Fototipo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Fototipo é a caracterização da pele quanto sua coloração e reação à exposição solar. O fototipo de uma pessoa é definido geneticamente, onde os melanócitos são mais ativos ou não e que podem produzir um tipo predominante de melanina. De acordo com as diretrizes atuais, existem 6 fototipos de pele:

Fototipo e cor da pele Efeitos da radiação solar e tipos de pessoas Cor natural Bronzeado
FOTOTIPO I: Branco-pálido Geralmente são ruivos com uma minoria de loiros. Esse tipo de pele nunca bronzeia e sempre se queima e é muito sensível à radiação solar. Aparecimento de sardas quando o individuo fica muito tempo ao Sol quente
FOTOTIPO II: Branco São marjoritariamente loiros e ruivos com uma minoria de cabelos escuros. Esse tipo dificilmente se bronzeia e queima-se facilmente - sensível à radiação solar. É muito raro aparecer sardas
FOTOTIPO III: Branco-bege É o mais comum entre os povos caucasianos de origem européia. Bronzeia e se queima de forma moderada - moderada sensibilidade solar. Bronzeamento uniforme, nunca tem sardas
FOTOTIPO IV: Moreno Caucasiano escuro, é comum entre os povos do Oriente Médio e Magreb, é raro na Europa. Bronzeia com facilidade e dificilmente se queima - pouca sensibilidade solar
FOTOTIPO V: Pardo Comum entre os povos do Sul da Índia, Oceania e alguns povos africanos. Bronzeia-se e nunca queima - discreta sensibilidade solar
FOTOTIPO VI: Negro Típico dos povos subsaarianos da África e australoides isolados dos oceanos indico e pacifico. Bronzeia-se e nunca queima - nenhuma sensibilidade solar

Como a incidência dos raios solares ultravioleta está cada vez mais agressiva, as pessoas de todos os fototipos devem ficar atentas e se protegerem quando expostas ao sol. Os grupos de maior risco são os do fototipo I e II, ou seja: pele clara, sardas, cabelos claros ou ruivos e olhos claros. Além destes, os que possuem antecedentes familiares com histórico da doença, queimaduras solares, incapacidade para bronzear e pintas.

A Sociedade Brasileira de Dermatologia recomenda que todas as medidas de proteção sejam adotadas na quando houver exposição ao sol: uso de chapéus, camisetas e protetores solares. Também deve ser evitada a exposição solar entre 10 e 16h (horário de verão). É importante ressaltar que as barracas usadas na praia sejam feitas de algodão ou lona, que absorvem 50% da radiação ultravioleta. As barracas de nylon formam uma barreira pouco confiável: 95% dos raios UV ultrapassam o material.

Para o uso de filtros solares, é sugerida a reaplicação a cada duas horas. O ideal é que o Fator de Proteção Solar (FPS) seja, no mínimo, 15.

Quanto menor o fototipo, maior a incidência das doenças cutâneas relacionadas com o sol; desde queimaduras, envelhecimento e desenvolvimento de tumores de pele. Assim, pessoas mais sensíveis deveriam utilizar o filtro ou bloqueador solar diariamente.

Referências[editar | editar código-fonte]

1. Dermatologia Básica. Sampaio e Rivitti, 1998. Editora Arte Médica.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wiki letter w.svg Este artigo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o. Editor: considere marcar com um esboço mais específico.