Roberto Jefferson

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Roberto Jefferson
Roberto Jefferson
Jefferson em 2005
Deputado federal pelo Rio de Janeiro
Período 1º de fevereiro de 1983
a 15 de setembro de 2005
(6 mandatos consecutivos)
Presidente Nacional do PTB
Período 1.°- fevereiro de 2003
a 17 de junho de 2005
2.°- 14 de abril de 2016
a 10 de novembro de 2021
Dados pessoais
Nascimento 14 de junho de 1953 (70 anos)
Petrópolis, RJ
Nacionalidade brasileiro
Progenitores Mãe: Neusa Dalva Monteiro Francisco
Pai: Roberto Francisco
Alma mater Universidade Estácio de Sá
Prêmio(s) Ordem do Mérito Militar[1]
Filhos(as) Cristiane Brasil
Partido MDB (1971–1979)
PP (1979–1980)
PTB (1980–2023)
Sem partido (2023–presente)
Profissão advogado e político

Roberto Jefferson Monteiro Francisco (Petrópolis, 14 de junho de 1953) é um advogado e político brasileiro, conhecido por liderar a "tropa de choque" em defesa do presidente Collor, por delatar o escândalo do Mensalão e, após sair da cadeia, por seu apoio ao governo Bolsonaro.

Começou sua carreira como apresentador de televisão, alcançando a fama no programa O Povo na TV, que propunha ajudar os cidadãos necessitados. Com o estrelato, elegeu-se deputado federal pelo Rio de Janeiro em 1982 pelo Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), reelegendo-se continuamente até 2005. Participou assim da Assembleia Nacional Constituinte de 1987, na qual atuou como parte do Centrão a favor do mandato presidencial de 5 anos. Na Câmara dos Deputados, foi relator da lei que criminalizou armas não registradas e também do projeto de lei da união civil homossexual, que acabou arquivado.

Elegeu-se líder do PTB na Câmara em 1999 e presidente nacional do partido em 2002. Na eleição presidencial daquele ano, apoiou inicialmente Ciro Gomes, mas a contragosto aliou-se ao Partido dos Trabalhadores (PT) no segundo turno. Em 2005, foi o estopim do escândalo do mensalão ao denunciar a prática criminosa de distribuição de dinheiro em troca de votos a favor do governo. No mesmo ano foi cassado pelo plenário da Câmara, e condenado pelo Supremo Tribunal Federal pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro em 2012. Recebeu um indulto natalino presidencial em 2015 e saiu da cadeia em 2016.

Depois de recuperar-se de um câncer, declarou publicamente apoio ao presidente Bolsonaro. Tentou candidatar-se a presidente na eleição de 2022, mas foi barrado pela Lei da Ficha Limpa. Foi preso novamente em 13 de agosto de 2021. Em 23 de outubro de 2022, teve seu direito de prisão domiciliar revogado e reagiu ao cumprimento do mandado de prisão lançando duas granadas e disparando cerca de vinte tiros de fuzil contra agentes da Polícia Federal. Ele se entregou oito horas após o ataque e foi indiciado por quatro tentativas de homicídio, acusação da qual aguarda julgamento por júri.[2] Barrado pela cláusula de barreira, o PTB precisou fundir-se com o Patriota em 2023, que só aceitou sob a condição que Jefferson não exerceria nenhum cargo de liderança.

Vida pessoal e inicio de carreira[editar | editar código-fonte]

Roberto Jefferson é filho e neto de políticos petebistas. Seus pais são Roberto Francisco e Neusa Dalva Monteiro Francisco. É casado com Ana Lucia Novaes Jefferson Monteiro Francisco,[3] e tem três filhos: Cristiane Brasil, ex-deputada federal pelo PTB do Rio de Janeiro,[4] Fabiana Brasil e Roberto Francisco Neto. Ele terminou os estudos colegiais no Colégio Werneck, de Petrópolis. Em 1975, ingressou na Universidade Estácio de Sá, onde formou-se em direito em 1979. Conquistou notoriedade como advogado de pobres no popular "O Povo na TV", atração exibida na antiga TVS (atual SBT) na década de 1980.

É autor do livro "Nervos de aço - Um retrato da política e dos políticos no Brasil", publicado pela Editora Topbooks. Roberto Jefferson foi diagnosticado em julho de 2012 com um câncer de pâncreas em estágio inicial, do tipo papilar mucinoso ductal. O político foi submetido no Hospital Samaritano a uma duodenopancreatectomia, uma cirurgia de grande porte para a retirada de parte do pâncreas e duodeno.[5]

Ao ser preso, em agosto de 2021, Jefferson foi transferido para o presídio de Bangu 8. Na mesma penitenciária, também se encontra detido o ex-namorado de sua filha Cristiane, Jairo Souza Santos Júnior, conhecido como Dr. Jairinho, que ganhou notoriedade após matar o enteado de apenas 4 anos de idade.[6]

Carreira na televisão[editar | editar código-fonte]

Em maio de 1980, estreou na televisão no programa Aqui e Agora da TV Tupi, apresentado por Ari Soares. No programa, foi simulado um tribunal no qual uma pessoa era julgada por um júri simulado de convidados. Jefferson foi convidado para defender o justiceiro "Mão Branca"[nota 1] enquanto Cavalcanti atuava como promotor. Ao final do programa, "Mão Branca" foi absolvido pelos jurados.[9] Com a falência da Tupi, Jefferson resolveu se mudar para a TVS em julho daquele ano à convite de Wilton Franco (que havia sido diretor de Aqui e Agora) para participar como integrante fixo do programa Domingo a Noite.[10]

Jefferson foi apresentador do programa O Povo na TV, transmitido de 1981 até 1984 pela antiga TVS, atual SBT. O programa se dispunha a auxiliar as pessoas comuns e resolver seus problemas. Um dos casos mais emblemáticos foi quando um bebê de nove meses morreu nos estúdios da emissora. O menino tinha um tumor nos olhos e a mãe não conseguira interná-lo em nenhum hospital, de modo que recorreu á produção do programa. O bebê morreu diante das câmeras, ao vivo.[11]

Com a fama conseguida no programa, foi eleito deputado federal nas eleições de 1982.[12]

Carreira política[editar | editar código-fonte]

Roberto Jefferson entrou oficialmente na vida pública em 1971, quando filiou-se ao Movimento Democrático Brasileiro (MDB). Permaneceu no partido até o início de 1980, quando filiou-se ao Partido Popular (PP), fundado em fevereiro daquele ano após o fim do bipartidarismo.[13] Deixou o PP no mesmo ano para filiar-se ao Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) – partido cuja primeira fundação (antigo PTB), em 1945, havia tido a participação de seu avô. Jefferson continuou no PTB até sua fusão em 2023, sendo que, em 2005, quando teve seu mandato cassado, era o o deputado federal mais antigo da bancada na Câmara dos Deputados.[carece de fontes?]

Em 1983, renunciou à vice-liderança do PTB por causa da aliança política feita com o PSD. Em sua carta-renúncia, declarou: "Não consigo aceitar nenhuma aproximação com aqueles que incendiaram, no golpe de 1964, o Partido Trabalhista Brasileiro. Sentir-me-ia como um romano acordando Nero novamente".[14]

Em 1985, o deputado Bocaiuva Cunha (também do PDT fluminense) instalou um painel na Cinelândia, em frente à Câmara Municipal, com o nome dos deputados ausentes na votação do projeto de lei que anistiava os militares cassados. O nome de Roberto Jefferson constava entre os ausentes, o que ele nega. Em 22 de novembro de 1985, Jefferson foi à Cinelândia e destruiu o painel a machadadas. Bocaiuva disse que a ação do colega, um "ataquezinho de raiva", foi um "ato de imaturidade política".[15]

Comentando as eleições municipais de 1985, Jefferson disse na tribuna da Câmara que a prefeitura de São Paulo haveria de ser o "túmulo" político de Jânio Quadros, prefeito eleito naquele ano. O deputado disse que o pacote econômico do governo libertava a população de políticos populistas, e ressaltou que o símbolo de Jânio, a vassoura, estava agora "empunhada pelo PT, através do seu presidente, Luís Inácio da Silva, e da prefeita de Fortaleza, Maria Luiza Fontenele, para varrer a praça José Alencar."[16]

No contexto das Diretas Já, votou a favor da emenda Dante de Oliveira, que propunha a realização de eleições presidenciais diretas. Como a proposta foi derrotada, votou em Tancredo Neves na eleição indireta de 1985.[13]

Deputado constituinte[editar | editar código-fonte]

Durante a Constituinte, o PTB compôs o grupo político que seria chamado de Centrão. Roberto Jefferson participou ativamente do grupo, atuando contra o projeto então aprovado na Comissão de Sistematização, que possuía "um viés claramente socialista."[17] Sua função como deputado, segundo declaração dada em entrevista ao jornalista Luiz Maklouf Carvalho, em 2014, era de "coordenador de Plenário". Exemplificando sua atuação com o deputado Mário Covas, contou: "O Covas era um sedutor. Quando começava a fazer um discurso, até a turma do Centrão ficava prestando atenção. Eu é que tinha que sair gritando, mandando todo mundo virar as costas. 'Vocês vão ficar aí batendo palma para maluco dançar?'"[18]

Segundo ele, a linha seguida pelo PTB na Constituinte era derivada dos princípios de Alberto Pasqualini, ideólogo do trabalhismo e senador pelo PTB antigo na década de 1960: "liberdade de iniciativa, a propriedade privada e a proteção do trabalhador, da ordem social".[19] Jefferson entendia, no entanto, que havia uma espécie de "ressaca da esquerda dos vinte anos de ditadura militar", que "acabou levando a várias distorções na nossa Constituição".[19] Para ele, a força da esquerda se dava pelo grito: "O dr. Ulysses [presidente da Constituinte] franqueava a galeria para eles, pô. O pessoal cuspia na cara da gente, jogava moeda na cara da gente. Isso dentro do Congresso. Na rua, você era ameaçado. No aeroporto de Brasília, eu tive vários problemas com essas representações sindicais da CUT."[20] A Central Única dos Trabalhadores, órgão sindical ligado ao Partido dos Trabalhadores (PT), publicava cartazes avaliando os constituintes. Certa vez, Jefferson foi apresentando ao presidente da CUT, Jair Meneghelli, mas recusou-se a cumprimentá-lo, dizendo que se os cartazes, que chamavam-no de "traidor do povo", levassem a alguma violência contra seus filhos, ele cobraria pessoalmente de Meneghelli, "olho no olho".[21]

Em 3 de fevereiro de 1988, o Jornal do Brasil noticiou uma briga no plenário da Constituinte por causa da prisão do deputado petebista Mendes Botelho, líder do Sindicato dos Ferroviários de São Paulo, que estava então em greve. Jefferson tentou investir contra o senador José Fogaça, que havia zombado do partido defender um grevista, mas ser favorável a proibição de greves de funcionários públicos.[22] Na entrevista, Luiz Maklouf perguntou se era verdade que Jefferson estava armado nessa discussão, como a imprensa chegou a insinuar.[23] Ele confirmou andar armado nas ruas, mas que, no plenário, os jornalistas haviam visto apenas uma capa de óculos, assegurando ainda que na época usava coldre aberto.[nota 2] Jefferson disse que "a discussão com o deputado Jorge Uequed [que apartou a briga] não passou de uma discussão. Nessa foto não estava armado. Mas eu sempre usei arma"; questionado por que, então, não desmentiu o jornal, respondeu que "você não desmente fama de mulherengo, rico e valente".[20] Ainda, em 21 de maio daquele ano, o Correio Braziliense publicaria matéria relatando tiros disparados a esmo, às 23 horas, pela janela da sala da liderança do PTB, onde estavam Jefferson e o líder do partido, Gastone Righi.[25] Jefferson explicou que os tiros foram apenas para testar um revólver Nagant com munição da década de 1950, que acabaram ricocheteando e assustando um segurança.[26]

Como deputado, Roberto Jefferson propôs a extinção das polícias militares, as quais ele considerava dispendiosas e desnecessárias numa ordem democrática, mas a proposta não avançou da primeira fase.[27] Na mesma entrevista, orgulhou-se particularmente de sua atuação no capítulo da ordem social, citando a multa de 40% do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço para demissões sem justa causa, emenda escrita, segundo ele, literalmente em cima de suas pernas e depois chancelada por Gastone.[28] Roberto Jefferson foi favorável à posição do governo Sarney, o presidencialismo com cinco anos de mandato sem a possibilidade de reeleição, mas ressaltou que nem o presidente Sarney nem Antônio Carlos Magalhães, então ministro das Comunicações, nunca lhe ofereceram nada para que votasse assim.[20] Mesmo sendo do Centrão, o PTB não fazia parte da base governista de Sarney; na época, Jefferson disse que participar do governo "seria o mesmo que ganhar um camarote de luxo para um navio que está afundando".[29]

Sobre a Constituição como um todo, declarou ser "uma bela Constituição": "Coteja muito bem os direitos dos menos favorecidos, idealiza um mundo da saúde e educacional muito bom. Ainda não foi cumprido — até porque não há orçamento no mundo que sustente um sonho —, mas é fundamental a cidadania constar no livrinho".[18]

Candidatura a prefeito do Rio[editar | editar código-fonte]

Segundo o Jornal do Commercio haviam em julho de 1988 dois grupos no PDT do Rio que desejam disputar a sucessão de Roberto Saturnino Braga na prefeitura da capital: o grupo do ex-ministro João Pinheiro Neto e o de Roberto Jefferson. A chapa a ser candidata foi definida em convenção do partido em 6 de agosto, ganhando Jefferson.[30] Na eleição municipal daquele ano, Jefferson concorreu com sete outros candidatos e não contava entre os favoritos. O Jornal do Commercio disse que sua candidatura era somente para assegurar espaço político e marcar presença, além de melhorar as chances do partido no legislativo.[31]

Sua plataforma de governo prometia a construção anual de cem mil moradias populares, a legalização fundiária da propriedade de terra nas favelas e o aumento do salário base dos professores. Na campanha, Jefferson chamou seus adversários José Colagrossi e Jó Rezende, além do então prefeito Saturnino, de filhos pródigos de Brizola.[32]

Roberto Jefferson ficou em sexto lugar, com 24 938 votos; o vencedor foi Marcelo Alencar, candidato do Partido Democrático Trabalhista (PDT).[13]

Tropa de Choque de Collor[editar | editar código-fonte]

O nome de Roberto Jefferson passou a ser conhecido nacionalmente durante o processo de impeachment do então presidente Fernando Collor, em que atuou como militante da "tropa de choque" de deputados que tentavam defender o então presidente.[33][34]

Durante a CPI, o motorista Eriberto França contou que pegava dinheiro com Paulo César Farias para pagar despesas da Casa da Dinda, tornando-se assim uma testemunha-chave. Em um diálogo que, segundo relatou anos depois à Folha de S.Paulo, resumiria sua participação no escândalo, o deputado Jefferson lhe perguntou: "O sr. está fazendo isso só por patriotismo?" Eriberto respondeu: "E o sr. acha pouco?"[35]

Em 1990, na Câmara dos Deputados, foi o relator de Comissão de Constituição, Justiça e Redação, cargo em que promulgou a Lei de Crimes Hediondos.[necessário esclarecer]

Em 1991, apresentou um projeto que regulava a doação de sangue no Brasil.[36]

Em 1993, faltou mais de um terço das sessões ordinárias daquela sessão legislativa, o que pela Constituição (art. 55, III) implicaria a perda de seu mandato.[37][38] Justificou suas 45 faltas por problemas de saúde, no entanto, explicando ter passado por uma operação de vesícula, que ocasionou uma septicemia: "Quase morri. Foram mais de três meses de hospital".[38]

O deputado depôs na CPI do Orçamento em janeiro de 1994, após ter seu nome citado pelo economista José Carlos Alves dos Santos.[39] No que a Folha de S.Paulo chamaria de "tarde inútil", Jefferson colocou-se como vítima em seu depoimento e trocou gentilezas com supostos adversários, como o deputado Aloizio Mercadante (PT-SP) e Paulo Ramos (PDT-SP), o qual chegou a dizer que havia entre os membros da comissão um "reconhecimento unânime de que Jefferson foi alvo de uma injustiça". Lamentando sobre como sua vida, de sua esposa e filhos foram expostas pela CPI, Jefferson chorou duas vezes durante uma hora do depoimento.[40]

A CPI acabou por não identificar relações com o esquema de corrupção investigado. No relatório final, a conclusão era que, com crédito total de 470 mil dólares em cinco anos, seu patrimônio e movimentação bancária seriam compatíveis com o rendimento. A Subcomissão de Patrimônio teria constatado, porém, a existência de bens não declarados à Receita.[41] indicando portanto que tanto Jefferson quanto Gastone Righi deveriam continuar a ser investigados por problemas no imposto de renda.[42] Nenhum deputado pediu sua cassação,[43] e o corregedor-geral da Câmara, deputado Fernando Lyra (PSB-PE) o inocentou em março.[44] Em junho, defendendo o colega Ézio Ferreira (PFL-AM), julgado pelas irregularidades descobertas na CPI, Jefferson disse que a imprensa é um "poder autoritário e fascista". Defendeu a extinção do Comitê de Imprensa da Câmara e disse que os jornalistas deveriam despachar "na rampa".[45]

Boa parte da tropa de choque de Collor enfrentou problemas para se reeleger nas eleições de 1994, mas Roberto Jefferson não teve dificuldades.[46] Na campanha, ele recebeu apoio explícito de Collor, por meio de uma carta divulgada nos jornais do Rio.[46] Da coligação Força do Povo (PTB-PDT-PMN), Roberto foi o oitavo mais votado.[46] As eleições no Rio aquele ano, no entanto, sofreram diversas acusações de fraudes, e o Tribunal Regional Eleitoral acabou anulando as eleições legislativas. O PTB entrou com recurso no tribunal, e Jefferson, que era o presidente regional da sigla, declarou: "O TRE fez uma lambança".[47]

Um politico que não conseguiu se reeleger aquele ano foi o relator da CPI do caso PC Farias, o senador Amir Lando (PMDB-RO). Perdendo por apenas 7 mil votos, Lando declarou solenemente: "Saio do Senado para continuar na História", em referência à famosa frase da carta de Getúlio. Vendo a oportunidade de vingar-se, Jefferson enviou um telegrama à seu gabinete que dizia: "Ouvi emocionado o seu discurso: "Saio do Senado para entrar na História". Rogo a Deus que V. Excia. não siga o exemplo do autor da frase, que suicidou-se com tiro no peito. Por favor, não tome atitude extremada. Conte com meu apoio."[48]

Em dezembro de 1994, o deputado denunciou ao Tribunal de Contas da União (TCU) o Sindicato dos Metalúrgicos de Manaus por uso irregular de recursos federais. O TCU abriu uma inspeção extraordinária para determinar se os sindicalistas haviam transferido recursos da contribuição sindical para campanhas políticas de candidatos do PT e do PC do B.[49]

Após a morte de Pedro Collor, Jefferson foi à Casa da Dinda ver Fernando. O deputado disse que o ex-presidente estava muito abatido, e que agora entendia porque o irmão o havia denunciado. Segundo ele: "Collor sabe agora porque o irmão fez aquilo com ele. Já eram os efeitos dos tumores, localizados na parte do cérebro que comanda a afetividade, a palavra e a censura".[50]

Governo FHC[editar | editar código-fonte]

No começo da 50.ª legislatura, o deputado esteve no páreo interno para a indicação do PTB à Segunda Secretaria da Mesa da Câmara, junto com os colegas Rodrigues Palma, Leopoldo Bessone, Francisco Rodrigues e José Rezende.[51] Nilton Capixaba, de Rondônia, acabou sendo o escolhido. Jefferson foi eleito presidente da Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara. No cargo, viria a proibir o uso de aparelhos celulares durante as reuniões, pelo incômodo que causavam.[52]

A Folha de S.Paulo elaborou em abril de 1995 um "dossiê da fisiologia", tentando estabelecer quais cargos e indicações os deputados teriam interesse em troca de apoio ao governo. A matéria diz que FHC instalou um verdadeiro "balcão de trocas" no Palácio do Planalto, mas que, cauteloso, só distribuía os cargos lentamente. Em entrevista para essa matéria, Roberto Jefferson revelou que a Comunidade Solidária, um dos programas sociais do governo, tocado pela primeira-dama Ruth Cardoso, era como "uma máquina de fazer votos", e que muitos políticos queriam alguma indicação para aquele programa: "É para conseguir cadeira de rodas, muleta, credenciamento de creches…".[53]

Em março, Jefferson, como presidente da Comissão de Seguridade Social, criticou uma medida provisória de FHC (a MP nº. 935), que permitia a utilização de recursos da seguridade social para cobrir défices do Tesouro. Segundo ele, a medida levaria "a Previdência para a incerteza, para a bancarrota", e sugeriu aos membros da Comissão que rejeitassem a MP.[54]

Em junho, votou à favor da emeda constitucional que acabava com o monopólio do gás.[55] Ainda no mesmo mês, chamou de "extorsão" a troca de cargos no Executivo por votos favoráveis às reformas constitucionais propostas pelo governo.[56]

Certa vez o presidente FHC causou certa polêmica com uma declaração numa conferência do PSDB na qual deu a entender que a esquerda fosse burra.[57] A convite da Folha, deputados à direita manifestaram-se, incluíndo Jefferson: "Burro é o grupo do PT mais radical, é a esquerda do PC do B, são os deputados do PSDB que votam contra o governo constantemente, fazendo o joguinho do PT no plenário. São uns dez caras, que não têm projeto nenhum. É a turma do PSTU, da CUT".[58]

Reforma da previdência[editar | editar código-fonte]

Logo no começo do governo Fernando Henrique Cardoso, o Planalto buscou reformar a Previdência Social.

Em abril de 1995, numa conversa no Planalto com Jefferson e o líder do governo na Câmara, Luiz Carlos Santos (PMDB-SP), o próprio presidente teria se mostrado hesitante com um projeto tão amplo de reforma, Jefferson disse que o presidente só tinha enviado o projeto ao Congresso por insistência dos líderes partidários. Ainda segundo Jefferson, a intenção de FHC era reformar somente as regras de pagamento das pensões de servidores públicos inativos.[59] Jefferson, então, teria perguntado ao presidente porque não retirava a emenda de pauta. FHC respondeu-lhe que ele mesmo deveria levar essa sugestão aos líderes. Como o deputado não foi desmentido nem por Santos e nem pela própria assessoria da Presidência, o presidente da Comissão de Constituição e Justiça, deputado Roberto Magalhães (PFL-PE), adiou a votação dos pareceres das emendas.[59]

Posteriormente, em outubro, Jefferson disse em entrevista que agora já achava inviável qualquer reforma da previdência naquele governo. A reforma era impopular e sofria ataques de diversos grupos organizados, até mesmo dos próprios assessores parlamentares.[60] O governo desejava instituir um teto salarial para a cobertura previdenciária, o que o deputado era contra: "Um juiz, por exemplo, se dedica ao Estado e não aceita ter que complementar sua aposentadoria. Acho justo".[60]

A emenda elaborada pelo deputado Michel Temer (PMDB-SP) foi votada em 22 de março de 1996, tendo sido aprovada por 351 votos. Roberto Jefferson votou a favor.[61]

O projeto inicial de Temer previa que somente o Instituto Nacional do Seguro Social poderia participar seguros por acidente de trabalho. Jefferson propôs então que esse mercado fosse aberto à iniciativa privada, o que foi aprovado em maio de 1996. Mesmo Temer votou contra o seu texto para apoiar a proposta de Jefferson, que foi oposta somente pela oposição e pelos tucanos.[62]

Fusão do PP, PPR e PTB[editar | editar código-fonte]

Por volta de agosto de 1995, uma parte do PTB entrou em negociação para participar conjuntamente da fusão do Partido Progressista Reformador (PPR) com o Partido Progressista (PP).[63] Os favoráveis à fusão estavam associados ao ministro da Agricultura, José Eduardo de Andrade Vieira, que eram opostos pelos chamados "trabalhistas históricos".[63] Paulo Maluf, então prefeito de São Paulo pelo PPR, foi ao Congresso encontrar com seus novos correligionários. No entanto, quando ele entrou na sala do PTB cumprimentando os presentes como "companheiros", Roberto imediatamente levantou-se e disse: "Eu não, prefeito! "Tô" fora!".[64] Depois, à imprensa, Roberto Jefferson declarou que iria "agradecer de joelhos se levar o Kid Bamerindus do PTB. Ele vendeu uma mercadoria que não tem para entregar". O ministro Vieira era o dono do Banco Bamerindus.[65] Jefferson atacou o ministro novamente dois dias depois: "Da herança do trabalhismo brasileiro, o "Zé do Banco" ficou com a Companhia Siderúrgica Nacional. E pagou baratinho".[66]

Em fevereiro de 1996, no entanto, a Folha noticiou que a eleição de Pedrinho Abrão como líder do PTB na Câmara foi uma derrota do ministro Viera, que era favorável à eleição de Jefferson.[67] O mesmo Abrão, em dezembro de 1996, foi alvo de uma comissão de sindicância da Câmara, investigando uma denúncia de corrupção. Roberto seria enfático ao pedir seu afastamento do adversário: "Abrão deveria se licenciar do cargo de líder para não arrastar o PTB com ele. O partido já está sofrendo com as denúncias. Abrão tem de sofrer sozinho".[68]

Criminalização das armas[editar | editar código-fonte]

O projeto substitutivo de Jefferson tornava crime o porte ilegal de armas (até então, tratava-se apenas de uma contravenção penal), aumentando as penas para 1 a 2 anos de prisão (anteriormente, 15 dias a 6 meses).[69] Além disso, impunha o registro de todas as armas num prazo de seis meses e criava o Sinarm (Sistema Nacional de Armas), responsável pelo cadastro. Segundo Jefferson, aqueles que não registrassem suas armas poderiam ser presos. O projeto proibia ainda armas de brinquedo que imitassem as verdadeiras.[70]

Em 20 de agosto de 1996, a Folha de S.Paulo criticou-o por atrasar a aprovação do projeto: "Os mesmos que usam a violência como discurso eleitoral sentam em cima de projetos para combatê-la."[71] No final daquele mês, o autor de uma das propostas originais, deputado Eduardo Jorge (PT-SP), conseguiu a assinatura de todos os líderes partidários, levando então sua proposta para o regime de urgência e assim desimpedir sua votação na Comissão de Defesa Nacional.[72]

Desse modo, ficaram dois projetos tramitando na Câmara, o de Eduardo Jorge e o substitutivo de Jefferson, que reunia 28 outras propostas, inclusive a de Eduardo.[73] Em 6 de setembro, o governo enviou um novo projeto que espelhava o substitutivo de Jefferson. Jefferson continuaria como relator do novo projeto e usaria o seu próprio texto, evitando assim a votação pelo regime de urgência do projeto de Eduardo. O governo acreditava que o texto de Jefferson era mais abrangente e tinha expectativa que fosse aprovado até o dia 10 seguinte.[74]

O projeto foi aprovado na Câmara no dia 11. A oposição ainda tentou resgatar elementos do projeto de Eduardo, mas foram derrotados. Em plenário, o deputado Fernando Gabeira (PV-RJ) disse que: "Escolheram uma pessoa que entende de armas para ser o relator. Deveriam ter escolhido alguém que entende de pessoas". Em resposta ao comentário, Jefferson disse que atira somente em pedaços de papel, por esporte.[75] Posteriormente, em novembro do mesmo ano, a Folha de S.Paulo noticiou que Jefferson havia conseguido recuperar 23 armas de sua coleção que haviam sido recentemente roubadas.[76]

União civil homossexual[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Projeto de Lei 1151 de 1995

Em abril de 1995, o deputado foi escolhido como relator de um projeto de lei de autoria da deputada Marta Suplicy (PT-SP) que permitiria a união civil entre pessoas do mesmo sexo. Marta entendia que o potencial apoio de um deputado neutro, como Jefferson, daria maior legitimidade ao projeto.[77] Lideranças gays do Rio de Janeiro criticaram a escolha, no entanto, apontando que, se o projeto fosse bem sucedido, levaria à reeleição de um homófobo.[78]

Quando a Folha de S.Paulo buscou o gabinete do deputado para uma entrevista, seu assessor chefe de gabinete, Onésio Ferreira, zombou da causa: "Vocês vieram fazer a matéria da bicharada? Sabem qual é a diferença entre o homossexual e o veado? Homossexual é usado quando você tem um parente bicha, e veado é para os parentes dos vizinho".[79] Informado da frase, Jefferson riu: "Como vê, esse assunto é muito complicado".[79] Na entrevista em si, perguntando se era favorável a união de homossexuais, respondeu: "Acho que eles são seres humanos e merecem respeito. A opção existe e sempre existiu. A sociedade deve parar e pensar sobre isso."[77]

Na ocasião, Jefferson ressaltou ter faro para abraçar causas polêmicas, citando tanto sua atuação na Constituinte quanto seu apoio a Collor. Antes de mais nada, ele queria "saber a opinião de todo mundo", ouvindo setores da igreja, antropólogos e psiquiatras.[77] Destacou que o projeto tinha uma finalidade absolutamente econômica: "No caso de um dos dois morrer, o outro pode receber herança e ter benefício da Previdência." E disse ainda que, desde que assumiu a relatoria, ouvia piadinhas e gracejos: "Ficam me perguntando se a união entre gays vai ser obrigatória. Não me proponho a ser o deputado da categoria. É importante ter bom humor e aguentar as piadinhas."[77]

Tanto Marta quanto Roberto entendiam que uma das maiores dificuldades da aceitação da proposta era a confusão do público entre o casamento e a união civil. Segundo ele: "A princípio as pessoas são contra, mas, depois da minha explicação, passam a considerá-la justa". Marta e Jefferson esforçavam-se para que a lei não ficasse conhecida como "Lei do Casamento Gay".[80] Roberto Jefferson também acatou uma recomendação do jurista Luiz Edson Fachin de evitar o termo "união", dado o potencial conflito com o capítulo da família na Constituição: "Para evitar que o projeto seja declarado inconstitucional, antes mesmo de se discutir o mérito, devo propor a mudança de 'união' para 'parceria".[81] Além dessa alteração, garantiu que seu parecer ao projeto seria favorável, com expectativa de votação na comissão especial da Câmara até final de outubro de 1996.[82]

No final de outubro, Jefferson anunciou que incluiria também o direito de financiamento conjunto, como o da casa própria. A ideia surgiu a partir de uma queixa de um casal homossexual.[83] Em busca de mais votos favoráveis, o relator anunciou em novembro que todas as uniões civis seriam registradas em livro próprio, separadas das outras. Também ressaltou que o nome "união civil" seria trocado por "parceria civil" ou mesmo "parceria registrada", nome esse inspirado pelo relato da deputada sueca Barbro Westerholm, que veio à comissão contar como foi a tramitação da proposta em seu país.[84] Uma modificação sugerida a qual Marta se opôs foi a proibição explicita de adoção de crianças e a custódia de filhos dos parceiro: "Ao proibir, ele tira o direito constitucional que permite a qualquer pessoa adotar crianças. É melhor deixar que a Justiça decida cada caso […] O mesmo vale para a custódia. Se a criança não tiver mais ninguém na família, deve ser mandada para a Febem?".[85]

O substitutivo de Jefferson foi formalmente apresentado em 26 de novembro de 1996, e todas as modificações no texto foram aprovadas pela autora.[86] Os três principais apoiadores do projeto, Marta, Jefferson e a presidente da comissão especial, deputada Maria Elvira (PMDB-MG), trabalharam para que ele fosse votado ainda naquele ano.[86] Na véspera do voto na comissão, Jefferson brincou que iriam "aprovar a Lei Áurea dos homossexuais brasileiros. Mas quero deixar claro que o papel de princesa Isabel é da Marta Suplicy".[87] Após cinco meses de debates, a comissão especial aprovou o projeto por 11 votos a 5.[88]

No plenário, no entanto, o projeto definhou. Em agosto de 2001, Jefferson pediu ao presidente da casa, Aécio Neves, que o incluísse na pauta para votação.[89] Em 2003, o projeto já tinha entrado e saído de pauta três vezes; segundo Jefferson, as próprias lideranças homossexuais prefeririam aguardar um momento mais propício para votar a questão.[90]

Liderança e presidência partidária[editar | editar código-fonte]

O deputado votou a favor da instituição da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CMPF), conhecida como imposto do cheque.[91]

Numa matéria da Folha de S.Paulo em 1996 sobre o uso da internet pelos políticos, consta que Roberto recebia na época uma média de seis e-mails por semana.[92]

Com o afastamento de Pedrinho Abrão em dezembro de 1996, dois nomes despontaram como fortes candidatos à liderança do PTB: Rodrigues Palmas, do Mato Grosso, e Roberto Jefferson.[93] O vencedor, no entanto, foi Vincente Cascione, de São Paulo; Jefferson indignou-se e afirmou: "Só nove deputados votaram. Foi um golpe do Cascione".[94]

Na eleição para presidente da Câmara dos Deputados de 1996, Jefferson apoiou Michel Temer.[95]

Em 1997, Jefferson foi admitido pelo presidente Fernando Henrique Cardoso à Ordem do Mérito Militar, no grau de Comendador especial.[1] Em 10 de abril daquele ano, votou favoravelmente à reforma administrativa.

Em setembro de 1997, o Movimento Nacional Desperta Brasil apresentou um projeto de iniciativa popular que buscava restabelecer os direitos políticos do ex-presidente Collor. Roberto Jefferson foi designado coautor do projeto, e declarou que seu objetivo era lançar Collor para presidente na eleição de 1998.[96] No entanto, uma análise preliminar dos técnicos da Câmara constatou que não haviam assinaturas o suficiente (a Constituição exige 1% do eleitorado, haviam menos de 100 mil assinaturas legítimas).[97]

Em 1999, o PTB o elegeu líder do partido na Câmara,[carece de fontes?] cargo no qual permaneceria até 2002.

Eleições de 2002[editar | editar código-fonte]

No 1° turno das eleições presidenciais de 2002, Jefferson apoiou Ciro Gomes (então no PPS).[98] Já no segundo turno, recomendou voto para o candidato vitorioso Luiz Inácio Lula da Silva (PT).[99]

Na política municipal do Rio, Roberto, como presidente regional do PTB, pediu a expulsão do então prefeito Cesar Maia, que planejava trocar de partido para o PFL.[100] O deputado havia anteriormente tentado resolver as divergências com o prefeito, inclusive o apoio a Ciro na presidencial.[100] Ainda assim, Maia foi expulso em 4 de junho.[101] Em troca, Jefferson afirmou que negociava o ingresso do ex-prefeito Luiz Paulo Conde;[102] ele tencionava Conde como o candidato do partido ao Palácio das Laranjeiras na eleição de 2002.[103] O ex-prefeito, no entanto, decidiu continuar no PFL e fazer oposição interna a Maia.[104]

Apoio a Ciro Gomes[editar | editar código-fonte]

A executiva nacional do PTB selou o apoio a Ciro Gomes, por unanimidade, em maio de 2001; na ocasião, Jefferson disse que, com o tempo de TV no horário eleitoral trazido pelo PTB, a candidatura era agora real (o tempo de Ciro, que era de 32 segundos, passaria para 8 minutos e 12 segundo).[105] O PTB descartou uma aliança na Câmara com o PPS, naquele momento, mas Jefferson relevou que romperiam desde já com o PSDB, "senão fica incoerente". Mas ainda assim, manteriam apoio ao governo: "Vamos manter o apoio com independência. Não somos governo, não temos ministérios nem cargos no primeiro escalão", explicou.[106] A Folha de S.Paulo disse que a presença de Jefferson era uma "presença incômoda" no palanque de Ciro, que tentava evitar a imagem de "novo Collor".[107] A aliança também prejudicava a sua imagem de "político renovador".[108] Questionado, Ciro defendeu o apoio de Roberto a Collor: "Ninguém pode acusar alguém de corrupção por ter defendido o outro. Isso não é política."[109]

Ainda em 2001, Jefferson aconselhou seu candidato a moderar os ataques ao presidente: "Ele tem de moderar o discurso, parar de bater no Fernando Henrique Cardoso. Parece o Lula sem barba. Quem vai votar no Ciro não é de oposição, é um descontente". Declarou também que "nossa candidatura é de centro-esquerda, centro e centro-direita. O Ciro não vai substituir o Lula."[110] Em 22 de outubro, Ciro fez uma declaração comparado os políticos a cocô de galinha, o que Jefferson comentou: "Partindo dele, que é um dos maiores políticos do Brasil, é um pensamento para ser respeitado".[111] Em dezembro, com a contínua "oposição radical" de Ciro a FHC, o PTB mostrou-se hesitante: "Vamos sentar e olhar o quadro. Pode ser que não seja o mesmo do verão", declarou Jefferson, deixando uma decisão definitiva para abril de 2002.[112] Alguns petebistas consideravam interessante apoiar Roseana Sarney.[112]

Em um encontro de Ciro com o ex-presidente Itamar Franco e Leonel Brizola, Ciro teria oferecido a vice-presidência a aquele. Jefferson reagiu: "Como Ciro oferece o lugar de vice a Itamar se isso está prometido ao PTB? Ainda mais com Itamar! Esse filme eu já vi e não gostei dele".[113] A Folha relatou que, nas inserções do PTB na televisão naquele mês de agosto, Ciro pouco apareceu. As estrelas do comercial foram justamente Jefferson, o deputado José Carlos Martinez e o líder sindical Paulinho da Força.[114]

Em dezembro daquele ano, Jefferson participou junto com onze outros políticos do Show do Milhão do SBT. Metade do prêmio foi doado a uma instituição de caridade de São Paulo.[115]

A indicação do PTB de Paulinho da Força como possível companheiro de chapa de Ciro estava "praticamente certa", mas, em junho de 2002, Jefferson defendeu a indicação de Sônia Santos, ex-vereadora de Porto Alegre: "Ela agrega. Tem densidade, não conheço uma oradora que a supere. Ela fala do fundo do coração".[116] Paulinho, no entanto, ameaçou retirar o apoio da Força Sindical se não fosse o vice, o que Jefferson aceitou e brincou: "Paulinho tem a força, é uma espécie de He-Man. Vai acabar sendo ele mesmo o vice. A Sonia tem apenas o sentimento."[117] Paulinho afinal consagrou-se candidato, mas, em agosto, já na campanha, surgiram denúncias de desvio de recursos do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) repassados à Força Sindical. Jefferson defendeu o afastamento de Paulinho e declarou que "não podemos ficar dias acuados e não dá para o Ciro arrastar peso. Temos que aliviar o avião dele para a travessia do Atlântico e jogar o peso no mar". Mesmo com pressões para que Paulinho renunciasse à candidatura, Ciro defendeu o vice.[118]

A partir de setembro, com a contínua queda de Ciro nas pesquisas eleitorais, seus aliados da Frente Trabalhista começaram a discutir outros possíveis arranjos, incluindo uma possível desistência da candidatura, o que Ciro prontamente recusou.[119] Jefferson também era contra a renúncia: "É um absurdo. Se o Ciro não admite a renúncia, ninguém pode falar nisso."[120] Ele responsabilizou o senador Roberto Freire pela não inclusão do Partido da Frente Liberal (PFL) na coligação: "Com o PFL, teríamos mais tempo que o Serra."[119]

Em 9 de outubro, na véspera da eleição, Ciro caminhou por Copacabana, acompanhado da esposa, Patrícia Pillar, e de Jefferson.[121] A Folha ressaltou sua lealdade, ao notar a semelhança com o apoio do deputado a Collor, igualmente até o fim.[122]

Comentando a sua própria reeleição, Jefferson confessou abertamente ter feito uma cirurgia para redução do estômago (que o levou a perder 78 quilos) e ainda uma plástica para retirar o excesso de pele: "Eu estava com uma fralda de gordura na região pubiana que me deixava constrangido de tirar a roupa até na frente da minha esposa. […]".[123] O candidato defendeu que os políticos assumissem essas intervenções estéticas, e disse sentir a diferença, em termos eleitorais, de uma boa aparência.[123]

Aliança com o PT[editar | editar código-fonte]

Após o primeiro turno da eleição presidencial, Jefferson declarou que a Frente Trabalhista estava oficialmente encerrada e que cada partido estava livre para apoiar quem quisesse no segundo turno. Ainda assim, entre Lula e Serra, disse preferir a neutralidade: "Essa briga do segundo turno é entre o PT e o PSDB. Não quero entrar no meio dessa briga e vou defender essa posição dentro do partido. Essa briga tem que ser resolvida entre eles".[124] Disse ainda que, se "for possível, acho que todos deveriam votar nulo, como forma de protesto."[125] Noutra ocasião, Jefferson foi taxativo: "Não voto em sapo barbudo nem em sapo careca". [126]

Ainda assim, motivados principalmente por rejeição a Serra, em reunião no dia 11 de outubro, os dirigentes do PTB decidiram apoiar Lula. Apesar da decisão ser anunciada como unânime, Jefferson continuou marcando sua oposição, declarando que não desejava nada dos petistas, nem mesmo "companhia".[127] Alguns dias depois, no entanto, em entrevista à Agência Brasil, disse que havia muito expectativa da população com a vitória petista e portanto era preciso apostar na proposta vencedora e ajudar Lula com as negociações que iriam vir: "A negociação vai continuar, como sempre, o que muda é que agora será conduzida pelo PT e não pelo PSDB".[128]

Posteriormente, em seu livro, Jefferson diz que a decisão de apoiar o PT lhe deu vontade de vomitar.[129] O deputado já havia demonstrado o antipetismo anteriormente, ao comentar, por exemplo, a aliança petista com o PL, ocasião na qual disse que "a soma de PT com PL é igual a uma célula do Taleban. É a mistura do radicalismo político com o radicalismo religioso".[130] Em dezembro de 2001, comparou Lula com o presidente Fernando de la Rúa da Argentina, que passava por crise econômica e política: "Se o Brasil quiser testá-lo na Presidência, os supermercados que se cuidem."[131] A antipatia era mútua: um dos ministros de Lula relatou anos depois, numa entrevista em off, que, na primeira vez que teve que apertar a mão de Jefferson, sentiu "um mal-estar físico, porra, não tô acreditando, pra quem lutou na Constituinte ele era símbolo daquele negócio mais filho da puta, mais sórdido".[132]

Governo Lula[editar | editar código-fonte]

Em 8 de novembro, a Folha noticiava que os líderes do PTB (Jefferson, Fleury, e José Carlos Martinez, presidente do partido) apoiariam governo Lula e também o então presidente do PT, José Dirceu, se ele se candidatasse à presidência da Câmara.[133] Em entrevista em dezembro, Jefferson disse que não aceitaria nada menos que um ministério para o partido, principalmente considerando que partidos menores (como o PPS e o PCdo B) já haviam conseguido seu lugar na Esplanada; disse também que os petistas haviam primeiro os convidado a participar do governo e depois "desconvidado".[134] Martinez, no entanto, esclareceu que iriam "apoiar o governo de Luiz Inácio Lula da Silva em qualquer circunstância", mas não negou a pretensão pelo Ministério da Agricultura.[135]

Em 13 de dezembro, a Câmara aprovou um conjunto de medidas que prorrogava e aumentava impostos, gerando uma arrecadação adicional de cinco bilhões de reais para o governo vindouro, o que Jefferson batizou de "Dia da Derrama", em referência à Noite da Derrama de 1789.[136]

A Folha de S.Paulo relata que, na reunião que confirmou a adesão petebista ao governo, José Genoino teria batido no peito de Jefferson e dito: "Fala, meu companheiro".[137] Jefferson, por sua vez, logo declarou em entrevista que confiava "cegamente" no então presidente-eleito: "Somos diferentes do PT. E é essa diferença que nos tornará unidos, com muito afeto".[138] Após reuniões com Dirceu, já confirmado como ministro-chefe da Casa Civil, ficou decidido que o PTB ficaria com o Ministério dos Esportes (assumida pelo deputado Mares Guia)[139] e com a presidência da Infraero (com o senador Carlos Wilson).[139][140]

Reformas[editar | editar código-fonte]

Com a vitória da oposição petista, houve um período de "troca-troca" no começo de 2003, com muitos políticos trocando de partidos. Muitos escolheram o PTB: o partido havia eleito 26 deputados, mas almejava chegar na posse em 1º de fevereiro com pelo menos 45, crescimento maior do que dos outros partidos.[141] Jefferson disse que a preferência se dava pelo "fato de o partido ser unido, nunca tivemos brigas".[142] Com o apoio petebista, a base do governo na Câmara contava com aproximadamente 250 deputados, menor do que a base dos dois governos anteriores.[142] No fim, o PTB entrou na 52.ª legislatura com 41 deputados, o que lhe dava direito a presidência de uma comissão.[143]

Logo no começo do seu governo, em janeiro de 2003, Lula prometeu uma relação mais próxima do Congresso, em uma reunião na Granja do Torto na qual Jefferson estava presente.[144] Na reunião, a primeira-dama Marisa Letícia reclamou da falta de mulheres durante o encontro. Jefferson achou a reclamação justa e resolveu indicar a deputada Elaine Costa para a vice-liderança do PTB.[145] O foco do governo Lula naquele momento inicial era a aprovação de reformas constitucionais (previdenciária, tributária e trabalhista).[146] Houve mesmo um acordo, com o apoio de Jefferson, para alterar o regimento interno e apressar as votações.[147] No entanto, no meio de fevereiro, Jefferson já culpava o próprio PT pelo atraso da reforma da previdência dos servidores públicos (muitas das emendas que atrasavam a votação foram feitas pelo PT ainda quando era oposição).[148]

Ainda no começo daquele ano, surgiu um escândalo de grampos ilegais feitos em desafetos do senador Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA, conhecido como ACM). Houve a tentativa de estabelecer uma CPI dos Grampos, o que o PTB foi contra.[149] Jefferson criticou a provável liderança da CPI: "Só quem é cotó pode cutucar a ferida dos outros. […] E Jungmann não é cotó. Muito pelo contrário, o rabo dele é comprido demais para ficar querendo pedir instalação de CPI."[150] Em 10 de março, comentou sobre o caso com alusão a política romana do panem et circenses: "O Fome Zero é o pão. ACM, o circo."[151] Uma lei feita por Jefferson que garante o direito a um advogado durante as CPIs foi aprovada pela Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania em 19 de março, alguns dias após a abertura de sindicância no Conselho de Ética do Senado sobre o caso.[152] Essa seria a última lei de autoria de Roberto a ser aprovada.

Em março, o governo fatiou a reforma financeira, decidindo levar a independência do Banco Central (BC) em separado. Jefferson comentou que o PTB não era "um partido de reclamar. Integramos a base de apoio e votamos com o governo. Mas somos contra a autonomia do BC". Além do PTB e da ala radical petista, a independência funcional do BC também era oposta por PPS e pelo PDT.[153]

Curiosamente, na votação, a oposição mostrou-se favorável ao projeto enquanto as maiores criticas vieram de alas mais radicais do próprio partido do governo, como as dos deputados Babá e Luciana Genro. Jefferson brincou com a ideia que o petista Babá seria agora o líder da oposição: "O que é isso que estamos vivendo? Estamos sendo liderados pelo deputado Babá? Assistir ao PFL aplaudi-lo é muito para mim. Não dá". Em sua vez de votar, Jefferson criticou ironicamente os colegas por fazerem "o PT sangrar" por suas contradições internas.[154]

Contradições internas na base do governo também foram ficando evidentes. Dentro do PTB, enquanto Jefferson falava em manter a "tropa unida" a favor do governo, o deputado Luiz Antonio Fleury Filho se dizia incapaz de votar a favor da reforma, sendo ele mesmo aposentado.[155] Para Jefferson, era fundamental explicar minuciosamente à população a proposta de reforma, o que faria com que "90% das resistências" fossem superadas.[156]

Em maio, a deputada Telma de Souza (PT-SP) agradeceu o apoio de Roberto, e brincou: "Depois que você fez plástica e passou a apoiar o PT, ficou tão bonito quanto o Gianecchini."[157]

Certa vez, em 28 de maio, a CCJ preparava-se para votar o relatório da reforma tributária, quando o presidente da Câmera, João Paulo Cunha (PT-SP), convocou todos os deputados para a ordem do dia, adiando assim a votação para o dia seguinte. Pego de surpresa, Jefferson comentou ironicamente: "Isso só acontece no governo do PT. O Aleluia [José Carlos Aleluia, líder do PFL] não sabe ser oposição e o PT não sabe ser governo".[158]

Em entrevista à Folha em junho de 2003, Jefferson elogiou Dirceu, e contou que os cargos indicados pelo PTB passavam pelo aval da Casa Civil.[159]

A reforma da previdência foi aprovada na CCJ em 5 de junho, numa sessão acompanhada por muitos aposentados, que vaiavam cada voto a favor e aplaudiam os contrários.[160] Mesmo ao som de vaias, Jefferson disse que: "Isso aqui é que nem torcida. Hoje você é vaiado e amanhã pode ser aplaudido. Então, por favor, eu quero ser vaiado com o PT".[161]

O presidente do PTB José Martinez faleceu em um acidente de avião no Paraná.[162] Em 16 de outubro, Roberto Jefferson foi escolhido como seu sucessor na presidência do partido. Em seu discurso de posse, Jefferson prometeu continuar o trabalho do antecessor e se esforçar para que, em breve, o PDT se tornasse o terceiro maior partido da Câmara.[163] Também pleiteava mais um ministério para o partido.[164]

Em 18 de junho, Jefferson contou à Folha que Carlos Wilson da Infraero não contava mais com o apoio do PDT. A disputa se deu pela indicação de cargos.[165] Irônico, Jefferson disse que: "Político em empresa pública rouba ou pratica incompetências. Ressalvo o ex-senador Carlos Wilson, que é um grande técnico de carreira".[166]

Municipais de 2004[editar | editar código-fonte]

Em 2005, Jefferson admitiu que a ajuda incluiu uma quantia de quatro milhões de dólares não declarada à Justiça Eleitoral — o que caracteriza crime tanto do PTB quanto do PT.[carece de fontes?]

Desempenho eleitoral[editar | editar código-fonte]

Ano Eleição Partido Candidato a Votos Resultado
1982 Eleições estaduais no Rio de Janeiro em 1982 PTB Deputado federal 84 638 Eleito
1986 Eleições estaduais no Rio de Janeiro em 1986 PTB Deputado federal 24 938 Eleito
1988 Eleição municipal do Rio de Janeiro em 1988 PTB Prefeito 68 156 Não eleito
1990 Eleições estaduais no Rio de Janeiro em 1990 PTB Deputado ederal 33 846 Eleito
1994 Eleições estaduais no Rio de Janeiro em 1994 PTB Deputado federal 32 859 Eleito
1998 Eleições estaduais no Rio de Janeiro em 1998 PTB Deputado federal 61 599 Eleito
2002 Eleições estaduais no Rio de Janeiro em 2002 PTB Deputado federal 40 685 Eleito

Mensalão[editar | editar código-fonte]

Escândalo dos Correios[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Escândalo dos Correios

O escândalo dos Correios começou em maio de 2005, com a divulgação de um vídeo no qual Maurício Marinho, chefe do departamento de contratação da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos, recebe três mil reais como propina para fraudar licitações públicas da autarquia. Na gravação em fita VHS, Marinho se diz representante de Roberto Jefferson.[167]

Em 2005, a revista Veja divulgou uma entrevista na qual Lídio Duarte, presidente do Instituto de Resseguros do Brasil (IRB), revelou que Roberto Jefferson, por meio de um corretor amigo seu, Henrique Brandão, exigiu que Lidio contribuísse com 400 mil reais por mês para o PTB.[168] Lidio havia chegado à presidência da estatal por indicação do partido. Ele revelou ainda que eram periódicas as reuniões na casa do deputado para cobrar uma "mesada" dos indicados do PTB em cargos federais.[168]

Denúncia[editar | editar código-fonte]

Na segunda-feira, dia 6 de junho de 2005, a Folha de S.Paulo publicou uma entrevista de Roberto Jefferson na qual ele diretamente denunciava a compra de deputados federais da base aliada do governo federal em troca de pagamentos em dinheiro, uma prática que ficaria conhecida como "mensalão".[169]

Na entrevista à jornalista Renata Lo Prete, Jefferson em primeiro momento explica suas conexões pessoais com os envolvidos no escândalo dos Correios e nega que Henrique Brandão havia pedido contribuições em seu nome. Aí, Jefferson muda ligeiramente assunto e relata que deputados estavam apreensivos com um discurso seu em plenário; Pedro Corrêa (PE), presidente do PP, teria chegado junto a ele, esbaforido, e dito para tomar cuidado com o que ia falar, revelando que a fita de Marinho havia sido interceptada pelo governo. Roberto responde: "Pedrinho, se era essa a sua preocupação, pode ficar tranquilo, essa conversa nunca existiu […] eu vejo, Pedrinho, que você não tem convicção de fita nenhuma. Fica calmo que eu não vou contar nada do que eu sei a respeito de 'mensalão". Renata então lhe pergunta diretamente: " E o que o senhor sabe?" Roberto Jefferson, assim, revela:[169]

Um pouco antes de o Martinez morrer [​José Carlos Martinez, presidente do PTB], ele me procurou e disse: "Roberto, o Delúbio [​Soares, tesoureiro do PT] está fazendo um esquema de mesada, um "mensalão", para os parlamentares da base. O PP, o PL, e quer que o PTB também receba. R$ 30 mil para cada deputado. O que você me diz disso?". Eu digo: "Sou contra. Isso é coisa de Câmara de Vereadores de quinta categoria. Vai nos escravizar e vai nos desmoralizar". O Martinez decidiu não aceitar essa mesada que, segundo ele, o doutor Delúbio já passava ao PP e ao PL. Morto o Martinez, o PTB elege como líder na Câmara o deputado José Múcio (PE). Final de dezembro, início de janeiro, o doutor Delúbio o procura: "O Roberto é um homem difícil. Eu quero falar com você. O PP e o PL têm uma participação, uma mesada, eu queria ver se vocês aceitam isso". O Múcio respondeu que não poderia tomar atitude sem falar com o presidente do partido. Aí reúnem-se os deputados Bispo Rodrigues [PL-RJ], Valdemar Costa Neto [SP, presidente do PL] e Pedro Henry [PP-MT] para pressionar o Múcio: "Que que é isso? Vocês não vão receber? Que conversa é essa? Vão dar uma de melhores que a gente?". Aí o Múcio voltou a mim. Eu respondi: "Isso desmoraliza. Tenho 22 anos de mandato e nunca vi isso acontecer no Congresso Nacional".

Renata então pergunta se o deputado deu ciência ao governo sobre essas negociações. Jefferson lhe responde que entrou em contato primeiro com o ministro do Turismo, Walfrido Mares Guia, também do PTB, que teria se recusado a aceitar o mensalão, em hipótese alguma ("Eu não terei coragem de olhar nos olhos do presidente Lula."). Depois, Jefferson teria falado com o ministro José Dirceu: "O Zé deu um soco na mesa: "O Delúbio está errado. Isso não pode acontecer. Eu falei para não fazer"'. Como o mensalão continuou, por volta de junho de 2004 Jefferson falou com o ministro Ciro Gomes: "Falei: "Ciro, vai dar uma zebra neste governo. Tem um "mensalão". Hoje eu sei que são R$ 3 mi, R$ 1,5 mi de mensal para o PL e para o PP. Isso vai explodir". O Ciro falou: "Roberto, é muito dinheiro, eu não acredito nisso". Depois, ainda, Jefferson teria falado com o ministro da Fazenda Antonio Palocci, com o líder do governo na Câmara, deputado Aldo Rebelo, e com o ministro Miro Teixeira, ao qual pediu para interceder diretamente com o presidente Lula, que, naquela época, não os recebia. Segundo Jefferson, quando encontrou-se e informou diretamente o presidente, Lula teria chorado.[169]

No princípio deste ano, em duas conversas com o presidente Lula, na presença do ministro Walfrido, do líder Arlindo Chinaglia, do ministro Aldo Rebelo, do ministro José Dirceu, eu disse ao presidente: "Presidente, o Delúbio vai botar uma dinamite na sua cadeira. Ele continua dando 'mensalão' aos deputados". "Que 'mensalão'?", perguntou o presidente. Aí eu expliquei ao presidente.

Folha [​Renata Lo Prete​] - Qual foi a reação dele?

Jefferson - O presidente Lula chorou. Falou: "Não é possível isso". E chorou. Eu falei: É possível sim, presidente. Estava presente ainda o Gilberto Carvalho [chefe-de-gabinete].

Depois dessa conversa, o mensalão teria parado: "Tenho certeza de que parou, por isso está essa insatisfação aí [na base parlamentar]. Ele meteu o pé no breque. Eu vi ele muito indignado."[169] Perguntando sobre o que teria levado a essa situação, respondeu que era "mais barato pagar o exército mercenário do que dividir o poder. É mais fácil alugar um deputado do que discutir um projeto de governo. É por isso. Quem é pago não pensa."[169]

Em continuidade a matéria, na mesma entrevista, Jefferson diz também ter se arrependido de recuar sobre a instalação da CPI.[170]

Perguntando se, como presidente do PTB, faria algo de diferente em relação ao PT e ao governo Lula, respondeu simplesmente que: "O PT não tem coração".[170]

Na quinta, 9, o deputado Valdemar Costa Neto, presidente do PL, apresentou queixa-crime contra Jefferson pelos três crimes contra a honra do direito brasileiro: calúnia, injúria e difamação.[171]

Conselho de Ética e CPI[editar | editar código-fonte]

Roberto Jefferson, durante depoimento do deputado José Dirceu, no Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara dos Deputados, 2005

Jefferson foi convocado ao Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara para esclarecer as denúncias. Nesta oportunidade, ele reiterou que a cúpula petista sabia do esquema.[172]

Em uma discussão com José Dirceu, Roberto disse: "Tenho medo de vossa excelência, porque vossa excelência provoca em mim os instintos mais primitivos". A frase se tornaria uma das mais emblemáticas de todo o escândalo.[173]

Famosamente, durante CPI dos Correios, Jefferson depôs com um grande hematoma no olho esquerdo. O motivo da lesão, quem teria lhe dado um soco, já foi chamado de "um dos maiores mistérios da política nacional" por Álvaro Costa e Silva, colunista da Folha.[174] O jornalista Cássio Bruno apresentou duas possíveis versões em seu livro "O Homem que Abalou a República" de 2017: uma diz que Jefferson queria verificar a autoria da música Nervos de Aço (samba escrito por Lupicínio Rodrigues e gravado por Paulinho da Viola) e para isso subiu num armário de madeira para pegar sua caixa de CDs, machucando-se ao desequilibrar-se da escada e bater o olho na quina do móvel; a outra versão diz que uma suposta amante teria derrubado o deputado sob o armário.[174]

O sociólogo Celso de Barros, em livro sobre a história do PT, destaca que Jefferson não se opunha exatamente a distribuição de cargos, pelos quais se extraía dinheiro (propinas ou outras ilegalidades) e sim à distribuição direta do dinheiro, em espécie, como se fosse uma mesada.[175] Como consta em seu livro, Jefferson teria dito aos petistas que "quem faz caixa no meu partido sou eu. Não aceito mesada de vocês".[176]

Cassação[editar | editar código-fonte]

Roberto Jefferson depõe em 2005 no Conselho de Ética da Câmara.

No dia 14 de setembro de 2005, o mandato de Jefferson foi cassado, perdendo seus direitos políticos por oito anos. O placar da votação foi de 313 votos a favor e 156 contra (mais 13 abstenções, cinco votos em branco e votos nulos).[177]

Em 10 de outubro de 2005, Jefferson teve sua aposentadoria como deputado publicada no Diário Oficial.[178]

No dia 29 de maio de 2006, foi entrevistado no programa Roda Viva, da TV Cultura. Durante a entrevista, queixou-se do isolamento, mas disse que estava "de cabeça erguida". Na ocasião, Roberto Jefferson disse também que os negócios como advogado não estavam muito bem: mesmo sendo especialista em direito comercial e tributário, seus potenciais clientes — empresas e corporações — temiam possíveis represálias de órgãos governamentais caso entrem com petições assinadas por ele.[179]

Em julho de 2012, passou por uma operação médica para a retirada de um tumor no pâncreas.[180]

Julgamento[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Ação Penal 470

Manifestando-se em seu blog após a primeira condenação, aceitou-a e novamente rejeitou ter se beneficiado pessoalmente do dinheiro: "Embora não concorde com as imputações, recebo com serenidade a decisão dos ministros. E reafirmo: não vendi o meu partido ao PT nem me apropriei para fins pessoais de nem um centavo sequer do dinheiro que a mim chegou para financiar campanhas eleitorais".[181] Rejeitou também ser chamado de delator e disse ser vítima apenas de si mesmo: "Muito menos sou delator, alcunha com que tentam à força me marcar. Não sou vítima de ninguém, a não ser de mim mesmo. Nada a reclamar. Dura lex, sed lex".[181]

Em 28 de novembro de 2012, Roberto Jefferson foi condenado a sete anos e 14 dias de prisão, além de pagar multa de 720 mil reais, pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.[182]

Prisão[editar | editar código-fonte]

Jefferson foi preso em 24 de fevereiro de 2014 no município de Comendador Levy Gasparian, no Rio.[183]

Mesmo dentro da cadeia, ajudou na campanha à deputada federal de sua filha Cristiane Brasil na eleição de 2014. No segundo turno da eleição presidencial daquele ano, a decisão do PTB apoiar o candidato Aécio Neves foi aprovada após consulta e aval de Jefferson, segundo entrevista do Secretário de Comunicação do PTB ao jornalista Cássio Bruno.[184]

Soltura, governo Bolsonaro e segunda prisão[editar | editar código-fonte]

Em maio de 2015, Roberto Jefferson passou a cumprir o restante de sua pena em regime aberto, após autorização concedida pelo ministro Luís Roberto Barroso.[185] No dia 29 daquele mês, Roberto casou-se com Ana Lúcia Novaes, em cerimônia realizada na ilha de Capri, Três Rios, no sul do Rio de Janeiro. Em seus votos, disse: "Minha linda, minha Ana, você desperta em mim o encanto pela vida, você me enternece, e a ternura faz de mim um ser humano melhor. Você desperta em mim os instintos mais deliciosamente primitivos", em referência à frase célebre da briga com Dirceu na CPI dos Correios.[186]

Na véspera do natal de 2015, o decreto 8.615/2015 assinado pela presidente Dilma Rousseff concedeu indulto penal para os presos condenados por crimes menos graves, não reincidentes e com bom comportamento prisional.[187] Com o Ministério Público reconhecendo o cumprimento dos requisitos, o ministro Barroso declarou extinta a punibilidade de Roberto Jefferson, além de cinco outros corréus do processo do Mensalão em março de 2016.[188]

Em janeiro de 2018, Jefferson anunciou que sua filha Cristiane Brasil seria a nova ministra do Trabalho do governo Michel Temer.[189] Cristiane, no entanto, teve seu posto indeferido pela Justiça por duas condenações prévias em reclamações trabalhistas.[190] A decisão foi sustada pela segunda instância, mas novamente imposta pela ministra Carmen Lúcia do STF. Jefferson, diante da "indecisão da ministra Cármen Lúcia", anunciou pelo Twitter que o PTB retiraria a nomeação de Cristiane, indicando Helton Yomura no lugar.[191] O presidente Temer revogou o decreto da indicação em 23 de fevereiro.[192]

Durante as eleições presidenciais de 2018, o PTB primeiro aliou-se a Geraldo Alckmin.[193] Em 9 de outubro de 2018, para o segundo turno, Jefferson anunciou o apoio do PTB à campanha de Jair Bolsonaro.[194]

Ele foi vítima de um câncer no pâncreas, enfrentou várias recidivas que o afastaram do cotidiano do partido e do Congresso. Foi abatido por uma forte depressão, mas ressurgiu em uma live transmitida em 19 de abril de 2020, na qual denuncia um suposto “golpe parlamentarista” que estaria sendo urdido por Rodrigo Maia, em seguida declarou apoio ao presidente Jair Bolsonaro.[195]

Em 9 de maio de 2020, Roberto Jefferson divulgou uma foto segurando um fuzil, dizendo que se preparava para "combater o bom combate. Contra o comunismo, contra a ditadura, contra a tirania, contra os traidores, contra os vendilhões da Pátria. Brasil acima de tudo. Deus acima de todos". Jefferson também se mostrou a favor do fechamento do STF e da perseguição da imprensa: "Bolsonaro, para atender o povo e tomar as rédeas do governo, precisa de duas atitudes inadiáveis: demitir e substituir os 11 ministros do STF, herança maldita. Precisa cassar, agora, todas as concessões de rádio e TV das empresas concessionárias GLOBO. Se não fizer, cai." Comentando o assunto para o Congresso em Foco, o advogado Joelson Dias criticou a postura antidemocrática do político e o desgaste que essa declaração vai gerar no debate público em meio a Pandemia de Covid-19.[196]

Noutro comentário, atacou o Movimento Brasil Livre (MBL; Jefferson disse que a sigla se referia a "movimento da bunda libertina") e o deputado Kim Kataguiri, associado ao grupo: "aquele japonesinho que é deputado federal queima, não queima?". Processado por Kataguiri, foi condenado a pagar uma indenização de 20 mil reais em novembro de 2020.[197]

Em entrevista a um blog em 2020, Jefferson fez uma associação entre o Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) e o crime organizado: "Sei disso, porque fui preso e vi de perto. Ficam falando que Bolsonaro é ligado a milícias, mas esta é uma denúncia vazia. Quem manda nos chefes de tráfico, na verdade, é o PSOL". O partido processou Jefferson penalmente pelo comentário, pelo crime de difamação. Em novembro de 2023, no entanto, a justiça extinguiu a ação por prescrição (o prazo cai para metade para o réu com mais de 70 anos).[198]

Inquérito das milícias digitais[editar | editar código-fonte]

Em 27 de maio de 2020, foi alvo de busca e apreensão pela PF em um inquérito autorizado pelo ministro Alexandre de Moraes que combatia fake news.[199]

Novamente, em dezembro de 2020, em entrevista a Rodrigo Constantino, Roberto Jefferson voltou a ameaçar os 11 ministros do STF:

Nós temos que entrar lá e colocar para fora na bala, no pescoção, no chute na bunda, aqueles 11 malandros que se fantasiaram de ministros do Supremo Tribunal Federal. (...) Se o Supremo der a ideologia de gênero, nós temos que entrar lá e julgar aqueles caras todos no meio da praça, na bala.[200]

Em fevereiro de 2021, Roberto Jefferson foi condenado a pagar 50 mil reais para o ministro Alexandre por tê-lo chamado de "Xandão do PCC", numa alusão ao boato de que Alexandre teria advogado para o Primeiro Comando da Capital. Também foi condenado a pagar R$ 10 mil para a esposa do ministro, por ter insinuado, sem provas, que esta teria sido favorecida pelo cargo do marido.[201]

E 13 de agosto de 2021, Roberto Jefferson teve a prisão preventiva decretada pelo ministro Alexandre de Moraes, por envolvimento em uma milícia digital que atua contra democracia.[202] Moraes ainda determinou o bloqueio da conta do ex-deputado no Twitter, que, segundo o ministro, é "necessário para a interrupção dos discursos criminosos de ódio e contrário às Instituições Democráticas e às eleições". Segundo o inquérito, em uma conversa obtida pela PF, o Jefferson afirmou defender um "ato institucional", nos moldes do AI-5, contra o STF. A fala teria sido endereçada ao empresário e militante bolsonarista Otávio Fakhoury.[203] Os investigadores também apuram se há relação entre os ataques a órgãos públicos com o chamado "gabinete do ódio", que contaria com a suposta influência de filhos do presidente Jair Bolsonaro, e se os ataques seriam financiados com dinheiro público. Nos últimos anos, Jefferson se tornou uma espécie de expoente da tropa de choque virtual do presidente Jair Bolsonaro. A preocupação no entorno bolsonarista é que Alexandre de Moraes tem dado mostras que está cada vez mais próximo de integrantes da base do presidente.[204]

Na audiência de custódia, a defesa pediu a conversão da prisão preventiva em prisão domiciliar em razão de problemas de saúde de Jefferson. A prisão foi, no entanto, mantida. Questionado pelo juiz sobre as condições em que foi levado, Jefferson respondeu que não tinha reclamações: "Só tive que aturar três flamenguistas na viagem, sendo eu botafoguense. Não tenho nada a acrescentar, fui muito bem tratado, não houve nenhum desrespeito".[205] O pedido de conversão em domiciliar ficou para Moraes decidir, entendendo o ministro que o requerimento por razão de saúde era incompatível com a "atividade política intensa" realizada pelo acusado anteriormente. [206]

Em junho de 2022, o STF aceitou uma ação contra Jefferson pelos crimes, incitação ao crime de dano contra patrimônio público e homofobia. Segundo a Procuradoria-Geral da República, Jefferson "incentivou o povo brasileiro a invadir a sede do Senado e a praticar vias de fato em desfavor dos senadores, especificamente dos que integram a CPI da Pandemia, com o intuito de tentar impedir o livro exercício do Poder Legislativo".[207] Em janeiro de 2024, o Procurador-Geral da República Paulo Gonet pediu ao STF para analisar esse processo juntamente com aqueles dos ataques de 8 de janeiro em Brasília. Segundo o PGR, a conexão se dá por Roberto "haver utilizado parte da estrutura partidária financiada pelo erário para fragilizar as instituições da República […] numa estratégia dirigida a fomentar movimento de rompimento condenável da ordem política".[208]

Eleição de 2022 e ataque a policiais[editar | editar código-fonte]

A campanha presidencial de Roberto Jefferson em 2022 foi oficializada em 1º de agosto de 2022, tendo Padre Kelmon como seu candidato a vice-presidente.[209] Jefferson, no entanto, estava inelegível até a véspera do Natal de 2023. Em 19 de agosto, o ministro Carlos Horbach do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) determinou a suspensão de qualquer repasse do Fundo Eleitoral para a campanha até o julgamento final da candidatura.[210] No julgamento do mérito, o TSE indeferiu a candidatura por unanimidade.[211] O tribunal reconheceu que o indulto extingue os efeitos primários da condenação, mas persistem efeitos secundários.[212] Padre Kelmon foi escolhido pelo PTB como candidato à presidência.[212]

Em 23 de outubro de 2022, após ter proferido ofensas contra a ministra do STF Cármen Lúcia e violado medidas judiciais, teve o seu benefício da prisão domiciliar revogado. Neste mesmo dia, Jefferson trocou tiros e lançou granadas contra agentes da Polícia Federal durante o cumprimento da ordem de prisão, ferindo dois policiais.[213]

Assim que ficou sabendo do ataque do aliado aos policiais, o presidente Bolsonaro determinou que o ministro da Justiça, Anderson Torres, e o diretor-geral da PF, Márcio Nunes de Oliveira, fossem até Levy Gasparian para resolver a situação. Por volta das cinco da tarde, Jefferson ficou sabendo que o ministro Torres estava a caminho e resolveu continuar a resistência: "Eu só me entrego quando o ministro chegar".[214] Um avião da Força Aérea Brasileira (FAB) os levou até Juiz de Fora, 50 quilômetros da casa de Jefferson. Ao aterrissar, o ministro ligou para um delegado do Rio que estava acompanhando a situação de perto, e que o dissuadiu de encontrar-se com Jefferson: "Honestamente, ministro, vai piorar o circo […] Não vai mudar o cenário e ainda vai fortalecê-lo politicamente" ele disse, segundo matéria da revista piauí. Torres e o diretor decidiram então irem até a Superintendência da PF no Rio; mesmo sendo informado da desistência, Jefferson não se acalmou e repetia que só se entregaria com o ministro presente.[214][215]

Após uma custosa negociação, Jefferson entregou o fuzil por meio de seu correligionário Padre Kelmon. Kelmon conseguiu entrar na casa de Jefferson passando por seus vizinhos de condomínio, e levou o fuzil até o portão da casa, onde entregou-o aos policiais, enquanto um pastor evangélico entoava orações ao seu lado. Um agente da PF que presenciou o momento disse ter sido "uma das cenas mais bizarras que eu já vi na vida".[214][216] Jefferson só se entregou às 19 horas.[217]

Em novembro, a investigação por tentativa de homicídio foi movida para a Justiça Federal do Rio de Janeiro, com expectativa de julgamento por tribunal do júri.[218] Ele foi preso em Bangu 8.[219] No dia 9 de dezembro do mesmo ano, virou réu por tentativa de homicídio contra policiais.[220] A defesa de Jefferson recorreu do julgamento por júri, esclarecendo que o réu não havia atirado com intenção de matar os policiais, "atirando somente na viatura". A defesa pleiteava a conversão da acusação para lesão corporal culposa e dano ao patrimônio público.[221]

Em 5 de junho de 2023, o STF autorizou a transferência de Jefferson para um hospital particular após ele cair na cela e sofrer um possível traumatismo craniano. De acordo com o laudo feito pela Secretaria de Administração Penitenciária do Rio, ele perdeu 16,5 kg em sete meses e foi diagnosticado com depressão.[222][223] A defesa de Jefferson pretendia pedir prisão domiciliar.[224] Em dezembro, Moraes negou o pedido.[225]

O partido de Jefferson, o PTB, do qual era presidente de honra, fundiu-se com o Patriota em novembro de 2023, por causa da cláusula de barreira.[226] A fusão só foi aprovada pelo Patriota com a condição que Jefferson não possuísse nenhum cargo de liderança.[227]

O Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo, em novembro de 2023, absolveu Jefferson e a filha Christiane das acusações de crime contra a honra pelas acusações à ministra Cármem Lúcia.[228]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas e referências

Notas

  1. "Mão Branca" foi um suposto justiceiro que apareceu na crônica policial fluminense no início dos anos 1980, sendo acusado de várias execuções de criminosos. Posteriormente foi revelado que "Mão Branca" nunca existiu, tendo sido inventado por um jornalista de Última Hora e incorporado pelos demais jornais fluminenses para promover suas vendas. Os crimes atribuídos a "Mão Branca" foram cometidos por policiais de grupos de extermínio e criminosos que se aproveitavam da fama do "justiceiro" para ocultarem sua identidade.[7][8]
  2. Em matéria na Folha de São Paulo, o jornalista João Batista Natali relata que as armas eram comuns entre os Constituintes. Ele cita um deputado do PFL de Pernambuco, segundo o qual "entre nós 85 estão agora com armas na cinta ou na maleta". De acordo com a matéria, quando Jefferson foi questionado pela imprensa se estava armado, já não estava: teria entregue o revólver a Gastone Righi, "que o guardou em sua maleta".[24]

Referências

  1. a b BRASIL, Decreto de 31 de março de 1997.
  2. «Roberto Jefferson é indiciado por quatro tentativas de homicídio». Exame. 24 de outubro de 2022 
  3. Luciana Nunes Leal. «Roberto Jefferson se casa e menciona mensalão em declaração à noiva». Estadão. Consultado em 22 de março de 2017 
  4. «Delator do mensalão, Roberto Jefferson é internado em Brasília». G1. 20 de maio de 2016. Consultado em 25 de outubro de 2022 
  5. «Tumor de Roberto Jefferson é maligno, segundo boletim médico». G1. 1 de agosto de 2012. Consultado em 26 de outubro de 2022 
  6. «Roberto Jefferson será vizinho de cela de Cabral e Jairinho em Bangu 8, no Rio». iG. 13 de agosto de 2021. Consultado em 26 de outubro de 2022 
  7. Mario Nicoll (21 de dezembro de 2005). «Mão Branca teria sido obra de ficção da imprensa». Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro-Faperj. Consultado em 14 de agosto de 2021 
  8. Ana Lucia S. Enne e Betina Peppe Diniz (2005). «O 'Caso Mão Branca' na imprensa do Rio de Janeiro: narrativa jornalística, ficção e o fluxo do sensacional» (PDF). Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal Fluminense (UFF). Consultado em 14 de agosto de 2021 
  9. «Televisão julgou e absolveu Mão Branca». Luta Democrática, ano XXVI, edição 7921, página 2/. 5 de maio de 1980. Consultado em 14 de agosto de 2021 – via Hemeroteca Digital Brasileira 
  10. Orelhão (4 de julho de 1980). «TVs ganhando terreno». Luta Democrática, ano XXVI, edição 7970, página 4/republicado pela Biblioteca Nacional-Hemeroteca Digital Brasileira. Consultado em 14 de agosto de 2021 
  11. «'Povo na TV' mostrou morte no ar». Folha de S.Paulo. 13 de setembro de 1996. Consultado em 11 de novembro de 2023 
  12. Reinaldo Azevedo (11 de maio de 2020). «Jefferson governista surgiu em TV que levou ao ar morte de bebê no estúdio». Uol. Consultado em 11 de maio de 2020 
  13. a b c Alexandra Toste; Luís Otávio de Sousa; André Dantas. «ROBERTO JEFFERSON MONTEIRO FRANCISCO». CPDOC - Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil. Fundação Getúlio Vargas. Consultado em 11 de dezembro de 2023 
  14. «Frases». Jornal do Commercio. Seleção por Irene Kantor. Rio de Janeiro. 25 de abril de 1983. Consultado em 15 de fevereiro de 2023 – via Hemeroteca Digital 
  15. «Jefferson acaba painel a machadinha». Jornal do Commercio. 22 de novembro de 1985. Consultado em 15 de fevereiro de 2023 
  16. «Jefferson vê Jânio no fim». Jornal do Commercio: 5. 12 de março de 1964. Consultado em 15 de dezembro de 2023 
  17. Maklouf 2017, p. 414
  18. a b Maklouf 2017, p. 416
  19. a b Maklouf 2017, p. 412
  20. a b c Maklouf 2017, p. 415
  21. Maklouf 2017, p. 415: "Tivemos uma ríspida conversa, na entrada do Congresso. Estávamos eu e o Gastone de um lado quando ele passou. O Gastone tinha um diálogo com ele e me apresentou. Eu disse ao Meneghelli: 'Não conheço, não quero conhecer e não aperto sua mão. Outra coisa: traidor do povo é a puta que te pariu. E vou te falar mais, Meneghelli, se alguém fizer mal a um filho meu por causa daqueles cartazes que você está colocando no posto, traidor do povo, aquele anátema, se alguma pessoa mais desinformada fizer uma violência a filho meu, eu vou cobrar de você, olho no olho, é de você que eu vou cobrar, que é mentor intelectual disso aí.'"
  22. Luís Antônio (3 de fevereiro de 1988). «Deputados trocam ofensas: Prisão de petebista em greve paulista tumultua o plenário». Brasília: Jornal do Brasil. p. 4. Consultado em 20 de dezembro de 2022 – via Biblioteca Digital do Senado Federal 
  23. «Deputados se ameaçam e até arma aparece». Correio Braziliense. 4 de fevereiro de 1988. Consultado em 17 de novembro de 2023 – via Biblioteca Digital do Senado Federal 
  24. João Batista Natali (5 de fevereiro de 1988). «Apesar do veto, armas são comuns no plenário». Folha de São Paulo. Consultado em 17 de novembro de 2023 – via Biblioteca Digital do Senado Federal 
  25. «Tiros assustam a constituinte». Brasília: Correio Braziliense. 21 de maio de 1988. p. 6. Consultado em 20 de dezembro de 2022 – via Biblioteca Digital do Senado Federal 
  26. Maklouf 2017, pp. 413-414: "[…] Eu olhei aquela munição de ponta verde, da década de 1950, e falei: "Gastone, essa munição não atira". Atira, não atira, atira, não atira, eu abri a janela da liderança — e ali era um fosso, com uma parede de terra — e atirei. […]"
  27. Maklouf 2017, p. 409
  28. Maklouf 2017, p. 410. A referida emenda seria promulgada como o art. 10, inciso I, do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias da Constituição.
  29. «PTB não participa de bloco». Jornal do Commercio. Ano 160 (Nº. 240): 3. 23 de julho de 1987. Consultado em 16 de dezembro de 2023 
  30. «Crise envolve PTB do Rio». Jornal do Commercio. Ano 161 (Nº. 237): 3. 19 de julho de 1988. Consultado em 16 de dezembro de 2023 
  31. «Oito candidatos tentam Prefeitura». Jornal do Commercio. 9 de agosto de 1988. Consultado em 16 de dezembro de 2023 
  32. «Dornelles é ironizado por Marcelo Alencar». Jornal do Commercio. 15 de agosto de 1988. Consultado em 16 de dezembro de 2023 
  33. «Roberto Jefferson volta à Câmara para defender impeachment». Exame. Abril. 6 de abril de 2016. Consultado em 20 de abril de 2020 
  34. Catia Seabra (6 de junho de 2005). «Petebista liderou tropa de choque de Collor». Folha de S.Paulo. Uol 
  35. Wladimir Gramacho (29 de setembro de 2002). «"Hoje quero ficar na moita", diz Eriberto». Folha de S.Paulo. Consultado em 10 de dezembro de 2023 
  36. Rogério Simões (13 de agosto de 1997). «Projeto de lei sobre sangue está parado». Folha de S.Paulo. Consultado em 13 de novembro de 2023 
  37. «Manobra evita a cassação de faltosos». Folha de S.Paulo. 14 de fevereiro de 1994. Consultado em 11 de novembro de 2023 
  38. a b «Maioria dos deputados se ausentou por problemas de saúde ou viagens». Folha de S.Paulo. 14 de fevereiro de 1994. Consultado em 11 de novembro de 2023. Roberto Jefferson (PTB-RJ) também alega problemas de saúde para as suas 45 faltas. Jefferson fez uma operação de vesícula em fevereiro e teve, em consequência dela, septicemia. "Quase morri. Foram mais de três meses de hospital", diz o deputado. 
  39. «Comissão ouve até amanhã os últimos seis depoimentos». Folha de S.Paulo. 14 de janeiro de 1994. Consultado em 11 de novembro de 2023 
  40. Denise Madueño (15 de janeiro de 1994). «Novos depoimentos não ajudam nas investigações da comissão». Folha de S.Paulo. Consultado em 11 de novembro de 2023 
  41. «Saiba mais sobre Roberto Jefferson, pivô da crise no governo Lula». Folha de S.Paulo. 13 de junho de 2005. Consultado em 26 de outubro de 2022 
  42. Cláudia Trevisan (22 de janeiro de 1994). «CPI sugere que investigação continue». Folha de S.Paulo. Consultado em 11 de novembro de 2023 
  43. «Lyra deve ampliar a lista de cassações». Folha de S.Paulo. 28 de janeiro de 1994. Consultado em 11 de novembro de 2023 
  44. Rudolfo Lago (4 de março de 1994). «Lyra não pede a cassação de nove deputados». Folha de S.Paulo. Consultado em 11 de novembro de 2023 
  45. «Deputado diz que imprensa é 'autoritária'». Folha de S.Paulo. 23 de junho de 1994. Consultado em 11 de novembro de 2023 
  46. a b c «Amigos de Collor não devem se reeleger». Folha de S.Paulo. 8 de outubro de 1994. Consultado em 11 de novembro de 2023 
  47. «PTB vai ao TRE contra nova eleição no Rio». Folha de S.Paulo. 25 de outubro de 1994. Consultado em 11 de novembro de 2023 
  48. «A hora do troco». Folha de S.Paulo. 8 de outubro de 1994. Consultado em 11 de novembro de 2023 
  49. Márcia Marques (3 de dezembro de 1994). «TCU decide investigar ajuda de sindicato ao PT». Folha de S.Paulo. Consultado em 11 de novembro de 2023 
  50. Daniela Pinheiro (21 de dezembro de 1994). «Deputado atribui denúncias ao tumor». Folha de S.Paulo. Consultado em 11 de novembro de 2023 
  51. «PT disputa cargo na Mesa». Folha de S.Paulo. 1 de fevereiro de 1995. Consultado em 11 de novembro de 2023. A 2ª secretaria, cargo que caberá ao PTB na Mesa, continua provocando brigas internas. Disputam Rodrigues Palma (MT), Leopoldo Bessone (MG), Francisco Rodrigues (RR), José Rezende (MG) e Roberto Jefferson (RJ). 
  52. «Lei do silêncio». Folha de S.Paulo. 24 de junho de 1995. Consultado em 11 de novembro de 2023. Está virando moda. O barulho inconveniente dos telefones celulares durante as sessões levou o presidente da Comissão de Seguridade Social, Roberto Jefferson, a decretar a proibição do uso dos aparelhos na sala de reuniões. 
  53. Lucio Vaz; Marta Salomon; Josias de Souza (16 de abril de 1995). «Dossiê da fisiologia mostra ação do 'balcão de trocas' do governo FHC». Folha de S.Paulo. Consultado em 11 de novembro de 2023 
  54. «Projeto que altera mínimo vai ao Congresso». Folha de S.Paulo. 16 de março de 1995. Consultado em 11 de novembro de 2023 
  55. «Quem votou a favor da quebra do monopólio». Folha de S.Paulo. 8 de junho de 1995. Consultado em 11 de novembro de 2023 
  56. «FHC vetará juros de 12%». Folha de S.Paulo. 21 de junho de 1995. Consultado em 11 de novembro de 2023 
  57. «Veja as declarações textuais do presidente». Folha de S.Paulo. 5 de julho de 1995. Consultado em 11 de novembro de 2023 . A frase exata do presidente foi: "O programa é do PFL. Mas o que é isso? Só o PFL tem o direito de ser inteligente? Por que nós não? Eu disse a vida inteira uma coisa que sempre me custou muito. Eu digo: para ser de esquerda não é preciso ser burro. É preciso captar o sentido do mundo e não ficar dogmaticamente aferrado a palavras".
  58. «Conservadores dão razão a FHC». Folha de S.Paulo. 6 de julho de 1995. Consultado em 11 de novembro de 2023 
  59. a b «FHC incita fim de emendas, diz deputado». Folha de S.Paulo. 7 de abril de 1995. Consultado em 11 de novembro de 2023 
  60. a b «Mudança neste governo é inviável, diz deputado». Folha de S.Paulo. 13 de outubro de 1995. Consultado em 11 de novembro de 2023 
  61. «Veja como os deputados votaram». Folha de S.Paulo. 22 de março de 1996. Consultado em 11 de novembro de 2023 
  62. «Contribuição à Previdência poderá variar». Folha de S.Paulo. 30 de maio de 1996. Consultado em 11 de novembro de 2023 
  63. a b «Governistas descartam reforma ministerial». Folha de S.Paulo. 12 de agosto de 1995. Consultado em 11 de novembro de 2023 
  64. «Compra e venda». Folha de S.Paulo. 11 de agosto de 1995. Consultado em 11 de novembro de 2023 
  65. Denise Madueño; Lucio Vaz (12 de agosto de 1995). «Novo partido só terá cargos se for fiel». Folha de S.Paulo. Consultado em 11 de novembro de 2023 
  66. «Tiroteio». Folha de S.Paulo. 14 de agosto de 1995. Consultado em 11 de novembro de 2023 
  67. «Aposta errada». Folha de S.Paulo. 14 de fevereiro de 1996. Consultado em 11 de novembro de 2023 
  68. «Testemunhas podem ficar frente a frente». Folha de S.Paulo. 7 de dezembro de 1996. Consultado em 11 de novembro de 2023 
  69. «Secretário culpa traficantes». Folha de S.Paulo. 27 de junho de 1996. Consultado em 11 de novembro de 2023 
  70. «Deputado propõe cadastrar armas». Folha de S.Paulo. 5 de setembro de 1996. Consultado em 11 de novembro de 2023 
  71. Aldo Rebelo (20 de agosto de 1996). «Tiroteio». Folha de S.Paulo. Consultado em 11 de novembro de 2023 
  72. Paulo Silva Pinto (30 de agosto de 1996). «Projeto proíbe o porte de arma no Brasil». Folha de S.Paulo. Consultado em 11 de novembro de 2023 
  73. «FHC defende proibição do porte de arma». Folha de S.Paulo. 4 de setembro de 1996. Consultado em 11 de novembro de 2023 
  74. «Governo cria novo projeto antiarmas». Folha de S.Paulo. 6 de setembro de 1996. Consultado em 11 de novembro de 2023 
  75. «Câmara aprova restrição a porte de arma». Folha de S.Paulo. 12 de setembro de 1996. Consultado em 11 de novembro de 2023 
  76. «Conhecimento de causa». Folha de S.Paulo. 11 de novembro de 1996. Consultado em 11 de novembro de 2023 
  77. a b c d «Conservador vai analisar casamento gay». Folha de S.Paulo. 11 de abril de 1996. Consultado em 11 de novembro de 2023 
  78. Gilberto de Abreu (12 de abril de 1996). «Lideranças gays criticam o relator». Folha de S.Paulo. Consultado em 11 de novembro de 2023 
  79. a b «Assessor já faz piadas». Folha de S.Paulo. 11 de abril de 1996. Consultado em 11 de novembro de 2023 
  80. «Autores evitam falar em "casamento gay"». Folha de S.Paulo. 9 de dezembro de 1996. Consultado em 11 de novembro de 2023 
  81. «Não é casamento, diz autora». Folha de S.Paulo. 6 de setembro de 1996. Consultado em 11 de novembro de 2023 
  82. «Comissão deve aprovar projeto de união civil livre». Folha de S.Paulo. 6 de setembro de 1996. Consultado em 11 de novembro de 2023 
  83. «Casal gay pode ter direito a financiamento». Folha de S.Paulo. 30 de outubro de 1996. Consultado em 11 de novembro de 2023 
  84. Ricardo Amorim (6 de novembro de 1996). «Relator vai propor registro próprio para união de gays». Folha de S.Paulo. Consultado em 11 de novembro de 2023 
  85. «Casamento gay pode ser votado antes». Folha de S.Paulo. 10 de novembro de 1996. Consultado em 11 de novembro de 2023 
  86. a b «Deputados tentam aprovação de união gay até dezembro». Folha de S.Paulo. 27 de novembro de 1996. Consultado em 11 de novembro de 2023 
  87. Otávio Dias (9 de dezembro de 1996). «Veja o trâmite do projeto». Folha de S.Paulo. Consultado em 12 de novembro de 2023 
  88. Ricardo Amorim (11 de dezembro de 1996). «Comissão aprova a união civil gay». Folha de S.Paulo. Consultado em 12 de novembro de 2023 
  89. «Parceria no Brasil deve ser votada em breve». Folha de S.Paulo. 2 de agosto de 2001. Consultado em 13 de novembro de 2023 
  90. «No Brasil, projeto parou na Câmara federal». Folha de S.Paulo. 1 de julho de 2003. Consultado em 16 de dezembro de 2023 
  91. «Quem votou pela CPMF». Folha de S.Paulo. 25 de julho de 1996. Consultado em 11 de novembro de 2023 
  92. João Batista Natali (19 de agosto de 1996). «Poucos políticos usam a rede». Folha de S.Paulo. Consultado em 11 de novembro de 2023 
  93. «Bolsa de apostas». Folha de S.Paulo. 9 de dezembro de 1996. Consultado em 12 de novembro de 2023 
  94. «Abrão depõe e acusa Krause de favorecer empreiteira». Folha de S.Paulo. 11 de dezembro de 1996. Consultado em 12 de novembro de 2023. A saída de Abrão da liderança do PTB foi praticamente imposta pela bancada, que se reuniu ontem e elegeu Vicente Cascione (SP) para o cargo. A escolha, porém, foi contestada por Roberto Jefferson (RJ): "Só nove deputados votaram. Foi um golpe do Cascione", afirmou. 
  95. «Comando político usa 'caderninho branco'». Folha de S.Paulo. 31 de janeiro de 1997. Consultado em 12 de novembro de 2023 
  96. «Adeptos entregam projeto na Câmara». Folha de S.Paulo. 19 de setembro de 1997. Consultado em 12 de novembro de 2023 
  97. «'Colloridos' fraudam pedido de anistia a ex-presidente». Folha de S.Paulo. 23 de setembro de 1997. Consultado em 12 de novembro de 2023 
  98. «PTB decide apoiar candidatura de Ciro Gomes para Presidência». Folha de S.Paulo. 23 de maio de 2001. Consultado em 12 de novembro de 2023 
  99. «PTB decide recomendar voto para Lula no segundo turno». UOL. 10 de outubro de 2002. Consultado em 26 de outubro de 2022 
  100. a b «Rumo a 2002: Garotinho vai propor adiamento de definição sobre candidatura». Folha de S.Paulo. 31 de maio de 2001. Consultado em 13 de novembro de 2023 
  101. «PTB decide expulsar prefeito do Rio do partido». Folha de S.Paulo. 4 de junho de 2001. Consultado em 13 de novembro de 2023 
  102. «PTB do Rio expulsa Maia por unanimidade». Folha de S.Paulo. 5 de junho de 2001. Consultado em 13 de novembro de 2023 
  103. «Líder do PTB confirma ida de Conde para o PTB». Folha de S.Paulo. 12 de junho de 2001. Consultado em 13 de novembro de 2023 
  104. «Conde tenta impugnar Maia no PFL». Folha de S.Paulo. 15 de junho de 2001. Consultado em 13 de novembro de 2023 
  105. Lucio Vaz; Fabio Zanini (24 de maio de 2001). «PTB formaliza apoio a candidato do PPS». Folha de S.Paulo. Consultado em 13 de novembro de 2023 
  106. Sílvia Freire (23 de maio de 2001). «PTB decide apoiar candidatura de Ciro Gomes para Presidência». Folha de S.Paulo. Consultado em 13 de novembro de 2023 
  107. «Presença incômoda». Folha de S.Paulo. 25 de maio de 2001. Consultado em 13 de novembro de 2023 
  108. «Fantasma collorido». Folha de S.Paulo. 27 de junho de 2001. Consultado em 13 de novembro de 2023. Na avaliação de dirigentes do PPS, a união com o PTB de Roberto Jefferson e companhia tira do presidenciável a imagem de "político renovador". 'Ciro ganha mais tempo de TV, mas fica com aquele jeitão de Collor.' 
  109. «Ciro define aliança com o PTB como uma relação "simbiótica"». Folha de S.Paulo. 28 de junho de 2001. Consultado em 13 de novembro de 2023 
  110. «Ciro ignora orientação de PPS e PTB para moderar ataques a FHC». Folha de S.Paulo. 10 de agosto de 2001. Consultado em 13 de novembro de 2023 
  111. «Painel: Testemunho de vida». Folha de S.Paulo. 22 de outubro de 2001. Consultado em 13 de novembro de 2023 
  112. a b «PTB deve reavaliar em abril apoio a Ciro». Folha de S.Paulo. 22 de dezembro de 2001. Consultado em 13 de novembro de 2023 
  113. «Espaço ameaçado». Folha de S.Paulo. 22 de agosto de 2001. Consultado em 13 de novembro de 2023 
  114. «Painel: Barrado na tela». Folha de S.Paulo. 25 de agosto de 2001. Consultado em 13 de novembro de 2023 
  115. «Topa tudo: Políticos tentam sorte em "Show do Milhão"». Folha de S.Paulo. 12 de dezembro de 2001. Consultado em 13 de novembro de 2023 
  116. «Mulher lidera lista de vices que PTB apresenta a Ciro». Folha de S.Paulo. 6 de junho de 2002. Consultado em 10 de dezembro de 2023 
  117. «Tiroteio». Folha de S.Paulo. 8 de junho de 2002. Consultado em 10 de dezembro de 2023 
  118. «Vice de Ciro é um "peso" para campanha, diz líder do PTB». Folha de S.Paulo. 4 de agosto de 2002. Consultado em 10 de dezembro de 2023 
  119. a b Rafael Cariello; Lucio Vaz (12 de setembro de 2002). «Frente Trabalhista diverge sobre destino político de Ciro». Folha de S.Paulo. Consultado em 10 de dezembro de 2023 
  120. Antônio Goys; Sabrina Petry (30 de setembro de 2002). «Brizola acena com apoio a Lula e deixa Ciro constrangido». Folha de S.Paulo. Consultado em 10 de dezembro de 2023 
  121. «Na véspera, Ciro faz caminhada em Copacabana». Folha de S.Paulo. 6 de outubro de 2002. Consultado em 11 de dezembro de 2023 
  122. «Painel: Vocação». Folha de S.Paulo. 9 de outubro de 2002. Consultado em 11 de dezembro de 2023. Roberto Jefferson (PTB-RJ), que permaneceu fiel a Collor até o impeachment, também foi com Ciro até o fim. No ocaso da campanha, Ciro foi abandonado por PDT, parte do PPS e até por amigos, como Mangabeira Unger. Mas Jefferson ainda levou Ciro para caminhadas no Rio. 
  123. a b «Campanha: Hora do Botox». Folha de S.Paulo. 15 de setembro de 2002. Consultado em 10 de dezembro de 2023 
  124. Fabiana Utema (7 de outubro de 2002). «Frente Trabalhista acabou e 2º turno é "cada um por si", diz Jefferson». Folha de S.Paulo. Consultado em 10 de dezembro de 2023 
  125. «PTB deve ficar neutro; Jefferson vai pregar voto nulo». Folha de S.Paulo. 9 de outubro de 2002. Consultado em 11 de dezembro de 2023 
  126. «Painel: Tiroteio». Folha de S.Paulo. 10 de outubro de 2002. Consultado em 11 de dezembro de 2023 
  127. Iuri Dantas (11 de outubro de 2002). «Segundo Turno: PTB alega "ódio" a Serra para apoiar Lula». Folha de S.Paulo. Consultado em 11 de dezembro de 2023 
  128. «Líder do PTB: país mudou com a vitória de Lula». Agência Brasil. 28 de outubro de 2002. Consultado em 16 de dezembro de 2023 
  129. Jefferson 2006, p. 123
  130. «Painel: Tiroteio». Folha de S.Paulo. 4 de outubro de 2001. Consultado em 13 de novembro de 2023 
  131. «Painel: Tiroteio». Folha de S.Paulo. 23 de dezembro de 2001. Consultado em 11 de dezembro de 2023 
  132. Barros 2022, Cap. 12: Comandando o atraso
  133. «Painel: Tropa de choque». Folha de S.Paulo. 8 de novembro de 2002. Consultado em 11 de dezembro de 2023 
  134. Fabiana Futema (9 de dezembro de 2002). «PTB quer ministério ou nada no governo Lula, diz líder». Folha de S.Paulo. Consultado em 11 de dezembro de 2023 
  135. «PTB vai apoiar Lula em qualquer circunstância, diz presidente do partido». Folha de S.Paulo. 9 de dezembro de 2002. Consultado em 11 de dezembro de 2023 
  136. Lucio Vaz; Julianna Sofia (13 de dezembro de 2002). «Transição: "Dia da Derrama" dá mais de R$ 5 bi a Lula». Folha de S.Paulo. Consultado em 11 de dezembro de 2023 
  137. «Painel: Tropa lulista». Folha de S.Paulo. 11 de dezembro de 2002. Consultado em 11 de dezembro de 2023 
  138. «Congresso: PTB incorpora PSD para ter verba e tempo de TV». Folha de S.Paulo. 16 de dezembro de 2002. Consultado em 11 de dezembro de 2023 
  139. a b «PTB diz que Esportes fica com Mares Guia». Folha de S.Paulo. 18 de dezembro de 2002. Consultado em 11 de dezembro de 2023 
  140. «PTB fica com Ministério dos Esportes e presidência da Infraero». Folha de S.Paulo. 17 de dezembro de 2002. Consultado em 11 de dezembro de 2023 
  141. «PTB quer bancada com 45 deputados até amanhã». Folha de S.Paulo. 31 de janeiro de 2003. Consultado em 15 de dezembro de 2023 
  142. a b Lilian Christofoletti (1 de fevereiro de 2003). «Governo já tem o apoio de 250 na Câmara». Folha de S.Paulo. Consultado em 15 de dezembro de 2023 
  143. «Câmara toma posse sem disputa pela presidência». Folha de S.Paulo. 2 de fevereiro de 2003. Consultado em 16 de dezembro de 2023 
  144. Felipe Freire (17 de janeiro de 2003). «Lula quer prestigiar Congresso e defende aproximação com aliados». Folha de S.Paulo. Consultado em 11 de dezembro de 2023 
  145. Fabiana Futema (21 de fevereiro de 2003). «PTB atende primeira-dama convida mulher para vice-liderança». Folha de S.Paulo. Consultado em 16 de dezembro de 2023 
  146. «Lula convoca base aliada para discutir reformas e eleição no Congresso». Folha de S.Paulo. 17 de janeiro de 2003. Consultado em 11 de dezembro de 2023 
  147. Raymundo Costa; Lucio Vaz (3 de fevereiro de 2003). «Câmara critica "atalho" para obter reformas». Folha de S.Paulo. Consultado em 16 de dezembro de 2023 
  148. Fabiana Futema (15 de fevereiro de 2003). «Lula terá de retirar emendas do PT para acelerar reforma da Previdência». Folha de S.Paulo. Consultado em 16 de dezembro de 2023 
  149. «PTB rejeita instalação da CPI do grampo, diz líder». Folha de S.Paulo. Fabiana Futema. 18 de fevereiro de 2003. Consultado em 16 de dezembro de 2023 
  150. «Líder do PTB defende ACM e faz críticas a Jungmann». Folha de S.Paulo. 21 de fevereiro de 2003. Consultado em 16 de dezembro de 2023 
  151. «Painel: Tiroteio». Folha de S.Paulo. 10 de março de 2003. Consultado em 16 de dezembro de 2023 
  152. Fabiana Futema (19 de março de 2003). «Depoimento em CPI poderá ser acompanhado por advogado». Folha de S.Paulo. Consultado em 16 de dezembro de 2023 
  153. Fabiana Futema (12 de março de 2003). «PT fatia reforma financeira para acelerar votação de propostas». Folha de S.Paulo. Consultado em 16 de dezembro de 2023 
  154. «De ponta-cabeça: Oposição e PT trocam papéis durante votação». Folha de S.Paulo. 28 de março de 2003. Consultado em 16 de dezembro de 2023 
  155. «Planalto prepara punição para aliado que votar contra o governo». Folha de S.Paulo. 25 de abril de 2003. Consultado em 16 de dezembro de 2023 
  156. Felipe Freire (23 de abril de 2003). «Base se reúne com Berzoini para "vender" reforma previdenciária à população». Folha de S.Paulo. Consultado em 16 de dezembro de 2023 
  157. «Painel: Conversa de plenário». Folha de S.Paulo. 19 de maio de 2003. Consultado em 11 de dezembro de 2023 
  158. Ricardo Mignone (28 de maio de 2003). «PT "bate cabeça" e votação de reforma tributária fica para amanhã». Folha de S.Paulo. Consultado em 16 de dezembro de 2023 
  159. «Líder do PTB admite cargos e elogia Dirceu». Folha de S.Paulo. 1 de junho de 2003. Consultado em 11 de dezembro de 2023 
  160. Ricardo Mignone (5 de junho de 2003). «Governo aprova na CCJ texto-base da reforma da Previdência». Folha de S.Paulo. Consultado em 16 de dezembro de 2023 
  161. «Aprovação da reforma da Previdência na CCJ mostra força da base do governo no Congresso». Agência Brasil. 5 de junho de 2003. Consultado em 16 de dezembro de 2023 
  162. «Resgate retira corpos do avião que caiu no Paraná». Agência Brasil. 7 de outubro de 2003. Consultado em 16 de dezembro de 2023 
  163. «Roberto Jefferson é empossado na presidência do PTB». Agência Brasil. EBC. 16 de outubro de 2003. Consultado em 22 de março de 2017 
  164. Ricardo Mignone (16 de outubro de 2003). «Jefferson assume presidência do PTB e pede mais um ministério». Folha de S.Paulo. Consultado em 16 de dezembro de 2023 
  165. Raymundo Costa (28 de junho de 2003). «Crise entre presidente da Infraero e PTB já ameaça a base governista». Folha de S.Paulo. Consultado em 16 de dezembro de 2023 
  166. «Painel: Ironia de ex-amigo». Folha de S.Paulo. 18 de junho de 2003. Consultado em 16 de dezembro de 2023 
  167. «Crise teve início com gravação clandestina de funcionário cobrando propina». Agência Senado. Senado Federal. 28 de março de 2006. Consultado em 14 de dezembro de 2023 
  168. a b Policarpo Junior (8 de junho de 2005). «Uma mentira contada na PF». Veja. Consultado em 16 de dezembro de 2023. Arquivado do original em 18 de outubro de 2007 
  169. a b c d e Renata Lo Prete (6 de junho de 2005). «Contei a Lula do "mensalão", diz deputado». Folha de S.Paulo. Consultado em 14 de dezembro de 2023 
  170. a b Renata Lo Prete (6 de junho de 2005). «"Sim, eu preciso da CPI, eu errei", diz Jefferson». Folha de S.Paulo. Consultado em 14 de dezembro de 2023 
  171. «PL apresenta queixa-crime contra Roberto Jefferson». Consultor Jurídico. 9 de junho de 2005. Consultado em 14 de dezembro de 2023 
  172. «Jefferson reitera que cúpula do PT sabia sobre mensalão». Consultor Jurídico. 14 de junho de 2005. Consultado em 14 de dezembro de 2023 
  173. Zileide Silva (1 de agosto de 2012). «Mensalão: relembre frases e imagens marcantes do escândalo». Bom Dia Brasil. G1. Consultado em 14 de dezembro de 2023 
  174. a b Álvaro Costa e Silva (21 de novembro de 2017). «O homem do olho roxo está de volta». Folha de S.Paulo. Consultado em 13 de novembro de 2023 
  175. Barros 2022, Cap. 12: Comandando o atraso
  176. Jefferson 2006, p. 172
  177. «Plenário da Câmara aprova cassação de Roberto Jefferson». Folha de S.Paulo. 14 de setembro de 2005. Consultado em 25 de outubro de 2022 
  178. «Cassado, Jefferson se aposenta como deputado com salário de R$ 8.882,91». Folha de S.Paulo. Uol. 11 de outubro de 2005 
  179. «Roberto Jefferson». Roda Viva. 29 de maio de 2006. Consultado em 22 de março de 2017 [ligação inativa]
  180. Cássio Bruno (28 de julho de 2012). «Roberto Jefferson: o insustentável equilíbrio de um delator». O Globo. Consultado em 12 de novembro de 2023 
  181. a b Hugo Bachega (28 de setembro de 2012). «Sou vítima de mim mesmo, diz Jefferson sobre condenação no STF». Reuters. G1.com. Consultado em 14 de dezembro de 2023 
  182. «Roberto Jefferson é condenado a 7 anos e 14 dias em ação do mensalão». G1. Globo.com. 28 de novembro de 2012. Consultado em 22 de março de 2017 
  183. «Condenado a 7 anos no semiaberto, Roberto Jefferson é preso no RJ». Consultor Jurídico. 24 de fevereiro de 2014. Consultado em 14 de dezembro de 2023 
  184. Bruno 2017, Cap. 2: Memórias do cárcere.
  185. Cristiane Caoli e Mariucha Machado (16 de maio de 2015). «Roberto Jefferson deixa a prisão e vai para regime domiciliar no Rio». G1. Consultado em 25 de outubro de 2022 
  186. «No altar, Jefferson brinca com frase célebre do mensalão». VEJA. Consultado em 14 de dezembro de 2023 
  187. «Ex-deputado Roberto Jefferson pede perdão de pena ao Supremo». Consultor Jurídico. 24 de fevereiro de 2016. Consultado em 14 de dezembro de 2023 
  188. «Roberto Jefferson e mais cinco condenados no mensalão recebem indulto». Consultor Jurídico. 22 de março de 2016. Consultado em 25 de outubro de 2022 
  189. «Deputada Cristiane Brasil, do PTB, será a nova ministra do Trabalho». Consultor Jurídico. 3 de janeiro de 2018. Consultado em 14 de dezembro de 2023 
  190. Brenno Grillo (8 de janeiro de 2018). «Posse de nova ministra do Trabalho é suspensa pela Justiça Federal». Consultor Jurídico. Consultado em 14 de dezembro de 2023 
  191. «Com nomeação sub judice, PTB desiste de Cristiane Brasil». Consultor Jurídico. 20 de fevereiro de 2018. Consultado em 14 de dezembro de 2023 
  192. «Temer anula nomeação de Cristiane Brasil para ministério». Consultor Jurídico. 23 de fevereiro de 2018. Consultado em 14 de dezembro de 2023 
  193. «Definidas as coligações, Alckmin terá mais tempo de TV que Lula, Meirelles, Alvaro Dias, Ciro e Marina juntos». G1. 6 de agosto de 2018. Consultado em 14 de dezembro de 2023 
  194. «Partido de Roberto Jefferson, PTB anuncia apoio a Jair Bolsonaro». G1. 9 de outubro de 2018. Consultado em 14 de dezembro de 2023 
  195. «Roberto Jefferson ressurge em papel bolsonarista». GaúchaZH. 13 de maio de 2020. Consultado em 6 de junho de 2020 
  196. Erick Mota (9 de maio de 2020). «Roberto Jefferson publica foto com fuzil: "Para combater o comunismo». Congresso em Foco. UOL. Consultado em 9 de maio de 2020. Cópia arquivada em 9 de maio de 2020 
  197. «Roberto Jefferson é condenado a pagar R$ 20 mil a Kim Kataguiri». Consultor Jurídico. 12 de novembro de 2020. Consultado em 14 de dezembro de 2023 
  198. Lauro Jardim (30 de novembro de 2023). «Justiça arquiva queixa-crime contra Jefferson por afirmar que PSOL tem ligação com tráfico». O Globo. Consultado em 14 de dezembro de 2023 
  199. «PF cumpre mandados de busca e apreensão em endereços do ex-deputado Roberto Jefferson». Tribuna de Petropolis. 27 de maio de 2020. Consultado em 27 de maio de 2020 
  200. Guilherme Mendes (24 de dezembro de 2020). «Roberto Jefferson volta a atacar ministros do STF: "Colocar para fora na bala"». Congresso em Foco. UOL. Consultado em 24 de dezembro de 2020 
  201. «Justiça condena Roberto Jefferson a pagar R$ 50 mil para Alexandre de Moraes». Poder360. 17 de fevereiro de 2021. Consultado em 25 de fevereiro de 2021 
  202. Camila Bomfim; Márcio Falcão (13 de agosto de 2021). «Ex-deputado Roberto Jefferson é preso pela Polícia Federal no inquérito das milícias digitais». G1. Consultado em 14 de dezembro de 2023 
  203. «Roberto Jefferson é preso pela PF, após determinação de Alexandre de Moraes». UOL. 13 de agosto de 2021. Consultado em 26 de outubro de 2022 
  204. Gerson Camarotti (13 de agosto de 2021). «Prisão de Jefferson surpreende núcleo bolsonarista e acende alerta para avanço das investigações das milícias digitais». G1. Consultado em 26 de outubro de 2022 
  205. ConJu (14 de agosto de 2021). «Prisão de Roberto Jefferson é mantida após audiência de custódia». Consultor Jurídico. Consultado em 14 de dezembro de 2023 
  206. Rafa Santos (31 de agosto de 2021). «Alexandre mantém prisão preventiva de Roberto Jefferson». Consultor Jurídico. Consultado em 14 de dezembro de 2023 
  207. Karen Couto (25 de junho de 2022). «STF torna Roberto Jefferson réu por homofobia e outros crimes». Consultor Jurídico. Consultado em 7 de fevereiro de 2024 
  208. Tiago Angelo (20 de janeiro de 2024). «PGR vê ligação de Roberto Jefferson com atos de 8/1 e pede que caso fique no STF». Consultor Jurídico. Consultado em 7 de fevereiro de 2024 
  209. «PTB lança candidatura de Roberto Jefferson à Presidência da República». 1 de agosto de 2022. Consultado em 16 de agosto de 2022 
  210. «TSE suspende repasse de verbas para candidatura de Roberto Jefferson». Consultor Jurídico. 19 de agosto de 2022. Consultado em 14 de dezembro de 2023 
  211. Rosanne D'Agostino (1 de setembro de 2022). «Por unanimidade, TSE nega registro de candidatura de Roberto Jefferson à Presidência». G1. Consultado em 12 de setembro de 2022 
  212. a b «Com candidatura de Jefferson negada pelo TSE, PTB escolhe Padre Kelmon para ser o candidato à Presidência». G1. 1 de setembro de 2022. Consultado em 26 de outubro de 2022 
  213. «Roberto Jefferson joga granada e atira contra PF após ordem de prisão de Moraes». Folha de S.Paulo. 23 de outubro de 2022. Consultado em 24 de outubro de 2022 
  214. a b c Allan de Abreu (22 de outubro de 2022). «"Honestamente, ministro, vai piorar o circo": bastidores da prisão de Roberto Jefferson». Revista piauí. Consultado em 16 de dezembro de 2023 
  215. «Jefferson esperava Anderson Torres para rendição, mas ministro participou de negociação por telefone». O Estado de S. Paulo. 23 de outubro de 2022. Consultado em 24 de outubro de 2022 
  216. «Moraes manda prender Roberto Jefferson, que resiste com tiros e granadas à prisão; ministro da Justiça negocia rendição». O Globo. 23 de outubro de 2022. Consultado em 24 de outubro de 2022 
  217. «Roberto Jefferson se entrega após atacar policiais federais com granadas e fuzil e passar 8 horas desrespeitando ordem do STF». g1. 23 de outubro de 2022. Consultado em 24 de outubro de 2022 
  218. «Moraes manda para a Justiça Federal do Rio investigação sobre o ataque de Roberto Jefferson a policiais». G1. 9 de novembro de 2022. Consultado em 14 de novembro de 2022 
  219. Henrique Coelho (24 de outubro de 2022). «Roberto Jefferson é transferido para presídio em Bangu». G1 Rio e TV Globo. Consultado em 6 de junho de 2023. Cópia arquivada em 6 de junho de 2023 
  220. «Roberto Jefferson vira réu por tentativa de homicídio contra policiais». noticias.uol.com.br. Consultado em 10 de dezembro de 2022 
  221. Sérgio Rodas (30 de outubro de 2023). «Roberto Jefferson recorre para não ser submetido a Tribunal do Júri». Consultor Jurídico. Consultado em 7 de fevereiro de 2024 
  222. Lucas Mathias (3 de junho de 2023). «Após queda na cela e 'possível traumatismo craniano' Roberto Jefferson espera autorização do STF para fazer exames». O Globo. Consultado em 6 de junho de 2023. Cópia arquivada em 6 de junho de 2023 
  223. «Roberto Jefferson completa 70 anos preso, isolado e doente». VEJA. Consultado em 15 de junho de 2023 
  224. Leonardo Caldas (7 de julho de 2023). «Confusão mental, desmaios, desnutrição: o laudo médico de Roberto Jefferson». VEJA. Consultado em 6 de agosto de 2023. Cópia arquivada em 13 de julho de 2023 
  225. Luana Lisboa (19 de dezembro de 2023). «Alexandre mantém prisão preventiva de Roberto Jefferson». Consultor Jurídico. Consultado em 7 de fevereiro de 2024 
  226. Mariana Muniz (10 de novembro de 2023). «Fusão entre Patriota e PTB bane Roberto Jefferson da sigla que ele integrou por quatro décadas». O Globo. Consultado em 11 de novembro de 2023 
  227. Lauriberto Pompeu (26 de outubro de 2022). «PTB aprova fusão com Patriota, mas Roberto Jefferson é vetado no partido». Estadão. Notícias UOL. Consultado em 11 de novembro de 2023 
  228. «TRE/SP: Roberto Jefferson é absolvido por ofensas a Cármen Lúcia». Migalhas. 10 de novembro de 2023. Consultado em 11 de novembro de 2023 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Jefferson, Roberto (2006). Nervos de Aço. Em depoimento a Luciano Trigo 1ª ed. Rio de Janeiro: Topbooks. ISBN 978-8574751276 
  • Bruno, Cássio (2017). Roberto Jefferson: o homem que abalou a República 1ª ed. Rio de Janeiro: Record. ISBN 978-8501109200 
  • Maklouf, Luís (2017). 1988: Segredos da Constituinte 1ª ed. Rio de Janeiro: Record. ISBN 978-8501109118. OCLC 995853930 
  • Barros, Celso Rocha de (2022). PT, uma história. São Paulo: Companhia das Letras. ISBN 978-6559211234 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre Roberto Jefferson:
Wikiquote Citações no Wikiquote
Commons Imagens e media no Commons
Commons Categoria no Commons
Wikinotícias Categoria no Wikinotícias
Wikidata Base de dados no Wikidata
  • Biografia no Portal da Câmara dos Deputados.