Fricativa alveolar sonora

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Fricativa alveolar sonora
z
IPA 133
Codificação
Entidade (decimal) z
Unicode (hex) U+007A
Kirshenbaum z
Som

As fricativas alveolares sonora são sons consonantais. O símbolo no Alfabeto Fonético Internacional que representa esses sons depende se uma fricativa sibilante ou não sibilante está sendo descrita.

  • O símbolo para a sibilante alveolar é ⟨z⟩ e o símbolo X-SAMPA equivalente é z. A letra ⟨z⟩ do AFI normalmente não é usada para sibilantes dentais ou pós-alveolares na transcrição estreita, a menos que modificada por um diacrítico (⟨⟩ e ⟨⟩ respectivamente).
  • O símbolo do AFI para a fricativa alveolar não sibilante é feito por meio de diacríticos; pode ser ⟨ð̠⟩ ou ⟨ɹ̝⟩.
Dental Denti-

alveolar

Alveolar Post-alveolar
Retraido Retroflexa Palato-alveolar Alveolo-palatal
Sibilante Plana ʐ ʒ ʑ
Não sibilante ð ð̠/ð͇/ɹ̝ ɻ̝
Tepe ɾ̞/ɹ̝̆

Sibilante alveolar sonora[editar | editar código-fonte]

Fricativa alveolar sonora
Fricativa alveolar sonora
Fricativa alveolar sonora
Codificação
Entidade (decimal) z​̺
Unicode (hex) U+007A U+033A

A sibilante alveolar sonora é comum nas línguas europeias, mas é relativamente incomum entre linguisticamente em comparação com a variante surda. Apenas cerca de 28% das línguas do mundo contêm uma sibilante oral ou alveolar. Além disso, 85% das línguas com alguma forma de [z] são línguas da Europa, África ou Ásia Ocidental.

Características[editar | editar código-fonte]

  • Seu modo de articulação é fricativa sibilante, o que significa que geralmente é produzida canalizando o fluxo de ar ao longo de uma ranhura na parte posterior da língua até o local de articulação, ponto em que é focado contra a borda afiada dos dentes quase cerrados, causando turbulência de alta frequência.
  • Existem pelo menos três variantes específicas de [z]:
  1. Alveolar laminar dental (comumente chamado de "dental"), o que significa que é articulado com a lâmina da língua muito próxima aos dentes anteriores superiores, com a ponta da língua apoiada atrás dos dentes anteriores de baixo. O efeito de assobio nesta variedade de [z] é muito forte.[1]
  2. Alveolar não retraído, o que significa que é articulado com a ponta ou a lâmina da língua na crista alveolar, denominada respectivamente apical e laminar. De acordo com Ladefoged et al. 1996, cerca de metade dos falantes de inglês usa uma articulação apical não retraída.
  3. Alveolar retraído, o que significa que é articulado com a ponta ou a lâmina da língua ligeiramente atrás da crista alveolar, denominada respectivamente apical e laminar. Acusticamente, é próximo a [ʒ] ou laminar [ʐ]. Sua fonação é sonora, o que significa que as cordas vocais vibram durante a articulação.
  • É uma consoante oral, o que significa que o ar só pode escapar pela boca.
  • O mecanismo de fluxo de ar é pulmonar, o que significa que é articulado empurrando o ar apenas com os pulmões e o diafragma, como na maioria dos sons.

Ocorrência[editar | editar código-fonte]

Dentalizado laminal alveolar[editar | editar código-fonte]

Língua Palavra AFI Significado Notas
Armênio Oriental[2] զարդ Loudspeaker.svg? [z̪aɹd̪] Decoração
Azerbaijani[3] z [z̪ɔʁ] Brotar
Bielorrusso[4] база [ˈbäz̪ä] Base Contrasta com forma palatalizada.
Búlgaro[5] езеро [ˈɛz̪ɛro] Lago Contrasta com forma palatalizada.
Tcheco[6] zima [ˈz̪ɪmä] Inverno
Inglês Londres multicultural[7] zoo [z̪ʏˑy̯] Zoológico
Francês[8][9] zèbre [z̪ɛbʁ] Zebra
Húngaro[10] zálog [ˈz̪äːl̪oɡ] Juramento
Cassúbio[11] [exemplo necessário]
Cazaque[12] заң/zan' [z̪äŋ] Lei
Quirguiz[13] заң [z̪äŋ] Lei
Letão[14] zars [z̪ärs̪] Galho
Macedônio[15] зошто [ˈz̪ɔʃt̪ɔ] Porque
Mirandês daprendizaige [d̪əpɾẽd̪iˈz̪ajʒ(ɯ̽)] Aprendizado Contrasta sete sibilantes ao todo, preservando os contrastes ibero-românicos medievais.
Polonês[1][16] zero Loudspeaker.svg? [ˈz̪ɛrɔ] Zero
Português Maioria dos falantes Estados Unidos [isˈt̪ad̪uz̪‿ʊˈnidᶶz(ˢ)] Estados unidos
Romeno[17] zar [z̪är] Dado
Russo[18] заезжать / zaezžat' Loudspeaker.svg? [z̪əɪˈʑʑætʲ] Pegar Contrasta com forma palatalizada.
Servo-croata[19][20] зајам / zajam [z̪ǎːjäm] Empréstimo
Eslovaco zima [ˈz̪imä] Inverno
Eslovênio[21] zima [ˈz̪ìːma] Inverno
Turco[8][22] z [ɟø̞̈z̪] Olho
Ucraniano[23] зуб [z̪ub] Dente
Alto sorábio[24] koza [ˈkoz̪ä] Cabra
Usbeque[25] zafar Vitória
Vietnamita Hanoi[26] da [z̪äː] Pele

Alveolar não-retraído[editar | editar código-fonte]

Língua Palavra AFI Significado Notas
Adigue зы Loudspeaker.svg? [ˈzə] Um
Albanês zjarr [zjar] Fogo
Árabe Padrão[27] زائِر [ˈzaːʔir] Visitante
Assamês লকীয়া [zɔlɔkija] Pimenta
Assírio neoaramaico ܙܓ [ziɡa] Sino
Bengali নামা [namaz] Salá
Bretão iliz [iliz] Igreja
Chechen зурма / zurma [zuɾma] Música
Holandês[28][29] zaad [z̻aːt̻] Semente Laminal; pode ter apenas atrito médio a baixo na Holanda.[28][29]
Emiliano-romanhol raån [raːz̺ʌŋ] Razão Apical palatalizado; pode ser [ ]oru[ʒ] ino lugar
Inglês zoo Loudspeaker.svg? [zuː] Zoológico Ausente em alguns dialetos escoceses e asiáticos.
Esperanto kuzo [ˈkuzo] Primo
Georgiano[30] არი [ˈzɑɾi] Sino
Grego Atenas[31] ζάλη / záli [ˈz̻ali] Tontura
Hebraico זאב [zeˈʔev] Lobo
Hindustâni Hindi ज़मीन [zəmiːn] Terra
Urdu زمین
Japonês[32] 全部 / zenbu [zembɯ] Tudo
Cabardiano зы Loudspeaker.svg? [ˈzə] Um
Kalaw Lagaw Ya zilamiz [zilʌmiz] Ir
Caxemire ज़ानुन / زانُن [zaːnun] Saber
Malaio beza [bezə] Diferença
Maltês żelu [zelu] Zela
Marata [zər] Se
Occitano Limousin jòune [ˈzɒwne] Jovem
Persa گوز [guz] Farto
Português[33] casa [ˈkazɐ] Casa
Panjábi ਜ਼ਿੰਦਗੀ [zɪnˈd̪əgi] Vida
Espanhol Andalúcio comunismo [ko̞muˈnizmo̞] Comunismo Alofone de /s/ antes de consoantes sonoras, quando não é debuccalizado para [ɦ]. Presente em dialetos que realizam /s/ como uma fricativa alveolar não retraída. Antes de /d/ é dentário [z̪].
América latina
Filipino
Mexicano isla [ˈiz.lä] Ilha Alguns dialetos do norte. Corresponde a /s/ em outros dialetos mexicanos e a /θ/ em espanhol peninsular.
Suaíli lazima [lɑzimɑ] Preciso
Frísio ocidental[34] sizze [ˈsɪzə] Dizer Nunca ocorre em posições no começo de palavras
Yi ꍂ / ssy [zɹ̩˧] Geração
Iídiche zien [zin] Filho
Zapoteco Tilquiapano[35] guanaz [ɡʷanaz] Fui pegar

Alveolar retraído[editar | editar código-fonte]

Língua Palavra AFI Significado Notas
Catalão[36][37] zel [ˈz̺ɛɫ] Zelo Apical.
Galego mesmo [ˈme̞z̺mo̞] Mesmo Apical. Alofone de /s/ antes de consoantes expressas. Antes de /d/ é pronunciado dentalmente [z̪].
Grego[38] μάζα / za [ˈmɐz̠ɐ] Massa
Italiano Itália central[39] caso [ˈkäːz̠o] Caso Presente em Lazio no norte do cabo lináro,[39] maior parte de Umbria[39] (exceto Perugia e o extremo sul)[39] e Le Marche e o sul de Potenza.[39]
Norte da Itália[40][41] Apical.[42] Present in many areas north of the La Spezia–Rimini Line.[43][44]
Sicília[39] Presente ao sul e o oeste de uma linha traçada a partir de Siracusa a Cefalù.[39]
Baixo alemão[45] [exemplo necessário]
Diveí zaraafaa [z̺aˈraːfaː] Girafa
Mirandês eisistir [e̞jz̺is̺ˈtiɾ] Existir Apical. Os dialetos mirandeses e portugueses vizinhos foram a única tradição oral sobrevivente a preservar todas as sete sibilantes ibero-românicas medievais: ⟨ch⟩ /tʃ, ⟨x⟩/ʃ/, ⟨g⟩/⟨j⟩/ʒ/, ⟨c⟩/⟨Ç⟩/s̪/, ⟨z⟩ /z̪/, ⟨s⟩/ -⟨ss⟩- /s̺/, -⟨s⟩- /z̺/.
Occitano Gascão casèrna [kaz̺ɛrno] Quartel
Languedociano ser [bez̺e] Ver
Português Costa do norte de Portugal [exemplo necessário] Merge com não retraído /z/.
Norte de Portugal [exemplo necessário] Apical. Contrasta com não retraído /z/.
Espanhol Andeano mismo [ˈmiz̺mo̞] Mesmo Apical. Alofone de /s/ antes de consoantes. Antes de [d] é pronunciado como [z̪].
Castelhano
Região de paisa

Variável[editar | editar código-fonte]

Língua Palavra AFI Significado Notas
Alemão Padrão[46] sauber [ˈzäʊ̯bɐ] Limpo Varia entre laminal dentalizado, laminal não retraído e apical não retraído. [46]
Italian Padrão[47] caso [ˈkäːzo] Caso Varia entre laminal dentalizado e apical não retraído.[47]
Ticino[42] Varia entre laminal dentalizado e apical não retraído.[48] Ambas as variantes podem ser labiodentalizadas.[42]

Fricativa alveolar não sibilante sonora[editar | editar código-fonte]

Fricativa alveolar sonora
ð̠
ð͇
ɹ̝
Codificação
Entidade (decimal) ð​̠
Unicode (hex) U+00F0 U+0320

A fricativa alveolar sonora não sibilante é um som consonantal. Como o Alfabeto Fonético Internacional não possui símbolos separados para as consoantes alveolares (o mesmo símbolo é usado para todos os locais de articulação coronais que não são palatalizados), ele pode representar o som de várias maneiras, incluindo ⟨ð̠⟩ ou ⟨ð͇ ⟩ ([ð] Retraído ou alveolarizado , respectivamente), ⟨ɹ̝⟩ (contraído [ɹ]) ou ⟨d̞⟩ (rebaixado [d]).

Fricativa alveolar sonora
ɾ̞
ɹ̝̆
IPA 124 430

Poucos idiomas também têm o tepe expresso fricativo alveolar, que é simplesmente uma fricativa alveolar apical muito breve e não sibilante, com a língua fazendo o gesto para um parada com tepe, mas não fazendo contato total. Pode ser indicado no AFI com o diacrítico descendente para mostrar que não ocorre oclusão total. As fricativas com flepe são teoricamente possíveis, mas não são comprovadas.[49]

Características[editar | editar código-fonte]

  • Sua forma de articulação é fricativa, ou seja, produzida pela constrição do fluxo de ar por um canal estreito no local da articulação, causando turbulência.
  • No entanto, não tem a língua estriada e fluxo de ar direcionado, ou as altas frequências de uma sibilante.
  • Seu local de articulação é alveolar, o que significa que é articulado com a ponta ou a lâmina da língua na crista alveolar, denominada respectivamente apical e laminal.
  • Sua fonação é sonora, o que significa que as cordas vocais vibram durante a articulação.
  • É uma consoante oral, o que significa que o ar só pode escapar pela boca.
  • É uma consoante central, o que significa que é produzida direcionando o fluxo de ar ao longo do centro da língua, em vez de para os lados.
  • O mecanismo da corrente de ar é pulmonar, o que significa que é articulado empurrando o ar apenas com os pulmões e o diafragma, como na maioria dos sons.

Ocorrência[editar | editar código-fonte]

Língua Palavra AFI Significado Notas
Aragonês Pirineus[50] aire [ˈäi̯ɾ̞e̞] Ar Com tepe; realização comum de /ɾ/.[50]
Tcheco[51] |čtyři [ˈt͡ʃtɪɹ̝ɪ] Quatro Pode ser uma vibrante múltipla fricativa[52] ou um tepe fricativo.[53] Contrasta com /r/ e /ʒ/.
Dahalo[54] [káð̠i] Trabalho Apical; africado apenas fracamente. Alofone intervocálico comum de /d̠/, e pode ser um aproximante /ð̠˕/ ou simplesmente um plosivo [d] no lugar.[55]
Dinamarquês[56] Poucos falantes[57] ved [ve̝ð̠] Em Laminal.[56] Alofone de /d/ na coda da sílaba; muito mais comummente realizado como como um aproximante.[57]
Holandês[58] voor [vöːɹ̝] Para Uma das muitas possíveis realizações de /r/; distribuição não clara.
Emiliano Bolonhês chè [ˈkɛːð̠] Caso Laminal
Inglês Scouse[59] maid [meɪð̠] Empregada Alofone de /d/.
Sul Africano[60][61] round [ɹ̝æʊ̯nd] Redondo Apical,[61] presente em alguns dialetos urbanos.[60]
Islandês[62][63] bróðir [ˈprou̯ð̠ir] Irmão Normalmente apical,[62][63] pode ser mais próximo de uma aproximante.
Italiano Sicília[64] terra [ˈt̪ɛɹ̝ä] Terra Apical; corresponde a /rr/ no italiano padrão.[64]
Manx mooar [muːɹ̝] Grande Realização comum de /r/ no final de palavras.
Espanhol[65] aire [ˈäi̯ɾ̞e̞] Ar Com tepe; possível realização de /ɾ/.[65]
Sueco Padrão central[66][67] vandrare [²vän̪ːd̪ɹ̝äɹɛ] Andarilho Alofone de /r/ na área de Estocolmo
Tacana[68] [exemplo necessário] Com tepe.[68]
Turco[69] rüya [ˈɾ̞ÿjä] Sonho Com tepe; alofone de /ɾ/ no começo de palavras.[69]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b Puppel et al. 1977, p. 149, citado em Ladefoged et al. 1996, p. 154
  2. Kozintseva (1995), p. 7.
  3. Axundov (1983), pp. 115, 136, 139–142.
  4. Padluzhny (1989), p. 47.
  5. Klagstad Jr. (1958), p. 46.
  6. Palková (1994), p. 228.
  7. «english speech services | Accent of the Year / sibilants in MLE». Consultado em 2 de Dezembro de 2015 
  8. a b Adams (1975), p. 288.
  9. Fougeron & Smith (1999), p. 79.
  10. Szende (1999), p. 104.
  11. Jerzy Treder. «Fonetyka i fonologia». Cópia arquivada em 4 de março de 2016 
  12. Kara (2002), p. 10.
  13. Kara (2003), p. 11.
  14. Nau (1998), p. 6.
  15. Lunt (1952), p. 1.
  16. Rocławski (1976), pp. 149.
  17. Ovidiu Drăghici. «Limba Română contemporană. Fonetică. Fonologie. Ortografie. Lexicologie» (PDF). Consultado em 19 de Abril de 2013 [ligação inativa] 
  18. Chew (2003), p. 67.
  19. Kordić (2006), p. 5.
  20. Landau et al. (1999), p. 67.
  21. Pretnar & Tokarz (1980):21
  22. Zimmer & Orgun (1999), p. 154.
  23. Buk, Solomija; Mačutek, Ján; Rovenchak, Andrij (2008). «Some properties of the Ukrainian writing system». Glottometrics. 16 (16): 63–79. Bibcode:2008arXiv0802.4198B. arXiv:0802.4198Acessível livremente  (PDF ram-verlag.eu)
  24. Šewc-Schuster (1984), pp. 22, 38, 39.
  25. Sjoberg (1963), p. 11.
  26. Thompson (1987), pp. 5 and 7.
  27. Thelwall (1990), p. 37.
  28. a b Gussenhoven (1999), p. 75.
  29. a b Collins & Mees (2003), p. 190.
  30. Shosted & Chikovani (2006), p. 255.
  31. Adams (1975), p. 283.
  32. Okada (1999), p. 117.
  33. Cruz-Ferreira (1995), p. 91.
  34. Sipma (1913), p. 16.
  35. Merrill (2008), p. 108.
  36. Carbonell & Llisterri (1992), p. 54.
  37. Torreblanca (1988), p. 347.
  38. Arvaniti (2007), p. 12.
  39. a b c d e f g Adams (1975), p. 286.
  40. Adams (1975), pp. 285–286.
  41. Canepari (1992), p. 71-72.
  42. a b c Canepari (1992), p. 72.
  43. Canepari (1992), p. 71.
  44. Adams (1975), p. 285.
  45. Adams, Douglas Q. (1975). "The Distribution of Retracted Sibilants in Medieval Europe". [S.l.: s.n.] p. 289 
  46. a b Mangold (2005), p. 50.
  47. a b Canepari (1992), p. 68.
  48. Canepari (1992), pp. 68 and 72.
  49. Laver. [S.l.: s.n.] 1994. p. 263 
  50. a b Mott (2007), pp. 104, 112.
  51. Ladefoged & Maddieson (1996), pp. 228–230 and 233.
  52. Ladefoged & Maddieson. [S.l.: s.n.] 1996. pp. 228–230 e 233 
  53. Šimáčková, Podlipský & Chládková (2012), p. 226.
  54. Maddieson et al. (1993):34
  55. Maddieson et al. (1993):28, 34
  56. a b Jespersen (1897–1899):?, cited in Ladefoged & Maddieson (1996):144
  57. a b Bauer et al. (1980):?, cited in Ladefoged & Maddieson (1996):144: "Only in a very distinct Danish – as from the stage of the Royal Theater – do we get a fricative."
  58. Collins & Mees (2003):199. Authors do not say where exactly it is used.
  59. Watson (2007), pp. 352–353.
  60. a b Ladefoged & Maddieson (1996), p. 236.
  61. a b Ogden (2009), p. 92.
  62. a b Pétursson (1971):?, cited in Ladefoged & Maddieson (1996):145
  63. a b Grønnum (2005):139
  64. a b Canepari (1992), pp. 64–65.
  65. a b Mott (2007), p. 112.
  66. Engstrand (1999), pp. 141.
  67. Engstrand (2004), p. 167.
  68. a b «UPSID r[F». Consultado em 24 de Janeiro de 2016 
  69. a b Yavuz & Balcı (2011), p. 25.