Nós, Cidadãos!

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Nós, Cidadãos!
Líder Joaquim Rocha Afonso[1]
Fundação 23 de junho de 2015 (2015-06-23)
Sede Rua Gonçalves Crespo, 16A
1150-185, Lisboa
Ideologia Liberalismo
Europeísmo
Espectro político Centro-direita[2]
Ala jovem Nós, Jovens!
Assembleia da República
0 / 230
Parlamento Europeu
0 / 21
Assembleia Legislativa dos Açores
0 / 57
Presidentes de Câmaras Municipais
1 / 308
Cores Amarelo
Página oficial
noscidadaos.pt

O Nós, Cidadãos! (NC) é um partido político português, que se identifica como partido dos movimentos cívicos, apresentando-se ao centro do espectro político [3]. O partido tem origem na reflexão política que o Instituto da Democracia Portuguesa (IDP), fundado em 2007, começou a fazer, na sequência dos protestos de 15 de Setembro de 2012, contra a taxa social única, que chamaram a atenção para a necessidade de afirmação da sociedade civil. A decisão de o criar foi tomada na sequência do 1º Encontro Informal de Movimentos Cívicos., a 13 de janeiro de 2013. Conseguiu reunir mais de 11 mil assinaturas para a sua legalização, tendo entregado cerca de 8 500 (acima das 7 500 exigidas por lei) no Tribunal Constitucional a 24 de março de 2015, com o propósito de concorrer às eleições legislativas de 2015.[4]

A sua inscrição no registo dos partidos políticos portugueses foi aceite pelo Tribunal Constitucional a 23 de junho de 2015.[5]

O presidente da Comissão Política Nacional eleito em 25 de julho de 2015 foi Mendo Castro Henriques. Relaciona-se com o Partido Democrático Europeu. Foi reeleito por 90% dos votos expressos em lista única, a 25 de fevereiro de 2018 no 2º Congresso de Oliveira de Frades, [6] - concelho cuja presidência o partido conquistou nas eleições autárquicas de 2017. Para o mandato 2020/2023 foi eleito, no congresso de Portalegre, Joaquim Rocha Afonso como presidente da Comissão Política Nacional.[1]

Princípios[editar | editar código-fonte]

  • O bem comum e a dignidade da pessoa humana fundados nos valores da liberdade.
  • Uma governação honesta e transparente que se vincule à verdade, alicerçada nos princípios da ética, da democracia e da proximidade;
  • A responsabilização civil e criminal por gestão danosa de todos os agentes e de titulares de cargos políticos eletivos, no exercício de cargos públicos;
  • Um desenvolvimento sustentado nas suas identidades e aspirações regionais;
  • Uma equidade fiscal aplicável a pessoas e organizações;
  • Uma Segurança e uma Defesa Nacional adequadas aos nossos interesses estratégicos no quadro da UEO, da OTAN e da CPLP;
  • A não discriminação por razão de idade, raça, religião e género;
  • O bem estar económico e social e uma ética de responsabilidade social das organizações;
  • Uma gestão eficaz das oportunidades de desenvolvimento do País, ajustadas às necessidades das pessoas, das regiões e da atividade económica;
  • A igualdade de tratamento e de acesso aos cuidados de saúde e à prática de atividades desportivas como formas sustentadas de assegurar o bem-estar social e a qualidade de vida;
  • A construção de uma Sociedade do Conhecimento em que a igualdade de acesso à cultura, à educação e à ciência garantam o futuro de Portugal;
  • Uma Europa mais respeitadora da dignidade da pessoa humana e mais solidária, mantendo a promessa de que todos têm a oportunidade de uma vida melhor;
  • Um mercado livre com regulação, preservando a concorrência e os direitos dos consumidores;
  • A afirmação internacional de Portugal através de uma presença agregadora, nomeadamente nos espaços europeu, atlântico e lusófono;
  • O uso sustentável dos recursos naturais e energéticos.[7]

Eleições Legislativas 2015[editar | editar código-fonte]

Nas eleições legislativas 2015, realizadas em 4 de outubro desse ano, o partido conseguiu um total de 21.439 votos, a que correspondeu a 0,40% dos votos, não conseguindo eleger qualquer deputado.[8]. Este partido, com fracas votações no território nacional, conseguiu a proeza de se classificar em 2.º lugar no círculo da Emigração fora da Europa (ganhando na China) à frente do Partido Socialista. Este partido pediu a impugnação das eleições nesse círculo eleitoral por alegadas irregularidades, mas o pedido foi rejeitado pelo Tribunal Constitucional.[9]

Eleições Autárquicas 2017[editar | editar código-fonte]

Nas eleições legislativas de 2017, realizadas em 5 de outubro desse ano, o partido conseguiu um total de 12.499 votos, a que correspondeu a 0,24% do total. [10]. Elegeu 1 Presidente de Câmara, 4 vereadores, 15 membros de Assembleias Municipais e 42 Vogais de Assembleias de Freguesias. Para um partido emergente, foi um êxito [11], uma vez que mesmo partidos com assento Parlamentar não têm qualquer Presidente de Câmara

Eleições Europeias 2019[editar | editar código-fonte]

Nas eleições europeias, realizadas em 26 de maio desse ano, o partido subiu para um total de 34.672 votos,a que correspondeu 1,05% do total, mas não elegeu deputado ao PE. [12]. O Nós, Cidadãos tentou coligar-se com o Movimento Partido da Terra (MPT) para as eleições, mas a coligação foi recusada pelo tribunal constitucional. Apesar disso, as listas do partido continuaram a incluir membros do MPT, como o eurodeputado José Inácio Faria, ainda que na qualidade de independentes [13] O cabeça de lista, Paulo de Morais, foi presidente da organização Transparência e Integridade (TIAC) em Portugal[14]. Após as eleições europeias, O Nós, Cidadãos propôs ao partido Aliança, uma coligação pré-eleitoral ao Centro[15], mas ambos os partidos acabaram por seguir caminhos separados.

Eleições Legislativas 2019[editar | editar código-fonte]

O NC concorre na generalidade dos círculos eleitorais, obtendo um total de 12 mil votos.

Resultados Eleitorais[editar | editar código-fonte]

Eleições legislativas[editar | editar código-fonte]

Data Líder Cl. Votos % +/- Deputados +/- Status Notas
2015 Mendo Castro Henriques 12.º 21 439
0,40 / 100,00
0 / 230
Extra-parlamentar
2019 Mendo Castro Henriques 15.º 12 379
0,24 / 100,00
Baixa0,16
0 / 230
Estável Extra-parlamentar

Eleições europeias[editar | editar código-fonte]

Data Cabeça de Lista Cl. Votos % +/- Deputados +/-
2019 Paulo de Morais 10.º 34 672
1,05 / 100,00
0 / 21

Eleições autárquicas[editar | editar código-fonte]

Data Cl. Votos % +/- Presidentes CM +/- Vereadores +/- Assembleias
Municipais
+/- Assembleias de
Freguesias
+/-
2017 13.º 12 495
0,24 / 100,00
1 / 308
4 / 2 074
15 / 6 461
42 / 27 019

Referências

  1. a b Investigador Joaquim Rocha Afonso eleito presidente do partido Nós, Cidadãos!, Observador 20.11.2020
  2. https://www.publico.pt/2014/02/20/politica/noticia/nos-cidadaos-novo-partido-em-formacao-1624559
  3. «Programa Político • Nós, Cidadãos!». Nós, Cidadãos!. Consultado em 27 de setembro de 2020 
  4. «Nós Cidadãos entrega assinaturas no TC para se legalizar como partido». Público. 24 de março de 2015. Consultado em 25 de junho de 2015 
  5. «ACÓRDÃO Nº 331/2015». Tribunal Constitucional. 23 de junho de 2015. Consultado em 25 de junho de 2015 
  6. https://www.dn.pt/lusa/interior/nos-cidadaos-reconduz-presiden te-e-quer-eleger-nas-europeias-e-legislativas-de-2019-9144237.html
  7. Os princípios do partido. noscidadaos.pt, recuperado em 2 de abril de 2019
  8. «Legislativas 2015». Ministério de Administração Interna. Consultado em 16 de outubro de 2015 
  9. Maria Lopes (15 de outubro de 2015). «Partido Nós, Cidadãos! impugna eleições da emigração». Público. Consultado em 16 de outubro de 2015 
  10. https://www.eleicoes.mai.gov.pt/autarquicas2017/
  11. https://www.tsf.pt/lusa/interior/autarquicas-unico-presidente-eleito-pelo-nos-cidadaos-quer-reerguer-oliveira-de-frades-8862015.html
  12. https://www.eleicoes.mai.gov.pt/europeias2019/#%00
  13. https://www.publico.pt/2019/04/14/politica/noticia/cidadaos-avanca-sozinho-europeias-paulo-morais-frente-1869252
  14. https://www.facebook.com/transparenciapt
  15. https://www.dn.pt/poder/interior/correcao-direcao-do-alianca-com-mandato-para-negociar-coligacao-com-nos-cidadaos-11036555.html

Ligações externas[editar | editar código-fonte]