Instituto Federal de São Paulo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo
IFSP
Fundação 23 de setembro de 1909 (106 anos) (fundação)
29 de dezembro de 2008 (7 anos) (transformação em IFSP)
Tipo de instituição Pública Federal
Localização ,  São Paulo
Reitor(a) Eduardo Modena
Página oficial http://www.ifsp.edu.br/

O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia São Paulo (IFSP), antigo Centro Federal de Educação Tecnológica de São Paulo (CEFET/SP) e antiga Escola Técnica Federal de São Paulo, é uma instituição federal, pública, que faz parte da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, vinculada diretamente ao Ministério da Educação (Brasil). É uma instituição multicampi, especializada na oferta de educação nas diferentes modalidades de ensino, básico, superior e profissional, com base na conjugação de conhecimentos técnicos e tecnológicos às suas práticas pedagógicas. Possui excelência em seus cursos técnicos e de graduação, reconhecidos internacionalmente pelo alto nível de qualidade.

Atualmente, o IFSP possui 24 mil alunos matriculados nos 38 campi e mais 4 mil alunos nos 19 polos de educação a distância distribuídos pelo estado de São Paulo.

Histórico[editar | editar código-fonte]

A história do IFSP registra, em suas diversas fases, além da manutenção de educação pública de qualidade a oferta de formação profissional orientada ao desenvolvimento econômico brasileiro, especialmente no Estado de São Paulo.

Criação[editar | editar código-fonte]

O IFSP foi criado originalmente como Escola de Aprendizes e Artífices por meio do Decreto-lei nº 7.566, assinado pelo presidente Nilo Peçanha em 23 de setembro de 1909. O decreto determinou a criação em cada uma das capitais dos Estados da República uma "Escola de Aprendizes Artífices", para que ali fosse ministrado ensino profissional primário. A Escola teve seu projeto voltado para a formação de operários e contramestres.

Nos anos de 60 a 90, como Escola Técnica Federal de São Paulo, formou técnicos de nível médio, inicialmente para as áreas de Mecânica e Edificações, depois para Eletrotécnica, Eletrônica, Telecomunicações, Processamento de Dados e Informática Industrial.

Em 1987 a Escola inaugurou sua segunda unidade, localizada no município de Cubatão, litoral paulista, e, em 1996, a terceira unidade, em Sertãozinho, no interior do Estado.[1]

Nesse último período, houve o reconhecimento público da Escola Técnica Federal de São Paulo pelo excelente preparo profissional de seus alunos. Registre-se o fato de que, até hoje, ela ainda é conhecida popularmente como Escola Técnica Federal ou Federal de São Paulo.

Transformação em Centro Federal[editar | editar código-fonte]

Em 1994, a Lei Federal nº 8.948, de 8 de dezembro, estabeleceu a transformação gradativa das escolas técnicas federais (ETFs) em centros federais de educação tecnológica (CEFETs), mediante decreto específico para cada instituição e em função de critérios estabelecidos pelo Ministério da Educação, levando em conta as instalações físicas, os laboratórios e equipamentos adequados, as condições técnico-pedagógicas e administrativas, e os recursos humanos e financeiros necessários ao funcionamento de cada centro. Com isso, a Escola Técnica Federal de São Paulo tornou-se o Centro Federal de Educação Tecnológica de São Paulo (CEFET/SP).

A partir do ano 2000, já consolidada sua transformação em Centro Federal, houve a remodelação e a expansão da oferta de ensino da instituição.

Em 2005 houve a implantação da Unidade de Guarulhos, 2006 as Unidades de Caraguatatuba e São João da Boa Vista, 2007 as Unidades de Salto e Bragança Paulista e em 2008 as Unidades de São Carlos e São Roque.

Transformação em Instituto Federal[editar | editar código-fonte]

Em 2007 o Governo Federal lançou a Chamada Pública MEC/SETEC n.º 002/2007, com o objetivo de analisar e selecionar propostas de constituição de Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia – IFETs. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva assinou dia 16 de julho de 2008 o Projeto de Lei 3775/2008 que cria  institutos federais de educação, ciência e tecnologia no país. A matéria seguiu para aprovação no Congresso Nacional e foi sancionada pelo presidente em 29 de dezembro de 2008, criando então o IFSP de acordo com a Lei 11.892/2008.

Com a transformação, o IFSP, assim como os demais institutos federais, deve ter uma forte inserção na área de pesquisa e extensão, visando estimular o desenvolvimento de soluções técnicas e tecnológicas e estendendo seus benefícios à comunidade. Metade das vagas agora são destinadas à oferta de cursos técnicos de nível médio, em especial cursos de currículo integrado e, no mínimo, 20% das vagas para os cursos de licenciatura, sobretudo nas áreas de Ciências e da Matemática. Complementarmente, são oferecidos cursos de formação inicial e continuada, tecnologias, engenharias e pós-graduação.

O IFSP passou a ter autonomia, nos limites de sua área de atuação territorial, para criar e extinguir cursos, bem como para registrar diplomas dos cursos por ele oferecidos, mediante autorização do seu Conselho Superior. Ainda exerce o papel de instituição acreditadora e certificadora de competências profissionais. Organizado em estrutura multicampi, tem proposta orçamentária anual identificada para cada campus e reitoria, equiparando-se com as universidades federais.

No ano de 2009, o ensino médio alcançou a 35º posição das melhores escolas do país no ENEM, e ficou como a melhor escola pública do Estado de São Paulo.

O IFSP passou a oferecer os cursos Técnicos em Administração e em Informática para Internet e, a partir de 2012, o superior de Formação de Professores na modalidade de Ensino a Distância (EaD).

Em 2011, aderiu o SiSU como meio exclusivo de ingresso para os cursos superiores. O curso de Arquitetura e Urbanismo, do campus São Paulo, foi o mais concorrido do Brasil no sistema em 2014 e 2015.

Ensino[editar | editar código-fonte]

Formação Profissional Inicial e Continuada[editar | editar código-fonte]

Cursos de Qualificação Profissional nas áreas de
  • Informática Básica
  • Construção Civil
  • Metal-Mecânica
  • Eletrônica
  • Eletrotécnica
  • Também são oferecidos alguns cursos de curta duração, ministrados em parceria com a iniciativa privada.

Nível técnico[editar | editar código-fonte]

São oferecidos Cursos Técnicos nas diversas áreas:
  • Alimentos (Barretos e São Roque)
  • Automação Industrial (Salto e Sertãozinho)
  • Construção Civil
  • Edificações (Votuporanga e São Paulo)
  • Eletrônica (São João da Boa Vista e São Paulo)
  • Eletroeletrônica (Bragança Paulista)
  • Eletrotécnica (São Paulo)
  • Eventos (Avaré, Barretos, Campos do Jordão)
  • Indústria
  • Informática (Cubatão, Salto, São João da Boa Vista e São Paulo)
  • Informática para Internet (São Carlos)
  • Manutenção e Suporte em Informática (Barretos e Votuporanga)
  • Mecânica (Bragança Paulista e São Paulo)
  • Mecatrônica (Avaré)
  • Química (Sertãozinho)
  • Agroindústria (Avaré e São Roque)
  • Agropecuária (Barretos)
  • Agronegócio (Avaré e Barretos)
  • Hospedagem (Campos do Jordão)

Nível superior[editar | editar código-fonte]

Tecnólogos
  • Tecnologia em Alimentos
  • Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas
  • Tecnologia em Automação Industrial
  • Tecnologia em Biocombustível
  • Tecnologia em Eletrônica Industrial
  • Tecnologia em Fabricação Mecânica
  • Tecnologia em Gestão Ambiental
  • Tecnologia em Gestão da Produção Industrial
  • Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos
  • Tecnologia em Gestão de Turismo
  • Tecnologia em Mecatrônica Industrial
  • Tecnologia em Manutenção de Aeronaves
  • Tecnologia em Processos Gerenciais
  • Tecnologia em Sistemas Elétricos
  • Tecnologia em Sistemas Eletrônicos
  • Tecnologia em Sistemas para Internet
Bacharelados
  • Administração
  • Arquitetura e Urbanismo
  • Engenharia Civil
  • Engenharia de Controle e Automação
  • Engenharia de Produção
  • Engenharia Eletrônica
  • Engenharia Mecânica
Licenciaturas
  • Licenciatura em Ciências Biológicas/Biologia
  • Licenciatura em Física
  • Licenciatura em Geografia
  • Licenciatura em Letras
  • Licenciatura em Matemática
  • Licenciatura em Química

Pós Graduação[editar | editar código-fonte]

Desenvolvimento de Pesquisa Tecnológica[editar | editar código-fonte]

O IFSP realiza pesquisas aplicadas, estimulando o desenvolvimento de soluções tecnológicas, o empreendedorismo, o desenvolvimento científico e tecnológico e o pensamento reflexivo através de programas de:

Estrutura[editar | editar código-fonte]

Reitoria[editar | editar código-fonte]

A Reitoria é o órgão executivo que representa o IFSP, cabendo-lhe a administração, a coordenação e a supervisão de todas as atividades da autarquia. Para o exercício das suas atividades, a Reitoria conta com o reitor, as Pró-Reitorias de Ensino, Extensão, Pesquisa e Inovação, Administração e Desenvolvimento Institucional além das Diretorias, Auditoria Interna e Procuradoria Federal.

A sede fica localizada no campus de São Paulo, na Rua Pedro Vicente, 625.

Campi[editar | editar código-fonte]

Campus[editar | editar código-fonte]

Campus Avançado[editar | editar código-fonte]

Núcleo Avançado[editar | editar código-fonte]

Ingresso[editar | editar código-fonte]

Vestibular[editar | editar código-fonte]

O Vestibular do IFSP é realizado duas vezes ao ano. As inscrições ocorrem, normalmente, nos meses de maio e outubro e a aplicação das provas acontece em junho e dezembro. Dependendo das especificidades do curso, podem ocorrer outros processos de classificação.

Cursos Superiores[editar | editar código-fonte]

Desde 2011, o IFSP seleciona seus alunos dos cursos superiores exclusivamente pelo Sisu (Sistema de Seleção Unificado), duas vezes ao ano.

Para concorrer às vagas, o candidato interessado deve ter realizado o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) do ano anterior. O candidato que não alcança a nota mínima para a primeira chamada, mas declara interesse, tem seu nome relacionado na lista de espera e deve comparecer pessoalmente no campus em data divulgada para concorrer a uma das vagas remanescentes.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências