Sincretismo político

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Sincretismo político refere-se à política externa ao espectro político convencional esquerda-direita. O termo foi derivado da ideia de sincretismo (religião sincrética).[1]

O sincretismo político toma posições de neutralidade, através da combinação de elementos associados com a esquerda e com a direita, para alcançar uma meta de reconciliação.[2] [3] [4] Uma vez que este conceito genérico é definido pela negação dos dois pólos de um determinado padrão político baseado em um espectro unidimensional, que se refere a abordagens bastante heterogêneas.

A Falange Espanhola, por exemplo, apresenta-se como sincrético.[5] O falangismo ataca tanto à esquerda e à direita e considera ambos como seus "inimigos", declarando-se a ser nem de esquerda nem de direita, mas uma terceira posição.[6]

Adolf Hitler, depois de criticar tanto a política de esquerda quanto a de direita em Mein Kampf, apresentou o fascismo e o nazismo como uma "terceira via" politicamente sincrética,[7] cuja expressão também tem sido promovida por vários movimentos pós-1945.[8]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «syncretism». The Free Dictionary. Consultado em 27 de outubro de 2013. 
  2. Griffin, Roger (7 de setembro de 1995). Fascism (paperback). Oxford readers second printing ed. (Oxford, England, UK: Oxford University Press). pp. 8, 307. ISBN 978-0192892492. 
  3. Kallis, Aristotle A. (25 de dezembro de 2002). The Fascism Reader Routledge [S.l.] p. 71. ISBN 978-0415243599. 
  4. Blamires, Cyprian. World Fascism: A Historical Encyclopedia (hardcover) (em ABC-CLIO e Inc.) 5 ed. (Santa Barbara, California, USA: ABC-CLIO, Inc.). pp. 14, 561. ISBN 978-1576079409. Consultado em 27 de outubro de 2012. 
  5. Fernandez, Paloma Aguilar (August 2002). Memory in Amnesia: The Role of the Spanish Civil War in the Transition to Democracy (hardcover) (Oxford, England, UK; New York, New York, USA: Berghahn Books). ISBN 978-1571817570. Consultado em 27 de outubro de 2012. 
  6. Griffin, Roger (7 de setembro de 1995). Fascism (paperback). Oxford readers second printing ed. (Oxford, England, UK: Oxford University Press). p. 189. ISBN 978-0192892492. Consultado em 27 de outubro de 2012. 
  7. Koshar, Rudy. Social Life, Local Politics, and Nazism: Marburg, 1880-1935, University of North Carolina Press, 1986. p. 190.
  8. James L. Richardson. Contending Liberalisms in World Politics: Ideology and Power. Lynne Rienner Publishers, 2001 Pp. 194.
Ícone de esboço Este artigo sobre política ou um cientista político é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.