Partido Republicano Progressista

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde Janeiro de 2014). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Partido Republicano Progressista (desambiguação).
Partido Republicano Progressista
Número eleitoral 44
Presidente Ovasco Roma Altimari Resende
Fundação 24 de maio de 1989 (27 anos)
Registro 22 de novembro de 1991 (25 anos)[1]
Ideologia Neorepublicanismo
Progressismo
Humanismo
Socialismo Democrático
Espectro político Centro-esquerda
Membros  (2016) 248 717[2]
Deputados federais (2014)[3]
3 / 513
Vereadores (2012)[4]
567 / 56 810
Cores      Azul

     Amarelo

Site
www.prp.org.br
Política do Brasil

Partidos políticos

Eleições

Partido Republicano Progressista (PRP) é um partido político brasileiro. Seu número eleitoral é o 44[5], disputa todas as eleições brasileiras desde 1990 e obteve registro definitivo em 22 de novembro de 1991. Foi organizado para reunir o legado político de Ademar de Barros.

Para o presidente Ovasco Resende, a busca da igualdade para o povo brasileiro é meta pétrea do Partido Republicano Progressista (PRP), apesar de reconhecer, tal qual Robert Dahl, que “aparentemente a desigualdade – não a igualdade – é uma condição natural da humanidade”. Entretanto, também baseado em Dahl, Resende acredita que “a democracia ajuda as pessoas a proteger seus próprios interesses fundamentais”. Tendo como metas a busca da igualdade, a garantia da inviolabilidade dos direitos individuais e coletivos e a conquista do verdadeiro estado de bem-estar social, o Partido Republicano Progressista (PRP) trilha os caminhos da centro-esquerda sem desprezar de forma alguma as transformações latentes no mundo, advindas do processo de globalização iniciado ainda nos primórdios da Revolução Mercantilista.

Foi dirigido por Ademar de Barros Filho, fazendo referência aos velhos PRP e PSP ademaristas. Quando da criação do PPB, em 1995, juntando o PPR malufista ao PP, o então deputado federal Ademar de Barros Filho tentou incluir o PRP na fusão, mas a proposta foi rechaçada pela Convenção Nacional. Ademar se retirou da legenda e foi substituído pelo seu vice, Dirceu Gonçalves Resende, natural de São José do Rio Preto, político de renome na região de Jales, onde teve vários cargos políticos. Dirigiu nacionalmente o PRP até seu falecimento, em 2003. A partir daí, a legenda vem sendo dirigida por seu filho, Ovasco Resende.

Outro Partido Republicano Progressista, que aliás inspirou o novo, dirigido por Ademar de Barros, foi o criado em 1945, e disputou as eleições para a Assembleia Nacional Constituinte eleita no mesmo ano. Em 1946, fundiu-se ao PPS, de Miguel Reale, e ao PAN, de Álvaro Rolim Telles, para formar o Partido Social Progressista, que durou até a extinção dos partidos pelo AI-2 em 1965.

Nas eleições de 2006, o PRP concorreu pela primeira vez à Presidência da República. A cientista política Ana Maria Rangel foi escolhida como candidata do partido ao principal cargo político do Brasil, tendo ficado em quinto lugar, com 126.404 votos. Em 1998, lançou Oswaldo Souza Oliveira como candidato à presidência, mas ele acabou desistindo.

Em 2014 o PRP elegeu 3 deputados federais e 12 deputados estaduais, sendo 3 deputados estaduais somente no Estado do Espírito Santo.[6]

Ranking da corrupção[editar | editar código-fonte]

Com base em dados divulgados pelo Tribunal Superior Eleitoral, o Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral divulgou um balanço, em 4 de outubro de 2007, com os partidos com maior número de parlamentares cassados por corrupção desde o ano 2000. O PRP aparece em décimo-quarto (e último) lugar na lista, com uma única cassação, empatado com Partido Humanista da Solidariedade (PHS), Partido de Reedificação da Ordem Nacional (PRONA) e Partido Verde (PV).

Bancada na Câmara dos Deputados[editar | editar código-fonte]

Composição atual[editar | editar código-fonte]

Deputados AC AL AM AP BA CE DF ES GO MA MG MS MT PA PB PE PI PR RJ RN RO RR RS SC SE SP TO
4 0 1 0 0 0 0 0 0 0 1 1 0 0 0 0 0 0 0 1 0 0 0 0 0 0 0 0

Bancada eleita para a legislatura[editar | editar código-fonte]

Legislatura Eleitos  % AC AL AM AP BA CE DF ES GO MA MG MS MT PA PB PE PI PR RJ RN RO RR RS SC SE SP TO Diferença
55ª (2015-2019)
3 0,58 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 1 0 0 0 0 0 0 0 1 0 0 0 0 0 0 0 0 +1
54ª (2011-2015)
2 0,39 0 0 0 0 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 0 0 0 0 0 +2
53ª (2007-2011)
0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 ±0
52ª (2003-2007)
0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 ±0
51ª (1999-2003)
0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Fonte: Portal da Câmara dos Deputados - Bancada na Eleição.

Participação do partido nas eleições presidenciais[editar | editar código-fonte]

Ano Candidata a Presidente Candidata a Vice-Presidente Coligação Votos  % Colocação
2014 Marina Silva (PSB) Beto Albuquerque (PSB) PSB, PHS, PRP, PPS, PPL e PSL 22.176.619 21,32
2006 Ana Maria Rangel Delma Gama sem coligação 126.404 0,13

Referências

  1. Tribunal Superior Eleitoral (TSE). «TSE - Partidos políticos registrados no TSE». Consultado em 7 de novembro de 2015. 
  2. Tribunal Superior Eleitoral (abril de 2016). «Filiados». Consultado em 08 de maio de 2016. 
  3. «Bancada da Eleição de 2014 para Deputado Federal (Titulares)». Câmara dos Deputados. Consultado em 3 de fevereiro de 2015. 
  4. «Vereadores Eleitos no País em 2012». G1. 
  5. Tribunal Superior Eleitoral: Partidos políticos registrados no TSE, acessado em 30 de Setembro de 2010
  6. «candidatos eleitos pelo PRP, Confira quem são». Site PRP. Consultado em 10 de outubro de 2014. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]