Eleições estaduais no Acre em 2014

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
‹ 2010 Brasil 2018
Eleições estaduais no  Acre em 2014
5 de outubro de 2014
(Primeiro turno)
26 de outubro de 2014
(Segundo turno)
Tiaoviana01022007.jpg Deputado Federal Márcio Bittar.jpg
Candidato Tião Viana Márcio Bittar
Partido PT PSDB
Natural de Rio Branco, AC Franca, SP
Vice Nazareth Araújo Antônia Sales
Votos 196.509 186.658
Porcentagem 51,29% 48,71%


Acre
Governador do Acre

Titular
Tião Viana
PT

Eleito
Tião Viana
PT

As eleições estaduais no Acre em 2014 aconteceram em 5 de outubro, como parte das eleições em 26 estados e no Distrito Federal. Foram eleitos o governador Tião Viana, a vice-governadora Nazareth Araújo e o senador Gladson Cameli além de oito deputados federais e vinte e quatro estaduais.[1] Como nenhum dos candidatos a governador recebeu mais da metade do votos válidos houve um segundo turno em 26 de outubro entre Tião Viana e Márcio Bittar com vitória daquele. Pela Constituição, o governador será eleito para um mandato de quatro anos a se iniciar em 1º de janeiro de 2015.[2][3]

O quadro político acriano traz algumas singularidades como o fato de o PT ser o único partido a apresentar candidatos ao Palácio Rio Branco desde a volta das eleições diretas para governador em 1982 e além disso em seis dessas oportunidades a legenda foi representada ou por Jorge Viana ou por seu irmão, Tião Viana, este candidato a reeleição.[1] Vitorioso às disputas pelo governo do estado desde 1998, o petismo venceu ainda metade das eleições para prefeito de Rio Branco realizadas desde o começo da Nova República em 1985 e em seus quadros já militaram pessoas como Chico Mendes e Marina Silva. O predomínio dos petistas surgiu após trinta e cinco anos onde o Acre sustentou um bipartidarismo originário do Regime Militar de 1964 no qual o PMDB e o extinto PDS (atual PP) disputavam os espaços políticos do estado.

Médico formado em 1986 pela Universidade Federal do Pará, o governador Tião Viana nasceu em Rio Branco e tem especialização em Medicina Tropical com residência em Doenças Infecciosas e Parasitárias em Brasília. Exerceu sua profissão na capital acriana e serviu voluntariamente ao Comando de Fronteira Acre – IV Batalhão de Infantaria de Selva. Representante da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical no Acre, foi laureado Doutor em Medicina Tropical na Universidade de Brasília em 2003. Sempre filiado ao PT, elegeu-se senador em 1998 e 2006 e governador do Acre em 2010, mandato ao qual foi reconduzido no ano de 2014.[4][nota 1][nota 2]

A vitória de Tião Viana resultou na eleição de Nazareth Araújo como vice-governadora do Acre. Natural do Rio de Janeiro, formou-se em Direito na Universidade de Brasília com pós-graduação em Direito Público pela Universidade Federal de Pernambuco e em Competências Gerenciais pela Fundação Getúlio Vargas.[5] Tornou-se procuradora em 1994, foi procuradora-geral do estado no governo Binho Marques e subchefe de Assuntos Jurídicos da Casa Civil no primeiro governo Tião Viana. Filiada ao PT, foi eleita vice-governadora do Acre em 2004 na chapa que reelegeu o chefe do executivo estadual. Primeira mulher eleita para a vice-governadoria desde Iolanda Fleming em 1982, Nazareth Araújo é filha de José Augusto de Araújo, que em 1962 tornou-se o primeiro governador acriano eleito pelo voto direto embora tenha sido cassado pelo Regime Militar de 1964.[6]

Nascido em Cruzeiro do Sul, o engenheiro civil Gladson Cameli é formado no Instituto Luterano de Ensino Superior de Manaus e exerceu a profissão em empresas de sua família. Sobrinho de Orleir Cameli,[7] militou em duas outras legendas, mas foi ao ingressar no PP que iniciou sua carreira política ao eleger-se deputado federal em 2006 e 2010 e senador em 2014.[8] Foi a primeira vez que os acrianos elegeram um senador cujo partido tem ligações com a ARENA e o PDS, legendas que sustentaram os governos militares, desde as vitórias de José Guiomard e Jorge Kalume em 1978.[9][nota 3]

Resultado da eleição para governador[editar | editar código-fonte]

Primeiro turno[editar | editar código-fonte]

Com informações extraídas do Tribunal Superior Eleitoral que apurou 388.590 votos nominais.[1][10]

Candidato a governador(a) do estado
Candidato a vice-governador(a) Número Coligação Votação Percentual
Tião Viana
PT
Nazareth Araújo
PT
13
Frente Popular do Acre
(PT, PDT, PCdoB, PSB, PTB, PCB, PSL, PSDC, PTN, PPL, PROS, PRP, PHS, PEN)
193.253
49,73%
Márcio Bittar
PSDB
Antônia Sales
PMDB
45
Aliança por um Acre melhor
(PSDB, PMDB, PP, PSC, PSD, PRB, PPS, PTdoB, SD, PTC)
116.948
30,10%
Tião Bocalom
DEM
Henrique Afonso
PV
25
Produzir Para Empregar
(DEM, PV, PMN)
76.218
19,61%
Antônio Rocha
PSOL
Danis Cleia
PSOL
50
PSOL
(sem coligação)
2.171
0,56%
  Segundo turno

Segundo turno[editar | editar código-fonte]

Com informações extraídas do Tribunal Superior Eleitoral que apurou 383.167 votos nominais.[1][10]

Candidato a governador(a) do estado
Candidato a vice-governador(a) Número Coligação Votação Percentual
Tião Viana
PT
Nazareth Araújo
PT
13
Frente Popular do Acre
(PT, PDT, PCdoB, PSB, PTB, PCB, PSL, PRB, PSDC, PTN, PPL, PROS, PRP, PHS, PEN)
196.509
51,29%
Márcio Bittar
PSDB
Antônia Sales
PMDB
45
Aliança por um Acre melhor
(PSDB, PMDB, PP, PSC, PSD, PRB, PPS, PTdoB, SD, PTC)
186.658
48,71%
  Eleito(a)

Resultado da eleição para senador[editar | editar código-fonte]

Com informações extraídas do Tribunal Superior Eleitoral que apurou 374.813 votos nominais.[1][10]

Candidatos a senador da República
Candidatos a suplente de senador Número Coligação Votação Percentual
Gladson Cameli
PP
Mailza Gomes
PSDB
José Afonso Teixeira
PSC
111
Aliança por um Acre melhor
(PSDB, PMDB, PP, PSC, PSD, PPS, PTdoB, SD, PTC)
218.756
58,36%
Perpétua Almeida
PCdoB
Davi Santiago
PSB
Pedro Longo
PSL
654
Frente Popular do Acre
(PT, PCdoB, PSB, PTB, PDT, PCB, PSL, PRB, PSDC, PTN, PPL, PROS, PRP, PHS, PEN)
136.706
36,47%
Roberto Duarte
PMN
Maria Rodrigues
PV
Sandra Saldo
PR
333
Produzir Para Empregar
(DEM, PV, PR, PMN, PSTU)
17.119
4,57%
Fortunato Martins
PSOL
Paulo Cahu
PSOL
Hudson da Rocha
PSOL
500
PSOL
(sem coligação)
2.232
0,60%
  Eleito(a)

Deputados federais eleitos[editar | editar código-fonte]

São relacionados os candidatos eleitos com informações complementares da Câmara dos Deputados. Ressalte-se que os votos em branco eram considerados válidos para fins de cálculo do quociente eleitoral nas disputas proporcionais até 1997, quando essa anomalia foi banida de nossa legislação.[11][12][1][10]

Deputados federais eleitos Partido Votação Percentual Cidade onde nasceu Unidade federativa
Raimundo Angelim PT 39.844 9,98% Rio Branco  Acre
César Messias PSB 26.448 6,63% Cruzeiro do Sul  Acre
Major Rocha PSDB 23.466 5,88% Sena Madureira  Acre
Leo de Brito PT 20.876 5,23% Rio Branco  Acre
Jéssica Sales PMDB 20.339 5,09% Cruzeiro do Sul  Acre
Sibá Machado PT 18.395 4,61% União  Piauí
Flaviano Melo PMDB 18.372 4,60% Rio Branco  Acre
Alan Rick PRB 17.903 4,48% Rio Branco  Acre

Deputados estaduais eleitos[editar | editar código-fonte]

Estavam em jogo vinte e quatro cadeiras na Assembleia Legislativa do Acre.[1][10]

Deputados estaduais eleitos Partido Votação Percentual Cidade onde nasceu Unidade federativa
Ney Amorim PT 10.213 2,52% Rio Branco  Acre
Daniel Zen PT 7.499 1,85% Rio Branco  Acre
Jonas Lima PT 7.222 1,78% Mâncio Lima  Acre
Josa da Farmácia PTN 6.933 1,71% Cruzeiro do Sul  Acre
Lourival Marques PT 6.585 1,62% Rio Branco  Acre
Leila Galvão PT 6.167 1,52% Brasileia  Acre
Maria Antônia Barbosa PROS 6.100 1,50% Brasileia  Acre
Eber Machado PSDC 5.300 1,31% Rio Branco  Acre
Manoel Moraes PSB 5.180 1,28% Rio Branco  Acre
Chagas Romão PMDB 4.893 1,21% Xapuri  Acre
Janilson Leite PCdoB 4.439 1,09% Tarauacá  Acre
Eliane Sinhasique PMDB 4.138 1,02% Guaíra  Paraná
Raimundinho da Saúde PTN 3.886 0,96% Cruzeiro do Sul  Acre
Luiz Gonzaga Alves PSDB 3.833 0,95% Cruzeiro do Sul  Acre
Nicolau Júnior PP 3.827 0,94% Cruzeiro do Sul  Acre
Juliana Oliveira PRB 3.813 0,94% Rio Branco  Acre
Gehlen Diniz PP 3.785 0,93% Sena Madureira  Acre
André da Droga Vale PRP 3.733 0,92% Rio Branco  Acre
Nelson Sales PV 3.557 0,88% Sena Madureira  Acre
Jesus Sérgio PDT 3.483 0,86% Tarauacá  Acre
Jairo Carvalho PSD 3.134 0,77% Rio Branco  Acre
Antônio Pedro Mendonça DEM 2.876 0,71% Xapuri  Acre
Whendy Lima PR 2.701 0,67% Rio Branco  Acre
Heitor Júnior PDT 2.683 0,56% Guajará-Mirim  Rondônia

Notas

  1. A unidade do Exército Brasileiro supra mencionada atendia pelo antigo nome de "4º Batalhão Especial de Fronteiras do Estado do Acre".
  2. Sua renúncia ao mandato de senador a fim de assumir o governo acriano resultou na efetivação de Aníbal Diniz.
  3. Naquele ano a ARENA reelegeu José Guiomard por via indireta graças aos ditames do Pacote de Abril enquanto Jorge Kalume foi eleito em sublegenda numa disputa férrea contra os candidatos do MDB. Durante a legislatura os senadores em questão ingressariam no PDS.

Referências

  1. a b c d e f g «Banco de dados do Tribunal Superior Eleitoral». Consultado em 4 de agosto de 2017 
  2. «BRASIL. Presidência da República. Constituição de 1988». Consultado em 4 de agosto de 2017 
  3. «BRASIL. Presidência da República. Lei n.º 9.504 de 30/09/1997». Consultado em 4 de agosto de 2017 
  4. «Senado Federal do Brasil: senador Tião Viana». Consultado em 4 de agosto de 2017 
  5. «Procuradora Nazareth Araújo é eleita vice-governadora do Acre (anape.org.br)». Consultado em 4 de agosto de 2017 
  6. «Câmara dos Deputados do Brasil: deputado José Augusto de Araújo». Consultado em 4 de agosto de 2017 
  7. «Ex-governador do Acre Orleir Cameli morre em Manaus (g1.globo.com)». Consultado em 4 de agosto de 2017 
  8. «Câmara dos Deputados do Brasil: deputado Gladson Cameli». Consultado em 4 de agosto de 2017 
  9. «Senado Federal do Brasil: senador Gladson Cameli». Consultado em 4 de agosto de 2017 
  10. a b c d e «Eleições estaduais no Acre em 2014 (G1 eleições 2014)». Consultado em 4 de agosto de 2017 
  11. «Página oficial da Câmara dos Deputados». Consultado em 7 de outubro de 2014. Arquivado do original em 2 de outubro de 2013 
  12. «BRASIL. Presidência da República: Lei nº 9.504 de 30/09/1997». Consultado em 7 de outubro de 2014