Sincretismo político

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Sincretismo político refere-se à política externa ao espectro político convencional esquerda-direita. O termo foi derivado da ideia de sincretismo (religião sincrética).[1]

O sincretismo político toma posições de neutralidade, através da combinação de elementos associados com a esquerda e com a direita, para alcançar uma meta de reconciliação.[2][3][4] Uma vez que este conceito genérico é definido pela negação dos dois polos de um determinado padrão político baseado num espetro unidimensional, que se refere a abordagens bastante heterogêneas.

A Falange Espanhola, por exemplo, apresenta-se como sincrético.[5] O falangismo ataca tanto à esquerda e à direita e considera ambos como seus "inimigos", declarando-se a ser nem de esquerda nem de direita, mas uma terceira posição.[6]

Adolf Hitler, depois de criticar tanto a política de esquerda quanto a de direita em Mein Kampf, apresentou o fascismo e o nazismo como uma "terceira via" politicamente sincrética,[7] cuja expressão também tem sido promovida por vários movimentos pós-1945.[8]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «syncretism». The Free Dictionary. Consultado em 27 de outubro de 2013 
  2. Griffin, Roger (7 de setembro de 1995). Fascism (paperback). Col: Oxford readers second printing ed. Oxford, England, UK: Oxford University Press. pp. 8, 307. ISBN 978-0192892492 
  3. Kallis, Aristotle A. (25 de dezembro de 2002). The Fascism Reader. [S.l.]: Routledge. p. 71. ISBN 978-0415243599 
  4. Blamires, Cyprian. World Fascism: A Historical Encyclopedia (hardcover) (em ABC-CLIO e Inc.) 5 ed. Santa Barbara, California, USA: ABC-CLIO, Inc. pp. 14, 561. ISBN 978-1576079409. Consultado em 27 de outubro de 2012 
  5. Fernandez, Paloma Aguilar (August 2002). Memory in Amnesia: The Role of the Spanish Civil War in the Transition to Democracy (hardcover). Oxford, England, UK; New York, New York, USA: Berghahn Books. ISBN 978-1571817570. Consultado em 27 de outubro de 2012  Verifique data em: |data= (ajuda)
  6. Griffin, Roger (7 de setembro de 1995). Fascism (paperback). Col: Oxford readers second printing ed. Oxford, England, UK: Oxford University Press. p. 189. ISBN 978-0192892492. Consultado em 27 de outubro de 2012 
  7. Koshar, Rudy. Social Life, Local Politics, and Nazism: Marburg, 1880-1935, University of North Carolina Press, 1986. p. 190.
  8. James L. Richardson. Contending Liberalisms in World Politics: Ideology and Power. Lynne Rienner Publishers, 2001 Pp. 194.
Ícone de esboço Este artigo sobre política ou um cientista político é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.