Espectroscopia infravermelha próxima

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Espectro de absorção de infravermelho próximo de diclorometano.

A espectroscopia infravermelha próxima (do inglês NIRS: Near-infrared spectroscopy) é um método espectroscópico que usa a região do infravermelho próximo do espectro eletromagnético (de 750 nm a 2500 nm).[1] As aplicações comuns incluem diagnósticos, pesquisas médicas e fisiológicas, incluindo glicemia, oxímetro de pulso, neuroimagem funcional, medicina esportiva, treinamento esportivo de alto rendimento, ergonomia, reabilitação, pesquisa neonatal , interface cérebro-computador, urologia (contração da bexiga) e neurologia (acoplamento neurovascular). Existem aplicações em outras áreas, como farmacêutica, controle da qualidade de alimentos[2] e agroquímicos, química atmosférica, pesquisa de combustão e astronomia.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Pasquini, Celio (abril de 2003). «Near Infrared Spectroscopy: fundamentals, practical aspects and analytical applications». Journal of the Brazilian Chemical Society (em inglês) (2): 198–219. ISSN 0103-5053. doi:10.1590/S0103-50532003000200006. Consultado em 24 de fevereiro de 2021 
  2. Prieto, Nuria; Pawluczyk, Olga; Dugan, Michael Edward Russell; Aalhus, Jennifer Lynn (1 de julho de 2017). «A Review of the Principles and Applications of Near-Infrared Spectroscopy to Characterize Meat, Fat, and Meat Products». Applied Spectroscopy (em inglês) (7): 1403–1426. ISSN 0003-7028. doi:10.1177/0003702817709299. Consultado em 24 de fevereiro de 2021