Partido de Reedificação da Ordem Nacional

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Partido de Reedificação da Ordem Nacional
Código Eleitoral 56
Presidente Enéas Ferreira Carneiro
Fundação 1989
Ideologia Nacionalismo
Conservadorismo
Ultranacionalismo
Estatismo
Espectro político Extrema-direita
Sucessor PR (em fusão com o PL)
Cores       Verde

      Amarelo

Política do Brasil
Partidos políticos
Eleições

Partido de Reedificação da Ordem Nacional (Prona) foi um partido político brasileiro. O seu código eleitoral era 56, e suas cores eram o verde e o amarelo. Foi fundado e presidido pelo médico e deputado federal Enéas Ferreira Carneiro. Suas propagandas partidárias tornaram-se distintas e famosas pela rapidez com que eram veiculadas no Horário Eleitoral Gratuito (devido ao pouco tempo de que dispunha o partido), bem como o comportamento "impetuoso" de seus candidatos (a exemplo do próprio Enéas) e pelo uso da Quinta Sinfonia de Beethoven como trilha sonora.

O partido era oficialmente favorável ao patriotismo e proclamava-se independente das correntes políticas tradicionais. Era considerado ultranacionalista, neofascista e de extrema-direita por seus críticos. Seus seguidores, no entanto, consideravam-no simplesmente patriótico ou nacionalista, não estadista ao extremo, como no modelo integralista. O partido era bastante conhecido por suas posições em assuntos polêmicos, como por exemplo, a defesa da pesquisa nuclear, não com objetivos bélicos (o que levaria ao rompimento com uma série de acordos pacíficos internacionais), mas com objetivos estratégicos e diplomáticos.

Deputado federal recordista de votos, tendo obtido mais de 1,5 milhão de votos em 2002 pelo estado de São Paulo, o médico cardiologista Enéas Carneiro tornou-se famoso pela sua forma de expressão contundente e aos brados, por sua aparência rudimentar e excêntrica e pelo seu bordão "Meu nome é Enéas! 56!" no horário político televisivo brasileiro. Enéas foi candidato à presidência do Brasil em 1989, 1994 e 1998, tendo obtido 4.671.457 votos em 1994 e ficando à frente de lideranças políticas influentes e tradicionais, como Leonel Brizola (PDT), Orestes Quércia (PMDB) e Esperidião Amin (PPR).

O partido também defendia a economia de livre comércio e o conservadorismo nacionalista.

Fusão com o PL e criação do Partido da República (PR)[editar | editar código-fonte]

Para contornar as restrições impostas pela cláusula de barreira da legislação eleitoral, que começaria a vigorar a partir da legislatura de 2007 no Congresso Nacional, o partido se fundiu, em 24 de outubro de 2006, com o PL, criando o Partido da República[1] [2] [3] . À época, o partido havia eleito, para início de mandato em 2007, dois deputados federais: Suely Santana da Silva (RJ) e Enéas Carneiro (SP). Cumpriam mandato na data: Elimar Máximo Damasceno (SP) e Enéas Carneiro. Os outros quatro deputados federais eleitos pelo Prona, todos homens fundadores do partido[4] , haviam se filiado ao PP e ao PL em 2003.[5]

Ranking da corrupção[editar | editar código-fonte]

Com base em dados divulgados pelo Tribunal Superior Eleitoral, o Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral divulgou um balanço, em 4 de outubro de 2007, com os partidos com maior número de parlamentares cassados por corrupção desde o ano 2000. O Prona aparecia em último lugar na lista, com uma cassação, empatado com Partido Humanista da Solidariedade (PHS), Partido Verde (PV) e Partido Republicano Progressista (PRP).[6]

Participação do partido nas eleições presidenciais[editar | editar código-fonte]

Ano Candidato a Presidente Candidato a Vice-Presidente Coligação Votos  % Colocação
1998 Enéas Carneiro Irapuan Teixeira Prona 1.447.090 2,14
1994 Enéas Carneiro Roberto Gama e Silva Prona 4.671.457 7,38
1989 Enéas Carneiro Lenine Madeira de Souza Prona 360.561 0,50 12º

Referências

  1. "PL e PRONA oficializam união e apoiam Lula". Partido da República. Arquivado desde o original em 7 de junho de 2013. Consult. 28 de dezembro de 2013. 
  2. Guerreiro, Gabriela (26 de Outubro de 2006). "Prona e PL se unem e criam o Partido da República". Consult. 18 de Agosto de 2013. 
  3. Cristina da Silva, Valéria (27 de Outubro de 2006). "PL, Prona e PT do B se fundem e nasce o PR". Consult. 18 de Agosto de 2013. 
  4. Folha de S. Paulo (08/10/2002). "Bancada do Prona será de fundadores". Reportagem Local. 
  5. Congresso em foco (12/12/2006). "Veja quais deputados mudaram de partido". Reportagem Local. 
  6. "Desde 2000, 623 políticos foram cassados. DEM lidera ranking". O Globo. Arquivado desde o original em 20 de outubro de 2011. Consult. 2 de dezembro de 2013. 
Ícone de esboço Este artigo sobre política ou um cientista político é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.