Distrito de Setúbal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.


Setúbal
Distrito de Portugal

Localização de Setúbal

Criação 1926
Área 5 064 km²
População 887 928 hab. (2022)
Densidade populacional 175 hab./km²
N.º de municípios 13
N.º de freguesias 55 [1]
Região Lisboa e Vale do Tejo
Alentejo

O Distrito de Setúbal é um distrito português, localizado no sudoeste do país. Limita a noroeste com o Distrito de Lisboa, a norte com o Distrito de Santarém, a nordeste com o Distrito de Évora, a leste e sul com o Distrito de Beja e a oeste com o Oceano Atlântico. A sede do distrito é a cidade de Setúbal.

Tem uma área total de 5 064 km², sendo o 8° distrito com a maior área de todos os distritos nacionais. Em 2022 registou uma população de 887 928 habitantes[2], sendo o 3° distrito mais populoso do país. O distrito tem uma densidade populacional de 175 habitantes por km², que se dividem em 13 municípios e em 55 freguesias.

População[editar | editar código-fonte]

Número de Habitantes [3]
Ano 1864 1878 1890 1900 1911 1920 1930 1940 1950 1960 1970 1981 1991 2001 2011 2021
População 91587 102011 115305 133305 166263 186340 232720 270000 325646 377186 469555 658326 712594 879459 911258 875656

Subdivisões[editar | editar código-fonte]

O distrito de Setúbal é constituído por treze municípios[4]:

Municípios do distrito de Setúbal
Brasão Município Área (km²) População (habitantes)[3] Densidade populacional (habitantes/km²) Número de freguesias [1]
Alcácer do Sal 1 499,87 11 125 7,42 4
Alcochete 128,36 19 148 149,17 3
Almada 70,21 177 400 2 526,71 5
Barreiro 38,39 78 362 2 041,21 4
Grândola 825,94 13 827 16,74 4
Moita 55,26 66 326 1 200,25 4
Montijo 348,62 55 732 159,86 5
Palmela 465,12 68 879 148,09 4
Santiago do Cacém 1 059,77 27 801 26,23 8
Seixal 95,50 166 693 1 745,48 4
Sesimbra 195,47 52 465 268,40 3
Setúbal 230,33 123 684 536,99 5
Sines 132,42 14 214 107,34 2

Os municípios que integram o distrito pertencem à sub-região do Alentejo Litoral da região do Alentejo e à Área Metropolitana de Lisboa:

Em junho de 2021 o governo anunciou a intenção de criar uma subregião NUT III na península de Setúbal[5].

Os seus municípios estavam integrados nas antigas províncias da Estremadura e do Baixo Alentejo.

Relevo e hidrografia[editar | editar código-fonte]

O relevo do distrito de Setúbal é maioritariamente constituído por planícies.

As principais serras do distrito de Setúbal são a Serra da Arrábida e a Serra de Grândola.

O distrito de Setúbal é atravessado pelo Rio Sado e seus afluentes.[6]

Criação[editar | editar código-fonte]

O distrito de Setúbal foi criado pelo governo da Ditadura Militar, em 22 de dezembro de 1926, por desanexação de concelhos do distrito de Lisboa[4]

Tratou-se de uma resposta política à criação do município de Palmela, por desanexação de várias freguesias do município de Setúbal[7].[8]

Foi o último distrito a ser criado em Portugal.

Governadores civis[9].[editar | editar código-fonte]

  1. Miguel Homem de Azevedo Queirós Sampaio e Melo (14 de Fevereiro de 1927 a 9 de Maio de 1928)
  2. António Alberto Bressane Leite Perry de Sousa Gomes (9 de Maio de 1928 a 30 de Janeiro de 1929)
  3. Antonino Raúl da Mata Gomes Pereira (30 de Janeiro de 1929 a 21 de Março de 1931)
  4. Alexandre Inácio de Barros van Zeller (21 de Março de 1931 a 26 de Dezembro de 1931)
  5. Joaquim Lança (26 de Dezembro de 1931 a 16 de Agosto de 1933)
  6. Mário Caes Esteves (16 de Agosto de 1933 a 3 de Agosto de 1934)
  7. António Manuel Gamito (3 de Agosto de 1934 a 15 de Março de 1935)
  8. Francisco Luís Supico (8 de Abril de 1935 a 24 de Junho de 1937)
  9. António Barreiros Cardoso (12 de Julho de 1937 a 16 de Junho de 1942)
  10. Mário Lampreia de Gusmão Madeira (16 de Junho de 1942 a 26 de Outubro de 1944)
  11. José Guilherme de Melo e Castro (26 de Outubro de 1944 a 29 de Abril de 1947)
  12. Francisco Alberto Correia Figueira (27 de Maio de 1947 a 29 de Janeiro de 1955)
  13. Miguel de Pádua Rodrigues Bastos (29 de Janeiro de 1955 a 30 de Junho de 1966)
  14. Francisco Pereira Beija (26 de Outubro de 1966 a 19 de Agosto de 1968) (faleceu)
  15. José Maria Cardoso Ferreira (24 de Outubro de 1968 a 20 de Junho de 1972)
  16. Manuel Sanches Inglês Esquível (20 de Junho de 1972 a 20 de Fevereiro de 1974)
  17. Serafim de Jesus Silveira, Jr. (28 de Fevereiro de 1974 a 25 de Abril de 1974)
  18. António Carlos Fuzeta da Ponte (13 de Setembro de 1974 a 18 de Agosto de 1975)
  19. Hélder da Silva Nobre Madeira (30 de Outubro de 1975 a 22 de Setembro de 1976)
  20. Fernando José Capelo Mendes (23 de Setembro de 1976 a 22 de Maio de 1978)
  21. Manuel da Mata Cáceres (23 de Maio de 1978 a 14 de Fevereiro de 1980)
  22. Vítor Manuel Quintão Caldeira (14 de Fevereiro de 1980 a 11 de Julho de 1983)
  23. Manuel da Mata Cáceres (11 de Julho de 1983 a 24 de Julho de 1985)
  24. José Reis Gameiro (25 de Julho de 1985 a 15 de Dezembro de 1985)
  25. Irene do Carmo Aleixo Rosa (16 de Dezembro de 1985 a 4 de Janeiro de 1988)
  26. Irene do Carmo Aleixo Rosa (4 de Janeiro de 1988 a 18 de Junho de 1990)
  27. Luís Maria Pedrosa dos Santos Graça (18 de Junho de 1990 a 16 de Dezembro de 1991)
  28. Luís Maria Pedrosa dos Santos Graça (16 de Dezembro de 1991 a 2 de Novembro de 1992)
  29. Domingos José Soares de Almeida Lima (2 de Novembro de 1992 a 16 de Novembro de 1995)
  30. Alberto Marques Antunes (16 de Novembro de 1995 a 11 de Novembro de 1999)
  31. Alberto Marques Antunes (11 de Novembro de 1999 a 7 de Fevereiro de 2002)
  32. Carlos Eduardo Duarte Rebelo (7 de Fevereiro de 2002 a 14 de Maio de 2002)
  33. Maria das Mercês Gomes Borges da Silva Soares (14 de Maio de 2002 a 5 de Abril de 2005)
  34. Maria Teresa Mourão de Almeida (5 de Abril de 2005 a 2 de Outubro de 2007)
  35. Eurídice Maria de Sousa Pereira (2 de Outubro de 2007 a 13 de Agosto de 2009)
  36. Manuel Luís Macaísta Malheiros (27 de Novembro de 2009 a 30 de Junho de 2011)[10]

Património[editar | editar código-fonte]

Política[editar | editar código-fonte]

Eleições legislativas[editar | editar código-fonte]

Ano % D % D % D % D % D % D % D % D % D % D % D % D % D % D % D % D
PS PCP/APU/CDU MDP/CDE PPD/PSD CDS-PP UDP AD FRS PRD PSN B.E. PAN PàF L CH IL
1975 38,2 7 37,8 7 6,0 1 5,7 1 1,6 1,3
1976 32,2 7 44,3 9 8,4 1 4,4 2,8
1979 21,3 4 46,9 9 APU AD AD 4,0 22,3 4
1980 FRS 44,0 9 2,8 24,1 4 23,5 4
1983 30,6 6 45,8 8 12,7 2 5,1 1 1,7
1985 16,5 3 38,2 7 15,4 3 3,8 2,0 20,4 4
1987 17,6 3 32,7 7 0,9 32,6 6 1,9 1,5 8,7 1
1991 28,4 5 24,9 5 34,7 6 2,7 0,9 2,3
1995 44,9 9 23,8 4 18,4 3 7,2 1 0,9 0,2
1999 43,7 8 24,8 5 18,0 3 5,6 1 0,2 3,5
2002 39,3 7 20,5 4 24,8 5 6,9 1 4,6
2005 43,7 8 19,9 3 16,1 3 5,1 1 10,2 2
2009 34,0 7 20,1 4 16,4 3 9,2 1 14,0 2
2011 27,1 5 19,7 4 25,2 5 12,0 2 7,0 1 1,5
2015 34,3 7 18,8 4 PàF PàF 13,1 2 1,9 22,6 5 1,0
2019 38,6 9 15,8 3 14,4 3 2,3 12,1 2 4,4 1 1,2 1,9 1,0
2022 45,7 10 10,0 2 16,1 3 1,1 5,8 1 2,0 1,4 9,0 1 5,1 1

Eleições autárquicas[11][editar | editar código-fonte]

Abaixo encontra-se uma tabela com o partido pelo qual foram eleitos os presidentes das 13 câmaras do distrito de Setúbal desde 1976. É de destacar a grande força autárquica da FEPU/APU/CDU neste distrito, que sempre manteve maioria do número de câmaras, mantém 3 bastiões (Palmela, Santiago do Cacém e Seixal) e é o único partido a alguma vez ter tido todas as câmaras de um distrito simultaneamente de Portugal continental (1979 e 1982). Apesar disso, o PS tem-se vindo a aproximar dos comunistas e verdes, conseguindo pela primeira vez a maioria do número de votos do distrito em 2021. Por último, de destacar o facto deste distrito ser o único a nunca ter tido uma câmara de um partido de direita (PSD e CDS).

Data Alcácer do

Sal

Alcochete Almada Barreiro Grândola Moita Montijo Palmela Santiago do

Cacém

Seixal Sesimbra Setúbal Sines
1976 FEPU PS FEPU FEPU FEPU FEPU PS FEPU FEPU FEPU FEPU PS FEPU
1979 APU APU APU APU APU APU APU APU APU APU APU APU APU
1982 APU APU APU APU APU APU APU APU APU APU APU APU APU
1985 APU APU APU APU APU APU PS APU APU APU APU PS APU
1989

CDU

CDU

CDU

CDU

CDU

CDU

CDU

CDU

CDU

CDU

CDU

PS

CDU

1993

CDU

CDU

CDU

CDU

CDU

CDU

CDU

CDU

CDU

CDU

CDU

PS

CDU

1997

CDU

CDU

CDU

CDU CDU

CDU

PS

CDU

CDU

CDU

PS PS

CDU

2001

CDU

PS

CDU

PS PS

CDU

PS

CDU

CDU

CDU

PS

CDU

CDU

2005 PS

CDU

CDU

CDU

PS

CDU

PS

CDU

CDU

CDU

CDU

CDU

CDU

2009 PS

CDU

CDU

CDU

PS

CDU

PS

CDU

CDU

CDU

CDU

CDU

IND
2013

CDU

CDU

CDU

CDU

CDU

CDU

PS

CDU

CDU

CDU

CDU

CDU

PS
2017

CDU

PS PS PS

CDU

CDU

PS

CDU

CDU

CDU

CDU

CDU

PS
2021

CDU

PS PS PS

CDU

PS PS

CDU

CDU

CDU

CDU

CDU

PS

Legenda:

  • FEPU - Frente Eleitoral Povo Unido
  • APU - Aliança Povo Unido
  • CDU - Coligação Democrática Unitária
  • PS - Partido Socialista
  • IND - Grupo de Cidadãos (Sines Interessa Mais)

.

Referências

  1. a b Cf. Lei n.º 39/2021, de 24 de junho de 2021.
  2. «Portal do INE». www.ine.pt. Consultado em 28 de dezembro de 2023 
  3. a b Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome INE2021
  4. a b Cf. Decreto n.º 12870, de 22 de dezembro de 1926.
  5. «Governo avança com NUT III na Península de Setúbal». Jornal de Notícias. 4 de junho de 2021. Consultado em 19 de setembro de 2021 
  6. Mapa do distrito de Setúbal.
  7. Cf. Decreto n.º 12615, de 8 de novembro de 1926, bem como o Decreto n.º 15004, de 10 de fevereiro de 1928.
  8. A criação do distrito de Setúbal: elites locais contra a restauração do concelho de Palmela
  9. Cf. SOUSA, Fernando de (coord.). Os governos civis de Portugal : história e memória (1835-2011).Porto: CEPESE, 2014. ISBN 978-989-8434-28-9. LAPA, Albino dos Santos. Governadores Civis de Portugal. Lisboa, 1962, p. 221-222
  10. A partir desta data os sucessivos governos deixaram de nomear governadores civis.
  11. «Autárquicas Resultados : Dossier : Grupo Marktest - Grupo Marktest - Estudos de Mercado, Audiências, Marketing Research, Media». www.marktest.com. Consultado em 3 de janeiro de 2023 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]