Fair Play (esportes)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Fair Play (em português: Jogo Limpo) é uma filosofia adotada em desporto que prima pelo jogo limpo. A expressão nasceu em 1896, durante as primeiras Olimpíadas da Era Moderna, de Atenas. Barão de Coubertin, o organizador dos Jogos, idealizou a filosofia por meio da frase: “Não pode haver jogo sem fair play. O principal objetivo da vida não é a vitória, mas a luta”.[1]

O conceito de fair play está vinculado à ética no meio esportivo. Os praticantes devem procurar jogar de maneira justa, não prejudicando o adversário de forma proposital.[2]

No futebol[editar | editar código-fonte]

O Fair Play não está na regra do futebol. É apenas um acordo implícito, uma lei de conduta surgida de um pacto de esportividade. Um colega de profissão se machuca, é preciso atende-lo imediatamente. Para isso, quem estiver com a bola bota pra fora.[3]

Assim, no futebol, o Fair Play é apenas uma filosofia adotada por meio da Fair Play Campaign (Também chamada de FIFA Fair Play), que é uma campanha criada pela entidade máxima do futebol (FIFA), que visa beneficiar o cumprimento das regras, do bom senso e do respeito a jogadores, árbitros, adversários e torcedores.[4]

A campanha começou em 1986, após o famoso Gol de mão de Diego Maradona.[5]

Porém, a FIFA já promovia o Fair Play através do Troféu de Fair Play, que é entregue desde 1978 à equipe menos faltosa da Copa do Mundo.

Desde 1997, como parte da Fair Play Campaign, a FIFA dedica uma semana do seu calendário internacional a celebrar e promover o Fair Play, solicitando as federações nacionais a organizarem atividades para realçar a importância da desportividade dentro e fora de campo.[4]

A campanha é representada pelo slogan "My Game is Fair Play".[5]

Conforme José Eduardo, do blogueiro Esporte Legal, do GloboEsporte.com, o Código Brasileiro de Justiça Desportiva pune condutas antidesportivas de jogadores que se aproveitaram do Fair Play para retardar o andamento de uma partida. Segundo ele, o Art. 156 do CBJD estabelece que : “Infração disciplinar, para os efeitos deste Código, é toda ação ou omissão antidesportiva, típica e culpável.” A aplicação conjugada de tal dispositivo legal, ao Art. 170 do CBJD permite a aplicação de advertência, multa, suspensão por partida ou por prazo, de atletas que tenham cometido condutas antidesportivas, tais quais a simulação de uma lesão, visando retardar o reinício da partida.[6]

Em outros esportes[editar | editar código-fonte]

  • No tênis, todo o ano há uma votação entre os jogadores para escolher quem leva o Stefan Edberg Sportsmanship Award, o prêmio da desportividade e fair play.

Casos famosos de falta de Fair Play[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Lista de escândalos no esporte

Futebol[editar | editar código-fonte]

  • Em 1999, no confronto da FA Cup entre Arsenal e Sheffield United, os Gunners aproveitaram-se de um gol de Marc Overmars, com um passe de Nwankwo Kanu, que seguiu na jogada quando o Sheffield esperava a bola devolvida, para fazer o segundo gol e vencer a partida por 2 x 1. O então técnico do Arsenal, Arsène Wenger, alegou um mal entendido e ofereceu ao Sheffield United a possibilidade de repetir o jogo. A sugestão foi aceita pela federação e os times voltaram a se enfrentar dez dias depois.[7]
  • Em 2012, talvez o exemplo mais famoso de falta de Fair Play. Num jogo válido pela Champions League 2012-2013, Luiz Adriano, então no Shakhtar Donetsk, aproveitou-se que dinamarqueses do Nordsjaelland ficaram parados, esperando que ele devolvesse a posse de bola depois de um reinício de jogo, partiu para cima da zaga e marcou um gol para o Shakhtar Donetsk. Dias depois, a Uefa decidiu punir com um jogo de suspensão.[8]
  • Ainda em 2012, em jogo válido pelo campeonato brasileiro entre Santos e Corinthians, a equipe santista não praticou o fair-play em 2 lances. Quando foi preciso que o Corinthians praticasse o Fair Play (o goleiro santista se livrou da bola para ser atendido), a equipe corintiana deu o troco e não devolveu a posse de bola, e deixou o jogo quente.[9]
  • Em 2013, um lance ocorrido em uma partida do Campeonato Peruano virou noticia pela falta de fair play. No jogo entre Universidad César Vallejo e Unión Comercio, o jogador Piero Alva, do Vallejo, se aproveitou de um lance em que o goleiro do time adversário estava caído no campo sem condições de jogo para marcar.[10]
  • Ainda em 2013, em um jogo da Copa da Liga Inglesa, entre Yeovil Town e Birmingham, válido pela segunda fase do torneio, o Yeovil aproveitou-se do "não-Fair Play" para empatar a partida. O gol só foi devolvido na prorrogação, após o Yeovil virar a partida.[7]

Ver Também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. sersustentavelcomestilo.com.br/ Dia de Esporte aqui no SSE: Sabe o que significa fair play?
  2. significados.com.br/ O que é Fair Play?
  3. espn.uol.com.br/ Não é o jogador brasileiro que não tem fair play. É você!
  4. a b pt.fifa.com/ ”My Game is Fair Play”
  5. a b centralfootball.co.nz/ FIFA Fairplay
  6. globoesporte.globo.com/ FAIR PLAY:NÃO DEVOLUÇÃO DA POSSE DE BOLA É INFRAÇÃO?
  7. a b espn.com.br/ Time "devolve" gol sem fair-play - mas só depois de virar o jogo
  8. estadao.com.br/ Luiz Adriano é punido por um jogo por falta de fair play
  9. lancenet.com.br/ Falta de Fair Play entre Timão e Santos causa polêmica; Tite defende o troco
  10. uolesporte.blogosfera.uol.com.br/ Jogador ignora o fair play e faz gol com goleiro lesionado

Links Externos[editar | editar código-fonte]