Partido Unido dos Reformados e Pensionistas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Partido Unido dos Reformados e Pensionistas
Líder Fernando Loureiro
Secretário António Mateus Dias
Fundador António Mateus Dias
Fernando Loureiro
Fundação 13 de julho de 2015 (2015-07-13) (legalização)
Sede Rua de Pedrouços Nº 27 - 11E

1400-285 Lisboa

Ideologia Anti-austeridade
Assembleia da República
0 / 230
Cores Laranja e Verde
Página oficial
purp.pt/

O Partido Unido dos Reformados e Pensionistas (PURP) é um partido político português.

O partido tem origem na constatação, por parte dos fundadores, Portugal não tem “associações de reformados que defendam” os aposentados e os pensionistas, pretendendo assumir-se como a voz política dos membros dessa faixa etária. Assume-se também como representante de todos aqueles que, reformados ou não, estejam contra a austeridade. Não se posiciona nem à esquerda, nem no centro, nem à direita do espectro político, defende causas, pessoas e o bem comum, tem um público-alvo e a defesa de interesses específicos de uma parte do eleitorado . Entregou 8770 assinaturas (acima das 7500 exigidas por lei) no Tribunal Constitucional a 7 de abril de 2015, com o propósito de concorrer às eleições legislativas de 2015.[1]

A sua inscrição no registo dos partidos políticos portugueses foi aceite pelo Tribunal Constitucional a 13 de julho de 2015.[2]

Declaração de Princípios [3][editar | editar código-fonte]

  • O PURP tem como seu primeiro objecto restabelecer a dignidade do povo português, e defender os aposentados, reformados e pensionistas dos constantes ataques do poder, que os escolheram como os seus alvos preferenciais, porque os consideram como os elementos da sociedade mais débeis, inúteis e com elevado peso nas finanças públicas.
  • O PURP rege-se pelos princípios constitucionais da democracia e da República, defendendo os valores da dignidade humana, da liberdade, justiça e solidariedade.
  • Que sejam apreciados pelos Tribunais competentes os casos duvidosos para que haja transparência!
  • Que sejam investigados os casos de corrupção, má gestão e compadrio, pelas entidades de investigação e judiciais, com soluções objectivas e respectivas acusações, e não pelas comissões parlamentares.
  • Que haja uma saúde e uma educação igual para todos, e relativamente aos de menores recursos totalmente gratuita;
  • Um País mais respeitador da dignidade da pessoa humana e mais solidária, mantendo a promessa de que todos têm a oportunidade de uma vida melhor;
  • Pugnar pela não discriminação por razão de idade, raça, religião e género;
  • Que seja legislado com urgência a aproximação das reformas/pensões mínimas ao ordenado mínimo nacional.
  • Pugnar pelo desenvolvimento das zonas do interior do país votadas ao ostracismo pelos poderes centrais em todos os domínios.
  • O PURP na União Europeia defende uma reforma que favoreça a igualdade entre os povos Europeus, independentemente da sua nacionalidade, no acesso aos benefícios do progresso.
  • Punição severa a todos aqueles que atentem contra a liberdade humana, fruto de actos terroristas e fundamentalistas.
  • O PURP defende os princípios de estado direito na observância da garantia dos direitos e liberdade, conforme reconhecidos na Constituição e na Convenção Europeia dos Direitos Humanos.
  • O PURP defende intransigentemente a independência do poder político face aos poderes económicos.
  • O PURP adota a defesa do ambiente e a promoção do desenvolvimento sustentável, como princípio de precaução para com as gerações futuras.
  • O PURP defende, com todo o rigor, o controlo e a regulação de todo o sistema económico e financeiro a nível global, bem como a extinção dos paraísos fiscais.
  • O PURP na política externa protege a utilização dos princípios da Carta das Nações Unidas.

Legislativas 2015[editar | editar código-fonte]

Nas eleições de 2015, realizadas em 4 de outubro desse ano, apesar do número elevado de reformados e pensionistas em Portugal, o partido obteve apenas 13.979 votos a que correspondeu 0,26% dos votos, não conseguindo eleger qualquer deputado.[4]

Resultados Eleitorais[editar | editar código-fonte]

Eleições legislativas[editar | editar código-fonte]

Data Líder Votos % Deputados +/- Status
2015 António Mateus Dias 13 979 0,3 (15.º)
0 / 230
n/a n/a

Eleições regionais[editar | editar código-fonte]

Região Autónoma dos Açores[editar | editar código-fonte]

Data Votos % +/- Deputados +/- Status
2016 451 0,5 (8.º)
0 / 57

Referências

  1. «Partido Unido dos Reformados e Pensionistas quer concorrer às próximas eleições». Público. 7 de abril de 2015. Consultado em 15 de julho de 2015 
  2. «ACÓRDÃO Nº 370/2015». Tribunal Constitucional. 13 de julho de 2015. Consultado em 15 de julho de 2015 
  3. http://www.purp.pt/declaracao-de-principios/​​
  4. «Legislativas 2015 - resultados». Ministério da Administração Interna. Consultado em 16 de outubro de 2015