Garoto de Kayhausen

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Restos do Menino Kayhausen

O Garoto de Kayhausen é uma múmia, naturalmente preservada em um pântano de esfagno na Baixa Saxônia, Alemanha. Ele é uma das poucas crianças pântanos registradas já descobertas.[1][2][3]

Descoberta e exame[editar | editar código-fonte]

O corpo, de um menino que se acreditava ter entre sete e dez anos de idade no momento de sua morte, foi encontrado em 1922. Estima-se que o menino tenha morrido entre 300 e 400 a.C.[4] Seus braços e pés estavam amarrados com um pano rasgado de roupas e uma capa de pele. O exame concluiu que ele havia sido esfaqueado de três a quatro centímetros de profundidade, três vezes no pescoço e uma vez no braço esquerdo. Pensa-se que o ferimento no braço do garoto tenha acontecido quando ele pode ter levantado o braço em um ato de legítima defesa em relação ao agressor. Um exame recente do corpo mostra que a arma usada para matar a criança era uma adaga com uma lâmina de quatro centímetros.[5][6] Uma possível razão para a morte do menino é que ele sofria de uma cavidade infectada na parte superior do fêmur e, portanto, não seria capaz de andar sem assistência. Devido à alta incidência de deformidades entre os corpos de pântanos, como a Garota de Yde, os antropólogos sugeriram que os deficientes eram sacrificados porque eram considerados desfavorecidos por seus deuses. O corpo do menino está preservado em uma solução de formalina e não é exibido.

Referências

  1. Granite, Guinevere Elizabeth. (2012). Portable x-ray fluorescence spectroscopy and its research applications to Northern European bog bodies℗. [S.l.: s.n.] OCLC 828677336 
  2. Hippolito, Daise Damaris Carnietto de. «Estudo dos genes codificadores de citocinas implicadas na modulação da leishmaniose tegumentar americana e correlação com os achados clínico-laboratoriais da doença». Consultado em 16 de setembro de 2020 
  3. Villa, Chiara; Lynnerup, Niels (1 de março de 2012). «Hounsfield Units ranges in CT-scans of bog bodies and mummies». Anthropologischer Anzeiger (2): 127–145. ISSN 0003-5548. doi:10.1127/0003-5548/2012/0139. Consultado em 16 de setembro de 2020 
  4. Archaeology.about.com. Archaeology.about.com (4 August 2010). Retrieved on 15 September 2011.
  5. Madea, Burkhard, Johanna Preuss, and Frank Musshoff. "From Flourishing Life to Dust-The Natural Cycle." Mummies of the World. Ed. Alfried Wieczorek and Wilfried Rosendahl. First ed. 2010. 28. Print
  6. Archaeology.org. Archaeology.org. Retrieved on 15 September 2011.