Desporto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Esporte)
Ir para: navegação, pesquisa
Desporto na infância. O futebol, mostrado acima, é um desporto de equipa que também oferece oportunidades para cultivar habilidades de interação social.

Desporto (português europeu) ou Esporte (português brasileiro) é toda a forma de praticar atividade física que, através de participação ocasional ou organizada, visa equilibrar a saúde ou melhorar a aptidão física e/ou mental e proporcionar entretenimento aos participantes. Pode ser competitivo, onde o vencedor ou vencedores podem ser identificados por obtenção de um objetivo, e pode exigir um grau de habilidade, especialmente em níveis mais elevados. São centenas os tipos de desportos existentes, incluindo aqueles para um único participante, até aqueles com centenas de participantes simultâneos, em equipas ou individualmente.[carece de fontes?]

Desportos são normalmente geridos por um conjunto de regras ou costumes. Eventos físicos, tais como marcar gols ou cruzar uma linha em primeiro muitas vezes definem o resultado de um desporto. No entanto, o grau de habilidade e desempenho em alguns desportos, como salto ornamental, adestramento e patinagem no gelo é julgado de acordo com critérios bem definidos. Isto, em contraste com outras atividades julgadas, como concursos de beleza e de musculação, onde a habilidade não tem que ser mostrada e os critérios não são tão bem definidos.[carece de fontes?]

Os registos são mantidos e atualizados para a maioria dos desportos nos níveis mais elevados, enquanto que as falhas e as realizações são amplamente divulgadas na imprensa desportiva.[carece de fontes?]

Os desportos são na maioria das vezes jogados apenas por diversão ou pelo simples facto das pessoas precisarem de exercício para se manterem em boas condições físicas. No entanto, o desporto e em especial o profissional é muito competitivo, e uma importante fonte de rendimento económico e entretenimento.[carece de fontes?]

Etimologia

A palavra "desporto" vem do francês antigo desport, que significa "recreação, passatempo, lazer".[1][2] Surgiu na língua portuguesa no século XV, com o sentido de "divertimento". No entanto, apenas a partir do século XIX a influência do termo inglês sport, que também tem origem em desport, terá contribuído para o incremento do seu uso com o significado moderno em Portugal.[3] Já no Brasil, a par das variantes "desporto" e "desporte"[2] — esta última também presente no português europeu —, surgiu a variante "esporte" adaptada da palavra inglesa sport, que viria a popularizar-se e a ser a mais comum atualmente.[3][4]

Algumas reminiscências do uso da variante "desporto" no Brasil ainda hoje se podem verificar em nomes de clubes e organizações, como a Confederação Brasileira de Desportos no Gelo, a Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos, a Confederação Brasileira de Desportos na Neve, a Confederação Brasileira do Desporto Universitário, bem com as extintas Conselho Nacional de Desportos e Confederação Brasileira de Desportos, entre outras.[carece de fontes?]

Desportivismo

Um conhecido ditado diz que "o rúgbi é um esporte de brutos jogado por cavalheiros".[5] No caso, o "cavalheirismo" pode ser associado ao fair play geralmente incentivado nas práticas esportivas.

O desportivismo é uma atitude que luta pelo fair play, pela delicadeza com os adversários e colegas de equipa, pelo comportamento ético e integridade, pelo jogo limpo, e pela ética na vitória ou na derrota.[6][7]

O desportivismo expressa uma aspiração ou espírito de que a atividade vai ser apreciada por si mesma. O sentimento é bem conhecido pelo jornalista desportivo Grantland Rice, que disse "não interessa como ganhaste ou perdeste, mas como jogaste o jogo". O lema dos Jogos Olímpicos modernos é expresso pelo seu fundador Pierre de Coubertin: "O mais importante não é vencer, mas sim, participar". Estas são expressões típicas desse sentimento.[8]

A violência no desporto envolve cruzar a linha entre a concorrência leal e a violência agressiva intencional. Atletas, treinadores, fãs, e pais, por vezes, desencadeiam comportamentos violentos sobre pessoas ou bens, em demonstrações equivocadas de lealdade, dominância, raiva e/ou celebração. Tumultos ou vandalismo são problemas comuns e em curso em competições desportivas nacionais e internacionais.[carece de fontes?]

Desporto profissional

Os desportos modernos têm regras complexas e são bastante organizados.

O aspeto dos desportos, juntamente com o aumento do poder dos meios de comunicação e lazer, tem levado ao "profissionalismo" do desporto. Isso fez resultar algum conflito na prática desportiva, pois aí o salário passa a ser mais importante que o aspeto recreativo, e os desportos passam a ser estruturados de forma a torná-los mais rentáveis ​​e populares, perdendo-se, assim, valiosas tradições éticas. De facto, o desporto, por definição, é uma atividade de lazer, e "desporto profissional" não o é e não pode existir como tal. No entanto, o termo é comum e aceite para nomear um jogo ou outra actividade considerada pela população em geral como desporto e que seja realizada por pessoas pela recompensa com a intenção de entreter os espectadores. O aspeto de entretenimento significa também que os desportistas e as suas mulheres são muitas vezes elevados ao status de celebridade na mídia e cultura populares. Por este motivo, muitos jornalistas têm sugerido que o desporto não deve ser divulgado pela mídia em geral, mas apenas por revistas especializadas.[9]

Política e desporto

Pódio do salto em distância dos Jogos Olímpicos de Verão de 1936. Luz Long (2º) e os restantes alemães fazem a saudação nazi.

O desporto e a política podem influenciar-se muito mutuamente. Quando o apartheid era a política oficial na África do Sul, houve um boicote internacional ao país, inclusive no campo esportivo, e em especial no rugby de quinze. Alguns sentem que esta foi uma contribuição efetiva para a eventual queda da política de apartheid, outros acham que esta pode ter prolongado e reforçado os seus piores efeitos.[10]

Os Jogos Olímpicos de Verão de 1936, realizados em Berlim, foram uma ilustração, talvez a mais reconhecida em retrospecto, de um momento em que uma ideologia aproveitou-se de um evento para reforçar a sua disseminação através de propaganda política.[carece de fontes?]

Na história da Irlanda, os desportos gaélicos estavam conectados com o nacionalismo cultural. Até meados do século XX, podia-se ser proibido de jogar futebol gaélico, hurling, ou outros desportos geridos pela Gaelic Athletic Association (GAA), se se jogasse ou apoiasse futebol, ou outros desportos de origem britânica. Até recentemente, a GAA continuou a proibir o futebol e o râguebi em locais gaélicos. Esta proibição, foi modificada para permitir que o futebol e o rugby pudessem ser jogados em Croke Park (um estádio de futebol gaélico), enquanto Lansdowne Road era substituído pelo novo Aviva Stadium. Até recentemente, de acordo com a Regra 21, a GAA proibia também os membros das forças de segurança britânicas e membros da Royal Ulster Constabulary (RUC) de jogar jogos gaélicos, mas o Acordo de Belfast, em 1998, levou à remoção da proibição.[carece de fontes?]

O nacionalismo é frequentemente evidente nos desportos, ou na sua cobertura jornalística: as pessoas competem em equipas nacionais, e comentadores e público podem adotar uma visão partidária. Em certas ocasiões, essas tensões podem levar a um confronto violento entre os jogadores ou espectadores dentro e fora do recinto desportivo, como na Guerra do Futebol. Estas tendências são vistas por muitos como contrária ao espírito fundamental do desporto, que é o do bem e gozo dos seus participantes.[carece de fontes?]

Um caso muito famoso de quando o desporto e a política colidiram foi nos Jogos Olímpicos de Verão de 1972 em Munique. Homens mascarados entraram no hotel da equipa olímpica israelita e mataram muitos dos seus homens. Este caso ficou conhecido como o Massacre de Munique.[11]

Referências

  1. In: Academia das Ciências de Lisboa. Dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea. 1.ª ed. Lisboa: Editorial Verbo. vol. 2. ISBN 9789722220460
  2. a b «Desporte, desporto». Aulete Digital. Consultado em 13 d junho de 2015  Verifique data em: |access-date= (ajuda)
  3. a b «A palavra desporto». Ciberdúvidas. 2 de julho de 2013. Consultado em 13 de junho de 2015 
  4. «Esporte». Michaelis: Dicionário de Português Online. Consultado em 13 de junho de 2015 
  5. Manual do Homem Moderno. Disponível em http://manualdohomemmoderno.com.br/esportes/10-licoes-de-vida-que-voce-so-vai-aprender-com-o-rugby. Acesso em 14 de janeiro de 2017.
  6. Infopédia. «Definição de desportivismo». infopedia.pt. Consultado em 15 de janeiro de 2012 
  7. David Lacey (10 de novembro de 2007). «It takes a bad loser to become a good winner» (em inglês). guardian.co.uk. Consultado em 15 de janeiro de 2012 
  8. «O desporto ou esporte. atividade fisica». Jornal Livre. Consultado em 9 de maio de 2016 
  9. Grupo 3 ODD. «Diferenças entre desporto profissional e amador». grupo3odd.blogspot.com. Consultado em 21 de janeiro de 2012 
  10. Christopher Merrett. «Sport and apartheid». onlinelibrary.wiley.com. Consultado em 21 de janeiro de 2012 
  11. Alexandre Perin (5 de setembro de 2010). «SETEMBRO NEGRO: O Massacre de Munique no dia mais triste das Olimpíadas». wp.clicrbs.com.br. Consultado em 21 de janeiro de 2012 

Ver também

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikcionário Definições no Wikcionário
Wikiquote Citações no Wikiquote
Wikiquote Categoria no Wikiquote
Commons Imagens e media no Commons
Commons Categoria no Commons
Wikinotícias Notícias no Wikinotícias

Ligações externas