Distrito do Porto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde fevereiro de 2014).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
PRT.png [1] Distrito do Porto
Localização do  [1] Distrito do Porto em Portugal
Capital do distrito Porto
Regiões Região Norte
Província histórica Douro Litoral
Área 2 395 km²
População
 - Total
 - Densidade

2 027 191 hab. (2011[2])
844 hab./km²
N° de municípios 18
N° de freguesias 234 [3]
Website distrital Governo Civil do Porto

O distrito do Porto é um distrito de Portugal que correspondente ao núcleo da província tradicional do Douro Litoral. Limita a norte com o distrito de Braga, a leste com o distrito de Vila Real, a sul com o distrito de Viseu e com o distrito de Aveiro e a oeste com o Oceano Atlântico. Tem uma área de 2 395 km² (17.º maior distrito português) e uma população residente de 2 027 191 habitantes (2009)[4]. A sede do distrito é a cidade com o mesmo nome.

O distrito do Porto subdivide-se nos seguintes dezoito municípios:

Na actual divisão principal do país, o distrito integra-se na Região Norte, espalhando-se os seus municípios pelas sub-regiões do Grande Porto e Tâmega. Em resumo:

Há que salientar que o Porto é a sede e a capital de uma grande área metropolitana portuguesa: a Área Metropolitana do Porto, que agrupa 17 municípios com 2 294 741 habitantes em 2 089 km² de área, presidida, na atualidade, por Hermínio Loureiro[5]. Tem uma densidade populacional próxima de 1098 hab/km². O Porto e a Área Metropolitana do Porto (NUTS III) constituem o núcleo estrutural da Região Norte (NUTS II)[6], que tem uma área de 21 278 km² (24% do Continente) e uma população de 3 689 609 habitantes (Censos de 2011),[7] correspondendo a 37% de Portugal Continental e a 35% do Estado-nação português, sendo, portanto, a região mais populosa e de maior dimensão do país e a região onde se situam a maioria das pequenas e médias empresas, sendo também a que mais contribui para as exportações nacionais, sendo a única região que exporta mais do que importa. A Região Norte produz 40% do valor acrescentado do país e tem 50% do emprego industrial, tendo uma taxa de cobertura das importações pelas exportações de 129%, contra a média nacional de 74%.[8] Esta região é servida por duas importantes infra-estruturas: o Porto de Leixões, que representa 25% do comércio internacional português e movimenta cerca de 14 milhões de toneladas de mercadorias por ano, e o Aeroporto Francisco Sá Carneiro, que é o melhor aeroporto de Portugal em termos de espaço na aerogare. Em termos de movimentos aéreos de carga e de passageiros, é o segundo maior de Portugal, tendo sido galardoado como o melhor do mundo na categoria de aeroportos até 5 milhões de passageiros.

Dando continuidade à reorganização administrativa, na actualidade, verifica-se o forte aumento de importância das Áreas Metropolitanas e Comunidades Intermunicipais em detrimento dos distritos. De acordo com a lei nº 45/2008 de 27 de Agosto, das áreas metropolitanas, criadas em 2003, só subsistiram as chamadas clássicas: a Área Metropolitana do Porto e a Área Metropolitana de Lisboa, sendo as restantes reorganizadas em Comunidades Intermunicipais. A razão óbvia para esta situação, para além de razões de associação económica e administrativa, tem a ver com o facto das populações não se identificarem com o distrito a que foram sujeitos, como acontece, a título de exemplo paradigmático, com os municípios de Espinho, Santa Maria da Feira, Arouca, São João da Madeira, Oliveira de Azeméis e Vale de Cambra, municípios da Área Metropolitana do Porto, que, apesar de pertencerem ao Distrito de Aveiro, sempre tiveram uma forte ligação socio-económica ao espaço urbano do Porto, para além da proximidade territorial à cidade do Porto e do seu enquadramento identitário nos municípios do Distrito do Porto, factos que se acentuaram na contemporaneidade. Com a lei 75/2013 de 12 de Setembro, dando continuidade à reorganização administrativa e à restruturação de competências na organização do território, os distritos foram relegados para um plano secundário, com o protagonismo administrativo das Áreas Metropolitanas e das Comunidades Intermunicipais.[9]

Política[editar | editar código-fonte]

Eleições legislativas[editar | editar código-fonte]

Ano % D % D % D % D % D % D % D % D % D % D % D % D % D % D
PS PPD/PSD CDS-PP PCP/APU/CDU MDP/CDE UDP AD FRS UDP-PSR PRD PSN B.E. PàF PAN
1975 42,6 18 29,4 12 8,9 3 6,7 2 2,6 1 0,6 -
1976 40,7 18 27,0 11 15,7 6 8,4 3 1,5 -
1979 34,8 14 AD AD 14,5 6 APU 1,9 - 44,4 18
1980 FRS 11,9 5 1,4 - 46,6 19 34,3 14
1983 43,0 18 26,2 10 12,5 5 13,6 5 UDP-PSR 0,8 -
1985 23,5 10 29,3 12 9,7 4 12,1 5 1,1 - 20,4 8
1987 26,7 11 50,9 22 4,0 1 9,4 4 0,5 - 0,7 - 4,0 1
1991 32,9 13 51,3 21 4,1 1 6,4 2 - - 0,5 - 1,1 -
1995 46,7 18 36,4 14 7,8 3 6,0 2 0,3 - 0,3 -
1999 48,0 19 32,7 13 7,5 3 6,3 2 0,2 - 2,3 -
2002 41,2 17 40,0 16 8,4 3 4,6 1 2,7 1
2005 48,5 20 27,8 12 6,8 2 5,4 2 6,7 2
2009 41,8 18 29,1 12 9,3 4 5,7 2 9,2 3
2011 32,0 14 39,1 17 10,0 4 6,2 2 5,1 2 0,9 -
2015 32,7 14 PàF PàF 6,8 3 11,1 5 39,6 17 1,6 -

Património[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]