Alexandre de Moraes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Alexandre de Moraes
Alexandre de Moraes em sua posse como Presidente do TSE
Ministro do Supremo Tribunal Federal do Brasil
Período 22 de março de 2017
até a atualidade
Nomeado por Michel Temer
Antecessor(a) Teori Zavascki
55º Presidente do Tribunal Superior Eleitoral do Brasil
Período 16 de agosto de 2022
até a atualidade
Vice-presidente Ricardo Lewandowski
Antecessor(a) Edson Fachin
Ministro do Tribunal Superior Eleitoral do Brasil
Período 2 de junho de 2020
até a atualidade
Antecessor(a) Rosa Weber
Ministro da Justiça do Brasil
Período 12 de maio de 2016
até 22 de fevereiro de 2017[nota 1]
Presidente Michel Temer
Antecessor(a) Eugênio Aragão
Sucessor(a) José Levi (interino)
Secretário Estadual de Segurança Pública de São Paulo
Período 1 de janeiro de 2015
até 12 de maio de 2016
Governador Geraldo Alckmin
Antecessor(a) Fernando Grella Vieira
Sucessor(a) Mágino Barbosa
Secretário Municipal de Transportes de São Paulo
Período 17 de agosto de 2007
até 11 de junho de 2010
Prefeito Gilberto Kassab
Conselheiro do Conselho Nacional de Justiça do Brasil
Período 9 de junho de 2005
até 14 de junho de 2007[2]
Secretário Estadual da Justiça de São Paulo
Período 24 de janeiro de 2002
até 14 de maio de 2005[3]
Governador Geraldo Alckmin
Antecessor(a) Edson Luiz Vismona
Sucessor(a) Hédio Silva Júnior
Dados pessoais
Nascimento 13 de dezembro de 1968 (53 anos)
São Paulo, SP, Brasil
Progenitores Mãe: Glaucia de Almeida Moraes
Pai: Leon Lima de Moraes
Alma mater Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (Dr.)
Esposa Viviane Barci de Moraes
Filhos Gabriela de Moraes
Giuliana de Moraes
Alexandre de Moraes
Partido PSDB (2015–2017)[4][5]
Religião católico romano[6]

Alexandre de Moraes (São Paulo, 13 de dezembro de 1968) é um jurista, magistrado e ex-político brasileiro, atual ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) e presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).[7]

É professor associado da Faculdade de Direito do Largo de São Francisco (USP), onde se graduou. Tornou-se doutor em direito do Estado pela mesma universidade, sob a orientação do professor Dalmo Dallari, apresentando uma tese sobre jurisdição constitucional. Obteve, em seguida, a livre-docência com uma tese sobre o direito constitucional administrativo. Também é professor titular da Faculdade de Direito da Universidade Presbiteriana Mackenzie.

Foi promotor de justiça do Ministério Público de São Paulo de 1991 até 2002, quando pediu exoneração para assumir o cargo de secretário da Justiça e da Defesa da Cidadania do Estado de São Paulo, nomeado pelo governador Geraldo Alckmin, função que exerceu até 2005. De 2004 a 2005, foi também presidente da FEBEM/SP, atual Fundação CASA. Compôs o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) de 2005 a 2007. Após, foi secretário municipal de Transportes de São Paulo na gestão de Gilberto Kassab, de 2007 a 2010, e secretário municipal de Serviços, cumulativamente, de 2009 a 2010.[8] Em 2010, fundou um escritório especializado em direito público, tendo exercido a advocacia até o fim de 2014, quando Geraldo Alckmin o nomeou secretário de Segurança Pública do Estado de São Paulo.[9]

Foi nomeado ministro da Justiça e Segurança Pública em 12 de maio de 2016, quando Michel Temer assumiu interinamente a presidência da República em razão da abertura do impeachment de Dilma Rousseff.[10] Em 2017, foi nomeado por Temer para o cargo de ministro do Supremo Tribunal Federal, na vaga do ministro Teori Zavascki, que morrera em um acidente aéreo.[11]

Carreira

Ministério Público, carreira política e advocacia

Alexandre de Moraes iniciou sua carreira como Promotor de Justiça no Ministério Público do Estado de São Paulo (MP-SP), de 1991 até 2002,[12][4] sendo o primeiro colocado no concurso de ingresso. Dentro da instituição, exerceu os cargos de assessor do Procurador-Geral de Justiça e Primeiro-Secretário da Associação Paulista do Ministério Público, eleito pela classe (biênio 1994-1996).

Em janeiro de 2002, deixou o Ministério Público e foi nomeado Secretário da Justiça e da Defesa da Cidadania de São Paulo pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB),[12][4] exercendo o cargo de até maio de 2005. Também acumulou, de agosto de 2004 até maio de 2005, a presidência da antiga Fundação do Bem-Estar do Menor (Febem/SP), hoje Fundação CASA.[12][4]

Em abril de 2005, foi nomeado pelo Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva para integrar a primeira composição (biênio 2005-2007) do Conselho Nacional de Justiça (CNJ),[13] por indicação da Câmara dos Deputados, em vaga destinada aos "Cidadãos de notável saber jurídico e reputação ilibada".[14]

De agosto de 2007 até 2010, exerceu na gestão do prefeito Gilberto Kassab (DEM), o cargo de Secretário Municipal de Transportes de São Paulo,[15][16] acumulando as presidências da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) e SPTrans (São Paulo Transportes – Companhia de Transportes Públicos da Capital) e, também, a titularidade da Secretaria Municipal de Serviços de São Paulo de fevereiro de 2009 a junho de 2010.[12][17][18][19]

Após sua saída da Secretaria de Transportes, em 2010, fundou o escritório Alexandre de Moraes Advogados Associados, banca voltada ao Direito Público, com destaque em casos envolvendo políticos e agentes públicos, tendo defendido o deputado Eduardo Cunha (PMDB) em uma ação sobre uso de documento falso.[4]

Licenciou-se da advocacia após sua nomeação por Geraldo Alckmin, em dezembro de 2014, para o cargo de Secretário de Segurança Pública do Estado de São Paulo, o qual exerceu até 2016. Assumiu a secretaria prometendo o fortalecimento da legislação estadual no setor, entretanto sua passagem como secretário foi colocada em xeque diversas vezes por conta da violência excessiva diante de protestos e atos políticos. Segundo dados levantados pela TV Globo, a Polícia Militar foi responsável pela morte de uma em cada quatro pessoas assassinadas no estado paulista em 2015.[20] Ainda em 2015, reportagem do Estado de S. Paulo afirmou que Alexandre constava no Tribunal de Justiça de São Paulo como advogado em pelo menos 123 processos da área civil da Transcooper. A cooperativa é uma das cinco empresas e associações que está presente em uma investigação que trilha movimentações de lavagem de dinheiro e corrupção engendrado pela organização criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC). À época, Alexandre disse, por meio de nota, que “renunciou a todos os processos que atuava como um dos sócios do escritório de advocacia” e que estava de licença da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) durante o período investigado.[20]

Nessa época, se tornou notório por atuar no caso de estelionato contra Marcela Temer. Marcela teve o celular clonado e passou a sofrer ameaças de vazamento de fotos íntimas e áudios sobre Michel Temer e seu marqueteiro, Arlon Viana, que sujariam o nome do então vice-presidente.[21] O caso aconteceu durante as discussões do impeachment de Dilma Rousseff.[22] As conversas entre Marcela e o criminoso não faziam parte do inquérito, mas foram publicadas parcialmente pela Folha de São Paulo, que revelou a existência do áudio.[23] A matéria foi censurada, mas o Anonymous Brasil publicou as conversas na íntegra.[24] Os áudios, porém, sumiram durante a investigação.[21] O caso foi resolvido rapidamente, em seis meses,[25] e Moares caiu nas graças de Michel Temer.[26]

Convidado pelo então vice-presidente da República, Michel Temer (MDB), para compor seu governo em caso de afastamento da presidente Dilma Rousseff (PT),[12][27] Alexandre de Moraes tornou-se Ministro da Justiça em 12 de maio de 2016.[4] Em 3 de fevereiro de 2017, o ministério passou a se chamar Ministério da Justiça e Segurança Pública.[12][28] Em 22 de fevereiro, Moraes foi exonerado do cargo e nomeado ministro do Supremo Tribunal Federal (STF).[29]

Foi filiado ao Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB) de 2015 até 2017, quando solicitou sua desfiliação ao ser indicado para o STF.[4][5]

Academia

Formado em Direito pela Universidade de São Paulo (USP), na tradicional Faculdade de Direito Largo de São Francisco, no ano de 1990, também ali Alexandre de Moraes obteve o título de Doutor em Direito do Estado no ano de 2000, com a tese "Jurisdição constitucional e tribunais constitucionais - garantia suprema da Constituição", sob orientação do Professor Dalmo Dallari, então titular de Teoria Geral do Estado.[30]

Em 2001 conquistou, pela mesma universidade, a Livre-Docência em Direito Constitucional, com a tese "Teoria geral do direito constitucional administrativo - perfil constitucional da administração pública", da qual resultou o livro "Direito Constitucional Administrativo", publicada pela Editora Atlas.[31]

Antes de se tornar docente na Faculdade de Direito da USP, foi professor em cursos preparatórios para concursos públicos, tendo lançado a primeira edição do livro Direito Constitucional em 1997, também pela Editora Atlas, atualmente em sua 32ª edição (2016). Esta obra é considerada um best-seller jurídico, pois de acordo com o próprio autor, foram vendidas mais de 500 mil cópias[32] até o ano de 2009.

Ingressou nos quadros da Universidade de São Paulo em 2002,[33] após concurso público decorrente da aposentadoria da Professora Anna Cândida da Cunha Ferraz, ex-Procuradora do Estado de São Paulo. Atualmente é professor associado (livre-docente), tendo sido Chefe do Departamento de Direito do Estado no biênio 20122014, além de ser Professor Titular da Universidade Presbiteriana Mackenzie, onde leciona desde 1998, e professor da Escola Superior do Ministério Público de São Paulo, desde 1998, e da Escola Paulista da Magistratura, desde 2000.[34]

Em estudo realizado pelos advogados Bruno Meneses Lorenzetto e Pedro Henrique Gallotti Kenicke, divulgado nos sites Conjur[35] e Migalhas,[36] com base nos acórdãos proferidos pelo Supremo Tribunal Federal em controle de constitucionalidade, entre os anos de 1988 a 2012, constatou-se que Alexandre de Moraes foi o sétimo constitucionalista mais citado (em 18 Ações Diretas de Inconstitucionalidade - ADI, 1 Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental e 1 Ação Declaratória de Constitucionalidade).[37]

Supremo Tribunal Federal

Indicação

Em 6 de fevereiro de 2017, Alexandre de Moraes foi indicado por Michel Temer para o cargo de ministro do Supremo Tribunal Federal, em vaga aberta devido ao falecimento do ministro Teori Zavascki em um acidente aéreo.[38]

A indicação foi criticada por políticos da oposição, para quem Moraes, por seu histórico ligado ao PSDB, seria uma escolha político-partidária.[39][40][41][42] Dentre os defensores da indicação, os ministros do Supremo Marco Aurélio Mello, Gilmar Mendes e Luiz Fux consideraram que a carreira política de Moraes não seria empecilho a uma futura atuação imparcial na corte.[43]

Após sua indicação ao STF, a obra de Moraes passou por escrutínio e ele foi acusado de copiar trechos de livros de outros autores sem creditar as devidas autorias. No livro "Direitos Humanos Fundamentais" Moraes usou de trechos idênticos à obra de Francisco Rubio Llorente, publicada dois anos antes, sem dar créditos e informar que se trata de citação.[44][45] Alguns juristas apontaram que o uso dos trechos sem clara indicação da fonte é um caso de plágio, enquanto Moraes defendeu-se afirmando que a obra espanhola copiada estava na bibliografia do livro.[44][46][47][48] A viúva do autor e o professor José Luis Rodríguez Álvarez, que colaborou com a produção do livro de Llorente enquanto estudante, reprovaram a cópia feita por Moraes.[49] Álvarez, entretanto, apontou que não há direito autoral de Lloriente no trecho copiado, devido a já ser uma citação de sentença do Tribunal Constitucional da Espanha.[49] Em outro livro, "Constituição do Brasil Interpretada", Moraes usou de trecho idêntico a livro escrito por Celso Ribeiro Bastos e Ives Gandra da Silva Martins. Neste caso, juristas apontam não haver plágio por ser um trecho curto e sem conceitos inovadores, mas apontam que se trata de negligência acadêmica.[48]

Foi também motivo de polêmica um encontro particular de Moraes com senadores, semanas antes de sua sabatina no Senado, a bordo de barco pertencente ao senador goiano Wilder Morais (PP), ocasião em que o indicado teria passado por uma "sabatina informal" pelos parlamentares presentes.[50] O episódio foi criticado por juristas, que o classificaram como uma postura inadequada.[51][52]

Aprovação e nomeação

Em 21 de fevereiro de 2017, a Comissão de Constituição e Justiça do Senado aprovou Alexandre de Moraes para o cargo de ministro do STF, por dezenove votos a favor, sete contrários e uma abstenção.[53][54] Esta Sabatina é o evento recorde de participação popular em sabatinas, por meio do Portal e-Cidadania, com mais de 1.600 manifestações.[55] Das 12 perguntas feitas pelo relator da sabatina, Senador Eduardo Braga, 10 foram enviadas por cidadãos.[56][57][58]

No dia seguinte, o plenário do Senado Federal aprovou definitivamente a indicação de Moraes para o Supremo, com 55 votos favoráveis e 13 contrários.[59][60] No mesmo dia, ele foi nomeado pelo presidente Michel Temer. Alexandre de Moraes tomou posse no dia 22 de março de 2017.

Atuação

Lava Jato

Moraes era considerado um juiz sem posição definida na Operação Lava Jato (assim como nos demais processos penais abordados pela corte) e, por isso mesmo, costumava ser uma peça fundamental na busca de consensos mínimos entre os grupos mais garantistas e mais punitivistas do Supremo[61]. Luiz Fux, que era do grupo mais favorável às decisões da 13a. Vara Federal de Curitiba, costumava consultar Morais com este intuito moderador durante o período em que presidiu a corte (2020-2022)[61].

Seis meses antes das eleições de 2018, Moraes votou contra o habeas corpus preventivo requerido pela defesa de Luiz Inácio Lula da Silva, acompanhando o relator da Lava Jato Edson Fachin [62]. O Ministro sustentou não ver indícios de que as instâncias inferiores (inclusive a 13a. Vara Federal de Curitiba) tivessem abusado de poder ou lançado mão de ilegalidades e defendeu a legitimidade da execução provisória das penas aplicadas em segunda instância[63]. Menos de 24 horas depois dessa decisão do Supremo, favorável ao relator Fachin, Lula foi preso, ficando impossibilitado de disputar as eleições daquele ano. Por outro lado, o ministro Alexandre de Moraes divergiu de Fachin quando, em março de 2021 [64], o plenário da corte decidiu pela suspeição de Sérgio Moro[65]. Moraes firmou posição intermediária quando a corte anulou os processos relacionados à prisão do ex-presidente no mesmo ano: Moraes votou favoravelmente à anulação, porém, sustentou que os processos deveriam ser encaminhados para a seção judiciária de São Paulo[66].

Censura e revogação do ato

Em 11 de abril de 2019, a revista Crusoé publicou uma reportagem intitulada O amigo do amigo de meu pai. Segundo a publicação, a defesa do empresário Marcelo Odebrecht havia reunido um documento que mencionava Dias Toffoli, que, na época, era advogado-geral da União, como o "amigo do amigo do meu pai".[67][68][69]

Após a publicação da reportagem, Toffoli classificou o conteúdo da revista como "…mentiras e ataques… divulgadas [sic] por pessoas que querem atingir as instituições brasileiras" e pediu ao ministro do STF Alexandre de Moraes que apurasse as informações. Em seguida Moraes ordenou que a revista Crusoé e o sítio O Antagonista retirassem do ar todas as reportagens e notas que citassem Toffoli,[70] além de estipular multa diária de 100 mil reais e ordenar que a Polícia Federal ouvisse os responsáveis do site e da revista em 72 horas.[67]Moraes sustentou tratar-se de fake news devido à resposta que tinha recebido da Procuradoria Geral da República no dia seguinte à publicação: o órgão, provocado por Moraes, declarara que nenhum documento da Odebrecht citando Toffoli havia sido remetido à Raquel Dodge, contrariando assim a narrativa da revista Crusoé[71].

A decisão de censurar o conteúdo da revista causou críticas por órgãos de defesa da liberdade de imprensa e de expressão, como a Associação Nacional de Jornais (ANJ), a Associação Nacional de Editores de Revistas (ANER), a Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (ABRAJI) a Associação Brasileira de Imprensa (ABI) e a Transparência internacional,[72] e pelo ministro da Corte Marco Aurélio Mello que afirmou ter tido "censura" e retrocesso" na decisão do colega Alexandre de Moraes.[73] A Associação dos Juízes Federais do Brasil (AJUFE) também repudiou a decisão do ministro Alexandre de Moraes, que considerou "inadmissível".[74] Posteriormente (18/10), Alexandre de Moraes voltou atrás na decisão e revogou seu próprio ato[75], dado que ficara comprovado que o documento da Odebrecht realmente existia, tendo chegado à PGR horas depois da resposta negativa dada pelo órgão[71].

Suspensão de nomeação para diretoria-geral da PF

No dia 29 de abril de 2020, o ministro suspendeu a nomeação de Alexandre Ramagem para diretoria-geral da Polícia Federal (PF) em razão da proximidade de Ramagem à família Bolsonaro. O pedido de liminar para suspensão da nomeação foi feito pelo partido Partido Democrático Trabalhista(PDT).[76] A decisão do ministro gerou críticas e elogios. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) criticou a decisão. Segundo Lula, a decisão do ministro só se justificaria se tivesse algum ilícito contra Ramagem comprovado.[77] Já o presidente da OAB Felipe Santa Cruz apoiou a decisão por entender que poderia ser um aparelhamento da PF.[78] O jurista Pedro Serrano, declaradamente de esquerda, defendeu Jair Bolsonaro ao dizer que a decisão do STF feriu a soberania popular.[79] Alguns dos ministros do STF defenderam Moraes, alvo de críticas do presidente Bolsonaro.[80]

Pedido de impeachment

No dia 20 de agosto de 2021, o presidente da república Jair Bolsonaro protocolou pedido de impeachment de Alexandre de Moraes no Senado Federal. No pedido, o presidente solicita a destituição do cargo de ministro do Supremo Tribunal Federal e a inabilitação de Moraes para exercício de função pública durante oito anos.[81][82] Foi a primeira vez em que um presidente da República pediu o impeachment de um ministro do STF.[83]

O pedido foi feito após decisões de Moraes contra políticos aliados de Bolsonaro, tais como a prisão do presidente do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), Roberto Jefferson, e uma medida de busca e apreensão contra o deputado federal Otoni de Paula (PSC), ambos investigados no STF em processo relatado por Moraes.[84]

A tramitação depende de decisão do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD). Em pronunciamento, o senador já antecipou que a análise do pedido "não é algo recomendável" para o Brasil neste momento e que não vê indícios para o impeachment.[85] Em nota oficial o STF repudiou o pedido protocolado pelo presidente da república:

O Estado Democrático de Direito não tolera que um magistrado seja acusado por suas decisões, uma vez que devem ser questionadas nas vias recursais próprias, obedecido o devido processo legal[86]

O pedido de impeachment também foi repudiado pelo Superior Tribunal de Justiça,[87] por ex-ministros de Estado, por associações de magistrados, de procuradores da República e de advogados,[88][89] por partidos políticos[90] e por membros do Congresso Nacional.[91]

Em 25 de agosto de 2021, o presidente do Senado Federal rejeitou o pedido, considerando-o improcedente por aspectos jurídicos e políticos.[92]

Vida pessoal

Alexandre de Moraes é casado com a advogada Viviane Barci de Moraes, com quem tem três filhos: Gabriela, Giuliana e Alexandre.[93]

Obras

  • Direito Constitucional, 33.ed., Atlas;
  • Constituição do Brasil Interpretada e Legislação Constitucional, 9.ed., Atlas;
  • Direito Constitucional Administrativo, 4.ed., Atlas;
  • Direitos Humanos Fundamentais, 10.ed., Atlas;
  • Reforma Administrativa;
  • Jurisdição Constitucional e Tribunais Constitucionais, 3.ed., Atlas;
  • Direito Constitucional: Questões de Concursos - Ministério Público e Magistraturas Federal e Estadual;
  • Presidencialismo;
  • Constituição da República Federativa do Brasil - Manual de Legislação Atlas (organizador);
  • Legislação Penal Especial (coautor);
  • Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (coautor);
  • Os 10 anos da Constituição Federal (organizador);
  • Os 20 anos da Constituição da República Federativa do Brasil (organizador);
  • Agências Reguladoras (organizador) (2002);
  • Pareceres de Direito Público (2015);
  • Justiça Comentada (2015).

Notas

  1. Licenciado entre 7 de fevereiro e 22 de fevereiro de 2017.[1]

Referências

  1. Cristiane Sampaio (10 de fevereiro de 2017). «Ato reúne manifestantes contra nomeação de Alexandre de Moraes». Brasil de Fato. Consultado em 23 de fevereiro de 2017 
  2. «Composição 2005-2007». Conselho Nacional de Justiça. Consultado em 5 de janeiro de 2017 
  3. «Secretários da Justiça». Secretaria de Justiça e da Defesa da Cidadania do Estado de São Paulo. Consultado em 22 de janeiro de 2017 
  4. a b c d e f g «Alexandre de Moraes (PSDB), ministro da Justiça do governo Temer». G1. 12 de maio de 2016. Consultado em 12 de maio de 2016 
  5. a b Filipe Amorim (7 de fevereiro de 2017). «Indicado ao STF, ministro da Justiça pede desfiliação do PSDB». Consultado em 7 de fevereiro de 2017 
  6. «Comunidade jurídica deve se unir contra Alexandre de Moraes no STF». Justificando. 6 de fevereiro de 2017. Consultado em 29 de dezembro de 2017 
  7. «Alexandre de Moraes assume a presidência do TSE». G1. 16 de agosto de 2022. Consultado em 16 de agosto de 2022 
  8. «Senado aprova Alexandre de Moraes para vaga de Teori no Supremo Tribunal Federal». G1 
  9. «Novo secretário de segurança de SP promete combate ao crime organizado». Folha de S.Paulo. 17 de dezembro de 2014. Consultado em 23 de fevereiro de 2017 
  10. «Alexandre de Moraes assume Ministério da Justiça e Cidadania». Agência Brasil 
  11. «Alexandre de Moraes toma posse no próximo dia 22 de março, informa STF». G1 
  12. a b c d e f Filipe Figueiredo (6 de fevereiro de 2017). «Alexandre de Moraes indicado ao STF: Feliz 2043!». Xadrez Verbal. Consultado em 6 de fevereiro de 2017. Cópia arquivada em 6 de fevereiro de 2017 
  13. «Novo secretário de Alckmin defende cooperativa de van». Estadão. 26 de janeiro de 2016 
  14. «Composição 2005-2007». Conselho Nacional de Justiça. Consultado em 20 de abril de 2016 
  15. «TÍTULO DE NOMEAÇÃO 592». Diário Oficial da Cidade de São Paulo. 17 de agosto de 2007. Consultado em 2 de agosto de 2021 
  16. «PORTARIA 524». Diário Oficial da Cidade de São Paulo. 11 de junho de 2010. Consultado em 2 de agosto de 2021 
  17. «Alexandre de Moraes será novo secretário de Segurança Pública de São Paulo». IG. 31 de janeiro de 2016 
  18. «O Roda Viva com Alexandre de Moraes, secretário de Segurança Pública de SP». Veja São Paulo. 31 de janeiro de 2016. Consultado em 1 de fevereiro de 2016. Arquivado do original em 21 de fevereiro de 2016 
  19. «Não custa Sonhar!». Veja. 26 de janeiro de 2016 
  20. a b Pedro Willmersdorf (12 de maio de 2016). «Cunha, PCC e repressão policial: o passado polêmico de Alexandre de Moraes, novo ministro da Justiça e Cidadania». Extra. Consultado em 6 de fevereiro de 2017. Cópia arquivada em 6 de fevereiro de 2017 
  21. a b «Hacker condenado por chantagear primeira-dama disse ter áudio que jogaria nome de Temer 'na lama'». Jornal Hoje. 11 de fevereiro de 2017. Consultado em 13 de outubro de 2022. Cópia arquivada em 13 de outubro de 2022 
  22. Eduardo Gonçalves (28 de maio de 2020). «A expertise de Moraes em crimes cibernéticos: do hacker às fake news | Maquiavel». Revista Veja. Consultado em 13 de outubro de 2022. Cópia arquivada em 13 de outubro de 2022 
  23. «Hacker condenado por chantagear primeira-dama disse ter áudio que jogaria nome de Temer 'na lama'». Jornal Hoje. 11 de fevereiro de 2017. Consultado em 13 de outubro de 2022. Cópia arquivada em 13 de outubro de 2022 
  24. «Juiz manda tirar do ar reportagem sobre ameaça de hacker contra Marcela Temer». Sputnik Brasil. 11 de fevereiro de 2017. Consultado em 13 de outubro de 2022. Cópia arquivada em 12 de outubro de 2022 
  25. «Hacker que clonou celular de Marcela Temer é condenado a 5 anos de prisão». G1 São Paulo. 26 de outubro de 2016. Consultado em 13 de outubro de 2022. Cópia arquivada em 13 de outubro de 2022 
  26. Daniela Lima e Thaís Bilenky (7 de fevereiro de 2017). «Indicado, Moraes ganhou confiança de Temer com apuração de crime». Folha de S. Paulo. Consultado em 13 de outubro de 2022. Cópia arquivada em 13 de outubro de 2022 
  27. «O secretário de Segurança de SP foi cotado para a AGU, mas Temer deve colocá-lo no comando da Justiça, em eventual governo». O Estado de S. Paulo. Estadão. 5 de maio de 2016. Consultado em 10 de maio de 2016 
  28. «Mudança em nome de ministério reforça Plano de Segurança, diz Moraes». Estado de Minas. 3 de fevereiro de 2017. Consultado em 4 de fevereiro de 2017 
  29. «Temer exonera Alexandre de Moraes do Ministério da Justiça e o efetiva no STF». Isto É. 22 de fevereiro de 2017. Consultado em 23 de fevereiro de 2017 
  30. Moraes, Alexandre de; Dallari, Dalmo de Abreu (2000). «Jurisdição constitucional e tribunais constitucionais: garantia suprema da Constituição». Consultado em 10 de setembro de 2021 
  31. Brasil, CPDOC-Centro de Pesquisa e Documentação História Contemporânea do. «Alexandre de Moraes». CPDOC - Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil. Consultado em 10 de setembro de 2021 
  32. Giuliana Bergamo e Maria Paola de Salvo (18 de setembro de 2009). «Planos para frear os congestionamentos». VEJA São Paulo. Consultado em 20 de abril de 2016 
  33. «Prof. Dr. Alexandre de Moraes». Universidade de São Paulo. Consultado em 5 de outubro de 2016 
  34. Fausto Macedo (26 de janeiro de 2016). «Estado decide unificar a rede de inteligência de todas as polícias». Estadão 
  35. «José Afonso da Silva é o doutrinador mais citado pelo STF». Consultor Jurídico. Consultado em 20 de abril de 2016 
  36. «Estudo revela doutrinadores de Direito Constitucional mais citados pelo STF». Migalhas. 8 de julho de 2013 
  37. «Pesquisa mostra nomes dos constitucionalistas mais citados pelo STF - Migalhas». www.migalhas.com.br. 4 de março de 2021. Consultado em 10 de setembro de 2021 
  38. «Temer indica ministro Alexandre de Moraes para vaga de Teori no STF». G1. 6 de fevereiro de 2017 
  39. «Oposição critica escolha de Moraes para vaga no STF». O Globo. Globo.com. 8 de fevereiro de 2017. Consultado em 8 de fevereiro de 2017 
  40. «Vanessa Grazziotin quer que Alexandre de Moraes desista da indicação ao STF». Agência Senado. 8 de fevereiro de 2017. Consultado em 8 de fevereiro de 2017 
  41. «Humberto Costa critica indicação de Alexandre de Moraes para o STF». Agência Senado. 7 de fevereiro de 2017. Consultado em 8 de fevereiro de 2017 
  42. «Alexandre de Moraes é "fortemente partidário", avalia Gleisi Hoffmann». Uol. 8 de fevereiro de 2017. Consultado em 8 de fevereiro de 2017 
  43. «Para Gilmar, Marco Aurélio e Fux, perfil político de Moraes não é problema». O Globo. Globo.com. 7 de fevereiro de 2017. Consultado em 8 de fevereiro de 2017 
  44. a b «Obra de Alexandre de Moraes tem trechos copiados de livro espanhol - 09/02/2017 - Poder - Folha de S.Paulo». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 9 de fevereiro de 2017 
  45. «Docente da ufmg acusa alexandre de moraes de plágio». Jornalistas Livres. 8 de fevereiro de 2017 
  46. «Un candidato al Supremo brasileño plagió un libro de un ex presidente del Consejo de Estado español». ELMUNDO (em espanhol) 
  47. «Indicado para o STF, Alexandre Moraes é acusado de plágio». O Globo. 9 de fevereiro de 2017 
  48. a b «Obra de Moraes apresenta cópia de autores, falta de rigor técnico e pensamento acrítico». Justificando. 9 de fevereiro de 2017. Consultado em 10 de fevereiro de 2017 
  49. a b «'Condenável', diz viúva de autor sobre trechos de livro copiados por Moraes - 09/02/2017 - Poder - Folha de S.Paulo». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 10 de fevereiro de 2017 
  50. «Indicado para o STF, Moraes passa por 'sabatina informal' em barco de senador». G1. 10 de fevereiro de 2017. Consultado em 14 de fevereiro de 2017 
  51. «Para juristas, noitada de Moraes com senadores em barco de luxo é um "escárnio"». Justificando. 10 de fevereiro de 2017. Consultado em 14 de fevereiro de 2017 
  52. Franco, Bernardo Mello (15 de fevereiro de 2017). «Confraternizando com os réus». www1.folha.uol.com.br. Folha de S.Paulo. Consultado em 15 de fevereiro de 2017 
  53. «Senado Federal - Programa e-Cidadania - Evento Interativo». Senado Federal - Programa e-Cidadania. Consultado em 17 de maio de 2018 
  54. «Mensagem (SF) n° 8, de 2017 - Pesquisas - Senado Federal». www25.senado.leg.br. Consultado em 17 de maio de 2018 
  55. «Documentos de Business Inteligence do Senado Federal». www8d.senado.gov.br. Consultado em 17 de maio de 2018. Arquivado do original em 11 de maio de 2018 
  56. «Senador Eduardo Braga utiliza participação popular em sabatina de Alexandre de Moraes - Portal CM7». Portal CM7. 22 de fevereiro de 2017 
  57. «Relator deu preferência a perguntas de internautas na sabatina de Moraes». Senado Federal. 21 de fevereiro de 2017 
  58. «Canal de participação do Senado, e-Cidadania bate recorde com sabatina de Moraes». Senado Federal. 23 de fevereiro de 2017 
  59. «Senado Multimídia». www12.senado.leg.br. Consultado em 17 de maio de 2018 
  60. «Sessão Plenária - Senado Federal». www25.senado.leg.br. Consultado em 20 de junho de 2018 
  61. a b «Alvo de bolsonaristas, Moraes tem apoio no STF e vira elo entre alas pró e contra Lava Jato». Folha de S.Paulo. 8 de maio de 2021. Consultado em 20 de outubro de 2022 
  62. «STF nega habeas corpus preventivo ao ex-presidente Lula». Supremo Tribunal Federal (em inglês). Consultado em 20 de outubro de 2022 
  63. «Alexandre de Moraes dá segundo voto contra habeas corpus de Lula». Agência Brasil. 4 de abril de 2018. Consultado em 20 de outubro de 2022 
  64. «Plenário do STF reconhece decisão da Segunda Turma que declarou Moro parcial ao condenar Lula». G1. Consultado em 20 de outubro de 2022 
  65. «Plenário do STF reconhece decisão da Segunda Turma que declarou Moro parcial ao condenar Lula». G1. Consultado em 20 de outubro de 2022 
  66. «Moraes defende envio de processos da Lava Jato contra Lula para São Paulo». noticias.uol.com.br. Consultado em 20 de outubro de 2022 
  67. a b «STF censura sites e manda retirar matéria que liga Toffoli à Odebrecht», G1, 15 de abril de 2019 .
  68. «Entenda o inquérito de Toffoli para apurar ataques ao STF e a crise no Judiciário», O Globo 
  69. «Ministro do STF censura sites e manda tirar do ar reportagem sobre Toffoli», Folha da manhã, Folha, 15 de abril de 2019 
  70. STF censura sites e manda retirar do ar reportagem que cita Dias Toffoli
  71. a b «Em derrota de Toffoli, Moraes recua e revoga censura a sites». Folha de S.Paulo. 18 de abril de 2019. Consultado em 21 de outubro de 2022 
  72. «Entidades de imprensa criticam censura do STF a reportagem sobre Toffoli», Folha da manhã, Folha, 15 de abril de 2019 
  73. Mariana Oliveira. «Marco Aurélio vê 'censura' e 'retrocesso' em decisão que mandou tirar reportagem de site». G1. Consultado em 15 de junho de 2019 
  74. «"Inadmissível", diz Ajufe sobre ataques a Alexandre de Moraes». O Antagonista. Consultado em 1 de maio de 2020 
  75. Camila Bomfim (18 de abril de 2019). «Alexandre de Moraes revoga decisão que censurou reportagens de 'Crusoé' e 'O Antagonista'». G1. Globo. Consultado em 1 de maio de 2020 
  76. Andréia Sadi (29 de abril de 2020). «Ministro do STF suspende nomeação de Alexandre Ramagem para o cargo de diretor-geral da PF». G1. Globo. Consultado em 29 de abril de 2020 
  77. «Lula critica decisão do Supremo que barrou escolha de Bolsonaro para a PF». Folha de S.Paulo. Uol. Consultado em 1 de maio de 2020 
  78. «Santa Cruz apoia veto do STF a posse: 'Precisamos impedir aparelhamento». Uol. 29 de abril de 2020. Consultado em 1 de maio de 2020 
  79. Fábio Zanini (1 de maio de 2020). «STF feriu soberania popular ao barrar Ramagem, diz constitucionalista ligado à esquerda». Folha de S.Paulo. Uol. Consultado em 1 de maio de 2020 
  80. «Ministros do STF defendem Alexandre de Moraes, alvo de críticas de Bolsonaro». CNN Brasil. 30 de abril de 2020. Consultado em 1 de maio de 2020 
  81. «Bolsonaro envia ao Senado pedido de impeachment do ministro do STF Alexandre de Moraes». G1. Consultado em 21 de agosto de 2021 
  82. «Planalto protocola pedido de impeachment de Alexandre de Moraes ao Senado». CNN Brasil. Consultado em 21 de agosto de 2021 
  83. «É a primeira vez que um presidente da República pede o impeachment de um ministro do STF». Correio Braziliense. 21 de agosto de 2021. Consultado em 22 de agosto de 2021 
  84. «Bolsonaro pede impeachment de Alexandre de Moraes ao Senado. Veja a íntegra». Congresso em Foco. 20 de agosto de 2021. Consultado em 22 de agosto de 2021 
  85. «Bolsonaro envia ao Senado pedido de impeachment de Alexandre de Moraes». Poder360. 20 de agosto de 2021. Consultado em 21 de agosto de 2021 
  86. «STF repudia pedido de impeachment de Moraes apresentado por Bolsonaro». G1. Consultado em 21 de agosto de 2021 
  87. «STJ vê com preocupação pedido de impeachment contra Alexandre de Moraes». CNN Brasil. 21 de agosto de 2021. Consultado em 22 de agosto de 2021 
  88. «Dez ex-ministros pedem a Pacheco para rejeitar pedido de Bolsonaro contra Alexandre de Moraes». G1. 21 de agosto de 2021. Consultado em 22 de agosto de 2021 
  89. «Magistratura brasileira se une contra pedido de impeachment de Alexandre». Consultor Jurídico. 21 de agosto de 2021. Consultado em 22 de agosto de 2021 
  90. «Dez partidos divulgam notas em defesa da democracia e em solidariedade a Moraes». G1. 22 de agosto de 2021. Consultado em 23 de agosto de 2021 
  91. «Renan critica impeachment de Moraes; senadores dizem que não vai passar». UOL. 20 de agosto de 2021. Consultado em 22 de agosto de 2021 
  92. «Pacheco rejeita pedido de impeachment de Bolsonaro contra Alexandre de Moraes». G1. 25 de agosto de 2021. Consultado em 25 de agosto de 2021 
  93. «Alexandre de Moraes: constitucionalista respeitado, político linha-dura». ZH 2014 

Ligações externas

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikiquote Citações no Wikiquote
Wikinotícias Notícias no Wikinotícias
Wikinotícias Categoria no Wikinotícias

Precedido por
Teori Zavascki
Ministro do Supremo Tribunal Federal
22 de março de 2017 - atualidade
Sucedido por
Precedido por
Eugênio Aragão
Ministro da Justiça do Brasil
2016 - 2017
Sucedido por
José Levi (interino)