Este é um artigo bom. Clique aqui para mais informações.

José Ivo Sartori

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
José Ivo Sartori
José Ivo Sartori em 26 de outubro de 2014.
38º Governador do Rio Grande do Sul Rio Grande do Sul
Período 1º de janeiro de 2015
até a atualidade
Vice-governador José Paulo Cairoli
Antecessor(a) Tarso Genro
36º Prefeito de Caxias do Sul Caxias do Sul
Período 1º de janeiro de 2005
a 1º de janeiro de 2013
Vice-prefeito Alceu Barbosa Velho (2005-2011)
Nenhum (2011-2013)
Antecessor(a) Pepe Vargas
Sucessor(a) Alceu Barbosa Velho
Deputado federal
pelo Rio Grande do Sul Rio Grande do Sul
Período 1º de fevereiro de 2003
a 1º de janeiro de 2005
Presidente da Assembleia Legislativa
do Rio Grande do Sul
Rio Grande do Sul
Período 1º de fevereiro de 1998
a 1º de fevereiro de 1999
Antecessor(a) João Luiz Vargas
Sucessor(a) Paulo Odone
Secretário de Trabalho e Bem-Estar Social do Rio Grande do Sul Rio Grande do Sul
Período 1987
até 1988
Governador Pedro Simon
Deputado estadual
do Rio Grande do Sul Rio Grande do Sul
Período 1º de fevereiro de 1983
a 1º de fevereiro de 2003
Vereador de Caxias do Sul Caxias do Sul
Período 1977
até 1982
Vida
Nome completo José Ivo Sartori
Nascimento 25 de fevereiro de 1948 (68 anos)
Farroupilha, Rio Grande do Sul
Nacionalidade  brasileiro
Progenitores Mãe: Elza Josefina Dengo Sartori
Pai: Antônio Silva Sartori
Dados pessoais
Alma mater Universidade de Caxias do Sul
Cônjuge Maria Helena Sartori (desde 1976)
Partido PMDB (desde 1981)
MDB (1974-1981)
Profissão Professor, filósofo e político

José Ivo Sartori (Farroupilha, 25 de fevereiro de 1948), conhecido também por Sartori, ou mesmo José Ivo, é um professor, filósofo e político brasileiro, filiado ao Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB) e o atual governador do estado do Rio Grande do Sul. É casado com Maria Helena Sartori, com quem tem dois filhos.[1]

Natural da Serra Gaúcha, formou-se em filosofia pela Universidade de Caxias do Sul (UCS) e foi professor universitário e de cursos pré-vestibulares.[2] Iniciou sua carreira política no movimento estudantil e entre 1972 a 1975 presidiu o Diretório acadêmico (DCE) da UCS.[1] Em seguida, filiou-se ao Movimento Democrático Brasileiro (MDB) e foi eleito vereador em Caxias do Sul em 1976.[1][2] Exerceu cinco mandatos consecutivos como deputado estadual e presidiu a Assembleia Legislativa entre 1998 a 1999.[3] Durante o governo de Pedro Simon, foi secretário estadual do Trabalho e Bem-Estar Social entre 1987 a 1988.[2]

Concorreu, sem sucesso, ao cargo de prefeito de Caxias do Sul em 1992 e 2000.[3] Em 2002, elegeu-se deputado federal com quase cem mil votos.[2] Em 2004, elegeu-se prefeito de Caxias no segundo turno com 52,4% dos votos.[3] Quatro anos depois, reelegeu-se no primeiro turno com 54,3% dos votos, vencendo seu antecessor, Pepe Vargas.[2]

Em 29 de junho de 2014, foi oficializada sua candidatura ao Palácio Piratini.[4] Em uma reviravolta na reta final da campanha, classificou-se para o segundo turno juntamente com o governador Tarso Genro.[5] Em 26 de outubro, venceu a eleição com 61,2% dos votos, sendo empossado o trigésimo oitavo governador do Rio Grande do Sul em 1º de janeiro de 2015.[6][7]

Família, educação e movimento estudantil[editar | editar código-fonte]

José Ivo Sartori nasceu na Capela de São Valentin, uma pequena localidade do interior de Farroupilha, Rio Grande do Sul, em 25 de fevereiro de 1948.[8] Descendente de italianos, é o filho mais velho de Antônio Silva Sartori, que trabalhava como borracheiro, e de Elza Josefina Dengo Sartori, uma dona de casa.[8] Além dele, o casal teve outros cinco filhos: Neuza, Janete, Luiz, Maria de Lourdes e Olmar.[9] Durante a infância, trabalhou no campo ao lado do pai e de seus irmãos.[8] Segundo ele relatou mais tarde, "Nós, as crianças, tínhamos de ajudar os adultos que estavam trabalhando na roça. Uma das nossas principais tarefas era levar a sporta onde eram carregados os mantimentos que seriam consumidos ao meio-dia, já que não era costume retornar para casa em meio ao trabalho."[9][nota 1]

Em 1959, a família Sartori mudou-se para um bairro mais próximo do centro de Farroupilha.[9] Em 1961, aos treze anos de idade, foi estudar na cidade de Antônio Prado, onde cursou o antigo ginásio na Escola São José.[8][9] Lá permaneceu durante cinco anos, época em que foi tesoureiro da primeira diretoria do Grêmio Estudantil daquela escola e participou da Juventude Estudantil Católica (JEC).[8][9] Logo após completar dezoito anos, começou a estudar para ser padre no Colégio do Carmo, em Caxias do Sul, e no Seminário Maior, de Viamão, onde iniciou o curso de filosofia em 1969.[10][11][12] Posteriormente, deixou o seminário e voltou para Caxias, onde concluiu os estudos na Universidade de Caxias do Sul (UCS).[8][12] Neste período, fez parte do movimento estudantil e presidiu o Diretório acadêmico (DCE) daquela universidade entre 1972 a 1975.[12] Como presidente do DCE, organizou eventos culturais, como uma palestra de Teotônio Vilela, e recepcionou os cantores Chico Buarque e Milton Nascimento.[12]

Após graduar-se em filosofia em 1975, passou a dar aulas desta disciplina, além de história, moral e cívica, Organização Social e Política Brasileira e educação religiosa em universidades, escolas particulares e cursos preparatórios de vestibular.[8][12] Foi sócio de Germano Rigotto, futuro governador do Rio Grande do Sul (2003-2007), de um curso pré-vestibular, chamado de "Cursão".[12][13]

Em 9 de julho de 1976, casou-se com Maria Helena, sua ex-colega no curso de filosofia da UCS.[9] Segundo José Ivo Sartori relatou, "tem gente que acha que foi a Maria Helena que me tirou do seminário. Não continuei porque foi uma opção. Eu achava que tinha uma propensão para casar e constituir família".[9] O casal teve dois filhos: Marcos, nascido em 11 de novembro de 1982, e Carolina, nascida em 2 de outubro de 1986.[9]

Carreira legislativa[editar | editar código-fonte]

Em 1974, filiou-se ao Movimento Democrático Brasileiro (MDB), principal partido de oposição à Ditadura militar.[8] Nas eleições municipais de 1976, foi eleito vereador de Caxias do Sul com 2.297 votos, sendo o terceiro mais votado de seu partido e o quarto entre todos os candidatos.[14] Naquele ano, o MDB também elegeu o prefeito de Caxias, Mansueto de Castro Serafini Filho.[14]

Sartori foi eleito deputado estadual em 1982, e reeleito em 1986, 1990, 1994 e 1998.[8] Em 1986, filiou-se ao Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), o sucessor do MDB.[8] Durante o governo de Pedro Simon, também do PMDB, foi Secretário estadual de Trabalho e Bem-Estar Social entre 1987 a 1988.[8] Em fevereiro de 1998, foi eleito presidente da Assembleia Legislativa, cargo que ocupou até fevereiro de 1999.[15][16] Como presidente da assembleia, foi governador interino duas vezes.[2] Entre 2001 a 2002, foi vice-presidente da União Nacional dos Legisladores e Legislativos Estaduais (UNALE).[17]

Nas eleições de 2002, elegeu-se deputado federal com 98.903 votos (1,68%).[18] Na Câmara dos Deputados, atuou como membro titular das comissões de Constituição e Justiça e na de Educação e Cultura.[17]

Eleições para prefeito de Caxias do Sul[editar | editar código-fonte]

Derrotas: 1992 e 2000[editar | editar código-fonte]

Em 1992, candidatou-se a prefeito de Caxias do Sul pela primeira vez. Sua coligação foi formada pelo Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB) e pelo Partido Popular Socialista (PPS). Sartori terminou em terceiro lugar com 34.631 votos (23,44%), sendo superado pelo prefeito eleito, Mario David Vanin (29,01%) e Pepe Vargas (26,97%).[19] Não foi realizado um segundo turno entre Vanin e Pepe porque na época Caxias não tinha duzentos mil eleitores, número necessário para que o segundo turno seja disputado.[19]

Em 2000, candidatou-se pela segunda vez ao executivo sul-caxiense. Desta vez, conseguiu o apoio do Partido Progressista Brasileiro (PPB). No primeiro turno, totalizou 43,11% dos votos válidos, classificando-se para o segundo turno com o então prefeito Pepe Vargas, do Partido dos Trabalhadores (PT), que ficou com 48,15%. Em um segundo turno disputado, Pepe venceu com 103.015 votos (50,20%), contra os 102.191 votos de Sartori (49,80%).[20]

Vitórias: 2004 e 2008[editar | editar código-fonte]

2004[editar | editar código-fonte]

Em 2004, voltou a ser candidato a prefeito de Caxias. Sua coligação, denominada Caxias para Todos, foi composta por cinco partidos e o candidato a vice foi Alceu Barbosa Velho.[21][22] Segundo as pesquisas de opinião, Sartori iniciou a campanha do primeiro turno na frente.[23] No entanto, a campanha governista da deputada estadual Marisa Formolo conseguiu um crescimento nas últimas pesquisas do primeiro turno, garantindo um empate técnico.[23] Em 3 de outubro, foi confirmado que seria realizado um segundo turno com Formolo, que conquistou 41% dos votos válidos, e Sartori, com 35%.[24][25] O terceiro colocado, Ruy Pauletti, obteve pouco menos de 20% dos votos e declarou apoio a Sartori no segundo turno.[22] Em 31 de outubro, foi eleito prefeito com 52,67% dos votos válidos.[21]

2008[editar | editar código-fonte]

Em 7 de julho de 2008, iniciou sua campanha à reeleição.[26] Alceu Barbosa Velho foi novamente escolhido como seu candidato a vice-prefeito.[27] A coligação liderada por Sartori recebeu o mesmo nome da de 2004 e contou com o apoio formal de catorze partidos.[26] O único candidato de oposição foi Pepe Vargas, ex-prefeito que concorreu pela coligação Frente Popular, formada por quatro partidos.[28][29]

Em julho de 2008, a coligação Frente Popular entrou na justiça com um pedido de igualdade de tempo na propaganda eleitoral de rádio e televisão.[30] A coligação argumentou que o tempo da propaganda deveria ser distribuído de forma igualitária por haver apenas dois candidatos.[30] Uma liminar negou o pedido, mantendo o tempo de vinte e um minutos para Sartori e nove para Pepe.[31] Durante a campanha, um dos principais debates entre os candidatos foi a falta de água, que atingiu diversos bairros naquele ano.[27][31] Todas as pesquisas de opinião pública indicaram proximidade entre Sartori e Pepe.[30] Em 5 de outubro, foi reeleito com 54,35% dos votos válidos.[27][32]

Prefeito de Caxias do Sul[editar | editar código-fonte]

Em 1º de janeiro de 2005, foi empossado o trigésimo quarto prefeito de Caxias do Sul.[33] Sua reeleição em 2008 garantiu-lhe o direito a um segundo mandato, de 1º de janeiro de 2009 até 1º de janeiro de 2013.[33] Na eleição municipal de 2012, conseguiu eleger o sucessor, seu ex vice-prefeito e então deputado estadual Alceu Barbosa Velho, que foi eleito em primeiro turno.[34]

Principais iniciativas[editar | editar código-fonte]

Em agosto de 2007, a coleta seletiva de lixo, que existia desde 1991, foi mecanizada.[35] Com isso, Caxias do Sul tornou-se a primeira cidade do país a implantar este tipo de coleta.[36] Até maio de 2012, a coleta mecanizada atingia 35% da cidade e a quantidade de lixo reciclável coletado foi triplicado, chegando a um quarto do lixo produzido.[35] Em parceria com associações de reciclagem, a prefeitura oferecia um incentivo para quem colaborasse.[36] Neste sentido, foi criado em 2006 o programa "Troca Solidária", que troca lixo reciclável por alimentos.[37][38] Estas iniciativas ajudaram a reduzir a quantidade de lixo nas ruas.[39]

Ainda em 2007, foi criado a Comissão Interna de Prevenção de Acidentes e Violência Escolar (CIPAVE), que abrangia todas as escolas municipais.[40] Entre os objetivos do CIPAVE, estão a conservação do patrimônio público, a atuação permanente em campanhas educativas, a prevenção de acidentes e primeiros socorros e a diminuição da violência escolar.[41]

Com o objetivo de ligar as comunidades rurais com a área urbana, foi criado o Programa de Asfaltamento do Interior (PAI).[42] Durante suas duas gestões, foram entregues 170 quilômetros de asfalto.[42] O PAI foi financiado com recursos próprios da prefeitura e empréstimos com a Corporação Andina de Fomento (CAF) e o Banco Nacional do Desenvolvimento (BNDES).[42]

Sistema Marrecas[editar | editar código-fonte]

Em 2009, as obras do Sistema de Abastecimento de Água Marrecas foram iniciadas. O Marrecas é considerada a maior obra do governo Sartori e tem como objetivo garantir o abastecimento de água para 250 000 habitantes pelos próximos vinte anos.[43] Os estudos para a construção deste sistema iniciaram em 1966 e sua capacidade foi estimada em 33 bilhões de litros de água.[44] Os gastos totais foram orçados inicialmente em R$ 130 milhões, mas as obras acabaram custando R$ 250 milhões.[45][46] Segundo dados de dezembro de 2012, o governo federal arcou com R$ 150 milhões e o município destinou R$ 100 milhões de recursos próprios.[47][48]

Em 22 de dezembro de 2012, o Sistema Marrecas foi inaugurado com a presença da presidente Dilma Rousseff e do governador Tarso Genro.[49] No entanto, começou a funcionar apenas em setembro de 2014, já na administração do prefeito Alceu Barbosa Velho.[45] O Sistema Marrecas é uma das obras mais polêmicas dos últimos anos na cidade, uma vez que já foi inaugurada várias vezes em solenidades oficiais, mas ainda apresenta dificuldades para funcionar adequadamente.[50][51]

Greve dos médicos[editar | editar código-fonte]

Um movimento grevista de médicos ligados ao Sistema Único de Saúde (SUS) iniciou em abril de 2010. Três dias após o início desta paralisação, a prefeitura conseguiu uma liminar na Justiça, suspendendo a interrupção dos trabalhos.[52] Em setembro de 2010, iniciou-se uma nova paralisação, que afetou pouco mais de vinte mil pessoas naquele mês.[53] Os médicos reivindicavam a adoção do piso nacional da categoria, a discussão do plano de carreira e da jornada de trabalho.[54][55] A prefeitura considerava o aumento salarial, a principal reivindicação, um "absurdo e fora de contexto".[56]

Em 3 de outubro de 2011, o Movimento Vivo em Defesa da Saúde Pública encaminhou a Câmara de Vereadores um pedido de impeachment de Sartori. O pedido baseou-se na acusação de crime de responsabilidade e improbidade devido a sua atuação na greve dos médicos.[57] Um dia depois de protocolado, o pedido foi rejeitado pelos vereadores por unanimidade.[58] Em dezembro de 2011, um acordo com o Sindicato dos Médicos garantiu a suspensão da paralisação até o final de seu governo.[52]

Opinião pública[editar | editar código-fonte]

Em agosto de 2008, um levantamento da Fato Pesquisa Social, realizado com oitocentos eleitores, indicou que 89,8% consideravam sua gestão como "ótimo ou boa" e 3,9% como "ruim ou péssima".[59] Em setembro de 2012, uma pesquisa do Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística (IBOPE) revelou que 75% dos entrevistados aprovaram a gestão, 18% desaprovaram e 7% não sabiam ou não responderam.[60] Ainda de acordo com o IBOPE, 62% consideraram o governo Sartori como "ótimo ou bom", 27% como "regular" e 7% como "ruim ou péssimo".[60]

Eleições estaduais de 2014[editar | editar código-fonte]

Comemoração da vitória de Sartori em Porto Alegre.

Sartori estava sendo cotado para concorrer ao governo do Rio Grande do Sul nas eleições de 2014 desde outubro de 2012.[61] Em 29 de junho de 2014, foi oficializado candidato do PMDB ao governo do Estado pela coligação O Novo Caminho para o Rio Grande, composta também por outros sete partidos.[62] O ex-presidente da Federasul, José Paulo Cairoli, foi escolhido candidato a vice-governador.[63] Na disputa presidencial, a coligação de Sartori declarou apoio ao candidato Eduardo Campos (PSB). Com a morte deste, e a ascensão de Marina Silva, a coligação manteve o apoio ao PSB, apesar de divergências entre Marina e a coligação.[64]

Nas primeiras pesquisas de opinião, tinha menos de 6% da preferência do eleitorado.[65] Nas últimas semanas do primeiro turno passou a crescer nas pesquisas, empatando com a senadora Ana Amélia Lemos (PP) na última pesquisa realizada pelo IBOPE.[66] De acordo com analistas, o crescimento de Sartori ocorreu devido a soma de alguns fatores, entre os quais estão: Ana Amélia sofreu diversos ataques de seus adversários e não conseguiu respondê-los, enquanto Sartori passou a campanha do primeiro turno praticamente sem ser atacado;[67] a grande estrutura partidária do PMDB-RS; a mobilização da militância; a ideia de se apresentar como uma alternativa menos belicosa que Tarso Genro (PT) e Ana Amélia; uma opção ao chamado voto antipetista; o uso das redes sociais;[68] além de outros motivos.[69]

Em 6 de outubro, foi o candidato mais votado com 40,4% dos votos válidos, classificando-se para o segundo turno com Tarso, que ficou com 32,5%.[70] No segundo turno, recebeu o apoio da terceira colocada, Ana Amélia, e declarou apoio formal ao candidato a presidente Aécio Neves (PSDB).[71][72] Em 20 de outubro, uma declaração sobre o piso do magistério causou polêmica e se tornou destaque nacional, sendo criticada por professores e por Tarso na propaganda eleitoral.[73][74] No entanto, Sartori manteve uma liderança de 15-20% em relação a Tarso nas pesquisas de intenção de votos.[75][76] Em 26 de outubro, foi eleito governador com 3.859.611 votos (61,79%), vencendo em mais de 90% dos municípios.[77][78] A votação de Sartori é a mais expressiva de um candidato a governador do Rio Grande do Sul desde que o segundo turno foi instituído, em 1990.[79]

Governador do Rio Grande do Sul[editar | editar código-fonte]

Sartori foi empossado como o 38º governador do Rio Grande do Sul em 1º de janeiro de 2015.[80] Após afirmar em seu discurso de posse que faria medidas "duras" e "difíceis" para resolver a situação financeira do Estado,[81][82] assinou alguns decretos que cortaram despesas, o que incluiu a suspensão de concursos públicos e nomeações durante seis meses.[83][84][85]

Com uma base governista composta por 60% dos deputados,[86] conseguiu ao longo do primeiro ano de governo a aprovação de quase todos os projetos de leis formulados pelo executivo e que visavam reorganizar a estrutura do Estado e cortar gastos.[87][88] Apesar disso, alguns projetos de lei, como os de aumentos de impostos, obtiveram votações apertadas, sendo que a do aumento do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) foi aprovado por 27 a 26.[89][90]

O governo do Estado parcelou os salários de seus servidores pela primeira vez em 31 de julho de 2015, o que gerou protestos de entidades representativas,[91] além de greves dos próprios servidores.[92][93][94] Os parcelamentos voltaram a ocorrer em agosto, novembro e para o décimo terceiro salário de 2015.[95][96][97] Também devido a crise financeira, o Estado deixou de pagar em dia parcelas de sua dívida com a União no ano de 2015, gerando ao longo daquele ano em quatro bloqueios de suas contas pelo Tesouro Nacional.[98]

Histórico eleitoral[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. Sporta é uma sacola artesanal em palha feita pelos imigrantes italianos.[9]

Referências

  1. a b c «Conheça um pouco mais sobre a biografia de José Ivo Sartori, o novo governador do Rio Grande do Sul». Caxias AM. 26 de outubro de 2014. Consultado em 10 de abril de 2015. 
  2. a b c d e f «A trajetória de José Ivo Sartori em cinco momentos». Zero Hora. 4 de agosto de 2014. Consultado em 10 de abril de 2015. 
  3. a b c «José Ivo Sartori é o novo Governador do RS». Band. 26 de outubro de 2014. Consultado em 10 de abril de 2015. 
  4. «PMDB oficializa candidatura de José Ivo Sartori ao governo do RS». G1. 29 de junho de 2014. Consultado em 10 de abril de 2015. 
  5. Flavia Bemfica (6 de outubro de 2014). «Conjunto de fatores explica reviravolta na eleição no RS». Terra. Consultado em 10 de abril de 2015. 
  6. Flavia Bemfica (26 de outubro de 2014). «RS: José Ivo Sartori é eleito governador com 61,2% dos votos». Terra. Consultado em 10 de abril de 2015. 
  7. Caetanno Freitas e Estêvão Pires (1º de janeiro de 2015). «José Ivo Sartori toma posse e fala em 'medidas duras' contra crise no RS». G1. Consultado em 10 de abril de 2015. 
  8. a b c d e f g h i j k «Perfil: José Ivo Sartori». Folha de Quaraí. 28 e 29 de outubro de 2014. Consultado em 11 de abril de 2015. 
  9. a b c d e f g h i «Jeito gringo de ser de Sartori foi moldado no interior». Pioneiro. 26 de outubro de 2014. Consultado em 11 de abril de 2015. 
  10. «Um pouco da história de José Ivo Sartori». Grupo Solaris. 5 de outubro de 2014. Consultado em 11 de abril de 2015. 
  11. Glauber Fernandes (28 de outubro de 2014). «Mãe de Sartori queria que filho fosse padre». Band. Consultado em 11 de abril de 2015. 
  12. a b c d e f Adélia Porto (26 de outubro de 2014). «Sartori, o gringo que queria ser padre e está na política há 40 anos». Sul21. Consultado em 11 de abril de 2015. 
  13. Rodrigo Lopes (24 de setembro de 2014). «Um gringo durão, mas piadista: a trajetória de José Ivo Sartori». Zero Hora. Consultado em 11 de abril de 2015. 
  14. a b c «Resultado da eleição -Formulário» (PDF). Tribunal Superior Eleitoral. Consultado em 11 de abril de 2015. 
  15. «Presidentes do Parlamento (em ordem cronológica)». Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul. Consultado em 11 de abril de 2015. 
  16. «Deputado José Ivo Sartori». Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul. Consultado em 11 de abril de 2015. 
  17. a b «José Ivo Sartori - PMDB/RS». Câmara dos Deputados do Brasil. Consultado em 11 de abril de 2015. 
  18. «Resultado da eleição de 2002». Tribunal Superior Eleitoral. Consultado em 11 de abril de 2015. 
  19. a b c «Caxias do Sul». Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul. Consultado em 11 de abril de 2015. 
  20. a b «Resultado do 2º Turno das eleições municipais 2000». Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul. Consultado em 11 de abril de 2015. 
  21. a b «RS/Caxias do Sul - Eleito». Uol. Consultado em 11 de abril de 2015. 
  22. a b «Sartori é o novo prefeito de Caxias do Sul, no RS». Terra. 31 de outubro de 2014. Consultado em 11 de abril de 2015. 
  23. a b «Sartori derrota Marisa na disputa pela Prefeitura». Gazeta do Sul. 1º de novembro de 2004. Consultado em 11 de abril de 2015. 
  24. «Placar RS/ Caxias Do Sul». Uol. Consultado em 11 de abril de 2015. 
  25. «RS/Caxias do Sul - 2º turno». Uol. Consultado em 11 de abril de 2015. 
  26. a b Vania Espeiorin (7 de julho de 2008). «Sartori dá largada na campanha em Caxias do Sul». Click RBS. Consultado em 28 de abril de 2015. 
  27. a b c Vania Espeiorin (27 de junho de 2008). «Alceu Barbosa Velho é confirmado vice na disputa à prefeitura de Caxias». Click RBS. Consultado em 28 de abril de 2015. 
  28. Flávio Ilha (5 de outubro de 2008). «Com apenas dois candidatos na disputa, Sartori vence Pepe Vargas em Caxias do Sul». Uol. Consultado em 28 de abril de 2015. 
  29. Vania Espeiorin (20 de junho de 2008). «Oposição apresenta pré-candidatos à prefeitura de Caxias». Uol. Consultado em 28 de abril de 2015. 
  30. a b c Vania Espeiorin (9 de julho de 2008). «PT pede na Justiça igualdade de tempo de propaganda em Caxias». Uol. Consultado em 28 de abril de 2015. 
  31. a b Roberto Carlos Dias (15 de julho de 2008). «Justiça nega pedido de igualdade de tempo na propaganda eleitoral em Caxias». Click RBS. Consultado em 28 de abril de 2015.  Erro de citação: Invalid <ref> tag; name "Elei.C3.A7.C3.A3o_de_2008-6" defined multiple times with different content
  32. «José Ivo Sartori é reeleito em Caxias do Sul». Click RBS. 5 de outubro de 200/. Consultado em 28 de abril de 2015. 
  33. a b «Galeria de Ex-Prefeitos». Prefeitura de Caxias do Sul. Consultado em 23 de abril de 2015. 
  34. «Alceu Barbosa (PDT) é eleito prefeito de Caxias do Sul (RS)». Uol. 7 de outubro de 2012. Consultado em 29 de abril de 2015. 
  35. a b «Coleta mecanizada melhora destinação do lixo em cidade do RS». G1. 28 de maio de 2012. Consultado em 23 de abril de 2015. 
  36. a b Clarisse de Freitas (15 de setembro de 2011). «Porto Alegre aprova a coleta mecanizada de Lixo». Jornal do Comércio. Consultado em 23 de abril de 2015. 
  37. André Fiedle (21 de junho de 2014). «Programa Troca Solidária, de Caxias do Sul, completa cinco anos». Gaúcha. Consultado em 23 de abril de 2015. 
  38. «Caxias: programa troca lixo por alimento». SerraNossa. 6 de dezembro de 2011. Consultado em 23 de abril de 2015. 
  39. «Caxias do Sul, no RS, troca lixo por comida». G1. 28 de maio de 2014. Consultado em 23 de abril de 2015. 
  40. «PF doa ônibus para Cipave em Caxias». Pioneiro. 20 de novembro de 2009. Consultado em 29 de abril de 2015. 
  41. «Goularte reúne secretários de 10 municípios gaúchos para intercâmbio nas questões de Segurança Pública». Click Soledade. 28 de julho de 2009. Consultado em 29 de abril de 2015. 
  42. a b c «‘Está tudo asfaltado’». Lattualita. 26 de novembro de 2012. Consultado em 29 de abril de 2015. 
  43. «Conheça o Sistema Marrecas, que vai garantir o abastecimento de água em Caxias do Sul pelos próximos 20 anos». Pioneiro. Consultado em 23 de abril de 2015. 
  44. «Sistema Marrecas» (PDF). Pioneiro. Consultado em 23 de abril de 2015. 
  45. a b «Sistema Marrecas começa a funcionar neste sábado, em Caxias do Sul». Pioneiro. 12 de setembro de 2014. Consultado em 23 de abril de 2015. 
  46. «Iniciam as obras da adutora de água bruta do Sistema Marrecas». TV Soluções. 13 de julho de 2009. Consultado em 23 de abril de 2015. 
  47. «Quase dois após inauguração, Sistema Marrecas entra em funcionamento neste sábado». Finger. 12 de setembro de 2014. Consultado em 23 de abril de 2015. 
  48. Eduardo Kopp (22 de dezembro de 2012). «Dilma Rousseff inaugura sistema Marrecas». Serra Nossa. Consultado em 23 de abril de 2015. 
  49. Cristiane Barcelos (22 de dezembro de 2014). «Inaugurado há dois anos em Caxias do Sul, Sistema Marrecas deve abastecer oito mil casas ainda em 2014». Pioneiro. Consultado em 23 de abril de 2015. 
  50. «Sistema Marrecas está parado de novo em Caxias do Sul». Gazeta Caxias. Consultado em 23 de abril de 2015. 
  51. Cristiane Barcelos e Adriano Duarte (2 de março de 2015). «Sistema Marrecas está parado em Caxias do Sul». Pioneiro. Consultado em 23 de abril de 2015. 
  52. a b «Acordo suspende greve dos médicos em Caxias do Sul». Federação Nacional dos Médicos. 6 de janeiro de 2012. Consultado em 23 de abril de 2015. 
  53. Jiliana Bublitz (18 de outubro de 2014). «Acertos e escorregões de Tarso e Sartori no Dia do Candidato». Zero Hora. Consultado em 23 de abril de 2015. 
  54. «Condução da prefeitura na greve dos médicos gera debate». Câmara de Vereadores de Caxias do Sul. 26 de junho de 2011. Consultado em 23 de abril de 2015. 
  55. Babiana Mugnol (27 de dezembro de 2011). «Greve dos médicos em Caxias do Sul acaba depois de oito meses». Pioneiro. Consultado em 23 de abril de 2015. 
  56. Greice Scotton (13 de maio de 2011). «Greve dos Médicos em Caxias do Sul perto do fim». Serra Nossa. Consultado em 23 de abril de 2015. 
  57. Juliana Bevilaqua (3 de outubro de 2011). «Denúncia contra prefeito de Caxias do Sul está na Câmara de Vereadores». Pioneiro. Consultado em 23 de abril de 2015. 
  58. «Câmara reprova texto que pede o Impeachment do Prefeito de Caxias». Rede Sul. 4 de outubro de 2011. Consultado em 23 de abril de 2015. 
  59. «Governo Sartori tem 89,8% de aprovação pela Fato Pesquisa». Click RBS. 25 de agosto de 2008. Consultado em 29 de abril de 2015. 
  60. a b «Pesquisa do Ibope mostra aprovação de 75% da administração do prefeito José Ivo Sartori, em Caxias do Sul». Pioneiro. 4 de setembro de 2012. Consultado em 29 de abril de 2015. 
  61. «José Ivo Sartori diz que o tempo como prefeito de Caxias do Sul passou rápido». Pioneiro. 20 de outubro de 2012. Consultado em 12 de abril de 2015. 
  62. Amilton Belmonte (7 de outubro de 2014). «Tarso e Sartori estão de olho nas alianças para o segundo turno». Diário de Canoas. Consultado em 13 de abril de 2015. 
  63. «Convenção do PMDB gaúcho oficializa candidatura de José Ivo Sartori ao Piratini e apoio a Eduardo Campos». Sul 21. 29 de junho de 2014. Consultado em 13 de abril de 2015. 
  64. Carlos Rollsing (21 de agosto de 2014). «Sartori decide manter apoio dado à chapa do PSB». Zero Hora. Consultado em 13 de abril de 2015. 
  65. «Pesquisa Methodus: Ana Amélia lidera intenções de voto ao governo do Estado». Zero Hora. 5 de dezembro de 2013. Consultado em 12 de abril de 2015. 
  66. Itamar Melo (6 de outubro de 2014). «Sartori: braços abertos ao segundo turno». Zero Hora. Consultado em 13 de abril de 2015. 
  67. «Saiba por que Sartori e Tarso disputarão o segundo turno no Rio Grande do Sul». Zero Hora. 6 de outubro de 2014. Consultado em 13 de abril de 2015. 
  68. Diego Guichard (27 de outubro de 2014). «Campanha nas redes sociais vira trunfo para crescimento de Sartori». G1. Consultado em 13 de abril de 2015. 
  69. Flavia Bemfica (6 de outubro de 2014). «Conjunto de fatores explica reviravolta na eleição no RS». Terra. Consultado em 13 de abril de 2015. 
  70. «Eleições 2014: Sartori e Genro estão no segundo turno no RS». EBC. 5 de outubro de 2014. Consultado em 13 de abril de 2015. 
  71. Flavia Bemfica (9 de outubro de 2014). «RS: candidato Ivo Sartori confirma apoio a Aécio Neves». Terra. Consultado em 14 de abril de 2015. 
  72. Lucas Azevedo (7 de outubro de 2014). «PP de Ana Amélia e PSDB anunciam apoio a Sartori no Rio Grande do Sul». UOL. Consultado em 14 de abril de 2015. 
  73. «Sartori (PMDB) vence e mantém tradição de "cemitério de governadores" do RS». Uol. 26 de outubro de 2014. Consultado em 13 de abril de 2015. 
  74. «Declaração de candidato revolta professores no RS». Brasil 247. 21 de outubro de 2014. Consultado em 13 de abril de 2015. 
  75. «Com 60%, José Ivo Sartori abre vantagem de 20 pontos sobre Tarso Genro no Ibope». Ig. 17 de outubro de 2014. Consultado em 13 de abril de 2015. 
  76. «Ibope: Sartori aparece com 52%, Tarso tem 34%». Zero Hora. 17 de outubro de 2014. Consultado em 13 de abril de 2015. 
  77. «José Ivo Sartori, do PMDB, é eleito governador do Rio Grande do Sul». G1. 26 de outubro de 2014. Consultado em 13 de abril de 2015. 
  78. Marcelo Gonzatto (26 de outubro de 2014). «Veja mapa: Sartori venceu em 93% dos municípios». Zero Hora. Consultado em 13 de abril de 2015. 
  79. Jogelci Do Carmo. «Sartori é eleito o novo governador do RS com a maior vantagem da história do 2º turno». O Alto Uruguai. Consultado em 30 de abril de 2015. 
  80. Kelly Matos (1º de janeiro de 2015). «José Ivo Sartori toma posse nesta quinta como novo governador do RS». Gaúcha. Consultado em 29 de abril de 2015. 
  81. Daniel Favero (1º de janeiro de 2015). «Sartori toma posse com cortes de gastos e protesto no RS». Terra. Consultado em 29 de abril de 2015. 
  82. Felipe Bachtold (1º de janeiro de 2015). «Governador do RS inicia 2015 com quebra-cabeça para acomodar aliados». Folha de S.Paulo. Consultado em 29 de abril de 2015. 
  83. Kelly Matos (5 de janeiro de 2015). «Piratini publica decreto que congela concursos e nomeações por 6 meses». Zero Hora. Consultado em 29 de abril de 2015. 
  84. «Sartori sobre 100 dias de gestão: "trabalho e austeridade"». Brasil 217. 10 de abril de 2015. Consultado em 29 de abril de 2015. 
  85. «José Ivo Sartori suspende pagamentos de dívidas da gestão anterior». Dário de Pernambuco. 2 de janeiro de 2015. Consultado em 29 de abril de 2015. 
  86. «Com 33 parlamentares aliados, governo tem maioria de deputados na Assembleia». Águas Claras. 6 de fevereiro de 2015. Consultado em 30 de abril de 2015. 
  87. «ASSEMBLEIA DO RS APROVA AJUSTE FISCAL DE SARTORI». Sul 21. BRASIL 247. 29 de dezembro de 2015. Consultado em 31 de dezembro de 2015. 
  88. «Conheça as fases do ajuste fiscal de Sartori». Zero Hora. 30 de dezembro de 2015. Consultado em 31 de dezembro de 2015. 
  89. «Veja como cada deputado votou na proposta de aumento do ICMS no RS». G1. 23 de setembro de 2015. Consultado em 31 de dezembro de 2015. 
  90. Eduardo Matos (23 de setembro de 2015). «Em votação apertada, Assembleia aprova aumento de impostos no RS». Rádio Gaúcha. Consultado em 31 de dezembro de 2015. 
  91. Daniel Favero (31 de julho de 2015). «Governo do RS parcela salários e PM quer prisão de Sartori». Terra. Consultado em 31 de dezembro de 2015. 
  92. «Servidores estaduais do RS realizarão greve geral na próxima semana». G1. 28 de agosto de 2015. Consultado em 31 de dezembro de 2015. 
  93. «Professores da rede estadual do RS decidem suspender greve». G1. 11 de setembro de 2015. Consultado em 31 de dezembro de 2015. 
  94. Mauricio Tonetto (11 de setembro de 2015). «Greve na segurança pública termina, mas atendimento segue restrito». Zero Hora. Consultado em 31 de dezembro de 2015. 
  95. «Governo anuncia pagamento em 4 parcelas dos salários dos servidores». G1. 31 de agosto de 2015. Consultado em 31 de dezembro de 2015. 
  96. «Governo do RS diz que irá 'contar os centavos' para pagar salários». G1. 27 de outubro de 2015. Consultado em 31 de dezembro de 2015. 
  97. «Salário dos servidores do RS é pago de forma parcelada nesta segunda». G1. 30 de novembro de 2015. Consultado em 31 de dezembro de 2015. 
  98. «Pelo quarto mês seguido, União bloqueia contas do governo do RS». G1. 3 de novembro de 2015. Consultado em 31 de dezembro de 2015. 
  99. «Eleições de 15 de novembro de 1982» (PDF). Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul. Consultado em 23 de abril de 2015. 
  100. «Eleições de 15 de novembro de 1986» (PDF). Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul. Consultado em 23 de abril de 2015. 
  101. «Resultados da eleição gerla de 1990». Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul. Consultado em 23 de abril de 2015. 
  102. «Eleições 1994: Deputado estadual». Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul. Consultado em 23 de abril de 2015. 
  103. «Acompanhamento da apuração das eleições de 1998». Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul. Consultado em 23 de abril de 2015. 
  104. «Eleições municipais de 2000: Caxias do Sul». Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul. Consultado em 23 de abril de 2015. 
  105. «Eleições 2002: Deputado federal». Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul. Consultado em 23 de abril de 2015. 
  106. «Caxias do Sul: Prefeito (Resultado Final)». Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul. Consultado em 23 de abril de 2015. 
  107. «Caxias do Sul: Prefeito (Resultado Final)». Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul. Consultado em 23 de abril de 2015. 
  108. «Eleições 2008: Caxias do Sul». Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul. Consultado em 23 de abril de 2015. 
  109. «Eleições 2014: 1º turno». Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul. Consultado em 23 de abril de 2015. 
  110. «Eleições 2014: 2º turno». Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul. Consultado em 23 de abril de 2015. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikiquote Citações no Wikiquote
Commons Imagens e media no Commons
Precedido por
Tarso Genro
Governador do Rio Grande do Sul
2015 — presente
Sucedido por
'
Precedido por
Pepe Vargas
Prefeito de Caxias do Sul
2005 — 2013
Sucedido por
Alceu Barbosa Velho