Lojas Renner

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Lojas Renner
Razão social Lojas Renner S.A.
Empresa de capital aberto
Slogan Você tem seu estilo, a Renner tem todos.
Cotação B3LREN3
Atividade Varejo
Gênero Sociedade Anônima
Fundação 1922 (101 anos)
Fundador(es) Antônio Jacob Renner
Sede Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil
Locais 636 lojas (2021)[1]
Presidente Fabio Faccio (CEO)[2]
Empregados 25 705 (2021)[3]
Produtos moda, calçados, perfumes e serviços financeiros
Subsidiárias
Acionistas +156 mil (2021)[3]
Valor de mercado Aumento R$ 24.2 bilhões (2021)[1][4]
Ativos Aumento R$ 21.4 bilhões (2021)[1]
Lucro Baixa R$ 633 milhões (2021)[1]
LAJIR Baixa R$ 814 milhões (2021)[1]
Faturamento Aumento R$ 10.6 bilhões (2021)[1]
Website oficial www.lojasrenner.com.br
  • Notas de rodapé / referências
  • [1][3]

A Lojas Renner S.A. teve seu início em 1922, com o começo das atividades fabris do então Grupo A.J. Renner, e desvinculou-se do grupo fundado pelo gaúcho Antônio Jacob Renner somente em 1965, quando suas lojas começaram a tomar um formato mais próximo do atual.

Maior varejista de moda do Brasil,[1][5][6] atua no mercado de e-commerce desde 2010. Suas operações englobam o segmento de casa e decoração, moda plus size, um segmento especializado em moda jovem e uma plataforma de revenda de roupas e acessórios de moda.[7][8]

Em 2017, deu um passo importante ao inaugurar sua primeira operação no exterior,[9] onde atua com 13 lojas, sendo 8 lojas no Uruguai e 4 lojas na Argentina.[1]

Em agosto de 2021, a Renner foi vítima de um ataque de ransomware, derrubando sua loja virtual mas mantendo o funcionamento das lojas físicas.[10]

Conta com 636 lojas, sendo 413 lojas Renner (incluindo 8 lojas no Uruguai, 4 na Argentina e 9 Ashua), 119 Camicado e 104 Youcom.[1]

História[editar | editar código-fonte]

Grupo A.J. Renner[editar | editar código-fonte]

Toda a família residia em São Sebastião do Caí, uma cidade a 60km da capital gaúcha. Anos depois, morando em Porto Alegre, decidiu investir na indústria fabril, abrindo uma fábrica no bairro Navegantes e produzindo capas de pura lã masculinas. Depois a Renner começou a ampliar e a diversificar suas atividades empresariais, com plantações de linho – matéria-prima para a fabricação de trajes masculinos – que inspiraram o primeiro conceito empresarial lembrado: "Renner, a boa roupa, ponto a ponto".

Em 1922, abre o primeiro posto de venda da fábrica, em Porto Alegre. Com o tempo, as Lojas Renner passaram a incluir departamentos de eletroportáteis, bazar e artigos para presente, móveis, utensílios para o lar, artigos esportivos, cama, mesa e banho e já em 1945, inaugurou a primeira loja de departamentos – Loja Otávio Rocha.

Independência do Grupo A.J. Renner[editar | editar código-fonte]

Em 1965 devido ao crescimento das Lojas Renner o Grupo A.J. Renner optou por desmembrar as diferentes empresas que o formavam, ocasião em que foi então constituída a companhia Lojas Renner S.A. Dois anos depois, em 1967, Lojas Renner já se transformava em uma empresa de capital aberto. Em 1990 as Lojas Renner passam por uma profunda reestruturação, passando a operar no formato de loja de departamentos especializada em moda e é implantada a Filosofia de Encantamento - segundo a qual não basta satisfazer, mas superar as expectativas dos clientes. Nesta mesma década, a Renner expandiu suas operações para além do Rio Grande do Sul, chegando a Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e para o Distrito Federal. Em 1991, quando iniciou o processo de reestruturação, a companhia contava com oito lojas e, até novembro de 1998, já havia inaugurado 13 novas lojas, totalizando 21 unidades; O processo de expansão começou em 1994, no estado de Santa Catarina, em 1996 inaugurou-se a primeira loja no estado do Paraná e por fim já em 1997, inauguraram-se as primeiras lojas no estado de São Paulo.

J.C. Penney[editar | editar código-fonte]

Em dezembro de 1998, a J.C. Penney Brazil Inc. subsidiária de uma das maiores redes de lojas de departamentos dos EUA, adquiriu o controle acionário da companhia, com isto, obteve acesso a fornecedores internacionais, a consultoria de especialistas na escolha de pontos comerciais, bem como a adoção de procedimentos e controles internos diferenciados. Dessa forma, a Renner intensificou seu processo de expansão inaugurando mais de 30 unidades da empresa no Sul, Sudeste e Centro-Oeste do país.[qual?] Com a implantação do conceito de lifestyle nas coleções e nas lojas, em 2002, as coleções passam a ser desenvolvidas por estilos de vida e compostas por marcas próprias que refletem um jeito de ser e de vestir, com base em atitudes, interesses, valores, personalidades e hábitos dos clientes. As lojas também passam a expor os produtos de forma coordenada, facilitando a escolha do consumidor e otimizando o seu tempo de compras.

Em junho de 2005, ocasião em que a companhia já atuava com 64 pontos-de-venda, a JC Penney, em conjunto com os administradores das Lojas Renner, optou pela venda do controle da companhia através de oferta pública de ações na B3. As Lojas Renner entraram então na B3 como a primeira companhia no país a ter seu capital pulverizado e aproximadamente 100% das ações em circulação.[11]

Novos negócios[editar | editar código-fonte]

Camicado Houseware.

Em 2010, outro marco na história da empresa foi o lançamento do e-commerce. Já em 2011, a Renner adquiriu a Camicado, uma empresa no segmento de casa e decoração que hoje já está presente em todas as regiões do Brasil com mais de 119 lojas.[12][1]

Em 2013, lançou a Youcom, um novo modelo de negócio para o público jovem em um ambiente de loja especializada, atualmente com 104 lojas em todas as regiões do país, além da atuação em marketplace.[1]

Em 2016, lançou a Ashua,[7] uma marca de moda plus size com foco no e-commerce, que já possui 9 lojas pelo país.[1]

Em 2017, criou a subsidiária incorporada Realize Soluções Financeiras, passando a oferecer serviços de private label, crédito, seguros e assistências aos seus clientes.[13]

No mesmo ano, iniciou sua expansão no exterior, onde conta, atualmente, com 13 lojas espalhadas pelo Uruguai e Argentina.[9]

Em 2021, adquiriu o Repassa, startup de revenda assistida de moda com foco em economia circular.[14][3][15][8]

Internacionalização[editar | editar código-fonte]

Em 2017, a marca deu mais um passo importante ao inaugurar sua primeira operação no exterior.[9] Hoje são 8 lojas no Uruguai e, desde 2019, mantém 4 lojas na Argentina, além de escritórios na China e em Bangladesh. Ao todo, a Renner conta com 636 lojas em operação, considerando as três frentes.[1]

Instituto Lojas Renner[editar | editar código-fonte]

Instituto Lojas Renner.

O Instituto Lojas Renner é uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (Oscip) criada em 2008 como entidade gestora do investimento social privado das Lojas Renner S.A., com a missão de promover a inserção da mulher no mercado de trabalho, apoiando ações sociais empreendedoras, desenvolvidas por organizações da sociedade civil, que contribuíssem de forma eficaz para a qualificação e inclusão da mulher e o desenvolvimento das comunidades onde a empresa atua.[16]

Em vésperas de completar uma década de existência, o Instituto viveu, a partir de 2016, a consolidação de seu propósito, por meio da atualização do foco de sua missão e redirecionamento dos pilares de atuação.

O ano de 2017 marcou o alinhamento dos projetos com a missão redesenhada em 2016. As iniciativas foram direcionadas para a missão principal de empoderar mulheres na cadeia têxtil.

Assim, o Instituto Lojas Renner passou a atender projetos de empoderamento de mulheres nas comunidades em que está presente ou em localidades envolvidas com etapas da cadeia da moda, ou seja, com a matéria-prima, a produção, o varejo ou o pós-consumo.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas e referências

  1. a b c d e f g h i j k l m n o «Resultados 2021». Renner RI. 17 de março de 2022. Consultado em 16 de novembro de 2022 
  2. Zogbi, Paula. «Renner anuncia novo CEO com fim da era Galló». www.infomoney.com.br 
  3. a b c d «Relatório Anual 2021». Renner RI. 27 de abril de 2022. Consultado em 16 de novembro de 2022 
  4. «Cotação das Lojas Renner na B3». B3. Consultado em 14 de dezembro de 2019 
  5. «Como a Renner venceu a disputa com a C&A e virou a maior varejista de moda do Brasil». Gazeta do Povo. 28 de fevereiro de 2018. Consultado em 16 de novembro de 2022 
  6. «Entenda a nova loja sustentável da Renner, maior varejista de moda do país». Exame. 30 de outubro de 2021. Consultado em 16 de novembro de 2022 
  7. a b «Renner inaugura primeiras lojas de marca exclusiva para roupas plus size». Gazeta do Povo. 17 de outubro de 2018. Consultado em 20 de agosto de 2021 
  8. a b «Lojas Renner conclui compra da Repassa, plataforma online de revenda de roupas». Valor Econômico. 1 de setembro de 2021. Consultado em 16 de novembro de 2022 
  9. a b c «Lojas Renner anuncia primeira loja no exterior». Newtrade. 12 de maio de 2016. Consultado em 10 de setembro de 2020 
  10. «Renner sofre ataque hacker e site fica fora do ar nesta quinta-feira (19)». Tecnoblog. 19 de agosto de 2021. Consultado em 22 de agosto de 2021 
  11. «Renner pulverizada». ISTOÉ Dinheiro. Editora Três. 18 de maio de 2005. Consultado em 1 de fevereiro de 2015. Arquivado do original em 3 de março de 2016 
  12. «Renner compra Camicado e entra no setor de utilidades». Estadão Economia. 5 de abril de 2011. Consultado em 2 de dezembro de 2020 
  13. «Realize – Quem Somos». Realize Crédito. Consultado em 4 de setembro de 2016 
  14. «Conheça o Repassa: a Sacola do Bem que une moda e sustentabilidade». Renner. 18 de março de 2022. Consultado em 16 de novembro de 2022 
  15. «Renner dá o primeiro passo em aquisições com a compra da Repassa, mas por que o brechó online foi escolhido?». InfoMoney. 16 de julho de 2021. Consultado em 16 de novembro de 2022 
  16. «Lojas Renner cria instituto». GIFE. 23 de junho de 2008. Consultado em 14 de dezembro de 2020 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Lojas Renner