Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos (São Paulo)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Igreja de Nossa Senhora do
Rosário dos Homens Pretos
Igreja-de-Nossa-Senhora-do-Rosário-dos-Homens-Pretos.jpg

A Igreja no Largo do Paissandu, vista aérea.
Construção 1904-1906
Diocese Arquidiocese de São Paulo
Local Largo do Paissandu, s/nº - República,
São Paulo  Brasil

A Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos, localizada no Largo do Paissandu, foi construída gratuitamente por trabalhadores negros. Foi consagrada em 1906, quando grande procissão, acompanhada por banda, trasladou as imagens do antigo templo, que ficava no Largo do Rosário, atual Praça Antônio Prado.

Ver também[editar | editar código-fonte]

São Paulo

Ícone de esboço Este(a) artigo sobre capela, igreja ou catedral é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.

O culto a Nossa Senhora do Rosário é um dos mais antigos de nossa cidade e funde-se com a própria fundação de São Paulo. Esta devoção levou em 1721 a construção de uma pequena capela na região onde está a Praça João Mendes (naquela época um subúrbio da cidade), que logo constituiu-se em um ponto de encontro de escravos, que eram proibidos de frequentar as igrejas dos brancos.

Não demoraria para um novo templo ser erigido, desta vez na área da atual rua 15 de Novembro, que ocorreria em 1737 (data estimada). O local permaneceria imutável por quase 150 anos, até que em 1872 o então presidente da província, João Teodoro, decidiu demolir alguns casarios antigos, desapropriar o cemitério de escravos ali existente e criar ali o Largo do Rosário.

Esta bela igreja parecia que ficaria para sempre naquele lugar, mas não foi bem isto que aconteceu. Com o argumento de ampliação e modernização da cidade, o prefeito Antônio Prado decidiu desapropriar a área da igreja e seus vizinhos em 1903.

A área do então Largo do Rosário (atual Praça Antônio Prado) foi completamente remodelada e os negros afastados mais uma vez para um local distante. Curiosamente o terreno da antiga igreja, agora demolida, passou para a posse de Martinico Prado, nada mais nada menos do que o irmão de Antônio Prado.

Com a pequena indenização recebida a irmandade decide erguer a igreja no Largo do Paissandú, o que não ocorreria sem protestos dos moradores do entorno do local, que alegavam que o templo “acabaria com a beleza da praça”.

Mesmo assim, a igreja foi erguida e inaugurada finalmente em 22 de abril de 1908. E está ali até hoje.

Paissandú ou Paiçandu ?

Muitos locais escrevem a praça atualmente como Largo do Paiçandu. Entretanto o nome do local não é uma homenagem indígena mas sim uma referência a cidade uruguaia de Paissandú, ou mais especificamente, a épica Batalha de Paissandú ocorrida em 1865 durante a Guerra do Paraguai.

Como confusão pouca é bobagem a coisa complicou mais recentemente, já que a letra “Y” voltou ao alfabeto brasileiro e o nome correto da cidade uruguaia seria, portanto, Paysandú. Assim temos Paissandú, Paysandú e Paiçandu. Por isso, nós aqui do São Paulo Antiga manteremos o nome Paissandú até que a prefeitura defina a mudança ou não oficialmente.