Exercício físico

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Exercício.
Um soldado americano emerge da água durante uma natação de triatlo.

O exercício físico é qualquer atividade que mantém ou aumenta a aptidão física em geral, e tem o objetivo de alcançar a saúde e também a recreação. O motivo da prática de exercícios inclui: o reforço da musculatura e do sistema cardiovascular; o aperfeiçoamento das habilidades atléticas; a perda de peso e/ou a manutenção de alguma parte do corpo. Para muitos médicos e especialistas, exercícios físicos realizados de forma regular ou frequente estimulam o sistema imunológico, ajudam a prevenir doenças (como cardiopatia, doenças cardiovasculares, diabetes tipo 2, etc.) moderam o colesterol, ajudam a prevenir a obesidade, e outras coisas.[1][2] Além disso, melhoram a saúde mental e ajudam a prevenir a depressão.[3] Todo exercício físico deve ser sempre realizado sob a orientação de um profissional ou centro desportivo qualificado, pois a prática de esportes somente nos permite atingir os objetivos esperados quando é devidamente orientada.[2]

Estima-se que a a inatividade física seja responsável por 6% das doenças cardiovasculares, 7% de diabetes tipo 2, 10% de câncer de mama e 10% de câncer de cólon. Essa inatividade também é responsável por 9% da mortalidade prematura no mundo.[4]

Benefícios[editar | editar código-fonte]

O exercício físico é um componente do moderno estilo de vida que nas suas distintas modalidades tais como ginástica, desporto e educação física constituem atividades vitais para a saúde, a educação, a recreação e o bem-estar do ser humano, a prática do desporto e os exercícios físicos podem fazer pelos Homens o que não poderiam fazer milhões de médicos. A prolongação da vida e a terapia contra numerosas enfermidades são os principais benefícios do exercício físico. Alguns dos benefícios da prática de exercícios incluem: o reforço da musculatura e do sistema cardiovascular; o aperfeiçoamento das habilidades atléticas; a perda de peso e/ou a manutenção de alguma parte do corpo. Para muitos médicos e especialistas, exercícios físicos realizados de forma regular ou frequente estimulam o sistema imunológico, ajudam a prevenir doenças (doenças cardíacas) moderam o colesterol, ajudam a prevenir a obesidade, e outras coisas. Além disso, melhoram a saúde mental e ajudam a prevenir a depressão. Em cenários específicos, como o cancro, o exercício físico pode ter também efeitos benéficos, nomeadamente na cardioproteção, com estudos pré-clínicos recentes a demonstrar a importância do exercício na prevenção da caquexia cardíaca induzida pelo cancro.[5]

Exercícios físicos na vida adulta[editar | editar código-fonte]

O ideal para a saúde é que o exercício físico se torne um hábito na infância ou na adolescência, para não haver dificuldades de integrá-la à vida adulta. Um dos principais problemas relacionados a essa adaptação é a falta de tempo, que cria os "atletas de final de semana". Praticar atividade física somente aos finais de semana pode não ser bom para a saúde. É necessário um ritmo correto entre exercício e descanso. O recomendado é que, para cada dia de exercício, seja dado um dia de descanso, principalmente para as pessoas que se iniciam.

As consequências do sedentarismo para a saúde do homem são nefastas e bem conhecidas: maior risco de aterosclerose e suas consequências (angina, infarto do miocárdio, acidente vascular cerebral), aumento da obesidade, aparição de problemas como: hipertensão arterial, diabetes, osteoporose, dislipidemia, doença pulmonar obstrutiva crônica, asma, depressão, ansiedade, além de aumento do risco de afecções osteo musculares e de alguns tipos de câncer de cólon e de câncer de mama.

Fazer exercício durante a idade adulta atrasa a perda de volume cerebral na velhice. Em estudos realizados, as ressonâncias magnéticas ao cérebro e os testes cognitivos aos participantes revelaram que as pessoas que tinham pior forma física tinham uma pressão arterial e frequência cardíaca mais elevadas quando praticavam desporto, além de terem menor tecido do cérebro.[6]

Nutrição e recuperação[editar | editar código-fonte]

A nutrição adequada é tão importante para a saúde quanto os exercícios. Durante os exercícios, é ainda mais importante ter uma boa dieta para garantir que o corpo tenha a proporção correta de macronutrientes e, ao mesmo tempo, forneça muitos micronutrientes, a fim de ajudar o corpo no processo de recuperação após exercícios extenuantes.[7] A recuperação ativa é recomendada após a participação em exercícios físicos porque remove o lactato do sangue mais rapidamente do que a recuperação inativa.


O exercício tem um efeito sobre o apetite, mas se aumenta ou diminui o apetite varia de indivíduo para indivíduo e é afetado pela intensidade e duração do exercício.[8]

Referências

  1. Stampfer, M., Hu, F., Manson, J., Rimm, E., Willett, W. (2000) "Primary prevention of coronary heart disease in women through diet and lifestyle". The New England Journal of Medicine, 343(1), 16-23.
  2. a b Prof. Aluísio Menin Mendes, "Exercício Físico e Saúde". Acesso: 4 de Janeiro, 2009
  3. Hu., F., Manson, J., Stampfer, M., Graham, C., et al. (2001). "Diet, lifestyle, and the risk of type 2 diabetes mellitus in women". The New England Journal of Medicine, 345(11), 790-797.
  4. Lee, I.-Min; Shiroma, Eric J.; Lobelo, Felipe; Puska, Pekka; Blair, Steven N.; Katzmarzyk, Peter T. (21 de julho de 2012). «Effect of physical inactivity on major non-communicable diseases worldwide: an analysis of burden of disease and life expectancy». The Lancet (em English) (9838): 219–229. ISSN 0140-6736. PMC PMC3645500Acessível livremente Verifique |pmc= (ajuda). PMID 22818936. doi:10.1016/S0140-6736(12)61031-9. Consultado em 16 de abril de 2022 
  5. Antunes, J.M.M.; Ferreira, Rita M.P.; Moreira-Gonçalves, Daniel (Agosto 2018). «Exercise Training as Therapy for Cancer-Induced Cardiac Cachexia». Trends in Molecular Medicine. 24 (8): 709–727. ISSN 1471-4914. doi:10.1016/j.molmed.2018.06.002 
  6. «Exercício físco previne o envelhecimento cerebral» 
  7. Kimber N.; Heigenhauser G.; Spriet L.; Dyck D. (2003). «Skeletal muscle fat and carbohydrate metabolism during recovery from glycogen-depleting exercise in humans». The Journal of Physiology. 548 (3): 919–27. PMC 2342904Acessível livremente. PMID 12651914. doi:10.1113/jphysiol.2002.031179 
  8. Blundell, J. E.; Gibbons, C.; Caudwell, P.; Finlayson, G.; Hopkins, M. (2015). «Appetite control and energy balance: impact of exercise: Appetite control and exercise» (PDF). Obesity Reviews. 16: 67–76. PMID 25614205. doi:10.1111/obr.12257 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikisource
A Wikiversidade possui cursos relacionados a Exercício físico