Ribatejo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Província do Ribatejo

O Ribatejo é uma província tradicional (ou região natural) de Portugal. Muitos portugueses dizem-se orgulhosamente "Ribatejanos". É marcada pelo "fandango", uma musica regional dançada ao desafio por um par de campinos.

Em 1936 a divisão administrativa de Portugal foi reformulada. Nela o território continental foi dividido em 11 províncias: Minho, Trás-os-Montes-e-Alto Douro, Douro Litoral, Beira Litoral, Beira Alta, Beira Baixa, Ribatejo, Estremadura, Alto Alentejo, Baixo Alentejo, Algarve.

40 anos depois a organização administrativa do País saída da constituição de 1976 não incluíu Províncias, pelo que "Ribatejo" deixou de ter cabimento ou função oficial. É simplesmente um registo histórico. O Ribatejo como província só existiu entre 1936 e 1976.

Em 1996 houve uma reorganização tentativa para a criação de 8 Regiões que iriam substituir os Distritos. Uma das regiões era a “Estremadura e Ribatejo”. O projecto de nova estrutura administrativa foi em 1998 sujeito a referendo que resultou não vinculativo por ter tido uma taxa de participação taxa inferior a 0,5.  

Limites e composição[editar | editar código-fonte]

A mancha "Ribatejo", centrada em Santarém, situa-se em terrenos da Beira Litoral, da Beira Interior, da Estremadura e do Alto Alentejo.

Como província Integrava 23 concelhos: 2 do distrito de Lisboa, 2 do distrito de Sétubal, 1 do distrito de Portalegre e todo o distrito de Santarém (excepto os concelhos de Mação e de Ourém). Em 1945, foi criado o concelho do Entroncamento à custa de territórios dos concelhos de Torres Novas e de Vila Nova da Barquinha. A região ficou então assim:

Geografia[editar | editar código-fonte]

Do ponto de vista geográfico, o Ribatejo está dividido em três regiões naturais: Lezíria, Bairro e Charneca.

  • A Lezíria compreende a área de planície inundável pelo rio Tejo e terrenos adjacentes, e inclui solos de aluvião, de óptima qualidade, nos quais a vinha ostenta todo o seu vigor. Nestas terras fertilíssimas para além da vinha encontram-se plantações de cereais, melão, tomate e excelentes pastagens para gado bovino e equino.
  • O Bairro surge na margem direita do Tejo (Norte do Ribatejo), com um relevo pouco acentuado, adjacente e de formações areníticas, calcárias e argilosas cujas tonalidades são variadas, podendo ir desde o esbranquiçado até aos acastanhados, vermelhos e alaranjados. Nestes solos argilosos encontram-se culturas arbustivas e arbóreas nas quais impera a oliveira que convive de perto com a vinha, o trigo e o milho.
  • A Charneca estende-se da margem esquerda do rio Tejo até ao Alentejo (Sul do Ribatejo). Nela encontra-se solos arenosos, incluindo vastas áreas de montado de sobro, bem como de eucaliptos e pinheiros. Contudo também é possível observar, em locais mais favoráveis, cultivo de cereais e vinha, bem como arroz nas zonas mais irrigadas.

Os campinos ribatejanos da Lezíria e da Charneca usam como traje de gala: camisa branca, colete encarnado, calças e capote azuis, meia branca e barrete verde com borda encarnada. Os campinos ribatejanos do Bairro usam como traje de gala: camisa branca, colete negro, calças e capote negros, meia branca e barrete negro.