Farrokh Ghaffari

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Farrokh Ghaffari
Nascimento 25 de fevereiro de 1921
Teerão, Irão
Morte 17 de dezembro de 2006
Paris, França
Nacionalidade Iraniana
Ocupação Director, autor, actor, crítico

Farrokh Ghaffari (Teerão, 25 de fevereiro de 1921 - Paris, 17 de dezembro de 2006) foi um director, actor, autor e crítico de cinema iraniano. Juntamente com Ebrahim Golestan e Fereydoun Rahnema[1] foi um dos fundadores do movimento cinematográfico iraniano da Nova Onda.[2] Ao estabelecer a primeira Sociedade Nacional de Cinema Iraniana em 1949, no Museu Iraniano de Bastam, e organizar a primeira Semana do Cinema durante a qual se exibiram filmes ingleses, Ghaffari assentou as bases para a produção de filmes alternativos e não comerciais no Irão.[3]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Ghaffari nasceu em Teerão, mas educou-se na Bélgica e na Universidade de Grenoble, em França.[3]

Em 1958, Ghaffari realizou um dos primeiros filmes neo-realistas do cinema do Irão, Jonoub-e Shahr (Sul da cidade). Devido à sua representação da pobreza da classe trabalhadora, o filme foi proibido pelo governo de Mohammad Reza Pahleví, que temia que a União Soviética utilizasse o filme como ferramenta de propaganda para mostrar a difícil situação económica das classes mais baixas do Irão.[4]

Em 1963 estreou-se finalmente uma versão muito editada do filme titulado Reghabat Dar Shahr (Rivalidade urbana). Em 1964 produziu e dirigiu o seu próximo filme, Shab-e Quzi (A noite do importunado). Baseada na célebre recompilação medieval As Mil e uma Noites, o filme foi ambientado originalmente durante a época do Califa Harun al-Rashid, mas foi alterado para a época contemporânea devido às objecções da censura.[5] Shab-e Quzi é uma comédia negra sobre contrabandistas que tentam esconder o corpo de um importunado morto que aparece na porta da sua casa. O filme, protagonizado pelo próprio Ghaffari e Mohammad-Ali Keshavarz representa a sua estreia cinematográfico.[6]

Ghaffari trabalhou para a Televisão Nacional Iraniana durante este tempo. Em 1975 estreou o seu último filme, Zanbourak (O canhão rodante), protagonizado por Parviz Sayyad e Shahnaz Tehrani.[5] Em 1979, com o despoletar da Revolução do Irão, Ghaffari mudou-se para Paris, onde trabalhou como crítico de cinema para a revista Positif.[7] Viveu no exílio na capital francesa até à sua morte, a 17 de dezembro de 2006.[5][8]

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Longas-metragens[editar | editar código-fonte]

  • 1958: Jonoub-e Shahr (Sul da cidade)
  • 1960 ArusKodumeh? (Quem é a noiva?)
  • 1965: Shab-e Quzi (A noite do importunado)
  • 1975: Zanbourak (O canhão rodante)

Documentários[editar | editar código-fonte]

  • Siman-eTehran Norouzeman (Nosso novo ano)
  • Daryaye Pars (Golfo Pérsico)
  • Zendegi Naft (Azeite e vida)
  • Vezarat Sanaye Vai Maaden (Ministério da Indústria e Minas)

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Why Iran creates some of the best filmes? BBC. 16 de novembro de 2018. Consultado o 10 de janeiro de 2019.
  2. Mirbakhtyar, Shahla. Iranian cinema and the Islamic revolution. [S.l.: s.n.] 40 páginas. ISBN 0-7864-2285-8 
  3. a b GHAFFARI, FARROKH, Oral History Interview fis-iran.org. Consultado o 10 de janeiro de 2019.
  4. Nader Takmil Homayoun (2007). L'Iran: une révolution cinématographique [Iran, A Cinematographic Revolution] (DVD) (em Inglés, francés, e persa). Arte and Avenue B Productions. Em cena em 12:50–14:32 
  5. a b c GHAFFARY, FARROKH iranicaonline.org. Consultado o 10 de janeiro de 2019.
  6. Riz̤ā Ṣadr, Ḥamīd. Iranian cinema: a political history. [S.l.: s.n.] 125 páginas. ISBN 1-84511-147-8 
  7. The Iranian Revolution and Its Legacy of Terrorism Lawfare. 4 de janeiro de 2019. Consultado o 10 de janeiro de 2019.
  8. Iranian new wave filmmaker Farrokh Ghaffari dies in Paris payvand.com (em inglês). 18 de dezembro de 2006. Consultado o 10 de janeiro de 2019.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]