São Carlos (São Paulo)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de São Carlos
"Princesa do Oeste (século XIX)"
"Cidade Sorriso (século XX)"
"Cidade do Clima (século XX)"
"Atenas Paulista (século XX)"
"Sanca (década 1990)"
"Capital da Tecnologia (década 1990)"
"Capital do Conhecimento (2009)"
São Carlos (a partir de cima, esquerda): Catedral de São Carlos, UFSCar, P-47D Thunderbolt e Demoiselle 22 (do Museu TAM), Estação Ferroviária de São Carlos, Parque da Chaminé, Escola Álvaro Guião e um panorama da cidade.

São Carlos (a partir de cima, esquerda): Catedral de São Carlos, UFSCar, P-47D Thunderbolt e Demoiselle 22 (do Museu TAM), Estação Ferroviária de São Carlos, Parque da Chaminé, Escola Álvaro Guião e um panorama da cidade.
Bandeira de São Carlos
Brasão de São Carlos
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 4 de novembro
Fundação 4 de novembro de 1857 (160 anos)
Gentílico são-carlense ou carlopolitano
Lema A bandeirantibus venio
"Procedo dos bandeirantes"
Padroeiro(a) São Carlos
Prefeito(a) Airton Garcia (PSB)
(2017–2020)
Localização
Localização de São Carlos
Localização de São Carlos em São Paulo
São Carlos está localizado em: Brasil
São Carlos
Localização de São Carlos no Brasil
22° 01' 04" S 47° 53' 27" O22° 01' 04" S 47° 53' 27" O
Unidade federativa  São Paulo
Mesorregião Araraquara IBGE/2008[1]
Microrregião São Carlos IBGE/2008[1]
Municípios limítrofes Norte: Rincão, Luís Antônio, Santa Lúcia
Sul: Ribeirão Bonito, Brotas, Itirapina
Leste: Descalvado, Analândia
Oeste: Ibaté, Araraquara, Américo Brasiliense
Distância até a capital 230 km[2]
Características geográficas
Área 1 137,332 km² [3]
Distritos São Carlos (sede), Água Vermelha, Santa Eudóxia e Bela Vista São-carlense[4]
População 246 088 hab. (SP: 31º) –  IBGE (2017)[5]
Densidade 216,37 hab./km²
Altitude 856 m
Clima tropical de altitude Cwa
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,805 (SP: 18º) – muito elevado PNUD (2010)[6]
PIB R$ 9 796 013 mil IBGE (2014)[7]
PIB per capita R$ 40,994 71 IBGE (2014)[7]
Página oficial
Prefeitura www.saocarlos.sp.gov.br
Câmara www.camarasaocarlos.sp.gov.br

São Carlos é um município brasileiro localizado no interior do estado de São Paulo, na região Centro-Leste, e a uma distância rodoviária de 230 quilômetros da capital paulista. Com uma população recenseada em 246.088 habitantes,[5] distribuídos em uma área total de 1.137.332 km², é a 13ª maior cidade do interior do estado em número de residentes.

A cidade é um importante centro regional industrial,[8] com a economia fundamentada em atividades industriais e na agropecuária (neste setor, destaca-se a produção de cana-de-açúcar, laranja, leite e frango). Servida por sistemas rodoviário e ferroviário, São Carlos conta com uma unidade comercial da multinacional suíça Leica Geosystems[9] e com unidades de produção de algumas empresas multinacionais, dentre as quais a Volkswagen,[10] Faber-Castell (a subsidiária são-carlense é a maior do grupo em todo o mundo, produzindo 1,5 bilhão de lápis por ano),[11] Electrolux[12] Tecumseh,[13] Husqvarna,[14] LATAM MRO,[15] Serasa Experian[16] e Grupo Segurador BB-MAPFRE.[17] Algumas unidades de produção de empresas nacionais, dentre as quais Toalhas São Carlos,[18] Tapetes São Carlos,[19] Papel São Carlos,[20] Prominas Brasil,[21] Opto Eletrônica,[22] Latina,[23] Engemasa,[24] Apramed[25] e Piccin.[26]

Atendendo às necessidades locais e, em certos aspectos, regionais, há uma rede de comércio e serviços distribuída em lojas de rua, postos de conveniência e um shopping center da rede Iguatemi. No campo de pesquisas, além das universidades, estão presentes no município dois centros de desenvolvimento técnico da Embrapa.

Os dois campi da Universidade de São Paulo (USP), a Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), Instituto Federal de São Paulo (IFSP) e a FATEC, além de uma instituição de ensino superior particular, o Centro Universitário Central Paulista (UNICEP), tornam intensa a atividade universitária no município, que conta com uma população flutuante de mais de vinte e nove mil graduandos e pós-graduandos,[27][28][29][30] boa parte atraída de outras cidades e estados.

História[editar | editar código-fonte]

Conde do Pinhal, um dos fundadores de São Carlos

São Carlos foi fundada na segunda metade da década de 1850, por iniciativas de Antônio Carlos de Arruda Botelho (Conde do Pinhal) e Jesuíno José Soares de Arruda,[31] localizada num caminho que levava às minas de ouro de Cuiabá e Goiás, saindo de Piracicaba. As povoações mais próximas neste caminho eram, à época, Rio Claro, na depressão periférica e, subindo as escarpas das encostas do planalto, Araraquara.[32]

Originalmente era habitada por indígenas, provavelmente guaianases, os quais foram exterminados ou expulsos e são possivelmente os responsáveis pela introdução de pinhais de araucária na região.[32] Entretanto, existe também a hipótese de a espécie ser de ocorrência natural.[33] O território seria ocupado no século XIX por posseiros, pequenos proprietários de terra, então chamados "caboclos". Dentre estes, talvez o mais ilustre tenha sido um certo Gregório que, por volta de 1831, residia à beira de um riacho que corta a cidade e herdou seu nome, o córrego do Gregório.[32]

O atual município engloba terras das antigas sesmarias do Pinhal, do Monjolinho e do Quilombo. A sesmaria do Pinhal originou-se de uma doação de terras, em 1781, ao cirurgião-mor do Regimento de Voluntários Reais de São Paulo, o qual as vendeu em 1786 a Carlos Bartholomeu de Arruda. No entanto, a sesmaria só seria demarcada em 1831, a pedido de seu filho, Carlos José Botelho, pai do futuro Conde do Pinhal.[32] Já as sesmarias do Monjolinho e do Quilombo foram demarcadas em 1810 e 1812.[34]

Com a ocupação das sesmarias por grandes fazendeiros, que utilizavam mão-de-obra escrava, os antigos posseiros, com poucas condições de legalizar suas terras, foram expulsos ou absorvidos às novas propriedades.[32] Esses latifundiários, mais tarde, se autoidentificariam com o "espírito bandeirante", o que se reflete no lema da cidade, A bandeirantibus venio, idealizado pelo Visconde de Taunay. Apesar desta referência anacrônica ao bandeirantismo, a ocupação inicial da região por não índigenas foi feita, de fato, pelos posseiros acima referidos, e não por bandeirantes.[35]

Casa do Pinhal, no sudeste do município.

A data histórica atribuída a fundação é o dia 4 de novembro de 1857, dia de São Carlos Borromeu, padroeiro da cidade, ao qual foi dedicada uma capela que começou a ser erigida em 1856, solicitada por Jesuíno de Arruda, proprietário de terras na sesmaria do Pinhal. Inicialmente, sua construção foi planejada numa fazenda na sesmaria do Monjolinho porém, por rejeição de seu proprietário, João Alves de Oliveira, que temia que o povoado nascente distraísse seus escravos, a capela foi construída na sesmaria do Pinhal. São Carlos foi o santo escolhido por ser o nome predominante na família Botelho, desde suas origens em Portugal. Não há, entretanto, um consenso sobre a verdadeira data de fundação e o real fundador da cidade (Jesuíno de Arruda ou a família Botelho), pelo fato de o conceito de fundação variar de acordo com os vários critérios usados: erigir uma capela, doar um terreno para o patrimônio público, erigir as primeiras casas de telha, algum ato de desprendimento e benevolência dos poderosos da época, entre outros.[32]

No contexto estadual, uma circunstância talvez singular a São Carlos foi o fato de a fundação da cidade, o início do plantio de café e o declínio do regime escravista brasileiro terem coincidido.[36]

Ainda em 1857 foi criado o distrito de paz de São Carlos do Pinhal, elevado a freguesia em 1858.[32] Em março de 1865, desmembrando-se de Araraquara, o povoado tornou-se vila (correspondente à atual divisão administrativa de município), com o nome de São Carlos do Pinhal. Em setembro do mesmo ano foi empossada a Câmara Municipal.[32] Em 1880, a vila foi elevada a cidade (à época, um título honorífico),[37] e foi criada também a comarca de São Carlos, instalada em 1882.[38]

Sua denominação foi reduzida de "São Carlos do Pinhal" a "São Carlos" no ano de 1908.[39][40] O município é conhecido também pelo nome de "Cidade do Clima", devido ao clima seco e ameno. Hoje é conhecida como a "Capital da Tecnologia" ou simplesmente "Sanca".[41]

O atual território de São Carlos foi desmembrado sucessivamente dos municípios de São Paulo (1558-1625), Santana de Parnaíba (1625-1654), Nossa Senhora da Candelária de Itu (atual Itu, 1654-1822), Vila Nova da Constituição (atual Piracicaba, 1822-1833) e São Bento de Araraquara (atual Araraquara, 1833-1865). Em 1953, Ibaté foi desmembrado do município.[42]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Geologia, geomorfologia e pedologia[editar | editar código-fonte]

O município está incluído na província geomorfológica das cuestas basálticas e de arenito, entre as províncias do planalto Ocidental (ao norte) e a Depressão Periférica Paulista (ao sul).[43]

Em São Carlos, incluído na Bacia do Paraná, são encontrados afloramentos das seguintes formações geológicas:[44][43]

  • Bauru (Grupo Bauru), no reverso das cuestas (Planalto de São Carlos), onde se localiza a maior parcela do núcleo urbano, mais ao norte,
  • Serra Geral (Grupo São Bento), na estreita região das cuestas onde ocorre quebra de relevo (encostas),
  • Botucatu (Grupo São Bento), que contém a parte baixa das cuestas, mais ao sul, além de incluir o Aquífero Guarani.

O solo do município é constituído principalmente por, em ordem decrescente:[45]

  • Latossolo vermelho-amarelo (LV),
  • Latossolo roxo (LR),
  • Areia quartzosa profunda (AQ),
  • Latossolo vermelho-escuro (LE),
  • Terra roxa estruturada (TE),
  • Solo litólico (Li),
  • Solo hidromórfico (Hi) e
  • Solo podzólico (PV)

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

Rio Monjolinho

O município está inserido entre duas Unidades Hidrográficas de Gerenciamento de Recursos Hídricos (UGRHI): a nº 9, Mogi-Guaçu, e a nº 13, Tietê-Jacaré. A área urbana encontra-se, principalmente, na bacia hidrográfica do rio Monjolinho, incluída, serialmente, nas bacias dos rios Jacaré-Guaçu, Tietê, Paraná e rio da Prata.[46]

A área urbana é cortada pelos rios Monjolinho, Gregório e Santa Maria do Leme, e pelos córregos Tijuco Preto, Simeão, Água Quente e Água Fria, dentre outros. As principais bacias do município são:

Clima[editar | editar código-fonte]

Gráfico climático para São Carlos
J F M A M J J A S O N D
 
 
271
 
28
18
 
 
201
 
28
18
 
 
187
 
28
18
 
 
72
 
27
16
 
 
66
 
25
14
 
 
39
 
24
12
 
 
36
 
24
12
 
 
35
 
26
14
 
 
66
 
27
15
 
 
136
 
27
16
 
 
164
 
28
17
 
 
277
 
27
18
Temperaturas em °CPrecipitações em mm

O clima é tropical de altitude com inverno seco (Köppen: Cwa), com temperatura média mínima de 15,5 °C e máxima de 26,4 °C.

  • Temperaturas
    • Média anual: 20,5 °C
    • Mês mais quente fevereiro (22,7 °C)
    • Mês mais frio: julho (17,3 °C)
  • Clima
    • Tropical de altitude: verão chuvoso e inverno seco.
    • Precipitação: 1548 mm.
  • Umidade relativa do ar:
    • Verão: 76%
    • Inverno: 54%

Segundo dados do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), desde 1961 a menor temperatura registrada em São Carlos (estação convencional) foi de -1 °C em 17 de julho de 2000, seguido por -0,1 °C em 18 de julho de 1975,[47] e a maior atingiu 37,9 °C em 18 de outubro de 2014.[48] O maior acumulado de precipitação em 24 horas foi de 143,1 mm em 13 de fevereiro de 1980. Outros grandes acumulados foram 127,9 mm em 23 de fevereiro de 1965, 118,9 mm em 3 de fevereiro de 1996, 118 mm em 13 de janeiro de 2013, 113,4 mm em 16 de dezembro de 2002, 112,7 mm em 26 de fevereiro de 2004, 102,9 mm em 24 de fevereiro de 1993 e 100 mm em 12 de janeiro de 2011.[49] O menor índice de umidade relativa do ar foi de 14%, registrado em agosto de 2003, nos dias 20 e 22 do referido mês.[50]

Vegetação[editar | editar código-fonte]

A vegetação original do município, e os respectivos remanescentes, correspondem respectivamente a:[33]

Hoje, boa parte da vegetação foi substituída por plantações, pastos e florestamentos de silvicultura.[58] Cabe lembrar que, entretanto, as proporções acima indicadas, em parte obtidas a partir de interpretações de imagens de satélite, possuem certa incerteza, pela dificuldade de se diferenciar pastos artificiais de campos limpos naturais.

Outros dados[editar | editar código-fonte]

Demografia[editar | editar código-fonte]

Dinâmica populacional[editar | editar código-fonte]

Histórico populacional
[carece de fontes?]
Ano População

1920 54.225
1930 44.978
1934 51.000
1940 48.609
1950 47.731
1960 61.287[59]
1970 85.425
1980 119.535
1991 158.221
1996 175.517
2000 192.998
2002 204.354
2004 210.986
2007 212.956[60]
2008 218.080[61]
2009 220.463[62]
2010 221.950
2011 224.172
2012 226.322
2013 236.457
2014 238.958
2015 241.389
2016 243.765

O crescimento da população foi grande desde o século XIX, a partir de 1872. Em 1874 a cidade possuía 6.897 habitantes; em 1881, aproximadamente 10 mil habitantes. Com o começo da imigração italiana em 1886, a população chegou a 16.104 habitantes (tendo 1050 imigrantes italianos, ou 6,5% da população total[63]) e, no fim do século, em 1899, contabilizava 10.396 imigrantes italianos, sendo a segunda maior imigração do estado. Por isso, era conhecida na Itália como "Piccola Italia".[64]

Até o final do século XIX, a maioria da população de São Carlos era não branca, sendo que em 1886, negros, pardos e caboclos compunham 55% da população e os brancos somente 45%. Dos 5.950 negros e pardos existentes naquele ano no município, 2.987 eram escravos e 1.277 "ingênuos", filhos livres de mães escravas que, até os 21 anos, deveriam prestar serviços aos senhores, conforme disposto na Lei Rio Branco, de 1871. Ou seja, 71,6% dos negros e pardos do município eram escravos ou ingênuos. O grande número de escravos e filhos de escravos em São Carlos é explicado por tratar-se de uma região de fronteira de próspera expansão da cultura do café.[65]

Com o processo de abolição da escravatura, a imigração para São Carlos cresceu enormemente, visando a substituição da mão de obra escrava por trabalhadores livres estrangeiros, em consonância com a ideologia de branqueamento racial[66] da época. Em 1907, os brancos passaram a constituir a maioria, devido sobretudo à imigração italiana. Entre 1887 e 1907, o número de italianos no município aumentou dez vezes, e o de outros estrangeiros, sobretudo portugueses e espanhóis, aumentou quatro vezes.[65] Em 1907, os 15.247 estrangeiros registrados compunham 40% da população de São Carlos, sendo que o impacto da imigração era muito maior, levando-se em conta que os filhos de estrangeiros nascidos no Brasil eram contados como brasileiros. Por outro lado, a população não branca diminuiu no município, sendo que negros e mulatos constituíam 12,5% dos habitantes. Os caboclos, descendentes aculturados de indígenas, foram eliminados do censo de 1907 e, supõem-se que alguns deles devem ter saído do município, enquanto muitos devem ter sido classificados como mulatos e alguns como brancos ou negros.[65]

Por volta de 1900, a maioria dos casamentos realizados em São Carlos envolviam cônjuges imigrantes, e quase 90% das crianças nascidas no município eram filhas de pais estrangeiros. Entre 1898 e 1918, em torno de 60% das crianças nasciam de pais estrangeiros, sendo que só a partir da década de 1920 é que a maioria dos pais já eram nascidos no Brasil.[67] Os censos de 1886 e 1907 mostram que a imigração estrangeira acarretou numa mudança considerável na composição étnica de São Carlos:[65]

Grupo 1886 1907
Pretos 24,8% 9,9%
Pardos 12,2% n/d
Mulatos n/d 2,6%
Caboclos 18% n/d
Brancos brasileiros 32,3% 48,1%
Italianos 6,5% 29,3%
Portugueses 2,9% 4,3%
Espanhóis 0,7% 4,3%
Alemães 2,3% 0,5%
Outros imigrantes 0,2% 1,1%

No século XX, o crescimento da população (a partir de 1950) foi resultado da industrialização e da consequente migração de outras regiões do estado e do país. Em decorrência, a partir de 1991, o crescimento demográfico vem sendo muito grande e rápido (de acordo com IBGE). E as novas pesquisas tem mostrado que a migração aumentou.[carece de fontes?]

Na cidade, a população (de acordo com o censo de 2000), mostra considerável número de famílias e de pessoas que individualmente migraram de outras regiões (ver quadro ao lado).[carece de fontes?]

Crescimento populacional em São Carlos

Dados demográficos recentes
  • Densidade demográfica: 194,5 hab/km²[68]
  • Área total: 1.140,9 km²
  • Área urbana: 67,25 km² - 6% da área total
  • Área urbana ocupada: 33 km²
  • Área construída em perímetro urbano: 60%
  • Área vazia: 40%
  • Crescimento populacional: média anual 2,61%
  • População área urbana: 95,1%
  • Construção urbana 2015: 117.190[69]
  • Prédios cadastrados: 117.190[69]
  • Número de eleitores: 178.890[70]
  • Frota de veículos: 174.632[71]
  • População universitária flutuante: 29.500 (2014)
  • Renda per capita: R$ 40.994,71[72]
  • Índice Firjan de Desenvolvimento Municipal (IFDM/2010): valor consolidado, 0.9036 (0.9675 educação,0.9124 saúde e 0.8310 emprego e renda) ficando na 23° posição no ranking nacional.[73]

Em 2010, a composição étnica era a seguinte:[74]

Etnia Percentagem
Brancos 72,34%
Negros 5,28%
Pardos 21,56%
Amarelos 0,74%
Indígenas 0,09

Contribuições étnicas e migrações[editar | editar código-fonte]

Poucos registros existem dos primeiros habitantes do território de São Carlos, os quais eram denominados pela historiografia local de "guaianases", exterminados ou expulsos durante o século XIX.[75] Entretanto, deviam ser, na realidade, povos indígenas tupis dos grupos Tupinambá e Tupiniquim, e povos gês dos grupos Kaingang e Kaiapó.[76][77] Quanto aos posseiros, chamados "caboclos", eram lavradores vindos de regiões mais a leste. Mais tarde, foram expulsos ou absorvidos pelos empreendimentos agrícolas dos grandes fazendeiros.[78]

Grande parte das famílias de fazendeiros que vieram para São Carlos no século XIX, constituindo a elite agrária, era proveniente da região do "quadrilátero do açúcar", em especial, de Piracicaba, Campinas, Itu e Porto Feliz. Algumas também partiram da capital paulista e de Minas Gerais.[79]

Quanto às classes populares, foram compostas inicialmente, em grande parte, pela importação de negros escravos e, depois, de imigrantes europeus.[80] Embora a fundação de São Carlos, em 1857, tenha coincidido com o declínio do regime escravista (o tráfico negreiro havia sido abolido em 1850), o trabalho escravo seria usado pelos fazendeiros da região por mais de 30 anos. Inicialmente, os escravos eram trazidos de municípios vizinhos. Ao final do Império, os fazendeiros passaram a importar escravos de outras regiões, em especial, das províncias nordestinas.[81] Um importante local de comércio de escravos, à época, era a fazenda da Babilônia, de Manoel Cândido de Oliveira Guimarães.[82]

Às vésperas da abolição, os conflitos entre escravos e senhores aumentaram e, após ela, mantendo-se o sistema de grandes lavouras e latifúndios, restaram poucas oportunidades de inserção e mobilidade social aos escravos.[83] Mesmo antigos "escravos de confiança" passaram por dificuldades no período pós-abolição, como ocorreu no emblemático caso de Felício de Arruda Botelho.[84] Muitos negros permaneceriam no meio rural, às vezes nas mesmas fazendas onde haviam sido escravos. Outros passariam para o meio urbano, em especial os nascentes bairros da Vila Nery, Vila Isabel e Vila Pureza, periferias de então, ou ainda, migrariam para outras regiões, buscando uma vida melhor ou o restabelecimento de laços de parentesco.[85][86]

A primeira experiência com o trabalho imigrante em São Carlos ocorreu em 1876, quando o Conde do Pinhal financiou a vinda de alemães para sua fazenda. Na década de 1880, o município ficaria em terceiro lugar, no estado de São Paulo, no tocante ao recebimento de imigrantes, a maioria italianos.[87]

A partir de 1902, com o decreto Prinetti, o qual proibiu a imigração subsidiada de italianos para o Brasil, devido aos maus tratos que estes vinham sofrendo, a imigração de italianos decresceu no município. Isso favoreceria a imigração espontânea, porém, não mais de agricultores, e sim, em geral, de artesãos e operários, os quais se estabeleceram no meio urbano. Na censo dos anos 1920, nota-se o aumento de imigrantes de outras nacionalidades, como os espanhóis e portugueses. Surgem também dois novos grupos de imigrantes na cidade, os sírios e os japoneses.[88] Aliás, um dos filhos do Conde, Carlos Botelho, teve importante papel na imigração japonesa para o Brasil, tendo sido secretário da agricultura do Estado de São Paulo quando os primeiros imigrantes japoneses chegaram ao país, em 1908.[89]

Na década de 1930, a população de São Carlos sofreu um decréscimo devido à crise cafeeira, havendo uma grande migração do campo para a cidade, ou ainda, para outras regiões mais interioranas de São Paulo.[90] Após 1933, a imigração para o Brasil sofreu restrições, com a aprovação de uma lei de cotas de imigração. Enquanto isso, entre os anos 1930 e 1950, em outras regiões do estado de São Paulo, tinham início importantes migrações vindas do norte de Minas Gerais e do nordeste, inicialmente direcionadas a lavouras de café mais a oeste do estado e, depois, para as indústrias da capital.[91]

A partir dos anos 1950, haveria uma retomada do crescimento populacional local, devido especialmente à implantação de indústrias na cidade.[92] Os anos 1960 seriam marcados, no estado, por um intenso êxodo rural direcionado à capital. Isso seria revertido nos anos 1970, com o processo de interiorização da indústria paulista, além de novos empreendimentos agrícolas, o que ajudou a reter uma população que potencialmente migraria, além de propiciar a vinda crescente de contingentes migratórios de outras regiões.[93]

Nos anos 1980, houve um decréscimo no ritmo de crescimento populacional no país e no estado de São Paulo, pela queda da fecundidade e das migrações interestaduais. No entanto, as regiões de Araraquara e São Carlos tiveram, à época, um crescimento populacional maior que a média estadual, em decorrência do fortalecimento de suas atividades econômicas.[94]

Nos anos 1990 e 2000, os saldos migratórios na Região Central do estado diminuíram, embora tenham permanecido positivos, respondendo por 70% a 50% de seu crescimento absoluto. Isso ocorreu tanto pela diminuição dos contingentes de migrantes interestaduais para a região, quanto pelos fluxos migratórios de retorno. Nesta época, seriam consideráveis os fluxos de imigrantes vindos da região nordeste e a imigração intraestadual, além da emigração de retorno para o Paraná e Minas Gerais.[95]

Ainda nos anos 1990, com o movimento dekassegui, muitos descendentes de japoneses deixaram a cidade.[96]

Desde 2008, com as políticas de ações afirmativas na UFSCar, a cidade vem recebendo estudantes indígenas de diversas etnias e Estados, em especial terenas e umutinas.[97]

Religião[editar | editar código-fonte]

Primeiras entidades e espaços religiosos do município:[98]

Os primeiros cemitérios da cidade localizavam-se no atual Largo São Benedito e no Campo do Rui (1882).[117] Em 1890 foi implantado o Cemitério Nossa Senhora do Carmo, na região norte.[118]

Proporções das denominações em 2010:[119]

Religião Porcentagem Número
Católicos 65,56% 145.519
Protestantes 21,15% 46.941
Sem religião 6,06% 13.446
Espíritas 3,73% 8.269
Budistas 0,11% 247
Umbandistas 0,26% 522
Judeus 0,02% 45

Igreja Católica[editar | editar código-fonte]

Vista da nave da Catedral de São Carlos Borromeu
Ver artigo principal: Diocese de São Carlos
Ver artigo principal: Paróquias da diocese

O município é sede da Diocese de São Carlos (criada em 1 de março de 1908), abrangendo hoje, vinte e nove municípios da região central do estado paulista em cinco Regiões Pastorais. Compreende 70 paróquias, 14 quase-paróquias, duas capelas, uma diaconia e a Catedral.

A Igreja local conta com os irmãos lassalistas desde 1957. Atualmente os lassalistas administram o Colégio La Salle São Carlos, referência em educação humana e cristã.[120]

Conta também com a presença da congregação dos salesianos de Dom Bosco, que tem uma presença significativa na cidade com uma obra social, o educandário (1947), atendendo em média quatrocentas crianças, as medidas socioeducativas ("LA" - Liberdade Assistida , "NAI" - Núcleo de Atendimento Integrado),[121][122] escolinha de futebol, iniciação profissional, alfabetização de jovens e adultos, programas de apoio sócio-familiar, com sete oratórios festivos (atende as crianças e jovens nos finais de semana com atividades esportivas, recreativas e religiosas), com o noviciado (fase mais importante da formação do seminário salesiano) e com uma paróquia, a Nossa Senhora Auxiliadora.

Política[editar | editar código-fonte]

Do final do século XIX até meados do século XX, como em grande parte do Brasil, a política local em São Carlos foi caracterizada pelo coronelismo. Do final do Império ao início da República, a família Arruda Botelho foi dominante, alternando-se com a família Camargo Penteado & Salles, ambas do Partido Liberal e representantes da elite agrária. Mais tarde, seria fundado o Partido Republicano Paulista (PRP), ligado a ambas as famílias.[123]

Com as crescentes urbanização e industrialização, aliadas à crise dos anos 1930 e à Revolução de 1930 da Era Vargas, esse cenário começou a ser alterado. Entretanto, as elites agrárias mantiveram-se no poder até 1945, quando houve o restabelecimento do sistema representativo, criando-se diversos partidos. De 1945 até 1964, período no qual predominou o fenômeno do populismo, os principais partidos foram a União Democrática Nacional (UDN), organizada em torno do industrial Ernesto Pereira Lopes; o Partido Trabalhista Nacional (PTN), liderado por Antonio Massei; e o Partido Social Progressista (PSP), ligado aos profissionais liberais. Por sua vez, os trabalhadores e setores mais empobrecidos não conseguiram organizar-se efetivamente, de forma independente dos políticos populistas.[124]

Durante a ditadura militar, foi instaurado o bipartidarismo, havendo apenas duas presenças legais: a ARENA e o MDB. A ARENA local foi fundada por Pereira Lopes e por Massei, opositores históricos. Havia, entretanto, duas sublegendas, a ARENA 1 e a ARENA 2, ligadas aos respectivos políticos. Quanto ao MDB de São Carlos, foi fundado por Antonio Cabeça Filho, entretanto, contava com um número muito reduzido de membros.[125]

No período, parecia haver uma espécie de pacto entre os principais políticos, segundo o qual Pereira Lopes (ex-UDN) seria sempre candidato a deputado federal, Vicente Botta (ex-PTB) a deputado estadual, e Antonio Massei a prefeito (ex-PTN).[126]

Nos anos 1970, surgiram dois importantes movimentos sociais em São Carlos, ligados ao movimento negro e ao ambientalismo: respectivamente, o Centro Congada, e a Associação de Proteção Ambiental (Apasc). No entanto, tais grupos foram levados à frente por intelectuais e estudantes ligados às universidades, carecendo de apoio das classes populares da cidade.[127]

Em 1982, foram realizadas as primeiras eleições do período de reabertura democrática, o que não significou, porém, uma ruptura com as antigas lideranças. Houve o restabelecimento do pluripartidarismo, com novos partidos: PMDB (antigo MDB), PDS (originado da ARENA), PTB, PT e PDT. Foi eleito prefeito o engenheiro Dagnone de Melo (PMDB, egresso da ARENA), antigo Diretor de Obras na gestão do industrial Mario Maffei (ARENA).[128]

Em 1986, foi eleito deputado estadual Antonio Adolpho Lobbe Neto (então do PMDB), neto do prefeito homônimo nos anos 1960.[129] Lobbe elegeria-se sucessivamente para o legislativo estadual, depois federal. Para a prefeitura, em 1988, foi eleito o contador da Câmara Neurivaldo José de Guzzi, o Vadinho (PTB), que teve o apoio da família Amaral e do grupo de Vicente Botta, antigos rivais.[130] O líder da família Amaral, Francisco Xavier Amaral Filho, o Xavierzinho (ex-PSP e ARENA), embora nunca tenha sido eleito prefeito, foi vereador e diretor geral da Câmara por 44 anos, tendo importante papel como articulador de interesses. Seu irmão, José Bento Carlos do Amaral (ex-PTN e ARENA), foi prefeito, cassado em 1969.[131][132][133]

Em 1992, foi eleito prefeito Rubens Massucio, o Rubinho (PTB), sobrinho de Antonio Massei (ARENA). Rubinho contou com o apoio de Vicente Botta, da família Amaral, e de Airton Garcia (PPR). Airton tinha grande apoio das classes populares, pela doação de terrenos a famílias carentes – o que seria interpretado por alguns autores como uma prática clientelista. No entanto, Airton, tendo sua candidatura impugnada, lançou sua mãe, Dona Henriqueta Garcia, como vice de Rubinho.[134] Em seguida, Rubinho romperia com Airton, devido à candidatura de Henriqueta para deputado federal em 1994, o que atrapalhou a campanha de Gilberto Formici, candidato ao mesmo cargo e protegido de Rubinho.[135]

Na eleição seguinte, em 1996, saiu vitorioso Dagnone de Melo, agora apoiado por Airton, seu vice. Assim como em sua gestão anterior, a administração de Melo teve um perfil técnico-burocrático.[136]

Em 2000, o PT, que obtivera resultados expressivos já em 1996, elege o prefeito Newton Lima, ex-reitor da UFSCar, ligado aos sindicatos dos docentes e ao grupo Articulação - Unidade na Luta. O partido tinha, entre suas propostas, a implantação da ideia de Orçamento Participativo (OP).[137] Newton foi reeleito em 2004 e, na eleição seguinte, em 2008, é eleito outro ex-reitor da UFSCar, Oswaldo Barba (PT).

Em 2012, elege-se o industrial Paulo Altomani (PSDB). O PSDB local fora fundado nos anos 1980, como uma dissidência do PMDB, pelo professor e empresário Antonio Carlos Vilela Braga. Altomani, inicialmente no PL, disputava o cargo de prefeito desde 1992.[138]

Em 2016, é eleito Airton Garcia (PSB), empresário dos ramos imobiliário e de mineração,[139] tendo como vice o engenheiro Giuliano Cardinalli, genro de Dagnone de Melo.[140] Giuliano foi presidente da Associação de Engenheiros e Arquitetos (AEASC),[141] organização de cunho liberal e desenvolvimentista, atuante nas revisões do Plano Diretor.[142]

Poder executivo[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Prefeitos de São Carlos
Palacete Conde do Pinhal, antiga sede da prefeitura

Durante os períodos colonial e imperial, a administração das cidades brasileiras era feita pela Câmara Municipal, escolhida por meio de eleições diretas.[143] Com a República, surgiu uma nova divisão do poder municipal, separando-se o poder executivo e administrativo, exercido pelo prefeito, e o poder legislativo da Câmara. No entanto, ainda em 1905, São Carlos não possuía um prefeito, e sim um intendente, que não era soberano em relação à Câmara, a qual ainda administrava, de fato, a cidade. Em 1908 foi nomeado o primeiro prefeito da cidade.[144] Em 1929, com um novo código de posturas, houve o fortalecimento do poder executivo centrado no prefeito, transferindo-se muitas das atribuições antes da Câmara para a prefeitura.[145] Em 1948, é eleito de forma direta o primeiro prefeito. Em 1953, a estrutura administrativa municipal se tornou mais complexa, com a divisão de tarefas entre novas repartições.[146] Nas décadas seguintes, a prefeitura passou por sucessivas reformas administrativas: em 1960, 1967, 1971, entre outras.[147]

Gestão atual:

  • Prefeito: Airton Garcia Ferreira (2016-2020), pelo PSB
  • Vice-prefeito: Giuliano Cardinalli (2016-2020), pelo PSD

Sedes da prefeitura:

  • Inicialmente, de 1865 a meados do século XX, não havia ainda a figura do prefeito na cidade, mas sim presidentes da Câmara (1865-1890), presidentes do Conselho de Intendência (1890-1892) e intendentes (1892-1908). Mesmo com a criação do cargo de prefeito, em 1908, no início não havia ainda uma delimitação clara entre o poder municipal legislativo e o executivo. Portanto, nesta época, a "sede" da prefeitura corresponderia à própria Câmara (ver abaixo).[148]
  • Palacete Conde do Pinhal (meados do século XX-2008)
  • Edifício Sesquicentenário (desde 2008), antigo Hotel Municipal

Poder legislativo[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Câmara Municipal de São Carlos
Câmara Municipal (1952-presente), antigo Fórum (1900-anos 1950)

O poder legislativo é representado pela câmara municipal, composta por vinte e um vereadores, com mandato de quatro anos. Cabe aos vereadores, na Câmara Municipal de São Carlos, especialmente fiscalizar o orçamento do município, além de elaborar projetos de lei fundamentais à administração, ao executivo e, principalmente, para beneficiar a comunidade.

Desde a sua criação, a Câmara teve várias sedes:[38][149]

  • Residências diversas (1865-1884)
  • Edifício do Largo Municipal (1884-1921, demolido em 1926)
  • Palacete Conde do Pinhal (1921-1952)
  • Edifício Euclides da Cunha (desde 1952)

A cidade contou com algumas iniciativas pioneiras no campo da contabilidade pública brasileira, no final do século XIX, com a vinda do polonês Estanislau Kruszynski, que atuou na Câmara.[150][151]

Poder judiciário[editar | editar código-fonte]

Em 1882 foi instalada a comarca de São Carlos, independente da de Rio Claro, sendo o primeiro juiz o Dr. Joaquim Ignácio de Moraes.[152][153] Dentre alguns importantes caso judiciais e policiais, ocorridos ainda no século XIX, estão o da quadrilha Mangano, composta por bandidos calabreses.[153][154] e o de Dioguinho, morto no rio Mogi Guaçu.[155][156]

Quanto à sede do fórum, inicialmente (1882-1900) as atividades jurídicas ocorriam no Casarão Mattos, na esquina da rua Conde do Pinhal com a Dona Alexandrina,[152] imóvel esse que também abrigaria um parque infantil, ligado à vizinha Delegacia de Saúde. Anos depois (1900-anos 1950), foi construído um prédio próprio para o fórum, junto com a cadeia e a sede do destacamento policial, que se trata do atual Edifício Euclides da Cunha, sede da Câmara. Em 1959 foi inaugurado o fórum da rua Conde do Pinhal (Fórum Dr. Alfredo Ellis Jr.), no local do antigo Casarão Mattos. Em 1992 foi inaugurado o fórum cível, chamado Desembargador Ulysses Doria, na rua Sorbonne, ficando o antigo imóvel como sede do fórum criminal.[157][158][149] A unidade da justiça federal foi inaugurada em 2005.[159]

Atualmente, o poder judiciário na comarca de São Carlos é representado pelas seguintes entidades:[160]

  • Justiça Federal (TRF3; Seção de São Paulo; 15ª Subseção de São Carlos)
    • Fórum com três varas federais, sendo 2 Varas Federais e 1 Vara do Juizado Especial Federal.[161][162]
  • Justiça do Trabalho (TRT da 15ª Região, Campinas): Fórum Trabalhista, com duas varas;[163] presente desde 1962.
  • Justiça Eleitoral (TRE-SP): dois Cartórios Eleitorais, da 410ª Zona Eleitoral e da 121ª Zona Eleitoral.[164]
  • Justiça Militar (TJMSP)
  • Justiça Estadual (TJSP; 6ª RAJ, de Ribeirão Preto; 12ª CJ, São Carlos)
    • Fórum Criminal, com três varas, Tribunal do Juri, Juizado Especial Criminal e Vara da Infância e Juventude,
    • Fórum Cível, da Justiça Estadual, com cinco varas, Juizado Especial Cível e Serviço Anexo da Fazenda,

A comarca de São Carlos possui algumas subdivisões: o distrito-sede de São Carlos; os distritos de Santa Eudóxia, fundado em 1933 a nordeste, e de Água Vermelha, criado em 1948 ao norte; e dois subdistritos: Ana Prado, criado em 1959 a oeste (renomeado como Bela Vista São-carlense em 1981), e Vila Nery, criado em 1981 a leste.[165] Em 2015, o foro distrital de Ibaté, até então subordinado a São Carlos, foi elevado a comarca.[166]

Outros[editar | editar código-fonte]

Desde 1990, o município, juntamente com Araraquara e outras 25 cidades, integra a Região Administrativa Central do estado, compreendendo uma população de cerca de um milhão de habitantes. Anteriormente, São Carlos estava incluída na região de Ribeirão Preto.[167][168]

O município possui ainda unidades dos seguintes órgãos públicos federais e estaduais:

  • da Procuradoria da República, do Ministério Público Federal (instalada em 2003, nova sede em 2008)[169]
  • do Poupatempo (2010)
  • da Procuradoria Geral do Estado (2012)[170]
  • da Promotoria de Justiça, do Ministério Público Estadual (2012)
  • da Defensoria Pública do Estado (2016)
  • da Receita Federal (nova sede em 2016)

Quanta às Forças Armadas (CMSE do Exército; 2.ª Região Militar; 5ª CSM, de Ribeirão Preto; 5ª Delegacia de SM, de São Carlos):

Relações internacionais[editar | editar código-fonte]

O Núcleo das Relações Internacionais da Prefeitura, através dos acordos de cidades-irmãs e outros mecanismos, busca a integração econômica e cultural entre a cidade e outros municípios nacionais e estrangeiros. A integração entre os municípios é firmada por meio de convênios de cooperação, que têm o objetivo de assegurar a manutenção da paz entre os povos, baseada na fraternidade, felicidade, amizade e respeito recíproco entre as nações.

São Carlos possui oficialmente quatro cidades-irmãs:[173][174]

Economia[editar | editar código-fonte]

Agropecuária e mineração[editar | editar código-fonte]

Casa na zona rural

Com relação à cultura dos antigos povos indígenas da região, apesar de haver alguns estudos sobre, não são discutidos os hábitos alimentares e agrícolas de tais grupos.[175] Quanto aos primeiros posseiros, no início do século XIX, após a derrubada de matas, sabe-se que formavam pequenas lavouras de subsistência, nas quais cultivavam arroz, feijão, milho, além de apascentar gado. Mais tarde, com a expropriação das terras destes pequenos lavradores por latifundiários, passam a ser implantadas grandes fazendas, com lavouras comerciais.[176]

A primeira atividade econômica da região, então denominada de "campos de Araraquara", foi a criação de gado bovino em fazendas. O primeiro cultivo de cana-de-açúcar data de 1825, sendo que, a partir daí, passaram a surgir fazendas mistas, com produção de cana e criação de gado. A lavoura de cana se consolidaria após 1840, em termos de importância e industrialização. O grande mercado consumidor e distribuidor dos produtos da região era, à época, Piracicaba.[177] Quando da fundação da cidade de São Carlos, em 1857, pouco havia na região além de algumas fazendas tocadas a braço escravo, lidando com a criação de alguns bovinos e suínos, além de um incipiente cultivo de cana-de-açúcar.[178]

Os primeiros pés de café da região foram plantados em 1831,[179] entretanto, a produção cafeeira só ganharia relevo a partir da abertura da ferrovia em 1884, concomitante à incorporação de mão-de-obra imigrante no trabalho rural.[180] Nessa época, ocorreram grandes feitos locais, como obras públicas, e a elevação da Vila à categoria de Cidade, em 1880, que era um título honorífico do período imperial. Isso levou a um certo ufanismo em comparações feitas com a vizinha Araraquara, elevada a Cidade apenas em 1889. Data daí a rivalidade com a cidade vizinha, que manteve-se por todo o século XX, e que perdura até hoje, ainda que atenuada.[181] No final da década de 1910, entretanto, os cafezais começaram a entrar em decadência, possivelmente pelo envelhecimento dos cafeeiros, ou ainda, pela despreocupação dos fazendeiros em conservar a riqueza do solo.[182]

Após a crise de 1929, a produção cafeeira conseguiu se manter ainda por alguns anos graças à política de valorização do café. Entretanto, o período de 1934 a 1950 seria marcado por um inequívoco retrocesso do setor agrícola em São Carlos.[183] Concorreram para isso a dificuldade de substituir o café por policulturas, em razão do problema de fertilidade do solo, além da rigidez da estrutura agrária, uma vez que a pequena propriedade se difundiu lentamente no município, em comparação com regiões vizinhas como Araraquara ou Rio Claro.[184] Nesse mesmo período, seria intenso o êxodo rural, além de que a população total do município diminuiria, havendo migrações para outras cidades mais a oeste, em áreas pioneiras recém-abertas, onde os colonos imigrantes tinham mais condições de se tornarem proprietários.[185] Embora, a partir dos anos 1930-40, tenha havido um crescimento do número de pequenas propriedades rurais, com a divisão de terras entre herdeiros das grandes fazendas,[186] tal processo se deu de forma tímida, uma vez que o acesso à terra pelos imigrantes e outras populações era extremamente limitado.[187]

A decadência da cidade seria atribuída, na imprensa da época, à falta de civismo dos são-carlenses, ou às lutas políticas locais. A década de 1940 seria permeada por campanhas buscando a projeção e reerguimento da cidade, as quais, não raro, desembocaram em bairrismo, havendo disputas com cidades vizinhas, e conferiram a São Carlos um ar provinciano, de certo modo.[188]

Ainda no final da década de 1930, entendendo o caráter mais ou menos permanente da crise do café, os agricultores de São Carlos saíram em busca de uma alternativa, reorganizando a produção em suas terras com vistas à criação de gado leiteiro. Em 1937, esses produtores organizaram uma cooperativa de laticínios. Mais tarde, o município constituiria uma importante bacia leiteira.[189][190] Após o domínio da bacia leiteira nos anos 1970 e 1980, passa a crescer em importância a produção de cana-de-açúcar, com os incentivos do Proálcool.[190][191]

Em 1991, o município passa de sede de Delegacia a sede de Divisão Regional Agrícola,[192] em razão do desenvolvimento da atividade industrial.[193]

Atualmente, no setor agropecuário do município, destacam-se as redes agroindustriais de produção: sucroalcooleira, de citricultura, de laticínios, de carne bovina, de avicultura de corte, e de silvicultura, com florestamentos de Eucalyptus sp. e Pinus sp.[194][58]

Nas últimas décadas, muitas áreas de pastagem estão sendo substituídas por áreas de lavoura. No caso das lavouras temporárias, a maior parte é destinada ao cultivo de cana-de-açúcar, enquanto a maioria das lavouras permanentes é destinada ao cultivo de laranja.[194] A propósito, a cidade se insere na bacia do rio Mogi-Guaçú, região que constitui os principais complexos agroindustriais citrícola e canavieiro paulistas.[195]

Na mineração, o município não possui grandes jazidas com significância no mercado nacional, produzindo apenas insumos voltados para o setor da construção civil, especialmente areia e a brita.[43]

Em termos de estrutura fundiária, na área rural, predominam pequenas e médias propriedades. Embora o município conte com mais de mil propriedades rurais, as unidades de produção agrícola giram em torno de apenas 800. Essa diferença se deve ao processo de desmembramento de pequenas propriedades com fins não agrícolas, como chácaras de lazer e moradias rurais,[194][196][197] surgidas a partir dos anos 1970.[118]

Indústria[editar | editar código-fonte]

O processo inicial de industrialização em São Carlos e, de modo geral, no Brasil, é tributário da acumulação de capitais gerada pela cultura cafeeira no Estado de São Paulo no final do século XIX e início do século XX.[198] Com o fim da escravidão, os fazendeiros paulistas preferiram adotar o regime de mão-de-obra livre, com trabalhadores assalariados, a verem esfacelado o sistema de latifúndios. Assim, introduziram um pré-requisito do sistema industrial, a economia monetária, que minaria a autossuficiência e o patriarcalismo dos domínios rurais. Surgiu, assim, uma classe média urbana, intermediária entre os fazendeiros e colonos, desempenhando muitos ofícios novos ou antes desempenhados pelos escravos nos latifúndios: ferreiros, mecânicos, maquinistas, carpinteiros, marceneiros, pedreiros, serralheiros, sapateiros, guarda-livros, farmacêuticos, administradores, capatazes, etc. Embora não fossem assalariados agrícolas, exploravam indiretamente as necessidades do meio rural. Essa classe média, que ampliava o mercado de consumo, antes restrito às elites rurais, se tornaria dominante no século XX.[199]

Máquina beneficiadora de café, numa tulha da fazenda Santa Maria do Monjolinho

A importação de imigrantes europeus favoreceu também a indústria por vários motivos, trazendo novas atitudes, técnicas e atividades. Por exemplo, os imigrantes tinham mais condições de resistir ao patrimonialismo dos fazendeiros, que, muitas vezes, tentavam retribuir o trabalho com outras maneiras além do salário. Além disso, traziam novas técnicas e experiências profissionais obtidas no Velho Mundo, podendo atuar como mão-de-obra especializada, ou mesmo como pequenos empreendedores. Enfim, não havia, praticamente, uma população paulista nativa com um estilo de vida urbano, o que favoreceu a iniciativa industrial pelos imigrantes.[200]

Graças também ao café, foram estabelecidos outros elementos importantes para a indústria: a ferrovia, a energia elétrica. Com um sistema de transportes, possibilitou-se um mercado integrado no Estado de São Paulo. Além disso, a própria ferrovia demandava uma série de novas funções industriais. Enfim, a própria constituição urbana das cidades, deixando de ser meros apêndices do campo para contar com atividades bancárias relacionadas ao café e com um comércio mais desenvolvido, favoreceu a industrialização.[201]

Em São Carlos, a primeira atividade industrial a se estabelecer foi a indústria de beneficiamento de café e cereais, inicialmente ainda nas prórias fazendas, depois na cidade. Em geral, essas indústrias eram instalados pelos latifundiários, os quais, entretanto, pouco investiram em outras atividades industriais, além dos investimentos em infraestrutura, como a ferrovia.[202]

Parque da Chaminé, antiga fábrica de adubos Facchina

A seguir, desenvolveu-se, no meio urbano, em decorrência do comércio de café, um novo tipo de indústria, em geral artesanal, cujo agente principal seria o imigrante. Essa indústria se orientaria para dois mercados, o de artigos para consumo popular, e o de produtos utilizados nas fazendas. Nessa última categoria enquadram-se, por exemplo, as Indústrias Giometti, de peneiras e pregos, até hoje existente, ou a fábrica de adubos Facchina.[203]

Durante as primeiras décadas do século XX, a cidade, sendo um dos centros urbanos mais desenvolvidos do interior paulista, atraiu não apenas mão-de-obra, mas também empresas e capitais externos. Nesse período, até meados dos anos 1940, a produção local seria composta por um quinteto básico de serrarias, fábricas de adubo, de pregos, de tecelagem e de lápis.[204]

Com a crise cafeeira de 1930, surgiu um novo padrão de acumulação industrial, sobretudo na capital, mas também em alguns núcleos do interior, incluindo São Carlos. Em Araraquara, que contava com uma base agrícola mais diversa, o desenvolvimento da indústria teve por base, principalmente, o processamento de produtos agrícolas, que constitui a atual agroindústria alimentar, ainda hegemônica no município. Ribeirão Preto também teve um caso semelhante.[205]

Em São Carlos, o período da década de 1930 teve tanto tendências quanto contratendências industrializantes. No entanto, mesmo antes da crise, a cidade já contava com um compartimento industrial relativamente diversificado, em comparação com cidades de porte similar.[206] Nos anos 1930, por um lado, havia a crise das indústrias vinculadas estritamente ao café,[207] além da competição da indústria da capital, que conquistava novos mercados no interior. Por outro, foram beneficiadas em São Carlos as empresas dentetoras já de certo porte, que atendiam mercados regionais, ou ainda, algumas empresas de pequeno porte, que pertenciam a ramos de negócios reconhecidos como especialidades da cidade, como a indústria moveleira, e as alfaiatarias de ternos.[208]

A fase seguinte da industrialização em São Carlos é marcada pela substituição das importações, em paralelo à Segunda Guerra. Ocorreria, inclusive, o florescimento de algumas atividades surgidas na década anterior, chamadas "indústrias da crise", como a indústria leiteira e, especialmente, a têxtil, a qual contava com integração vertical.[209]

São Carlos passou a ser conhecida, portanto, como um núcleo industrial de relativa importância, apesar da influência da capital. Assim como no meio rural, a maioria das grandes indústrias passara a ser administrada da capital, enquanto, na cidade, restava um grande números de pequenos e médios empresários de origem imigrante.[210]

No pós-guerra, entretanto, a maioria das indústrias têxteis locais, com maquinário obsoleto, foi facilmente superada pelas indústrias de países desenvolvidos.[211] Além disso, a partir de meados dos anos 1950, com um capitalismo mais maduro no Brasil, as indústrias dos imigrantes empresários passam a enfrentar dificuldades, seja pela gestão de padrão tradicional, seja pela rejeição à inserção dos imigrantes no meio político das elites rurais.[212]

Isso seria compensado em parte, pela instalação da Tapetes São Carlos, e a fábrica de conservas da Hero, casos singulares por terem se aproveitado de vínculos importantes com o exterior, importando tecnologia, embora se tratem de empresas de capital nacional. Aliás, no período, as únicas indústrias locais processadoras de alimentos, com porte razoável, seriam a Cooperativa de Laticínios, e a Hero.[213]

Nos anos 1950, o grupo Pereira Lopes, com a fábrica Climax, produtora de refrigeradores, teria influência econômica e política decisiva sobre a cidade. Nos anos 1960, outra enorme empresa, igualmente pioneira no Brasil, seria construída pelo grupo, a CBT, fábrica de tratores.[214]

Essa seria a primeira fase de industrialização pesada em São Carlos.[215] Apesar de ter havido uma retomada do crescimento industrial na cidade nos anos 1950, nas duas décadas seguintes acentuou-se novamente o processo de concentração da industrialização na metrópole, causando grande concorrência. Na década de 1980, entretanto, o processo de interiorização da indústria paulista, iniciado nos anos 1970, se intensificou.[216]

São Carlos hoje tem um perfil industrial ativo, possuindo unidades de produção de várias empresas multinacionais. Destacam-se entre as grandes unidades industriais, as fábricas da Volkswagen, Faber-Castell, Electrolux, Tecumseh do Brasil, Husqvarna, Toalhas São Carlos, Tapetes São Carlos, Papel São Carlos, Prominas Brasil, Opto Eletrônica, Latina, Sixtron Company. A cidade possui ainda o LATAM MRO, localizado na antiga fábrica da Companhia Brasileira de Tratores (CBT).

Comércio e serviços[editar | editar código-fonte]

Antigo Mercado Municipal

A primeira iniciativa de usar um sistema bancário na cidade é de 1869,[217] mas demorariam alguns anos até a instalação de bancos.

Coma a chegada da estrada de ferro, em 1884, muitos fazendeiros passaram a residir na área urbana. Logo em seguida, isso gerou um surto na construção civil, aquecendo o comércio de materiais de construção. Em 1886, foi inaugurado o Matadouro Municipal, e em 1903, o Mercado Municipal.[218]

Em 1890, é criada a primeira Casa Bancária da cidade.[219] Em 1892 passariam a funcionar bancos com capital local, o Banco de São Carlos e o Banco União de São Carlos.[220] Este último figuraria entre os dez maiores bancos paulistas do final do século, em tamanho de ativos.[221]

Mesmo com um comércio ainda incipiente, em 1904, é fundada uma Associação Comercial.[222] Em 1911, com a instalação da primeira indústria de porte, a Fábrica de Tecidos Magdalena, surgem pequenas indústrias de vestuário e várias alfaiatarias.[223]

Nos anos 1960, o setor de comércio e serviços ainda era pouco desenvolvido, levando a população a recorrer, muitas vezes, a cidades vizinhas, como Araraquara e Ribeirão Preto. Na década seguinte, o setor passou por uma diversificação e consolidação, em especial no centro da cidade. Isso alterou significativamente o uso e ocupação do solo dessa área, na qual se iniciava, também, a verticalização.[224] Houve a substituição intensa de moradias por atividades comerciais e de serviços,[225] desbalanceando o antigo uso misto da região. Por outro lado, o desenvolvimento do setor bancário levaria à aquisição e demolição de antigas residências do centro.[226]

Nos anos 1990, houve um crescimento da oferta de serviços pelo setor terciário na cidade, não apenas nos setores tradicionais, mas também naqueles mais capital-intensivos e utilizadores de mão-de-obra qualificada, como os serviços de telecomunicações, informática, pesquisa e desenvolvimento, e publicidade. A oferta desses serviços, caracteristicamente concentrados na metrópole, teve um aumento devido à reestruturação do setor industrial local, havendo um incremento de tecnologia no processo produtivo, ampliando a demanda por tais serviços.[227]

Visão do Iguatemi Shopping

Também nos anos 1990, houve a instalação de algumas cadeias de magazines de projeção nacional. Em 1997, foi inaugurado o primeiro shopping, o Iguatemi, direcionado ao consumo da classe média alta.[228] Diante dessas novas formas de comercialização, o comércio tradicional teve de se reorganizar.[229]

Atualmente, as principais atividades econômicas da cidade, em termos de números de estabelecimentos, são: o comércio varejista, o setor de alimentação, o comércio e reparação de veículos, e atividades de atenção à saúde humana.[230]

Apesar de terem ocorrido recentes modificações socioespaciais em São Carlos, ainda hoje as agências bancárias prevalecem no centro.[231]

Dentre os principais centros comerciais de São Carlos estão:[232]

  • Região central, incluindo o Calçadão da General (anos 1990) e o shopping Beira Rio (ou camelódromo, barraquinhas, anos 2000)
  • Shopping Iguatemi (1997): a cidade conta com um shopping center de 105 lojas, o Iguatemi São Carlos, que conta com âncoras conhecidas como a Lojas Riachuelo, Pernambucanas, C&A, Lojas Renner, Extra (varejo), Ponto Frio e a Paquetá Esportes, entre outras lojas como Lojas Marisa e a Companhia Hering.
  • Passeio São Carlos (2015): centro de compras com mais de 13 mil metros quadrados de Área Bruta Locável e 450 vagas de estacionamento. Localizado próximo ao campus I da USP, na Marginal Francisco Pereira Lopes, que concentra grande fluxo de carros e pessoas em todos os horários do dia, o Passeio São Carlos está inserido numa das melhores regiões da cidade, com mais de 16 mil domicílios com renda média familiar superior a 6 mil reais em sua área primária. O centro comercial conta com 1 supermercado da rede Savegnago, 1 Home Center Telhanorte, 1 Drive Thru (Burger King), Praça de Alimentação e 35 lojas.[13]
  • Galerias:
    • Galeria Dubai, com 36 lojas, que fica localizada na Vila Prado, próximo a UPA daquela região
    • América Shopping Mall, que conta com 26 lojas, fica localizado no Santa Felícia, próximo a UPA
    • Estação Damha Mall, conta com 22 lojas dos mais diversos tipos, este fica localizado na região da ABASC
  • São Carlos Shopping (planejado): em 2012, o Grupo Encalso comprou área da antiga Faber Castell no centro da cidade, planejando uma obra de 27 mil metros quadrados em dois edifícios, sendo uma parte residencial, com 178 apartamentos, deck park e a outra abrigando o Shopping Center, além de um hotel. São previstas 202 lojas, sendo 6 delas âncoras, distribuídas em 4 pisos e em 25.875m2 de ABL, além de 1900 vagas de estacionamento. As obras deveriam começar em junho de 2014.[233][234]
  • BestCenter São Carlos (planejado): em 2014 a BestCenter incorporadora e administradora de imóveis anunciou a construção de um novo modelo de centros de conveniência em São Carlos. Estes BestCenters são ancorados por empresas como a rede Dia de supermercados, o Extra minimercado, Burger King, McDonald’s e Americanas Express. Outros parceiros incluem o Subway, a Hering Store, a Raia Drogasil, Livraria Nobel, Fototica, O Boticário, Cacau Show e a Leader. Em 2015 a incorporadora anunciou a compra de outro terreno na cidade, localizado na av. XV de Novembro, para a construção de mais um centro de compras.
    • BestCenter - Miguel Petroni: a primeira unidade da BestCenter será construída na rua Miguel Petroni, 4.293. Contará com 22 lojas modulares com diversas metragens, e aproximadamente 50 vagas de estacionamento. A previsão de entrega é de até um ano após a aprovação do projeto, que aconteceu em Julho de 2015.[235][236][237]
    • BestCenter - XV de Novembro: a Best Center localizada na rua XV de novembro, nº 3076, contará com dezesseis lojas e 43 vagas de estacionamento, porém ainda não possui data de inauguração divulgada.

Parque tecnológico[editar | editar código-fonte]

A característica educacional dá à cidade ainda outro título: "Atenas Paulista". Isto faz de São Carlos um importante polo tecnológico, educacional e científico.[238][239][240]

Privilegiada por sua localização, próximo ao centro geométrico do estado de São Paulo, São Carlos situa-se em uma região muito procurada para aplicação de capitais por ter grande capacidade de absorver os investimentos e beneficiada por rodovias e ferrovias.

O Polo de Alta Tecnologia teve início na segunda metade do século XX; mais tarde, a cidade foi confirmada como polo industrial do interior do estado, juntamente com cidades como Campinas, Sertãozinho, Franca, São José dos Campos, Santos e Ribeirão Preto, entre outras.

A presença de duas universidades finalmente catalisou a instalação de um parque de alta tecnologia, formado por duas unidades da EMBRAPA, pelo CEAT (Centro Empresarial de Alta Tecnologia), Citesc (Centro de Inovaçãoe Tecnologia São Carlos),a incubadora de empresas (CEDIN-Centro de Desenvolvimento de Indústrias Nascentes)e o Instituto Inova, gestor do Parque EcoTecnológico Damha. A cidade conta também com o ParqTec, nele encontra-se o Science Park que já conta com duas multinacionais, a suíça Leica Geosystems[9] e a israelense Amdocs.[241]

Atualmente, está sendo construído no Parque Eco-Tecnológico Damha, uma indústria de semicondutores de marca Simetrix Corporation, que será a primeira do ramo de semicondutores da América Latina. Serão produzidos chips de memória ferroelétrica para e utilização em bilhetes de transporte coletivo, transações bancárias, e até mesmo telefonia móvel e TV Digital. Consolidando mais um título à São Carlos, como a cidade da "Nanotecnologia" brasileira.[carece de fontes?]

Cultura, lazer e turismo[editar | editar código-fonte]

A cidade conta com várias opções de cultura, entretanto, a maioria dos equipamentos públicos se encontra na região central.[242] Com relação às políticas de fomento à cultura, as duas universidades públicas vêm desempenhando um papel importante por meio de projetos de extensão,[243] como o festival Contato (desde 2006),[244] e o projeto Contribuinte da Cultura (desde 1999),[245] que organiza anualmente o festival Chorando sem Parar (desde 2004).[246]

Nos últimos anos, entretanto, a cidade passou por alguns reveses na área, como: a descontinuidade dos Pontos de Cultura (2012-2013),[247][248] fechamento do Museu TAM (2006-2014),[249] do Espaço Cultural Acervo Antônio Ibaixe (2013-2016),[250] da Oficina Cultural Sérgio Buarque de Holanda (1990-2017),[251] da Pinacoteca Municipal (2012-2017, desalojada para a BPMAA),[252] e a descontinuidade da Casa da Cultura Prof. Vicente Camargo (1982-2007, prédio que abrigava a BPMAA, remanejado para órgãos administrativos).

Na área do lazer, falta, ainda hoje, uma política pública consistente, que não se limite a atividades esportivas.[253] Na área do turismo, há potencial em campos como o do turismo histórico e rural, mas até recentemente faltavam iniciativas organizadas.[254][255] Em 2017, no novo Mapa do Turismo Brasileiro, a cidade foi incluída na Região Turística Histórias e Vales,[256] havendo a elaboração de um plano regional de turismo.[257]

Artes[editar | editar código-fonte]

Theatro São Carlos (1884-c.1970).
  • Teatro:
  • Cinema:
    • A primeira exibição de cinema na cidade ocorreu em 1897[259]
    • Cine Iguatemi (1997, três salas)
    • Cine São Carlos (reinaugurado em 2008, duas salas)
    • Programação esporádica do SESC, Sesi, Cine UFSCar, Cineclube do CDCC/USP
    • Projeto Cinema para Todos (em todos os lugares, todos os dias da semana), projeto em parceria entre Prefeitura com Vídeo 21, CDCC, CINEUFScar e SESC.[260]
  • Outros espaços culturais (exposições, música)
    • Conservatório Musical de São Carlos (1947-1991)
    • Foto-Cine Clube Sancarlense (1948-1957)
    • Íris Foto Grupo (1959-)
    • Escola Livre de Música Maestro João Seppe (2004)
    • Centro Municipal de Cultura Afro-Brasileira Odette dos Santos (2006)
    • Centro Cultural Espaço 7 (2007)[261]
    • Instituto Cultural Janela Aberta (2007)[262]

Bibliotecas[editar | editar código-fonte]

BCo da UFSCar

Serviço com espaço para leitura e estudo, acesso à internet, exposição, palestras e eventos culturais diversos:

  • Bibliotecas do Sistema Integrado de Bibliotecas do Município de São Carlos (SIBI):[263]
    • Biblioteca Pública Municipal Amadeu Amaral - Centro da Cidade
    • Biblioteca Pública Municipal Euclides da Cunha - Vila Prado
    • Biblioteca Pública Distrital Armazém Cultura - Distrito de Água Vermelha
    • Biblioteca Escola do Futuro EMEB Dalila Galli - Joquéi Clube
    • Biblioteca Escola do Futuro EMEB Prof. Afonso Fioca Vitali - Cidade Aracy I
    • Biblioteca Escola do Futuro EMEB Antonio Stella Moruzzi - Jardim Tangará
    • Biblioteca Escola do Futuro EMEB Janete Maria Martinelli Lia - Pacaembu
    • Biblioteca Escola do Futuro EMEB Prof. Angelina Dagnone de Melo - Santa Felícia
    • Biblioteca Escola do Futuro EMEB Prof. Maria Ermantina Carvalho Tarpani - Botafogo
    • Biblioteca Escola do Futuro EMEB Arthur Natalino Deriggi - Cidade Aracy II
    • Biblioteca Escola do Futuro EMEB Carmine Botta - Redenção
  • Biblioteca Comunitária da UFSCar
  • Bibliotecas da USP
  • Biblioteca do Sesc

Museus[editar | editar código-fonte]

CDCC da USP, antiga sede da Società Dante Alighieri e da EESC

Museus:

Arquivos históricos:

  • Arquivo Histórico, da Fundação Pró-Memória (1993), no prédio da Estação Cultura[38]
  • Centro de Estudos da Casa do Pinhal (anos 2000)[264]
  • Fundo Florestan Fernandes (1996), da BCo/UFSCar[265]
  • Unidade Especial de Informação e Memória - UEIM (1998), antigo Arquivo de História Contemporânea - AHC (anos 1970), da UFSCar[266]

Arquivos de registros:[267]

  • 1º Cartório de Notas (1859)
  • Cartório de Registro de Imóveis (1883)
  • 2º Cartório de Notas, vulgo Cartório Tombi (1890)
  • Arquivo da Mitra Diocesana de São Carlos (anos 1900)

Fazendas e sítios históricos[editar | editar código-fonte]

Fazenda Santa Maria do Monjolinho
  • Fazenda Pinhal - km 4,5 da (SPA-149) Rodovia Municipal Domingos Innocentini e acessar (SCA-276).
  • Fazenda Iolanda (Restaurante Iolanda) - km 4,5 da (SPA-149) Rodovia Municipal Domingos Innocentini e acessar (SCA-276).
  • Fazenda Paulo Botelho (Tulha Paulo Botelho) - km 6 da (SPA-149) Rodovia Municipal Domingos Innocentini com acesso à esquerda.
  • Fazenda Santa Maria do Monjolinho - km 158 da (SP-215) Rodovia Luís Augusto de Oliveira.
  • Fazenda Vale do Quilombo -
  • Fazenda São Roberto - km 245 da (SP-318) Rodovia Engenheiro Thales de Lorena Peixoto Junior e (SCA-329) EM Abel Terrugi até Santa Eudóxia.
  • Fazenda Lenda D'Água - km 11 da (SCA-334) EM da Babilônia.
  • Sítio São Joaquim -
  • Sítio São João - km 7,8 Rodovia Municipal Domingos Innocentini à esquerda, mais 5 km de terra. Projetos de recuperação de áreas degradadas, principalmente da micro-bacia do Ribeirão Feijão e Programa de Educação Ambiental "Amigos do Ribeirão Feijão" com trilhas ecológicas, oficinas, brincadeiras, dinâmicas, cursos, cursos de férias com acampamento e aulas práticas, para Educadores Ambientais, Produtores Rurais, Alunos e Professores de escolas estaduais, municipais e particulares de São Carlos e Região.[268]

Atrativos naturais[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Parques e praças de São Carlos
Irara no Parque Ecológico
  • Horto Florestal Municipal Navarro de Andrade (1936): fundado por Edmundo Navarro de Andrade para fornecimento de madeira de eucalipto para a CPEF. Foi municipalizado em 1953 e, hoje, tem como função o fornecimento de mudas para a arborização urbana, além de possuir algumas áreas de vegetação nativa e uma trilha de 400 m.[269][270]
  • Parque Ecológico de São Carlos Dr. Antônio Teixeira Viana (1976): fundado nos anos 1970, conta com zoológico, atuando na educação ambiental e preservação. No passado, abrigou a Piscina Municipal do Espraiado, foi local de captação de água, e também estande de tiro do Tiro de Guerra.[271][272][273][274]
  • Pista da Saúde da UFSCar (1980): bosque com percurso de 2.000 m, sinalização de exercícios apropriados a cada 100 m.
  • Bosque Santa Marta (1985): com uma trilha com percurso de 1.500 m.

Eventos[editar | editar código-fonte]

Além de encontros acadêmicos regulares, nas universidades, a cidade possui um calendário de eventos anuais, incluindo, por exemplo:[275]

  • Festa do Clima (desde 1961): realizada anualmente no mês de abril, com uma tradicional Exposição de Orquídeas, shows, artesanato e barracas de comidas diversas.
  • Taça Universitária de São Carlos – TUSCA (desde 1979): competição e festival universitários.
  • Festival Chorando Sem Parar (desde 2004): festival de choro.
  • Festival Contato (desde 2006): evento multimídia.
  • Matsuri (desde 2007): festa tradicional da Cultura Japonesa.

Clubes e equipes[editar | editar código-fonte]

Represa do Broa

O associativismo em São Carlos tem início no final do século XIX, com lojas maçônicas (1874), associações de cunho étnico-racial (1896),[276] clubes recreativos (1903), associações profissionais e sindicatos (1904) e associações patronais (1931).

Dentre alguns clubes e associações atuais da cidade, estão:

Os esportes na cidade ocorrem desde, pelo menos, o início do século, quando eram comuns o turfe em hipódromos, além do futebol. Em 1929, realizou-se um concurso de pesca, reputado como o primeiro do Brasil.[277]

A seguir, as principais equipes esportivas profissionais da cidade, que atuam em seis modalidades esportivas:

Clube Esporte Liga Estádio / Ginásio Fundação Títulos
Rugby São Carlos Rugby Confederação Brasileira de Rugby Estádio da USP e
Campo de Água Vermelha
2000 campeão paulista do interior 2006
Campeão Paulista - Divisão de Acesso 2014
São Carlos Bulldogs Futebol Americano (FLAG) Liga Paulista de Futebol Americano Estádio da USP 2013 Campeão Invicto 2014 LUFA
São Carlos Futebol Clube
Clube Atlético Paulistinha
Futebol Campeonato Paulista de Futebol - Série A2
Campeonato Paulista de Futebol - Série B
Estádio Luís Augusto de Oliveira 2004
1958
campeão 2005 e 2015 Série B
Categorias de base
Interativo / Iate Clube de São Carlos
Associação de Handebol Brasileira São Carlos
Handebol Campeonato Paulista Ginásio João Marigo Sobrinho e
Ginásio Hugo Dornfeld (Zuzão)
2005
2002
campeão 2006 Copa Ouro
Objetivo / São Carlos e
Associação Pro-Basquetebol de São Carlos
Basquete Campeonato Paulista Ginásio Municipal Milton Olaio Filho e
Ginásio João Marigo Sobrinho
1998
1991
campeão 2008 Cadete regional
campeão 2009 Sub21 regional
campeão 2010 Adulto regional
Basquete Lance Livre São Carlos Basquete Campeonato Regional Ginásio João Marigo Sobrinho
Ginásio da Santa Felícia
2008 campeão 2009 Infanto-Juvenil
Handebol em Cadeira de Rodas - HCR UFSCar Handebol Campeonato Paulista de Handebol em Cadeira de Rodas Ginásio Poliesportivo da UFSCar/São Carlos 2008 Bi-campeão Paulista 2009 e 2012
BEST sports Tiro com Arco São Carlos Tiro com Arco Campeonato Paulista
Campeonato Brasileiro
Campeonato Panamericano
Estande Indoor BEST sports 2012 Campeão Paulista 2014, 2016 e 2017
Campeão Brasileiro 2017

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Educação, ciência e tecnologia[editar | editar código-fonte]

Colégio São Carlos

A história de São Carlos como centro educacional data do início do século XX.[117] Em 1911, é fundada a Escola Normal Secundária, estadual, voltada para a formação de professores. Inicialmente abrigada num prédio próximo à Estação Ferroviária, teve seu prédio novo inaugurado em 1916. Com a extinção das Escolas Normais, a instituição passou a ser uma escola de ensino básico, atual Escola Estadual Álvaro Guião.[149][278] Em 1914, é instalada uma efêmera "Escola de Pharmacia".[279] Outro estabelecimento importante da época foi a Escola Profissional Secundária Mista, fundada nos anos 1930, também chamada Escola Industrial, atual ETEC Paulino Botelho.[280]

Quanto ao ensino primário, em 1858 foi instituída a primeira cadeira de ensino de primeiras letras para o sexo masculino e, em 1862, para o sexo feminino.[117] Em 1905, é fundado o Colégio São Carlos, privado, pelas Irmãs Sacramentinas, inicialmente no Palacete Conde do Pinhal, passando para a sede própria em 1914.[281] Os primeiros Grupos Escolares, estaduais, foram o Paulino Carlos (1901-1904, na Praça Coronel Salles), o Eugênio Franco (1919, no prédio antes usado pela Escola Normal), o do Centenário (1922, na Avenida; posteriormente rebatizado Arlindo Bittencourt e movido para a Vila Monteiro), o Bispo Dom Gastão (1934, na Vila Prado) e o Professor Luiz Augusto de Oliveira (1934, na Vila Monteiro).[117] Na reforma do ensino paulista dos anos 1920, a cidade passou a sediar uma das quinze Delegacias de Ensino então criadas, hoje Diretorias.[282]

O ensino secundário só seria expandido a partir dos anos 1960 e 1970, pelo governo estadual. Na década de 1980, cresce a educação infantil, por parte da esfera municipal.[283] Nos anos 1990, tem início a municipalização do ensino fundamental estadual, em especial o ciclo inicial.

UFSCar, área sul

Atualmente, a cidade destaca-se pela presença de instituições de pesquisa voltadas à alta tecnologia. Possui grande número de empresas e centros tecnológicos, desenvolvidos em torno de duas das mais destacadas universidades do país: a Universidade de São Paulo (USP, estabelecida na cidade nos anos 1950, com a Escola de Engenharia de São Carlos-EESC, contando hoje com dois campi), e a Universidade Federal de São Carlos (UFSCar, fundada em 1968). A USP se instalou inicialmente no prédio da Sociedade Dante Alighieri (atual CDCC), depois se transferiu para o local do antigo Posto Zootécnico, enquanto a UFSCar foi instalada na antiga Fazenda Trancham.

Além destas duas universidades, São Carlos possui outras entidades públicas de pesquisa, ensino superior ou profissional, como a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa, com duas unidades, estabelecidas em 1974 e 1984, sendo que a primeira se originou de uma estação experimental do Ministério da Agricultura, de 1935),[284] o Instituto Federal de São Paulo (IFSP, instalado em 2008), e uma FATEC (2014).

Dentre os estabelecimentos privados de ensino superior ou profissional, estão o Senai (1951), o Senac (1951), o Centro Universitário Central Paulista (UNICEP, antiga Asser, de 1972), Atheneu (2005), e o Instituto de Educação e Tecnologia de São Carlos (IETECH, 2012).

A cidade também contava com a Escola Técnica de Comércio (1919-1963), a Faculdade de Comércio D. Pedro II (1928-1963), Escola Técnica de Química Industrial (1960-63), o Liceu José Geraldo Keppe (1963-1974),[285] a Escola de Educação Física (EEFSC, 1949-1996), a Escola de Biblioteconomia e Documentação (EBDSC, 1959-1996), a FADISC (1962-2012, privada)

A EEFSC e a EBDSC, inicialmente privadas, foram municipalizadas em 1976, sendo absorvidas pela Fundação Educacional São Carlos (FESC), e posteriormente federalizadas nos anos 1990, incorporadas pela UFSCar.[286][287][288]

Dentre alguns intelectuais ligados à cidade e suas universidades, estão: o filólogo Amadeu Amaral, que residiu na cidade, onde realizou parte de seus estudos sobre o dialeto caipira; Euclides da Cunha, o qual acompanhou a construção da escola Paulino Carlos, tendo concluído a primeira versão de sua obra Os Sertões enquanto residia na cidade;[289][290][291] o médico veterinário Antônio Teixeira Viana, desenvolvedor da raça de gado Canchim;[292] o químico Mário Tolentino, com trabalhos sobre o ensino de ciências; o físico Vanderlei Bagnato, membro da Pontifícia Academia das Ciências, especialista em óptica; o casal Sérgio Mascarenhas e Yvonne Primerano Mascarenhas, pioneiros da ciência dos materiais e da cristalografia no país, respectivamente;[293] o sociólogo e político Florestan Fernandes, referência na sociologia brasileira, cidadão honorário; o filósofo Bento Prado Júnior, dedicado ao problema da subjetividade;[294] o filósofo José Arthur Giannotti, natural da cidade, especialista em filosofia da lógica; e o escritor Deonísio da Silva, professor da UFSCar por mais de vinte anos.

Segurança pública[editar | editar código-fonte]

Em 1857, criado o Distrito de Paz, São Carlos recebeu uma subdelegacia de Polícia Civil. Logo, o Distrito de Paz se tornou Freguesia (1858), depois Vila (1865). Em 1866, cria-se o Termo de São Carlos e, em 1880, cria-se uma Comarca judicial na cidade.[295]

Em 1882, com a instalação efetiva da Comarca, São Carlos recebeu um destacamento policial. À época, as forças policiais militarizadas do Estado de São Paulo (futuramente, Força Pública, em 1901) eram compostas pelo Corpo Policial (da capital, atual Polícia Militar), pela Companhia de Urbanos (da capital), e pelo Corpo de Polícia Local (interiorano, extinto em 1888, recriado em 1897 como Corpo de Guardas Cívicos do Interior). A Força Pública era composta por oficiais e praças, e subordinada ao Chefe de Polícia estadual. Em 1898, a cidade era uma das dez sedes da Guarda Cívica do Interior, logo renomeada Corpo Policial do Interior.[295]

De início, a cidade, contava apenas com delegados e subdelegados de Polícia Civil, de soldados (praças) da Força Pública, além do comandante do destacamento (que poderia ser um cabo, furriel, ou sargento, todos patentes de praças). Não havia, porém, nenhum oficial.[295] Havia também a Guarda Nacional da comarca, organizada em batalhões e cavalarias, contando com coronéis, majores, capitães, etc., no entanto, tais patentes, desde a década de 1870, tinha caráter mais nobiliárquico que militar, sendo concedida ou comprada pelos grandes fazendeiros locais.[296][297]

Com a urbanização, e posteriormente, a atuação da quadrilha Mangano, no final do século XIX, houve um aumento na demanda de praças na cidade.[298] Mais tarde, com algumas reformas a partir de 1905 na Polícia Civil e na Força Pública, haveria um profissionalismo relativamente maior nessas instituições, no sentido de afastamento da polícia dos interesses dos poderosos locais.[299]

Em 1900, é inaugurado o edifício que serviu como cadeia pública e sede do destacamento policial.[300] Na década de 1930, a Força Pública atuaria em conjunto com voluntários civis na Revolução Constitucionalista de 1932.[296]

Nos anos 1950, com a aceleração das mudanças socioeconômicas no país, há uma mudança nos padrões de criminalidade e violência.[301]

Em 1952, o Corpo de Bombeiros inicia suas atividades na cidade.[302] Junto à sede dos bombeiros, na esquina da Rua Bento Carlos, funcionava também a nova cadeia pública e a delegacia de Polícia Civil. Em 1976, o edifício se torna sede da nova 4ª Cia. (São Carlos) do 13° Batalhão da PM de Araraquara.[303] Em 1989, a 4ª Cia. se torna o 38º Batalhão de São Carlos.[304] Mais tarde, é inaugurado um novo edifício para cadeia (agora centro de triagem) e para a sede da Seccional da Polícia Civil, conhecido informalmente como "Marron Glacê".

Nos anos 1980, durante a redemocratização, houve um crescimento, no país, das taxas de criminalidade, inclusive do crime organizado ligado ao narcotráfico. Nos anos 1990, cresceram conflitos com desfecho fatal, como chacinas e linchamentos. No caso de São Carlos, houve importantes atentados contra polciais militares em 2006 e em 2012, além de uma chacina também em 2012.[301] Nas últimas décadas, paralelo ao surgimento de condomínios fechados na cidade, houve um aumento dos serviços de segurança privada.

Em 2010, próximo ao Marron Glacê, é criada a nova sede da 1ª Cia. e Força Tática do 38º Batalhão da Polícia Militar do Interior, formando, em conjunto, o Complexo de Segurança e Defesa do Cidadão.[305]

Atualmente, a segurança pública no município é exercida pela Políca Civil através da Seccional de Polícia de São Carlos do Deinter 3 (Ribeirão Preto), possuindo:[306][307]

Pela Polícia Militar, através do 38º Batalhão de Polícia Militar do Estado (São Carlos) do CPI-3 (Ribeirão Preto), a cidade é parte de uma das 4 Companhias distribuídas nas cidades da região do Batalhão, sendo elas:[306]

  • 1ª Cia São Carlos e (Cia Força Tática);
  • 2ª Cia Ribeirão Bonito (com pelotões em Dourado e Ibaté);
  • 3ª Cia Descalvado (com pelotão em Santa Rita do Passa Quatro);
  • 4ª Cia Porto Ferreira, além da Cia Força Tática que fica na cidade de São Carlos e de um Pelotão da 1° Cia do 3° BPRv Polícia Rodoviária.

O Corpo de Bombeiros através do 3º Sub-Grupamento de São Carlos (SGB), que pertence ao 16º Grupamento de Bombeiros de Piracicaba (GB), possuindo 3 Unidades no município.[306]

Também há a Guarda Municipal de São Carlos, criada em 2001, que possui 5 Grupamentos e o Serviço de Vigilância Patrimonial,[308] além da Defesa Civil, criada em 2005.[309]

Saúde[editar | editar código-fonte]

A história da atenção à saúde na cidade pode ser periodizada da seguinte maneira:[279][310]

  • 1857-1887: época das farmácias e dos manuais de medicina popular, como o Chernoviz; primeira farmácia (de Luiz Carlos, 1866); epidemia de varíola (1874).
  • 1888-1930: criação do Lazareto Municipal (1888-1893, reativado em 1896-1898); peste bubônica (1889); epidemia de febre amarela (1894 e 1896); instalação da Santa Casa (1899); Hospital dos Lázaros (1907, futura Villa Hansen); Serviço de Combate ao Trachoma e Ankilostomiase (1911); Casa de Saúde (1912, apenas planejada; se tornou a Escola Industrial); Escola de Pharmacia (1914); gripe espanhola (1918); Delegacia Regional de Saúde (1918, estadual, no local do antigo Posto de Hygiene, municipal); Asilo Maria Jacinta (1922); antigo Centro Regional de Saúde (1926, estadual, junto à Delegacia); primeira ambulância da cidade (anos 1920).
  • 1931-1950: Dispensário de Tracoma (1944) e de Tuberculose (1946, no local da atual Vigilância Sanitária).
  • 1951-1970: Maternidade Dona Francisca (1951); SAMDU (1953); Posto de Puericultura (1957); Posto de Hidratação (1958, na Creche Anita Costa); Laboratório Adolfo Lutz (1962-2006, no local da antiga Delegacia de Saúde; atual Procuradoria); unificação dos Institutos de Aposentadorias e Pensões (IAPI, IAPB, IAPC, IAPFESP, IAPETEC e SAMDU) no INPS (1967, na Casa dos Ferreira; mudado nos anos 1970 para o prédio do INSS); Casa de Saúde (1968); Pronto Socorro Municipal da Avenida (1968-2009, no local da antiga escola Centenário); Ambulatórios do Sesc e do Sesi.
  • 1971-1980: Centro de Saúde (1971, estadual; atual CEME, concentrou os Dispensários); Unimed (1971); expansão da Santa Casa (1975); Laboratório Pasteur (anos 1974, privado, não o estadual).
  • 1981-1990: primeiros Postos de Saúde ou UBSs (1984).
  • 1991-2000: implantação do SUS, com resistência inicial; início da municipalização da saúde (1993-8).
  • 2001-presente: Banco de Leite (2001); CAPS (2002); reorganização administrativa municipal (2003); SAMU (2006); Hospital Universitário (2007; EBSERH, 2014); primeiras UPAs (anos 2010).

Energia e gás[editar | editar código-fonte]

A cidade dispõe de energia elétrica e iluminação pública desde 1893, com a construção da Usina Hidrelétrica Monjolinho, a primeira do estado.[311][312] A distribuição era feita pela Companhia Paulista de Eletricidade, privada, comprada nos anos 1970 pela CPFL. Atualmente, a energia elétrica do município provém do Sistema Interligado Nacional (SIN), enquanto a distribuição é feita pela CPFL Paulista, da CPFL Energia, empresa hoje privada.[313][314]

A distribuição de gás canalizado, disponível apenas em parte da cidade, é feita, por concessão, pela GasBrasiliano, do Grupo Petrobras, desde os anos 2000.[315]

Saneamento[editar | editar código-fonte]

As primeiras obras de canalização de água, no Biquinha, datam de 1890, enquanto as de esgoto foram feitas apenas em 1903.[312] Nos anos 1920, existiu uma estação de tratamento de esgoto, na região do atual Sesc.[316]

Atualmente, os serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário são feitos pelo Serviço Autônomo de Água e Esgoto (SAAE), empresa municipal de 1969. Dados da cobertura dos serviço:

  • Rede de água: 100% da população.
  • Rede de esgoto: 98% da população, a rede possui aproximadamente 300 km de extensão.
  • Tratamento de esgoto: 98% da população.

A água de abastecimento da cidade provém, principalmente, de duas fontes:[317][318]

Há também, entretanto, diversos poços caipiras (ligados a lençóis freáticos) e artesianos (ligados ao Aquífero Guarani) privados.

Existem duas Estações de Tratamento de Água (ETAs, na Vila Pureza, de 1959, e no CEAT, de 2000), além de três Estações de Tratamento de Esgoto (ETEs, em São Carlos, de 2008, Água Vermelha e Santa Eudóxia).[318]

Em 2008, foi construída uma Estação de Tratamento de Efluentes (ETE), que foi entregue à população em 1 de dezembro, semelhante à Piçarrão de Campinas, o projeto são-carlense foi concebido pelo Departamento de Hidráulica e Saneamento da Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo (EESC-USP).[carece de fontes?]

A localização da estação faz fronteira ao norte pelo rio Monjolinho, ao sul pela estrada Cônego Pera e a leste com a antiga ferrovia. O sítio tem 13 alqueires, ocupados por pasto, sem a existência de plantações temporárias ou permanentes, cuja declividade média é de 9% na direção leste-oeste e altitude em relação ao nível do mar. O terreno também apresenta espaço adequado para prováveis adaptações.[carece de fontes?]

A primeira etapa tratará 100% do esgoto gerado no município até o ano de 2012, com uma vazão de 600 litros por segundo. Atualmente, são despejados no rio Monjolinho cerca de 500 L/s. A segunda etapa deverá ser implantada em 2015, prevendo-se o tratamento de 1.000 L/s. Estimando-se uma população de 500 mil habitantes, a terceira etapa deverá ser implementada a partir de 2055, com capacidade de tratar 1.270 L/s. "A principal vantagem deste sistema é o seu caráter modular, em que a construção de novas unidades dependerá do aumento populacional da cidade ao longo dos anos, reduzindo significativamente o custo da obra".[carece de fontes?]

Quanto aos resíduos sólidos, as primeiras leis regulamentando a "higiene pública", isto é, a questão do lixo e da limpeza, datam de 1890.[312] De meados do século XX até os anos 1990, o local destinado para a deposição final dos resíduos sólidos ficava no Sítio Santa Madalena, na região sul, funcionando como um lixão, o qual seria transformado em 1988 num aterro controlado, desativado em 1996. Em 1994, iniciara a deposição num aterro sanitário, licenciado, na Fazenda Guaporé, região norte. Em 2007, estando o aterro próximo do esgotamento, parte do lixo passou a ser destinado à cidade de Guatapará. Em 2013, foi inaugurado um novo aterro, localizado na região oeste.[319]

Em 2002, teve início o serviço de coleta seletiva de recicláveis secos, embora de forma limitada.[320] Outros serviços, como a recuperação de resíduos (reciclagem, reutilização, compostagem de orgânicos) são, também, insuficientes ou inexistentes. Ainda está em elaboração um Plano Municipal para a gestão de resíduos sólidos.[321]

Meio ambiente[editar | editar código-fonte]

Serra de Santana, entre Rio Claro e São Carlos, na APA Corumbataí. É parte das cuestas basálticas, assim como a serrinha do Aracy.

Parte de de São Carlos está incluída na Área de Proteção Ambiental (APA) Corumbataí. Proximamente, encontram-se outras unidades de conservação: a Estação Ecológica (EE) de Itirapina, a EE Mata do Jacaré, e a EE Jataí.

Em áreas rurais, há também fragmentos de vegetação nativa importantes em algumas Reservas Legais (RL) privadas, como a da Fazenda Canchim, da Embrapa. A cidade apresenta percentual de propriedades regularizadas, quanto a RLs, acima da média calculada para o estado.[322]

Quanto às Áreas de Preservação Permanente (APPs) dos rios, muitas das que ocorrem na área urbana foram irregularmente ocupadas por vias marginais e edificações. Entretanto, pouco foi feito para compensar a construção destas marginais, como aumentar a proporção mínima de área permeável nos terrenos adjacentes. Além disso, muitos rios foram retificados ou canalizados, obras essas hoje consideradas inadequadas. Estes fatores, em conjunto, são determinantes para a ocorrência de enchentes nas baixadas da cidade.[323]

A arborização urbana da malha viária urbana é diversa, porém, em termos quantitativos, o número de árvores é ainda muito baixo, e muitas têm conflitos com equipamentos públicos do entorno, como a fiação aérea e a pavimentação.[324]

Quanto à poluição, o município possui cerca de duas dezenas de áreas contaminadas, em especial, por resíduos de postos de combustíveis, e de lixões e aterros.[325]

Transporte[editar | editar código-fonte]

Terminal Rodoviário

São Carlos surgiu a partir de sesmarias criadas ao longo do antigo Picadão de Cuiabá. Com a descoberta de ouro em Goiás no século XVII, foi criado o Caminho de Goiás, ligando a cidade de São Paulo à região das minas, passando por terras das atuais cidades de Campinas, Jundiaí, Mogi Mirim, Mogi Guaçu, Cajuru, Batatais, Franca e Ituverava. No século XVIII, foi criado um novo caminho, mais a oeste, o Picadão de Cuiabá, que passava por terras de Sorocaba, Itu, Piracicaba, Rio Claro e os chamados "sertões de Araraquara", região que incluía terras de São Carlos. O Picadão de Cuiabá inseriu a região em uma rota comercial, e também foi usado para o tráfego de tropas durante a Guerra do Paraguai.[118][34]

Na intersecção com o córrego do Gregório, surgiu o primeiro povoado de São Carlos. As terras de São Carlos eram cortadas pela estrada desde 1799, vindo de Porto Feliz, atravessando os campos do córrego do Feijão e a mata densa do Pinhal. Ela passava pelas atuais ruas Raimundo Correa, Episcopal (antiga Santo Ignácio), XV de Novembro, Miguel Petroni (antiga "estrada boiadeira"), e seguia pela estrada velha de Araraquara.[34][326][327]

Atualmente, a cidade conta com a seguinte infraestrutura de transportes:

Ferroviário[editar | editar código-fonte]

Estação Visconde do Rio Claro (1922-1977), entre Itirapina e São Carlos

A rede ferroviária, ativa desde 1884, atualmente transporta apenas carga, desde 2001.[328]

Transporte urbano[editar | editar código-fonte]

Rua General Osório

A primeira empresa de bondes começou a operar na cidade em 1895, e a segunda em 1914. As primeiras jardineiras abertas chegaram em 1915, e as fechadas em 1930. Nos anos 1960, começou a operar uma empresa de peruas, futura Viação Paraty.[328]

Em 1962, chega ao fim o contrato com a empresa de bondes, e o transporte coletivo passa a ser feito exclusivamente sobre rodas, pela Auto Lotação. Nos anos 1970, surge a Empresa de Transporte Irmãos Negri, com garagem próxima ao cemitério (utilizada até 2016). Em 1974, a concessão do transporte coletivo passa a ser da Empresa de Transporte Vilela Franco (Etravifra) e, em 1984, da Viação Renascença.[328]

Após mais de 30 anos sem alterações estruturais, em 2001, com a Lei do SiTrans, o planejamento do transporte público passa a ser feito pela prefeitura,[330] e é realizada uma pesquisa de origem-destino.[331] Em 2004, a concessão do transporte coletivo passa a ser da Athenas Paulista (RMC Transportes Coletivos).[328] e tem início a bilhetagem eletrônica e o sistema de integração.[330] No mesmo ano, é instituído o Conselho de Usuários de Transportes de Passageiros (Conutransp).

Em 2005, é aprovado o novo Plano Diretor, no entanto, a cidade continua a ter expansão desuniforme, criando vazios urbanos prejudiciais à mobilidade urbana.[142] No mesmo ano, é inaugurada o terminal da Estação de Integração Norte, na Rodoviária. Em 2006, é feita uma tentativa de reformulação das linhas, entre 26 de fevereiro e 7 de abril, mas é cancelada por problemas de adaptação por parte da população.[332][330]

De 2007 a 2010, são feitos novos estudos de origem-destino,[333][334] em vista da elaboração de um Plano de Mobilidade Urbana,[335] até hoje não concluído, apesar das exigências da Política Nacional de Mobilidade Urbana de 2012.

Em 2008, é inaugurada o terminal da Estação de Integração Sul, no final da av. Sallum. Em 2011, tem início o Movimento Transporte Justo (MTJSC).[336] Entre 2012-2015, tem funcionamento o aplicativo Bus Alert. Em 2014, há o fim do contrato da Athenas, mas sem interrupção dos serviços, e sem nova licitação. Em 2016, a empresa Suzantur passa a operar em caráter emergencial. Nos meses seguintes, são feitas várias tentativas de licitação, todas suspensas pela Justiça, por irregularidades no edital.

Atualmente, existem 65 linhas de ônibus regulares no total: 56 diametrais, 2 linhas circulares que atendem o centro da cidade, 4 linhas periféricas (linhas interbairros que não passam pelo centro da cidade e atendem um shopping center), 3 linhas rurais (ligam o centro a distritos e outras regiões fora do perímetro urbano do distrito sede). Fora as linhas rurais, e a linha 2 (UFSCar x Vila Prado, com frequência de 30 min), as demais linhas têm uma frequência de 1h. A cidade com ainda com 198 linhas especiais, sendo a maioria para bairros próximos a escolas e também para as Universidades em horários matutinos e noturnos, das 06h da manhã às 09 horas e 18:25 á 23:40 da noite. Existem ainda linhas regulares para os distritos de Água Vermelha e Santa Eudóxia e o Varjão. Existem hoje 2 linhas que vão para o C.E.A.T.[carece de fontes?]

A cidade não possui terminais urbanos integrados, mas sim dois "terminais de transferência" de ônibus, o da Estação Norte (na Rodoviária) e o da Estação Sul (av. Sallum). A integração tarifária é possível via cartão pré-cadastrado, de forma que se pode tomar dois ônibus pagando-se uma passagem, durante um intervalo de tempo limitado.[carece de fontes?]

São Carlos possui um índice de motorização relativamente alto, com 66 veículos/100 habitantes, o que revela um grande número de viagens de automóvel por habitante, e também acaba refletindo negativamente no transporte público por ônibus e na fluidez.[337]

A fluidez insuficiente do sistema viário também está relacionada à descontinuidade do traçado das ruas, devido à ausência de diretrizes viárias durante a abertura de novos loteamentos por várias décadas. Além disso, em 1970, havia sido planejado um anel viário, por meio da implantação de avenidas marginais, o qual se encontra hoje incompleto e embargado, por entrar em conflito com as APPs dos rios e devido à ocupação humana próxima às margens.[194][338]

Rodoviário[editar | editar código-fonte]

Rodovia Washington Luís (trevo norte - sentido sul)

A primeira via de acesso para veículos entre a capital e município foi construída em 1923, sendo chamada mais tarde Rodovia Washington Luís (SP-310). Ligava São Carlos à atual Rodovia Anhanguera, a qual fazia a ligação Ribeirão Preto–São Paulo. A estrada só seria asfaltada entre 1954 e 1955, tornando-se de fato uma rodovia.[118] O Terminal Rodoviário de São Carlos (prédio de 1982, anterior de 1940), é operada pela Socicam desde 2006.

Desenvolvimento urbano[editar | editar código-fonte]

No processo de expansão urbana da cidade, podem ser identificadas algumas fases relativamente bem definidas, que mostram uma oscilação entre momentos de controle e descontrole por parte da administração municipal:[118]

  • De 1857 a 1929, à época da economia cafeeira, a expansão se deu de forma concentrada e contínua, havendo controle realizado pela Câmara, com aplicação de códigos de posturas.
  • De 1930 a 1959, paralelo ao surto industrial paulista dos anos 1950, houve grande crescimento da área urbana em direção à rodovia. O controle da expansão era realizado pelo poder executivo, com parâmetros urbanísticos de incentivo à expansão urbana.
  • De 1960 a 1977, durante o regime militar, a expansão ocorreu de forma periférica e descontínua. O controle era realizado por meio de um conjunto de leis urbanísticas – leis de loteamentos, zoneamento e edificações. Nessa época, houve aumento do poder de ação dos loteadores.

O estabelecimento dos bairros começou a surgir com o arruamento do Centro (1857), seguido dos loteamentos da Vila Nery (1889), Vila Isabel e Vila Pureza (1891), Vila Prado (1893) e Vila Marcelino (1920), além de parcelamentos espontâneos, como o da FEPASA (anos 1880).[118]

O calçamento da cidade inicialmente foi feito com paralelepípedos (1913), que passaram a ser substituídos por asfalto mais tarde.[312]

Na área rural, com o parcelamento do solo desde os anos 1930-40, cresceu o número de pequenas propriedades, em decorrência da divisão de terras entre herdeiros das grandes fazendas, ocupando-se setores conhecidas como Babilônia, Aparecidinha, Água Vermelha, Santa Eudóxia, Varjão, e áreas remanescentes da antiga Fazenda Conde do Pinhal.[186] Nos anos 1970, um novo tipo de loteamento surge em São Carlos, com as chácaras de recreio.[118]

Durante o Programa Cidades Médias (1974, do governo estadual), e o II Plano Nacional de Desenvolvimento (1975 -1979), juntamente com outras cidades do interior, São Carlos recebeu importantes recursos para infraestrutura urbana, de forma a interiorizar a indústria, além de redirecionar as migrações das grandes metrópoles. Nessa época, houve ampliação da malha viária estadual – antes, a ligação da cidade com a capital se dava apenas por meio de estradas de terra e pela ferrovia. Os investimentos foram usados também na pavimentação de ruas, construção de escolas e de núcleos habitacionais.[118]

Vista do centro

A recente verticalização em excesso na área central, além de sobrecarregar os serviços públicos e a infraestrutura urbana, tem contribuído para a especulação imobiliária. Por outro lado, a expansão urbana descontínua, criando grandes vazios urbanos, como ocorreu nas últimas décadas, também é inadequada urbanisticamente, contribuindo para a especulação fundiária e diminuindo o aproveitamento da infraestrutura urbana preexistente.[339] Outro fenômeno urbano recente é o crescimento dos condomínios residenciais fechados, que têm acentuado a segregação socioespacial e a privatização do espaço público na cidade.[340][341][342]

Atualmente, o município está próximo de se conurbar com Ibaté.

Patrimônio arquitetônico[editar | editar código-fonte]

A verticalização da cidade teve início na metade do século XX. Os primeiros edifícios foram:[343]

  • o Irmãos Stella (1949, primeiro edifício com mais de dois pavimentos),
  • o Edifício E1 da EESC/USP (1954),
  • o Grande Hotel Municipal (1954-1962, atual Paço Municipal),
  • o Vila Rica (1967),
  • o Conde do Pinhal (anos 1960),
  • o Thomaz Gregori (anos 1960-70) e
  • o Satélite (1975, do Banco do Brasil).

São Carlos, contava em 2009, com quase trezentos edifícios, conforme levantamento feito pela UERJ. Somente na área central contava com 118 edifícios.[344] Outros edifícios e localidades de relevância histórica e arquitetônica, alguns tombados, incluem:[345][149]

  • Fazenda Pinhal (1831)
  • Palacete Cunha Bueno (c. 1883)
  • Fazenda Santa Maria do Monjolinho (1887)
  • Palacete Conde do Pinhal (1887-1893)
  • Praça Coronel Salles (anos 1880)
  • Vila Ferroviária, ou Vila Morumbi, ou Coloninha FEPASA (anos 1880)
  • Praça Paulino Botelho ou Jardim Público (1895)
  • Palacete Bento Carlos (anos 1890)
  • Antigo Palácio Episcopal (1890, demolido na década de 1980)
  • Edifício Euclides da Cunha (1900, hoje Câmara Municipal)
  • CDCC (1902)
  • E. E. Paulino Carlos (1904)
  • Estação Ferroviária (1908, antiga de 1884)
  • Estádio Derby Sãocarlense (1912 hipódromo e velódromo, 1914 estádio)
  • Colégio São Carlos (1913)
  • E. E. Álvaro Guião (1916)
  • E. E. Eugênio Franco (anos 1910)
  • Antiga fábrica Tecidão São Carlos (anos 1910)
  • Casarão do Major José Inácio (anos 1910, projeto de Ramos de Azevedo), atrás do prédio do Colégio La Salle (1958-1970) [14]
  • Igreja de Aparecida da Babilônia (1920, capela antiga de 1870)
  • Prédios do antigo Ginásio Diocesano (1925), Seminário Menor (anos 1930-1952) e Seminário Maior (1967) [15]
  • Igreja São Sebastião (anos 1920)
  • Grêmio Flor de Maio (anos 1920)
  • ETEC Paulino Botelho (anos 1930)
  • Praça dos Voluntários (1933, renomeada em 1936)
  • Antiga Piscina Municipal (1934), na Praça Pedro de Toledo [16]
  • São Carlos Clube (1948)
  • Igreja Santo Antonio de Pádua (1949)
  • Praça da XV (1951)
  • Catedral de São Carlos (anos 1950, antiga capela de 1856)
  • Igreja São Benedito (1956, antiga capela de 1890)
  • Estádio do Paulista (1956, antigo 1926)
  • Estádio João Ratti (1956)
  • E. E. Jesuíno de Arruda (1958)
  • Campo do Rui (1958, antigo 1932)
  • Mercado Municipal (1968, antigo de 1902)
  • Estádio Luís Augusto de Oliveira (1968, antigo 1952)
  • Estádio Zuzão (1980)
  • Rodoviária de São Carlos (1982, a antiga anos 40)

Comunicação[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Mídia em São Carlos

O primeiro jornal da cidade foi A Tribuna de São Carlos, de 1876.[346] Em 1889, instala-se uma empresa de telefonia, e os primeiro telefones automáticos datam de 1959, da empresa Telefônica Central Paulista.[312][347] Hoje, a imprensa e os meios de comunicação da cidade são relativamente diversos, havendo vários jornais, rádios, emissoras de TV, portais, editoras, etc. Nos últimos anos, alguns deles vêm passando por um processo de regionalização, com aumento da produção local de conteúdo.[346][348]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  2. «Confiança estará no grupo dos Santos na Copa São Paulo de Juniores». Atalaia Agora. 24 de novembro de 2010. Consultado em 8 de março de 2011 
  3. «Cidades IBGE» 
  4. Enciclopédia dos Municípios Brasileiros (2007). «São Carlos - Histórico» (PDF). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Consultado em 31 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 31 de agosto de 2017 
  5. a b IBGE. Cidades: São Carlos. 2017. link.
  6. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 19 de setembro de 2013 
  7. a b IBGE. Cidades: São Carlos: PIB. 2014. link
  8. FIESP. Diretores Regionais Fiesp – Interior. s.d. link.
  9. a b LEICA-GEOSYSTEMS. Homepage. s.d. link.
  10. VOLKSWAGEN. Homepage. s.d. link.
  11. FABER-CASTELL. Homepage. s.d. link.
  12. ELECTROLUX. Homepage. s.d. link.
  13. TECUMSEH. Homepage. s.d. link.
  14. HUSQVARNA. Homepage. s.d. link.
  15. LATAM. Homepage. s.d. link.
  16. SERASA EXPERIAN. Homepage. link.
  17. «BB e MAPFRE». www.bbmapfre.com.br. Consultado em 5 de novembro de 2016 
  18. TOALHAS SÃO CARLOS. Homepage. link. s.d.
  19. TAPETES SÃO CARLOS. Homepage. s.d. link.
  20. PAPEL SÃO CARLOS. Homepage. s.d. link.
  21. PROMINAS. Homepage. s.d. link.
  22. OPTO ELETRÔNICA. Homepage. s.d. link.
  23. LATINA. Homepage. s.d. link.
  24. ENGEMASA. Homepage. s.d.link.
  25. APRAMED. Homepage. s.d. link
  26. «Bem Vindo, Piccin». www.piccin.com.br. Consultado em 28 de setembro de 2016 
  27. UFSCAR. Homepage. s.d. link.
  28. USP SÃO CARLOS. Homepage. s.d. link.
  29. UNICEP. Homepage. link.
  30. FADISC. Homepage. s.d. link.
  31. MAIS INTERIOR. História de São Carlos: Das Sesmarias à Emancipação. s.d. link.
  32. a b c d e f g h TRUZZI, 2000.
  33. a b SOARES, J. J.; SILVA, D. W.; LIMA, M. I. S. Current state and projection of the probable original vegetation of the São Carlos region of São Paulo State, Brazil. Brazilian Journal of Biology 63(3), 527-536, 2003. link.
  34. a b c MESSIAS, Rosane Carvalho. O cultivo do café nas bocas do sertão paulista: Mercado interno e mão de obra no período de transição, 1830-1888. São Paulo: Ed. da Unesp, 2003, link.
  35. TRUZZI, 2000, p. 94.
  36. TRUZZI, 2000, p. 171.
  37. PRÓ-MEMÓRIA. São Carlos: formação territorial e fundação oficial. s.d. link.
  38. a b c SÃO CARLOS. Fundação Pró-Memória. Guia de Fundos e Coleções. Arquivo Público e Histórico da Cidade. 3a ed. São Carlos, 2016. [1]
  39. SÃO CARLOS AQUI. Histórico. s.d. link.
  40. IBGE. São Carlos: Histórico. s.d. link.
  41. PADUAN, R. A capital da tecnologia. Exame, 05/04/2007. link
  42. SEADE. Histórico da formação dos municípios do Estado de São Paulo. s.d. link
  43. a b c FERNANDES, A. L. Oferta e demanda de agregados para a construção civil no município de São Carlos. Dissertação (Mestrado em Mestrado em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente) - Centro Universitário de Araraquara, Uniara, 2007. link.
  44. GONÇALVES, A.R.L. Geologia ambiental da área de São Carlos. São Paulo, 1986. 138 p. Tese (Doutorado em Geologia Geral e de Aplicação) – Instituto de Geociências, Universidade de São Paulo. Disponível em: <http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/44/44131/tde-30062015-100455/pt-br.php>
  45. a b ODA, Sandra. Caracterização de uma rede municipal de estradas não-pavimentadas. Dissertação (Mestrado em Engenharia Transportes: Estradas e Aeroportos) - Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo, São Carlos, 1995. link.
  46. IGC. Unidades Hidrográficas de Gerenciamento de Recursos Hídricos do Estado de São Paulo. São Paulo: IGC, 2014. [2].
  47. a b «Série Histórica - Dados Diários - Temperatura Mínima (ºC) - São Carlos». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 17 de junho de 2015 
  48. a b «Série Histórica - Dados Diários - Temperatura Máxima (ºC) - São Carlos». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 17 de junho de 2015 
  49. «BDMEP - Série Histórica - Dados Diários - Precipitação (mm) - São Carlos». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 17 de junho de 2015 
  50. «BDMEP - Série Histórica - Dados Horários - Umidade Relativa (%) - São Carlos». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 17 de junho de 2015 
  51. «Temperatura Média Compensada (°C)». Instituto Nacional de Meteorologia. 1961–1990. Consultado em 17 de junho de 2015. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014 
  52. «Temperatura Máxima (°C)». Instituto Nacional de Meteorologia. 1961–1990. Consultado em 17 de junho de 2015. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014 
  53. «Temperatura Mínima (°C)». Instituto Nacional de Meteorologia. 1961–1990. Consultado em 17 de junho de 2015. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014 
  54. «Precipitação Acumulada Mensal e Anual (mm)». Instituto Nacional de Meteorologia. 1961–1990. Consultado em 17 de junho de 2015. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014 
  55. «Número de Dias com Precipitação Maior ou Igual a 1 mm (dias)». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 17 de junho de 2015. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014 
  56. «Insolação Total (horas)». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 17 de junho de 2015. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014 
  57. «Umidade Relativa do Ar Média Compensada (%)». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 17 de junho de 2015. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014 
  58. a b SOUZA, I. M. M. Mudanças de uso da terra na paisagem cultural. Caso de estudo: município de São Carlos, SP. Tese (Doutorado em Ecologia e Recursos Naturais), Universidade Federal de São Carlos, 2015. link.
  59. JAMBERSI, B. P.; ARCE, A. A Escola Normal e a formação da elite intelectual da cidade de São Carlos (1911–1930). Revista HISTEDBR, v. 33, p. 122-141, 2009. link.
  60. IBGE, 2007.
  61. «Estimativas da população para 1 de julho de 2008» (PDF). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 29 de agosto de 2008. Consultado em 5 de setembro de 2008 
  62. «Estimativas da população para 1 de julho de 2009» (PDF). Estimativas de População. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 14 de agosto de 2009. Consultado em 16 de agosto de 2009 
  63. RELATÓRIO apresentado ao Exmo. Sr. Presidente da Província de São Paulo pela Comissão Central de Estatística. São Paulo: Leroy Link Boowalter, Typographia King, 1888. p. 24.
  64. CIDADES.COM.BR. São Carlos. s.d. link.
  65. a b c d MONSMA, Karl. Vantagens de imigrantes e desvantagens de negros: emprego, propriedade, estrutura familiar e alfabetização depois da abolição no oeste paulista. Dados, Rio de Janeiro, v. 53, n. 3, p. 509-543, 2010. link.
  66. NÓBREGA, R.; DAFLON, V. T. Da Escravidão às Migrações: Raça e Etnicidade nas Relações de Trabalho no Brasil. In: XXVIII International Congress of the Latin American Studies Association, Rio de Janeiro, 2009. link.
  67. SPONCHIADO, D.; BASSANEZI, M. S. C. B. Dois espaços e um tempo: a dinâmica demográfica em Campinas e São Carlos 1893-1928. In: XVIII Congresso Interno de Iniciação Científica da UNICAMP, 2010. link.
  68. IBGE. Cidades. 2010. link.
  69. a b SÃO CARLOS. IPTU de São Carlos terá somente a reposição da inflação. 06/01/2016. link.
  70. TSE. Estatísticas do eleitorado – Consulta por região/UF/município. Jul. 2017. link.
  71. DENATRAN/RENAEST. Homepage. Jun. 2017. link
  72. IBGE. Cidades. 2014. link.
  73. FIRJAN. Consulta ao índice. 2010. link.
  74. IBGE. Censo Demográfico 2010. link.
  75. TRUZZI, 2000, p. 39-40.
  76. SILVA, João Paulo da. Por uma descolonização das “memórias oficiais” regionais: (des)construindo as narrativas históricas sobre o município de São Carlos-SP. Anais do Congresso de História de Jataí, 2016. link.
  77. MANO, Marcel. Os campos de Araraquara: um estudo de história indígena no interior paulista. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas: Campinas, 2006. link.
  78. TRUZZI, 2000, p. 37-38.
  79. CONCEIÇÃO, 2015, p. 84-86.
  80. TRUZZI, 2000, p. 37.
  81. TRUZZI, 2000, p. 40-42.
  82. LEITE BRANDÃO, Marco Antônio. São Carlos do Pinhal nos tempos da... Casa Grande e Senzala. s.l.: s.n., 2008. 102 p. link (versão preliminar); link (resumo).
  83. TRUZZI, 2000, p. 47, 51.
  84. PALMA, R. Liberdade sob tensão: negros e relações interpessoais na São Carlos pós-abolição. Tese (Doutorado em Sociologia) - Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2014, link.
  85. COSTA, 2015, p. 26.
  86. OLIVEIRA, Joana D'Arc de. Da senzala para onde? Negros e negras no pós-abolição em São Carlos-SP (1880-1910). Tese (Doutorado em Teoria e História da Arquitetura e do Urbanismo) - Instituto de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Carlos, 2015. link. [Cf. p. 245-248.]
  87. CONCEIÇÃO, S. Imigração e casamentos: o caso de São Carlos (1890 a 1939). Dissertação (Mestrado em Ciências Humanas) - Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2004. link. [Cf. p. 47-48.]
  88. CONCEIÇÃO, 2004, p. 39-40.
  89. SÃO CARLOS. Imigração japonesa: Prefeitura realiza últimas festividades em comemoração ao centenário. 12/12/08. link.
  90. CONCEIÇÃO, 2004, p. 40.
  91. NÓBREGA; DAFLON, 2009, p. 21-22.
  92. MACIEL, L.; BAENINGER, R. A. Evolução da população e migração nas regiões de Araraquara e São Carlos. In: BAENINGER, R.; MACIEL, L. (Org.). Região Administrativa Central. Campinas: Núcleo de Estudos de População - Nepo/Unicamp, 2013. p. 9-21 (Coleção Por Dentro do Estado de São Paulo, Volume 12.) link. [Cf. p. 12.]
  93. MACIEL; BAENINGER, 2013, p. 12-13.
  94. MACIEL; BAENINGER, 2013, p. 13.
  95. MACIEL; BAENINGER, 2013, p. 17-18.
  96. "Associação Nipo-Brasileira de São Carlos". In: PERCURSOS. São Carlos, SP: Fundação Pró-Memória, 2011. vol. 3, cartão 66.
  97. JODAS, J. Entre diversidade e diferença: o programa de Ações Afirmativas da UFSCar e as vivências dos estudantes indígenas. Dissertação (Mestrado em Sociologia) - Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2012. link. [Cf. p. 68.]
  98. RICCI, Maurício. Nós, os degredados filhos de Eva: angústia religiosa e alteridade entre rezadeiras do terço. Tese (doutorado) - Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Letras de Araraquara, 2011. Disponível em: <http://hdl.handle.net/11449/106245>.
  99. COSTA, N. A. Espaços negros na cidade pós-abolição: São Carlos, estudo de caso. 2015. Dissertação (Mestrado em Teoria e História da Arquitetura e do Urbanismo) - Instituto de Arquitetura e Urbanismo, University of São Paulo, São Carlos, 2015. link.
  100. LOPES, M. Textos Doutrinários do Núcleo Mata Verde. Santos, Núcleo Mata Verde, 2014. link.
  101. ASSOCIAÇÃO Espírita Obreiros do Bem. A instituição. s.d. link.
  102. IGREJA Metodista de São Carlos. Nossa história em São Carlos. s.d.link.
  103. ENSINO Bíblico - São Carlos. Nossa História. s.d. link.
  104. IGREJA Adventista do Sétimo Dia - Central de São Carlos. Breve História da Igreja Adventista em São Carlos, em imagens. 05/08/17. [3].
  105. SÃO CARLOS. Barba participa de abertura da Congregação Cristão no Brasil. 25/02/2011. link.
  106. YELLOWPLACE. Primeira Igreja Batista de São Carlos. s.d. link.
  107. MENSAGEIROS do Rei. Primeira Igreja Batista em São Carlos/SP. Sobre nós. s.d. link.
  108. IGREJA Batista Betel de São Carlos. Comemoração - 3 anos. 25/10/2010. link.
  109. PREFEITO prestigia comemoração dos 60 anos da Igreja Quadrangular no Brasil. São Carlos Agora, 21/11/2011. link.
  110. MORMONSUD. Brasil Comemorará Aniversário de 50 Anos de Sua Primeira Estaca. 13/04/2016. link.
  111. ANTUNES, Cassiano. Migração, pentecostalismo e periferia urbana no bairro Cidade Aracy, interior de São Paulo. Dissertação (Mestrado em Ciências da Religião) - Universidade Metodista de São Paulo, São Bernardo do Campo, 2015. link.
  112. OLIVEIRA, D. J. Arautos do reino de Deus, militantes na terra: a atuação dos operários evangélicos no sindicato dos metalúrgicos de São Carlos e Ibaté. Dissertação (Mestrado em Ciências Humanas) - Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2011. link.
  113. PORTAL Luteranos. Missão em São Carlos. s.d. link.
  114. CÉU da Luz da Nova Era. Sobre o ponto. s.d. link.
  115. BUDISMO Kadampa São Carlos. Sobre nós. s.d. link.
  116. CONGREGAÇÃO Israelita da Nova Aliança. Grupo de Estudos. s.d. link.
  117. a b c d TRUZZI et al., 2008.
  118. a b c d e f g h LIMA, 2007.
  119. IBGE. Censo Demográfico 2010. [4].
  120. LA SALLE SÃO CARLOS. Quem somos. s.d. link.
  121. ZANCHIN, C. R. Os diversos olhares na construção das medidas socioeducativas no município de São Carlos/SP. Dissertação (Mestrado em Serviço Social) – Programa de Pós-Graduação em Serviço Social, Pontifícia Universidade Católica, São Paulo, 2010. link
  122. SCHLITTLER, M. C. No crime e na medida: uma etnografia do Programa de Medidas Socioeducativas em meio aberto do Salesianos de São Carlos. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Letras de Araraquara, 2011. Disponível em: <http://hdl.handle.net/11449/99037>
  123. LAISNER, R. C. Olhares sobre o poder local: entre tradição e mudança na Região Central. In: BAENINGER, R.; MACIEL, L. (Org.). Região Administrativa Central. Campinas: Núcleo de Estudos de População - Nepo/Unicamp, 2013. p. 39-60 (Coleção Por Dentro do Estado de São Paulo, Volume 12.) link.
  124. LAISNER, 2013, p. 46-48.
  125. LAISNER, 2013, p. 48.
  126. OLIVEIRA[-GOZETTO], Andréa Cristina de Jesus. Participação popular e clientelismo em São Carlos. Dissertação de mestrado. São Paulo: DCP/UNESP, 1998. [Cf. p. 45.]
  127. LAISNER, 2013, p. 53-54.
  128. LAISNER, 2013, p. 49-50.
  129. LAISNER, 2013, p. 50.
  130. LAISNER, 2013, p. 50.
  131. LAISNER, 2013, p. 53.
  132. KERBAUY, M. T. M. Poder Político local: Do coronelismo ao populismo (Um estudo de caso: São Carlos). Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais), PUC, São Paulo, 1979. 189 p. link.
  133. SÃO CARLOS EM REDE. Câmara declara luto oficial pela morte de Núbia Amaral, mãe do vereador Marquinho. 12/06/2015. link.
  134. LAISNER, 2013, p. 51.
  135. OLIVEIRA, 1998, p. 53-54.
  136. LAISNER, 2013, p. 52.
  137. LAISNER, 2013, p. 57.
  138. LAISNER, 2013, p. 51.
  139. TOLEDO, M. São Carlos elege como prefeito candidato mais rico do Estado de SP. Folha de S. Paulo, 07/10/2016. link.
  140. EX-PREFEITO Dagnone de Melo faz parte da comissão de transição de Altomani para Airton e poderá assumir secretaria. Rota das Notícias, 18/10/2016. link.
  141. AEASC confirma compromisso de Airton Garcia. aeasc.net, 15/11/16. link.
  142. a b SCHENK, L., FANTIN, M. & PERES, R. A revisão do Plano Diretor da cidade de São Carlos e as novas formas urbanas em curso. In: X Colóquio QUAPÁ-SEL, Brasília, 2015. link.
  143. LIMA, 2007, p. 50
  144. LIMA, 2007, p. 53-54
  145. LIMA, 2007, p. 55-56
  146. LIMA, 2007, p. 104-105
  147. LIMA, 2007, p. 145-146, 154-155
  148. SÃO CARLOS. Fundação Pró-Memória. Aspectos da administração pública municipal. Galeria dos prefeitos. 3a ed. São Carlos, 2015. link.
  149. a b c d SÃO CARLOS. Fundação Pró-Memória. Edificações históricas do município de São Carlos. s.d. link.
  150. PIGATTO, J. Resenha: Estanislau Kruszynski. REPeC - Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade, Brasília, v. 4, n. 3, p. 111-115, set/dez. 2010. link.
  151. BIONDI, Y.; ZAMBON, S. (eds). Accounting and Business Economics. Insights from National Traditions. London: Routledge, 2013. link
  152. a b NEVES, Ary Pinto das. São Carlos na esteira do tempo: 1884-1984. Júlio Bruno (Ilust.). [São Carlos]: s.n., [c. 1984]. 104 p. [Álbum Comemorativo do Centenário da Ferrovia; Pseudônimo: Carlos Amador; Reedição fac-similar, 2007] link.
  153. a b ARAÚJO, Elisiário de. Juízes de Direito de São Carlos: 1882-1957. s.l.: s.n., 1960 link
  154. MONSMA, K.; TRUZZI, O.; CONCEIÇÃO, S. Solidariedade étnica, poder local e banditismo: uma quadrilha calabresa no oeste paulista, 1895-1898. Rev. bras. Ci. Soc., São Paulo, v. 18, n. 53, p. 71-96, 2003. link
  155. NETO, João Amoroso. História Completa e verídica do famoso bandido paulista Diogo da Rocha Figueira, mais conhecido pelo cognome de Dioguinho, por um delegado de Polícia. Oficinas Gráficas da Rua do Hipódromo: São Paulo, 1949 link
  156. CARVALHO, Selma Siqueira. Dioguinho: estudo de caso de um bandido paulista. Dissertação de mestrado, PUC-SP, 1988. link.
  157. TJSP. "Fórum Criminal de São Carlos ganha nova iluminação". TJSP: Notícias, 31/05/2016. link.
  158. SECRETARIA de Justiça de São Paulo assina contrato para a ampliação do Fórum Cível de são Carlos. São Carlos Agora, 28/01/2013 link
  159. TRF3. "TRF3 inaugura vara federal, juizado especial federal e nova sede em São Carlos". TRF3: Notícias, 07/03/2005. link
  160. SÃO PAULO. Secretaria da Fazenda. Cadastro de Unidades Administrativas do Estado (UAs): Município: São Carlos. s.d. link.
  161. JFSP. Fóruns e Juizados: 15ª Subseção Judiciária de São Carlos. s.d. link.
  162. TRF3. Secretaria dos Conselhos de Administração e Justiça: Fóruns e Juizados: Fóruns Federais e Juizados: Seção Judiciária de São Paulo. s.d. link.
  163. BRASIL. Justiça Eleitoral. TRT da 15ª Região. Informações das Varas. s.d. link.
  164. BRASIL. TRE-SP. Consulta às zonas eleitorais. s.d. link.
  165. MINISTÉRIO PÚBLICO. Relação das comarcas e municípios. s.d. link.
  166. PREFEITO de Ibaté, Dr. Alessandro anuncia elevação de Foro Distrital à Comarca. São Carlos em Rede, 28/08/2015. link.
  167. Secretaria de Economia e Planejamento (novembro de 2007). «Região Administrativa Central» (PDF). Governo do Estado de São Paulo. Consultado em 28 de julho de 2008 
  168. SÃO PAULO. Decreto n. 32.141, de 14 de agosto de 1990. Altera a redação do inciso VI do artigo 4.º do Decreto n.º 26.581, de 5 de janeiro de 1987 e inclui dispositivos. São Paulo, 1990. link.
  169. MPF. Procuradoria da República em São Carlos. Homepage. s.d. link.
  170. SÃO PAULO. Procuradoria Geral do Estado. Procuradoria Regional de São Carlos (PR12). Homepage. s.d. link.
  171. SÃO CARLOS. 115ª Junta de Serviço Militar. s.d. [5]
  172. BRASIL. Exército Brasileiro. TG 02-035. Histórico. s.d. link.
  173. «Leis São Carlos Index»  Cidade de São Carlos. Acesso: 23 de Dezembro, 2009.
  174. «Leis São Carlos Index»  Cidade de São Carlos. Acesso: 23 de Dezembro, 2009.
  175. SCHIAVETTO, S. N. O. Arqueologia regional e educação: propostas de estudos sobre um "passado excluído" de Araraquara/SP. Tese (Doutorado) Universidade Estadual de Campinas – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Campinas, 2007. link.
  176. TRUZZI, 2000, p. 38.
  177. TRUZZI, 2000, p. 30.
  178. TRUZZI, 2000, p. 25.
  179. TRUZZI, 2000, p. 25.
  180. TRUZZI, 2000, p. 80.
  181. TRUZZI et al., 2008.
  182. TRUZZI, 2000, p. 81.
  183. TRUZZI, 2000, p. 98.
  184. TRUZZI, 2000, p. 100.
  185. TRUZZI, 2000, p. 104-5.
  186. a b ROSSI, F. R. Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) da agricultura familiar no município de São Carlos: impactos socioeconômicos nos agricultores familiares beneficiários. Dissertação (Mestrado em Ciências Exatas e da Terra) - Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2012. link.
  187. TRUZZI, 2000, p. 71.
  188. TRUZZI, 2000, p. 107-111.
  189. TRUZZI, 2000, p. 104.
  190. a b DOTTA, J. B.; PIZA, M. E. T.; LUCCAS, P. F. Gestão de Sistemas Cooperativistas: estudo da experiência da Cooperativa de laticínios de São Carlos-SP. Trabalho de Conclusão de Cursos (Especialização em Gestão e Economia no Setor Público), EESC/USP, São Carlos, 2008. link.
  191. MACIEL, L. M. O sentido de melhorar de vida: arranjos familiares na dinâmica das migrações rurais-urbanas em São Carlos-SP. Dissertação (Mestrado em Sociologia), Unicamp, 2012. link.
  192. SÃO PAULO. Decreto n. 33.010 de 22 de fevereiro de 1991. Dispõe sobre a abertura da Divisão Regional Agrícola de São Carlos e dá providência correlatas. São Paulo, 1991. link.
  193. TAVARES, J. C. As instituições administrativas e o planejamento territorial paulista: 1938-1967. Urbana, v. 6, n. 8, p. 218-239, jun. 2014.
  194. a b c d SÃO CARLOS. Processo de Elaboração do Plano Diretor do Município de São Carlos. Base das apresentações da Conferência da Cidade, 24 ago. 2002. São Carlos, 2003. link.
  195. GONÇALVES, D. B. Mar de cana, deserto verde? Dilemas do desenvolvimento sustentável na produção canavieira paulista. Tese (Doutorado em Ciências Exatas e da Terra) - UFSCar, 2005. link.
  196. BRASIL. Incra. Sistema de Certificação de Imóveis Rurais. s.d. [Cf. "São Carlos", listagem de cerca de 100 propriedades cadastradas.] link.
  197. SÃO CARLOS. Anexo 4: Zoneamento do Município (mapa). In: Plano diretor de São Carlos. Lei nº 13.691/05. São Carlos: PMSC, 2005. [Cf. mapeamento de cerca de 200 propriedades rurais de grande porte.] link.
  198. TRUZZI, 2000, p. 113.
  199. TRUZZI, 2000, p. 113-114.
  200. TRUZZI, 2000, p. 115, 146.
  201. TRUZZI, 2000, p. 115-116.
  202. TRUZZI, 2000, p. 117-118.
  203. TRUZZI, 2000, p. 119-120.
  204. TRUZZI, 2000, p. 121-122.
  205. TRUZZI, 2000, p. 126-127.
  206. TRUZZI, 2000, p. 132-135.
  207. LORENZO, H. C.; GOMES, L. C. D.; COSTA, V. M. H. M. Crescimento industrial na região de Araraquara e São Carlos nas primeiras décadas do século XX. Revista ReBraM, v. 18, n. 1, p. 65-83, 2015. link.
  208. TRUZZI, 2000, p. 132-135.
  209. TRUZZI, 2000, p. 135-136.
  210. TRUZZI, 2000, p. 142.
  211. TRUZZI, 2000, p. 137.
  212. TRUZZI, O. M. S. Gestão tradicional e obstáculos ao crescimento empresarial: um estudo de caso entre imigrantes empresários. Rev. adm. empres., São Paulo, v. 27, n. 1, p. 25-31, 1987. link.
  213. TRUZZI, 2000, p. 137, 155-156.
  214. TRUZZI, 2000, p. 138-139.
  215. FEITOSA, J. P. Industrialização e Urbanização em São Carlos nas décadas de 1930 a 1960. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo, 2015. link.
  216. FERNANDES, A. C.; CÔRTES, M .R. Caracterização da base industrial do município de São Carlos – da capacidade de ajuste local à reestruturação da economia brasileira. Planejamento e Políticas Públicas, n. 21, 2000. link.
  217. ACISC. Almanaque ACISC. 2016. [6].
  218. MEMÓRIAS do comércio: os caminhos do interior - Araraquara, São Carlos e região. Júlio Dias Gaspar (Ed.); Silvana Issa Afram (Ed.). São Paulo: SESC São Paulo, 2000. 112 p. link. [Cf. p. 65-66.]
  219. MEMÓRIAS..., 2000, p. 67.
  220. LIMA, 2007, p. 33, 45.
  221. HANLEY, A. G. Native capital: financial institutions and economic development in Sao Paulo, Brazil, 1850-1920. Stanford, Calif.: Stanford University, 2005. link. [Cf. p. 155].
  222. MEMÓRIAS..., 2000, p. 68.
  223. MEMÓRIAS..., 2000, p. 69-70.
  224. LIMA, 2007, p. 121.
  225. DOZENA, 2001, p. 121.
  226. LIMA, 2007, p. 137.
  227. RAMOS, D. M. B. Reestruturação industrial e descentralização do setor de serviços: contribuição para o estudo da posição de São Carlos na rede urbana paulista.Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos-SP, 2000. link.
  228. MEMÓRIAS..., 2000, p. 88.
  229. DOZENA, 2001, p. 80.
  230. GOMES, M. C. S. Procedimentos de pesquisa em geografia do comércio: uma proposição para o estudo das áreas centrais em cidades médias a partir da análise dos índices de densidade informacional da cidade de São Carlos (SP). Trabalho de conclusão de curso (Bacharelado em Geografia) - Unesp, Faculdade de Ciências e Tecnologia, Presidente Prudente, 2016. link. [Cf. p. 80-81.]
  231. BARBOSA, T. E. As lógicas espaciais do sistema bancário: reestruturação das cidades de Marília, Ribeirão Preto e São Carlos. Trabalho de conclusão de curso (bacharelado - Geografia) - Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Tecnologia, 2015. link.
  232. SÃO CARLOS. Serviços. Comércio e artesanato. s.d. [7].
  233. SÃO CARLOS. Prefeito entrega alvará para construção de espaço multiuso com novo shopping, ao grupo Encalso/Damha. 04/04/2014. link
  234. GERCCOM. Projetos: Shopping São Carlos. s.d. link
  235. BESTCENTER. São Carlos – Miguel Petroni. s.d. link.
  236. BEST Center construirá segundo centro comercial em São Carlos. Primeira Página, 15/01/15. link.
  237. SÃO Carlos, SP, terá centro comercial com 16 lojas na Rua XV de Novembro. Portal G1, 18/01/2015, link.
  238. PARQTEC. Homepage. s.d. link.
  239. IEDI. O Parque Tecnológico de São Carlos (ParqTec). s.l.: IEDI, 2006. link.
  240. MARTINELLI, M. A. Sistema de ciência, tecnologia e inovação: estudo do sistema municipal de São Carlos (SP). 2014. 129 f. Dissertação (Mestrado em Multidisciplinar) - Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2014. link.
  241. AMDOCS. Amdocs Signs Five-Year Managed Services Agreement with TIM Brasil. s.d. link.
  242. PANE, Mariana Fragali. Revitalização do casarão da avenida Dr. Teixeira de Barros, São Carlos/SP. 2015. 1 CD-ROM. Trabalho de conclusão de curso (Graduação - Arquitetura e Urbanismo) - Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Faculdade de Ciências e Tecnologia, 2015. Disponível em: <http://hdl.handle.net/11449/136128>.
  243. ZABOTTO, Cristina Nardin. Métodos de categorização de atributos como instrumentos para melhoria de serviços: uma aplicação à iniciativa contribuinte da cultura. Dissertação (Mestrado em Multidisciplinar) - Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2011.
  244. FESTIVAL Contato. O festival. 2016. link.
  245. PROJETO Contribuinte da Cultura - FAI-UFSCar e EESC-USP. Homepage. s.d. link (antigo). link (novo).
  246. FESTIVAL Chorando Sem Parar. O festival. s.d. link.
  247. "PREFEITURA de São Carlos, SP, cancela o convênio dos Pontos de Cultura". Portal G1, 13 mar. 2013. link.
  248. "MINC não renova convênio e pontos de cultura perdem R$ 684 mil em São Carlos". Estadão, 08 mar. 2017. link.
  249. "MUSEU da TAM encerra as atividades. Crise e falta de interesse das autoridades comprometem futuro do acervo". Aero Magazine, 30 jan. 2016, link.
  250. "APÓS 3 anos, Prefeitura de São Carlos devolve 100 gravuras de Salvador Dalí". Portal G1, 09 mar. 2016. link.
  251. "OFICINAS Culturais do estado serão fechadas". Rádio UFSCar, 25 nov. 2016. link.
  252. "BIBLIOTECA Amadeu Amaral vai funcionar em novo endereço". Prefeitura de São Carlos, 2017. link.
  253. FREITAS, F. F.; CARVALHO, Y. M. A “imagem” do lazer na cidade de São Carlos – SP. Motriz, Rio Claro, v. 5, n. 1, 1999.
  254. GERALDO, João Carlos. Contribuição para a caracterização das atividades de turismo em espaço rural em propriedades de médio e grande portes nas cuestas do Estado de São Paulo. 2012. 190 f. Tese - (doutorado) - Universidade Estadual Paulista, Instituto de Geociências e Ciências Exatas, 2012. Disponível em: <http://hdl.handle.net/11449/104437>.
  255. MENDONÇA, M. C. Gestão integrada do turismo no espaço rural. Tese de doutorado (Engenharia de Produção). Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2006. [8].
  256. BRASIL. Ministério do Turismo. Mapa do Turismo: 2017-2019. 2017. link.
  257. SÃO CARLOS. "Governança da Região Turística Histórias e Vales finaliza plano regional". 29 ago. 2017. link.
  258. SELESTRINO. Theatro São Carlos. Kappa, a. 4, ed. 79, 2013. link.
  259. SANTO, A. P. Do cinematógrafo ao digital. Kappa, a. 4, ed. 79, 2013. link.
  260. MALUSÁ, V. A exibição cinematográfica em São Carlos. Mnemocine, 2005. link antigo link novo.
  261. UFSCAR. Projeto Contribuinte da Cultura. Centro Cultural Espaço 7. s.d. link.
  262. JANELA ABERTA. Homepage. s.d. link.
  263. SÃO CARLOS. Bibliotecas do SIBI. s.d. link.
  264. CASA DO PINHAL. Centro de Estudos. s.d. link.
  265. BIBLIOTECA COMUNITÁRIA. Fundo Florestan Fernandes. s.d. link.
  266. UNIDADE ESPECIAL DE INFORMAÇÃO E MEMÓRIA (UEIM). Sobre. São Carlos, s.d. link.
  267. ASSOCIAÇÃO DOS NOTÁRIOS E REGISTRADORES DO ESTADO DE SÃO PAULO - ANOREG. Localize um cartório. São Paulo, s.d. link.
  268. AMIGOS DO RIBEIRÃO FEIJÃO. Homepage. s.d. link.
  269. SAMPAIO, A. N. "Edmundo Navarro de Andrade: Um Pouco de sua Vida e do seu Trabalho". O Eucalipto, 2a ed., 1961, 24 p. link.
  270. SÃO CARLOS. Horto Florestal Navarro de Andrade. s.d. link.
  271. PESC. Homepage. s.d. link.
  272. GODOI, N.; MARQUES, A. P. Visita ao Parque Ecológico. Ciência à Mão: XVI Simpósio Nacional de Ensino de Física, painel 105, 2005. link.
  273. SÃO CARLOS. Parque Ecológico: trinta anos de educação e preservação ambiental. 06/09/2006. link.
  274. RÁDIO UFSCAR. Parque Ecológico se prepara para comemorar 35 anos. 2011. link.
  275. SÃO CARLOS. Calendário de eventos da prefeitura municipal de São carlos. s.d. link.
  276. TRUZZI, O. M. S., & BASSANEZI, M. S. B. População, grupos étnico-raciais e economia cafeeira: São Carlos, 1907. Revista Brasileira de Estudos de População, 26(2), 197-218, 2013. link.
  277. TRUZZI et al., 2008.
  278. NOSELLA, Paolo; BUFFA, Ester. Schola Mater: A Antiga Escola Normal de São Carlos, 1911-1933. Editora da UFSCar, 1996.
  279. a b MACHADO, Maria Lúcia Teixeira. Tradição e tecnologia: a história oral e escrita da atenção à saúde em São Carlos. Tese de Doutorado em Saúde Coletiva. Universidade Estadual de Campinas, 2004. [9].
  280. BUFFA, Ester; NOSELLA, Paolo. A escola profissional de São Carlos. São Carlos: EdUFSCar, 1998.
  281. Colégio São Carlos. Histórico. s.d. link.
  282. SÃO PAULO (Estado). Decreto nº 3.356, de 31 de maio de 1921. Regulamenta a Lei nº 1.750, de 8 de dezembro de 1920, que reforma a Instrução Pública. link.
  283. TEBET, G. C.; FRAGELLI, M. C.; OLIVEIRA, P. H. D. (orgs.). Memórias da Educação Infantil: histórias das primeiras creches municipais de São Carlos. São Carlos: FPMSC, 2015. link.
  284. Embrapa Pecuária Sudeste. História. s.d. link.
  285. STRACHICINI, E. O primeiro escritório modelo do Brasil. Kappa Magazine, a. 2, ed. 26, n. 2, p. 20-22. link.
  286. HANAI, Sonia Maria Trombelli. A Escola de Biblioteconomia e Documentação de São Carlos (1959-1997). São Carlos: FESC, 1997.
  287. SEMEGHINI, Haydée Pozzi. Escola de Educação Física de São Carlos – Fundação Educacional São Carlos – 1949-1997. s.d.
  288. SANTOS, A. P. Pioneira na formação de professores e atletas. Kappa, São Carlos, a. 4, ed. 78, n. 7, p. 78-80. link.
  289. BIOGRAFIA de Euclides da Cunha. Releituras. [10].
  290. SÃO CARLOS. Fundação Pró-Memória. Histórico: Escola Estadual Coronel Paulino Carlos. 2005. link.
  291. CASARÃO onde morou Euclides da Cunha em São Carlos será demolido. Folha de S. Paulo, 15/04/2010. link.
  292. GARCIA, E. D.; VIANNA, J. G. T. O Homem do Canchim: Um Alquimista da Genética. São Carlos: Suprema, 1996. link, link.
  293. YVONNE Primerano Mascarenhas: A senhora dos cristais. Pesquisa Fapesp, agosto de 2017. link.
  294. REGRAS de um método filosófico. Folha de S. Paulo. 25/06/2000. link.
  295. a b c FURLAS, H. A. Formação do campo policial na Princesa do Oeste: relações de poder e conflitos cotidianos entre elites, populares e a Polícia de São Carlos, 1888-1914. Dissertação (Mestrado em Ciências Humanas) - Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2009. link.
  296. a b GOMES, P. F. S. São Carlos e o Movimento Constitucionalista de 1932: poder local e cooptação ideológica. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) - Universidade Federal de São Carlos, 2008, link.
  297. CONCEIÇÃO, C. F. Configuração das elites política e econômica em São Carlos/SP – 1873 a 1904. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Departamento de Ciências Sociais, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2015. link.
  298. FURLAS, 2009, p. 104.
  299. FURLAS, 2009, p. 108-112.
  300. SÃO CARLOS. Fundação Pró-Memória. Edificações históricas do município de São Carlos. s.d. link.
  301. a b SILVA, D. E. M. Da festa à chacina: formas de gestão do crime, da violência e da pobreza em São Carlos/SP. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Departamento de Ciências Sociais, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2014. link.
  302. SÃO CARLOS. Bombeiros comemoram 60 anos de atividades em São Carlos. 20/04/2012. link.
  303. SÃO PAULO. Decreto n. 9.274, de 16 de dezembro de 1976. Dá nova destinação a imóvel que especifica. São Paulo, 1976. link.
  304. MORAES, W. R. Batalhões, grupamentos e regimentos da milícia paulista. Batalhões paulistas. Bosquejo histórico. A Força Policial, n. 34, p. 49-101, 2002. link.
  305. NOVO prédio da companhia da PM será inaugurado na sexta-feira. São Carlos Agora, 30/06/2010. link.
  306. a b c SÃO PAULO. Secretaria de Segurança Pública. Unidades Policiais: São Carlos. s.d. link.
  307. SÃO PAULO. Secretaria de Segurança Pública. Polícia Civil. Institucional: Departamentos/Órgãos: DEINTER 3. s.d. link.
  308. SÃO CARLOS. Guarda Municipal. s.d. link.
  309. SÃO CARLOS. Defesa Civil. s.d. link.
  310. MACHADO, Maria Lúcia Teixeira. História da saúde em São Carlos. São Carlos: EdUFSCar; São Paulo: Imprensa Oficial, 2007 (Coleção Nossa História.)
  311. MORTATI, D. A implantação da hidreletricidade e o processo de ocupação do território no interior paulista (1890-1930). Tese de Doutorado em Engenharia Civil, Unicamp, 2013.link.
  312. a b c d e JUNQUEIRA, M. P. A força transformadora das epidemias e da imigração: cidade de São Carlos-SP no final do século XIX. Revista Cordis: Revista Eletrônica de História Social da Cidade, São Paulo: PUC, n. 2, 2009. link.
  313. SÃO PAULO. Secretaria de Energia e Mineração. Geração. s.d. link.
  314. SÃO PAULO. Secretaria de Energia e Mineração. Distribuição. s.d. link.
  315. SÃO PAULO. Arsesp. Espaço da prefeitura. Seu município. s.d. link.
  316. ALMEIDA, R. C. Roteiro Histórico: Sub-bacia do Córrego do Gregório. São Carlos: CDCC, 2000. link.
  317. SAAE SÃO CARLOS. Mananciais. s.d. link.
  318. a b SÃO CARLOS. Plano Municipal de Saneamento do Município de São Carlos (PMSSanCa). 2011. link.
  319. SCHALCH, V.; MONTAÑO, M.; CASTRO, M.C.A.A. (coord). Estudo de impacto ambiental para implantação do novo aterro sanitário no município de São Carlos (SP). São Carlos: Fundação para o Incremento da Pesquisa e do Aperfeiçoamento Industrial, 2009. Disponível em: <http://www.saocarlos.sp.gov.br/index.php/meio-ambiente/155943-estudo-de-impacto-ambiental-relatorio-de-impacto-ambiental-do-novo-aterro-sanitario.html>.
  320. FRÉSCA, F. R. C. Estudo da geração de resíduos sólidos domiciliares no município de São Carlos, SP, a partir da caracterização física. 2007. Dissertação (Mestrado em Ciências da Engenharia Ambiental) - Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo, São Carlos, 2007. link.
  321. SÃO CARLOS. Publicado decreto com a composição do comitê para elaboração do Plano Municipal Resíduos Sólidos. 01 set. 2017. link.
  322. MARQUES, Emilena Muzolon; RANIERI, Victor Eduardo Lima. Determinantes da decisão de manter áreas protegidas em terras privadas: o caso das reservas legais do Estado de São Paulo. Ambient. soc.,  São Paulo, v. 15, n. 1, p. 131-145, 2012. link.
  323. ZAGO, J. R. A memória das chuvas. São Carlos, SP: RiMa, 2006. 54 p. (Coleção Monografias São Carlos). link.
  324. SUCOMINE, N. M.; SALES, A. Caracterização e análise do patrimônio arbóreo da malha viária urbana central do município de São Carlos-SP. Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana, Piracicaba, v. 5, n. 4, p.128-140, dez. 2010. link.
  325. CETESB. Relação de áreas contaminadas. São Paulo: CETESB, dezembro de 2016. link.
  326. STRACHICINI, E. A rota do picadão de Cuiabá. Kappa, a. 3, ed. 64, p. 44-46. link.
  327. SÃO CARLOS. Pró-Memória. As ruas de São Carlos. s.d. [11].
  328. a b c d RÖHM, José Alfeo. "Estação 77 - Momentos do transporte em São Carlos - SP, 1884 - 2015". Lugar do trem (site). 2015. link.
  329. a b c GIESBRECHT, R. M. Estações Ferroviárias do Brasil: Estado de São Paulo: Cia. Paulista. Atualizado em 2017. link.
  330. a b c ANELLI, R.; TRAMONTANO, M. Projeto 3: Apresentação: Arquitetura, Cidade e Paisagem. Material de disciplina do curso de Arquitetura e Urbanismo. São Carlos: IAU/USP, 2013. link.
  331. FIPAI. Consultoria para Realização de Pesquisa Origem e Destino entre Usuários de Ônibus da cidade de São Carlos e Análise da Tarifa de Ônibus. São Carlos: FIPAI, 2001.
  332. LINHAS do SiTrans. Tudo de ônibus (site). 2006.  Disponível em: <http://www.tudodeonibus.com/2006/02/linhas-do-sitrans-2006.html>.
  333. BIELENKI, C., Jr.; RAIA, A. A., Jr.; SILVA, A. N. R. O uso de geoprocessamento no planejamento de pesquisa origem-destino no município de São Carlos. Revista Minerva, 5(2): 159-167. 2008. link.
  334. SÃO CARLOS. São Carlos é a 1ª a realizar estudo sobre mobilidade urbana, diz pesquisador. 2010. link.
  335. SÃO CARLOS. Plano de Mobilidade Urbana de São Carlos: a participação da sociedade para uma cidade melhor. 20 slides, 2011. link.
  336. MOVIMENTO Transporte Justo – São Carlos. Carta pública do “Movimento por um Transporte Público Justo em São Carlos”. 2011. link.
  337. FERREIRA, L.C.; KILLER, N.A.; TRINDADE, T.C.G. Transporte público na cidade de São Carlos: aspectos gerais e níveis de emissão de poluentes Relatório, Curso de Engenharia Ambiental, Universidade de São Paulo, São Carlos, 2014. link.
  338. UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Escola de Engenharia/Prefeitura Municipal de São Carlos. Escritório Técnico do Plano Diretor. Plano diretor de desenvolvimento integrado da cidade de São Carlos. São Carlos: USP/PMSC, 1970.
  339. DOZENA, A. São Carlos e seu 'desenvolvimento': contradições urbanas de um pólo tecnológico. Dissertação de mestrado. Universidade de São Paulo, 2001. [12].
  340. BIZZIO, Michele Rodrigues. Condomínios residenciais fechados: a urbanização do Grupo Encalso Damha em São Carlos-SP. 2015. 151 f. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Faculdade de Ciencias e Letras (Campus de Araraquara), 2015. Disponível em: <http://hdl.handle.net/11449/126580>.
  341. OLIVEIRA, E. Z.; SANTIAGO, C. D.; FERREIRA, M. D. Dinâmica dos Vazios Urbanos no Limite da Ocupação Urbana do Município de São Carlos, SP. Revista Brasileira de Geografia Física, v. 10, n. 2, p. 413-427, 2017. [link http://www.revista.ufpe.br/rbgfe/index.php/revista/article/viewFile/1936/1161].
  342. TRAGANTE, C. Residenciais fechados e a história recente da cidade de São Carlos. São Carlos: Fundação Pró-Memória de São Carlos, 2014.
  343. UEDA, Guilherme Shoiti. Verticalização das cidades brasileiras: uma desconstrução do espaço social. 2012. 196 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Exatas e da Terra) - Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2012. link.
  344. GERALDI, Juliana; FERREIRA, Darlene Aparecida de Oliveira. A produção e o consumo da habitação verticalizada em São Carlos–SP. Geo UERJ, ano 11, v. 3, n. 20, 2º semestre de 2009. p. 88-107, link.
  345. SÃO CARLOS. Fundação Pró-Memória. Inventário de bens patrimoniais do município de São Carlos. 2016. link.
  346. a b DAMIANO, O. C. Imprensa São-Carlense 1876-1995. Edufscar e Imprensa Oficial, São Carlos, 2007.
  347. FIRMINO, Rodrigo José. Espaços inteligentes: o meio técnico-científico-informacional e a cidade de São Carlos (SP). Dissertação (Mestrado em Tecnologia do Ambiente Construído) - Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo, São Carlos, 2000. link.
  348. TEIXEIRA, H. O. A regionalização da informação e o poder local: o caso de São Carlos (1989-2000). Dissertação (Mestrado em Ciencia Politica), Universidade Federal de São Carlos, 2012. link.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Bibliografia sobre São Carlos

  • LIMA, R. P. O processo e o (des)controle da expansão urbana de São Carlos (1857-1977). Dissertação (Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo) - Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo, São Carlos-SP, 2007. link.
  • TRUZZI, O. M. S. Café e indústria - São Carlos: 1850-1950. 2a ed. São Carlos: EdUFSCar, 2000. [Dissertação, FGV, 1985, link; 1a ed., 1986; 2a ed., 2000; 3a ed., 2007.]
  • TRUZZI, O. M. S., NUNES, P. R., & TILKIAN, R. Café, indústria e conhecimento: São Carlos, uma história de 150 anos. São Carlos: EdUFSCar, 2008. link.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Portal A Wikipédia possui o
Portal de São Paulo
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre São Carlos (São Paulo)
Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikcionário Definições no Wikcionário
Commons Imagens e media no Commons
Commons Categoria no Commons
Wikivoyage Guia turístico no Wikivoyage
Meta-Wiki Meta-Wiki