Volkswagen

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Volkswagen Passenger Cars
Volkswagen logo.svg
Slogan Das Auto (pt: O Carro)
Tipo Sociedade anônima
Indústria Indústria automobilística
Fundação 28 de maio de 1937 (78 anos)
Fundador(es) Ferdinand Porsche
Sede Alemanha Wolfsburgo, Alemanha
Locais Mundial
Empregados 592.586 (2014)
Produtos Automóveis
Caminhões
Chassis de ônibus
Parentesco Grupo Volkswagen
Accionistas Porsche Automobil Holding SE, Baixa Saxónia, Qatar Holding LLC, Outros
Valor
de mercado
US$ 49,463 bilhões (2015)
Faturamento 202,5 bilhões (2014)
Página oficial www.volkswagen.com

A Volkswagen é uma empresa alemã pertencente ao Grupo Volkswagen. É a maior fabricante de automóveis e tem sua sede na cidade de Wolfsburgo, Baixa Saxônia.[1]

O Grupo Volkswagen, além da marca Volkswagen, é também proprietário das marcas Audi, Bentley, Bugatti, Ducati, Lamborghini, Seat, Porsche, Skoda, MAN e Volkswagen Caminhões, e Scania. Em março de 2011, a Volkswagen adquiriu o segmento comercial da Porsche [2] , por 3,3 bilhões de euros, tendo assim o direito de negociar e operar pela marca "Porsche", fazendo com que a Volkswagen fique mais próximo à fusão com a "PHS" (Porsche Holding Salzburg).

Em julho de 2011, a Volkswagen, que já era o maior acionista do Grupo MAN SE, elevou sua participação para 55,9% das ações, consolidando-se como acionista majoritário. Em abril de 2012, a Volkswagen, por intermédio da Audi[3] , anunciou o compra da fabricante italiana de motos Ducati, aumentando a rivalidade com a BMW também no segmento de motos esportivas.

A Volkswagen também patrocina alguns eventos esportivos, como o Rali Dakar, a Seleção Argentina de Futebol, a Seleção Neozelandesa de Futebol e a Seleção Russa de Futebol, além da Academia do David Beckham. Também patrocinou os Jogos Olímpicos de Verão de 2008 e patrocina o time alemão VfL Wolfsburg.[4]

A Volkswagen possui no Brasil, mais precisamente no estado de São Paulo, duas pequenas centrais hidrelétricas (PCH) nas margens do rio Sapucaí, sendo uma denominada Anhanguera e a outra, Monjolinho.[5]

Nome[editar | editar código-fonte]

Volkswagen (pronuncia-se AFI[ˈfɔlksˌvaːɡən]) é uma palavra que em língua alemã significa "carro do povo". ´Mas é normalmente referida pela abreviatura VW. Seu slogan comercial atual é Das Auto, expressão em alemão que significa "O Carro".[6]

História[editar | editar código-fonte]

Origem: Década de 30, século XX, Alemanha[editar | editar código-fonte]

Porsche Type 12.

A origem da empresa remonta à década de 1937, na Alemanha nazista, e ao projeto de construção do automóvel que ficaria conhecido no Brasil como "Fusca", em Portugal como "Carocha", na Alemanha como "Käfer" e nos Estados Unidos e Reino Unido da Grã-Bretanha, como "Beetle". O termo "Volkswagen" foi cunhado por volta de 1924 pelo engenheiro alemão-judeu Josef Ganz, que lutava para modernizar a indústria automobilística alemã, publicando suas ideias de introduzir suspensões independentes com semieixos oscilantes, baixo centro de gravidade e chassi com tubo central num automóvel popular que custasse o mesmo que uma motocicleta. Em 1933, Adolf Hitler visita o Salão Internacional do Automóvel de Berlim e vê no Volkswagen, uma forma eficiente de propaganda nazista, e passa a defender a ideia de carro do povo como se fosse sua. Josef Ganz e Edmund Rumpler foram cogitados para dirigir o projeto, mas logo foram descartados por serem judeus. O engenheiro encarregado de desenvolver o modelo foi Ferdinand Porsche (1875–1952), apesar de grande parte de seu desenho ter sido inspirado nos carros desenvolvidos por Hans Ledwinka para a empresa Tatra.[7]

Cerca de 336 mil pessoas pagaram pelo modelo, e protótipos do carro, chamados em alemão KdF-Wagen (KDF significa Kraft durch Freude, em português, "força através da alegria", um dos lemas do Partido Nacional-Socialista dos Trabalhadores Alemães, o conhecido Partido Nazista), surgiram a partir de 1936, sendo os primeiros modelos produzidos em Stuttgart. O carro já possuía as curvas de seu formato característico e o motor refrigerado a ar, de quatro cilindros, montado na traseira, similar ao Tatra. Erwin Komenda, chefe de desenho da Porsche de longa data, desenvolveu o corpo do protótipo que seria igual ao dos Carochas/Fuscas posteriores.[8]

A nova fábrica - implantada numa cidade que foi criada em torno da mesma e batizada de KdF-Stadt (atual Wolfsburgo) - só havia produzido algumas unidades quando a Segunda Guerra Mundial iniciou-se em 1939. Como consequência da guerra, sua produção foi adaptada para veículos militares, como o jipe Kübelwagen, o modelo anfíbio Schwimmwagen e o Kommandeurwagen.[9]

1945 – Um futuro incerto[editar | editar código-fonte]

A empresa deve a sua existência no pós-guerra a um homem, o major britânico Ivan Hirst. Em abril de 1945 a KdF-Stadt e sua fábrica fortemente bombardeada foram capturados pelos norte-americanos, e passaram às mãos da administração britânica. A primeira ideia foi usá-la para a manutenção de veículos militares pesados. Para Hirst, como ela fora usada para produção militar e fora um "animal político" (menção pessoal) ao invés de um empreendimento comercial, seu equipamento na época fora destinado às reparações de guerra. Assim, Hirst pintou um dos carros da fábrica de verde e o exibiu em instalações militares britânicas. Dispondo de poucos veículos leves de transporte, em setembro de 1945 o exército britânico foi persuadido a encomendar 20.000 unidades. As primeiras unidades foram para o pessoal das forças de ocupação e para o correio alemão. Por volta de 1946 a fábrica estava produzindo 1000 carros por mês, uma quantidade notável, uma vez que a fábrica ainda precisava de reparos: o teto e os vidros danificados interrompiam a produção quando chovia, e o aço para fazer automóveis era pago com veículos produzidos.[10]

O carro e a cidade mudaram seus nomes da época da Segunda Guerra Mundial para, respectivamente, Volkswagen e Wolfsburg. Enquanto isto, a produção crescia. Como ainda era incerto o futuro da fábrica, a mesma foi oferecida a representantes de empresas automobilísticas britânicas, americanas e francesas. Todos a rejeitaram. Depois de visitar a fábrica, Sir William Rootes, da indústria britânica Rootes Group, declarou que "o modelo não atrai o consumidor médio de automóveis, é muito feio e barulhento… se vocês pensam que vão fazer automóveis neste lugar, vocês são uns grandes tolos, rapazes". Ironicamente, a Volkswagen fabricou nos anos 80 uma versão do Hillman Avenger, modelo criado pela empresa de Rootes (Hillman), após esta ter sido absorvida pela Chrysler em 1978, e de a Chrysler, por sua vez, ter vendido sua fábrica na Argentina - que produzia este modelo como "Dodge Polara" - para a Volkswagen.[11]

1948–1974 - Ícone da recuperação alemã[editar | editar código-fonte]

Fábrica da Volkswagen na cidade de Wolfsburg, Alemanha.

Após 1948, a Volkswagen se tornou um importante elemento simbólico e econômico, da recuperação da Alemanha Ocidental. Heinrich Nordhoff (1899–1968), ex-gerente da área de caminhões da Opel foi chamado para dirigir a fábrica naquele ano. Em 1949 Hirst deixou a empresa, agora reorganizada como um monopólio controlado pelo governo alemão ocidental. Além da introdução do veículo comercial "VW tipo 2" (conhecido como Kombi) em suas versões de passageiros, furgão e camioneta, e do esportivo Karmann Ghia, Nordhoff seguiu a política de modelo único até pouco antes de sua morte em 1968.[12]

A produção do "tipo 1", nome oficial do "Carocha" ou "Fusca", cresceu enormemente ao longo dos anos no mundo todo, tendo atingido 1 milhão de veículos em 1954.

Durante a década de 1960 e o início dos anos 70, apesar de o carro estar ficando ultrapassado em alguns aspectos, suas exportações para os Estados Unidos, sua publicidade inovadora e sua reputação de veículo confiável ajudaram seus números de produção total superarem os do recordista anterior, o Ford Modelo "T". Por volta de 1973 sua produção mundial já superava 16 milhões de unidades.

A Volkswagen expandiu sua linha de produtos em 1967 com a introdução de vários modelos "tipo 3", os quais eram essencialmente variações de desenho de carrocerias ("hatch", três volumes) baseados na plataforma mecânica do "tipo 1". Novamente o fez em 1969 com a linha relativamente impopular chamada "tipo 4" que diferiam bastante dos anteriores pela adoção de carroçaria monobloco, transmissão automática e injeção de combustível.[13]

1974 – Do "Käfer" para o Golf[editar | editar código-fonte]

A Volkswagen (VW) enfrentou sérios problemas em fins dos anos 60, com o insucesso dos "tipo 3" e "tipo 4" também com o K70, baseado em modelo da montadora NSU. A empresa sabia que a produção do "Käfer" (Carocha, Fusca) iria terminar algum dia, porém o enigma sobre como substituí-lo se convertera num pesadelo. A chave para o problema veio da aquisição da Audi/Auto-Union, em 1964. A Audi possuía os conhecimentos tecnológicos sobre tração dianteira e motores refrigerados a água dos quais a Volks tanto necessitava para produzir um sucessor de seu "tipo 1". A influência da Audi abriu caminho para uma nova geração de Volkswagens: Polo, Golf e Passat.[14]

A produção do Käfer na fábrica de Wolfsburg cessou em 1974, sendo substituído pelo Golf. Era um veículo totalmente diferente de seu predecessor, tanto na mecânica quanto no desenho, com suas linhas retas desenhadas pelo projetista italiano Giorgetto Giugiaro). Seu desenho seguiu tendências estabelecidas pelos pequenos modelos familiares, tais como o Mini Cooper, de 1959 e o Renault 5, de 1972—o Golf tinha um motor refrigerado a água montado transversalmente, desenho "hatch-back" e tração dianteira, uma configuração que tem dominado o mercado desde então. A produção do Käfer (Carocha/Fusca) continuou em fábricas alemãs menores até 1978, porém o grosso da produção foi deslocado para o Brasil e o México.[15]

Dos anos 1970 aos dias atuais[editar | editar código-fonte]

Desde a introdução do Golf, a Volkswagen tem oferecido uma gama de modelos semelhantes a de outros fabricantes europeus. O Polo, menor em tamanho que o Golf e introduzido na mesma época, os esportivos Scirocco e Corrado, e o Passat, de maior tamanho, foram os mais importantes e significativos. Em 1998 a Volks lançou o chamado New Beetle, um carro com plataforma baseada no Golf e desenho que lembrara o "Beetle"/"Käfer". Em 2002, a empresa alemã - cujo nome traduzido ao português significa "carro do povo" - lançou dois automóveis para o segmento de alto luxo: a limusine Phaeton(como chamam os sedãs na Alemanha,seu maior mercado) e o SUV Volkswagen Touareg.[16]

Em 30 de julho de 2003, o último Carocha/Fusca foi produzido no México, selando para o modelo um total de 21 529 464 unidades produzidas em todo o mundo.

Hoje, a Volkswagen é parte do Volkswagen AG (Volkswagen Aktiengesellschaft), que inclui as marcas:

  • Audi—antiga Auto Union/DKW—comprada da Daimler-Benz em 1964–1966.
  • NSU Motorenwerke AG—comprada em 1969 pela divisão Audi. A marca não é mais usada desde 1977.
  • SEAT—marca espanhola adquirida em 1987.
  • Škoda—adquirida em 1991.
  • Bentley—adquirida em 1998 da empresa inglesa Vickers, junto com a marca Rolls-Royce.
  • Bugatti—adquirida em 1998.
  • Lamborghini—adquirida em 1998 pela divisão Audi.
  • MAN SE—Tornou-se sócia majoritária em 2008 com 55,9% das ações
  • Scania AG—adquirida em 2008.
  • Italdesign Giugiaro S.p.A -- adquirida em 2010.
  • Ducati Motor Holding—adquirida em 2012 pela divisão Audi

De julho de 1998 até dezembro de 2002 a divisão Bentley da Volkswagen também vendeu automóveis sob a marca Rolls-Royce, após acordo com a também alemã BMW, a qual comprara os direitos de uso do nome. A partir de 2003, apenas a BMW pode fabricar automóveis com a marca Rolls-Royce.

Crimes e Escândalos[editar | editar código-fonte]

2015[editar | editar código-fonte]

Em 2015, a VW se viu envolvida em um enorme problema após a descoberta de que seus veículos a diesel, e de outras empresas do grupo, contém um elemento, fabricado pela Bosch, que reconhece o momento em que passa por um teste de emissão de poluentes para, somente durante os testes, diminuir estas emissões. Durante o uso comum, estes automóveis superam em até 40 vezes o limite máximo estabelecido pela legislação estadunidense. O acontecimento causou a saída do presidente da marca. A própria Volks veio a público assumir que 11 milhões de seus veículos estariam adulterados[17] e que o fato não se devia a um pequeno grupo de gestores, mas de ao menos 30 deles[18] .

Devido ao escândalo, a Volkswagen anunciou um corte de 1 bilhão de euros anuais em investimentos.[19]

2014[editar | editar código-fonte]

Foi condenada ao pagamento de R$1,1 milhão por contratações ilegais de terceirizados para sua unidade de motores de São Carlos. Além da prórpia terceirização, considerada ilegal para atividades fins, constatou-se irregularidades no tocante à jornada de trabalho, descanso (casos de funcionários que trabalharam sem descanso semanal por 30 dias), excesso de horas extras e contratação irregular. [20]

2008[editar | editar código-fonte]

Seus carros da família Fox foram acusados de decepar dedos de seus usuários no momento em que rebatiam o banco traseiro[21] . Ao menos oito pessoas perderam parte do dedo ao utilizar o mecanismo[22] , que não era o mesmo dos modelos Fox comercializados no exterior.

Outras fábricas[editar | editar código-fonte]

Portfólio no Brasil[editar | editar código-fonte]

O atual portfólio da marca alemã contém 22 veículos, sendo metade destes produzidos no Brasil: up!, Novo Gol, Voyage, Saveiro, CrossFox, Fox, Polo (hatch e sedan) e Golf; O SpaceFox e a Amarok são produzidos na Argentina; Passat, Passat Variant, Passat CC e Tiguan são produzidos na Alemanha; o Touareg é produzido na Eslováquia; Bora, Jette, Jetta Variant e New Beetle são produzidos no México: o Eos , Volkswagen Scirocco e Volkswagen Sharan são produzidos em Portugal (Palmela).[24]

Ao longo dos últimos anos, a Volkswagen do Brasil foi dirigida por quatro presidentes diferentes (Herbert Demel, austríaco, Paul Fleming, inglês, Hans-Christian Maergner, alemão e Thomas Schmall, alemão) e é a atual segunda colocada em vendas em produção de carros e comerciais leves em território nacional, perdendo apenas para a Fiat.[25]

Recalls no Brasil[editar | editar código-fonte]

Data de anúncio Problema Modelos afetados Causa Solução
24 de outubro de 2014[26] Deformação no eixo traseiro em caso de colisão lateral ou traseira Jetta 2.0 Total Flex (chassis BM001374 a BM133813, CM002149 a CM155939, e DM000158 a DM097942), Novo Fusca, Fox, Novo Golf entre outros modelos. Carros acidentados podem ter a durabilidade do braço do eixo traseiro reduzida Instalação de um componente no braço do eixo traseiro

Modelos atuais[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Volkswagen toma lugar da Toyota como maior montadora do mundo, g1.globo.com, recuperado em 24 de setembro 2015
  2. «Volkswagen compra parte comercial da Porsche por 3,3 bi de euros». G1. 1 de março de 2011. 
  3. «Audi compra Ducati e amplia total de marcas da Volkswagen». Site da Folha de S. Paulo. 18 de abril de 2012. 
  4. (em alemão) Pagina inicial do VfL Wolfsburgo, vfl-wolfsburg.de, recuperado em 24 de setembro 2015
  5. Diário do Grande ABC (11 de janeiro de 2012). «Volks investe R$ 160 mi em hidrelétrica». Dgabc.com.br. Consultado em 12 de janeiro de 2012. 
  6. Slogans que marcaram os 60 anos de propaganda da Volkswagen do Brasil, vwbr.com.br, recuperado em 24 de setembro 2015
  7. História, Logótipo, Modelos históricos, Automobilismo, Trivia, http://autoviva.sapo.pt, recuperado em 24 de setembro 2015
  8. História, Logótipo, Modelos históricos, Automobilismo, Trivia, http://autoviva.sapo.pt, recuperado em 24 de setembro 2015
  9. História, Logótipo, Modelos históricos, Automobilismo, Trivia, http://autoviva.sapo.pt, recuperado em 24 de setembro 2015
  10. História, Logótipo, Modelos históricos, Automobilismo, Trivia, http://autoviva.sapo.pt, recuperado em 24 de setembro 2015
  11. História, Logótipo, Modelos históricos, Automobilismo, Trivia, http://autoviva.sapo.pt, recuperado em 24 de setembro 2015
  12. História, Logótipo, Modelos históricos, Automobilismo, Trivia, http://autoviva.sapo.pt, recuperado em 24 de setembro 2015
  13. História, Logótipo, Modelos históricos, Automobilismo, Trivia, http://autoviva.sapo.pt, recuperado em 24 de setembro 2015
  14. História, Logótipo, Modelos históricos, Automobilismo, Trivia, http://autoviva.sapo.pt, recuperado em 24 de setembro 2015
  15. História, Logótipo, Modelos históricos, Automobilismo, Trivia, http://autoviva.sapo.pt, recuperado em 24 de setembro 2015
  16. História, Logótipo, Modelos históricos, Automobilismo, Trivia, http://autoviva.sapo.pt, recuperado em 24 de setembro 2015
  17. Luis Doncel / Álvaro Sánchez (22/9/2015). «Volkswagen reconhece que adulterou 11 milhões de carros em todo o mundo». El Pais. Consultado em 15/10/2015. 
  18. Der Spiegel (14/10/2015). «Escândalo das emissões da Volkswagen envolve pelo menos 30 pessoas». Consultado em 15/10/2015. 
  19. Folhapress (13/10/2015). «Volkswagen reduzirá investimentos devido a escândalo». Consultado em 15/10/2015. 
  20. Ministério Público do Trabalho – 15ª Região (30/1/2014). «Justiça mantém condenação da Volkswagen por terceirização ilícita de atividade-fim». reporterbrasil. 
  21. O Globo (3/4/2008). «Ministério da Justiça propõe que Volkswagen faça um recall do Fox». Senado Brasileiro. Consultado em 15/10/2015. 
  22. FLAVIO MACHADO (31/1/2008). «A armadilha do Fox». Época. Consultado em 15/10/2015. 
  23. «Volks de sao carlos e terceira maior fabrica de motores da marca». Araraquara.com. 
  24. Autoeuropa: fim do VW Eos leva ao despedimento de 300 pessoas, tvi24.iol.pt, recuperado em 24 de setembro 2015
  25. Produtos Volkswagen Autoeuropa, volkswagenautoeuropa.pt, acesso em 23 de setembro 2015
  26. «Volkswagen convoca recall do Jetta no Brasil». G1. 24 de outubro de 2014. Consultado em 24 de outubro de 2014. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Volkswagen