Vila Nova de Gaia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde abril de 2015). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Vila Nova de Gaia
Brasão de Vila Nova de Gaia Bandeira de Vila Nova de Gaia
Brasão Bandeira
Vila Nova de Gaia seen from Porto.jpg
Vila Nova de Gaia vista do Porto.
Gentílico Gaiense
Área 168,46 km2
População 302 295 hab. (2011)
Densidade populacional 1 794,46 hab./km2
N.º de freguesias 15
Presidente da
Câmara Municipal
Eduardo Vitor Rodrigues[1] (PS)
Mandato 2013-2017
Fundação do município
(ou foral)
1834
Região (NUTS II) Norte
Sub-região (NUTS III) Área Metropolitana do Porto
Distrito Porto
Antiga província Douro Litoral
Orago São João e São Gonçalo
Feriado municipal 24 de Junho (S. João)
Código postal 4400-xxx Vila Nova de Gaia
Sítio oficial www.cm-gaia.pt
Municípios de Portugal Flag of Portugal.svg

Vila Nova de Gaia (conhecido, frequentemente, pela forma sincopada de Gaia) é um município e cidade portuguesa da Área Metropolitana do Porto (NUT III)[2] e da Região do Norte (NUT II)[3] . A cidade está localizada na margem sul da foz do rio Douro. As caves do famoso vinho do Porto ficam localizadas neste concelho. Formada, originalmente, a partir de duas povoações distintas, Gaia e Vila Nova, foi elevada a cidade, no dia 28 de Junho de 1984.

Gaia tem e sempre teve uma ligação muito forte à cidade vizinha do Porto, não apenas pela partilha do património comum do Vinho do Porto, mas também pelo facto de, no passado, as famílias burguesas e nobres do Porto terem, em Vila Nova de Gaia, quintas e casas de férias. Nas últimas décadas, devido ao crescimento económico e à melhoria das comunicações com a margem norte do rio Douro, Vila Nova de Gaia, progressivamente, acolheu população que trabalha, diariamente, no Porto (sobretudo, devido à construção do Metro do Porto, que estimulou e tornou ainda mais funcional esses movimentos pendulares entre Gaia e o Porto), bem como é um concelho onde trabalham e residem muitos cidadãos originários dos concelhos vizinhos da Área Metropolitana do Porto, situados logo a seguir à margem sul do rio Douro, como Espinho (Portugal), Santa Maria da Feira, Arouca, São João da Madeira, Vale de Cambra ou Oliveira de Azeméis. Gaia é um concelho de residência semanal, durante os dias úteis da semana, de muitos cidadãos naturais desses concelhos que trabalham no espaço urbano de Gaia ou do Porto ou de Matosinhos, devido ao facto do custo das habitações ser menor em Gaia do que no espaço urbano do Porto e estar muito próxima do Porto, o que fez com que Gaia se tornasse um dos concelhos mais populosos de todo o país.

Gaia, juntamente com os concelhos vizinhos do Porto e de Matosinhos, forma a Frente Atlântica do Porto[4] , que constitui o núcleo populacional mais urbanizado da Área Metropolitana do Porto, situado no litoral, delimitado, a oeste, pelo Oceano Atlântico, com a influência estrutural do estuário do Rio Douro[5] , que une Gaia ao Porto.

História do município[editar | editar código-fonte]

Origens[editar | editar código-fonte]

A origem da cidade e da humanidade de Vila Nova de Gaia remonta, provavelmente, a um castro celta. Quando integrada no Império Romano, tomou o nome Cale (ou Gale, uma vez que no Latim Clássico não há uma distinção clara entre as letras e o som "g" e "c"). Este nome é, com grande probabilidade de origem Céltica, um desenvolvimento de "Gall-", com a qual os Celtas se referiam a eles próprios (outros exemplos podem ser encontrados em "Galicia", "Gaul", "Galway"). O próprio rio Douro (Durus em latim), é igualmente celta, construído a partir do Celta "dwr", que significa água. Durante os tempos romanos, a grande maioria da população viveria na margem sul do Douro, situando-se a norte uma pequena comunidade em torno do porto de águas fundas, no local onde se situa agora a zona ribeirinha do Porto. O nome da cidade do Porto, posteriormente, "Portus Cale", significaria o Porto ("portus" em latim) da cidade de Gaia. Com o desenvolvimento como centro de trocas comerciais, a margem norte acabou por também crescer em importância, tendo-se aí estabelecido o clero e burgueses.

Com as invasões mouras do século VII D.C., a fronteira "de facto" entre o estado árabe e cristão acabou por se estabelecer por um longo período de tempo no rio Douro, por volta do ano 1000. Com os constantes ataques e contra-ataques, a cidade de Cale, ou Gaia, perdeu a sua população, que se refugiou na margem norte do Rio Douro. Uma das lendas mais associadas a Gaia refere-se ao confronto entre o rei cristão D. Ramiro, e o rei mouro Albazoer, despoletado por pretensões amorosas.[6] Após a conquista e pacificação dos territórios a sul do Douro, por volta de 1035, com o êxodo e expulsão das populações Muçulmanas, deixando terras férteis abandonadas, os colonos estabeleceram-se novamente em Gaia, em troca por melhores contratos feudais, com os novos senhores das terras conquistadas. Esta nova população refundou a antiga cidade de Cale com o nome de Gaia em torno do castelo e ruínas da velha "Gaia".

O nome das duas cidades de Porto e Gaia era frequentemente referida em documentos contemporâneos como "villa de Portucale", e o condado do Reino de Leão em torno da cidade denominado Portucalense. Este condado esteve na origem do posterior reino de Portugal.

Da fundação de Portugal às Guerras Liberais e Orientais[editar | editar código-fonte]

Após a fundação do reino de Portugal, as duas povoações de Gaia e de Vila Nova mantiveram-se autónomas. Gaia recebeu carta de foral passada pelo rei D. Afonso III em 1255 seguindo-se Vila Nova, por D. Dinis, em 1288.

Em 1383, no entanto, ambas foram integradas no julgado do Porto, perdendo a sua autonomia.

Gaia, reconhecida sobretudo pela pujança agrícola, teve um papel fundamental no desenvolvimento comercial do Vinho do Porto, aqui tendo se fixado no século XVIII a Companhia Geral da Agricultura das Vinhas do Alto Douro, e os armazéns das diversas companhias exportadoras.

No século XIX, a cidade esteve no centro de batalhas significativas tanto na Guerra Peninsular como na Guerra Civil Portuguesa (1828-1834), quando uma vez mais o Douro marcou a fronteira entre os beligerantes. Data deste segundo conflito o desenvolvimento e reputação de uma das imagens de marca da cidade, a fortificação da serra do Pilar, durante o cerco do Porto.

Junção de Gaia e Vila Nova[editar | editar código-fonte]

Avenida da República

No final das guerras liberais, Gaia e Vila Nova foram, finalmente, agraciadas com autonomia política e, ao fundirem-se, nasceu o actual concelho de Vila Nova de Gaia, a 20 de Junho de 1834.

Embora autónoma, o fluxo de trânsito entre as duas margens do Douro continuou a aumentar. A partir deste momento a história da cidade confunde-se com a história das suas pontes. A Ponte Pênsil, concluída em 1843 for a primeira ligação permanente. Em 1877 inaugurou-se a primeira travessia ferroviária para a margem norte com a Ponte D. Maria Pia. Seguiu-se a construção da Ponte D. Luís, terminada em 1886. Passaram 77 anos conturbados até que em 1963 a emblemática Ponte da Arrábida foi colocada em funcionamento, projecto do engenheiro Edgar Cardoso, que seria responsável igualmente pelo projecto de substituição da travessia ferroviária com a construção da Ponte de S. João em 1991. Mais uma vez, o forte crescimento populacional forçou o aumento das ligações entre as duas margens. A Ponte do Freixo concluída em 1995 e a Ponte do Infante, em 2003 são as mais recentes travessias a servirem o concelho.

O crescimento populacional e económico da cidade teve paralelos com os períodos de construção das pontes. Com inúmeras indústrias a fixarem-se na vila nos finais do século XIX, e o grande aumento populacional na segunda metade do século XX, foi finalmente elevada a cidade em 1984.

Actualmente algumas opiniões apontam no sentido de fundir os concelhos do Porto e Gaia[7] .

Geografia[editar | editar código-fonte]

Com 168,46 km² de área (2013)[8] é o maior município da sub-região do Grande Porto. Subdividido em 15 freguesias[9] , está limitado a norte pelo município do Porto, a nordeste por Gondomar, a sul por Santa Maria da Feira e Espinho e a oeste pelo oceano Atlântico. Este contexto permite-lhe ser um concelho de grandes contrastes, entre zonas interiores, rio e mar, bem como entre áreas urbanas, industriais e rurais.

Em termos aquíferos para além das marcantes orla atlântica e a zona fluvial do Douro, atravessam o concelho inúmeras ribeiras. Destaca-se ainda o rio Febros, que atravessa as freguesias de Pedroso e Avintes. Embora com uma morfologia acidentada e muito desnivelada, o ponto mais alto do concelho situa-se a 261 m. Entre outros pontos, podem-se ainda citar o Monte da Virgem e a Serra de Canelas.

Os depósitos marinhos mais elevados situam-se, actualmente pelo 100–110 m e 120–130 m. Considerados Pré-Sicilianos surgem com frequência, apresentando geralmente uma grande espessura, como é possível observar em Canelas. O nível de praia imediatamente inferior (80-90m) encontra-se essencialmente no norte do concelho, na área de Canidelo e Afurada e ainda na freguesia de Arcozelo.

Paralelamente à linha da costa actual, surgem-nos pequenos retalhos do nível de 60–70 m de altitude, enquanto que o de 30–40 m se estende quase numa mancha contínua, desde Lavadores até ao limite sul do concelho. Entre a Praia da Madalena e a Praia da Granja, surgem-nos alguns depósitos a 15–30 m, enquanto que os de 5–8 m só é possível observá-los numa área muito localizada entre a Praia de Valadares e a Praia de Miramar. Relativamente aos materiais constituintes dos depósitos de praia da plataforma litoral, a inexistência de estudos sobre as suas características sedimentológicas não permite uma abordagem tão profunda quanto seria desejável.

Todavia pode referir-se que na generalidade se verifica um predomínio de calhaus de quartzo e quartzite, relativamente bem rolados, apresentando dimensões várias nos diferentes níveis de praias e por vezes no mesmo depósito, encontrando-se envolvidos num material arenoso mal calibrado e ainda uma matriz argilosa.

Panorama de Vila Nova de Gaia

Demografia[editar | editar código-fonte]

População do concelho de
Vila Nova de Gaia (1801 – 2013)
ano habitantes
1801 24 675
1849 43 454
1900 74 072
1930 102 950
1960 157 357
1981 226 331
1991 248 565
2001 288 749
2011 302 295
2012 303 149
2013 302 828

Presentemente é o terceiro município mais populoso de Portugal, e o mais populoso na região Norte, com 302.295 habitantes (2011)[10] , dos quais aproximadamente 180.000 são residentes urbanos, distribuídos essencialmente em Mafamude, Santa Marinha, Oliveira do Douro e Canidelo.

As freguesias que formam a cidade de Vila Nova de Gaia são: Santa Marinha e São Pedro da Afurada (sede), Mafamude e Vilar do Paraíso, Canidelo, Madalena, Gulpilhares e Valadares, Vilar de Andorinho e Oliveira do Douro.

Freguesias[editar | editar código-fonte]

O município de Vila Nova de Gaia está subdividido em 15 freguesias:[9]

Economia[editar | editar código-fonte]

Torre de TV de Vila Nova de Gaia.
A cidade à noite.

Sendo um concelho de grandes dimensões, Gaia tem historicamente uma diversidade significativa na sua estrutura económica. Em todos os sectores, o concelho serviu de sede ou esteve na génese de empresas de referência nacional. Mantendo uma forte diversidade em todos os sectores de actividade, e presentemente uma referência no comércio a retalho. A Associação Comercial e Industrial de Gaia mantém uma caracterização permanente das actividades económicas.

Apesar da Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia apresentar o segundo maior Orçamento Municipal para o ano de 2012, com um total de 230 milhões de euros, representando um investimento de 112 milhões de euros[11] , é a segunda mais endividada do país em 2012, com cerca de 236 milhões de euros[12] .

Apesar de grande percentagem da população residente efectuar movimentos pendulares para o concelho vizinho do Porto, Gaia tem uma grande tradição industrial. Existem empresas de dimensões variáveis em áreas distintas como cerâmica, têxtil, ferragens, construção civil, sejam fornecedoras ou transformadoras finais.

Metro junto ao El Corte Inglês

Na década de 1990 a cidade recebeu duas grandes superfícies comerciais, que foram marcos importantes no desenvolvimento do concelho: Gaia Shopping e ArrábidaShopping. Recentemente, também a cadeia El Corte Inglés se fixou na freguesia de Mafamude, escolhendo o concelho para a sua segunda implementação em Portugal. Todos os bancos portugueses tem várias representações no concelho, incluindo algumas agências especializadas em Private Banking. A Avenida da República concentra uma parte significativa da actividade financeira. Na área de saúde, a cidade é servida pelo Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia - Espinho, bem como por várias clínicas e laboratórios de análise. A cidade dispõe ainda do Hospital da Arrábida, um dos primeiros hospitais privados no país.[carece de fontes?]

Sendo um concelho com uma área significativa, com frentes de mar e rio, e um interior de ruralidade significativa, encontramos vários exemplos no concelho de diversificação da actividade económica. S. Pedro da Afurada e Aguda são exemplos de comunidades muito activas no sector piscatório, possibilitando a compra directa de peixe fresco. De igual modo, embora o desenvolvimento urbano tenha reduzido o espaço disponível para terrenos agrícolas, mantém-se a capacidade de produção, nomeadamente em nichos de mercado como a agricultura biológica. Disto são exemplos o Projecto Raízes e o Cantinho das Aromáticas. Lojas de ferramentas e fornecedores de equipamento agrícola podem ser encontrados um pouco por todo o concelho.

Em Vila Nova de Gaia encontram-se localizados os estúdios RDP-Norte, sitos no Monte da Virgem. Além da Rádio e Televisão de Portugal, também a Rádio Nova Era é sediada nesta cidade. A sede da Associação das Empresas do Vinho do Porto situa-se na freguesia Sta. Marinha.

Turismo[editar | editar código-fonte]

Praias e orla costeira[editar | editar código-fonte]

Praia de Lavadores

Vila Nova de Gaia é conhecida pela sua extensa faixa costeira, com aproximadamente 17 km de areal. Em anos recentes, tem sido o concelho do país com mais praias ostentando o prémio Bandeira Azul.[carece de fontes?] No total, em 2008, 17 praias receberam o galardão. Recentemente a requalificação de toda esta área contemplou a construção de um passadiço em madeira que permite percorrer a frente de mar, livre de trânsito, e ligando a praia de Lavadores a Espinho. Entre outras encontramos as praias da Madalena, Valadares, Miramar, Aguda e Granja.

Ao longo da costa, existem vários locais de interesse para além da actividade balnear, entre os quais se destacam a Capela do Senhor da Pedra na Praia de Miramar, a vila piscatória da Aguda e finalmente, o lugar da Granja, uma das mais famosas e antigas estâncias balneares portuguesas. A Granja é ainda conhecida por ter sido o local onde Sophia de Mello Breyner Andresen passou grande parte da sua infância e juventude e fonte de inspiração para os elementos marítimos das suas obras.

Ambiente e natureza[editar | editar código-fonte]

A instalação em 1983 do Parque Biológico de Gaia, posteriormente estendido e ampliado em 1998 tornou o concelho um ponto de referência em termos de instalações dotadas para a prática da educação e turismo ambiental sendo reconhecido por uma revista especializada como "provavelmente o melhor zoo de Portugal"[13] . Também em 1997 o Parque de Dunas da Aguda foi inaugurado, possibilitando a conservação de uma flora e fauna raras.

O Centro de Educação Ambiental das Ribeiras de Gaia desenvolve igualmente programas ligados ao ambiente, estando localizado junto à Praia de Miramar. Este centro é ainda responsável pelo desenvolvimento de percursos ao longo das ribeiras de Gaia, recuperando e revitalizando as zonas mais afastadas da orla marítima. Outras oportunidades de turismo ligado à Natureza são oferecidas pela Estação Litoral da Aguda, que para além de desenvolver actividades ligadas à investigação do meio aquático, disponibiliza nas suas instalações Aquário e Museu das Pescas. O Zoo Santo Inácio, localizado em Avintes é outra possibilidade dedicada à vertente fauna. Cerca de 1200 animais e 350 espécies podem aqui ser conhecidas em programas de visita vocacionados para os amantes da natureza.

O rio Douro no encontro entre o Porto (esquerda) e Gaia (direita).

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Educação[editar | editar código-fonte]

Sendo um concelho com uma área e população significativas, existem inúmeras instituições de ensino públicas e privadas, para os diferentes escalões etários.

  • 84 jardins de infância integrados na rede pública
  • 115 escolas do 1º ciclo de ensino básico, das quais 15 contemplam igualmente 2º e 3º ciclo.
  • 9 escolas secundárias com 3º ciclo de ensino básico
  • 2 escolas profissionais
  • 7 colégios
  • 12 instituições de apoio à deficiência

Recentemente, a Escola Superior de Tecnologia da Saúde do Porto, ensino público pertencente ao Politécnico do Porto instalou-se em Vila Nova de Gaia. Anteriormente, apenas existia ensino superior de iniciativas privadas:

Transportes e vias de comunicação[editar | editar código-fonte]

Trecho da Via de Cintura Interna em Gaia.

A cidade é servida pelo Metro do Porto e pela STCP. No entanto, a maior parte do concelho encontra-se coberta por companhias de transporte privadas, tais como a UTC, Espírito Santo.

A CP tem na Estação das Devesas um dos seus pontos nevralgicos. Todos os comboios Alfa Pendular da linha do Norte servem Vila Nova de Gaia a partir deste ponto de paragem. O concelho, na sua totalidade é ainda servido por diversas estações e apeadeiros. Destes, Granja, Aguda, Miramar e Francelos tem um pico de utilizadores significativo durante a época balnear, servindo diversas praias do concelho.

Diversas auto-estradas podem ser encontradas: A1, A29, A20, A32, A41 e A44, que fecha o anel circular interno (VCI de Gaia) com a VCI do Porto. A A41, também conhecida como IC24, é a circular externa da área Metropolitana do Porto, evitando que o tráfego pesado extra-metropolitano para o Aeroporto Francisco Sá Carneiro e Porto de Leixões se misture com as deslocações internas entre Porto e Gaia.

O aeroporto internacional Francisco Sá Carneiro situa-se a sensivelmente 20 km, dispondo de bons acessos através das auto-estradas supra-referidas. O Porto de Leixões encontra-se a 15 km.

Cultura[editar | editar código-fonte]

Desporto[editar | editar código-fonte]

A Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia nomeia todos os anos os atletas que se distinguiram durante a época desportiva.

Património cultural[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Portal A Wikipédia possui o portal:

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Vila Nova de Gaia
Concelhos Portugueses com mais de 100 mil habitantes
Bandeira de Portugal

Lisboa | Sintra | Vila Nova de Gaia | Porto | Cascais | Loures | Braga | Matosinhos | Amadora | Almada | Oeiras | Gondomar | Seixal | Guimarães | Odivelas | Coimbra
Santa Maria da Feira | Vila Franca de Xira | Maia | Vila Nova de Famalicão | Leiria | Setúbal | Barcelos | Funchal

Imagem: Centro Histórico do Porto A cidade de Vila Nova de Gaia contém parte do sítio Centro Histórico do Porto, Património Mundial da UNESCO. Welterbe.svg