Museu do Relógio Professor Dimas de Melo Pimenta

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Museu do Relógio)
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura o museu com o mesmo nome em Serpa, veja Museu do Relógio (Serpa).


Museu do Relógio
Museu do Relógio Professor Dimas de Melo Pimenta
Entrada do museu
Inauguração 1954 (62–63 anos)
Website http://www.dimep.com.br/museu-do-relogio/
Geografia
País  Brasil
Cidade São Paulo
Museu do Relógio prof. Dimas de Melo Pimenta interior

O Museu do Relógio Professor Dimas de Melo Pimenta é um museu brasileiro temático dedicado a mostrar a evolução histórica e técnica[1] do relógio a partir dos anos, focando em seus diversos tipos e modelos usados pelo homem para contar a passagem do tempo[2] e enfatiza a importância do tempo cronológico para a Meteorologia, em que, sem ela, a ciência não seria capaz de elaborar previsões de tempo em nenhum lugar[3].

Localizado na Zona Oeste de São Paulo (cidade), na Avenida Mofarrej, 840, no bairro Leopoldina na sede da DIMEP - Dimas de Melo Pimenta Sistemas de Ponto e Acesso Ltda.

Placa informativa do Museu do Relógio

O museu se encontra dentro do prédio da Dimep[4], espaço que abrigava uma antiga fábrica[5].

História[editar | editar código-fonte]

O Museu do Relógio Professor Dimas de Melo Pimenta foi fundado no ano de 1975[6], pelo professor e colecionador[7] Dimas de Melo Pimenta, que iniciou, no ano de 1950[7], sua coleção pessoal de relógios de vários modelos e tipos[8], a começar com um de bolso e de prata[7] comprado em Aparecida, SP.A coleção cresceu tanto que se torno, no ano de 1954[7], um Museu. O acervo é constituído por peças doadas por pessoas que tem a intenção de colaborar com o arquivo do Museu[8], comprados pelo filho do fundador[8], Dimas de Melo Pimenta II, ou pelo antigo acervo do fundador[8], Professor Dimas de Melo Pimenta, formando assim, o único museu do gênero da América Latina [7].

O museu passou por reforma e ampliação, sendo reaberto em outubro de 2011. Em novembro do mesmo ano, o Museu do Relógio Professor Dimas de Melo Pimenta lançou um livro de nome homônimo [9]. A data foi escolhida por Dimas de Melo Pimenta II, filho do professor e atual presidente da DIMEP, em comemoração aos 75 anos de fundação da empresa criada por Pimenta em 1936. Na obra, encontram-se fotos e informações de cerca de 100 relógios dos mais de 600 expostos dentro do museu.

História do professor Dimas de Melo Pimenta[editar | editar código-fonte]

O professor Dimas de Melo Pimenta começou a trabalhar com relógios em 1936 como auxiliar no departamento de relógio e telefones da firma Stal,Teles & Cia.LTDA., foi no final do ano de 1936 que Dimas começou a esboçar seus primeiros relógios. Um de seus primeiros trabalhos realizados foi na estação de ferro de Sorocaba em Itu-São Paulo, onde ele produziu um relógio de mestre no ano de 1938. Apesar do seu interesse pelo ramo relojoeiro, Dimas de Melo Pimenta continuou os seus estudos;  frequentando o ginásio do estado, escola técnica de comércio de São Paulo, faculdade de estudos econômicos do Liceu coração de jesus e a universidade da capital federal, é bacharel em ciências contábeis (turma de 1938), também cursou engenharia civil (turma de 1942) cursos de aperfeiçoamento de engenharia industrial. Foi em 1958 que Dimas de Melo conquistou o registro de professor relojoeiro pela secretaria da educação.[10]

Foi durante a segunda guerra mundial em 1941, que após anos de luta e esforço conseguiu alcançar o seu objetivo de transformar sua produção de relógios que ele havia começado em 1936 em uma produção efetivamente industrial. Com apenas 23 anos fundou junto com seu pai Manuel e seu irmão José fundou a firma de elétricos “tagus” ltda.,[10] incorporada posteriormente a empresa Dimas de Melo Pimenta S.A – indústria de relógios, afirma que teve um início bastante moderno, começando com o capital de 50 contos de reis, estabeleceu-se em um pequeno armazém de apenas 40 m2. Neste pequeno armazém chegaram a trabalhar 15 pessoas, a partir dai foram criados, feitos e produzidos extraordinários relógios destacados pelo seu grande valor tecnologia que era de extrema importância para as instalações do ministério da fazenda. O jovem Dimas de Melo Pimenta empenhou-se a profundamente em sua empresa, sua vida foi dedicada intensamente á pesquisa e á produção de relógios junto a administração de sua firma, pesquisa essa sempre feita para a criação de relógios cada vez melhores, e ao mesmo tempo em que iniciou os estudos para a constituição de um instituto que, levasse aos relojoeiros de todo o Brasil informações e técnicas que lhes permitissem evoluir profissionalmente. Ele fundou o instituto “instituto brasileiro de relojoaria” do qual foi presidente, foi a partir deste instituto que ele criou a primeira escola de relojoaria do Brasil.[10]

Em 1950 Dimas de Melo Pimenta começou a sua coleção de relógios que hoje chega a mais de 800, dentre elas um dos mais antigos relógios de bolso fabricado em 1535, sua coleção possui relógios raros e peculiares. Seu museu foi construída e organizada de uma forma com que os visitantes se sentissem em uma linha do tempo, mostrando toda a evolução dos diversos tipos de relógios. Dentro dos vários relógios criados, fabricados em sua empresa, Dimas de Melo fez um trabalho de 2 anos na criação do primeiro relógio eletrônico no Brasil em 1959, no mesmo ano ele inicia uma pesquisa sobre o relógio de quartzo. Dimas de Melo Pimenta S.A- Indústria de relógios abastece cerca de 70% do mercado interno de relógios industriais e comerciais, além de exportarem para diversos países na América, Europa, Ásia e África.[10]

Retrospectiva anual[editar | editar código-fonte]

O Museu realiza anualmente a "Retrospectiva Anual", quando o acervo agrega à suas mais de 600 peças outros relógios históricos para exposição ao público.Esse evento é uma homenagem ao Professor Dimas de Melo Pimenta, que fazia uma mostra com o mesmo nome e com a mesma frequência, sempre no mês de dezembro[11]. para apresentar para a sociedade as novas peças do acervo, que viriam a fazer parte o museu [8], ainda não fundado na época[11]. Em 2015 foi realizada a 43ª edição da "Retrospectiva Anual" [12], que teve como principal atração o relógio espião, criado na Alemanha Ocidental na década de 1950.

Acervo do Museu[editar | editar código-fonte]

O museu conta com um vasto acervo, com cerca de mais de 800 peças[10] .A coleção é um resultado de doações, doadas por pessoas que tem a intenção de colaborar com o arquivo do Museu[8].Entre os vários tipos de relógios da coleção alguns atraem interesse particular.

Relógio de ouro, perolas e brilhantes.[editar | editar código-fonte]

Segundo um antigo recibo relógio pertencia a segunda imperatriz brasileira Amélia de Leuchtenberg esposa de D.Pedro I e Duquesa de Bragança que era prima por afinidade de Napoleão III e posteriormente foi dado de presente, por ela a uma família; a peça foi fabricada pela marca Suíça Alliez & Berguer, na segunda metade do século XIX. [13]

Relógio atômico, que mede o tempo pela vibração de moléculas de Césio-133[1].[editar | editar código-fonte]

O relógio atômico é um tipo de relógio que usa um padrão de ressonante de frequência como contador, em outras palavras ele mede o tempo baseando-se na propriedade do átomo, sendo o padrão de frequência de oscilação de sua energia; o relógio atômico nunca se atrasa, ou aparentemente quase nunca apenas 1 segundo a cada 200 anos é o mais preciso do mundo, é uma das 800 peças que pertenceram a segunda imperatriz do Brasil no século XIX Amélia de Leuchtenberg.[14]

Galeria de fotos[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b «Museu do Relógio tem peça que mede o tempo com cartões de papel». Folha de S.Paulo 
  2. «Museu do Relógio é atração turística em São Paulo». brasilturis.com.br. Consultado em 2 de junho de 2017 
  3. «Relação entre o relógio e o tempo cronológico na Meteorologia é destaque em exposição » Sala de Imprensa - USP – Universidade de São Paulo». www.usp.br. Consultado em 2 de junho de 2017 
  4. «Museu do Relógio - Passeios | Guia Folha». Guia Folha. Consultado em 2 de junho de 2017 
  5. «Museu do Relógio exibe 600 peças raras em mostra gratuita | Da Redação | VEJA SÃO PAULO». VEJA SÃO PAULO. 23 de setembro de 2016 
  6. Iha, Marcelo. «Museu do Relógio». www.cidadedesaopaulo.com. Consultado em 30 de maio de 2017 
  7. a b c d e «Museu do Relógio conta as horas para lançamento de livro». Curiocidade 
  8. a b c d e f http://www.revistafatorbrasil.com.br/ver_noticia.php?not=1534
  9. http://blogs.estadao.com.br/curiocidade/museu-do-relogio-conta-as-horas-para-lancamento-de-livro/
  10. a b c d e «História do professor Dimas de melo Pimenta» (PDF). 1998. Consultado em 25 de maio de 2017 
  11. a b https://www.revistafatorbrasil.com.br/ver_noticia.php?not=1534
  12. http://www.dimep.com.br/novidades/116/museu-do-relogio-de-sao-paulo-apresenta-o-relogio-espiao-da-decada-de-50
  13. «Portal Fator Brasil». www.revistafatorbrasil.com.br. Consultado em 13 de junho de 2017 
  14. «Museu do Relógio reúne quase 700 peças raras». ZH 2014 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]