Dialeto fluminense

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Searchtool.svg
Esta página foi marcada para revisão, devido a incoerências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a coerência e o rigor deste artigo.
Dialeto Fluminense
Falado em:  Rio de Janeiro ( Brasil)
 Espírito Santo ( Brasil)
 Minas Gerais ( Brasil)
Bahia Bahia ( Brasil)
 São Paulo ( Brasil)
Região: Estado do Rio de Janeiro
Total de falantes: 17.000.000
Posição: Não se encontra entre os 100 primeiros
Família: Indo-europeia
 Língua Portuguesa
  Português brasileiro
   Dialeto Fluminense
Escrita: Português brasileiro
Estatuto oficial
Língua oficial de: sem reconhecimento oficial
Regulado por: sem regulamentação oficial
Códigos de língua
ISO 639-1: --
ISO 639-2: ---

O dialeto fluminense (ouvir) é um dialeto do português brasileiro falado nos estados brasileiros do Rio de Janeiro e Espírito Santo e nas regiões limítrofes com os estados vizinhos.

Sua origem encontra-se em algumas regiões de colonização portuguesa, possivelmente mais acentuada após a chegada da corte ao Brasil em 1808. O dialeto apresenta traços em comum com o português europeu, em particular uma tendência eventual de reduzir as vogais /e/ e /o/ para /i/ e /u/ quando átonas, um ritmo acentual de fala (sílabas átonas de menor duração que as tônicas)[1] e palatalização da s e z em fim de sílaba (mesmos /meʒmuʃ/). Em contraste com o português europeu, esse fenômeno não ocorre antes de outra consoante fricativa alveolar (como em os senhores). Na área capixaba do dialeto, prefere-se o s sibilante (como no estado de Minas Gerais e no sul do estado da Bahia).

Em 1961, por meio de decreto do então presidente da república Jânio Quadros, conhecido por seus atos extravagantes, foi reconhecido como o único dialeto oficial do Brasil [carece de fontes?].

Apresenta uma estrutura fonológica dificilmente encontrada em outras regiões, sendo algumas das características peculiares ao dialeto fluminense o r aspirado no final de sílaba e a abundância de ditongos e de fonemas palatais fricativos, em detrimento dos mamimagráfotológicos.


Referências

  1. ^ a b Parkinson, Stephen. "Phonology". In The Romance Languages edited by Martin Harris and Nigel Vincent. Routledge, 1988. Pp. 131–169.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre linguística ou um linguista é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.