Partido Social Democrático (2011)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para o partido criado em 1945 e incorporado ao PTB em 2003, veja Partido Social Democrático (1945–2003).
Partido Social Democrático
Número eleitoral 55
Presidente Alfredo Cotait Neto
Fundação 21 de março de 2011 (6 anos)
Registro 27 de setembro de 2011 (5 anos)[1]
Sede Brasília
Ideologia Social-Democracia
Liberalismo econômico
Liberalismo Social
Terceira via

Responsabilidade fiscal

Espectro político Centro[2]
Membros 313 184[3]
Governadores (2014)[4]
3 / 27
Prefeitos (2016)[5]
539 / 5 568
Senadores (2017)[6]
5 / 81
Deputados federais (2016)[7]
35 / 513
Deputados estaduais (2016)[8]
75 / 1 024
Vereadores (2016)[9]
4 638 / 56 810
Cores      Azul

     Verde      Laranja

Página oficial
www.psd.org.br
Política do Brasil

Partidos políticos

Eleições

Partido Social Democrático (PSD) é um partido político brasileiro.[10] Seu número é 55.[11][12]

História[editar | editar código-fonte]

O partido foi concebido a partir de políticos dissidentes do partido Democratas, do Partido Progressista, do PSDB, entre outros, encabeçados pelo então prefeito de São Paulo e Presidente Nacional do partido, Gilberto Kassab.[13] Além de Kassab, o ex-vice-governador de São Paulo Guilherme Afif Domingos, o Senador pelo Acre Sérgio Petecão, o governador de Santa Catarina Raimundo Colombo, o ex-governador e senador do Amazonas Omar Aziz,[14] o ex-vice-governador da Paraíba Rômulo Gouveia e o deputado federal pelo Rio de Janeiro Indio da Costa integram o PSD.[13]

A escolha do nome do partido trata-se de uma homenagem ao ex-presidente da República Juscelino Kubitschek, filiado ao homônimo Partido Social Democrático, que existiu entre 1945 e 1965.[15]

O partido estreou em eleições em 2012, após ter garantido pelo STF direito à cota do Fundo Partidário e ao tempo de propaganda eleitoral gratuita condizentes com o tamanho da bancada na Câmara Federal. O partido foi o quarto a conseguir eleger prefeitos (497 cidades), ficando atrás apenas de PMDB, PSDB e PT.[16] Entre as prefeituras, conseguiu eleger César Souza Júnior em Florianópolis[16], Alexandre Kireeff em Londrina e Darcy Vera em Ribeirão Preto.

Diretrizes[editar | editar código-fonte]

  • Defesa das liberdades de expressão e opinião e ao direito do cidadão à informação. Contra qualquer tipo de censura, controle, restrição ou regulamentação da mídia.
  • Partido intransigente na condenação e denúncia pública da corrupção e dos malfeitos. Apoio á sociedade, ao trabalhador, aos jovens, e à família brasileira que exigem respeito ao dinheiro público e comportamento ético, coerência e honestidade de seus governantes e da classe política.
  • O exercício da política tem de ser responsável, transparente, não comporta conluios, conchavos ou sombras.
  • Defesa do voto distrital, com introdução gradual, inicialmente nos 85 municípios com 200 mil ou mais eleitores onde hoje há segundo turno.
  • Defesa a iniciativa e a propriedade privadas, a economia de mercado como o regime capaz de gerar riqueza e desenvolvimento, sem os quais não se erradica a pobreza. Estado forte, regulador, mas democrático e centrado nas suas prioridades sociais.
  • Apoio as políticas sociais aos que mais precisam do amparo do estado, e a necessidade de abrir as portas de entrada do emprego digno para esses cidadãos. Deve-se isso ao Brasil que quer e precisa se modernizar, se tornar mais ágil, se libertar das impossibilidades e oferecer, de verdade, igualdade de oportunidade aos que querem se profissionalizar, gerir seu próprio negócio e vencer na vida. O PSD contará com a experiência de algumas das mais importantes lideranças sindicais do Brasil para defender políticas de inclusão social e desenvolvimento trabalhista.
  • O PSD aposta na agricultura e na pecuária – como parte da cadeia produtiva do agronegócio – que libertou do atraso histórico as populações do campo, transformando antigos proprietários rurais em empresários e criando uma nova classe de trabalhadores especializados e valorizados. Mas fazemos questão de lembrar e valorizar a multidão de pequenos produtores, uma classe batalhadora que carrega o Brasil nas costas.
  • O PSD apoia e defende a preservação do meio ambiente como fator de sobrevivência do homem e da própria vida do planeta. É possível alargar as fronteiras da produção, de maneira sustentável e responsável.
  • O PSD exige a exposição clara, em todos os produtos comercializados, de todos os impostos ocultos nos preços dos bens e serviços, para que o cidadão saiba o que paga e o que tem direito a receber de volta do Estado. Pago, logo exijo: esse é o cidadão alerta e ativo que queremos.
  • O PSD não fará oposição pela oposição. Faremos política para ajudar o Brasil. Nossos adversários não são inimigos a eliminar, mas cidadãos com os quais vamos dialogar, sem violências ou radicalismos.
  • Temos democracia, direitos, liberdade, conquistas e avanços sociais. Nossa Constituição está aí, em pleno funcionamento. Mas temos ainda enormes desigualdades sociais, fome e injustiças.
  • Sem violentar direitos e liberdades já conquistados, vamos enfrentar os pontos fundamentais que estão travando e obstruindo o desenvolvimento do Brasil. Com nossas crenças e uma constituinte exclusiva em 2014, vamos à luta unidos para construir um País mais moderno e desenvolvido, mais ético, justo, e solidário.

Bancada na Câmara dos Deputados[editar | editar código-fonte]

Composição atual[editar | editar código-fonte]

Deputados AC AL AM AP BA CE DF ES GO MA MG MS MT PA PB PE PI PR RJ RN RO RR RS SC SE SP TO
36 0 0 1 1 5 1 1 0 2 1 5 0 1 2 1 0 1 2 1 1 1 0 1 3 1 2 0

Participação do partido nas eleições presidenciais[editar | editar código-fonte]

Ano Candidato a Presidente Candidato(a) a Vice-Presidente Coligação Votos  % Colocação
2014 Dilma Rousseff (PT) Michel Temer (PMDB) PT, PMDB, PSD, PP, PR, PROS, PDT, PCdoB e PRB 54.501.118 votos 51,64

Presidentes[editar | editar código-fonte]

Nome Mandato Ref.
Gilberto Kassab Fundação - 05/01/2015 [17]
Guilherme Campos 05/01/2015 - ? [17]
Alfredo Cotait Neto ? - atualidade


Referências

  1. Tribunal Superior Eleitoral (TSE). «TSE - Partidos políticos registrados no TSE». Consultado em 7 de novembro de 2015 
  2. [1]
  3. Tribunal Superior Eleitoral (outubro de 2016). «Filiados». Consultado em 08 de maio de 2016  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  4. «Veja os 27 governadores eleitos». G1 
  5. «PSD cresce nas eleições e pretende rivalizar com PSDB no governo». G1 
  6. «Senadores em Exercício 55ª Legislatura (2015 - 2019)». UOL 
  7. «Apenas 3 dos 35 deputados do PSD, de Meirelles, registraram presença ontem». Folha de S. Paulo. Consultado em 13 de outubro de 2016 
  8. «Deputados estaduais 2010». UOL 
  9. «Eleição consolida PSD entre as quatro maiores forças políticas do País». G1 
  10. «Justiça Eleitoral aprova criação do PSD de Kassab». folha.uol.com.br. Consultado em 27 de setembro de 2011 
  11. «PSD faz convenção nacional e elege Kassab presidente da sigla». noticias.terra.com.br. Consultado em 13 de agosto de 2011 
  12. Tribunal Superior Eleitoral. «Partidos políticos registrados no TSE». Consultado em 29 de outubro de 2012 
  13. a b «Kassab deve anunciar criação de partido até fim do mês». noticias.R7.com. Consultado em 13 de março de 2011 
  14. [2]
  15. «Kassab lança novo partido em Salvador no domingo». Ig.com.br. Consultado em 19 de março de 2011 
  16. a b Terra (29 de outubro de 2012). «Novato em eleições, partido de Kassab terá 1 capital e 496 cidades». Consultado em 29 de outubro de 2012 
  17. a b PSD (5 de janeiro de 2015). «Guilherme Campos, ex-líder do PSD na Câmara, assume a presidência nacional do partido». Consultado em 4 de outubro de 2016 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]