Cattleya kautskyana

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Hoffmannseggella kautskyana)

Cattleya kautskyana
Classificação científica edit
Reino: Plantae
Clado: Tracheophytes
Clado: Angiospermas
Clado: Monocots
Ordem: Asparagales
Família: Orchidaceae
Subfamília: Epidendroideae
Gênero: Cattleya
Espécies:
C. kautskyana
Nome binomial
Cattleya kautskyana

Cattleya kautskyana é uma espécie de planta do gênero Cattleya e da família Orchidaceae.[1] Cattleya kautskyiana pertence a Cattleya série Parviflorae, no complexo de espécies relacionadas a Cattleya cinnabarina. É a espécie de maior porte no grupo, ao mesmo tempo sendo bastante similar a C. cinnabarina, porém com um porte maior e ocupando habitats similares na região serrana do Espírito Santo enquanto C. cinnabarina ocupa esses habitats na região serrana do Rio, que é disjunta. Essa espécie pode apresentar pseudobulbos muito altos (até 55cm) e haste floral até 105cm, maior que todas do complexo. A única espécie de porte bastante alto e similar seria Cattleya angereri, que é menor. A floração parece pouco marcada, com o material tipo tendo sido descrito com flor em junho, mas relatos de floração em cultivo em março, agosto, setembro, novembro e abril.[1]

Taxonomia[editar | editar código-fonte]

A espécie foi descrita em 2008 por Cássio van den Berg.[2] Os seguintes sinônimos já foram catalogados: [1]

  • Hoffmannseggella kautskyana V.P.Castro & Chiron
  • Sophronitis kautskyana (V.P.Castro & Chiron) Baptista

Forma de vida[editar | editar código-fonte]

É uma espécie rupícola e herbácea.[1]

Descrição[editar | editar código-fonte]

Esta espécie e C. angereri são as duas de maior porte no complexo de espécies de C. cinnabarina, sendo ainda maior que C. angereri. São facilmente diferenciadas nas partes florais, já que C. kaustkyana tem o labelo com as partes mais terminais laranja e base mais amarelada com veias laranja (cores muito similares a C. cinnabarina). Já C. angereri se destaca por ter uma mancha arroxeada muito marcada no interior do labelo, na base de todas as partes, que também ocorre em C. mirandae porém com menos intensidade e mais difusa.[1]

Caule[1]
planta cespitosa
número de entrenó do rizoma desconhecido
Folha[1]
número 1
forma linear lanceolada
Inflorescência[1]
inflorescência em pseudobulbo diferenciado sem folha não
bráctea espataceo simples
número de flores 7/8/9/10/mais de 10
Flor[1]
cor das pétalas e sépalas laranja
forma do labelo trilobado
cor do lobo mediano do labelo laranja/com a base amarela
cor dos lobos laterais do labelo laranja/com a base amarela/com veia purpúrea/com veia laranja

Conservação[editar | editar código-fonte]

A espécie faz parte da Lista Vermelha das espécies ameaçadas do estado do Espírito Santo, no sudeste do Brasil. A lista foi publicada em 13 de junho de 2005 por intermédio do decreto estadual nº 1.499-R.[3]

Distribuição[editar | editar código-fonte]

A espécie é encontrada no estado brasileiro do Espírito Santo.[1] A espécie é encontrada no domínio fitogeográfico de Mata Atlântica, em regiões com vegetação de vegetação sobre afloramentos rochosos.[1]

Notas[editar | editar código-fonte]

Contém texto em CC-BY-SA 4.0 de van den Berg, C. Cattleya in Flora e Funga do Brasil.[1]

Referências

  1. a b c d e f g h i j k l «Cattleya kautskyana (V.P.Castro & Chiron) Van den Berg». floradobrasil2020.jbrj.gov.br. Consultado em 18 de abril de 2022 
  2. «Cattleya kautskyana». www.gbif.org (em inglês). Consultado em 18 de abril de 2022 
  3. «IEMA - Espécies Ameaçadas». iema.es.gov.br. Consultado em 12 de abril de 2022 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]