Partido Comunista de Portugal (marxista-leninista)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Partido Comunista de Portugal (marxista-leninista)
Fundação 1970
Dissolução 1980 ?
Sede  Portugal
Ideologia Maoísmo
Espectro político Extrema-esquerda
Publicação Unidade Popular
Cores Vermelho

O Partido Comunista de Portugal (marxista-leninista), PCP(m-l) foi um pequeno grupo político de extrema-esquerda criado em 1970, a partir do Comité Marxista-Leninista Português, que havia sido fundado em 1964 por Francisco Martins Rodrigues.

O partido foi-se gradualmente dividindo entre uma ala no exílio, liderada por Heduíno Gomes[1] , também conhecido por Eduíno Vilar[2] , e uma ala no interior de Portugal, liderada por Carlos Janeiro, conhecido pelo pseudónimo de Mendes[3] .

A partir de Maio de 1974, a cisão entre as duas facções consumou-se, com ambas a intitularem-se de "PCP(m-l)". A facção Vilar acabou por ficar com a sigla, tendo criado a Aliança Operário-Camponesa como "frente eleitoral" para se apresentar às eleições de 1975 (a AOC foi proibida de se apresentar a essas eleições; nas seguintes, tanto a AOC como o PCP(m-l) concorreram). A facção oposta deu origem ao Partido de Unidade Popular.

A principal diferença entre o Partido Comunista de Heduíno Gomes[4] e o original de Martins Rodrigues tinha a ver com o estatuto do inimigo principal de cada um deles: enquanto este manteve sempre que os principais inimigos do povo eram «os monopólios e o imperialismo norte-americano», já o partido de Vilar elegeu o PCP, o «Social-fascismo de Cunhal» e o «Social-imperialismo russo» como alvos primordiais.

Heduíno Gomes é hoje um destacado militante do PSD.

Não obstante não se encontrar formalmente extinto o partido não desenvolve qualquer actividade política.[5]

Resultados em eleições
(o ano liga à página da eleição)
Ano Coligação Tipo de Eleição Votos % Posição Mandatos
1976
PCP(m-l)
Legislativas
15 830
0,29%
12.º
-
1976
PCP(m-l)
Autárquicas (Câmara Municipal)
15 276
0,37%
7.º
-

[6]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Media RTP: Heduíno Gomes da CMLP ao PCP(m-l) - Em 1970, na sequência do chamado V Congresso, nasce o PCP(m-l) que termina 10 anos depois.
  2. Media RTP: Heduíno Gomes, ou o "Renegado Vilar" - Heduíno Gomes ainda hoje é tratado por “Vilar” o último pseudónimo que usou.
  3. Cardina, Miguel. Margem de Certa Maneira: O maoismo em Portugal 1964-1974. Lisboa: Tinta da China, 2011. Capítulo: 2. Refundar o partido: da FAP e CMLP ao PCP(m-l). , p. 53-74. ISBN 978-989-671-105-4
  4. Media RTP: O Partido Comunista de Heduíno Gomes - Heduíno Gomes via no PCP (m-l) uma nova tentativa de comunismo no sentido teórico do termo porque não se revia nos outros movimentos que existiam à esquerda.
  5. "Partido Comunista de Portugal (Marxista-Leninista)". CNE - Comissão Nacional de Eleições. Consult. 22 de Setembro de 2009. 
  6. "Resultados eleitorais". CNE. Consult. 22 de fevereiro de 2011. 


Ícone de esboço Este artigo sobre política ou um cientista político é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.