Reforma da Previdência do governo Jair Bolsonaro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Execução do Hino Nacional durante a apresentação da 2ª fase da campanha publicitária da Nova Previdência.

Em 20 de fevereiro de 2019, o presidente Jair Bolsonaro entregou pessoalmente ao Congresso a proposta da reforma da previdência elaborada pela equipe do Ministério da Economia, chefiada por Paulo Guedes.[1][2][3]

Em maio, o governo lançou uma campanha publicitária pela reforma da Previdência sob o slogan Nova Previdência. Pode perguntar., ao custo de 37 milhões de reais.[4]

No dia 23 de outubro de 2019, o Senado do Brasil aprovou o texto-base da reforma da previdência por 60 votos a 19.[5]

Proposta[editar | editar código-fonte]

Bolsonaro com Paulo Roberto Nunes Guedes, o Ministro da Economia do governo Bolsonaro, em reunião.

Entre outros pontos, a reforma estabelece idade mínima para se aposentar de 65 anos para homens e 62 anos para mulheres entre os trabalhadores privados (urbanos) e do setor público. As regras valem para todos os que começarão a trabalhar após a aprovação da reforma e não valem para quem se aposentou antes da aprovação da reforma. Haverá regra de transição para quem já está no mercado de trabalho.[6]

Regime de capitalização[editar | editar código-fonte]

Um dos pontos cruciais da reforma foi a proposta de transição do regime de repartição para um regime de capitalização. No regime de repartição, os trabalhadores que contribuem para a previdência estão, na verdade, pagando a aposentadoria de quem já está aposentado. No regime de capitalização, cada trabalhador é responsável por contribuir para sua própria previdência, de certo modo, como uma poupança. Tal poupança seria gerida por entidades públicas e privadas, de acordo com a escolha do trabalhador. Paulo Guedes se espelhou no modelo previdenciário chileno, no qual o dinheiro é administrado por empresas privadas que, por sua vez, podem investir no mercado financeiro. O regime chileno foi implementado em 1980 durante a ditadura de Augusto Pinochet, sendo um dos primeiros países a adota-lo. Porém, os resultados mostraram-se insatisfatórios. A imensa maioria dos chilenos recebia pouco mais da metade de um salário mínimo.[7][8] O governo apresentou um projeto separado com mudanças na aposentadoria dos militares.[9]

Tramitação no Congresso Nacional[editar | editar código-fonte]

Da direita para a esquerda: presidente da República Jair Bolsonaro, Alexandre de Moraes (ministro do Supremo Tribunal Federal), Rodrigo Maia (presidente da Câmara dos Deputados) e Fábio Faria (deputado federal) em 7 de agosto de 2019.

A proposta da Reforma da Previdência ficou estagnada por um tempo no Congresso, desde sua apresentação em fevereiro, contribuindo para a crise política e econômica do começo do governo.[10]

No dia 6 de agosto, a Câmara dos Deputados aprovou em segundo turno, por 370 votos a favor, 124 contra e uma abstenção, o texto base da reforma.[11] Esse texto não continha uma das principais propostas do governo, que era a transição do regime de repartição para um regime de capitalização.[12] O texto-base aprovado foi igual ao aprovado no primeiro turno, em 10 de julho, quando 379 deputados votaram a favor e 131 contra.[13]

No dia 7 de agosto, os deputados federais rejeitaram todos os oito destaques que pretendiam mudar o texto base da reforma, logo, o plenário da Câmara dos Deputados concluiu a votação em segundo turno e o texto da reforma da previdência foi formalmente enviado ao Senado Federal.[14][15]

No dia 22 de outubro, o Senado aprovou em segundo turno o texto-base da reforma, por 60 votos a 19. Por se tratar de uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC), o texto precisa ser aprovado duas vezes, tanto na Câmara quanto no Senado. O texto fora aprovado em primeiro turno no Senado no dia 2 do mesmo mês, por 56 votos a 19. Também por ser uma PEC, o texto não precisa ser aprovado pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, precisando apenas ser promulgado pelo Congresso, o que ocorreu em 12 de novembro de 2019.[16][17]

Manifestações[editar | editar código-fonte]

Favoráveis[editar | editar código-fonte]

No dia 26 de maio de 2019 foram realizadas manifestações a favor do governo em ao menos 156 cidades nos 26 estados e no DF. Manifestantes usavam roupas nas cores verde e amarelo e carregavam bandeiras do Brasil. As principais pautas defendidas por eles foram: as reformas ministerial, da previdência e apoio ao pacote anticrime, do ministro Sergio Moro. Dentre as principais cidades que registraram atos, Rio de Janeiro e São Paulo foram as que tiveram o número mais expressivo de manifestantes. Nesta, o acontecimento ocupou cerca de sete quarteirões da Avenida Paulista; naquela, ele se concentrou na Avenida Atlântica, na orla de Copacabana, ocupando o mesmo número de quarteirões.[18][19] Sobre as manifestações, Bolsonaro afirmou que foram um "recado às 'velhas práticas' que não deixam o povo se libertar".[20] Governadores no Brasil também apoiaram a proposta e tem apoio de governadores, principalmente do Nordeste.[21]

Contrárias[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Greve geral no Brasil em 2019

No dia 14 de junho de 2019, ocorreu uma greve geral em todo o país que foi contrária a Reforma da Previdência.[22] Até às 20 horas do dia, 189 cidades de 26 estados e Distrito Federal tinham registrado protesto.[23] A greve foi organizada pela Central Única dos Trabalhadores (CUT), juntamente com Força Sindical, Central Geral dos Trabalhadores do Brasil (CGTB), Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB), União Geral dos Trabalhadores (UGT), Nova Central CSP-Conlutas e Intersidical.[24] O exército brasileiro na sua base também protestou contra a reforma.[25]

Repercussão após aprovação[editar | editar código-fonte]

Comentando no Jornal da Cultura, o economista Samy Dana disse que a valorização da moeda brasileira que ocorreu após a aprovação da reforma foi devido a fatores externos, como os balanços das empresas americanas que foram divulgados no terceiro trimestre que vieram melhor do que esperado, o "aceno" do Reino Unido para sair do Brexit e a intenção da aprovação da reforma da previdência do Brasil. Samy Dana pontuou que a

reforma é necessária, mas não é suficiente. Tem outras reformas [que estão por vir] (…) A economia do Brasil não precisa melhorar de fato para a bolsa subir. Você trabalha com expectativa.
[26]

O economista também questionou o fato, que segundo ele foi pouco divulgado pela mídia, é "quem vai pagar a conta" da reforma que tem um orçamento que não fecha: "são os militares, são os servidores públicos, são os privados, são os mais velhos, os mais novos...". Também no Jornal da Cultura, o jornalista Juca Kfouri questionou Samy Dana:

não são os mais pobres? [Que vão pagar o orçamento] (…) Hoje eu entrevistei o [economista] Eduardo Moreira [que disse que] o governo está dizendo o seguinte: 'olha, nós vamos tomar mais dos ricos do que dos pobres. (Sic) Do orçamento do rico nós vamos tomar 100 mil, dos orçamentos dos pobres nós vamos tomar 3 mil' (…) só que o rico que ganha 200 mil e toma 100 [mil] ele tá muito bem. O pobre que ganha 6 mil, se tomar 3 [mil] ele tá muito mal.
[26]

Samy Dana respondeu Juca Kfouri, dizendo que ao comparar com "países sustentáveis, a gente ainda tá atrás". Ainda segundo Samy Dana, o Brasil aposenta as pessoas muito cedo e que essa definição de aposentaria por idade varia de país, para país. Samy Dana também acrescentou que esse raciocínio de Eduardo Moreira, não é tão simples. Juca Kfouri também questionou que pode ter sido criada uma "expectativa" que com a aprovação da nova previdência "tudo está solucionado". E que isso pode virar a "decepção" que hoje tem no Chile e na Argentina, que atrapalhou os respectivos governos.[26]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Proposta de Emenda a Constituicao - Previdencia» (PDF) 
  2. «Bolsonaro entrega ao Congresso proposta do governo de reforma da Previdência». G1. Consultado em 21 de fevereiro de 2019 
  3. «Bolsonaro vai ao Congresso e entrega proposta de reforma da Previdência». G1. Consultado em 21 de fevereiro de 2019 
  4. «Governo lança campanha publicitária pela reforma da Previdência». Agência Brasil. 20 de maio de 2019. Consultado em 21 de maio de 2019 
  5. BBC Brasil, ed. (23 de outubro de 2019). «Reforma da Previdência: na versão final aprovada no Senado, quais mudanças podem ajudar a economia?». Consultado em 25 de outubro de 2019 
  6. «Entenda o que muda na Previdência com a reforma aprovada na Câmara». Poder360. 7 de agosto de 2019. Consultado em 8 de agosto de 2019 
  7. «Reforma da Previdência: proposta do governo incluirá capitalização, diz Paulo Guedes». G1. Consultado em 29 de maio de 2019 
  8. «Paulo Guedes explica modelo de capitalização, espelhado no Chile». Estado de Minas. 17 de fevereiro de 2019. Consultado em 29 de maio de 2019 
  9. «Após encontro com Trump, Bolsonaro chega ao Brasil para discutir previdência dos militares». G1. Consultado em 20 de março de 2019 
  10. «Euforia com Bolsonaro perde força com reforma emperrada». economia.uol.com.br. Consultado em 29 de março de 2019 
  11. «Por 370 votos a 124, Câmara aprova em segundo turno texto-base da reforma da Previdência». G1. Consultado em 8 de agosto de 2019 
  12. «Sistema de capitalização fica fora da reforma da Previdência». Anasps. 14 de junho de 2019. Consultado em 8 de agosto de 2019 
  13. «Câmara conclui 1º turno e aprova reforma da Previdência com quatro mudanças no texto-base». G1. Consultado em 8 de agosto de 2019 
  14. «Deputados rejeitam todos os destaques apresentados no 2º turno da reforma da Previdência». Jornal Opção. 8 de agosto de 2019. Consultado em 8 de agosto de 2019 
  15. «Maia entrega PEC da Previdência a Alcolumbre». G1. Consultado em 8 de agosto de 2019 
  16. «Reforma da Previdência: entenda ponto a ponto a proposta aprovada em 2º turno no Senado». G1. 23 de Outubro de 2019. Consultado em 23 de Outubro de 2019 
  17. «PEC 6/2019 - Senado Federal». www25.senado.leg.br. Consultado em 7 de setembro de 2020 
  18. Cidades brasileiras registram atos em apoio ao governo Bolsonaro G1 Política, 26 de maio de 2019
  19. Manifestantes fazem ato pró-Bolsonaro na Avenida Paulista G1 São Paulo, 26 de maio de 2019
  20. Declaração de Bolsonaro sobre manifestações irrita líderes do Centrão Veja, 27 de maio de 2019
  21. «Vergonhoso: governadores do PT, PCdoB e PDT declaram apoio à reforma da Previdência do governo Bolsonaro». Esquerda Diario. Consultado em 11 de outubro de 2019 
  22. «Greve geral: acompanhe ao vivo as paralisações». El País. 14 de junho de 2019. Consultado em 14 de junho de 2019 
  23. «Cidades brasileiras têm paralisação e protestos nesta sexta-feira». G1. 14 de junho de 2019. Consultado em 15 de junho de 2019 
  24. «Greve geral: acompanhe ao vivo as paralisações». El País. 14 de junho de 2019. Consultado em 14 de junho de 2019 
  25. smbr (30 de outubro de 2019). «Suboficial abre a boca e diz que: "Generais não representam a tropa, tem que comandar só dentro do quartel... vamos nos reagrupar."». Revista Sociedade Militar. Consultado em 31 de outubro de 2019 
  26. a b c Jornal da Cultura (vídeo). Brasil: TV Cultura. 22 de outubro de 2019. Em cena em 16. Consultado em 23 de outubro de 2019 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]