Patriota (Brasil)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Patriota
"Brasil acima de tudo."
Número eleitoral 51[1]
Presidente Adilson Barroso (Afastado)[2][1]
Fundação 9 de agosto de 2011 (10 anos)
Registro 19 de julho de 2012 (9 anos)[1]
Sede Brasília, DF
Ideologia Bolsonarismo[3]
Nacionalismo[3]

Militarismo[3]
Conservadorismo social[3]
Liberalismo econômico[3]
Anticomunismo[3]
Populismo de direita[3]
Sustentabilidade[3]

Espectro político Direita à Extrema-direita[4][5][6][7]
Religião Cristianismo[3]
Ala jovem Juventude Patriota[8]
Membros (2021) 330.255 filiados[9]
Governadores (2021)[10]
0 / 27
Prefeitos (2020)[11]
51 / 5 568
Senadores (2021)[12]
1 / 81
Deputados federais (2021)[13]
6 / 513
Deputados estaduais (2018)
21 / 1 024
Vereadores (2020)[14]
719 / 56 810
Cores      Verde
     Amarelo
     Azul
Página oficial
patriota51.org.br
Política do Brasil

Partidos políticos

Eleições

O Patriota é um partido político brasileiro conservador e religioso de direita[15][16][17] fundado em 2011 e registrado definitivamente em 2012.[1] Seu nome anterior era Partido Ecológico Nacional (PEN), utilizado pelos membros até agosto de 2017[18][19][20] e alterado oficialmente pelo TSE em abril de 2018.[21] Em março de 2019, o Patriota incorporou o extinto Partido Republicano Progressista (PRP) ao mesmo tempo em que deixou de utilizar a sigla "PATRI". Em maio de 2021 o partido possuía 330.255 filiados, sendo o partido com mais filiados no estado de Roraima.[9]

História[editar | editar código-fonte]

O partido foi fundado em 9 de agosto de 2011. O presidente do partido está ligado à Assembleia de Deus,[22] mas o Partido acolhe filiados de todos os credos. Para a eleição presidencial de 2014, o partido tinha interesse em atrair a candidatura de Marina Silva, caso o registro do partido Rede Sustentabilidade (REDE) não obtivesse sucesso. Entretanto, a política optou pelo Partido Socialista Brasileiro (PSB).

Consequentemente o partido acabou entrando para a coalizão Muda Brasil, liderada pelo PSDB, partido do então candidato a presidência Aécio Neves e naquele ano o PEN só conseguiu eleger dois parlamentares; além disto, Adilson Barroso, presidente e fundador do partido, não conseguiu o número necessário de votos para se eleger ao cargo de deputado federal.[23] Nas eleições estaduais, o PEN participou de várias coligações amplas, ajudando a eleger onze governadores e nove senadores de diversos partidos, que compõem o governo federal ou que fazem oposição a ele.

Em 2016, o Partido Ecológico Nacional protocolou ação no Supremo Tribunal Federal (STF) contra a prisão em segunda instância,[carece de fontes?] como também fez a Ordem dos Advogados do Brasil. O entendimento favorável à possibilidade de prisão obtido em fevereiro foi mantido em outubro, ou seja, foi aprovado em duas ocasiões por maioria dos ministros.[24] A sentença foi vista pela sociedade como uma aliada na luta contra a impunidade,[25][26] tendo apoio da Associação dos Juízes Federais do Brasil, Associação Nacional dos Procuradores da República, Associação dos Magistrados do Brasil, Procuradoria-Geral da República, juiz federal Sergio Moro e procuradores da Operação Lava Jato.[27][28]

Mudança de nome[editar | editar código-fonte]

Logo do partido antes de mudar de nome.

No segundo semestre de 2017, após o Partido Social Democrata Cristão (PSDC) negar interesse em filiar o político Jair Bolsonaro, este e o partido anunciaram a filiação dele ao PEN. Somado a isso, foi posta no perfil do partido no Facebook uma enquete para sugerir um novo nome para o PEN. Dentre as cinco opções dadas, havia a continuação do nome, a homenagem ao Partido de Reedificação da Ordem Nacional (PRONA) e outras três novas denominações: Pátria Amada Brasil (PAB), Patriotas e Republicanos.[29][30]

Em 10 de agosto o comando nacional optou pela nova denominação Patriota.[31] Em 26 de setembro de 2017, no contexto da crise político-econômica de 2014,[32] o PEN entrou com pedido de alteração de nome e sigla junto ao TSE, visando se descolar da crise política.[33][34] A autorização pelo TSE foi obtida em 26 de abril de 2018, sendo rejeitada a contestação da organização política Patriotas (de sigla PATRI também) que buscava registrar-se como partido político no tribunal.[35][36][37]

Após um conflito interno, em janeiro de 2018, Jair Bolsonaro desistiu da filiação ao Patriota e optou por se filiar ao Partido Social Liberal (PSL). Entretanto, o partido manteve a proposta de mudança de nome e estatuto. Adilson Barroso, presidente do partido, também falou na possibilidade de duas outras opções se candidatarem a presidência da república, como o ex-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) Joaquim Barbosa e o cirurgião plástico Dr. Rey,[38] que era filiado ao partido desde 2014. Em 2018, o partido anunciou a pré-candidatura do ex-bombeiro e deputado Cabo Daciolo à presidência.[39] Daciolo recebeu 1.348.323 votos (1,26%), terminando em 6º lugar, ficando a frente de candidatos fortes como Marina Silva, Álvaro Dias e Henrique Meirelles.[40][41][42]

Logo após a instituição do novo estatuto partidário do Patriota, muitos políticos e militantes não concordaram com alguns preceitos. O deputado Walney Rocha (PATRI-RJ) e o deputado Júnior Marreca (PATRI-MA), este último aliado do governador do Maranhão Flávio Dino (PCdoB), atacou a regra que proibia que candidatos do partido se aliassem com partidos de extrema-esquerda, e chegaram a protocolar uma ação judicial que barrava a instituição do novo estatuto.[43] O novo nome do partido também gerou controvérsias, principalmente porque já existia um partido em formação chamado "Patriotas" no plural, o que levou muitos internautas a acessarem o site do Patriotas achando que era do Patriota. Essa confusão levou o fundador do partido em formação a entrar com uma ação no Tribunal Superior Eleitoral para tentar impedir a renomeação do partido.[44]

Devido a não superarem a cláusula de barreira nas eleições de 2018, ficando sem acesso ao fundo partidário, o Partido Republicano Progressista (PRP) e o Patriota (PATRI) decidiram se fundir, para juntos alcançarem o limiar mínimo exigido para acesso ao fundo partidário.[45] Em 28 de março de 2019, o plenário do TSE aprovou a incorporação do PRP ao Patriota e a solicitação para deixar de usar a sigla "PATRI".[46]

Nas eleições municipais de 2020, o partido elegeu 49 prefeituras e 719 vereadores.

Ideologia[editar | editar código-fonte]

O partido defende o aumento no investimento das forças armadas e a segurança publica e a adoção do modelo econômico Liberal para ajudar no desenvolvimento econômico do país.[47]

Com a candidatura de Cabo Daciolo, deputado que se tornou conhecido após os debates presidenciais de 2018 por sua personalidade distinta e falas polêmicas, o partido adotou uma nova agenda religiosa e militarista.[48]

Em 2020, o partido abrigou o deputado estadual Arthur do Val, que concorreu a prefeitura de São Paulo em 2020,[49] assim como candidatos ligados ao Arthur e ao Movimento Brasil Livre (MBL). O partido passou a ter então uma ala minoritária associada ao MBL e ao liberalismo, apesar de ser conservador e apoiador de Jair Bolsonaro. Rubinho Nunes, membro do MBL e vereador de São Paulo, saiu do Patriota e foi para o PSL.[50][51]

Organização[editar | editar código-fonte]

Parlamentares atuais[editar | editar código-fonte]

Número de filiados[editar | editar código-fonte]

Data Filiados[9] Crescimento anual
dez./2012 248 Aumento 248 +100%
dez./2013 7.735 Aumento 7.487 +3.019%
dez./2014 12.520 Aumento 4.785 +62%
dez./2015 39.412 Aumento 26.892 +15%
dez./2016 72.645 Aumento 33.233 +84%
dez./2017 75.397 Aumento 2.752 +4%
dez./2018 80.019 Aumento 4.622 +6%
dez./2019 310.906 Aumento 230.887 +88,5%
dez./2020 337.065 Aumento 26.159 +8%

Desempenho eleitoral[editar | editar código-fonte]

Eleições municipais[editar | editar código-fonte]

Eleições estaduais[editar | editar código-fonte]

  Mandatos do Patriota.
  Mandatos de outros partidos eleitos com a ajuda do Patriota através das coligações majoritárias (governadores e senadores) e das coligações proporcionais (deputados).
Participação e desempenho do Patriota nas eleições estaduais de 2018[54]
  Candidatos majoritários eleitos (7 governadores e 15 senadores).

Em negrito estão os candidatos filiados ao Patriota durante a eleição.
Os cargos obtidos na Câmara Federal e nas Assembleias Legislativas são referentes às coligações proporcionais que o Patriota compôs.
Tais coligações não são necessariamente iguais às coligações majoritárias e geralmente são menores.
Não estão listados os futuros suplentes empossados.

UF Candidatos(as) a Governador(a) e a Vice Candidatos(as) a Senadores(as) Coligação majoritária
(governo e senado)
Deputados(as) federais eleitos(as) — 29 Deputados(as) estaduais eleitos(as) — 54
AC Coronel Ulysses (PSL) Paulo Pedrazza (PSL) Patriota / PSL / PSC ninguém 1 PSL
Réssini Jarude (PSL)
AL Josan Leite (PSL) Flávio Moreno (PSL) Patriota / PSL / NOVO / PPL / SD ninguém 1 PSL
Sérgio Simões (PSL) Sérgio Cabral (Patriota)
AM Omar Aziz (PSD) Plínio Valério (PSDB) Patriota / PSD / PSDB / PRB / DEM / PTC ninguém ninguém
Arthur Bisneto (PSDB)
AP Davi Alcolumbre (DEM) Randolfe Rodrigues (REDE) Patriota / DEM / PP / REDE / PSDB / PSD / PSC / PODE / PPL / SD / Avante 1 PSDB, 1 PP ninguém
Silvana Vedovelli (PP) Sebastião Bala Rocha (PSDB)
BA José Ronaldo (DEM) Jutahy Magalhães Júnior (PSDB) Patriota / DEM / PSDB / PSC / PV / PRB / PTB / SD / PPL ninguém Pastor Tom (Patriota)
Mônica Bahia (PSDB) Irmão Lázaro (PSC)
CE Camilo Santana (PT) Eunício Oliveira (MDB) Patriota / PT / PDT / PP / PSB / PR / PTB / DEM / PCdoB / PPS / PRP / PV / PMN / PPL / PRTB / PMB Júnior Mano (Patriota) Apóstolo Luiz Henrique (Patriota),
Bruno Gonçalves (Patriota),
Nizo (Patriota)
Izolda Cela (PDT) Alberto Bardawil (PODE)
DF Eliana Pedrosa (PROS) Juiz Everardo Ribeiro (PMN) Patriota / PROS / PTB / PMN / PHS / PTC / PMB ninguém ninguém
Alírio Neto (PTB) Walisson Nascimento (PTB)
ES Rose de Freitas (PODE) Fabiano Contarato (REDE) Patriota / PODE / PMN / PRTB / REDE / MDB ninguém Rafael Favatto (Patriota),
1 PMN, 1 REDE
Dr. Tanguy (PODE)
GO José Eliton (PSDB) Vanderlan Cardoso (PP) Patriota / PSDB / PPS / PSB / PTB / PSD / SD / PV / REDE / Avante ninguém Wagner Neto (Patriota)
Raquel Teixeira (PSDB) Marconi Perillo (PSDB)
MA Flávio Dino (PCdoB) Weverton Rocha (PDT) Patriota / PCdoB / PDT / PT / PSB / PPS / PROS / PTB / PRB / PR / DEM / PP / PTC / SD / PPL / Avante Marreca Filho (Patriota)
+ 2 PR, 1 PP, 1 PDT
3 SD
Carlos Brandão (PRB) Eliziane Gama (PPS)
MG Antonio Anastasia (PSDB) Rodrigo Pacheco (DEM) Patriota / PSDB / PTB / DEM / SD / PPS / PSD / PMN / PSC / PP / PTC / PMB Dr. Frederico (Patriota),
Fred Costa (Patriota)
Dr. Paulo (Patriota),
Doorgal de Andrada (Patriota)
Marcos Montes (PSD) Dinis Pinheiro (SD)
MS Reinaldo Azambuja (PSDB) Nelsinho Trad (PTB) Patriota / PSDB / DEM / PPS / PP / PSD / PMB / PSB / PTB / PSL / PROS / PMN / SD / Avante 2 PSDB, 1 PSD, 1 DEM Lidio Lopes (Patriota)
+ 1 PSD
Murilo Zauith (DEM) Marcelo Miglioli (PSDB)
MT Pedro Taques (PSDB) Selma Arruda (PSL) Patriota / PSDB / PSL / PSB / SD / PPS / DC / PRTB / Avante 1 PSL 2 DC
Rui Prado (PSDB) Nilson Leitão (PSDB)
PA Helder Barbalho (MDB) Jader Barbalho (MDB) Patriota / MDB / PR / PP / PSD / PRB / PTB / PROS / PSC / PODE / PSL / PHS / DC / PMB / PTC / Avante ninguém Raimundo Santos (Patriota)
Lúcio Vale (PR) Zequinha Marinho (PSC)
PB José Maranhão (MDB) Roberto Paulino (MDB) Patriota / MDB / PR 1 PR Felipe Leitão (Patriota),
Wallber Virgolino (Patriota)
Bruno Roberto (PR)
PE Paulo Câmara (PSB) Humberto Costa (PT) Patriota / PSB / PCdoB / PT / MDB / PP / PV / SD / PTC / PRP / PRTB / PPL / PMN Pastor Eurico (Patriota) ninguém
Luciana Santos (PCdoB) Jarbas Vasconcelos (MDB)
PI Elmano Férrer (PODE) ninguém Patriota / PODE / PV / REDE / PPS / PMB / PRP / PHS / Avante ninguém 1 PV, 1 PPS
Luiz Ayrton Júnior (PV)
PR Ogier Buchi (PSL) Roselaine Ferreira (Patriota) Patriota / PSL / PTC 3 PSL 8 PSL
Dr. Caxias Ribas (Patriota)
RJ Romário (PODE) Gabrielle Burcci (PMB) Patriota / PODE / PR / REDE / PMB / PPL / PRP / PRB / PTC ninguém Val Ceasa (Patriota)
Marcelo Delaroli (PR) Miro Teixeira (REDE)
RN Brenno Queiroga (SD) Magnólia Figueiredo (SD) Patriota / SD / PSC / PV / DC / PMN / PSL / PPL ninguém 1 PPL, 1 PSL
Sérgio Leocádio (SD) Joanílson Rêgo (DC)
RO Expedito Júnior (PSDB) Marcos Rogério (DEM) Patriota / PSDB / DEM / PRB / PSD / PR 1 PSD, 1 PSDB 3 PRB
Maurício de Moraes (PSDB) Edésio Fernandes (PRB)
RR Antônio Denarium (PSL) Mecias de Jesus (PRB) Patriota / PSL / PTC / PRB / PRP / PROS / PSC / PPL ninguém Nilton do Sindpol (Patriota),
Odilon Filho (Patriota)
Frutuoso Lins (PTC) Pastor Isamar Ramalho (PSL)
RS José Ivo Sartori (MDB) Beto Albuquerque (PSB) Patriota / MDB / PSC / PR / PSB / PSD / PMN / PRP / PTC 2 PSB, 1 PR 2 PR, 1 PSD
José Paulo Cairoli (PSD) José Fogaça (MDB)
SC Jessé Pereira (Patriota) Roberto Salum (PMN) Patriota / PMN ninguém ninguém
Danny César Jumes (Patriota)
SE Milton Andrade (PMN) Adelson Alves (Patriota) Patriota / PMN ninguém 2 PODE
Rafaella Soares (PMN)
SP Márcio França (PSB) Maurren Maggi (PSB) Patriota / PSB / PR / PSC / PODE / PROS / PTB / PV / PMB / PHS / PPL / PRP / PSC / SD / Avante ninguém Paulo Corrêa Júnior (Patriota)
Coronel Eliane Nikoluk (PR) Mário Covas Neto (PODE)
TO Mauro Carlesse (PHS) Eduardo Gomes (SD) Patriota / PHS / SD / PP / DEM / PTC / PROS / PRB / Avante 2 SD, 2 DEM 3 SD, 1 PTC, 1 PHS, 1 DEM, 1 PP, 1 PROS
Wanderlei Barbosa (PHS) César Halum (PRB)
Participação e desempenho do PEN nas eleições estaduais de 2014[54]
  Candidatos majoritários eleitos (11 governadores e 9 senadores).

Em negrito estão os candidatos filiados ao PEN durante a eleição.
Os cargos obtidos na Câmara Federal e nas Assembleias Legislativas são referentes às coligações proporcionais que o PEN compôs.
Tais coligações não são necessariamente iguais às coligações majoritárias e geralmente são menores.
Não estão listados os futuros suplentes empossados.

UF Candidatos(as) a Governador(a) e a Vice Candidatos(as) a Senadores(as) Coligação majoritária
(governo e senado)
Deputados(as) federais eleitos(as) — 69 Deputados(as) estaduais eleitos(as) — 99
AC Tião Viana (PT) Perpétua Almeida (PCdoB) PEN / PDT / PRB / PT / PSL / PTN / PSDC / PHS / PSB / PRP / PPL / PCdoB / PROS / PTB 3 PT, 1 PSB, 1 PRB 5 PT, 1 PROS
Nazaré Araújo (PT)
AL Coronel Goulart (PEN) Coronel Brito (PEN) PEN ninguém ninguém
Capitão Bulhões (PEN)
AM José Melo (PROS) Omar Aziz (PSD) PEN / PV / PROS / PSL / PTN / PRP / PSDB / PRTB / PHS / PTC / DEM / PR / PSC / PSD / SD / PTdoB 2 PSD, 1 PSDB, 1 DEM, 1 PR 1 DEM
Henrique Oliveira (SD)
AP Bruno Mineiro (PTdoB) Promotor Moisés (PEN) PEN / PV / PTdoB / PRB / PR / PHS / PROS / PSDC / PTN 1 PR, 1 PRB 2 PROS, 1 PSDC
Aline Gurgel (PR)
BA Tadeu da Luz (PRTB) Marcelo Evangelista (PEN) PEN / PRTB ninguém ninguém
Antônio Neto (PRTB)
CE Camilo Santana (PT) Mauro Filho (PROS) PEN / PV / PP / PDT / PT / PTC / SD / PTB / PRB / PSL / PHS / PMN / PSD / PTdoB / PROS / PRTB / PPL / PCdoB ninguém Bruno Gonçalves (PEN)
Izolda Cela (PROS)
DF Agnelo Queiroz (PT) Geraldo Magela (PT) PEN / PT / PP / PMDB / PRB / PHS / PRP / PPL / PTN / PTdoB / PSC / PV / PROS / PTC / PSL / PCdoB 1 PMDB Luzia de Paula (PEN)
Tadeu Filippelli (PMDB)
ES Paulo Hartung (PMDB) Rose de Freitas (PMDB) PEN / PMDB / SD / DEM / PSDB / PROS / PRP ninguém Rafael Favatto (PEN)
+ 4 PMDB, 2 DEM
César Colnago (PSDB)
GO Marconi Perillo (PSDB) Vilmar Rocha (PSD) PEN / PV / PPS / PDT / PTdoB / PSL / PR / PP / PHS / PMN / PROS / PRB / PTC / PSDB / PSD / PTB ninguém 1 PROS
José Eliton (PP)
MA Lobão Filho (PMDB) Gastão Vieira (PMDB) PEN / PSC / PMDB / PSL / PSDC / PRP / PTN / PMN / PV / PHS / PRTB / PR / PRB / DEM / PSD / PT / PTB / PTdoB André Fufuca (PEN),
Júnior Marreca (PEN)
Ricardo Rios (PEN)
+ 1 PMN, 1 PHS
Arnaldo Melo (PMDB)
MG André Alves (PHS) Edilson Nascimento (PTdoB) PEN / PHS / PTdoB / PRP 1 PTdoB, 1 PHS, 1 PRP Fred Costa (PEN)
+ 1 PHS
Major Juares Ferreira (PTdoB)
MS Nelsinho Trad (PMDB) Simone Tebet (PMDB) PEN / PMDB / PSB / PTdoB / PHS / PRB / PRTB / PTN / PSC 2 PMDB, 1 PSB Lidio Lopes (PEN)
+ 2 PTdoB, 1 PSB
Pra. Janete Morais (PSB)
MT Janete Riva (PSD) Rui Prado (PSD) PEN / PSD / PTC / PTN / PRTB / SD ninguém 1 SD
Dr. Aray da Fonseca (PSD)
PA Simão Jatene (PSDB) ninguém PEN / PSDB / PSB / PMN / SD / PRB / PSC / PTB / PPS / PSD / PP / PTC / PSDC / PTdoB / PRP ninguém Raimundo Santos (PEN)
+ 2 SD, 1 PRB
Zéquinha Marinho (PSC)
PB Cássio Cunha Lima (PSDB) Wilson Santiago (PTB) PEN / PSC / PSDB / PR / PTB / PSD / SD / PMN / PPS / PTdoB / PTN / PRB / PSDC / PP 1 PSDB, 1 PP, 1 PR, 1 PTB, 1 PSD, 1 SD Branco Mendes (PEN),
Edmilson Soares (PEN),
José Aldemir (PEN),
Ricardo Marcelo (PEN)
+ 4 PSDB, 2 PP, 1 PTB, 1 PR
Ruy Carneiro (PSDB)
PE Paulo Câmara (PSB) Fernando Coelho (PSB) PEN / PV / PMDB / PCdoB / PTC / PRP / PTN / PR / SD / PPS / PRTB / PSDB / PSD / PPL / DEM / PHS / PSDC / PROS / PP / PSB / PSL 8 PSB, 3 PSDB, 2 PR, 1 PP, 1 PMDB, 1 PSD, 1 DEM, 1 PCdoB 15 PSB, 3 PMDB, 3 PR, 2 PSD, 1 PSDB, 1 DEM, 1 PTC
Raul Henry (PMDB)
PI Zé Filho (PMDB) Wilson Martins (PSB) PEN / PMDB / PSDB / PCdoB / PTdoB / PSB / PDT / PTN / PPS / DEM / PSDC / PSL / PMN / PRB / PTC / PSD / PV ninguém ninguém
Sílvio Mendes (PSDB)
PR Beto Richa (PSDB) Álvaro Dias (PSDB) PEN / PSDB / PROS / SD / PSB / PP / PTB / PSD / PPS / PR / DEM / PSL / PSDC / PMN / PHS / PSC / PTdoB 1 PTB, 1 PHS ninguém
Cida Borghetti (PROS)
RJ Luiz Fernando Pezão (PMDB) César Maia (DEM) PEN / PMDB / PP / PTB / PSL / PPS / PTN / DEM / PSDC / PRTB / PHS / PMN / PTC / PRP / PSDB / PSC / PSD / SD ninguém ninguém
Francisco Dornelles (PP)
RN Robinson Faria (PSD) Fátima Bezerra (PT) PEN / PSD / PT / PCdoB / PTdoB / PP / PRTB / PTC 1 PSD, 1 PP 3 PSD
Fábio Dantas (PCdoB)
RO Expedito Júnior (PSDB) Moreira Mendes (PSD) PEN / PSDB / PSDC / PSD / PSC / PHS / PMN / PTdoB / PRB / DEM 1 PSDB, 1 SD Laerte Gomes (PEN)
+ 1 PSD, 1 SD
Neodi Carlos (PSDC)
RR Chico Rodrigues (PSB) ninguém PEN / PSB / PMDB / PSDB / PR / PRB / PSD / SD / PROS / PPS / PMN / PSDC / PTdoB / PRTB / PHS / PSL / PPL / PTN / PSC / PRP 1 PMN, 1 PHS Odilon Filho (PEN)
+ 1 PSC
Rodrigo Jucá (PMDB)
RS Vieira da Cunha (PDT) Lasier Martins (PDT) PEN / PDT / PV / DEM / PSC 3 PDT, 1 DEM 1 PV
Flávio José Gomes (PSC)
SC Paulo Bauer (PSDB) Paulo Bornhausen (PSB) PEN / PSDB / PP / PSB / PSL / SD / PTN / PPS / PHS / PTC / PRTB / PTdoB 2 PP, 2 PSDB, 1 PPS 4 PSDB
Joares Ponticelli (PP)
SE Eduardo Amorim (PSC) Maria do Carmo (DEM) PEN / DEM / PSL / PP / PTdoB / PV / PTC / PSDB / PTB / SD / PPS / PHS / PMN / PR / PSC 1 PTB, 1 SD, 1 DEM ninguém
Augusto Franco Neto (PSDB)
SP Geraldo Alckmin (PSDB) José Serra (PSDB) PEN / PSC / PSDB / DEM / PMN / PTdoB / PTC / PTN / SD / PPS / PRB / PSB / PSDC / PSL ninguém Feliciano Filho (PEN),
Paulo Corrêa Júnior (PEN)
Márcio França (PSB)
TO Sandoval Cardoso (SD) Ângelo Agnolin (PDT) PEN / PRB / PP / PDT / PTB / PSC / PSL / PR / PPS / DEM / PRTB / SD / PHS / PTC / PSB / PRP / PSDB 1 PSB, 1 PRB, 1 PP, 1 DEM 4 SD, 2 PTB, 2 PR, 1 DEM, 1 PPS, 1 PSDB, 1 PP
Eduardo Gomes (SD)

Eleições presidenciais[editar | editar código-fonte]

Ano Imagem Candidato(a) a Presidente Candidato a Vice-Presidente Coligação Votos Posição
2014
Aécio Neves em 16 de julho de 2014-3.jpg
Aécio Neves

(PSDB)

Aloysio Nunes

(PSDB)

Muda Brasil

(PSDB, PMN, SD, DEM, PEN, PTN, PTB, PTC e PTdoB)

51.036.040 (48,36%)
2018
Deputados cabo Daciolo (PSOL-RJ) e Marcos Reategui (PSC-AP) participam do programa Brasil em Debate (cropped).jpg
Cabo Daciolo

(PATRI)

Suelene Balduino

(PATRI)

sem coligação 1 348 323 (1,26%)

Referências

  1. a b c d TSE. «Partidos políticos registrados no TSE». Consultado em 27 de abril de 2021 
  2. «Aprovada alteração do nome do Partido Ecológico Nacional (PEN)». nexojornal. Consultado em 14 de julho de 2021 
  3. a b c d e f g h i Patriota. «Proposta Patriota». Consultado em 27 de abril de 2021 
  4. «Maioria dos partidos se identifica como de centro». Estadão Conteúdo. Istoé. 25 de dezembro de 2019. Consultado em 19 de novembro de 2020. Cópia arquivada em 19 de novembro de 2020 «O que significa esquerda, direita e centro na política? - Política». Estadão. Consultado em 15 de dezembro de 2018 
  5. Direita cresce e engole o centro no Congresso mais fragmentado da história
  6. A extrema direita evangélica do Brasil pode eleger o próximo presidente do país
  7. https://www.jornalopcao.com.br/ultimas-noticias/bolsonaro-sinaliza-a-apoiadores-que-esta-quase-certa-sua-filiacao-ao-patriota-332607/
  8. Juventude Patriota
  9. a b c TSE. «Estatísticas do eleitorado – Eleitores filiados». Consultado em 16 de setembro de 2021 
  10. a b c EBC (28 de outubro de 2018). «Eleições 2018: Confira lista completa dos candidatos eleitos». Consultado em 27 de abril de 2021 
  11. a b PATRI/Datapedia. «Resultados da eleição municipal de 2020 para as prefeituras». Consultado em 27 de abril de 2021 
  12. Senado Federal. «Senadores em Exercício 55ª Legislatura (2019 - 2023)». Consultado em 27 de abril de 2021 
  13. a b Câmara dos Deputados. «Bancada dos partidos». Consultado em 27 de abril de 2021 
  14. a b G1 (17 de novembro de 2020). «DEM, PP e PSD aumentam número de vereadores no Brasil; MDB, PT, PSDB, PDT e PSB registram redução». Consultado em 27 de abril de 2021 
  15. Segundo, iG Último (10 de junho de 2021). «Vereador do MBL é expulso do Patriota após criticar Flávio Bolsonaro». iG. Consultado em 13 de junho de 2021 
  16. «Bolsonaro deve anunciar ida para o Patriota na próxima semana». VEJA. Consultado em 13 de junho de 2021 
  17. «O que significa esquerda, direita e centro na política? - Política». Estadão. Consultado em 30 de junho de 2021 
  18. «Partido de Bolsonaro vira Patriotas e faz 'live' para anunciar filiação». Estado de Minas. 10 de agosto de 2017. Consultado em 27 de agosto de 2019 
  19. «Bolsonaro escolhe o PEN para se lançar à Presidência em 2018 - 31/07/2017 - Poder». Folha de S.Paulo. Consultado em 27 de agosto de 2019 
  20. Página 3, Jornal (31 de julho de 2017). «Bolsonaro escolhe o PEN para se lançar à Presidência em 2018». Jornal Página 3 - Notícias de Balneário Camboriú. Consultado em 27 de agosto de 2019 
  21. «Aprovada alteração do nome do Partido Ecológico Nacional (PEN)». www.tse.jus.br. Consultado em 27 de agosto de 2019 
  22. Siuda-Ambroziak, Renata (2014). «A religião e política no Brasil contemporâneo – o caso das eleições presidenciais de 2010». Revista del CESLA. International Latin American Studies Review (17): 101–115. ISSN 1641-4713 
  23. «O que é o PEN, partido que quer lançar Bolsonaro à Presidência». Nexo Jornal. Consultado em 27 de agosto de 2019 
  24. G1, Renan RamalhoDo; Brasília, em (5 de outubro de 2016). «Supremo mantém possibilidade de prisão a condenados em 2ª instância». Política. Consultado em 27 de agosto de 2019 
  25. «Contra impunidade, STF mantém prisão na 2ª instância». VEJA.com. Consultado em 27 de agosto de 2019 
  26. «Julgamento no STF é decisivo para conter a impunidade». O Globo. 5 de outubro de 2016. Consultado em 27 de agosto de 2019 
  27. «Prisão após condenação em segunda instância recebe elogios». Jornal Nacional. 6 de outubro de 2016. Consultado em 27 de agosto de 2019 
  28. Minas, Estado de; Minas, Estado de (18 de fevereiro de 2016). «STF libera prisão após 2ª instância e condenado será preso mais cedo». Estado de Minas. Consultado em 27 de agosto de 2019 
  29. «O que é o PEN, partido que quer lançar Bolsonaro à Presidência». Nexo Jornal. Consultado em 27 de agosto de 2019 
  30. «Depois de anunciar Bolsonaro, PEN lança enquete para mudar de nome». Poder360. 31 de julho de 2017. Consultado em 27 de agosto de 2019 
  31. Minas, Estado de; Minas, Estado de (10 de agosto de 2017). «Partido de Bolsonaro vira Patriotas e faz 'live' para anunciar filiação». Estado de Minas. Consultado em 27 de agosto de 2019 
  32. «Diante de crise política, partidos mudam de nome para atrair eleitores em 2018». G1. Consultado em 18 de novembro de 2020 
  33. «PEN, futuro partido de Bolsonaro, pede para mudar nome para Patriota». Valor Econômico. 26 de setembro de 2017. Consultado em 27 de agosto de 2019 
  34. Minas, Estado de; Minas, Estado de (26 de setembro de 2017). «Em busca da filiação de Bolsonaro, PEN formaliza no TSE pedido para virar Patriota». Estado de Minas. Consultado em 27 de agosto de 2019 
  35. «Aprovada alteração do nome do Partido Ecológico Nacional (PEN)». www.tse.jus.br. Consultado em 27 de agosto de 2019 
  36. Redação. «PEN tem pedido de mudança de nome aprovado pelo TSE e passa a se chamar Patriota». Consultado em 27 de agosto de 2019 
  37. «Patriotas acusa Bolsonaro de 'usurpador' - Política». Estadão. Consultado em 26 de agosto de 2019 
  38. «Sem Bolsonaro, Patriota avalia convite a Joaquim Barbosa e Dr. Rey». Gazeta do Povo. Consultado em 26 de agosto de 2019 
  39. «Patriota lança Cabo Daciolo como candidato à Presidência». Terra. Consultado em 26 de agosto de 2019 
  40. «Cabo Daciolo, do Patriota, fica em 6º na corrida presidencial». G1. Consultado em 26 de agosto de 2019 
  41. «"Candidato meme", Daciolo fica em 6º, à frente de Meirelles e Marina». UOL Eleições 2018. Consultado em 26 de agosto de 2019 
  42. «Cabo Daciolo 51 - Eleições 2018». Eleições 2018. Consultado em 16 de fevereiro de 2019 
  43. «Partido acusa Bolsonaro e PEN de roubar nome de sigla - Rádio Jornal». web.archive.org. 26 de dezembro de 2017. Consultado em 26 de agosto de 2019 
  44. «Partido acusa Bolsonaro e PEN de roubar nome de sigla - Rádio Jornal». web.archive.org. 26 de dezembro de 2017. Consultado em 26 de agosto de 2019 
  45. «Sai fusão do Patriota com o PRP. Fica o nome Patriota e Adilson Barroso será o presidente». Jornal Opção. 17 de dezembro de 2018. Consultado em 26 de agosto de 2019 
  46. Venturini, Lilian (1 de agosto de 2017). «O que é o PEN, partido que quer lançar Bolsonaro à Presidência». Nexo Jornal. Consultado em 1 de agosto de 2017 
  47. «Proposta Patriota – PATRIOTA 51». Consultado em 27 de agosto de 2019 
  48. Paulo, iG São (10 de agosto de 2018). «Quem é Cabo Daciolo, o candidato que roubou a cena durante debate - Política - iG». Último Segundo. Consultado em 26 de agosto de 2019 
  49. «Candidatos a prefeito | São Paulo - SP | Eleições 2020». Estadão. Consultado em 25 de maio de 2021 
  50. «Rubinho Nunes». Câmara Municipal de São Paulo. Consultado em 20 de julho de 2021 
  51. «Rachado entre aliados e opositores de Bolsonaro, PSL filia vereador e abre caminho para líderes do MBL». Folha de S.Paulo. 22 de junho de 2021. Consultado em 20 de julho de 2021 
  52. PATRI/Datapedia. «Resultados da eleição municipal de 2016 para as prefeituras». Consultado em 27 de abril de 2021 
  53. Patrícia Cagni (4 de outubro de 2016). «O novo mapa partidário das câmaras de vereadores». Congresso em Foco. Consultado em 27 de abril de 2021 
  54. a b TSE. «Repositório de Dados Eleitorais». Consultado em 27 de abril de 2021 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]