Fundação Getulio Vargas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Fundação Getúlio Vargas)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Fundação Getúlio Vargas
FGV
Fundação 20 de dezembro de 1944 (73 anos)
Tipo de instituição Privada
Localização Rio de Janeiro
Campus Brasília
Rio de Janeiro
São Paulo
Página oficial portal.fgv.br

Fundação Getulio Vargas, muitas vezes abreviada como FGV ou simplesmente GV, é uma instituição de ensino superior brasileira, privada e sem fins lucrativos, fundada em 20 de dezembro de 1944, com o objetivo inicial de preparar pessoas qualificadas para a administração pública do Brasil, com sede no Rio de Janeiro.[1][2][3]

A FGV oferece cursos regulares de economia, administração pública, administração de empresas, direito, ciências sociais e gestão de tecnologia da informação. Seu objetivo inicial era formar pessoas para público- do país e de gestão do sector privado. Como a instituição cresceu, outros cursos começaram a ser oferecidos. Em 2009, foi considerada pela revista americana Foreign Policy como uma das "cinco melhores think tank formuladora de políticas" em todo o mundo. [4]

A instituição produz uma grande quantidade de pesquisas acadêmicas. Os temas abrangem macro e micro-economia, finanças, negócios, tomada de decisão, direito, saúde, bem-estar, a pobreza eo desemprego, poluição e desenvolvimento sustentável. A fundação também mantém programas de pesquisa nas áreas de História, Ciências Sociais, Educação, Justiça, Cidadania e Política. FGV também executa projectos, a pedido do setor público, da iniciativa privada e organismos internacionais como o Banco Mundial eo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). Exemplos notáveis de tais trabalhos incluem assistência para os bem-sucedidos lances Rio de Janeiro para os Jogos Pan-Americanos de 2007 e os Jogos Olímpicos de 2016.

Além disso, é a instituição brasileira mais bem colocada na primeira edição do ranking Alma Mater Index: Global Executives (2013),[5] feito pela revista britânica Times Higher Education (THE), que lista os 100 melhores locais para a formação de diretores executivos. Primeira do Brasil e 35ª do mundo, a FGV está à frente de universidades como Princeton, nos Estados Unidos, e Cambridge, no Reino Unido. No QS Global 200 Business Schools Report de 2009, a FGV foi classificada como a terceira melhor escola de negócios da América do Sul.[6]

Unidades[editar | editar código-fonte]

A Fundação Getulio Vargas conta com oito Escolas, dois institutos, seis diretorias, quatro centros de pesquisa e uma área de pesquisa aplicada, além da Editora FGV e de um Sistema de Bibliotecas que compreende as bibliotecas da FGV no Rio de Janeiro, em São Paulo e em Brasília. Na área de ensino, a FGV oferece cursos de graduação, pós-graduação e educação executiva (presencial, customizada e a distância).

Escolas Rio de Janeiro
Escolas São Paulo
Institutos
Diretorias
  • Diretoria de Comunicação e Marketing (DICOM)
  • Diretoria Internacional (DINT)
  • Diretoria de Planejamento Estratégico e Inovação (DPEI)
  • Diretoria de Análise de Políticas Públicas (DAPP)[9]
  • Diretoria de Integração Acadêmica (DIA)
  • Diretoria de Operações (DO)
Centros
Demais áreas
Sistema de Bibliotecas da FGV
  • Rio de Janeiro: BHMS- Biblioteca Mario Henrique Simonsen
  • São Paulo: BKAB – Biblioteca Karl Boedecker
  • Brasília: Biblioteca de Brasília

Bibliotecas[editar | editar código-fonte]

Biblioteca Mario Henrique Simonsen[editar | editar código-fonte]

Criada em dezembro de 1945, como Biblioteca Central, passou a denominar-se Biblioteca Mario Henrique Simonsen em dezembro de 1997 em homenagem a Mario Henrique Simonsen ex- Ministro da Fazenda e Vice-Presidente da Fundação Getulio Vargas, falecido no mesmo ano. Possui acervo nas áreas de Administração, Ciência Política, Direito, Economia, Finanças, História do Brasil e Sociologia e conta com mais de 80 mil títulos em livros, publicações eletrônicas, DVDs e fotografias, além de 64 mil cópias de periódicos e 8 mil monografias. Utiliza o sistema informatizado de gerenciamento de bibliotecas virtuais.[11]

Biblioteca Karl A. Boedecker[editar | editar código-fonte]

A Biblioteca Karl A Boedecker foi criada em 1954 com o objetivo de fornecer apoio bibliográfico às atividades de ensino e pesquisa, desenvolvidas pelas Escolas da FGV em São Paulo. Possui um acervo é especializado nas áreas de Administração, Economia, Negócios, Direito e Ciências Sociais. Conta com mais de 60 mil títulos em livros, DVDs, fotografias e publicações eletrônicas, além de quase 40 mil cópias de periódicos e 9 mil monografias. Utiliza sistema informatizado de gerenciamento de bibliotecas virtuais.[12]

Biblioteca Brasília[editar | editar código-fonte]

A Biblioteca Brasília dispõe de cerca de 6.050 livros, 32 títulos de periódicos nacionais e o acesso a serviços de bases de dados nacionais e internacionais de periódicos. É voltada em cursos de Ciências Sociais com ênfase nas áreas de Administração e Economia. Utiliza o sistema informatizado de gerenciamento de bibliotecas virtuais.[13]

Pesquisa aplicada[editar | editar código-fonte]

FGV Online[editar | editar código-fonte]

O FGV Online foi criado em 2000, com a missão de desenvolver e gerenciar tecnologias, metodologias e soluções específicas de ensino a distancia, sob a responsabilidade acadêmica das escolas e dos institutos da FGV, no âmbito nacional e internacional, liderando e inovando em serviços educacionais de qualidade. Sua visão é ser referência internacional na distribuição de produtos e serviços educacionais inovadores e de alta qualidade no ensino a distância. Atende alunos de graduação, pós-graduação e MBA, executivos e empreendedores, além das universidades corporativas que desenvolvem projetos de e-learning.[14]

FGV in company[editar | editar código-fonte]

O FGV in company é o Programa da Fundação Getulio Vargas responsável pela customização do conteúdo desenvolvido pela FGV para atender às demandas de empresas, universidades corporativas, organizações públicas e entidades do terceiro setor. Trabalhando em parceria com o cliente para identificar suas necessidades de treinamento, o FGV in company está sempre focado nos melhores resultados. Oferece cursos totalmente presenciais ou mesclados com ferramentas de ensino a distância, por intermédio do FGV Online; 95 das 500 maiores empresas atuantes no Brasil estão no portfólio de clientes do FGV in company;[15]

Certificação de Qualidade[editar | editar código-fonte]

O Programa de Certificação de Qualidade foi criada em 2005, com o objetivo de compartilhar o ensino FGV com os cursos de graduação de outras instituições do país. Além de contarem com a tecnologia educacional da Fundação Getulio Vargas, as instituições certificadas compartilham da credibilidade do ensino FGV, e seus alunos, ao se formarem, atendendo aos nossos critérios de avaliação, recebem uma declaração conjunta da IES e da FGV. O Programa é aberto a todas as Instituições de Ensino Superior do país que atendem às exigências de qualidade da FGV e que almejam desenvolver pelo país um ensino de excelência com o padrão de qualidade FGV.[16]

FGV Projetos[editar | editar código-fonte]

Fundada em 2005, a FGV Projetos é a unidade de extensão de ensino e pesquisa da Fundação Getulio Vargas, responsável pela aplicação do conhecimento acadêmico, gerado e acumulado em suas escolas e institutos. Com mais de 30 anos de experiência assessorando instituições brasileiras, a FGV Projetos reúne capacidade técnica, metodologia e corpo técnico capazes de contribuir para a eficiência das práticas gerenciais e econômicas de organizações públicas, empresariais e do terceiro setor, no Brasil e exterior. Desenvolve estudos, projetos, certificação e concursos, a partir de experiências consolidadas por professores, especialistas e coordenadores da FGV. Áreas de conhecimento: Agronegócio, Comunicação, Mídia e Tecnologia, Consumo e Varejo, Cultura, Educação, Energia, Esportes, Indústria, Justiça, Saúde, Segurança, Serviços, Sustentabilidade e Responsabilidade Social, Transportes, Turismo.[17]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. FISCHER, Tânia. Administração pública como área de conhecimento e ensino: a trajetória brasileira. Revista de Administração de Empresas, v. 24, n. 4, p. 278-288, 1984.
  2. http://www.fgvideal.com.br/~fgvideal/novosite/menu/3
  3. «Institucional». Fundação Getulio Vargas (FGV). Consultado em 24 de março de 2009. 
  4. McGann, James (2009). «The Think Tank Index». Foreign Policy. Consultado em 20 de fevereiro de 2009. 
  5. «Alma Mater Index: Global Executives 2013». Alma Mater Index: Global Executives (2013). Consultado em 7 de outubro de 2013. 
  6. «QS Global 200 Business Schools Report 2009 North America» 
  7. «Portal do IBRE - Índices». portalibre.fgv.br. Consultado em 7 de outubro de 2013. 
  8. «IDE». fgv.br. Consultado em 7 de junho de 2012. 
  9. «Diretoria de Análise de Políticas Públicas» 
  10. «FGV Energia - Centro de Estudos de Energia». fgvnoticias.fgv.br/. Consultado em 7 de outubro de 2013. 
  11. «Biblioteca Mario Henrique Simonsen (RJ)». virtualbib.fgv.br. Consultado em 6 de junho de 2012. 
  12. «Biblioteca Karl A. Boedecker (SP)». virtualbib.fgv.br. Consultado em 6 de junho de 2012. 
  13. «Biblioteca Brasília». bibliotecadigital.fgv.br/. Consultado em 6 de junho de 2012. 
  14. «Ambiente de Aprendizagem». 5.fgv.br/. Consultado em 7 de junho de 2012. 
  15. «fgvincompany». fgv.br. Consultado em 7 de junho de 2012. 
  16. «Programa de Certificação de Qualidade FGV». Programa de Certificação de Qualidade FGV. Consultado em 7 de junho de 2012. 
  17. «A FGV Projetos». fgv.br/. Consultado em 6 de junho de 2012. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]