Dialetos da língua portuguesa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde novembro de 2016).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde setembro de 2012). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Searchtool.svg
Esta página foi marcada para revisão, devido a incoerências e/ou dados de confiabilidade duvidosa (desde março de 2011). Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a coerência e o rigor deste artigo.

A língua portuguesa possui uma relevante variedade de dialetos, com uma acentuada diferença lexical entre suas duas principais vertentes, europeia e brasileira. Tais diferenças, entretanto, geralmente não prejudicam a inteligibilidade entre os locutores de diferentes dialetos.

O português europeu padrão é também conhecido como estremenho ou português de Portugal. Mesmo assim, todos os aspectos e sons de todos os dialetos de Portugal podem ser encontrados nalgum dialeto no Brasil. O português africano, em especial o português santomense tem muitas semelhanças com o português de algumas regiões do Brasil. Também os dialetos do sul de Portugal apresentam muitas semelhanças, especialmente o uso intensivo do gerúndio. No Norte, o alto-minhoto e o transmontano são muito semelhantes ao galego.

Mesmo com a independência das antigas colônias africanas, o português padrão de Portugal é o padrão preferido pelos países africanos de língua portuguesa. Logo, o português apenas tem dois dialetos de aprendizagem, o europeu e o brasileiro. Note que, no português europeu há três dialetos mais prestigiados: o do Porto, o de Coimbra e o de Lisboa. No Brasil, o dialeto do Rio de Janeiro e o de São Paulo são dominantes nos meios de comunicação; a língua escrita padrão é quase idêntica à de Portugal, com diferenças pontuais (como o abandono quase completo da mesóclise).

Maiores dialetos da língua portuguesa:

Europa[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Português europeu
Dialetos de Portugal.
  1. Açoriano (ouvir) - Açores
  2. Alentejano (ouvir) - Alentejo
  3. Algarvio (ouvir) - Algarve (há um pequeno dialeto na parte ocidental)
  4. Alto-minhoto (ouvir) - Norte de Braga (interior)
  5. Baixo-beirão; alto-alentejano (ouvir) - Centro de Portugal (interior)
  6. Beirão (ouvir) - centro de Portugal
  7. Estremenho (ouvir) - Regiões de Coimbra e Lisboa (pode ser subdividido em lisboeta e coimbrão)
  8. Madeirense
  9. Dialecto Baixo Minhoto-Duriense (ouvir) - Regiões de Braga e Porto
  10. Transmontano (ouvir) Trás-os-Montes
  11. Galego (ouvir) Galiza, Espanha[1]
  12. Fala da Estremadura ou fala de Xálima – Valverde do Fresno, Elas, São Martinho de Trebelho (variedade linguística do galego-português)
  13. Português oliventinoOlivença e Táliga, Espanha (em desuso; não protegido)

América do Sul[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Português brasileiro

África e Ásia[editar | editar código-fonte]


Referências

  1. O português galego é considerado oficialmente pelos governos galego e espanhol uma língua autônoma, porém a nível científico a unidade do português galego com o resto de falares da Lusofonia é aceite de maneira maioritária e mesmo existe um movimento social que defende a integração da Galiza como membro de pleno direito na CPLP
  2. «Sotaque branco». Meia Maratona Internacional CAIXA de Brasília. Consultado em 25 de setembro de 2012. Arquivado do original em 17 de maio de 2016 
  3. «Diferentes "dialetos": as expressões regionais brasileiras». Portal Educar Brasil. Consultado em 14 de julho de 2013. Arquivado do original em 29 de outubro de 2013 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]