Aracaju

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Aracaju
  Município do Brasil  
Montagem - Aracaju.jpg
Símbolos
Bandeira de Aracaju
Bandeira
Brasão de armas de Aracaju
[[Brasão|Brasão de armas]]
Hino
Lema Pax et labor
"Paz e trabalho"
Apelido(s) "Aju"
"Cidade das Araras e dos Cajus"
"Capital Nordestina da Qualidade de Vida"
Gentílico aracajuano
Localização
Localização de Aracaju em Sergipe
Localização de Aracaju em Sergipe
Mapa de Aracaju
Coordenadas 10° 54' 36" S 37° 04' 12" O
País Brasil
Unidade federativa Sergipe
Região intermediária[1] Aracaju
Região imediata[1] Aracaju
Região metropolitana Aracaju
Municípios limítrofes São Cristóvão à Oeste, Barra dos Coqueiros à Nordeste, Nossa Senhora do Socorro e Santo Amaro das Brotas à Norte e Itaporanga d'Ajuda à Sul/Sudoeste
Distância até a capital 1 748 km[2]
História
Fundação 17 de março de 1855 (165 anos)
Administração
Prefeito(a) Edvaldo Nogueira (PDT, 2017 – 2020)
Características geográficas
Área total [3] 181,857 km²
População total (estatísticas IBGE/2018[4]) 648 939 hab.
 • Posição SE: 1°; BR: 33º
Densidade 3 568,4 hab./km²
Clima tropical (As)
Altitude 4 m
Fuso horário Hora de Brasília (UTC−3)
Indicadores
IDH (PNUD/2010[5]) 0,770 alto
 • Posição SE: 1°; BR: 227º
PIB (IBGE/2016[6]) R$ 16 498 482,10 mil
PIB per capita (IBGE/2016[6]) R$ 25 717,68
Outras informações
Padroeiro(a) Nossa Senhora da Conceição[7]
Website www.aracaju.se.gov.br (Prefeitura)
www.cmaju.se.gov.br (Câmara)

Aracaju é um município e capital do estado de Sergipe, no Brasil. Localiza-se no leste do estado, sendo cortada por rios como o Sergipe e o Poxim. De acordo com a estimativa de 2017, sua população é de 648 939 habitantes. Somando-se as populações dos municípios que formam a Grande Aracaju: Barra dos Coqueiros, Nossa Senhora do Socorro e São Cristóvão, o número passa para 938 550 habitantes. Apesar de ser a menos populosa das capitais nordestinas, sua localização perfaz como importante ponto estratégico enquanto centro urbano, econômico, cultural e político para o país.

É apontada como a capital com menor desigualdade do Nordeste Brasileiro[8], como a cidade com os hábitos de vida mais saudáveis do país, exemplo nacional na consideração de ciclovias nos projetos de deslocamento urbano e é considerada a segunda capital do país com menor índice de fumantes[9]. Está entre as capitais com os custos de vida mais reduzidos do país[10], tendo focado mais recentemente suas ações turísticas na criação de alojamentos coletivos, tais como os mundialmente conhecidos hostels.[11]

As terras onde hoje se encontra Aracaju originaram-se de sesmarias doadas a Pero Gonçalves por volta do ano de 1602. No ano de 1699, tem-se notícia de um povoado surgido às margens do Rio Sergipe, próximo à região onde este deságua no mar, com o nome de Santo Antônio de Aracaju. Em 1757, Santo Antônio de Aracaju vivia sem maiores crescimentos e já era incluída como sítio da freguesia de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro do Tomar do Cotinguiba. No dia 2 de março de 1855, a Assembleia Legislativa da Província abriu sessão em uma das poucas casas existentes na Praia de Atalaia. Nesta sessão, tendo previamente analisado a situação em que se encontrava a província, Inácio Joaquim Barbosa, presidente da Província de Sergipe Del Rey, decidiu transferir a capital de Sergipe, que era São Cristóvão, para a cidade portuária que seria erguida ali. A decisão foi recebida com grande surpresa pelos presentes.

Topônimo[editar | editar código-fonte]

O topônimo "Aracaju" pode ter origem no termo tupi arákaîu, que significa "cajueiro das araras" (ará, arara + akaîu, cajueiro) traduzido diretamente do tupi é cajueiro das araras.[12][13]

Conta-se que antigamente, onde hoje chamamos de Avenida Ivo do Prado, era a Rua da Aurora, rua que serviu de base para que se projetassem todas as outras do centro da cidade, formando um tabuleiro de xadrez, tendo como centro a região onde hoje é a praça Olímpio Campos, ou praça da Catedral. Nessa rua, havia vários cajueiros em toda a sua extensão e alguns papagaios e araras pousavam nos galhos para comer e descansar. Desse fato, temos a visão de onde surgiu o nome Aracaju (ara= arara ; caju= cajueiro).

História[editar | editar código-fonte]

A história da cidade de Aracaju[14] está relacionada à da cidade de São Cristóvão, a antiga capital da Capitania de Sergipe (atual estado de Sergipe). Foi a partir da decisão de mudança da cidade que abrigaria a capital provincial que Aracaju nasceu. Fundada em 1855, foi a segunda capital planejada de um estado brasileiro (a primeira foi Teresina, em 1852)[15][16]. Todas as suas ruas foram projetadas geometricamente, como um tabuleiro de xadrez, para desembocarem no rio Sergipe. Até então, as cidades adaptavam-se às respectivas condições topográficas naturais, estabelecendo uma irregularidade no panorama urbano, exceto as cidades reais fundadas no século XVI por exemplo (geralmente vilas sedes de protetorados privados a exemplo de Olinda), que eram planejadas de modo linear tendo como base uma cruz de acordo com mapas da época. O engenheiro Sebastião José Basílio Pirro contrapôs essa irregularidade e Aracaju foi, no Brasil, um dos primeiros exemplos de tal tendência geométrica.

Período pré-cabralino[editar | editar código-fonte]

Por volta do ano 1000, os índios tapuias que habitavam a região da atual cidade de Aracaju foram expulsos para o interior do continente por povos tupis procedentes da Amazônia. No século XVI, quando chegaram os primeiros europeus à região, a mesma era ocupada por um desses povos tupis: o dos tupinambás[17].

São Cristóvão[editar | editar código-fonte]

No início da colonização portuguesa da região onde hoje se encontram Aracaju e cidades vizinhas, ela estava sob a jurisdição da Capitania da Baía de Todos os Santos, que hoje é o estado da Bahia. A princípio, essa região era território do líder indígena Serigi, que dominava desde as margens do Rio Sergipe até a do Rio Vaza-Barris.

Em 1590, o militar português Cristóvão de Barros atacou as tribos do cacique Serigy e de seu irmão Siriri, derrotando-os. Assim, no dia 1 de janeiro de 1590, Cristóvão de Barros fundou a cidade de São Cristóvão junto à foz do Rio Sergipe e definiu a Capitania de Sergipe, ainda subordinada à Capitania da Baía de Todos os Santos. Mais tarde, a cidade foi transferida para as margens do Rio Poxim e, enfim, para o Rio Paramopama, afluente do Vaza-Barris.

Assim, São Cristóvão tornou-se a capital da província. Diferente do que aconteceu nos outros estados da Região Nordeste, a capital de Sergipe ficava a mais de vinte quilômetros de distância do mar (caso similar ao de João Pessoa, mas esta não perdeu o status de sede com o pretexto da transferência do porto para um município vizinho, apenas houve um decaimento no bairro do porto fluvial; vale lembrar que tanto Filipeia quanto São Cristóvão eram as duas maiores e mais antigas cidades reais de uma vasta área costeira a norte da então capital Salvador). Desta forma, seus portos, por onde passavam navios, ficavam nos rios.

De povoado a capital[editar | editar código-fonte]

Mapa da Barra e do Porto de Aracaju (c. 1894)

As terras onde hoje se encontra Aracaju originaram-se de sesmarias doadas a Pero Gonçalves por volta do ano de 1602. Eram compostas de 160 quilômetros de costa, mas, em todas as margens, não existia nenhuma vila, apenas povoados de pescadores.

No ano de 1699, tem-se notícia de um povoado surgido às margens do Rio Sergipe, próximo à região onde este deságua no mar, com o nome de Santo Antônio de Aracaju. Seu capitão era o indígena João Mulato. Em meados do século seguinte, em 1757, Santo Antônio de Aracaju vivia sem maiores crescimentos e já era incluída como sítio da freguesia de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro do Tomar do Cotinguiba.

Na então capital de Sergipe, São Cristóvão, estava-se tendo dificuldades com relação aos portos. Como a capital ficava no interior do estado, a navegação até os portos era somente fluvial, o que era um inconveniente, uma vez que os maiores navios não tinham passagem por conta da tonelagem, fazendo os portos sergipanos servirem apenas para pequenas embarcações.

A partir de 1854, a praia que hoje se situa no território de Aracaju, perto da foz do Rio Sergipe, despertou grande interesse do governo da província de Sergipe, que transferiu a alfândega e a Mesa de Rendas Provinciais para aquele local e construiu uma Agência do Correio e uma Sub-Delegacia Policial. Além disso, um porto foi construído na praia, denominada "Atalaia".

A província necessitava de um porto de porte maior para seu progresso. No dia 2 de março de 1855, a Assembleia Legislativa da Província abriu sessão em uma das poucas casas existentes na Praia de Atalaia. Nesta sessão, tendo previamente analisado a situação em que se encontrava a província, Inácio Joaquim Barbosa, presidente da Província de Sergipe Del Rey, decidiu transferir a capital de Sergipe, que era São Cristóvão, para a cidade portuária que seria erguida ali. A decisão foi recebida com grande surpresa pelos presentes.

Assim, no dia 17 de março de 1855, Inácio Joaquim Barbosa apresentou o projeto de elevação do povoado de Santo Antônio de Aracaju à categoria de cidade e a transferência da capital da província para esta nova cidade, que foi chamada simplesmente de Aracaju. Foi um dos momentos mais importantes e de maior repercussão da história de Sergipe. A nova localização da capital iria beneficiar o escoamento da produção principalmente açucareira da época, além de representar um local mais adequado para a sede do governo para o desenvolvimento futuro. A cidade de São Cristóvão não se revoltou de forma violenta contra a decisão, tendo apenas feito manifestações de protesto. Dessa forma, Aracaju passou à frente de várias cidades já estruturadas, com melhores condições enquanto desenvolvimento urbano. Cidades como Laranjeiras, Maruim e Itaporanga se apresentavam em condição superior à de Aracaju. Desde então, Inácio Joaquim Barbosa vem sendo considerado o "fundador de Aracaju", tendo atualmente um monumento em sua homenagem na Orla de Atalaia. Por não se ter tido êxito em encontrar nenhum retrato do presidente de Sergipe, o monumento não é uma estátua, mas uma estrutura de aço de 5,5 metros de altura e 2 200 quilogramas.

Vista da cidade de Aracaju (c. 1903)
Delegacia da Receita Federal em Aracaju (c. 1920)

Somente em 1865 a capital se firmou. A partir dessa data ocorre um novo ciclo de desenvolvimento, que dura até os primeiros e agitados anos da proclamação da República. Em 1884, surge a primeira fabrica de tecidos, marcando o início do desenvolvimento industrial. Em junho de 1886, Aracaju tinha 1 484 habitantes e já havia a imprensa oficial e algumas linhas de barco para o interior. Em 1900, inicia-se a pavimentação com pedras regulares e são executadas obras de embelezamento e saneamento. Centro do poder político-administrativo, a Praça do Palácio (atual Praça Fausto Cardoso) foi o ponto de partida para o crescimento da cidade, pois todas as ruas foram ordenadas geometricamente para terminar no Rio Sergipe.

Planejamento urbano[editar | editar código-fonte]

Como Aracaju surgiu com o objetivo de sediar a capital da província de Sergipe del-Rei, que até este momento se localizava na cidade de São Cristóvão, segundo alguns historiadores, o Centro foi idealizada com "planejamento urbano" desde o início, pois as primeiras ruas estão organizadas de forma a lembrar um tabuleiro de xadrez.

O responsável pelo desenho da cidade de Aracaju foi o engenheiro Sebastião José Basílio Pirro. A construção da cidade apresentou algumas dificuldades de engenharia, pois a região continha muitos pântanos, pequenos lagos e mangues.

Apesar de se saber o dia exato de fundação da cidade, não se sabe com certeza qual foi o ponto inicial urbano. É provável que ela tenha sido ocupada a partir da atual Praça General Valadão, onde se situava o porto.

Existe um bairro na cidade chamado América, o nome das ruas dele em grande parte são nomes dos outros países da América, há, também, em Aracaju, ruas que homenageiam os outros estados da federação e há bairros como o Médici e o Castello Branco que fazem homenagem aos generais que comandavam o país na época em que os mesmos foram construídos.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Aracaju vista da cidade Barra dos Coqueiros. O rio Sergipe separa as duas cidades.

De acordo com a divisão regional vigente desde 2017, instituída pelo IBGE,[18] o município pertence às Regiões Geográficas Intermediária e Imediata de Aracaju.[1] Até então, com a vigência das divisões em microrregiões e mesorregiões, fazia parte da microrregião de Aracaju, que por sua vez estava incluída na mesorregião do Leste Sergipano.[19]

O solo da cidade era principalmente composto por areia e em zonas estuarinas (como nos Bairros Salgado Filho, Grageru, São José, Porto Dantas e Coroa do Meio) era uma área de manguezal, constantemente inundada. Hoje, grande parte da área de manguezal está coberta por concreto em diversos pontos da cidade. A vegetação original e o mangue, que ficava principalmente às margens do Rio Sergipe, foram quase completamente soterrados. Na zona norte da cidade estão as áreas mais elevadas, com destaque para o morro do Urubu, que tem altitude máxima aproximada de 100m. Próximo a ele existem diversas colinas que dão uma acidentalidade ao relevo local, a exemplo do que acontece nos bairros Cidade Nova e 18 do Forte. Os prédios baixos facilitam a circulação de ar, ajudando a aliviar as altas temperaturas que afligem a cidade na maior parte do ano. Ao contrário do que acontece nas capitais litorâneas, o adensamento urbano da capital está à margem estuarina do rio Sergipe e ao seus afluentes. À beira-mar, estão os hotéis e casas de veraneio situam-se nos bairros Atalaia, Coroa do Meio e zona de Expansão, mesclando-se com uma crescente urbanização residencial nessas áreas nas últimas duas décadas.

As unidades que compõem o quadro morfológico são os tabuleiros sedimentares e planície flúvio-marinha e planície marinha. Relevo dessecado do tipo colina. Aprofundamento de drenagem muito fraca e extensão de suas formas. Os tabuleiros sedimentares são um conjunto de baixas elevações, com forma de mesa, separadas por vales de fundo chato, onde se desenvolvem amplas várzeas. O relevo plano faz com que seja bastante apropriada a prática do ciclismo, sendo este o meio de transporte incentivado pela Prefeitura. A escolha da bicicleta ajuda a diminuir os congestionamentos e libera o transporte público. Apesar disso, o ciclismo ainda é meio de transporte para as classes mais baixas. Existem algumas grandes ciclovias na cidade. As mais antigas são da avenida Augusto Franco, avenida Beira Mar, e mais recentemente, avenida São Paulo (em direção aos bairros mais periféricos), e da praia de Atalaia.

A cidade tem a leste o Rio Sergipe, onde fica localizada a praia 13 de Julho (mesmo nome do bairro). Atualmente o espaço dispõe de uma orla com diversificadas atividades relacionadas com o lazer. Em seu curso á margem da capital sergipana, o rio é considerado salobre. Nas imediações da foz o rio separa a capital da Ilha de Santa Luzia e deságua na praia da Coroa do Meio, onde também é despejada a maior parte do esgoto doméstico. O abastecimento de água é feito a partir do rio Poxim, que corta a cidade pelos bairros Jabutiana, São Conrado e deságua no rio Sergipe, no bairro 13 de Julho, e do Rio São Francisco através de uma rede de adutoras. Na divisa com a cidade de Nossa Senhora do Socorro existe o Rio do Sal, de onde a prefeitura e particulares retiram água para regar os canteiros públicos e outras tarefas onde não há necessidade de se utilizar água potável.

Clima[editar | editar código-fonte]

Maiores acumulados de precipitação em 24 horas registrados
em Aracaju por meses (INMET, 1931-presente)[20][21]
Mês Acumulado Data Mês Acumulado Data
Janeiro 155,3 mm 25/01/1965 Julho 376,5 mm 24/07/1964
Fevereiro 146,6 mm 28/02/1978 Agosto 77,4 mm 09/08/1996
Março 136,1 mm 31/03/1947 Setembro 91,2 mm 14/09/1965
Abril 156,8 mm 20/04/1981 Outubro 125,4 mm 15/10/1945
Maio 171,6 mm 18/05/1964 Novembro 186,5 mm 28/11/1953
Junho 179,4 mm 27/06/1932 Dezembro 128,7 mm 07/12/1964

O clima é quente e úmido, com período chuvoso de março a agosto. A temperatura média anual é de 26 °C e precipitação média anual de 1 300 milímetros (mm). Os meses mais quentes de Aracaju são: janeiro, fevereiro e março, com temperatura média de 27 °C, sendo que a média das máximas são 29 °C e a das mínimas 24 °C. Já os mais amenos são julho e agosto, com temperatura média de 24 °C, a média das máximas não supera os 28 °C, e à noite a temperatura pode cair para 19 °C. Porém, pode acontecer de a temperatura ficar mais quente no inverno e mais fria no verão, como em 2002.

Em Aracaju os meses mais chuvosos são entre março e julho, pois o vento forte devido às temperaturas mais baixas no Sul e Sudeste do país nesses meses trazem várias nuvens carregadas. Nesse período, a quantidade média de chuva supera os 150 mm por mês. Entre esses meses, o mais chuvoso é o maio, cuja média é de aproximadamente 240 mm. Nos meses mais secos, entre setembro e fevereiro, o vento fica mais fraco, só conseguindo trazer nuvens leves, então chove menos. A média de chuvas entre esses meses é de aproximadamente entre 20 mm e 60 mm.

Segundo dados do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), desde 1931 a menor temperatura registrada em Aracaju foi de 14,6 °C em 30 de agosto de 1966 e a maior atingiu 34,3 °C em 26 de março de 1974.[20][22] O maior acumulado de precipitação em 24 horas foi de 376,5 mm em 24 de julho de 1964. Outros grandes acumulados iguais ou superiores a 150 mm foram: 221,4 mm em 25 de julho de 1964, 186,5 mm em 28 de novembro de 1953, 179,4 mm em 27 de junho de 1932, 171,6 mm em 18 de maio de 1964, 157 mm nos dias 16 de maio de 1999 e 25 de maio de 2011, 156,8 mm em 20 de abril de 1981, 155,3 mm em 25 de janeiro de 1965, 153,6 mm em 16 de abril de 1966 e 150,2 mm em 12 de maio de 1962.[20][21] Em um mês o recorde é de 968,7 mm em abril de 1964.[23]

Dados climatológicos para Aracaju
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima recorde (°C) 34,2 33,9 34,3 33,7 32,3 31,9 30,1 30 30,6 32,5 32,6 33,8 34,3
Temperatura máxima média (°C) 30,3 30,6 30,8 30,3 29,4 28,4 27,7 27,6 28,1 29 29,7 30,1 29,3
Temperatura média compensada (°C) 27,2 27,5 27,6 27,2 26,3 25,4 24,7 24,8 25,3 26,1 26,6 27 26,3
Temperatura mínima média (°C) 23,7 24 23,9 23,6 22,9 22,1 21,7 21,8 22,5 23 23,4 23,7 23
Temperatura mínima recorde (°C) 18,4 18,8 19,5 18,6 17,8 17,3 16,4 14,6 17,1 17 16,6 16 14,6
Precipitação (mm) 51,9 71,7 87,6 174,2 241,8 207,2 157,6 107,5 64,9 60,7 47,1 28 1 300,2
Dias com precipitação (≥ 1 mm) 6 7 10 14 17 18 19 16 11 6 6 4 134
Umidade relativa compensada (%) 76,7 76,3 76,5 77,6 79,1 79,2 78,8 77,9 77,3 77,2 77,9 77,3 77,7
Horas de sol 278,3 243 246 217,6 204,2 177,4 189,6 206 234,8 275,3 272,5 283,6 2 828,3
Fonte: Instituto Nacional de Meteorologia (INMET) (normal climatológica de 1981-2010;[24] recordes de temperatura: 1931-presente)[20][22]

Demografia[editar | editar código-fonte]

Crescimento populacional
Censo Pop.
18729 559
189016 63674,0%
190021 13227,0%
192037 74078,6%
194059 03156,4%
195078 36432,8%
1960115 71347,7%
1970183 67058,7%
1980293 11959,6%
1991402 34137,3%
2000461 53414,7%
2010570 93723,7%
Fonte: IBGE[25]

Contando com mais de 570.000 habitantes, segundo o Censo 2010 do IBGE, distribuídos em 181,8 km², Aracaju tem uma grande densidade demográfica, mais de 3.100 hab/km². A cidade cresceu muito desde 1960, como outras cidades brasileiras. Na época possuía 115.713. Passou a 183.670 em 1970, 293.100 em 1980 e 402.341 em 1991, tendo registrado na década de 1980 crescimento geométrico de quase 5%. O Coeficiente de Gini é de 0,47 com limite inferior e superior respectivamente entre 0,45 e 0,50.[8]

Tratando-se de religião, a grande parte da população de Aracaju pratica o Cristianismo, Tendo destaque a denominação Católica sendo esta a religião predominante no estado, onde esta é administrada pela Arquidiocese de Aracaju e pelas Diocese de Estância e Propriá. A Igreja Católica atua no Estado em diversas áreas algumas delas são as áreas educacionais, socioculturais e religiosas. De acordo com os dados do Novo Mapa das Religiões, feito pela Fundação Getúlio Vargas com dados de 2009 da Pesquisa de Orçamento Familiar, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 72,26% da população de Aracaju se identifica como católica, 4,18% como evangélica pentecostal, 9,23% pertencem a outras denominações evangélicas, 7,64% não possuem religião (podendo ser ateus, agnósticos, deístas), 3,25% são espíritas, 0,11% seguem religiões afro-brasileira e 3,09% pertencem a outros grupos.

PNUD (2010)
IDH 1991 2000 2010
Renda 0,703 0,752
Longevidade 0,666 0,729
Educação 0,832 0,901
Total 0,734 0,770[1]

Política[editar | editar código-fonte]

O palácio Ignácio Barbosa foi sede da prefeitura de Aracaju até 2005.

O poder executivo do município de Aracaju tem como chefe o prefeito, que escolhe seu gabinete de secretários, seguindo o modelo proposto pela Constituição Federal.[26] O atual prefeito da cidade é Edvaldo Nogueira, do Partido Democrático Trabalhista (PDT). Prefeito da capital sergipana de 2006 a 2012, Edvaldo Nogueira volta ao cargo após vencer as eleições municipais de 2016 sendo eleito no segundo turno com 146.271 votos, o que correspondeu a 52,11% dos votos válidos.[27] A sede da prefeitura ficava no Palácio Ignácio Barbosa, prédio histórico inaugurado em 1923 e situado na praça Olímpio Campos, no Centro da cidade, mas desde 2005 a sede do poder executivo está situada no prédio do antigo CESEC do Banco do Brasil no Conjunto Costa e Silva, zona oeste, que foi reformada, modernizada e ampliada, sendo denominado "Complexo Administrativo Prefeito José Aloísio de Campos" incluindo diversas secretarias.

No âmbito do judiciário, a Comarca de Aracaju, instalada em 5 de janeiro de 1893, possui diversas varas cíveis e criminais.[28] A cidade tem o maior eleitorado de Sergipe, com 378 146 eleitores divididos em quatro zonas (1º, 2º, 27º e 36º) e 974 seções eleitorais, segundo dados de 2010.[29][30] De acordo com a legislação brasileira, por ter mais de 200 mil eleitores, pode haver segundo turno na eleição para prefeito de Aracaju caso o primeiro colocado não atinja a maioria dos votos válidos.[31]

Câmara Municipal de Aracaju

O poder legislativo é constituído pela câmara municipal, atualmente composta por 24 vereadores eleitos para mandatos de quatro anos, cabendo a eles o papel de fiscalizar e assessorar o executivo, além de elaborar leis sobre todos os temas de competência do município.[26][32]. A Câmara de vereadores de Aracaju até hoje não tem sede própria. Ocupa há três décadas o Palácio Maurício Graccho Cardoso, antiga Biblioteca Pública Estadual. A câmara dispõe de um terreno no Centro Administrativo Governador Augusto Franco, no bairro Capucho (Aracaju), mas em 2010 o então presidente Emanuel Nascimento, do Partido dos Trabalhadores, afirmou que o legislativo municipal não dispõe de recursos para instalar sua nova sede,[33] Em 2013 o presidente da Câmara, Vereador Vinícius Porto, do DEM, anunciou que a sede própria será construída no bairro Coroa do Meio.[34] mas a ideia não foi adiante.[35]

Cidades irmãs[editar | editar código-fonte]

A política das cidades-irmãs tem como objetivo a criação de relações e protocolos intencionais, notadamente na esfera econômica e cultural, aonde cidades estabelecem entre si laços de cooperação.[36]

Subdivisões[editar | editar código-fonte]

O município de Aracaju é atualmente constituído por apenas um distrito sede.[38]

Bairros de Aracaju
Aracaju Bairros Numerados.png # Bairro # Bairro # Bairro
1 Centro 14 Novo Paraíso 27 Ponto Novo
2 Getúlio Vargas 15 América 28 Luzia
3 Cirurgia 16 Siqueira Campos 29 Grageru
4 Pereira Lobo 17 Soledade 30 Jardins
5 Suíssa 18 Lamarão 31 Inácio Barbosa
6 Salgado Filho 19 Cidade Nova 32 São Conrado
7 13 de Julho 20 Japãozinho 33 Farolândia
8 Dezoito do Forte 21 Porto Dantas 34 Coroa do Meio
9 Palestina 22 Bugio 35 Aeroporto
10 Santo Antônio 23 Jardim Centenário 36 Atalaia
11 Industrial 24 Olaria 37 Santa Maria
12 Santos Dumont 25 Capucho 38 Zona de Expansão
13 José Conrado de Araújo 26 Jabotiana 39 São José
Fonte: Mapa Municipal Oficial[39]

Erroneamente alguns conjuntos habitacionais de Aracaju são denominados de bairros, dada a grande dimensão territorial. Exemplos: Augusto Franco (na Farolândia) , Sol Nascente, JK e Santa Lúcia (na Jabotiana) , Dom Pedro e Agamenon Magalhães (José Conrado).

Economia[editar | editar código-fonte]

Atividades econômicas em Aracaju - (2012)[40]

O produto interno bruto de Aracaju foi de 6 940 000 000 de reais em 2008, a preços correntes de mercado. Os serviços, a indústria e a exploração petrolífera são a base da economia aracajuana. Aracaju possui um centro comercial com grandes lojas, tais como C&A, Lojas Riachuelo, Lojas Renner, Lojas Americanas, Ricardo Eletro, Magazine Luiza, Casas Bahia, Centauro e as redes de supermercado Gbarbosa, Bompreço, BIG Bompreço, Atacadão, Extra, Mercantil Rodrigues, Pão de Açúcar, Sams Club dentre outros. Outro ponto comercial, mas também turístico no Centro da capital são os mercados municipais[41] Albano Franco, Antônio Franco e Thales Ferraz, os quais vendem produtos artesanais, vestuário, ervas medicinais, comidas típicas e hortifrutigranjeiros. Está em construção um mercado popular de eletrônicos (tipicamente fomentadores das internacionalmente conhecidas China Town) em localização privilegiada da cidade, ao lado do terminal de ônibus do Mercado Albano Franco.

Centro de Aracaju
RioMar Shopping, primeiro shopping da cidade.

A cidade possui um dos modernos centros operacionais de tecnologia da informação da empresa multinacional Politec e conta atualmente com três shoppings-centers construídos e dois em fase de construção. O primeiro shopping construído na cidade foi o RioMar Shopping. Inaugurado em 1989, passou por expansões em 2008, 2011 e 2017. O shopping está localizado no bairro Coroa do Meio que fica às margens do Rio Sergipe. O empreendimento é ligado ao continente pela ponte Godofredo Diniz a qual dá acesso à Avenida Beira Mar no bairro 13 de Julho, uma das áreas mais nobres de capital.

O posterior centro comercial privado construído foi o Shopping Jardins. Inaugurado em 1997, passou por expansões em 1998, 2004 e em 2006. O shopping está localizado no bairro de mesmo nome e foi responsável pelo crescimento e valorização da localidade em seu entorno, com o surgimento de diversos prédios residenciais. Esta localizado também nos arredores do Parque da Sementeira. O terceiro shopping foi inaugurado em 2019 no Bairro Industrial. Trata-se do Aracaju Parque Shopping, primeiro shopping da zona norte da cidade. Abriga uma vista privilegiada por estar às margens do Rio Sergipe, muito próximo do centro histórico e comercial da capital mas também das cidades de Barra dos Coqueiros (pela Ponte João Alves, via de ligação entre Aracaju a esta cidade conurbada) e Nossa Senhora do Socorro.

Além do Centro e dos shoppings nos bairros Jardins, Coroa do Meio e Industrial, merece destaque o ramo do comércio nos bairros Siqueira Campos e Santos Dumont, voltados ao comércio popular e o badalado bairro 13 de Julho, onde predominam variadas lojas, tais como boutiques e delicatessens voltadas a pessoas de maior renda. Desde a década de 2000 o bairro Jabotiana vem passando por uma rápida expansão residencial e consequentemente comercial. Duas redes de supermercado foram instaladas e surgiu um novo subcentro de comércio e serviços na Avenida Farmacêutica Cezartina Régis, entre os conjuntos Sol Nascente e JK. Nessa avenida e em seu entorno há atualmente uma concentração de farmácias, academias de ginástica, mercearias, "pet shops" e sobretudo uma variada rede gastronômica de bares e restaurantes que tem trazido ao bairro uma agitação noturna que começa a ser comparada com outros espaços da capital tais como a Atalaia e o Inácio Barbosa.

A região do bairro Atalaia é comparativamente um dos mais carentes de serviços dadas a distância do principal centro comercial da cidade. No entanto, o comércio tem crescido vertiginosamente de olho no crescimento turístico da cidade bem como de novos condomínios residenciais habitados principalmente por moradores provenientes de outras localidades que priorizam a comodidade de morar na enseada de praias da região. Este vácuo de investimentos é o que tem financiado, por sua vez, a rápida expansão do comércio especificamente na região da Orla de Atalaia e, em particular, com a chegada das mais variadas redes de franquias low cost na região tais como a rede de hotéis Ibis Budget, de alimentação Subway e McDonalds mas também de academias Smart Fit que encontra-se em fase de implementação. Este fenômeno potencial tem propiciado a maior integração física desta área turística e de nova ocupação dos habitantes da cidade com as regiões tradicionalmente mais comerciais, já que também a área central da Orla de Atalaia (conhecida como os Arcos da Orla de Atalaia) encontra-se estrategicamente localizada a 3,5 quilômetros do Aeroporto de Aracaju, ponto de grande interesse em acesso da maioria dos visitantes da cidade.

Shopping Jardins

Turismo[editar | editar código-fonte]

A Orla de Atalaia é um dos principais cartões postais da cidade[42]. Possui 6 km de extensão e está situada a 9 km do centro da cidade. A maioria dos principais hotéis e restaurantes da cidade localizam-se muito próximos ou, na maioria das vezes, são integrados à orla. Boa parte dos restaurantes com pratos típicos da região ficam localizados na região do corredor denominado Passarela do Caranguejo, o qual possui um monumento em forma de 'Caranguejo Gigante' a céu aberto onde se pode tomar uma bela foto da praia e do crustáceo que tanto caracteriza a culinária local.

Além da praia[43], com sua ampla faixa de areia até o mar, a Orla de Atalaia possui em sua estrutura alguns lagos artificiais, pista de cooper e regiões com fontes de água com iluminação e sonoridade especiais. Além disso, apresenta diversas áreas de lazer, tais como quadras poliesportivas, clube de tênis, kartódromo e rampas de skate e patins espalhadas por toda sua extensão. Tradicionalmente nos finais de semana ocorrem diversos eventos culturais, tais como por exemplo o popular 'Som de Calçada' que agita a juventude local na área conhecida pelos locais como 'Calçadão da Cinelândia'.

Em critérios de esculturas a céu aberto, a região da Orla apresenta o Monumento aos Formadores de Nacionalidade, que foi construído para homenagear personalidades da história brasileira. As estátuas de bronze representam, dentre outras personalidades: Joaquim José da Silva Xavier, Zumbi dos Palmares, Dom Pedro II, José Bonifácio de Andrade e Silva, Joaquim Nabuco, Princesa Isabel, Duque de Caxias, Barão do Rio Branco, Getúlio Vargas, Juscelino Kubitschek.

Por fim, e não menos importante, é na imponente Orla de Atalaia que localiza-se o Oceanário de Aracaju. Sob uma vista aérea, a estrutura possui formato de tartaruga e internamente abriga não só a querida tartaruga mas também diversos outros animais marinhos em 20 aquários e tanques. Essa construção, tal como o pórtico escultural em sua entrada[44], são uma maravilhosa homenagem a estes animais que habitam a costa sergipana.

Estrutura urbana[editar | editar código-fonte]

Saúde[editar | editar código-fonte]

Hospital Cirurgia de Aracaju

A saúde em Aracaju é administrada pela Secretaria Municipal de Saúde, que planeja e executa as ações na área, de acordo com os princípios do Sistema Único de Saúde.[45] Existem quatro estabelecimentos de saúde públicos com internação e dezesseis estabelecimentos de saúde privados com internação. São 2 491 leitos, sendo 2 053 disponíveis ao Sistema Único de Saúde (2002, IBGE). A cidade conta com 43 unidades de saúde da família do PSF.[46] A expectativa de vida é de 74,3 anos [2] (IBGE, Censo 2010) e 16,73% em cada mil crianças nascidas vivas morrem antes de um ano de idade [3] (IBGE, 2010). Aracaju é a capital brasileira com menor índice de fumantes do país, apenas 8% dos moradores da cidade tem esse vício.[47]

IBGE (2011)
Serviço Domicílios (%)
Abastecimeno de água 99,1%[48]
Coleta de lixo 96,1%[4]
Saneamento Básico 35%[49]

Segurança pública[editar | editar código-fonte]

No quesito violência urbana, figura no ranking das 50 cidades mais violentas, segundo pesquisa[50] publicada no início de 2016 pela ONG mexicana "Securidad, Justicia Y Paz"[51], posicionando-se no 38° lugar. Outra pesquisa, de agosto de 2016, realizada pela FLACSO (Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais) - "Mapa da Violência 2016" - aponta Aracaju como a sexta capital mais violenta do País[52][53]. (No ranking de capitais brasileiras, as seis primeiras colocadas também são da região Nordeste.[54])

Transportes[editar | editar código-fonte]

Avenida Hermes Fontes
Teleférico no Zoológico de Aracaju (Parque José Rollemberg Leite)
Terminal de passageiros do Aeroporto de Aracaju
Terminal Rodoviário Governador José Rollemberg Leite
Ônibus da Viação Modelo em Aracaju

A cidade é servida pelas rodovias federais BR-101 e BR-235, além de várias rodovias estaduais. A Ponte Aracaju-Barra dos Coqueiros (Ponte Construtor João Alves) liga a capital Aracaju ao município de Barra dos Coqueiros, cidades do litoral de Sergipe. Aracaju encontrava-se separada de sua vizinha Barra dos Coqueiros pelo Rio Sergipe. Foi inaugurada no dia 24 de setembro de 2006. Seu propósito é aproximar a capital Aracaju ao porto do estado, à beira do oceano Atlântico, dentro do município vizinho da Barra dos Coqueiros. Com a obra, o litoral norte do Estado, que vai da foz do Rio Sergipe até à foz do Rio São Francisco está mais acessível ao turismo em Aracaju.

Aracaju possui dois terminais rodoviários. O Terminal Rodoviário de Aracaju, oficialmente Terminal Rodoviário José Rollemberg Leite[55], está localizado às margens da Avenida Tancredo Neves, na entrada da cidade para quem vem da BR-101. A Rodoviária Nova, como é mais conhecida, recebe ônibus de viações estaduais, regionais e nacionais. Pode-se ir e vir de muitas cidades de Sergipe, diversas cidades da região nordeste, além dos mais variados estados do Brasil. Cerca de quinze empresas operam com transporte interestadual em Aracaju. Do fluxo total de passageiros no terminal José Rollemberg Leite, 16% são de viajantes de outros estados. O Terminal Rodoviário Luiz Garcia [56], mais conhecida como Rodoviária Velha, está localizada no Centro da capital. Foi inaugurada em 1962 e em 1978 deixou de receber ônibus interestaduais com a inauguração da Rodoviária Nova. De 1978 até 1994 operou apenas com linhas da Região Metropolitana de Aracaju e em 1995, com a entrada do sistema de transporte alternativo de cooperativas, retomou operações para todo o estado de Sergipe. As empresas que atuam nesse terminal são: Coopertalse, Coopetaju e Via Norte.

O transporte público na cidade é feito por ônibus, através de três grupos concessionários Grupo Progresso(Viação Progresso, Transporte Tropical, AVP- Auto Viação Paraíso), Grupo Fretcar (Viação Halley, Viação Modelo e Capital Transportes) e Grupo Itamaracá em sociedade com o Grupo Parvi (Viação Atalaia)[57], cujos ônibus interligam os municípios da Região Metropolitana: Aracaju, Nossa Senhora do Socorro, São Cristóvão e Barra dos Coqueiros. Estes serviços são oferecidos pelo Sistema Integrado Metropolitano e pelo Sistema Integrado de Transportes.[58]

O Aeroporto Internacional de Aracaju possui 24 voos diários provenientes das mais variadas localidades. Os destinos diretos diários (sem escala/conexão) são: Brasília(BSB), Recife(REC), Rio de Janeiro(GIG), São Paulo(CGH/GRU) e Salvador(SSA).

Aracaju não possui perspectiva de implementar metrô nem linhas de trem de passageiros. No entanto, apesar de entrevista realizada pela imprensa local no ano de 2010 onde o ex-prefeito Edvaldo Nogueira propôs a implantação do VLT, após alguns anos (em 2016) o mesmo político se retratou do que já se ambicionara um dia.[59][60] Na realidade aracajuana é sabido que a medida de melhoria do transporte público visa não somente desafogar o trânsito e utilizar as antigas linhas férreas obsoletas da antiga RFFSA que estão em desuso por todo estado de Sergipe mas também possibilitaria a melhoria da mobilidade urbana e a integração com outras cidades históricas da região metropolitana e com grande valor turístico pelas quais as linhas passam, tais como São Cristóvão, Riachuelo, Itaporanga d'Ajuda, Laranjeiras, e que também possuem como demanda pública trabalhadores em geral e estudantes. Esse projeto certamente ocasionaria maior eficiência econômica ao integrar e facilitar o deslocamento urbano à região metropolitana da capital aracajuana.[61]

A bicicleta tem uma crescente importância e é usada principalmente pelas classes populares como transporte diário. Apesar de ser um dos meios de transporte mais importantes numa cidade com fácil deslocamento por ser em grande parte plana, as reformas e manutenção das ciclovias são praticamente inexistentes há anos, e a maioria das ciclovias possui piso deteriorado, obstáculos, interrupções na malha cicloviária e falta de sinalização, entre tantos outros problemas. [62] O índice de ciclabilidade na capital sergipana é de 1,3, considerado crítico numa escala que varia de 0 (insuficiente) a 4 pontos (muito bom), segundo pesquisa da dissertação do mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente da Universidade Federal de Sergipe realizado pelo diretor de Pesquisas da ONG Ciclo urbano, Waldson Costa. [63] [64] Alguns anos atrás foi construída uma ciclovia ao longo da Avenida São Paulo, dando continuidade à da Avenida Rio de Janeiro, e atualmente sendo expandida para outros locais, como o Conjunto Orlando Dantas e a Avenida Beira-mar, às margens do rio Sergipe. Atualmente, a cidade tem 65 quilômetros de ciclovias. [62]

Atravessada por quatro rios, o transporte hidroviário foi muito importante nos primórdios de Aracaju, que tinha linhas regulares para Santo Amaro, Maruim, São Cristóvão e Itaporanga D'Ajuda. Na década de 1970 foi inaugurado no Centro o Terminal Hidroviário Jackson de Figueiredo. Até o ano de 2006 existiam duas linhas oficiais: uma para a Barra dos Coqueiros e outra para a Atalaia Nova, ambas via Rio Sergipe. Com a inauguração da ponte Construtor João Alves a concessão das linhas à empresa H. Dantas foi suspensa e o modal ônibus passou a atuar. Sendo um transporte mais barato, era possível mantê-lo para beneficiar a população e dar pluralidade das opções modais semelhante ao que acontece entre Rio de Janeiro, Niterói e outras cidades que são atendidas por lanchas e ônibus próximas à capital fluminense. A prova da popularidade do transporte fluvial pelo Rio Sergipe é que as pequenas canoas fechadas motorizadas, popularmente chamadas de "tó-tó-tó", continuam funcionando pela metade do preço da passagem de ônibus, ligando do antigo hidroviário da Barra dos Coqueiros até o atracadouro do Mercado Municipal, em Aracaju. O porto de Sergipe, Terminal Marítimo Inácio Barbosa - TMIB, localizado no município de Barra dos Coqueiros, na região metropolitana de Aracaju e distante 15 km da capital, está apto a receber embarcações de grande porte. Conta com terminal de passageiros, servindo de principal via de entrada marítima no Estado. Atualmente, passa por processo de revitalização e ampliação de sua capacidade.[65][66]

Visão panorâmica da Ponte Aracaju-Barra dos Coqueiros

Cultura[editar | editar código-fonte]

Festas populares[editar | editar código-fonte]

Vista da Avenida Beira Mar no segundo dia do Pré-Caju de 2010

O carnaval de Aracaju passou por um período de estagnação na década de 1990 com o fim dos bailes de clubes como o Iate Clube, Associação Atlética, Cotinguiba e Vasco e dos desfiles de escolas de samba que ocorriam na Avenida Barão de Maruim. Também nessa década foi extinto o grito de carnaval que ocorria na Praça Fausto Cardoso, chamado de "Clube do Povo". Antes, na década de 1980 os blocos de rua estavam praticamente extintos. Em paralelo à decadência do carnaval na capital surge o Pré-Caju, evento pré-carnavalesco inspirado no Carnaval de Salvador realizado pelo empresário Fabiano Oliveira através da Associação Sergipana de Blocos e Trios, num percurso que ficou conhecido como "Corredor da Folia" que no início chegou a ter aproximadamente mais de 5 km entre sua concentração na Praça da Bandeira com destino até Ponte Godofredo Diniz, localizada no bairro Coroa do Meio ao percorrer-se toda a Avenida Beira-Mar pela zona nobre do bairro 13 de Julho, na zona sul da capital. Em duas ocasiões os festejos foram experimentalmente realizados na área dos Mercados Municipais. De 1992 a 2014, expoentes do Axé Music fizeram dessa festa a maior prévia de momo, firmando-se no calendário nacional turístico ao divulgar a capital sergipana. Em novembro de 2014 os organizadores do evento, alegando falta de patrocínio e em meio a denúncias do TCU de não prestação de contas de verbas oriundas do Ministério do Turismo, declaram o fim do Pré-Caju e a realização a partir de 2015 de um evento em local fechado no bairro Coroa do Meio, o Fest Verão Sergipe. A partir de 2005, o carnaval de rua em Aracaju, seguindo uma tendência nacional, vai sendo resgatado aos poucos e atualmente grandes blocos desfilam pelas ruas da cidade, sobretudo na região central, a exemplo do Rasgadinho e do Carro Quebrado, tocando principalmente frevos e marchinhas.

No mês de junho a Capital sergipana vira um verdadeiro arraial na Vila do forró, na Orla de Atalaia, e no Forró Caju, na praça dos mercados municipais, com grandes nomes do forró: Elba Ramalho, Wesley Safadão, Zé Ramalho, Calcinha Preta, Aviões do Forró, Banda Calypso, Desejo de Menina e outros. Também nessa época, centenas de Quadrilhas Juninas se apresentam por toda a cidade, desde escolas, marcando o término do primeiro semestre letivo até as competições oficiais que levam as vencedoras a participarem de competições regionais e nacionais. Algumas quadrilhas juninas de Aracaju estão entre as melhores do país, a exemplo da Unidos em Asa Branca, Século XX, Xodó da Maranhão e Maracangalha. Mas o São João em Aracaju é sobretudo uma tradição familiar. Em muitas ruas de diversos bairros e classes sociais da capital sergipana é comum ver arraiais montados pela própria comunidade ou festas familiares nas residências onde há muito forró e alegria, repleto de bebidas e comidas típicas como milho, pamonha, pé-de-moleque, canjica, caruru, amendoim, bolos diversos, etc.

Esportes[editar | editar código-fonte]

A cidade conta com três estádios de futebol aptos a receber partidas profissionais: João Hora, Sabino Ribeiro e Lourival Baptista, conhecido como "Batistão". Este último tem capacidade para 15.595 pessoas e recebe as principais partidas no estado. O confronto Sergipe x Confiança é o maior clássico do futebol sergipano.[67] A cidade possui atualmente cinco clubes profissionais de futebol em atividade: Associação Desportiva Confiança; Club Sportivo Sergipe;[68] Cotinguiba Esporte Clube; Vasco Esporte Clube; e Aracaju Futebol Clube.

Para a Copa do Mundo de 2014 a cidade fincou sua marca ao ser selecionada como Centro de Treinamento para a seleção da Grécia.[69][70][71][72] Estabeleceu-se, desse modo, o fortalecimento do vínculo entre dois povos que têm por tradição a simplicidade e o grande acolhimento aos seus visitantes. Laço cordial este que rendeu frutos no apoio da torcida local com presságios concretizados de sucesso e superação na disputa do Mundial.[73][74][75]

Já nos Jogos Olímpicos Rio 2016 a receptividade de ambientação também decorreu de múltiplas formas. Se por um lado a delegação de futebol do Japão teve seu acesso exclusivo à Arena Batistão para seus treinos, por outro as demais delegações concentraram suas equipes e atletas das modalidades de ginástica artística e natação no ginásio Constâncio Vieira e no parque aquático Zé Peixe, respectivamente[76]. De modo a fortalecer laços entre diversos povos, a riqueza de receptividade do povo aracajuano tem sido catalisadora do intenso processo de internacionalização recente pela qual as instituições locais passam.[77] Ídolos mundiais e campeões olímpicos ucrânianos como Andriy Govorov[78] e bielo-russos tais como Vitaly Scherbo, Inna Zhukova e Yulia Raskin foram presenças certas para admiração e deleite da população local. Sob uma perspectiva das seleções brasileiras em suas diversas modalidades olímpicas, a cidade apresenta-se como centro de treinamento da Seleção Brasileira de Ginástica Rítmica, cuja base nacional tem se estabelecido tradicionalmente na cidade.[79]

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. IDH de nível alto, comparável ao da Maurícia (63º do mundo).
  2. Para o ensino superior, os dados são de 2003.
  3. Esperança de vida comparável à Arábia Saudita (97ª do mundo)
  4. Mortalidade infantil comparável à República da Macedônia (73ª menos elevada).
  5. Somente domicílios urbanos.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2017). «Base de dados por municípios das Regiões Geográficas Imediatas e Intermediárias do Brasil». Consultado em 10 de fevereiro de 2018 
  2. Atlas Geográfico do Brasil. «Capitais dos estados». Consultado em 1 de janeiro de 2011. Cópia arquivada em 10 de fevereiro de 2018 
  3. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (15 de janeiro de 2013). «Áreas dos Municípios». Consultado em 7 de setembro de 2014. Cópia arquivada em 10 de fevereiro de 2018 
  4. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (29 de agosto de 2018). «Estimativas da população residente no Brasil e unidades da federação com data de referência em 1º de julho de 2018». Consultado em 29 de agosto de 2018 
  5. Atlas do Desenvolvimento Humano (29 de julho de 2013). «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil» (PDF). Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). Consultado em 9 de agosto de 2013. Cópia arquivada (PDF) em 8 de julho de 2014 
  6. a b Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2018). «Produto Interno Bruto dos Municípios - 2016». Consultado em 8 de março de 2019. Cópia arquivada em 10 de fevereiro de 2018 
  7. Conferência Nacional dos Bispos do Brasil Regional Nordeste 3 (10 de dezembro de 2015). «Festa de Nossa Senhora da Conceição reúne milhares de fiéis em Aracaju». Consultado em 10 de fevereiro de 2018. Cópia arquivada em 10 de fevereiro de 2018 
  8. a b http://www.ibge.gov.br/cidadesat/link.php?uf=se
  9. «Aracaju é a segunda capital do país com menor índice de fumantes». blogdomax.net. Consultado em 19 de abril de 2019 
  10. «Aracaju é apontada como um dos melhores destinos custo-benefício do Brasil.A lista foi elaborada com base em um algoritmo que leva em consideração o THPI e o Ranking de Reputação das Acomodações.». ASN. Consultado em 29 de Janeiro de 2014 
  11. «PSB Alavancou o turismo sergipano, diz vereador.». FaxAju. Consultado em 27 de abril de 2014 
  12. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 543.
  13. FERREIRA, A. B. H. Novo dicionário da língua portuguesa. 2ª edição. Rio de Janeiro. Nova Fronteira. 1986. p. 152.
  14. «História de Aracaju - Conheça a história da belíssima cidade de Aracaju.». Sergipe Turismo 
  15. Estadão. «Uma capital da paz no nordeste». Consultado em 9 de abril de 2011 
  16. Mundo Educação. «Tipos de cidades». Consultado em 9 de abril de 2011 
  17. BUENO, E. Brasil: uma história. 2ª edição. São Paulo. Ática. 2003. p. 19.
  18. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2017). «Divisão Regional do Brasil». Consultado em 10 de fevereiro de 2018. Cópia arquivada em 10 de fevereiro de 2018 
  19. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2016). «Divisão Territorial Brasileira 2016». Consultado em 10 de fevereiro de 2018 
  20. a b c d Instituto Nacional de Meteorologia (INMET) (1979). «Normais Climatológicas do Brasil (1931-1960)» 2 ed. Rio de Janeiro. Consultado em 23 de julho de 2020 
  21. a b INMET. «BDMEP - série histórica - dados diários - precipitação (mm) - Aracaju». Consultado em 3 de abril de 2014 
  22. a b INMET. «BDMEP - série histórica - dados diários - temperatura máxima (°C), temperatura mínima (°C) - Aracaju». Consultado em 3 de abril de 2014 
  23. INMET. «BDMEP - série histórica - dados mensais - precipitação total (mm) - Aracaju». Consultado em 3 de abril de 2014 
  24. INMET. «NORMAIS CLIMATOLÓGICAS DO BRASIL». Consultado em 24 de março de 2018 
  25. «Clima quente durante todo o ano». Consultado em 22 de novembro de 2011. Cópia arquivada em 22 de novembro de 2011 
  26. a b «O Brasil - Estrutura - Poder executivo» (PDF). Governo Federal. Consultado em 16 de outubro de 2011 
  27. http://www.infonet.com.br/eleicoes/2012/apuracao/1turno/31054/index.htm
  28. «História da Comarca de Aracaju». Tribunal de Justiça de Sergipe. Consultado em 13 de fevereiro de 2011 
  29. «Política - Eleições 2010 - Eleitorado». Infonet. Consultado em 16 de outubro de 2011. Arquivado do original em 4 de novembro de 2010 
  30. «Eleições 2010 - Apuração Aracaju». Infonet. Consultado em 16 de outubro de 2011 
  31. «Municipios onde pode haver segundo turno». Eleições 2008 - Guia do Eleitor. UOL. Consultado em 16 de outubro de 2011 
  32. «Câmara de Aracaju - Legislatura Atual». Câmara Municipal de Aracaju. Consultado em 16 de outubro de 2011 
  33. http://www.infonet.com.br/politicaeeconomia/ler.asp?id=95468
  34. http://www.infonet.com.br/politica/ler.asp?id=148413&titulo=noticias
  35. http://www.aracaju.se.gov.br/index.php?act=leitura&codigo=66344
  36. «Acordos de Germinação». Camara Municipal de Aracaju. Consultado em 18 de setembro de 2013. Arquivado do original em 18 de julho de 2013 
  37. «Lei declara Itabuna cidade-irmã de Aracaju». Consultado em 19 de abril de 2019 
  38. IBGE. «Aracaju - Histórico - Formação adminsitrativa» 
  39. «Aracaju: Mapa Municipal Oficial» (PDF). Prefeitura Municipal de Aracaju. Consultado em 26 de fevereiro de 2011. Cópia arquivada em 24 de novembro de 2011 
  40. «Atividades econômicas em Aracaju (2012)». Plataforma DataViva. Consultado em 13 de janeiro de 2014 
  41. http://viagem.uol.com.br/guia/cidade/aracaju---construcoes-historicas.jhtm
  42. «Pontos Turísticos de Aracaju - Conheça as melhores opções em Aracaju.». Sergipe Turismo 
  43. «Praias de Aracaju -». Sergipe Turismo 
  44. «Orla de Atalaia ganha nova atração turística.Tartaruga marinha tem quatro metros de altura e é resultado do trabalho do artesão Eduardo Rodrigues.». GE Sergipe. 16 de junho de 2016. Consultado em 1 de julho de 2016 
  45. «SMS - Apresentação». Prefeitura Municipal de Aracaju 
  46. «Unidades de Saúde». Prefeitura Municipal de Aracaju. Consultado em 12 de outubro de 2009 
  47. «Aracaju é a capital com menor índice de fumantes». Emsergipe.com 
  48. «Ranking do Saneamento - As 100 maiores cidades do Brasil (SNIS 2011)» (PDF). Trata Brasil. Consultado em 22 de janeiro de 2014 
  49. «Saneamento Básico». Trata Brasil. Consultado em 29 de janeiro de 2011 
  50. «Brasil tem 21 cidades em ranking das 50 mais violentas do mundo; veja lista». Mundo. 25 de janeiro de 2016 
  51. «Biblioteca - Seguridad, Justicia y Paz». Seguridad, Justicia y Paz. Consultado em 5 de novembro de 2016 
  52. «Aracaju é a 10ª capital mais violenta do país, aponta estudo». Sergipe Notícias. Consultado em 5 de novembro de 2016 
  53. multiagência, 2i9 (25 de agosto de 2016). «Pesquisa aponta Aracaju como sexta cidade mais violenta do país». A8SE - Brasil 
  54. «2/3 das cidades mais violentas são do Nordeste, aponta 'Mapa da Violência' - Instituto Millenium». www.institutomillenium.org.br. Consultado em 5 de novembro de 2016 
  55. http://www.socicam.com.br/terminais/terminais_rodoviarios.php?ID=17
  56. http://www.socicam.com.br/terminais/terminais_rodoviarios.php?ID=47
  57. «Viação Atalaia» 
  58. «SMTT - Transportes Urbanos» 
  59. «Edvaldo: "BRT e VLT não são viáveis para Aracaju".». Polica em foco. 18 de março de 2016. Consultado em 26 de maio de 2016 
  60. «Edvaldo desaprova BRT e VLT.». Polica em foco. 18 de março de 2016. Consultado em 26 de maio de 2016 
  61. «Prefeito fala em adotar o veículo Leve Sobre Trilho.». Infonet. 22 de julho de 2010. Consultado em 21 de dezembro de 2011 
  62. a b Infonet, Infonet (3 de setembro de 2018). «Deficiências em ciclovias deixam ciclistas à mercê de veículos». Infonet. Consultado em 5 de agosto de 2019 
  63. Assessoria de imprensa do parlamentar, Acessoria de imprensa do parlamentar (22 de agosto de 2018). «Índice de ciclabilidade em Aracaju é crítico, aponta pesquisa». Câmara Municipal de Aracaju. Consultado em 5 de agosto de 2019 
  64. Andrade, José Waldson Costa de (27 de fevereiro de 2018). «Desenvolvimento de um índice para a avaliação da ciclabilidade na cidade de Aracaju» 
  65. «Déda reúne-se com presidente da Petrobras para tratar de interesses de Sergipe». Agência Sergipe de Notícias. 16 de janeiro de 2012. Consultado em 22 de janeiro de 2012 
  66. «Governo do Estado assina termo para ampliação do Terminal Marítimo em Sergipe». Agência Sergipe de Notícias. 16 de fevereiro de 2012. Consultado em 26 de fevereiro de 2012 
  67. «Sergipe x Confiança acontece no dia do aniversário de Aracaju». Emsergipe.com 
  68. RSSSF Brazil. «Sergipe State League - List of Champions» (em inglês). Arquivado do original em 10 de março de 2010 
  69. «Secretário de Turismo de Sergipe comemora confirmação da FIFA.Aracaju será sede da seleção da Grécia para a Copa do Mundo. Membros da delegação de futebol do país já são esperados para chegar este mês na capital.». GE Sergipe. 1 de fevereiro de 2014. Consultado em 28 de maio de 2014 
  70. «FOTOS: Grécia escolhe Aracaju como base na Copa.». GE Sergipe. 1 de fevereiro de 2014. Consultado em 28 de maio de 2014 
  71. «Confira fotos do Estádio Batistão pronto como Centro de Treinamento da Grécia.Estádio sergipano receberá a seleção grega no dia 8 de junho. A estreia no Mundial será no dia 14 de junho, no Mineirão, contra a Colômbia.». GE Sergipe. 30 de maio de 2014. Consultado em 30 de maio de 2014 
  72. «Com direito a pontapé inicial, Batistão está pronto para receber a Grécia.Estádio já virou Centro de Treinamento e receberá a seleção grega no dia 8 de junho.». GE Sergipe. 30 de maio de 2014. Consultado em 30 de maio de 2014 
  73. «Sergipanos poderão acompanhar treino da Grécia no Batistão.». GE Sergipe. 17 de maio de 2014. Consultado em 27 de maio de 2014 
  74. «Comitiva grega pede cardápio só com comidas típicas em Aracaju.Em hotel vizinho ao da seleção, membros da Federação Grega de Futebol e familiares dos jogadores optaram por pé de moleque, sarolho e pamonha.». GE Sergipe. 6 de junho de 2014. Consultado em 6 de junho de 2014 
  75. «Gregos de Belo Horizonte preparam festa para partida contra a Colômbia. No país há 45 anos, Konstantinos Terzis diz que Brasil trará sorte à Grécia e, com otimismo além de qualquer expectativa, acredita em uma decisão contra a Seleção.». GE Sergipe. 4 de junho de 2014. Consultado em 6 de junho de 2014 
  76. «Governo discute Aclimatação das seleções olímpicas em Sergipe. O processo de aclimatação significa não só adequar o ambiente do Estado para manter a alta performance dos atletas, mas também mostrar o quanto Sergipe está pronto para sediar atividades de médio e grande porte». 23 de junho de 2016. Consultado em 1 de julho de 2016 
  77. «Sergipe poderá receber fábrica de tratores.Cônsul Grigori Goldchleger expressou a vontade de instalar uma fábrica de tratores próximo ao Terminal Marítimo Inácio Barbosa.». GE Sergipe. 25 de fevereiro de 2015. Consultado em 1 de julho de 2016 
  78. «"Essa é a melhor preparação que já fiz na carreira" Depois de rodar o mundo treinando atletas de elite, Arilson Silva, técnico do nadador olímpico Andriy Govorov, elogia infraestrutura da Unit.». Portal Unit. 28 de julho de 2016. Consultado em 29 de julho de 2016 
  79. «Secretaria de Turismo e Esporte faz balanço de ações dos últimos dois anos.Apenas em 2015, foram investidos mais de R$ 6 milhões em obras, capacitação e promoção e divulgação do destino em feiras no Brasil.». GE Sergipe. 13 de junho de 2016. Consultado em 1 de julho de 2016 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Aracaju