Rio de Janeiro (estado)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
 Nota: Este artigo é sobre o estado. Para a capital, veja Rio de Janeiro. Para outros significados, veja RJ (desambiguação).
Estado do Rio de Janeiro
Bandeira do Rio de Janeiro
Brasão de Armas do Rio de Janeiro
Brasão de Armas do Rio de Janeiro
Bandeira Brasão
Lema: RECTE REM PVBLICAM GERERE
(traduzido do latim, significa: "Gerir a Coisa Pública com Retidão")
Hino: Hino do Rio de Janeiro
Gentílico: fluminense

Localização do Rio de Janeiro no Brasil
Localização do Rio de Janeiro no Brasil

Localização
 - Região Sudeste
 - Estados limítrofes Espírito Santo (nordeste), Minas Gerais (noroeste) e São Paulo (sudoeste)
 - Regiões geográficas
   intermediárias
5
 - Regiões geográficas
   imediatas
14
 - Municípios 92
Capital Brasão da cidade do Rio de Janeiro Rio de Janeiro
Governo
 - Governador(a) Cláudio Castro (PL)
 - Vice-governador(a) Thiago Pampolha (MDB)
 - Deputados federais 46
 - Deputados estaduais 70
 - Senadores Carlos Portinho (PL)
Flávio Bolsonaro (PL)
Romário (PL)
Área
 - Total 43 750,425 km² (24º) [1]
População
 - Censo 2022 16 054 524 hab. ()
 - Densidade 366,96 hab./km² ()
Economia 2021[2]
 - PIB R$ 949.301 bilhões ()
 - PIB per capita R$ 54.359,61 ()
Indicadores 2016/2017[3][4]
 - Esperança de vida (2017) 76,5 anos ()
 - Mortalidade infantil (2017) 11,1‰ nasc. (20º)
 - Alfabetização (2016) 97,3% ()
 - IDH (2010) 0,796 () – alto [5]
Fuso horário UTC−3, America/Sao_Paulo
Clima tropical
tropical de altitude Aw, Cwa
Cód. ISO 3166-2 BR-RJ
Site governamental http://www.rj.gov.br/

Mapa do Rio de Janeiro
Mapa do Rio de Janeiro

Rio de Janeiro é uma das 27 unidades federativas do Brasil. Situa-se a sudeste da região Sudeste do país, tendo como limites os estados de Minas Gerais (norte e noroeste), Espírito Santo (nordeste) e São Paulo (sudoeste), além do Oceano Atlântico (leste e sul). Ocupa uma área de 43 750,425 km². Os naturais do estado do Rio de Janeiro são chamados de fluminenses (do latim flumen, literalmente "rio").[6][7]

A cidade mais populosa é a sua capital homônima, polo da segunda maior metrópole do Brasil. Apesar de ser, em termos de território, o terceiro menor estado brasileiro (ficando atrás apenas de Alagoas e Sergipe), concentra 8,4% da população do país, sendo o estado com maior densidade demográfica do Brasil. Segundo dados do Censo 2010, o estado é o terceiro mais populoso do Brasil, atrás de São Paulo e Minas Gerais. A estimativa populacional calculada pelo IBGE, tendo como referência em 1° de julho de 2021, foi de 17 463 349 habitantes.

O produto interno bruto (PIB) do estado é o segundo maior do país, enquanto o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) fluminense é o quarto mais elevado do Brasil. Além disso, o Rio de Janeiro apresenta a terceira maior taxa de alfabetização do país, somente atrás de Santa Catarina e Distrito Federal.

O estado é formado por duas regiões morfologicamente distintas: a baixada e o planalto, que se estendem, como faixas paralelas, do litoral para o interior. Paraíba do Sul, Macaé, Guandu, Piraí, Muriaé e Carangola são os principais rios. O clima varia de tropical a subtropical. Há ocorrência de geadas, nos meses de inverno, em regiões acima 2 000m de altitude e inclusive queda de neve esporádica no Parque Nacional de Itatiaia. O litoral fluminense é também o terceiro mais extenso do país, atrás das costas de Bahia e Maranhão.[8]

História[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: História do Rio de Janeiro

Pré-história e povos indígenas[editar | editar código-fonte]

Diversos estudos genéticos atestam que os povos indígenas das Américas descendem diretamente de populações do leste da Sibéria que migraram para a América do Norte em algum momento entre 25 e 15 mil anos atrás, dali povoando todo o continente americano.[9][10]

Dentre os vestígios mais antigos de presença humana no território fluminense, está o Sambaqui da Lagoa de Itaipu, em Niterói, datado de 8 mil anos atrás.[11][12]

Em momento controverso, nos primeiros séculos da Era Cristã ou por volta do ano 1000, povos tupis, oriundos da Amazônia, ocuparam todo o litoral fluminense, com exceção da região da foz do Rio Paraíba do Sul.[13][14]

Quando da chegada dos primeiros europeus ao Estado do Rio de Janeiro, o seu litoral, com exceção da foz do Rio Paraíba do Sul, era habitado por indígenas tupis, destacando-se os tamoios e temiminós. A foz do Rio Paraíba do Sul e a região de Campos eram originalmente habitadas pelos índios goitacás, enquanto o restante do interior fluminense era habitado pelo puris.[14]

Primeiros povos e colonização portuguesa[editar | editar código-fonte]

Baía de Guanabara na época da França Antártica.
Forte de São Mateus, em Cabo Frio, uma das fortificações construídas pelos portugueses no litoral fluminense.

A primeira expedição a explorar o atual estado do Rio de Janeiro foi a de Gonçalo Coelho entre 1501 e 1502, a qual, em 1° de janeiro de 1502, descobriu a Baía de Guanabara, que pensaram ser a foz de um grande rio, assim originando o nome “Rio de Janeiro”. A segunda expedição de Coelho, em 1503, verificou os recursos naturais da nova terra e ergueu uma feitoria em Cabo Frio, para a exportação do pau-brasil, que se torna o principal produto explorado em terras fluminenses.[15]

À época do estabelecimento do sistema de Capitanias Hereditárias no Brasil, a região da Baía do Rio de Janeiro (mais tarde, renomeada para Baía de Guanabara) foi entregue a Martim Afonso de Sousa e compunha o 1º lote ou a porção setentrional da Capitania de São Vicente, cujo território ia da atual cidade de Macaé até a atual cidade de Caraguatatuba, e era separada do 2º lote ou da porção meridional da Capitania de São Vicente pela Capitania de Santo Amaro (de Caraguatatuba a Bertioga). A região norte do atual Estado do Rio de Janeiro compunha a Capitania de São Tomé ou Capitania da Paraíba do Sul, e foi entregue inicialmente a Pero de Góis.[16]

No entanto, as primeiras tentativas de colonização portuguesa tanto na parte setentrional de São Vicente quanto em São Tomé acabaram fracassando, em virtude da hostilidade dos tamoios e dos goitacás.[17] Em 1556, foram concedidas as primeiras sesmarias no território de Paraty e Angra dos Reis, iniciando a colonização da região.[15]

Em 1555, os tamoios fizeram uma aliança com a coroa francesa e autorizaram que os franceses estabelecessem uma colônia na margem ocidental da Baía de Guanabara, sob o comando do almirante e cavaleiro templário Nicolas Durand de Villegagnon. Essa colônia recebeu o nome de "França Antártica" e tinha como capital Henriville (cidade de Henrique), localizada no atual bairro carioca do Flamengo.[17]

Em 1560, o governador-geral do Brasil, Mem de Sá, recebeu ordens para expulsar os franceses e as tropas portuguesas por ele lideradas derrotaram o inimigo, mas os franceses, com o auxílio dos tamoios, refugiaram-se nas matas e reocuparam as povoações na região da Baía de Guanabara. Em 1565, desembarcou, vindo de Portugal, Estácio de Sá, sobrinho de Mem de Sá, o qual fundou, junto com Dom Antônio de Mariz e o Padre José de Anchieta, em 1° de março desse ano, em uma várzea entre o Pão de Açúcar e Morro Cara de Cão, a cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro (atual Rio de Janeiro), para servir de quartel-general para a luta contra os franceses e para assegurar a posse portuguesa dessas terras. Em 1567, os franceses foram derrotados e, com isso, foi criada, nesse mesmo ano, a Capitania do Rio de Janeiro, a partir da porção setentrional da Capitania de São Vicente. Logo após o fim da guerra entre portugueses e franceses pelo controle da região da Baía de Guanabara, indígenas que ajudaram os portugueses receberam recompensas, como Arariboia, que recebeu uma sesmaria de quatro léguas na margem oriental da baía de Guanabara, na qual surgiu o povoado de São Lourenço dos Índios (atual Niterói).[15][17][18][19][20][21] Em 1575, o último reduto da Confederação dos Tamoios foi liquidado em Cabo Frio.[22]

Rua da cidade histórica de Paraty inundada pela maré alta. Ao fundo, a Igreja de Santa Rita de Cássia.

Logo após a criação da Capitania do Rio de Janeiro, foi introduzida, na região da Baía de Guanabara, o cultivo de cana-de-açúcar, que foi a base da economia fluminense na segunda metade do século XVI e no século XVII. A cana era cultivada em latifúndios, com o emprego intensivo da mão-de-obra escrava.[15][23] Entre 1583 e 1623, a área de maior destaque de produção de açúcar, no centro-sul do Brasil, se deslocou de São Vicente para o Rio de Janeiro, na região da baía de Guanabara. Se, em 1629, havia sessenta engenhos em produção no Rio de Janeiro, em 1639, já havia 110 engenhos e o Rio de Janeiro passou a fornecer açúcar a Lisboa, devido à tomada de Pernambuco durante as invasões neerlandesas. Ao final do século, havia 120 engenhos na região.[24]

Com o crescimento dos engenhos e alambiques do Rio, aumentou a imigração portuguesa para a cidade do Rio de Janeiro. É por volta dessa época que os naturais da Capitania do Rio de Janeiro começam a ser chamados popularmente de "cariocas", em particular, os trabalhadores braçais urbanos livres (pedreiros, pintores, ourives e etc.). O termo carioca era utilizado pelos imigrantes brancos da capitânia para se distinguir dos cidadãos mestiços, como lembra a profª Armelle Enders, brasilianista francesa: "No século XVII, os portugueses instalados no Rio recorrem de bom grado a essa alcunha [carioca] para designar os seus compatriotas naturais do lugar e sublinhar-lhes a forte mestiçagem ameríndia".[25]

O século XVII foi marcado pela expansão da colonização do território fluminense, da região da Baía de Guanabara para a Região dos Lagos e litoral norte fluminense e, para essas regiões, também se expandiu o cultivo da cana-de-açúcar. A cana-de-açúcar continuava sendo a base da economia da Capitania, acompanhando-lhe a pesca e a extração de sal em Cabo Frio.[15]

Com a restauração da Independência Portuguesa, em 1640, os comerciantes e donos de embarcações receberam permissão de comercializar diretamente com a África a partir do porto do Rio de Janeiro, visando, complementarmente, ao tráfico de escravos para o rio da Prata. O ciclo da prata levou a um rápido desenvolvimento econômico da cidade do Rio de Janeiro, levando a cidade a se tornar no século seguinte o principal elo logístico do Império português. Tal comércio foi bastante impactado pela tomada de Angola pelos neerlandeses na mesma época. A utilização de escravos indígenas foi ampliada, mas os comerciantes e proprietários tiveram que se indispor com os jesuítas por causa das proibições papais relativas à escravização dos índios.[26][27]

A Carta Régia de 30 de junho de 1642, passada pela Chancelaria de D. João IV, outorgou o título de "a muy heróica e leal cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro", conferindo aos cidadãos do Rio o título de "homens bons do Porto", o que lhe assegurava os mesmos direitos e privilégios dos cidadãos de Lisboa e do Porto.[28]

No final do século XVII, foram descobertas as jazidas de ouro em Minas Gerais, a qual trouxe como consequências para o estado do Rio de Janeiro o êxodo de muitos fluminenses para as minas e a ampliação do porto da cidade do Rio de Janeiro, para receber o ouro a ser exportado e um grande número de portugueses e escravos africanos que tinham como destino as minas de ouro de Minas Gerais. Graças à prosperidade, a cidade do Rio foi atacada duas vezes pelos franceses em 1710 e 1711. Nas margens do Caminho Novo, ligando o Rio de Janeiro às jazidas de ouro, surgiram ponto de pouso para tropeiros e aventureiros, originando cidades atuais como Paraíba do Sul e Paty do Alferes.[15][23] Em 1763, a capital do Brasil foi transferida de Salvador para o Rio de Janeiro, devido a proximidade desta cidade das minas e a transferência do eixo econômico brasileiro do Nordeste para o Sudeste.[29]

Transferência da corte portuguesa e Império[editar | editar código-fonte]

Petrópolis em 1889.
Mapa do Estado do Rio de Janeiro, 1892. Arquivo Nacional.
Fazenda de café em Paty do Alferes.

Com a transferência da corte portuguesa para o Brasil, em 1808, na época da tomada da Península Ibérica por Napoleão Bonaparte, a região do Rio de Janeiro foi muito beneficiada com reformas urbanas para abrigar a Corte portuguesa. Dentro das mudanças promovidas, destacam-se: a transferência de órgãos de administração pública e justiça, a criação de novas igrejas, hospitais, quartéis, fundação do primeiro banco do país — o Banco do Brasil — e a Imprensa Régia, com a Gazeta do Rio de Janeiro. Nos anos seguintes, também surgiram o Jardim Botânico, a Biblioteca Real (hoje Biblioteca Nacional) e a Academia Real Militar, antecessora da atual Academia Militar das Agulhas Negras. Assim, ocorreu um processo cultural, influenciado não somente pelas informações trazidas pela chegada da corte e da família real, mas também pela presença de artistas europeus que foram contratados para registrar a sociedade e natureza brasileira. Nessa mesma época, nasceu a Escola Real de Ciências, Artes e Ofícios.[carece de fontes?]

Após a transferência da Corte portuguesa para o Brasil, a administração da capitania do Rio de Janeiro passou a ser confiada ao ministro do Reino, cargo que foi praticamente um substituto para o de Vice-Rei, pois lhe era confiada a sua administração. Em 1821, pouco após o início da Revolução Liberal do Porto, as Cortes Gerais decidem elevar as capitanias à condição de províncias, o que também ocorreu no Brasil, então nascendo a Província do Rio de Janeiro.[carece de fontes?]

No final do século XVIII, o café chegou ao Vale do Paraíba Fluminense e rapidamente ganhou destaque, se tornando a principal atividade econômica fluminense. O cultivo desse grão foi responsável pela colonização dessa parte do Rio de Janeiro, devido ao afluxo de duas frentes migratórias: uma, mais importante, de migrantes de Minas Gerais que abandonaram as jazidas decadentes, e outra, vinda do litoral fluminense, composta por portugueses e brasileiros que foram incentivados pelo governo para migrarem para essas terras. Formou-se uma aristocracia cafeeira escravocrata. A região do Vale do Paraíba Fluminense prosperou, assim como suas cidades, como Resende, Vassouras e Valença.[15][23][30]

Em 1834, a cidade do Rio de Janeiro se transformou no Município Neutro e a capital da província do Rio de Janeiro foi transferida para Vila Real da Praia Grande, elevada à categoria de cidade no ano seguinte, com o nome Niterói.[15]

Na década de 1860, houve um ressurgimento do cultivo de cana-de-açúcar no Norte Fluminense, graças à crescente demanda no exterior, trazendo prosperidade à região.[15]

Em 1888, foi abolida a escravidão no Brasil. Com isso, ressurgimento do açúcar no Norte Fluminense, que utilizava essa mão-de-obra, entrou em decadência, assim como o ciclo do café vale-paraibano, que já estava entrando em decadência há anos, devido à exaustão dos solos, mentalidade conservadora dos cafeicultores, altos preços dos escravizados e concorrência com o interior de São Paulo.[15][23]

República[editar | editar código-fonte]

Estação das barcas de Niterói, década de 1940. Arquivo Nacional.
Carlos Frederico Werneck de Lacerda, governador da Guanabara, comemora a criação do estado no Palácio Tiradentes.

Em 1889, foi proclamada a República. A Província do Rio de Janeiro foi transformada no Estado do Rio de Janeiro e o Município Neutro, no Distrito Federal. Em 29 de junho de 1891, foi aprovada a primeira Constituição do Estado do Rio de Janeiro. Devido à Revolta da Armada, em 1893 a capital fluminense foi transferida para Teresópolis, mas tal mudança não foi efetuada e, no ano seguinte, a capital estadual foi transferida para Petrópolis, que deteve tal título até 1903, quando a capital voltou para Niterói.[15][31]

Na República Velha (1889-1930), as tradicionais lavouras de cana e café aprofundaram a sua já existente decadência.[15] No Vale do Paraíba Fluminense, a cultura do café foi substituída pela pecuária, introduzida por migrantes mineiros.[15][30] Nesse contexto, com pouco estímulo à produção industrial, a pesca e a extração de sal na Região dos Lagos e a exploração de madeira se desenvolveram.[15]

Após a Revolução de 1930, o Rio de Janeiro foi governado por interventores nomeado pelo novo presidente, Getúlio Vargas, em cujos governos houve um estímulo à produção de cana e um desenvolvimento na indústria do cimento. No entanto, os recursos financeiros continuavam limitados, devido à Grande Depressão, e não houveram projetos de infraestrutura. Durante o governo de Amaral Peixoto (1937-45), foi desenvolvida a infraestrutura rodoviária e o sistema de abastecimento de água e criou-se a Companhia Siderúrgica Nacional (CSN).[15]

Após o fim do Estado Novo, seguiram-se diversos interventores, até a posse, em 1947, de Macedo Soares, em cujo governo (1947-51) houve um forte desenvolvimento da indústria de aço e cimento e estímulos financeiros à agropecuária, reerguendo-a. Sucederam-lhe novos governos de orientação desenvolvimentista: Amaral Peixoto (1951-55), que ampliou a infraestrutura rodoviária, fez importantes obras de saneamento básico, criou a Companhia Nacional de Álcalis e concluiu a construção da Usina Hidrelétrica de Macacu; Miguel Couto Filho (1955-58), cuja administração foi marcada pela ampliação do sistema de saúde público e do acesso à eletricidade; Roberto Silveira (1959-61), dinamizador da administração pública e Badger da Silveira (1963-4), cassado pelo golpe de 1964, que dinamizou o fornecimento de energia no estado.[15] O sucessor de Badger, o general Paulo Torres, criou a Companhia de Desenvolvimento do Estado do Rio de Janeiro.[carece de fontes?]

Em 1960, a capital federal foi transferida para Brasília e o antigo Distrito Federal passou a ser o Estado da Guanabara.

Reunificação[editar | editar código-fonte]

Niterói foi a capital do estado até 1975, ano da fusão do Estado do Rio de Janeiro com o Estado da Guanabara.

Após a edição da Lei Complementar nº 20 em 1974, assinada pelo então presidente Ernesto Geisel, reunificaram-se, após 140 anos de separação, os estados da Guanabara e do Rio de Janeiro em 15 de março de 1975. A capital do estado passou a ser o município do Rio de Janeiro. Foram mantidos ainda os símbolos do estado do Rio de Janeiro, enquanto os símbolos do antigo estado da Guanabara passaram a ser os símbolos do município do Rio de Janeiro. Por imposição do regime militar, o termo carioca foi reduzido a gentílico municipal da cidade do Rio de Janeiro, embora a maioria da população do Estado se declare como "carioca". Atualmente, movimentos sociais tentam obter o reconhecimento de carioca como gentílico co-oficial do novo Estado do Rio de Janeiro.[32]

Alguns alegam que a motivação por trás do presidente Ernesto Geisel para a fusão foi neutralizar a força oposicionista do MDB no estado da Guanabara. O estado do Rio de Janeiro, tradicionalmente foi considerado um polo de conservadorismo, devido aos governos sucessivos do PSD e posteriormente da Arena, apesar da grande força do PTB (que elegeu os dois últimos governadores antes de 1964), e depois do MDB nessa região, o que levou à errônea conclusão que esta viria a neutralizar a oposição emedebista guanabarina, evitando maiores problemas para o governo militar, que acaba por indicar como primeiro governador do novo estado o almirante Floriano Peixoto Faria Lima. Apesar de Faria Lima assumir o estado com promessas do governo federal de maciços investimentos, a fim de compensar os problemas que poderiam advir da fusão, esses não se concretizaram plenamente, mesmo com a implantação das usinas nucleares em Angra dos Reis e a expansão da Companhia Siderúrgica Nacional, o que acarretou problemas que viriam a ser sentidos, principalmente nas áreas de habitação, educação, saúde e segurança partir da década de 1980.[carece de fontes?]

Leonel Brizola.

Com a abertura política e a volta das eleições diretas para governador, os fluminenses elegeram o ex-governador gaúcho Leonel de Moura Brizola (PDT) em 1982, exilado político desde 1964 que voltava ao Brasil com a bandeira do trabalhismo varguista, o que conquistou o eleitorado insatisfeito com o segundo governo de Chagas Freitas.[33] Em seu primeiro governo (1983-7), Leonel Brizola constrói o Sambódromo e dá início aos Centros Integrados de Educação Pública (CIEPs), escolas projetadas por Oscar Niemeyer e idealizadas pelo professor Darcy Ribeiro para funcionarem em tempo integral. A crescente crise na área da segurança pública e os desgastantes atritos com as Organizações Globo (atual Grupo Globo) acabaram por impedir que ele fizesse seu sucessor.[33][34]

Nas eleições de 1986, Moreira Franco foi eleito governador pelo PMDB numa ampla aliança antibrizolista, que ía desde o PFL ao PCdoB. Moreira teve a ajuda do Plano Cruzado, plano econômico lançado no governo do presidente José Sarney que visava o controle da inflação e que malogrou ante a acusação, por parte da oposição, de ter sido eleitoreiro. A decepção com o governo Moreira Franco (1987-91), que não cumpriu a promessa de acabar com a violência em seis meses, levou o eleitorado fluminense a eleger Leonel Brizola novamente, em 1990.[33][35] Em seu segundo mandato (1991-4), Brizola concluiu os Centros Integrados de Educação Pública (CIEP), construiu a Via Expressa Presidente João Goulart, a Universidade Estadual do Norte Fluminense, ampliou o sistema de abastecimento hídrico do Rio Guandu e deu início ao Programa de Despoluição da Baía de Guanabara. Porém os problemas crônicos na área de segurança, bem como nas contas públicas estaduais, fizeram o estado sofrer uma "intervenção branca" do governo federal no ano de 1992, durante a Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e o Desenvolvimento e, também, no ano de 1994. A utilização de tropas das Forças Armadas no patrulhamento das ruas da capital fluminense foi amplamente apoiada pela população.[36][37]

Marcello Alencar.

Em meio a esses problemas, Brizola renunciou ao mandato a fim de concorrer às eleições presidenciais. O governo estadual foi assumido pelo seu vice, Nilo Batista, que, após 8 meses, passou o comando para Marcello Alencar (PSDB), eleito graças ao bom desempenho de sua passagem pela prefeitura da cidade do Rio de Janeiro e ao sucesso do Plano Real. Durante seu governo (1995-9), Marcello retomou as obras do metrô, paralisadas desde a gestão de Moreira Franco, construiu a Via Light, ligando o Rio de Janeiro a Nova Iguaçu, e implementou uma política de segurança pública mais voltada ao confronto armado, o que acabou por gerar antipatia da população de baixa renda, mais exposta aos enfrentamentos entre a polícia e bandidos.[carece de fontes?]

Na eleição de 1998, Anthony Garotinho (PDT), apadrinhado à época por Brizola e que, anteriormente, havia perdido a eleição para Alencar, foi eleito governador, apoiado por uma aliança de esquerda que incluiu, como vice na chapa, a então senadora Benedita da Silva (PT), que o substituiu em 2002, quando ele também renunciou, como Brizola, visando à corrida presidencial. Benedita assumiu em meio a problemas de ordem política — Garotinho rompeu a aliança com o PT, sob acusações de fisiologismo — e fiscal que acabaram por impedi-la de se reeleger, sendo derrotada por Rosinha Garotinho, esposa de Anthony Garotinho, que procurou, após eleita, manter o estilo por vezes controvertido de governar de seu marido, enfrentando ainda duras críticas com relação à situação da segurança pública.[carece de fontes?]

Nas eleições de 2006, o eleitorado fluminense elegeu, em segundo turno, Sérgio Cabral Filho como o novo governador. Apesar de pertencer ao mesmo partido de Garotinho e Rosinha (PMDB), Cabral vinha dissociando, desde a campanha, sua imagem da do casal. A aproximação com o presidente Lula, a nomeação de Benedita da Silva e Joaquim Levy para o seu secretariado e a extinção de projetos como o Cheque-Cidadão e Jovens pela Paz (considerados como marcas registradas do período Garotinho/Rosinha) foram atitudes tomadas por Cabral que sinalizam este distanciamento, mas que permitiram, ao mesmo, alcançar a reeleição no ano de 2010.[carece de fontes?]

Cabral renunciou em abril de 2014, sendo sucedido pelo vice-governador, Luiz Fernando Pezão (PMDB), reeleito em outubro do mesmo ano em segundo turno. No seu governo (2014-19), o Rio de Janeiro viveu uma situação orçamentária difícil, pedindo, em 2017, financiamento ao governo federal, tendo como uma das garantias a privatização da Cedae. Devido a onda de criminalidade no estado, o governo do então presidente Michel Temer decretou, em fevereiro de 2018, intervenção federal na segurança pública do estado, com vigor até o dia 31 de dezembro daquele ano.[38][39] Sucederam-lhe como governadores Wilson Witzel (2019-21), que sofreu impeachment em 2021, e Cláudio Castro (2021-), vice de Witzel, reeleito em 2022 em primeiro turno.[40][41][42]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Imagem de satélite do território fluminense.

O estado do Rio de Janeiro faz parte do bioma da Mata Atlântica brasileira, tendo em seu relevo montanhas e baixadas localizadas entre a Serra da Mantiqueira e Oceano Atlântico, destacando-se pelas paisagens diversificadas, com escarpas elevadas à beira-mar, restingas, baías, lagunas e florestas tropicais. Fazendo divisa com os estados de Espírito Santo, São Paulo e Minas Gerais, o Rio de Janeiro é um dos menores estados do país e o menor da região Sudeste. O município mais setentrional do estado é Porciúncula e o mais meridional Paraty. Possui uma costa com 635 km de extensão, banhados pelo Oceano Atlântico, sendo superada em tamanho apenas pelas costas da Bahia e Maranhão.[carece de fontes?]

Solos e relevo[editar | editar código-fonte]

De um modo geral, os solos fluminenses são relativamente pobres. Os solos mais propícios à utilização agrícola encontram-se em Campos dos Goytacazes, Cantagalo, Cordeiro e em alguns municípios do vale do Rio Paraíba do Sul. Existem no estado duas unidades de relevo: a Baixada Fluminense, que corresponde às terras situadas em geral abaixo de 200 m de altitude e o planalto ou Serra Fluminense, acima de 300 m.[carece de fontes?]

A Baixada Fluminense acompanha todo o litoral e ocupa cerca de metade da superfície do estado. Apresenta largura variável, bastante estreita entre as baías da Ilha Grande e de Sepetiba, alargando-se progressivamente no sentido leste, até o Rio Macacu. No trecho que passa pela capital, erguem-se os maciços da Tijuca e da Pedra Branca, que atingem altitudes um pouco superiores a 1 000 m. Da Baía da Guanabara até Cabo Frio, a baixada volta a estreitar-se numa sucessão de pequenas elevações, de 200–500 m de altura, os chamados maciços litorâneos fluminenses. A partir de Cabo Frio, alarga-se novamente, alcançando suas extensões máximas no delta do Rio Paraíba do Sul.[carece de fontes?]

Os principais acidentes geográficos do estado são a Serra do Mar e a Serra da Mantiqueira. A primeira recebe diversas denominações locais: Serra dos Órgãos, Serra das Araras, Serra da Estrela e Serra do Rio Preto. Seu ponto culminante é o Pico Maior de Friburgo, a 2 366 m de altitude.[43] A serra da Mantiqueira cobre o noroeste do estado, ao norte do vale do Rio Paraíba do Sul, sendo paralela à Serra do Mar. É lá que se encontra o pico das Agulhas Negras, ponto culminante do estado a 2 791 m acima do nível do mar, no município de Itatiaia. Entre as duas serras está o vale do rio Paraíba do Sul, onde a média de altitude cai para 250 m. A nordeste, observa-se uma série de morros e colinas de baixas altitudes.[carece de fontes?]

Vegetação[editar | editar código-fonte]

Parque Nacional da Tijuca.

A vegetação original do estado inclui a Mata Atlântica, restingas, manguezais e campos de altitude. Devido à ocupação agropastoril, o desmatamento a modificou sensivelmente.

Atualmente, as florestas ocupam um décimo do território fluminense, concentrando-se principalmente nas partes mais altas das serras. Há grandes extensões de campos produzidos pela destruição, próprios para a pecuária, e, no litoral e no fundo das baías, registra-se a presença de manguezais (conjunto de árvores chamadas mangues, que crescem em terrenos lamacentos).[carece de fontes?]

As principais unidades de conservação do estado são os parques nacionais da Tijuca, de Itatiaia, da Serra da Bocaina, da Serra dos Órgãos e da Restinga de Jurubatiba, os parques estaduais da Pedra Branca, da Ilha Grande e dos Três Picos e a Área de Proteção Ambiental de Guapimirim.[carece de fontes?]

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

O Rio Paraíba do Sul é o principal rio do estado. Nasce em Taubaté, no estado de São Paulo, e desemboca no Oceano Atlântico — como a maior parte dos rios fluminenses —, na altura do município de São João da Barra. Seus principais afluentes, no estado, são o Paraibuna, Pomba e o Muriaé que possui um importante afluente, o Carangola, subafluente do rio Paraíba do Sul, pela margem esquerda, o Piabinha e o Piraí pela margem direita.

Além do Paraíba do Sul, destacam-se, de norte para sul, os rios Itabapoana, que marca fronteira com o Espírito Santo, o Macabu, que deságua na Lagoa Feia, o Macaé, o São João, o rio Macacu, o Magé e o Guandu.Os principais acidentes são a Baía da Ilha Grande, a Ilha Grande, a Restinga da Marambaia, a Baía de Sepetiba e a Baía de Guanabara, onde se destaca na paisagem a Enseada de Botafogo. Há um total de 365 ilhas espalhadas pela costa somente no município de Angra dos Reis e 65 na baía de Paraty.[carece de fontes?]

O litoral fluminense é pontilhado por numerosas lagoas, antigas baías fechadas por cordões de areia. As mais importantes são as lagoas Feia, a maior do estado, Saquarema, Maricá, Marapendi, Jacarepaguá e Rodrigo de Freitas, as três últimas no município do Rio de Janeiro. O estado ainda conta com a maior laguna hipersalina do mundo, a Laguna Araruama, que é chamada de lagoa por alguns por um erro, pois, além de ser salobra, tem ligação com o mar através do Canal do Itajuru.[carece de fontes?]

Clima[editar | editar código-fonte]

Tipos de clima nas diferentes regiões do estado do Rio de Janeiro de acordo com a classificação climática de Köppen.

Predominam no estado do Rio de Janeiro os climas tropicais (nas baixadas) e tropical de altitude (nos planaltos). Na Região Metropolitana do Rio de Janeiro, domina o clima tropical semiúmido, com chuvas abundantes no verão, que é muito quente e invernos secos, com temperaturas amenas. A temperatura média anual é de 22 °C a 24 °C e o índice pluviométrico fica entre 1 000 e 1 500 mm anuais. Nos pontos mais elevados da Região Serrana, observa-se o clima tropical de altitude, mas com verões um pouco quentes e chuvosos e invernos frios e secos. A temperatura média anual é de 16 °C. Na maior parte da Serra Fluminense, o clima também é tropical de altitude, mas com verões variando entre quentes e amenos e na maioria das vezes, chuvosos, e invernos frios e secos, com índice pluviométrico elevado, se aproximando dos 2 500 mm anuais em alguns pontos.[carece de fontes?]

Nas Baixadas Litorâneas, a famosa Região dos Lagos, o clima é tropical marítimo, com média anual de cerca de 24 °C com verões moderadamente quentes, mas amenizados devido ao vento do mar e invernos amenos. É devido ao vento frio trazido pela Corrente das Malvinas que esta região é uma das mais secas do Sudeste, com precipitação anual de apenas cerca de 750 mm em cidades como Arraial do Cabo, Armação dos Búzios e São Pedro da Aldeia, e não passando de cerca de 1 100 mm nas cidades mais chuvosas da região, como Saquarema por exemplo. Ocasionalmente, podem ocorrer precipitações de neve nas partes altas da Serra da Mantiqueira, dentro dos limites Parque Nacional de Itatiaia. Em 1985, foi registrada uma abundante nevada nas proximidades deste pico, com acumulações de um metro em certos pontos.[44]

Demografia[editar | editar código-fonte]

Crescimento populacional
Censo Pop.
18721 057 696
18901 399 53532,3%
19001 737 47824,1%
19202 717 24456,4%
19403 611 99832,9%
19504 674 64529,4%
19606 709 89143,5%
19709 110 32435,8%
198011 489 79726,1%
199112 783 76111,3%
200014 367 08312,4%
201015 989 92911,3%
202216 055 1740,4%
Fonte: IBGE[45][46]
Ver artigo principal: Demografia do Rio de Janeiro

Religião[editar | editar código-fonte]

De acordo com o censo demográfico de 2010, da população total do estado, existiam 7 324 315 católicos (45,8%), 4 696 906 evangélicos (29,4%), 647 572 espíritas (4%), e 2 416 303 pessoas sem religião (14,6%). Existem ainda, adeptos aos islamismo, judaísmo, budismo, hinduísmo, esoterismo e neo-paganismo. Juntos, os adeptos destas e outras religiões minoritárias somam 711 651 pessoas (4,3%).

O Rio de Janeiro é o estado com o menor percentual de católicos apostólicos romanos, e o estado com o maior percentual de pessoas sem religião (como ateus e agnósticos). Além disso, é o estado com o maior percentual de espíritas do Brasil. A variedade de denominações é uma marca da presença da diversidade religiosa no perfil demográfico do estado.[47]

Composição étnica[editar | editar código-fonte]

O estado do Rio de Janeiro é formado por enorme gama de etnias e povos das mais variadas procedências, principalmente pelo fato de sua capital ter sido durante um longo período a capital do estado brasileiro.

No início do século XVI, habitavam o Rio de Janeiro quatro grandes grupos indígenas, classificados de acordo com seu grupo linguístico: tupis-guaranis, que habitavam o litoral e constituíam diversas tribos como os tupinambás ou tamoios e os tupiniquins; puris, maxacalis e botocudos, de línguas da família macro-jê, que habitavam o interior, sobretudo a bacia hidrográfica do Rio Paraíba do Sul; os goitacases, que habitavam a foz do rio Paraíba do Sul e as tribos guaianás que viviam no litoral sul, entre Angra dos Reis e Paraty e na Ilha Grande. Com a colonização, as tribos indígenas foram extintas. Em 30 de maio de 1902, na paróquia de Santo Antônio de Pádua, no município de mesmo nome, foi registrado o último óbito de índio natural do estado do Rio de Janeiro: Joaquina Maria Pury. Em fins da década de 1940, guaranis migraram para a região das cidades de Angra dos Reis e Paraty. Eles só vieram a ser descobertos pelo governo federal em 1974 com a construção da Rodovia Rio-Santos. Atualmente, os quinhentos guaranis do estado vivem em três aldeias: Sapukaí, Itatiim e Araponga.

Cor/Raça População
Brancos 7 579 023 (47,4%)
Pardos 6 332 408 (39,6%)
Pretos 1 937 291 (12,1%)
Amarelos, Indígenas e não declarados 141 207 (0,9%)
Fonte: IBGE (2010) Censo no Rio de Janeiro em 2010.


No século XVI, desembarcam na região os franceses, que na Baía da Guanabara instalam uma colônia de refugiados religiosos. Logo em seguida os portugueses invadem a região, e na guerra com os franceses, saem vitoriosos, sendo fundada a Cidade do Rio de Janeiro pelo português Estácio de Sá. Nos séculos seguintes, a população da região é formada basicamente por portugueses e africanos, trazidos à força pelos portugueses na condição de escravos. Até meados do século XIX, a maioria da população fluminense era composta por negros, porém, o número de imigrantes portugueses desembarcados na cidade do Rio de Janeiro passou a crescer repentinamente naquele século, o que fez com que praticamente se igualasse o número de pessoas de origem africana e as de origem portuguesa. Posteriormente, outros povos contribuíram para a formação da população do estado, como alemães, italianos, suíços, espanhóis, dentre outros, aos quais se somaram os brasileiros de todos os estados, atraídos pela capital do país até a década de 1960, a cidade do Rio de Janeiro. Os primeiros imigrantes não portugueses a chegar à região foram os suíços, em 1818, fundando na região das serras a cidade de Nova Friburgo. Pouco mais tarde, começariam a chegar os alemães e os britânicos, que também rumaram para as serras, principalmente para a região de Petrópolis. Italianos e espanhóis chegariam mais tarde, contribuindo também para a diversidade étnica fluminense.[carece de fontes?]

Municípios mais populosos[editar | editar código-fonte]

Política e administração[editar | editar código-fonte]

Por ser a capital do estado, a cidade do Rio de Janeiro também é sede do governo fluminense. A Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (ALERJ) é o órgão de poder legislativo estadual[49] e está sediada no Palácio Tiradentes,[50] onde anteriormente funcionou a Câmara dos Deputados do Brasil, no Centro da cidade.[51]

O Palácio Guanabara (anteriormente conhecido como Paço Isabel) fica em Laranjeiras, na zona sul da Capital, é a sede oficial do poder executivo fluminense. O Palácio Guanabara não deve ser confundido com o Palácio Laranjeiras, situado no mesmo bairro (na Rua Paulo Cesar Andrade, 407), que é a residência oficial do governador do Rio de Janeiro.[52]

O Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJRJ) é o órgão máximo do poder judiciário do estado. Seu fórum central está localizada no Centro do Rio de Janeiro, mas de 2013 a julho de 2018, algumas das varas judiciais deste foro foram deslocadas para a Cidade Nova.[53]

Subdivisões[editar | editar código-fonte]

Regiões geográficas intermediárias e imediatas[editar | editar código-fonte]

O estado do Rio de Janeiro é composto por 92 municípios, que estão distribuídos em 14 regiões geográficas imediatas, que por sua vez estão agrupadas em cinco regiões geográficas intermediárias, segundo a divisão do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) vigente desde 2017.[54]

As regiões geográficas intermediárias foram apresentadas em 2017, com a atualização da divisão regional do Brasil, e correspondem a uma revisão das antigas mesorregiões, que estavam em vigor desde a divisão de 1989. As regiões geográficas imediatas, por sua vez, substituíram as microrregiões.[55]

Oficialmente, as cinco regiões intermediárias do estado são: Rio de Janeiro, Volta Redonda-Barra Mansa, Petrópolis, Campos dos Goytacazes e Macaé-Rio das Ostras-Cabo Frio. O estado também é dividido em quatorze regiões imediatas: Rio de Janeiro, Angra dos Reis, Rio Bonito, Volta Redonda-Barra Mansa, Resende, Valença, Petrópolis, Nova Friburgo, Três Rios-Paraíba do Sul, Campos dos Goytacazes, Itaperuna, Santo Antônio de Pádua, Cabo Frio, Macaé-Rio das Ostras. Ao todo, o Rio de Janeiro é dividido em 92 municípios.

Divisão das regiões intermediárias em vermelho e das imediatas em cinza no Estado do Rio.
Municípios.

Economia[editar | editar código-fonte]

Exportações do Rio de Janeiro (2012).[56]

Grande parte da economia do estado do Rio de Janeiro se baseia na prestação de serviços, tendo uma parte significativa da indústria e pouca influência no setor de agropecuária, que responde por apenas 0,4% do produto interno bruto fluminense e é apoiada quase integralmente na produção de hortaliças da Região Serrana e do Norte Fluminense. No passado, cana-de-açúcar e depois, o café, já tiveram considerável impacto na economia fluminense.[carece de fontes?] A área no entorno de Campos dos Goytacazes foi a mais impactada com a queda da cana-de-açúcar: no início do século XX, Campos possuía 27 usinas funcionando, e ao longo do século, foi uma das maiores produtoras do Brasil, porém, em 2020, apenas duas usinas de açúcar operavam na cidade.[57] O estado, que colhia cerca de 10 milhões de toneladas nos anos 1980,[58] chegou a colher apenas 1 milhão de toneladas em 2017, quando começou a se recuperar, colhendo 1,8 milhões de toneladas na safra de 2019/20.[59] Na agricultura, o estado do Rio, atualmente, se destaca em poucos produtos, como o abacaxi, onde é o 4º maior produtor do país (116 milhões de frutos em 2019),[60] que é produzido nas cidades de São Francisco de Itabapoana, São João da Barra, Campos dos Goytacazes e Quissamã.[61] Tem pequenas produções de mandioca (216 mil toneladas em 2019, 20º lugar no país),[62] banana (76 mil toneladas em 2019, 20º lugar no país),[63] laranja (68 mil toneladas em 2019, 10º lugar no país),[64] tangerina (37 mil toneladas em 2019, 5º lugar no país),[65] limão (20 mil toneladas em 2019, 5º lugar no país)[66] e caqui, onde tem 6% da produção nacional, sendo o 4º lugar no país.[67] O estado também já foi um grande produtor de coco, nas áreas de Quissamã e da Região dos Lagos, e em 2009 era o 7º maior produtor nacional, mas entre 2010 e 2020 vários produtores abandonaram a atividade.[68][69]

No ano de 2012, o Rio de Janeiro foi o segundo estado que mais exportou no país, como a participação de 12,88%[70] com destaque para os produtos Petróleo Cru (64,21%), Petróleo Refinado (6,07%), Produtos Semimanufaturados de Ferro (4,79%), Plataformas de Perfuração (2,33%) e Outras Ligas de Aço, em Lingotes ou Outras Formas Primárias (2,09%).[56]

O estado do Rio de Janeiro é a segunda maior economia do Brasil, atrás do estado de São Paulo, e a quarta da América do Sul, tendo um Produto Interno Bruto superior ao do Chile, com uma participação no produto interno bruto nacional de 15,8% (2005 — Fundação Centro de Informações e Dados do Rio de Janeiro e Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).[71]

Indústria[editar | editar código-fonte]

O Rio de Janeiro tinha em 2018 um PIB industrial de R$ 150 bilhões, equivalente a 11,4% da indústria nacional e empregando 580 334 trabalhadores na indústria. Os principais setores industriais do Rio são: Extração de Petróleo e Gás Natural (25,9%), Derivados do Petróleo e Biocombustíveis (18,7%), Construção (15,5%), Serviços Industriais de Utilidade Pública, como Energia Elétrica e Água (10,6%), e Metalurgia (4,2%). Estes 5 setores concentram 74,9% da indústria do estado.[72]

Com 37,5% do produto interno bruto vem o setor industrial — metalúrgica, siderúrgica, gás-química, petroquímica, naval, automobilística, audiovisual, cimenteira, salineira, alimentícia, mecânica, editorial, têxtil, gráfica, de papel e celulose, de extração mineral, extração e refino de petróleo. A indústria química e farmacêutica também ocupa papel de destaque na economia fluminense. Segundo dados da Associação Comercial do Rio de Janeiro, dos 250 laboratórios existentes no país, 80 operam no estado, com destaque para Merck, Glaxo, Roche, Arrow, Barrenne, Casa Granado, Darrow Laboratórios, Gross, Baxter, Schering-Plough, Musa, Daudt, Lundbeck, Mayne e Mappel. A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), localizada no bairro carioca de Manguinhos, é o maior laboratório público da América Latina e um dos maiores do mundo e ocupa posição de destaque na pesquisa de remédios para diversas moléstias. A Ceras Johnson, fabricante de vários produtos de limpeza e desinfetantes, também tem sede no Rio de Janeiro. No sul do estado também se localiza um importante parque industrial, com destaque para a Companhia Siderúrgica Nacional sediada em Volta Redonda, Volkswagen Caminhões e Ônibus (MAN), Coca-Cola (Companhia Fluminense de Refrigerantes), a fabricante de vidros Guardian do Brasil, Galvasud, Indústrias Nucleares do Brasil, Michelin, White Martins, a Indústria Nacional de Aços Laminados, Companhia Estanífera Brasileira, Central Nuclear Almirante Álvaro Alberto, entre outras. A Nissan também irá construir uma nova fábrica no município de Resende no sul do estado.[73]

O estado também abriga o segundo maior polo cervejeiro do país. Petrópolis é a sede de algumas das maiores cervejarias do país (como o Grupo Petrópolis, e a Cervejaria Bohemia). Além disso, inúmeras fábricas se espalham pelo estado.[74]

No que diz respeito à indústria do sal, a Região dos Lagos é a segunda maior região produtora do Brasil, perdendo apenas para a região do Polo Costa Branca, localizado no estado do Rio Grande do Norte. No município de Cabo Frio está sediada a Refinaria Nacional de Sal, que é uma das principais indústrias salineiras do país.

No setor de petróleo, estão sediadas no Rio de Janeiro as maiores empresas do país, incluindo a maior companhia brasileira, a Petrobras. Além dela, Shell, Esso, Petróleo Ipiranga e El Paso Corporation mantêm suas sedes e centros de pesquisa no estado. Juntas, todas estas empresas produzem mais de quatro quintos dos combustíveis distribuídos nos postos de serviço do país. O governo do estado monitora a produção de petróleo e gás através do Centro de Informações sobre o Petróleo e Gás Natural do Estado do Rio de Janeiro.

Serviços[editar | editar código-fonte]

Panorama da região central da cidade do Rio de Janeiro.
Reprodução do rio Ganges para a telenovela Caminho das Índias na cidade cenográfica dos Estúdios Globo.

Os serviços representam 62,1% do produto interno bruto do estado, em áreas como telecomunicações, audiovisual, tecnologia da informação (TI), turismo, turismo de negócios, ecoturismo, seguros e comércio. O estado é a sede da maior parte das operadoras de telefonia do país, como TIM, Oi e Embratel. O estado também ocupa posição de destaque no setor de vendas a varejo, sendo sede de grandes cadeias de lojas, como Lojas Americanas, Ponto Frio e Casa & Vídeo.[carece de fontes?]

O Estado do Rio de Janeiro e, mais especificamente sua capital, são frequentemente associados à produção audiovisual. Segundo dados do Ministério da Cultura, cerca de 80% das produtoras cinematográficas do país têm sede no estado e é da mesma proporção a produção de filmes do estado em relação ao total nacional.[75] O Rio de Janeiro abriga atualmente a maior parte dos estúdios de dublagem de filmes e séries estrangeiras. Na capital do estado ficava a Herbert Richers, maior empresa de tradução e dublagem do Brasil.[76] A cidade do Rio de Janeiro é o berço e quartel-general do Grupo Globo, maior conglomerado de empresas de comunicações e produção cultural da América Latina.[77] Também estão sediadas no Rio de Janeiro a TV Globo, a Rádio Globo e o jornal O Globo, primeira empresa da holding.[77]

Também está presente o Casablanca Estúdios, complexo de estúdios de produção e teledramaturgia da Record.[78] Também se sediou no Rio de Janeiro a Rede Manchete, fundada em 1983 e extinta em 1999.[79] O estado (e especificamente a cidade do Rio de Janeiro), ultimamente tem se destacado como cenário para filmes estrangeiros, principalmente norte-americanos.[80]

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Educação[editar | editar código-fonte]

Campus do Gragoatá, da Universidade Federal Fluminense (UFF), em Niterói.

O estado do Rio de Janeiro possui um dos maiores níveis de educação no Brasil.[81] Apesar da precariedade, os estudos mostram que a nível nacional, escolas públicas fluminenses possuíram bons índices de aproveitamento no último censo.[82]

De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, em 2000 o Rio de Janeiro era o terceiro estado brasileiro por número de pessoas acima de quinze anos alfabetizadas, com apenas 6,6% de sua população nessa faixa etária analfabeta. O estado estava atrás apenas do Distrito Federal (5,7%) e do estado de Santa Catarina (6,3%).[83] Dados divulgados pelo mesmo instituto em 2008 indicam que o Rio é hoje o segundo estado do Brasil por número de pessoas acima de quinze anos alfabetizadas, com apenas 4,3% dessa sua população analfabeta, perdendo apenas para o Distrito Federal. Entretanto, em relação ao índice de analfabetos funcionais (14,4%), o estado perde para o Distrito Federal (10,9%) e para São Paulo (14%), ficando na terceira posição na lista.[carece de fontes?]

O estado possui um bom número de universidades federais do Brasil, sendo elas: Universidade Federal do Rio de Janeiro, Universidade Federal Fluminense, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro e Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro. As demais, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Universidade Estadual da Zona Oeste, Universidade Estadual do Norte Fluminense também possuem grande destaque e são mantidas pelo governo do Estado do Rio de Janeiro.[84]

Segurança pública[editar | editar código-fonte]

Viaturas da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro (PMERJ).
Quartel do Comando Geral do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro (CBMERJ).

A Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro (PMERJ) tem por função primordial o policiamento ostensivo e a preservação da ordem pública fluminense. Para fins de organização é uma força auxiliar e reserva do Exército Brasileiro, assim como suas co-irmãs e integra o Sistema de Segurança Pública e Defesa Social brasileiro e está subordinada ao Governo do Estado do Rio de Janeiro através da Secretaria Estadual de Segurança (SESeg). Foi criada em 1809, por dom João 6º, e possui, atualmente, aproximadamente 52 000 militares. Sua principais unidades são o Batalhão de Operações Policiais Especiais (BOPE), o Batalhão de Polícia de Choque (BPChq), o Grupamento Aeromóvel, entre outras, cabendo citar seu principal centro de formação, a Academia de Polícia Militar Dom João VI.[carece de fontes?]

O Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro (CBMERJ) é uma corporação cuja principal missão consiste na execução de atividades de defesa civil, prevenção e combate a incêndios, buscas, salvamentos e socorros públicos no âmbito fluminense, sendo também força auxiliar e reserva do Exército, subordinada ao Governo do Estado do Rio de Janeiro por meio da Secretaria Estadual de Defesa Civil (SEDeC). Foi criado em 1856 por Dom Pedro II, possuindo, hoje, cerca de 15 500 militares.[carece de fontes?]

A Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro (PCERJ) é uma das polícias deste estado, órgão do sistema de segurança pública ao qual compete, nos termos do artigo 144, § 4º, da Constituição Federal e ressalvada competência específica da União, as funções de polícia judiciária e de apuração das infrações penais, exceto as de natureza militar.[85] Foi criada em 1808, e possui cerca de 11 000 policiais.[carece de fontes?]

Cultura[editar | editar código-fonte]

Museus e espaços culturais[editar | editar código-fonte]

Museu Imperial, em Petrópolis.

Entre os principais museus do estado estão o Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro,[86] o Museu de Arte do Rio (MAR),[87] Museu Nacional,[88] Museu Nacional de Belas Artes,[89] o Museu Histórico Nacional,[90] o Museu da República,[91] Museu Histórico de Campos dos Goytacazes,[92] Museu Imperial de Petrópolis,[93] o Museu da Chácara do Céu ("Museus Castro Maya"),[94] o Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Museu do Amanhã, Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB RJ)[95] o Museu da Vida da Fundação Oswaldo Cruz, o Museu de Arte Contemporânea de Niterói, Museu da Aviação Naval — único do gênero no Brasil e o do Forte de Copacabana.

O Museu de Arte Contemporânea de Niterói é conhecido pela sua arquitetura exterior que lembra bastante o formato de um cálice ou um disco voador. O MAC possui quatro andares e aproximadamente 2 500m² com espaços de exposições e galerias, mas também tem um restaurante e um auditório. Através das janelas, montadas a um ângulo de 40° você pode curtir um vista panorâmica do Rio de Janeiro, do Pão de Açúcar e da Baía de Guanabara.[96] A capital fluminense, na Barra da Tijuca, conta também, desde 2013, com a Cidade das Artes, um complexo que abriga a maior sala de concertos da América Latina.[97]

Cinema[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Cinema brasileiro

Em 2006, 65% da produção do cinema nacional foi realizada por produtoras sediadas na capital fluminense,[98] que possui, também, cerca de 180 salas de cinema, maior proporção do país entre as capitais, e a maior proporção também de museus, (80 no total e 43 teatros).[carece de fontes?]

Esportes[editar | editar código-fonte]

Final do Campeonato Carioca de 2017, no setor Sul do Maracanã (parte da torcida do Fluminense).

Assim como em outras unidades da federação brasileiras, todos os anos é realizado o Campeonato Estadual de Futebol. O campeonato do atual Estado do Rio de Janeiro é disputado desde 1979, após a fusão dos estados da Guanabara e do antigo estado do Rio de Janeiro, cuja capital era Niterói. Até então existiam os campeonatos Carioca e Fluminense, além do Fluminense de Seleções. Os quatro principais clubes de futebol do Rio de Janeiro são os clubes de futebol, Botafogo, Flamengo, Fluminense e Vasco da Gama. Os quatro estão entre os mais tradicionais do Brasil e possuem performances mais destacadas que os outros clubes que representam o Estado do Rio de Janeiro em competições nacionais e internacionais.[99][100][101][102][103] A cidade do Rio de Janeiro, sede dos quatro grandes, é aquela que reunia mais clubes profissionais no Brasil em 2018, um total de 28 clubes, contra 9 clubes de Belém, a segunda colocada, com o Estado do Rio de Janeiro tendo 69 clubes em todas as suas divisões nesse ano.[104]

No estado nasceram medalhistas olímpicos como Martine Grael,[105] Clinio de Freitas, Daniel Adler, Eduardo Penido, Isabel Swan, Kiko Pelicano, Marcelo Ferreira, Marcos Soares, Nelson Falcão e Ronaldo Senfft no iatismo;[106] Thiago Pereira,[107] Bruno Fratus[108] e Jorge Fernandes na natação;[109] Robson Caetano,[110] Rosângela Santos[111] e José Telles da Conceição[112] no atletismo; Luiz Felipe de Azevedo no hipismo;[113] Afrânio da Costa[114] e Fernando Soledade no tiro;[115] Affonso Évora,[116] Alfredo da Motta,[117] Algodão,[118] Edson Bispo,[119] Fernando Brobró,[120] Fritz,[121] Marcus Vinícius Dias,[122] Ruy de Freitas[123] e Sérgio Macarrão[124] no basquete; Adriana Samuel, Ana Cristina, André Nascimento, Bernard, Bernardinho, Bruninho, Fabiana Alvim, Fernanda Ferreira, Fernandão, Janina, Kátia Lopes, Leandro Vissotto, Marcelo Elgarten, Nalbert, Rui, Tande, Thaísa e Valeskinha no vôlei;[125] Bárbara Seixas,[126] Jackie Silva,[127] Raquel da Silva,[128] Sandra Pires[129] no vôlei de praia, além de Hugo Calderano, o maior mesa-tenista da história do Brasil;[130] Nelson Piquet, tricampeão mundial de F1,[131] Bob Burnquist, considerado um dos maiores skatistas de todos os tempos[132] e Marcus Vinicius D'Almeida, vice-campeão mundial de tiro com arco.[133]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ver também a categoria: Fluminenses

Notas

Referências

  1. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). «Área Territorial Oficial - Consulta por Unidade da Federação». Consultado em 29 de agosto de 2021 
  2. «Sistema de Contas Regionais: Brasil 2021» (PDF). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Consultado em 17 de novembro de 2023 
  3. «Tábua completa de mortalidade para o Brasil – 2015» (PDF). IBGE. Consultado em 2 de dezembro de 2016 
  4. «Sinopse do Censo Demográfico 2010». IBGE. Consultado em 2 de dezembro de 2016 
  5. Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil. Pnud Brasil, Ipea e FJP. «Atlas Brasil: Ranking». Consultado em 27 de março de 2023 
  6. «carioca no dicionário Michaelis». michaelis.uol.com.br. Consultado em 23 de novembro de 2023 
  7. «A origem dos bairros cariocas». VEJA RIO. Consultado em 23 de novembro de 2023 
  8. PACIEVITCH, Thais. «Geografia do Rio de Janeiro». Geografia do Rio de Janeiro. InfoEscola. Consultado em 23 de setembro de 2016 
  9. Willerslev, Eske; Meltzer, David J. (junho de 2021). «Peopling of the Americas as inferred from ancient genomics» (PDF). Nature (em inglês). 594 (7863): 356–364. ISSN 1476-4687. doi:10.1038/s41586-021-03499-y 
  10. Reich, David; Patterson, Nick; Campbell, Desmond; Tandon, Arti; Mazieres, Stéphane; Ray, Nicolas; Parra, Maria V.; Rojas, Winston; Duque, Constanza (agosto de 2012). «Reconstructing Native American population history». Nature (em inglês) (7411): 370–374. ISSN 1476-4687. PMC 3615710Acessível livremente. PMID 22801491. doi:10.1038/nature11258 
  11. Andrade, Marcela Nogueira de; Gaspar, Maria Dulce (30 de dezembro de 2019). «O protagonismo do Museu Nacional entre a pesquisa e a defesa pela preservação do patrimônio arqueológico de Itaipu (Niterói/RJ)». Revista de Arqueologia. 32 (2): 86–103. ISSN 1982-1999. doi:10.24885/sab.v32i2.704 
  12. Gaspar, Maria Dulce; Bianchini, Gina Faraco; Berredo, Ana Luiza; Lopes, Mariana Samor (30 de dezembro de 2019). «A ocupação sambaquieira no entorno da Baía de Guanabara». Revista de Arqueologia. 32 (2): 36–60. ISSN 1982-1999. doi:10.24885/sab.v32i2.695 
  13. Castro e Silva, Marcos Araújo; Nunes, Kelly; Lemes, Renan Barbosa; Mas-Sandoval, Àlex; Guerra Amorim, Carlos Eduardo; Krieger, Jose Eduardo; Mill, José Geraldo; Salzano, Francisco Mauro; Bortolini, Maria Cátira (4 de fevereiro de 2020). «Genomic insight into the origins and dispersal of the Brazilian coastal natives». Proceedings of the National Academy of Sciences (em inglês). 117 (5): 2372–2377. ISSN 0027-8424. PMC 7007564Acessível livremente. PMID 31932419. doi:10.1073/pnas.1909075117 
  14. a b BUENO, E. Brasil: uma história. 2ª edição. São Paulo. Ática. 2003. p. 19.
  15. a b c d e f g h i j k l m n o p «História». Governo do Rio de Janeiro. Consultado em 16 de janeiro de 2024. Arquivado do original em 22 de agosto de 2007 
  16. Cintra, Jorge Pimentel (27 de abril de 2016). «A formação do território da capitania do Rio de Janeiro». Acervo. 29 (1 jan-Jun): 67–81 
  17. a b c MATTOS, Lúcio Gonçalves de (1995). Síntese da documentação histórico-administrativa e geográfica dos estados do Brasil. [S.l.]: Ministério do Planejamento e Orçamento, Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, Centro de Documentação e Disseminação de Informações, Departamento de Documentação e Biblioteca. ISBN 9788524005466 
  18. Macedo, J.M. de (1876). Brazilian biographical annual (em inglês). 2. Rio de Janeiro: Typographia e lithographia do Imperial Instituto Artistico. pp. 121–122 
  19. edittip (2 de fevereiro de 2014). «Capitania real». da Terra e do Território no Império Português. Consultado em 10 de maio de 2017 
  20. ALMEIDA, Maria Regina Celestino de (2019). «Araribóia - Ilustríssimo chefe indígena». APLOP. ARTIGO PUBLICADO ORIGINALMENTE NA REVISTA DE HISTÓRIA DA BIBLIOTECA NACIONAL (BRASIL). Consultado em 23 de outubro de 2023 
  21. ALMEIDA, Maria Regina Celestino de. Metamorfoses indígenas: identidade e cultura nas aldeias coloniais do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2003.
  22. «História». Prefeitura Municipal de Cabo Frio. Consultado em 16 de janeiro de 2024 
  23. a b c d Rahy, Ione Salomão (1999). «Povoamento do Estado do Rio de Janeiro». Geo UERJ (6): 37–37. ISSN 1981-9021. doi:10.12957/geouerj.1999.49068 
  24. Coaracy, Vivaldo (2009). O Rio de Janeiro no Século XVII. [S.l.]: Documenta Histórica Editora Ltda 
  25. Enders, Armelle (26 de fevereiro de 2015). A história do Rio de Janeiro. [S.l.]: Gryphus Editora. ISBN 9788583110347 
  26. «A presença portuguesa no Rio da Prata (1678-1777» (PDF) 
  27. Christian, Lüders, Pedro (6 de março de 2017). «Portugal e o comércio do Rio da Prata (1640 - 1680)» 
  28. Lessa, Carlos (2000). O Rio de Todos os Brasis. Rio de Janeiro: Record 
  29. «Como foi a mudança da capital do Brasil de Salvador ao Rio de Janeiro há 260 anos». G1. 26 de janeiro de 2023. Consultado em 17 de janeiro de 2024 
  30. a b Lima, Roberto Guião de Souza. «O Ciclo do Café Vale-paraibano» (PDF). Instituto Cidade Viva. Consultado em 16 de janeiro de 2024 
  31. Alves Netto, Jeronymo Ferreira. «Revolta da Armada e a mudança da capital do Estado do Rio para Petrópolis». Instituto Histórico de Petrópolis. Consultado em 17 de janeiro de 2024 
  32. Lucas, Jorge Alexandre (1 de janeiro de 2014). «Somos todos cariocas: identidade e pertencimentos no mundo globalizado». Revista Científica Ciência em Curso (em francês). 3 (2): 111–123. ISSN 2317-0077 
  33. a b c ABREU, Alzira Alves de; BELOCH, Israel; LATTMAN-WELTMAN, Fernando; LAMARÃO, Sérgio Tadeu de Niemeyer (2001). Dicionário Histórico Biográfico Brasileiro pós 1930 2ª ed. Rio de Janeiro: FGV. Consultado em 29 de novembro de 2016 
  34. MELLO, Maria Luisa de (27 de novembro de 2012). «Há 30 anos, 'JB' revelou escândalo do Proconsult e derrubou fraude na eleição». País. Jornal do Brasil. Consultado em 29 de novembro de 2016 
  35. REMIGIO, Marcelo (20 de maio de 2015). «Brizola, de governador gaúcho a deputado federal e governador do Rio de Janeiro duas vezes». Acervo O Globo. O Globo. Consultado em 29 de novembro de 2016 
  36. REDAÇÃO (16 de junho de 2006). «Relembre algumas ações das Forças Armadas no Rio de Janeiro». Rio. O Globo. Consultado em 29 de novembro de 2016 
  37. AGÊNCIA, Estadão (26 de junho de 2002). «Medidas para conter violência no Rio foram adotadas em 1994». Brasil. Estadão. Consultado em 29 de novembro de 2016 
  38. «Luiz Fernando de Souza». CPDOC - FGV. Consultado em 16 de janeiro de 2024 
  39. Alves, Raoni (27 de dezembro de 2018). «Cerimônia marca fim da intervenção federal no RJ: 'Cumprimos a missão', diz general». G1. Consultado em 16 de janeiro de 2024 
  40. Boeckel, Cristina; Coelho, Henrique (1 de janeiro de 2019). «Na posse, Wilson Witzel promete retomar crescimento e combater corrupção e violência». G1. Consultado em 16 de janeiro de 2024 
  41. Barcellos, Renato (30 de abril de 2021). «Entenda o processo de impeachment que resultou na cassação de Wilson Witzel». CNN Brasil. Consultado em 16 de janeiro de 2024 
  42. Veloso, Natália (3 de outubro de 2022). «Cláudio Castro é reeleito governador do RJ com 58% dos votos». Poder360. Consultado em 16 de janeiro de 2024 
  43. «Pico Maior em Nova Friburgo, RJ, é a maior montanha da Serra do Mar». Portal G1. 3 de novembro de 2014. Consultado em 24 de outubro de 2022 
  44. «Parque Nacional de Itatiaia». Consultado em 25 de fevereiro de 2014. Arquivado do original em 4 de dezembro de 2014 
  45. «Rio de Janeiro». IBGE. 1 de julho de 2021. Consultado em 12 de julho de 2021 
  46. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (2011). Sinopse do Censo Demográfico 2010 (PDF). Rio de Janeiro: IBGE. p. 67-68. ISBN 978-85-240-4187-7. Consultado em 2 de dezembro de 2016. Cópia arquivada (PDF) em 24 de setembro de 2015 
  47. «Censo 2010 - Religiões». IBGE. 2010 
  48. «Panorama do estado do Rio de Janeiro». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Consultado em 13 de maio de 2020 
  49. «Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro». www.alerj.rj.gov.br. Consultado em 4 de julho de 2021 
  50. «Linha do Tempo – Alerj – Palácio Tiradentes». www.palaciotiradentes.rj.gov.br. Consultado em 4 de julho de 2021 
  51. O Globo (17 de novembro de 2017). «Palácio Tiradentes é palco da posse de presidentes, de Washington Luís a JK» 
  52. História do Palácio Guanabara, por Felipe Lucena. Diário do Rio, 4 de outubro de 2015.
  53. destakjornal (20 de julho de 2018). «TJRJ conclui segunda etapa de reforma do Fórum Central». Consultado em 29 de julho de 2018 
  54. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2017). «Base de dados por municípios das Regiões Geográficas Imediatas e Intermediárias do Brasil». Consultado em 20 de janeiro de 2018 
  55. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2017). «Divisão Regional do Brasil». Consultado em 20 de janeiro de 2018. Cópia arquivada em 20 de janeiro de 2018 
  56. a b «Exportações do Rio de Janeiro (2012)». Plataforma DataViva. Consultado em 13 de janeiro de 2014. Arquivado do original em 12 de fevereiro de 2015 
  57. «Amarga decadência do açúcar - Terceira Via Terceira Via». Terceira Via. 26 de janeiro de 2020. Consultado em 4 de julho de 2021 
  58. «Coagro - Coagro espera a melhor safra da cana-de-açúcar dos últimos quatro anos». www.coagro.coop.br. Consultado em 4 de julho de 2021 
  59. «Conab - Página inicial». www.conab.gov.br. Consultado em 4 de julho de 2021 
  60. Produção brasileira de abacaxi em 2019
  61. Produção de Abacaxi cresce no Estado do Rio de Janeiro
  62. Produção brasileira de mandioca em 2019
  63. Produção brasileira de banana em 2019
  64. Produção brasileira de laranja em 2019
  65. Produção brasileira de tangerina em 2019
  66. Produção brasileira de limão em 2019
  67. Campo & Negócios (17 de maio de 2019). «Caqui - Panorama nacional da produção». Revista Campo & Negócios. Consultado em 4 de julho de 2021 
  68. «Coco capixaba domina o mercado carioca no verão». Século Diário. Consultado em 4 de julho de 2021 
  69. Junior, Manuel Alberto Gutierrez Cuenca Carlos Roberto Martins Luciano Alves de Jesus. «Estatística da produção». www.agencia.cnptia.embrapa.br. Consultado em 4 de julho de 2021 
  70. «Exportações do Brasil por Estado (2012)». Plataforma DataViva. Consultado em 13 de janeiro de 2014. Arquivado do original em 10 de outubro de 2014 
  71. DO UOL, em São Paulo (22 de novembro de 2013). «Três Estados concentram mais da metade do PIB do país, diz IBGE». UOL Economia. UOL. Consultado em 28 de novembro de 2016 
  72. «CNI - Perfil da Indústria nos Estados». perfil.portaldaindustria.com.br. Consultado em 4 de julho de 2021 
  73. «Presidente da Nissan confirma à Dilma nova fábrica no Rio]» 
  74. «Polo cervejeiro» 
  75. MORAES, Camila (28 de outubro de 2014). «Rio, Hollywood à brasileira». Cultura. El País Brasil. Consultado em 28 de novembro de 2016 
  76. BRISO, Caio Barretto (24 de outubro de 2012). «O segundo adeus de Herbert Richards». Cotidiano. Veja Rio. Consultado em 28 de novembro de 2016 
  77. a b GLOBO Comunicações e Participações S/A. «História Grupo Globo». História Grupo Globo. Globo.com. Consultado em 28 de novembro de 2016 
  78. AZZALI, Leonardo (25 de maio de 2015). «RecNov é a nova sede da Record no Rio de Janeiro; saiba mais». RD1. Consultado em 28 de novembro de 2016 
  79. DIAS, Bruno (23 de junho de 2007). «Prédio da Rede Manchete do Rio de Janeiro vai a leilão». Consultor Jurídico. Consultado em 28 de novembro de 2016 
  80. JANOT, Bruno (9 de outubro de 2014). «Assim como "Trash", veja outros filmes estrangeiros no Rio de Janeiro». Purebreak. Consultado em 28 de novembro de 2016 
  81. «RJ sobe 11 posições no Ideb e tem a terceira melhor nota no ranking». G1. 5 de setembro de 2014. Consultado em 21 de setembro de 2016 
  82. «Rio tem 23 entre as 100 melhores escolas do Enem». O Dia. 22 de dezembro de 2014. Consultado em 21 de setembro de 2016 
  83. IBGE, Anuário estatístico do Brasil 2001, p. 2–81 Citado em ADAS, Melhem e ADAS, Sergio. Panorama Geográfico do Brasil. 4 ed. São Paulo: Editora Moderna, 2004.
  84. «Universidades». Secretaria de Estado de Educação - SEEDUC. Governo do Rio de Janeiro. Consultado em 28 de novembro de 2016 
  85. «Constituição Federal, artigo 144 - Da Segurança Pública» 
  86. «Museu de Arte Moderna (MAM) | Mapa de Cultura RJ» 
  87. «Museu de Arte do Rio - MAR | Mapa de Cultura RJ» 
  88. «Museu Nacional | Mapa de Cultura RJ» 
  89. «Museu Nacional de Belas Artes | Mapa de Cultura RJ» 
  90. «Museu Histórico Nacional | Mapa de Cultura RJ» 
  91. «Museu da República | Mapa de Cultura RJ» 
  92. «Museu Histórico de Campos dos Goytacazes | Mapa de Cultura RJ» 
  93. «Museu Imperial | Mapa de Cultura RJ» 
  94. «Museu Chácara do Céu | Mapa de Cultura RJ» 
  95. «Centro Cultural Banco do Brasil | Mapa de Cultura RJ» 
  96. «Agência Heidelberg - Rio de Janeiro». Arquivado do original em 2 de abril de 2015 
  97. «Cópia arquivada». Consultado em 2 de maio de 2008. Arquivado do original em 20 de abril de 2008 
  98. «Instituto Nacional de Altos Estudos». (INAE) – Estudos e Pesquisas N. 180. 10 de maio de 2007. Consultado em 14 de julho de 2008. Arquivado do original em 12 de fevereiro de 2009 
  99. GLOBOPLAY, Equipe do site (24 de fevereiro de 2011). «Presidentes dos 4 grandes clubes cariocas anunciam oficialmente a saída do Clube dos 13». Site Globoplay. Consultado em 24 de fevereiro de 2017 
  100. ESPORT EINTERATIVO, Equipe do site (14 de janeiro de 2016). «Confira as perspectivas dos quatro grandes clubes do Rio de Janeiro para a temporada de 2016». Site Esporte Inetrativo. Consultado em 24 de fevereiro de 2017 
  101. TARGINO, Maurício (18 de maio de 2012). «O G-12 brasileiro.». Site deprimeira. Consultado em 17 de outubro de 2016 
  102. RODRIGUES, Rodolfo; GINI, Paulo Villena (3 de agosto de 2009). «Livro A história das camisas dos 12 maiores times do Brasil». Panda Books. Consultado em 26 de dezembro de 2013 
  103. Site da revista PLACAR - Livro sobre camisa dos 12 grandes clubes do Brasil ganha versão atualizada, página editada em 13 de dezembro de 2016 e disponível em 31 de dezembro de 2016.
  104. AZEVEDO, Rafael Luis - Quais as 8 cidades com mais clubes profissionais no Brasil? Fizemos o ranking, página editada em 23 de novembro de 2018 e disponível em 30 de janeiro de 2019.
  105. COB. «Martine Grael». Consultado em 20 de fevereiro de 2022 
  106. Guia da Semana. «Conheça todos os medalhistas brasileiros de vela nas Olimpíadas». Consultado em 20 de fevereiro de 2022 
  107. COB. «Thiago Pereira». Consultado em 20 de fevereiro de 2022 
  108. COB. «Bruno Fratus». Consultado em 20 de fevereiro de 2022 
  109. COB. «Jorge Fernandes». Consultado em 20 de fevereiro de 2022 
  110. COB. «Robson Caetano». Consultado em 20 de fevereiro de 2022 
  111. COB. «Rosângela Santos». Consultado em 20 de fevereiro de 2022 
  112. COB. «José Telles da Conceição». Consultado em 20 de fevereiro de 2022 
  113. COB. «Luiz Felipe de Azevedo». Consultado em 20 de fevereiro de 2022 
  114. COB. «Afrânio da Costa». Consultado em 20 de fevereiro de 2022 
  115. COB. «Fernando Soledade». Consultado em 20 de fevereiro de 2022 
  116. COB. «Affonso de Azevedo Évora». Consultado em 20 de fevereiro de 2022 
  117. COB. «Alfredo da Motta». Consultado em 20 de fevereiro de 2022 
  118. COB. «Algodão». Consultado em 20 de fevereiro de 2022 
  119. COB. «Edson Bispo». Consultado em 20 de fevereiro de 2022 
  120. COB. «Fernando Brobró». Consultado em 20 de fevereiro de 2022 
  121. COB. «Fritz». Consultado em 20 de fevereiro de 2022 
  122. COB. «Marcus Vinícius Dias». Consultado em 20 de fevereiro de 2022 
  123. COB. «Ruy de Freitas». Consultado em 20 de fevereiro de 2022 
  124. COB. «Sérgio Macarrão». Consultado em 20 de fevereiro de 2022 
  125. «Event results General». Olympic.org Comitê Olímpico Internacional. 26 de março de 2003. Consultado em 5 de abril de 2016. Arquivado do original em 19 de fevereiro de 2022 
  126. COB. «Bárbara Seixas». Consultado em 20 de fevereiro de 2022 
  127. COB. «Jaqueline Silva». Consultado em 20 de fevereiro de 2022 
  128. COB. «Raquel da Silva». Consultado em 20 de fevereiro de 2022 
  129. COB. «Sandra Pires». Consultado em 20 de fevereiro de 2022 
  130. Globoesporte. «Hugo Calderano chega ao melhor ranking da carreira: 3º do mundo no tênis de mesa». Consultado em 19 de fevereiro de 2022 
  131. Autopapo UOL. «Conheça 10 fatos marcantes sobre o tricampeão Nelson Piquet». Consultado em 20 de fevereiro de 2022 
  132. Diário do Estado. «10 maiores skatistas de todos os tempos». Consultado em 20 de fevereiro de 2022 
  133. Globoesporte. «Marcus Vinicius D´Almeida é vice-campeão mundial de tiro com arco». Consultado em 21 de fevereiro de 2022 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikilivros Livros e manuais no Wikilivros
Wikiquote Citações no Wikiquote
Commons Categoria no Commons
Wikinotícias Categoria no Wikinotícias
Wikivoyage Guia turístico no Wikivoyage
Wikidata Base de dados no Wikidata