Ivete Vargas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ivete Vargas
A deputada, em foto de 1979.
Deputada Federal por  São Paulo
Período 1951-1955
1955-1959
1959-1963
1963-1967
1967-1969
1983-1984
Dados pessoais
Nascimento 17 de julho de 1927
São Borja, RS
Morte 3 de janeiro de 1984 (56 anos)
São Paulo, SP
Esposo Paulo Guilherme Martins[1]
Partido PTB e MDB
Profissão jornalista
linkWP:PPO#Brasil

Cândida Ivete Vargas Martins (São Borja, 17 de julho de 1927São Paulo, 3 de janeiro de 1984) foi uma jornalista e política brasileira.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Família, primeiros anos e carreira jornalística[editar | editar código-fonte]

Nascida Cândida Ivete Vargas Tatsch, era filha do médico Newton Barbosa Tatsch e de Cândida Vargas. Seu avô materno, Viriato Dornelles Vargas, irmão de Getúlio Vargas, foi ministro do Tribunal de Contas do Rio Grande do Sul e fundador do Partido Republicano em São Borja.[2]

Aos três anos de idade, mudou-se com a família para o Rio de Janeiro, então Distrito Federal, iniciando seus estudos primários no Colégio Anglo-Latino e transferindo-se posteriormente para o Colégio Notre Dame de Sion, onde conluiu o curso ginasial.[2] Iniciou-se na imprensa com apenas quinze anos, como colaboradora do jornal Brasil-Portugal — rebatizado em 1947 como Diário do Povo —, de propriedade de seu avô.[2][3] Trabalhou ainda nos jornais cariocas Diretrizes e Radical e no matutino paulista Folha da Manhã, atual Folha de S.Paulo.[1][2][3]

Ivete Vargas graduou-se em Geografia, História e Letras neolatinas pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.[2][3][4] Sua atividade jornalística lhe rendeu nesse período uma bolsa de estudos — concedida pela Federação das Associações Portuguesas do Brasil — com uma estadia de três meses em Portugal, onde a jovem teve oportunidade de entrevistar o cardeal-patriarca de Lisboa, dom Manuel Gonçalves Cerejeira, e o presidente Oscar Fragoso Carmona.[2]

Carreira política[editar | editar código-fonte]

Embora pouco conhecida no estado de São Paulo, em 1950, foi eleita deputada federal pelo Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) ajudada pelos votos de legenda e de seu parentesco com Getúlio Vargas. Tornou-se embaixatriz do Brasil em 1953 credenciada junto à Organização das Nações Unidas (ONU).[1]

Foi reeleita sucessivamente nos pleitos de 1954, 1958, 1962 e 1966,[5] sendo uma das primeiras parlamentares brasileiras. Em 1956, durante o governo de Juscelino Kubitschek, comandou a delegação de parlamentares brasileiros em visita aos países socialistas.[1]

Presidiu a seção paulista do PTB, e à frente desta, organizou o Movimento Jan-Jan (Jânio-Jango) em 1960. Não apoiou o Golpe de 1964, todavia não foi teve seu mandato cassado neste primeiro momento. Presidiu o PTB paulista até a extinção da legenda em 1965, pelo AI-2. Após isso, aderiu ao MDB, tendo sido cassada em 16 de janeiro de 1969, pelo AI-5, desligou-se momentaneamente da vida política.

Em 1979, com reformas políticas destinadas a promover a redemocratização do país, presidiu uma das facções que disputaram o controle da sigla do PTB, com o grupo de Leonel Brizola, e finalmente, em 1980, por decisão do TSE, ganhou a disputa, e se tornou a Presidente Nacional do novo PTB. O grupo de Brizola passou então a organizar o Partido Democrático Trabalhista (PDT).

Em 1980, lançou o livro "Por que fui cassada - Testemunho à nação", coletânea de seus discursos parlamentares. Atraiu poucas estrelas do velho PTB, além do ex-presidente Jânio Quadros (que chegou a ser eleito deputado federal pelo PTB paranaense), que disputou o governo de São Paulo, e alguns trabalhistas do estado do Rio de Janeiro.

Nas eleições de 1982, o PTB de Ivete elegeu treze deputados federais, somente em São Paulo (8) e no Rio de Janeiro (5); o PDT brizolista venceu as eleições para o Governo do Estado do Rio de Janeiro, mas somente elegeu 24 deputados: no Rio Grande do Sul (8) e no Rio de Janeiro (16). Ivete Vargas foi uma das deputadas federais mais votadas de São Paulo com mais de 266 mil votos, e assumiu a Liderança da Bancada em Brasília.

Morreu vítima de câncer.

Trabalhos publicados[editar | editar código-fonte]

  • Humanismo e renascimento. 1945.
  • Por que fui cassada; testemunho à nação. 1980.

Referências

  1. a b c d e Dicionário Histórico-Biográfico Brasileiro, da Fundação Getúlio Vargas (FGV), Editora FGV, 2001.
  2. a b c d e f Sousa, Luís Otávio de. «VARGAS, Ivete». CPDOC - Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil. Fundação Getúlio Vargas. Consultado em 25 de Setembro de 2017 
  3. a b c Schumaher, Schuma; Vital Brazil, Érico (2000). Dicionário Mulheres do Brasil de 1500 até a atualidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editora. p. 286-287. ISBN 85-7110-573-1. Consultado em 25 de Setembro de 2017 
  4. Brito, Graciete. «Ivete Vargas». Fundação Ivete Vargas - Pesquisa e Educação Política. Consultado em 25 de Setembro de 2017 
  5. «Conheça os Deputados». Câmara dos Deputados. Consultado em 4 de agosto de 2013 
Ícone de esboço Este artigo sobre um político brasileiro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.