Tratado de Cássio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Foedus Cassianum)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde junho de 2019). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Tratado de Cássio[1] ou Tratado Cassiano (em latim: Foedus Cassianum) foi, segundo a tradição romana, um tratado que formou uma aliança entre a República Romana e a Liga Latina em 493 a.C. após a batalha do Lago Regilo. Este tratado terminou a guerra entre a Liga Latina e Roma, colocando Roma numa posição de poder igual ao de todos os outros membros da liga combinados.

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

No seu primeiro tratado com Cartago, os Romanos enumeraram a campina circundante à cidade como parte do seu território, declaração que a Liga Latina impugnou denunciando que tal território na realidade pertencia a todos os membros da liga. Desencadeou-se uma guerra que teve como resultado uma vitória para os romanos na Batalha do Lago Regilo e a derrota condicional da confederação pouco depois.

O tratado (foedus) assinado por Roma selou a capitulação. O mesmo foi concluído em 493 a.C. entre Roma e trinta cidades latinas como dois poderes independentes. O tratado tomou o apelido "Cassiano" (Cassianum) em referência a Espúrio Cássio, o cônsul da República Romana ao momento da assinatura do tratado e que se supõe teria negociado os termos do acordo.

Termos do tratado[editar | editar código-fonte]

O tratado dispunha de vários termos: não somente estipulava que haveria paz entre as duas partes, mas mandava que os exércitos romano e latino se unissem para prover defesa mútua às tribos itálicas. Outro termo era que a Liga Latina e Roma repartir-se-iam todos as pilhagens tomadas durante a guerra.

Assim mesmo, as duas partes acordavam estabelecer colônias conjuntas em território capturado para que ambas prosperassem.

Finalmente, estabelecia uma comunidade de direitos privados entre os cidadãos de Roma e os de qualquer cidade latina. O tratado, do qual sobreviveu uma cópia de bronze no Fórum Romano até a época de Marco Túlio Cícero, foi um marco na história temporã de Roma. Não sobreviveu o original, mas Dionísio de Halicarnasso deu uma versão.[2]

Efeitos[editar | editar código-fonte]

O tratado fortaleceu Roma, pois essencialmente acrescentou o poder militar dos Latinos ao exército da ainda débil República Romana. Esta conjuntura permitiu Roma expandir-se, conquistando a maior parte da península Itálica.

O tratado foi renovado em 358 a.C.; porém, Roma descumpriu o tratado pouco depois e começaram outra guerra latina. Finalmente, Roma derrotou os membros da Liga e o Foedus Cassianum seguiu invalidado.

Referências

  1. Derecho-PUC: Revista de la Facultad de Derecho de la Pontificia Universidad Católica del Perú, Edição 60. [S.l.]: La Universidad. 2007. p. 173 
  2. Christopher John Smith Early Rome and Latium: Economy and Society C. 1000 to 500 BC,Oxford University Press, p.212

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • CORNELL, Tim J. The Beginnings of Rome . 1995.
  • NELSON, Eric. The Complete Idiot's Guide to the Roman Empire. 2001.
  • PENROSE, Jane. Rome and Her Enemies : An Empire Created and Destroyed by War . 2006.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]