista ''Icon'', ele afirmou que "[Mark] tinha visões específicas em sua mente, fosse a aparência de Madonna ou os detalhes da paisagem dos sonhos, e foi muito incessante até que finalmente acertamos."<ref name="BoyToyBedtime"/> Quase cem pessoas trabalharam durante as filmagens, para o qual foram criados conjuntos e acessórios "[[Futurismo|futurístico]]s" e "[[góticos]]". Durante os três meses seguintes, Shaffer esperou para serem iniciadas as gravações, uma vez que ''Bedtime Stories'' estava sendo lançado e os vídeos das duas primeiras faixas de trabalho, "[[Secret (canção de Madonna)|Secret]]" e "[[Take a Bow (canção de Madonna)|Take a Bow]]", estavam em alta rotação em canais de música. No primeiro dia de filmagem, 5 de dezembro, ao chegar nos Estúdios Universal, Shaffer impressionou-se pela grandiosidade e a aparência futurística dos cenários. Seus esboços sequenciais foram coladas num quadro gigante em conjunto com os horários destinados à gravação de cada cena, e observou que muitas de suas ideias haviam evoluído desde que ele começou a trabalhar em agosto, mas que os conceitos principais haviam sido mantidos. Na mesma entrevista, Shaffer admitiu que "é sempre uma jornada para mim ver uma ideia intangível ganhar vida usando os esboços sequenciais como plataforma. É como sonhar com um determinado lugar ou objeto e depois vê-lo se materializar em realidade".<ref name="BoyToyBedtime"/>
 
Madonna chegou logo depois e prosseguiu com as cenas em que estaria dentro d'água. Para os alinhamentos de pré-filmagens nos adereços, foi utilizado nos ângulos e nas posições da câmera uma [[Dublê|dublê]] de Madonna. Cada cena foi filmada duas vezes, e a artista alterava completamente seu figurino: como exemplo, uma sequência em que ela usou uma peruca branca ao estilo [[Era vitoriana|vitoriana]] com um longo vestido, e para a próxima ela mudou por outra peruca branca reta até o tornozelo e trajou um vestido branco, ou em uma em que aparece de terno prateado futurista e sapatos de plástico transparente, similar a ''[[Logan's Run]]'' (1976), com o cabelo mais curto penteado para trás. Algumas complicações ocorreram durante as filmagens: como a pele de Madonna tendo sido tingida de azul por ela passar muitas horas num tanque de água com caveiras, a interrupção das gravações por algumas horas devido a um pequeno [[terremoto]] que atingiu o estúdio; além de dificuldades técnicas que causaram o cancelamento de uma cena em que mostraria a artista abrindo sua [[Tórax|cavidade torácica]] e expondo seus órgãos internos. Uma tomada em que ela estaria sentada no colo de um [[esqueleto]] precisou ser adiada pois o adereço era pequeno demais para a cantora, e teve de ser reconstruído totalmente. A última cena filmada envolveu um laboratório em que Madonna estaria dormindo, usando um vestido futurista.<ref name="BBBigScreen"/>
 
=== Lançamento e sinopse ===
Em 10 de março de 1995, o vídeo foi lançado como [[curta-metragem]] musical em três diferentes salas de cinema do [[Cinemas Odeon|Odeon Cineplex]]: no Broadway Cinemas em [[Santa Mônica (Califórnia)|Santa Mônica, Califórnia]], no Chelsea Theater em [[Nova Iorque]] e no Biograph Theater em [[Chicago]], [[Illinois]]. De acordo com Abbey Konowitch, gerente geral da Maverick Records, Madonna decidiu fazer parceria com a Odeon porque sua intenção era que o videoclipe "transcendesse a tela da televisão" e desse ao público a oportunidade de vê-la de uma forma inovadora e "antes de mais ninguém". Em entrevista à ''Billboard'', ela acrescentou: "Quando você gasta tempo, energia criativa e dinheiro para reinventar a si mesmo e ao meio visual, precisa encontrar diferentes maneiras de expor seu trabalho e levá-lo às pessoas de uma forma não tradicional."<ref name="BBBigScreen"/> Por sua vez, Freeman Fisher, vice-presidente de relações com os estúdios da Odeon, explicou que tal evento não poderia ser organizado a cada lançamento porque causaria problemas de investimentos. Além disso, limitou-se a esses cinemas porque assim teriam a maior variedade de espectadores e que, como se tratava de uma temporada lenta de ingressos, a estreia ajudou a vender mais bilhetes e foi vista como uma "experiência única". Ele concluiu: "[P]or quatro minutos o público vê imagens cinematográficas surpreendentes numa produção de primeira classe. Não é apenas outro artista mexendo a boca por cima da música."<ref name="BBBigScreen"/> Em Nova Iorque, a rádio [[Z100]] promoveu o projeto em teatros em [[Manhattan]], oferecendo aos ouvintes passes de cinema e exemplares do disco ''Bedtime Stories'' gratuitamente, já em Santa Mônica o número de ligações recebidas pela direção local foi tal que resultou em um "nível intenso de interesse pela promoção".<ref name="BBBigScreen"/> A fim de promover o vídeo, Madonna realizou um evento no [[Webster Hall]] em Nova Iorque no dia 18 seguinte, para 2,000 pessoas. O canal [[MTV]] e também a rádio Z100 o transmitiram como um especial, intitulado ''Madonna's Pajama Party'', algo inédito na carreira da cantora.<ref name="BBBigScreen"/><ref>{{citar web|url=https://news.google.com/newspapers?nid=1755&dat=19950323&id=crIcAAAAIBAJ&sjid=kHwEAAAAIBAJ&pg=6837,3323054|título=It's all 'Evita' for Madonna|último=Smith|primeiro=Liz|data=23 de março de 1995|acessodata=22 de junho de 2020|língua=en |obra=Sarasota Herald-Tribune|página=111}}</ref> Madonna chegou ao local com um casaco com estampas de [[leopardo]] e cabelos cacheados, depois revelou uma camisola de seda branca.<ref name="morgan"/> O videoclipe foi exibido no evento e Junior Vasquez, que também participou do especial como ''[[disco-jóquei]]'' (DJ), apresentou seus [[remix]]es da faixa.<ref>{{citar web|url=https://books.google.com.ar/books?id=6AsEAAAAMBAJ&pg=PA42&redir_esc=y#v=onepage&q&f=false|título=Time For Bed|último=Flick|primeiro=Larry|data=8 de abril de 1995|acessodata=22 de junho de 2020|língua=en |obra=Billboard|volume=117|número=14|página=42|issn=0006-2510}}</ref> Ao final, ela leu para o público a história infantil ''Miss Spider's Tea Party'' (1994) deitada em uma cama enorme.<ref name="morgan">{{harvsp|Morgan|2015|p=165}}</ref> A gravação audiovisual foi incluída no álbum de vídeo ''[[The Video Collection 93:99]]'' e no DVD ''[[Celebration: The Video Collection]]''.<ref>{{citar web|primeiro=David|último=Basham|título=Madonna Offers Up New Video Compilation|url=http://www.mtv.com/news/1431573/madonna-offers-up-new-video-compilation/|acessodata=22 de junho de 2020|língua=en |obra=MTV|data=2 de setembro de 1999}}</ref><ref>{{citar web|url=https://www.diario26.com/95287--asi-sera-celebration|título=Así será "Celebration"|data=28 de agosto de 2009|acessodata=22 de junho de 2020|língua=en |obra=Canal 26|localização=Argentina}}</ref>
 
[[Imagem:Madonna - Bedtime Story (Capturas).png|esquerda|175px|thumb|Capturas do vídeo musical de "Bedtime Story"; Na imagem a cima, Madonna canta em frente a uma girassol, na segunda, ela é vista por algumas pessoas num telão.]]
O vídeo representa uma viagem ao sonho e ilustra a temática lírica da música, ''Vamos Ficar Inconscientes''.<ref name="Falconi"/><ref name="BBBigScreen"/> A trama inicia-se com a tela azul de um [[computador]] exibindo o [[Olho de Hórus]] e uma mensagem que diz "Bem vindo", e embaixo, em letras menores "Assunto: Ciccone, M[adonna]".{{nota de rodapé|grupo=n|No [[língua inglesa|original]]: "''Welcome – subject: Ciccone, M''".}} O vídeo progride para dentro de uma sala azul onde a cantora aparece como objeto de um teste científico, após uma substância líquida ser injetada em seu braço, ela cai em um sonho, conseguindo entrar em seu subconsciente.<ref name="google250"/> As imagens demonstradas nesta cena foram comparadas ao [[hermetismo]] e à [[nova era]], no sentido de que seu corpo pálido parece quase leve e não está mais conectado à terra.<ref name="google4">{{harvsp|Fouz-Hernández|Jarman-Ivens|2004|p=45}}</ref> A gravação segue com uma sequência de sonhos, contendo variados visuais e símbolos surrealistas, místicos, nova era, sufista e egípcios,<ref name="fouz"/><ref name="dazed"/><ref name="parade"/> e representações de água, lua e vários pássaros.<ref name="google250"/> Isso inclui imagens intercaladas nas quais Madonna canta em frente a um [[girassol]] rotatório que agita suas pétalas ao redor dela e outras onde um menino loiro é mostrado ao lado de um homem, com um pano em suas mãos. Também são vistos uma mulher com cabelos compridos e encaracolados, um [[alquimista]] levitando um cubo com o rosto de Madonna — caracterizada com longos cabelos pretos — em cada face, um senhor de costas com aparência de [[buda]] e [[dervixe]]s girando e dançando em um grande salão. Em seguida, ela é vista dentro um poço com crânios parcialmente visíveis, enquanto um estranho homem a observa de cima. Depois, é mostrado brevemente no fundo de um lago, os dizeres "Palavras são Inúteis Especialmente Sentenças".{{nota de rodapé|grupo=n|No original: "''Words are Useless Especially Sentences''".}} Na sequência, a cantora aparece grávida usando um vestido branco enquanto suas mãos acariciam sua barriga. No lago, surgem duas pessoas com espelhos ao invés de crânios, que refletem o rosto da intérprete, e ela, que estava grávida, dá a luz a [[pombo]]s brancos, que saem a voar; essa cena foi comparada ao quadro ''Meu Nascimento'' de [[René Magritte]] e [[Frida Kahlo]], de 1932.{{nota de rodapé|grupo=n|No original: "''My Birth''".}}<ref name="fouz"/> A musicista é vista dormindo e deitando no colo de um esqueleto completo, que a abraça. De repente, ela sai a [[voar]] em um corredor, enquanto o menino loiro a vê e fica espantado. Em outra cena, Madonna aparece em um telão com a sombra de algumas pessoas a vendo, e posteriormente, ela põe sua língua para fora e uma luz sai de sua testa, e parece acorda-la, enquanto ela segue flutuando por um fundo preto, com estrelas, o homem do início do vídeo cobre o garoto loiro com o pano, enquanto a cantora é mostrada cercada de estrelas. Uma cena em que seus olhos e sua boca aparecem deslocados precede o final; o vídeo se encerra mostrando Madonna acordando e olhando para a câmera.<ref>{{citar álbum|título=The Work of Director Mark Romanek|artista=[[Mark Romanek|Romanek, Mark]]|ano=2005|formato=DVD|localização=Estados Unidos|gravado=Palm Pictures|id=PALMDVD 3079-2|volume=4|serie=Directors Label|língua=en}}</ref>
 
=== Recepção e análise ===
O vídeo de "Bedtime Story" recebeu aclamação crítica desde seu lançamento. Corinna Herr escreveu no livro ''Madonna's Drowned Worlds'' que "referências visuais a pinturas surreais parece ser uma chave para o mundo das imagens de Madonna" e listou a gravação como um desses vídeos.<ref>{{harvsp|Fouz-Hernández|Jarman-Ivens|2004|p=48—49}}</ref> No mesmo livro, o autor Santiago Fouz-Hernández acrescentou que vídeos como "Bedtime Story" incluíam tradições [[Alquimia|alquímicas]] e [[Hermetismo|hermetistas]], em particular os conceitos de [[androginia]] e [[Mascaramento (personalidade)|mascaramento]].<ref>{{harvnb|Fouz-Hernández|Jarman-Ivens|2004|p=19}}</ref> Herr também escreveu sobre as influências da nova era no vídeo e o conceito de um mundo idealizado, "do qual ela não é necessariamente parte, mas para a qual, no entanto, parece atraída".<ref name="herr">{{harvsp|Fouz-Hernández|Jarman-Ivens|2004|p=19}}</ref> Amaro Vicente declarou que, ao misturar de forma complexa realidade e sonho, ciência e fé, realismo e absurdo, toque e abstração, o vídeo se estabelece "como um produto da pós-modernidade e da nova era". Ele também argumentou que é baseado nas crenças e símbolos de várias religiões do mundo; Em conexão com isso, ela percebeu [[hieróglifo]]s antigos, uma representação da morte e símbolos [[Mevlevi]]s e [[Hindu]]s, este último particularmente na sequência em que a artista mostra a língua enquanto uma luz clara emana de sua testa como se fosse um terceiro olho, que, segundo o autor, representa [[Kali]], deusa da destruição.<ref name="google250">{{harvsp|Amaro Vicente|2007|p=250}}</ref> James Steffen, de ''The Cinema of Sergei Parajanov'' (2013), indicou que a cena em que uma criança lê um livro e faz vários vasos se moverem com a mente ao longo de uma grande mesa até que joga um no chão, é uma influência de Romanek em trabalhos do cineasta russo [[Andrei Tarkovsky]], como ''[[Stalker]]''. Da mesma forma, outra sequência em que um pé esmaga um cacho de uvas numa inscrição árabe, refere-se ao filme soviético ''The Color of Pomegranates'', de 1969, dirigido por [[Sergei Parajanov]]. O autor expressou que essas alusões refletiam a atmosfera [[Onirismo|onírica]] e mística, e ainda completou dizendo que a gravação incorpora outras "imagens orientais exóticas, como dervixes girando".<ref>{{harvsp|Steffen|2013|p=251}}</ref> Eduardo Viñuela sublinhou o seu caráter onírico e afirmou que é aqui onde ela "realmente desdobra toda a artilharia de referências iconográficas. Ele concluiu dizendo que o trabalho se afastava das "convenções [exploradas] em videoclipes para abordar a vídeo-arte".<ref name="viñuela">{{harvsp|Viñuela|2018|p=90}}</ref>
 
[[Imagem:Museum of Modern Art New York 2005-04-28.jpg|thumb|direita|O vídeo encontra-se em exposição permanente no [[Museu de Arte Moderna (Nova Iorque)|Museu de Arte Moderna de Nova Iorque]].]]
O videoclipe acabou se tornando uma das obras mais importantes de Madonna e é considerado uma de suas produções mais artísticas e experimentais.<ref name="google250"/> Em retrospectivas, O'Brien elogiou o trabalho, chamando-o de "um dos vídeos mais experimentais" de Madonna e um "épico [[Salvador Dali|Dali]]-esco", o que permitiu-a entrar "nos portais das [[belas artes]]".<ref>{{harvsp|O'Brien|2008|p=294}}</ref> Jake Hall, da publicação britânica ''[[Dazed]]'', considerou "Bedtime Story" como um modelo para "a tendência futurista dos anos 1990", acrescentando que o vídeo "evita o óbvio, em favor de explorar as [[imagens geradas por computador]]".<ref name="dazed">{{citar web|último=Hall|primeiro=Jake|título=How a sci-fi music video obsession gripped the 90s|url=https://www.dazeddigital.com/music/article/29875/1/how-a-sci-fi-music-video-obsession-gripped-the-90s|acessodata=22 de junho de 2020|língua=en |obra=[[Dazed]]|data=18 de fevereiro de 2016}}</ref> Mary von Aue da ''Vice'' o definiu como o primeiro exemplo do que se tornaria a "longa jornada" da artista em busca da espiritualidade, acrescentando que "ela não poderia ter experimentado melhor o inconsciente coletivo se tivesse sido dirigido por [[Carl Gustav Jung|Carl Jung]]".<ref name="Vice"/> Além do exposto, os críticos notaram influências do vídeo nos filmes ''[[The Fall (filme)|The Fall]]'' (2006) e ''[[A Cela|The Cell]]'' (2000), de [[Tarsem Singh]];<ref>{{citar web|último=Brevet|primeiro=Brad|título=Comparing Tarsem's 'Fall' and 'Cell' to Romanek's 'Bedtime Story'|url=https://www.comingsoon.net/movies/news/527947-comparing_tarsems_fall_and_cell_to_romaneks_bedtime_story|acessodata=22 de junho de 2020|língua=en |obra=Cooming Soon|data=11 de junho de 2008}}</ref> Escrevendo para a [[MTV]] um artigo elencando as referências à cultura ''pop'' presentes no vídeo de "[[Hold It Against Me]]", de [[Britney Spears]], James Montgomery adjetivou "Bedtime Story" como um vídeo "ultra artístico" e notou sua influência no trabalho de Spears, destacando os seus cenários futuristas, os dançarinos em sincronização e a cena em que ela usa um grande vestido branco flutuante.<ref>{{citar web|último=Montgomery|primeiro=James|título=Britney Spears' "Hold it Against Me" Video: A Pop-Culture Cheat Sheet|url=http://www.mtv.com/news/1658284/britney-spears-hold-it-against-me-references/|acessodata=22 de junho de 2020|língua=en |obra=[[MTV]]|data=18 de fevereiro de 2011}}</ref> Os autores Ignacio D'Amore e Mariano López comentaram que ele antecipou as cenas "mais velozes" de ''[[A Cela|The Cell]]'' e também apresentou a Madonna "menos conectada ao ''[[mainstream]]'' em anos", imitando o tom "élfico" de Björk, disfarçando-se de "moderna" e se dedicando a explorar seu inconsciente.<ref name="gay"/> Foi exibido e mantido permanentemente em diferentes galerias de arte e museus,<ref name="viñuela"/> entre os quais destaca-se a Escola de Artes Visuais de Nova Iorque,<ref>{{citar web|url=https://books.google.com.ar/books?id=OOECAAAAMBAJ&pg=PA154&redir_esc=y#v=onepage&q&f=false|título=Fourth Annual Digital Salon Show|data=18 de novembro de 1996|acessodata=22 de junho de 2020|língua=en |obra=[[New York (revista)|New York]]|volume=29|número=45|página=154|issn=0028-7369}}</ref> e faz parte da coleção permanente do [[Museu de Arte Moderna (Nova Iorque)|Museu de Arte Moderna]] da cidade pela "suas proezas artísticas e suas inspirações surrealistas".<ref name="Nación"/><ref>{{citar web|título=Impone tendencia la 'Chica Material'|url=https://archivo.eluniversal.com.mx/espectaculos/86958.html|acessodata=22 de junho de 2020|língua=es |obra=[[El Universal (México)|El Universal]]|localização=México|data=26 de novembro de 2008}}</ref>
 
Em 2012, a ''Billboard'' pediu aos seguidores da cantora que escolhessem seus dez vídeos mais marcantes, e "Bedtime Story" ficou em quinto lugar.<ref>{{citar web|último=Letkemann|primeiro=Jessica|título=Madonna's 10 Best Videos: Poll Results|url=https://www.billboard.com/articles/news/480515/madonnas-10-best-videos-poll-results|acessodata=22 de junho de 2020|língua=en |obra=Billboard|data=16 de agosto de 2012}}</ref> Ele também figurou na mesma posição na lista compilada por Samuel R. Murrian da ''Parade'', que escreveu: "Um dos fatores-chaves na longevidade incomparável de Madonna é sua disposição para experimentar, indefinidamente. Este videoclipe é uma prova disso. Uma conquista cinematográfica incrível, é como andar dentro de uma pintura de Salvador Dalí".<ref name="parade">{{citar web|último=Murrian|primeiro=Samuel R.|título=We Ranked Madonna's 20 Greatest Music Videos—Happy Birthday to the Queen of Pop!|url=https://parade.com/693059/samuelmurrian/we-ranked-madonnas-20-greatest-music-videos-happy-birthday-to-the-queen-of-pop/|acessodata=22 de junho de 2020|língua=en |obra=Parade|data=16 de agosto de 2018}}</ref> Da mesma forma, Louis Virtel de ''NewNowNext'' classificou-o em oitavo lugar entre os 55 de maior destaque da cantora, chamando-o de "o ''[[Mulholland Drive (filme)|Mulholland Drive]]'' de [sua] biografia, um sonho febril convulsionado e vivo".<ref>{{citar web|último=Virtel|primeiro=Louis|título=Madonna’s 55 Best Videos, In Honor of Her 55th Birthday|url=http://www.newnownext.com/madonnas-55-best-videos-in-honor-of-her-55th-birthday/08/2013/|acessodata=22 de junho de 2020|língua=en |obra=NewNowNext|data=16 de agosto de 2016}}</ref> Mike Nied do ''Idolator'' classificou-o em 13º lugar entre os 25 melhores da artista e chamou-o de "apropriadamente surreal e surpreendente".<ref>{{citar web|último=Nied|primeiro=Mike|título=From "Vogue" To "Hung Up," Madonna's 25 Best Videos|url=https://www.idolator.com/7684356/madonna-25-best-videos-ranked?chrome=1|acessodata=22 de junho de 2020|língua=en |obra=Idolator|data=16 de agosto de 2018}}</ref> Christopher Rosa, do ''[[VH1]]'', incluiu-o entre os dez vídeos mais subestimados de sua carreira, chamando-o de "um sonho psicodélico e às vezes completamente perturbador".<ref>{{citar web|último=Rosa|primeiro=Christopher|título=Madonna's 10 Most Underrated Music Videos|url=http://www.vh1.com/news/277758/madonna-underrated-music-videos/|acessodata=22 de junho de 2020|língua=en |obra=[[VH1]]|data=16 de agosto de 2016}}</ref>
 
== Apresentações ao vivo ==
Em fevereiro de 1995, Madonna cantou ao vivo um ''remix'' de "Bedtime Story" feito por Vasquez durante a 15ª entrega do [[Brit Awards|Prêmio de confiança da indústria fonográfica britânica]]{{nota de rodapé|grupo=n|Tradução livre para "[[Brit Awards|British Awards Record Industry Trusts Show]]."}} Ela usava uma roupa "sofisticada" que consistia em um vestido branco de marca [[Versace]] e uma longa peruca loira que ia até a sua cintura; Essa aparência era semelhante à campanha publicitária da casa de moda que ele estava promovendo na época.<ref name="google82"/><ref name="Falconi"/> A artista convidou Björk para se apresentar ao seu lado no palco, mas a islandesa rejeitou a proposta; A esse respeito, ela argumentou: "Eles deveriam ter me dado o número pessoal dela e eu a ligaria, mas eu simplesmente não me senti confortável. Eu adoraria conhecê-la acidentalmente, muito bêbada em um bar. É toda essa formalidade que me desagrada".<ref name="google82"/> Durante a apresentação, uma máquina posicionada em sua frente constantemente emanava ar ao vestido e no cabelo da cantora, enquanto dois dançarinos realizavam vários movimentos atrás dela.<ref>{{harvsp|Morgan|2015|p=159}}</ref> A ''[[Marie Claire]]'' classificou a apresentação em quarto lugar em sua lista de 30 destaques da premiação. Em sua resenha, a revista disse que foi o melhor número de abertura e que "[Madonna] deu o seu melhor, encantando o público com um ''show'' de luzes e [...] dançarinos vestidos de cetim".<ref>{{citar web|título=30 Best Brit Award Moments Ever|url=https://www.marieclaire.co.uk/entertainment/music/30-best-brit-awards-moments-196181|acessodata=22 de junho de 2020|língua=en |obra=[[Marie Claire]]|data=21 de janeiro de 2010}}</ref> O ''Huffington Post'' opinou que esta foi uma de suas melhores performances e que marcou o momento em que a cantora "passou do '[[Material Girl|material]][lismo]' para o 'etérea[lismo]'".<ref>{{citar web|título=Madonna's Best Live Performances: 'Bedtime Story' (Brit Awards, 1995)|url=https://www.huffpost.com/entry/madonna-birthday-performances_n_3752122?slideshow=true#gallery/5e691075e4b096c4906927f1/7|acessodata=22 de junho de 2020|língua=en |obra=The Huffington Post|data=2 de fevereiro de 2016}}</ref>
 
Em 2004, a versão "Orbital Mix" foi usada como um vídeo [[interlúdio]] para a [[Re-Invention World Tour|turnê mundial ''Re-Invention'']].<ref name="orbital">{{citar web|url=https://muumuse.com/2011/05/remixed-and-revisited-six-madonna-remixes-i-just-really-like.html/|título=Remixed and Revisited: Six Madonna Remixes I Just Really Like|último=Stern|primeiro=Bradley|data=17 de maio de 2011|acessodata=22 de junho de 2020|língua=en |obra=MuuMuse}}</ref> A performance contou com três [[Trapézio (circo)|trapezista]]s que realizavam acrobacias em balanços pendurados no teto ao estilo ''[[Cirque du Soleil]]'',<ref>{{citar web|último=Weatherford|primeiro=Mike|título=Madonna: Was it live or was it video?|url=http://www.reviewjournal.com/lvrj_home/2004/May-31-Mon-2004/news/24002134.html|acessodata=22 de junho de 2020|língua=en |obra=[[Las Vegas Review-Journal]]|data=31 de maio de 2004|arquivourl=https://web.archive.org/web/20040603200321/http://www.reviewjournal.com/lvrj_home/2004/May-31-Mon-2004/news/24002134.html|arquivodata=25 de Maio de 2009 |ligação inativa=sim}}</ref><ref>{{citar web|url=http://www.mtv.com/news/1487434/madonna-twirls-rifle-lifts-up-her-kilt-at-tour-opener/|título=Madonna Twirls Rifle, Lifts Up Her Kilt At Tour Opener|último=Moss|primeiro=Corey|data=25 de maio de 2004|acessodata=22 de junho de 2020|língua=en |obra=MTV|arquivourl=https://web.archive.org/web/20040603200321/http://www.mtv.com/news/1487434/madonna-twirls-rifle-lifts-up-her-kilt-at-tour-opener/|arquivodata=25 de Maio de 2009 |ligação inativa=sim}}</ref> enquanto as telas ao fundo intercalavam fotos de Madonna vestida de branco cantando em frente a um espelho e em um ''[[scanner]]'', e outras de um cavalo branco correndo pelo deserto.<ref name="tribe"/> Este vídeo foi filmado nos estúdios Culver City, localizado em Los Angeles, sob a produção da empresa Veneno, Inc. e direção de Dago González, que já havia trabalhado em 2001 na [[Drowned World Tour|digressão mundial ''Drowned'']]. Em uma entrevista, ela comentou que o "trabalho em equipe" foi feito para que tanto a performance no palco quanto o vídeo criassem uma "experiência congruente" para os espectadores. Nesse sentido, explicou que durante os ensaios se reuniu com seus dançarinos e com o cantor [[Jamie King]] — coreógrafo e diretor da turnê — e juntos revisaram cada trecho da música para a criação da performance. Antes de escolher "Bedtime Story", King e Madonna consideraram outras faixas e mesmo no início não estava nos planos de criar um vídeo interlúdio. González já tinha ouvido o ''remix'' e a partir daí juntou vários conceitos e as primeiras ideias que analisou e discutiu com a artista. O objetivo principal era que ela tivesse contato visual com o público, mesmo que ela não estivesse realmente no palco. Para isso, ela queria que tudo fosse visto "de branco", tanto seu figurino — confeccionado por [[Arianne Phillips]] — quanto o cenário, já que essa cor era considerada divina na [[Cabala]], disciplina que ela já havia começado a praticar. O vídeo guarda semelhanças com o original de Romanek, quando canta no ''scanner'', ou também quando ela dança dentro de uma caixa, que é uma referência ao clipe de "Human Nature", dirigido por Jean-Baptiste Mondino.<ref name="tribe"/>
 
Madonna gravou suas cenas em um domingo, já que era seu único dia de folga no meio dos ensaios e preparativos, então na véspera das filmagens outras cenas foram gravadas sem sua presença, enquanto trabalhava nos vídeos para os outros números da turnê. González admitiu que se tratou de um trabalho "incrivelmente ambicioso e muito preciso", já que tudo havia sido previamente ensaiado e ele fez questão de que a equipe soubesse o papel que deveria cumprir para que a filmagem pudesse "fluir com precisão militar".<ref name="tribe"/> Originalmente, um pássaro seria incluído no vídeo, mas teria sido descartado porque não parecia muito cinematográfico, então foi decidido adicionar o cavalo branco, que de acordo com o diretor representava o "espírito animal" e o "espelho" de Madonna, um ser "belo, forte, indomável e elegante". Às vezes, a cantora e o animal parecem estar "intimamente relacionados" quando seus olhos são mostrados em primeiro plano. O diretor destacou que "os olhos fixos no final estão ligados ao conceito de que todos fazemos parte da mesma unidade, da mesma energia. E encontrar o caminho de volta às origens é o objetivo final".<ref name="tribe">{{citar web|url=http://www.madonnatribe.com/idol/dago_one.htm|título=Madonna Tribe Interview: Dago González|ano=2005|acessodata=22 de junho de 2020|língua=en |obra=Madonna Tribe|páginas=1—2}}</ref> Como avaliações da apresentação, Glenn Gamboa, do jornal nova-iorquino ''Newsdayele'', comentou que a "dança atlética" dos trapezistas durante o interlúdio "deu à canção uma graça que nunca teria sido vista em uma apresentação própria".<ref>{{citar web|último=Gamboa|primeiro=Glenn|título=Madonna not ready to quit|url=http://www.newsday.com/entertainment/nyc-1mad0617,0,7506643.story|acessodata=22 de junho de 2020|língua=en |obra=[[Newsday]]|data=22 de junho de 2004|arquivourl=https://web.archive.org/web/20040622105346/http://www.newsday.com/entertainment/nyc-1mad0617,0,7506643.story|arquivodata=25 de Maio de 2009 |ligação inativa=sim}}</ref> Anthony J. Sanfilippo, editor do periódico ''Delaware County Daily Times'', afirmou que "as três trapezistas ondulavam em perfeita sincronia enquanto voavam perigosamente sobre os espectadores".<ref>{{citar web|url=https://www.madonna.com/news/title/madonnas-theatrics-wow-philly-fans-tour-review-spoiler|título=Madonna's theatrics wow Philly fans (tour review - spoiler)|primeiro=Anthony J.|último=Sanfilippo|data=8 de julho de 2004|acessodata=22 de junho de 2020|língua=en |obra=Delaware County Daily Times ''(vía Madonna.com)''}}</ref> Por sua vez, Mick Lynch do ''site'' Cluas.com, em sua crítica ao ''show'' realizado na Irlanda, destacou que canções como "Lament" — da [[Evita (trilha sonora)|trilha sonora]] de ''[[Evita (filme)|Evita]]'' (1996) — e "Bedtime Story" eram "desconhecidas" para o público.<ref>{{citar web|url=https://www.cluas.com/music/gigs/madonna_slane.htm|título=Madonna live in Slane Castle (August 2004)|primeiro=Mick|último=Lynch|acessodata=22 de junho de 2020|língua=en |obra=Cluas.com}}</ref>
 
== Faixas e formatos ==
A distribuição de "Bedtime Story" contou com lançamentos em diferentes formatos e conteúdos. As edições em [[fita cassete]], [[disco de vinil]] de doze polegadas e [[CD single|CD ''single'']] vendidos nos Estados Unidos, incluíam a versão padrão da canção e "Sanctuary", outra faixa também inclusa em ''Bedtime Stories''.<ref name="VinilUSA"/><ref name="CDEUA"/><ref name="CasseteEUA"/> Um [[Maxi single|maxi ''single'']] contendo a versão editada de "Bedtime Story", sete remixes feitos pelo DJ Junior Vasquez e a dupla britânica Orbital, além de "Sanctuary" também foi lançado em solo americano.<ref name="USAMaxi"/> Na Europa, Austrália e Japão foi comercializado um CD ''single'' contendo quatro remixes e a versão editada do tema.<ref name="AUSCD"/><ref name="EuroCD"/><ref name="RUCD"/> A versão editada e o ''remix'' de Vasquez foram inclusos ao cassete posto a venda em solo europeu.<ref name="EUcassete"/> Enquanto alguns remixes de "Secret" foram adicionados a um CD ''single'' de edição limitada lançado somente no Reino Unido.<ref name="limitado"/> A música foi comercializada em formato vinil de doze polegadas em toda a Europa.<ref name="UK vinilo"/> Um ''[[extended play]]'' (EP) [[Download digital|digital]] tamém foi liberado contendo treze diferentes remixes da obra; além da música original, uma edição editada da mesma e "Sanctuary".<ref name="Dow"/>
 
{{Lista de faixas
| topo = [[CD single|CD ''single'']] americano / [[Disco de vinil|Vinil]] americano de doze polegadas / [[fita cassete|cassete]] americano<ref name="VinilUSA">(1995) Notas de lançamento para "Bedtime Story". (Vinil americano de doze polegadas americano) por Madonna. Maverick Records/Warner Bros. Records. (7 17924).</ref><ref name="CDEUA">(1995) Notas de lançamento para "Bedtime Story". (CD ''single'' americano) por Madonna. Maverick Records/Warner Bros. Records. 7 17924.</ref><ref name="CasseteEUA">(1995) Notas de lançamento para "Bedtime Story". (cassete americano) por Madonna. Maverick Records/Warner Bros. Records. 9 45767.</ref>
| título1 = Bedtime Story
| duração1 = 4:53
| título2 = Survival
| duração2 = 3:33
}}
{{Lista de faixas
| fechado = sim
| topo = [[Maxi single|Maxi ''single'']] americano<ref name="USAMaxi">(1995) Notas de lançamento para "Bedtime Story". (maxi ''single'' americano) por Madonna. Maverick Records/Warner Bros. Records. 9 41895-2.</ref>
| título1 = Bedtime Story
| nota1 = versão editada do álbum
| duração1 = 4:08
| título2 = Bedtime Story
| nota2 = Junior's Wet Dream Mix
| duração2 = 8:35
| título3 = Bedtime Story
| nota3 = Junior's Dreamy Drum Dub
| duração3 = 9:34
| título4 = Survival
| duração4 = 3:33
| título5 = Bedtime Story
| nota5 = Orbital Mix
| duração5 = 7:44
| título6 = Bedtime Story
| nota6 = Junior’s Sound Factory Mix
| duração6 = 9:18
| título7 = Bedtime Story
| nota7 = Junior’s Single Mix
| duração7 = 4:53
}}
{{Lista de faixas
| fechado = sim
| topo = CD ''single'' europeu, australiano e japonês<ref name="AUSCD">(1995) Notas de lançamento para "Bedtime Story". (CD ''single'' australiano) por Madonna. Maverick Records/Warner Bros. Records. 9362418952.</ref><ref name="EuroCD">(1995) Notas de lançamento para "Bedtime Story". (CD ''single'' australiano) por Madonna. Maverick Records/Warner Bros. Records. 9362 41979 2</ref><ref name="RUCD">(1995) Notas de lançamento para "Bedtime Story". (CD ''single'' australiano) por Madonna. Maverick Records/Warner Bros. Records. W 0285 CDX.</ref>
| título1 = Bedtime Story
| nota1 = versão editada do álbum
| duração1 = 4:08
| título2 = Bedtime Story
| nota2 = Junior's Wet Dream Mix
| duração2 = 8:35
| título3 = Bedtime Story
| nota3 = Junior's Dreamy Drum Dub
| duração3 = 9:34
| título4 = Bedtime Story
| nota4 = Orbital Mix
| duração4 = 7:44
| título5 = Bedtime Story
| nota5 = Junior’s Sound Factory Mix
| duração5 = 9:18
}}
{{Lista de faixas
| fechado = sim
| topo = Cassete europeu<ref name="EUcassete">(1995) Notas de lançamento para "Bedtime Story". (Cassete europeu) por Madonna. Maverick Records/Warner Bros. Records. 5439 17928 4.</ref>
| título1 = Bedtime Story
| nota1 = versão editada do álbum
| duração1 = 4:08
| título2 = Bedtime Story
| nota2 = Junior's Single Mix
| duração2 = 4:53
}}
{{Lista de faixas
| fechado = sim
| topo = CD ''single'' britânico edição ilimitada<ref name="limitado">(1995) Notas de lançamento para "Bedtime Story". (Cassete europeu) por Madonna. Maverick Records/Warner Bros. Records. 5439 17928-7.</ref>
| título1 = Bedtime Story
| nota1 = Junior's Single Mix
| duração1 = 4:53
| título2 = [[Secret (canção de Madonna)|Secret]]
| nota2 = Allstar Mix
| duração2 = 5:11
| título3 = Secret
| nota3 = Some Bizarre Mix
| duração3 = 9:48
| título4 = Secret
| nota4 = Some Bizarre Single Mix
| duração4 = 4:17
}}
{{Lista de faixas
| fechado = sim
| topo = Vinil britânico e europeu de doze polegadas<ref name="UK vinilo">(1995) Notas de lançamento para "Bedtime Story". (Cassete europeu) por Madonna. Maverick Records/Warner Bros. Records. 9362 43505 0.</ref>
| título1 = Bedtime Story
| nota1 = Junior’s Sound Factory Mix
| duração1 = 9:18
| título2 = Bedtime Story
| nota2 = Junior's Sound Factory Dub
| duração2 = 8:19
| título3 = Bedtime Story
| nota3 = Junior's Wet Dream Mix
| duração3 = 8:35
| título4 = Bedtime Story
| nota4 = Orbital Mix
| duração4 = 7:44
}}
{{Lista de faixas
| fechado = sim
| topo = [[Download digital|''Download'' digital]]<ref name="Dow">{{citar web|título=Madonna – Bedtime Story|url=https://music.apple.com/us/album/bedtime-story/1557238209|acessodata=22 de junho de 2020|língua=en |obra=[[Apple Music]]|data=19 de março de 2021}}</ref>
| título1 = Bedtime Story
| nota1 = Editado
| duração1 = 4:07
| título2 = Bedtime Story
| nota2 = Junior’s Wet Dream Mix
| duração2 = 8:35
| título3 = Bedtime Story
| nota3 = Junior’s Dreamy Drum Dub
| duração3 = 9:36
| título4 = Survival
| duração4 = 3:31
| título5 = Bedtime Story
| nota5 = Orbital Mix
| duração5 = 7:43
| título6 = Bedtime Story
| nota6 = Junior’s Sound Factory Mix
| duração6 = 9:18
| título7 = Bedtime Story
| nota7 = Junior’s Single Mix
| duração7 = 4:54
| título8 = Bedtime Story
| nota8 = Junior’s Sound Factory Mix Edit
| duração8 = 4:18
| título9 = Bedtime Story
| nota9 = Junior’s Sound Factory Dub
| duração9 = 8:14
| título10 = Bedtime Story
| nota10 = Junior’s Wet Dream Dub
| duração10 = 7:31
| título11 = Bedtime Story
| nota11 = Lush Vocal Radio Edit
| duração11 = 4:42
| título12 = Bedtime Story
| nota12 = Lush Vocal Mix
| duração12 = 6:49
| título13 = Bedtime Story
| nota13 = Luscious Dub Mix
| duração13 = 7:40
| título14 = Bedtime Story
| nota14 = Percapella Mix
| duração14 = 6:32
| título15 = Bedtime Story
| nota15 = Unconscious in the Jungle Mix
| duração15 = 6:27
}}
 
== Créditos ==
Todo o processo de elaboração de "Bedtime Story" atribui os seguintes créditos:<ref name="Tidal">{{citar web|url=https://listen.tidal.com/album/379049/credits|título=Madonna / Bedtime Stories / Credits|acessodata=22 de junho de 2020|língua=en |obra=[[Tidal (serviço)|Tidal]]}}</ref><ref name="Liner">{{citar álbum|título=[[Bedtime Stories]]|ano=1994|artista=[[Madonna]]|gravadora=[[Maverick Records|Maverick]], [[Sire Records|Sire]], [[Warner Records|Warner Bros.]]|formato=notas do CD|id=9362-45767-2|localização=Europa}}</ref><ref name="USAMaxi"/>
 
;Gravação e publicação
* Gravação realizada nos Estudios Chappell ([[Los Angeles]]).
* Masterização realizada em Sterling Sound ([[Nova Iorque]]).
 
;Produção
{{Div col}}
* [[Madonna]]: vocalista principal, composição, produção
* [[Björk]]: composição
* [[Nellee Hooper]]: composição, produção
* [[Marius de Vries]]: composição, produção
* Colin Wolfe: baixo
* [[Meshell Ndegeocello]]: [[baixo elétrico|baixo]]
* [[Dallas Austin]]: [[bateria (instrumento musical)|bateria]], [[Teclado (instrumento musical)|teclados]]
* Tommy Martin: [[guitarra elétrica|guitarra]]
* [[Babyface]]: [[sintetizador]], [[programação (música)|programação]] de bateria
* Craig Armstrong: [[arranjo]]s
* Jessie Leavey: arranjo, coordenação de [[orquestra]]
* Susie Katiyama: direção de orquestra
* Alvin Speights: [[engenharia de som|engenharia]], [[mixagem]]
* Brad Gilderman: engenharia
* Darin Prindle: engenharia
* Mark «Spike» Stent: engenharia
* Michael Fossenberg: engenharia
* Jon Gass: mixagem
* Greg Ross: ''design'' da capa do ''single''
* Paolo Riversi: capa do ''single''
* Mike Penn: contracapa do ''single''
{{Div col end}}
 
==Desempenho comercial==
Nos Estados Unidos, "Bedtime Story" estreou em 22 de abril de 1995 no número setenta e quatro da tabela [[Billboard Hot 100|''Billboard'' Hot 100]], e na semana seguinte subiu atingindo o seu pico na posição 42.<ref name="bill200"/> Tornou-se o primeiro ''single'' de Madonna desde "[[Burning Up]]" (1983) a não conseguir estabelecer-se dentro das quarenta primeiras posições da tabela.<ref name="google94">{{citar jornal|título=Hot 100 Singles|data=29 de abril de 1995|acessodata=22 de junho de 2020|língua=en |obra=Billboard|page=100|url=https://books.google.com/books?id=5AsEAAAAMBAJ&pg=PA99| volume=107|issue=17|issn=0006-2510}}</ref> Caso houvesse conseguido, teria convertido sua intérprete na terceira artista feminina na "era do ''rock''" com maior quantidade de entradas entre os quarenta mais do gráfico, atrás de [[Aretha Franklin]] com 42 e [[Connie Francis]] com 35. O jornalista Fred Bronson, da ''Billboard'', presumiu que a perda de vendas e o fraco ''airplay'' impediram que o tema conquistasse uma melhor colocação.<ref>{{citar web|url=https://books.google.com.ar/books?id=vgsEAAAAMBAJ&pg=PA94&redir_esc=y#v=onepage&q&f=false|título=Boyz II Men, Adams Jockey For No. 1|último=Bronson|primeiro=Fred|data=6 de maio de 1995|acessodata=22 de junho de 2020|língua=en |obra=Billboard|volume=107|número=18|página=94|issn=0006-2510}}</ref> No total, esteve presente por sete semanas na ''Hot'' 100.<ref>{{citar web|url=http://madonna.com/discography/index/album/albumId/81/|título=Madonna.com > Discography > Bedtime Story|acessodata=22 de junho de 2020|língua=en |obra=Madonna.com|arquivourl=https://web.archive.org/web/20110513022339/http://madonna.com/discography/index/album/albumId/81/|arquivodata=25 de Maio de 2009 |ligação inativa=sim}}</ref> Enquanto nas paradas de [[Hot 100 Single Sales|vendas de ''singles'' físicos]] e de [[Radio Song|execuções de rádios]] alcançou os números 27 e 68, respectivamente.<ref name="Singles Sales"/><ref name="Airplay"/> Não obstante, na [[Dance Club Songs|tabela de cações ''dance'']], fez a sua entrada diretamente no topo;<ref name="Dance Club"/> Nesta última contagem, foi o terceiro ''single'' de maior sucesso de 1995.<ref name="Dance anual"/> Além disso, constatou na trigésima oitava colocação da [[Mainstream Top 40|parada de música ''pop'']] e na quadragésima da [[Rhythmic Songs|rítmica]].<ref name="Pop"/><ref name="Rhythmic"/>
 
No Canadá, "Bedtime Story" obteve como posição máxima o número 42 da tabela de ''singles'' publicada pela revista ''[[RPM (revista)|RPM]]''.<ref name="can"/> Na Nova Zelândia a recepção foi modesta, estreando no número quarenta em 7 de maio de 1995, subindo para 38, que foi seu pico, deixando a tabela na semana seguinte.<ref name="nz"/> Em 9 de abril de 1995, a canção debutou na Austrália ocupando a quinta posição, onde permaneceu por três semanas. Deixou as dez primeiras colocações em sua quinta atualização e, eventualmente, saiu da parada ocupando o 44º posto após uma permanência total de nove semanas.<ref name="aus"/> Encerrou 1995 como a 91ª faixa mais bem sucedida desse período no país.<ref name="ausend"/> O tema debutou na quarta colocação da [[UK Singles Chart|parada musical do Reino Unido]] em 25 de fevereiro de 1995. Constou entre os vinte primeiros por duas edições e após 9 semanas deixou o gráfico.<ref name="uk"/> Em outros países europeus, a música também garantiu algum sucesso. Na tabela holandesa [[Single Top 100]], obteve a 46ª colocação como melhor em 15 de abril de 1995, permanecendo nela por duas edições.<ref name="nl"/> Na Finlândia saltou do número 9 para o número 4,<ref>{{citar web|url=https://books.google.com/books?id=2wsEAAAAMBAJ&pg=PA49|título=Hits of the World Continued|acessodata=22 de junho de 2020|língua=en |obra=Billboard|data=18 de março de 1995| página=49|volume=107|issue=11|issn=0006-2510}}</ref><ref name="finland">{{citar web|url=https://books.google.com/books?id=6gsEAAAAMBAJ&pg=PA49|título=Hits of the World Continued|acessodata=22 de junho de 2020|língua=en |obra=Billboard|data=1 de abril de 1995| página=49|volume=107|issue=13|issn=0006-2510}}</ref> enquanto na região flamenga da Bélgica chegou ao 38º lugar durante uma única atualização.<ref name="fla"/>
 
{{col-begin}}
{{col-2}}
=== Tabelas semanais ===
{|class="wikitable sortable"
! Tabela musical (1995)
! Melhor<br />posição
|-
| style="background-color: #eee;"|Austrália ([[ARIA Charts]])<ref name="aus">{{citar web|língua=en|url=https://australian-charts.com/showitem.asp?interpret=Madonna&titel=Bedtime+Story&cat=s|título=Madonna – Bedtime Story (ARIA Charts)|publicado=[[ARIA Charts]]|acessodata=18 de março de 2010}}</ref>
|align="center"|5
|-
| style="background-color: #eee;"|Bélgica ([[Ultratop 50]] de [[Flandres]])<ref name="fla">{{citar web|língua=en|url=https://www.ultratop.be/fr/song/3475/Madonna-Bedtime-Story|título=Madonna – Bedtime Story (Ultratop 50)|publicado=[[Ultratop 50]]. Hung Median|acessodata=18 de março de 2010}}</ref>
|align="center"|38
|-
| style="background-color: #eee;"|Canadá ([[RPM (revista)|''RPM'' Single Chart]])<ref name="can">{{citar web|língua=en|url=https://www.bac-lac.gc.ca/eng/discover/films-videos-sound-recordings/rpm/Pages/image.aspx?Image=nlc008388.9008&URLjpg=http%3a%2f%2fwww.collectionscanada.gc.ca%2fobj%2f028020%2ff4%2fnlc008388.9008.gif&Ecopy=nlc008388.9008|título=Madonna – Bedtime Story (''RPM'' Single Chart)|publicado=[[RPM (revista)|RPM]]|acessodata=4 de maio de 2016}}</ref>
|align="center"|42
|-
| style="background-color: #eee;"|Escócia ([[The Official Charts Company|OCC]])<ref name="esc">{{citar web|língua=en|url=https://www.officialcharts.com/search/singles/bedtime-story/|título=Madonna – Bedtime Story (The Official Charts Company)|publicado=[[The Official Charts Company]]|acessodata=30 de abril de 2016}}</ref>
| align="center"|4
|-
| style="background-color: #eee;"|Estados Unidos ([[Billboard 100|''Billboard'' 100]])<ref name="bill200">{{citar web|língua=en|url=https://www.billboard.com/charts/hot-100/1995-04-29?rank=42|título=Madonna – Bedtime Story (''Billboard'' 100)|publicado=[[Billboard 200|''Billboard'' 100]]. [[Billboard]]|acessodata=15 de maio de 2020}}</ref>
|align=center|42
|-
| style="background-color: #eee;"|Estados Unidos ([[Dance Club Songs]])<ref name="Dance Club">{{citar web|língua=en|url=https://www.billboard.com/music/Madonna/chart-history/DSI/song/32280|título=Madonna – Bedtime Story (Dance Club Songs)|publicado=[[Dance Club Songs]]. [[Billboard]]|acessodata=15 de maio de 2020}}</ref>
|align=center|1
|-
| style="background-color: #eee;"|Estados Unidos ([[Radio Songs|''Hot'' 100 Airplay]])<ref name="Airplay">{{citar livro|língua=en|url=https://books.google.com.ar/books?id=5QsEAAAAMBAJ&pg=PA101#v=onepage&q&f=false|título=Madonna – Bedtime Story (Hot 100 Airplay)|acessodata=15 de maio de 2020|data=22 de abril de 1995|localização=Billboard|volume=107|número=16|página=101|issn=0006-2510}}</ref>
|align=center|68
|-
| style="background-color: #eee;"|Estados Unidos ([[Hot 100 Single Sales|''Hot'' 100 Singles Sales]])<ref name="Singles Sales">{{citar livro|língua=en|url=https://books.google.com.ar/books?id=5AsEAAAAMBAJ&pg=PA99#v=onepage&q&f=false|título=Madonna – Bedtime Story (Hot 100 Singles Sales)|acessodata=15 de maio de 2020|data=29 de abril de 1995|localização=Billboard|volume=107|número=17|página=95|issn=0006-2510}}</ref>
|align=center|27
|-
| style="background-color: #eee;"|Estados Unidos ([[Mainstream Top 40|''Pop'' Songs]])<ref name="Pop">{{citar web |língua=en|url=https://www.billboard.com/music/madonna/chart-history/TFM/song/32280|título=Madonna – Bedtime Story (Mainstream Top 40)|publicado=[[Mainstream Top 40]]. [[Billboard]]|acessodata=15 de maio de 2020}}</ref>
|align="center"|38
|-
| style="background-color: #eee;"|Estados Unidos ([[Rhythmic Songs]])<ref name="Rhythmic">{{citar web|língua=en|url=https://www.billboard.com/music/madonna/chart-history/TFC/song/32280|título=Madonna – Bedtime Story (Rhythmic Songs)|publicado=[[Rhythmic Songs]]. [[Billboard]]|acessodata=15 de maio de 2020}}</ref>
|align="center"|40
|-
| style="background-color: #eee;"|Europa (''[[Music & Media]]'')<ref>{{citar revista|língua=en|url=https://worldradiohistory.com/UK/Music-and-Media/90s/1995/MM-1995-03-04.pdf|título=Eurochart Hot 100 Singles|publicado=[[Music & Media]]|volume=12|issue=9|página=22|data=4 de março de 1995|acessodata=15 de maio de 2020}}</ref>
|align="center"|27
|-
| style="background-color: #eee;"|Finlândia ([[IFPI Finlândia]])<ref name="finland"/>
|align="center"|4
|-
| style="background-color: #eee;"|Irlanda ([[Irish Recorded Music Association|IRMA]])<ref>{{citar web|língua=ir|url=http://irishcharts.ie/search/placement?page=1&search_type=title&placement=Bedtime+Story|título=Madonna – Bedtime Story (Irish Recorded Music Association)|publicado=[[Irish Recorded Music Association]]|acessodata=27 de abril de 2010}}</ref>
|align="center"|19
|-
| style="background-color: #eee;"|Itália (''[[Musica e dischi]]'')<ref>{{citar revista|língua=en|url=https://worldradiohistory.com/UK/Music-and-Media/90s/1995/MM-1995-04-08.pdf|título=Top National Sellers|publicado=[[Music & Media]]|volume=12|issue=14|página=24|data=8 de abril de 1995|acessodata=27 de abril de 2010}}</ref>
|align="center"|8
|-
| style="background-color: #eee;"|Nova Zelândia ([[Recorded Music NZ]])<ref name="nz">{{citar web|língua=en|url=https://charts.nz/showitem.asp?interpret=Madonna&titel=Bedtime+Story&cat=s|título=Madonna – Bedtime Story (Recording Iindustry Association of New Zealand)|publicado=[[Recording Industry Association of New Zealand]]|acessodata=4 de janeiro de 2010}}</ref>
|align="center"|38
|-
| style="background-color: #eee;"|Países Baixos ([[Single Top 100]])<ref name="nl">{{citar web|língua=en|url=https://dutchcharts.nl/showitem.asp?interpret=Madonna&titel=Bedtime+Story&cat=s|título=Madonna – Bedtime Story (Single Top 100)|publicado=[[MegaCharts]]|acessodata=10 de novembro de 2017}}</ref>
| align="center"|46
|-
| style="background-color: #eee;"|Reino Unido ([[UK Singles Chart]])<ref name="uk">{{citar web|língua=en|url=https://www.officialcharts.com/search/singles/bedtime-story/|título=Madonna – Bedtime Story (Official Charts Company)|publicado=[[UK Singles Chart]]. [[The Official Charts Company]]|acessodata=30 de abril de 2016}}</ref>
|align="center"|4
|-
| style="background-color: #eee;"|Reino Unido ([[UK Dance Chart]])<ref name="UK Dance">{{citar web|língua=en|url=https://www.officialcharts.com/charts/dance-singles-chart/19950219/104/|título=Madonna – Bedtime Story (Official Charts Company)|publicado=[[UK Dance Chart]]. [[The Official Charts Company]]|acessodata=30 de abril de 2016}}</ref>
|align="center"|6
|-
|}
{{col-2}}
 
=== Tabelas anuais ===
{| class="wikitable sortable"
|-
!scope="col"|Tabela musical (1995)
!scope="col"|Posição
|-
| style="background-color: #eee;"|Austrália (ARIA)<ref name="ausend">{{harvnb|Ryan|2011|p=277}}</ref>
|align="center"|91
|-
| style="background-color: #eee;"|Estados Unidos (Dance Club Songs)<ref name="Dance anual">{{citar revista|língua=en|url=https://worldradiohistory.com/Archive-All-Music/Billboard/90s/1995/BB-1995-12-23.pdf|título=1995 The Year in Music|revista=Billboard|volume=107|issue=51|página=100|data=23 de dezembro de 1995|acessodata=30 de abril de 2016}}</ref>
|align="center"|3
|-
|}
{{Fim}}
 
{{notas|Notas de rodapé|grupo=n|col=2}}
{{referências}}
 
; Bibliografia
{{ref begin|30em}}
* {{Citar periódico|língua=es|último=D'Amore|primeiro=Ignacio|último2=López|primeiro2=Mariano|último=2012|título=Enciclopedia Gay;En español|publicado=Penguin Random House Grupo Editorial|localização=Argentina|isbn=9789500737968|ref = harv|postscript = <!--None-->}}
* {{Citar periódico|língua=es|último=Falconi|nombre=Francesco|ano=2017|título=Loco por Madonna. La Reina del Pop|publicado=Babelcube Inc.|isbn=150717795X|ref = harv|postscript = <!--None-->}}
* {{Citar periódico|língua=es|último=Viñuela|primeiro=Eduardo|ano=2018|título=Bitch She's Madonna: La reina del pop en la cultura contemporánea|publicado=Dos Bigotes|isbn=978-84-947963-3-3|ref = harv|postscript = <!--None-->}}
* {{Citar periódico|língua=en|último=Amaro Vicente|primeiro=Víctor|ano=2007|url=https://drum.lib.umd.edu/handle/1903/7198|título=The Aesthetics of Motion in Musics for the Mevlana Celal Ed-Din Rumi|publicado=ProQuest|isbn=978-0-549-32271-9|ref = harv|postscript = <!--None-->}}
* {{Citar periódico|língua=en|último=Fouz-Hernández|primeiro=Santiago|último2=Jarman-Ivens|primeiro2=Freya|ano=2004|url=https://archive.org/details/madonnasdrownedw0000unse|título=Madonna's Drowned Worlds: New Approaches to Her Cultural Transformations|publicado=Ashgate Publishing, Ltd|isbn=0-7546-3372-1|ref = harv|postscript = <!--None-->}}
* {{Citar periódico|língua=en|último=Morgan|primeiro=Michelle|ano=2015|título=Madonna|publicado=Hachette UK|isbn=978-1-47211-886-8|ref=harv}}
* {{Citar periódico|língua=en|último=O'Brien|primeiro=Lucy|ano=2007|título=Madonna: Like an Icon|publicado=[[HarperCollins]]|isbn=978-0-06-089896-0|url=https://archive.org/details/madonnalikeicon00obri|ref = harv|postscript = <!--None-->}}
* {{Citar periódico|língua=en|último=Pytlik|primeiro=Mark|ano=2003|título=Björk: Wow and Flutter|publicado=ECW Press|isbn=978-0-8195-6514-3|ref=harv}}
* {{Citar periódico|língua=en|último=Rettenmund|primeiro=Matthew|ano=2016|título=Encyclopedia Madonnica 20|publicado=Boyculture Publications|isbn=978-0-692-51557-0|ref = harv|postscript = <!--None-->}}
* {{Citar periódico|língua=en|último=Rooksby|primeiro=Rikky|año=2004|título=The Complete Guide to the Music of Madonna|publicado=Omnibus Press|isbn=0-7119-9883-3|url=https://archive.org/details/madonnacompleteg0000rook|ref = harv|postscript = <!--None-->}}
* {{Citar periódico|língua=en|último=Ryan|primeiro=Gavin|ano=2011|título=Australia's Music Charts 1988–2010|localização=Mt. Martha, Victoria, Australia|publicado=Moonlight Publishing|ref = harv|postscript = <!--None-->}}
* {{Citar periódico|último=Steffen|primeiro=James|ano=2013|título=The Cinema of Sergei Parajanov|publicado=University of Wisconsin Press|isbn=978-0-299-29654-4|ref = harv|postscript = <!--None-->}}
* {{Citar periódico|língua=en|último=Lysloff|primeiro=René T. A.|último2=Gay, Jr.|primeiro2=Leslie C.|ano=2003|título=Music and Technoculture|url=https://archive.org/details/musictechnocultu00lysl|publicado=Wesleyan University Press|isbn=0-8195-6513-X|ref = harv|postscript = <!--None-->}}
* {{Citar periódico|língua=en|último=Taraborrelli|primeiro=J. Randy|ano=2007|título=Madonna: An Intimate Biography|publicado=[[Simon & Schuster]]|isbn=978-1416583462|ref = harv|postscript = <!--None-->}}
* {{Citar periódico|língua=en|último=Wade|primeiro=Chris|ano=2016|título=The Music of Madonna|publicado=Wisdom Twins Books|isbn=978-1-326-53580-3|ref = harv|postscript = <!--None-->}}
{{refend}}
 
==Ligações externas==
*[https://www.amazon.co.uk/Bedtime-Story-CD-1-Madonna/dp/B000057JS7 Adquira "Bedtime Story"] (em inglês) no [[Amazon]].com
*[https://music.apple.com/us/album/bedtime-story-remixes-ep/1557238209 Adquira "Bedtime Story"] (em inglês) no [[Itunes]].com
 
{{Portal1|Madonna}}
{{Singles de Madonna}}
{{Controle de autoridade}}
 
[[Categoria:Singles de 1995]]
[[Categoria:Canções gravadas por Madonna]]
[[Categoria:Canções de música pop]]
[[Categoria:Canções de música eletrônica]]