BTG Pactual

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Banco BTG Pactual
BTG Pactual S.A.
Tipo Empresa de capital aberto
Cotação BM&F Bovespa: BPAC3, BPAC5, BBTG11
Euronext: BTGP
Indústria Serviços financeiros
Gênero Sociedade anônima
Fundação maio de 2009 (7 anos)
Fundador(es) André Jacurski
Luiz Cezar Fernandes
Paulo Guedes
Sede Rio de Janeiro,  Brasil
Locais Mundo
Presidente Roberto Sallouti e Marcelo Kalim
Pessoas-chave Pérsio Arida (Presidente do conselho de administração), André Esteves (Ex-presidente), Guilherme Paes
Empregados 4.800 (em 2014)[1][2]
Produtos Banco de investimentos
Gestão de patrimónios
Gestão de ativos
Valor
de mercado
Aumento R$ 34,388 bilhões (Set/2014)[3]
Lucro Aumento R$ 3,411 bilhões (2014)[4]
Faturamento Aumento R$ 6,737 bilhões (2014)[5]
Página oficial www.btgpactual.com

BTG Pactual é um banco de investimento brasileiro que atua nos mercados de investment banking, wealth management e global asset management na América Latina.[6]

O BTG Pactual é uma empresa listada e controlada por uma sociedade de 156 executivos, e resultou da aquisição do UBS Pactual pela BTG Investments. O banco foi fundado em 1983 e tem como sede o seu escritório na Praia de Botafogo, no Rio.[7] Além disso, tem escritórios em outros centros financeiros globais como Nova Iorque, Londres, Hong Kong, e também pela América Latina.[8]

O banco oferece serviços de assessoria em transações de M&A, renda variável, subscrição de dívida (debt underwriting), asset management, wealth management, sales e trading, empréstimos e financiamentos (corporate lending) e administração de fundos para clientes que incluem sociedades anônimas, instituições financeiras, governos e indivíduos de alto patrimônio. O banco atua também em investimentos proprietários (tanto a classe de ativos líquidos quanto de ativos não líquidos). É reconhecido por ser um dos principais bancos de investimento nos mercados emergentes e o maior banco de investimento independente e a maior gestora de ativos do Brasil.[9]

Em julho de 2014 o banco alcançou a marca de 200 bilhões de dólares em ativos totais.[10] Desde 3 de dezembro de 2015, o BTG Pactual é controlado pelo Top Seven Partners, composto pelos sócios Marcelo Kalim, Roberto Sallouti, Persio Arida, Antonio Carlos Canto Porto Filho, James Marcos de Oliveira, Renato Monteiro dos Santos e Guilherme da Costa Paes. O grupo já atuava como executivos do banco durante a gestão de André dos Santos Esteves, ex-controlados do BTG Pactual. [11]

A mudança aconteceu após a prisão de Esteves, que ainda é sócio do banco, mas sem poder de voto. Esteves foi preso em 25 de novembro dentro da operação Lava-Jato, promovida pela Polícia Federal.[12]Desde então, o banco é presidido pelo Roberto Sallouti e pelo Marcelo Kalim. Persio Arida é presidente do Conselho de Administração da companhia. Desde então, os novos controladores adotaram uma série de medidas para desassociar a imagem do BTG Pactual do seu antigo controlador[13], principalmente após a reação do mercado de capitais (as units do banco na BM&FBOVESPA desvalorizaram mais de 50% nas duas semanas seguintes após a prisão de Esteves e continuam a se desvalorizar)[14] e o rebaixamento das agências de risco Moodys e Fitch.[15]

História[editar | editar código-fonte]

A Pactual DTVM foi fundada em 1983 no Rio de Janeiro[16] por Luiz Cezar Fernandes, André Jacurski e Paulo Guedes, sendo que sua atividade inicial, e primordial, era proprietary trading e securities sales and trading.[17] Em junho de 1999, a empresa passou por alterações societárias que resultaram na substituição dos ex-diretores executivos por uma equipe liderada por André Esteves, Eduardo Plass, Marcelo Serfaty e Gilberto Sayão. A mudança na administração também deu ao banco uma nova direção estratégica, e começou a desenvolver os seus negócios de client facing (asset management, investment banking e wealth management) como uma forma de diversificar as suas fontes de receita e de criar uma franquia nos mercados financeiros brasileiros.[18]

Em dezembro de 2006, o Pactual foi vendido para o banco suíço UBS por US$ 3,1 bilhões se tornando o UBS Pactual. A maioria dos executivos antigos continuou na nova empreitada, sendo que vários deles, inclusive o próprio Andre Esteves, assumiram posições no UBS lá fora.[19] André Esteves se tornou o Chefe Global de Renda Fixa e morou em Londres entre 2007 e 2008.[20]

Em junho de 2008, André Esteves deixou UBS para fundar BTG Investments, uma sociedade alternativa de asset management, junto com outros nove sócios-fundadores do UBS A.G. e do UBS Pactual e o Persio Arida, ex-presidente do Banco Central. A empresa tinha escritórios em São Paulo, Rio de Janeiro, Nova Iorque, Hong Kong e Londres, atuando em investimentos macro e de private equity globais. Em maio de 2009, BTG Investments fechou a aquisição do UBS Pactual por US$2,5bi (uma transação que finalmente foi finalizada e homologada pelo Banco Central do Brasil em outubro do mesmo ano). Vários sócios antigos do Banco Pactual continuaram na nova instituição, batizada de BTG Pactual. Outros sócios se aposentaram e/ou foram fundar outras empresas (como, por exemplo, Vinci Partners).

Desde a aquisição, o BTG Pactual vem crescendo, com o seu lucro anual passando de 1,3 bilhão de reais em 2009 para 3,3 bilhões de reais em 2012, e de um patrimônio liquido de 5,1 bilhões de reais em 2009 para 14,1 bilhões de reais em 2012.

André Esteves é o CEO e Presidente do BTG Pactual, dirigindo o Banco junto aos comitês de gestão globais e brasileiros. Preservou a estrutura de uma sociedade, onde todos os sócios são executivos com responsabilidade no dia-a-dia da organização. Os porcentuais da sociedade são revisados anualmente, de acordo com o desempenho individual de cada um e a contribuição do grupo, e novos sócios são convidados para entrar na sociedade.

Em dezembro de 2010, o banco passou por uma captação de recursos que lhe trouxe US$ 1,8 bilhão em equity investments de um consórcio de investidores internacionais incluindo fundos de sovereign wealth (CIC, da China, GIC, de Singapura e ADIC, de Abu Dhabi), famílias estratégicas (Mottas, de Panamá, Rothschilds da Inglaterra, Agnelli da Itália e Santo Domingo de Colômbia) e investidores institucionais (Ontario Teachers’ Pension Plan e J.C. Flowers & Co.). Os sócios do BTG Pactual mantiveram o controle do banco, com uma participação de aproximadamente 80% do seu capital.[21]

Em janeiro de 2011, o BTG Pactual comprou uma participação de controle no Banco Panamericano por 450 milhões de reais, uma companhia financeira problemática, do Grupo Silvio Santos. A aquisição lhe deu uma participação econômica de 34,64% no Panamericano, com 51% do capital votante e um acordo de controle conjunto com a Caixa Econômica Federal (CEF). Pelo acordo, a CEF aceitou manter sua participação no Panamericano e lhe oferecer financiamento por um período de oito anos, assim sustentando o seu negócio futuro.[22]

Em dezembro de 2011, o banco fechou a aquisição da Brazilian Finance & Real Estate por 1,2 bilhão de reais, uma gestora de ativos local e também uma financiadora com foco no setor imobiliário. Com a aquisição, BTG Pactual se tornou a maior administradora brasileira de fundos de investimento dedicados ao setor imobiliário, e um player relevante no setor.[23]

Em abril de 2012, BTG Pactual se tornou uma empresa listada, captando 3,656 bilhões de reais junto aos investidores da Bolsa de Valores de São Paulo numa oferta primária incluindo ações de duas entidades diferentes: o Banco BTG Pactual S.A., que controla as operações de investment banking e o BTG Pactual Participations, um veículo offshore para investimentos líquidos e ilíquidos criados para fins de planejamento fiscal/tributário. O BBTG11, o ticker na Bovespa, compõe três ações de cada entidade. Os investidores de private placement (colocação privada) e de IPO agora detêm uma participação conjunta de aproximadamente 30% no banco, o IPO do BTG Pactual foi considerado na época o maior do Brasil desde 2009.[24]

No mesmo ano, o BTG Pactual concluiu a aquisição de duas operações relevantes de serviços financeiros. A primeira foi a Celfin Capital, é um banco de investimento chileno adquirido por 245 milhões de dólares e concretizou a estratégia do BTG Pactual de se tornar um banco de investimento líder na região, com escritórios no Chile e no Peru.[25] em junho de 2012 comprou a Bolsa y Renta, uma corretora colombiana por 52 milhões de dólares, assim permitindo ao banco estabelecer uma presença nas economias mais importantes da América Latina.[26]

Em julho de 2014 fez duas aquisições na Europa, a primeira foi a resseguradora britânica Ariel Re comprada pelo BTG por um valor não divulgado[27]e adquiriu também por 1,7 bilhão de dólares (cerca de 4 bilhões de reais) o banco suíço BSI[28], com a aquisição o BTG Pactual expande as suas operações na Europa.[29]

Linhas de Negócio[editar | editar código-fonte]

Investment Banking[editar | editar código-fonte]

O BTG Pactual é líder em assessoria financeira (fusões e aquisições, ou M&A) e em subscrição de títulos (mercados de capital de dívida e de renda variável – ou, DCM e ECM) desde 2009. O banco assessorou transações importantes como a venda da cervejaria Schincariol para a empresa japonesa, a Kirin, e a maioria dos IPOs e ofertas secundárias realizados no mercado brasileiro.[30]

Corporate Lending (Empréstimos e Financiamentos)[editar | editar código-fonte]

Envolve o financiamento e estruturação de garantias de créditos e empréstimos para empresas. O banco tem crescido neste mercado de forma exponencial desde as suas capitalizações de 2009 e 2012, e permanece bem desalavancado pelas métricas da Basiléia (BIS).[31]

Sales and Trading[editar | editar código-fonte]

A primeira linha de negócio a ser desenvolvida, o Sales and Trading oferece produtos e serviços a um grupo diverso de clientes nos mercados locais e internacionais, incluindo serviços de formação de mercado (market making), corretagem e compensação, e derivativos, juros, câmbio, renda variável, energia e commodities para os fins de hedging e trading.[32]

Asset Management[editar | editar código-fonte]

O banco administra ativos através de um amplo leque de classes de ativos para clientes locais e internacionais. Além dos fundos long-only administrados pelo banco, desde 2009 o BTG Pactual vem consolidando uma presença relevante no mercado local de private equity (capital para crescimento e infraestrutura) e no segmento imobiliário, com participações nas seguintes empresas:[33]

  • Estapar (administração de estacionamentos)
  • Brazil Pharma (rede de farmácias)
  • Mitsubishi Motors do Brasil (montadora de carros)
  • Bravante (serviços offshore para o setor de Oil&Gas)
  • Estre (remoção e tratamento de resíduos)
  • CCRR (papéis especiais)
  • UOL (portal do web e operador de centro de dados)
  • BodyTech (rede de academias)
  • Leader (rede de varejo de roupa e eletroeletrônicos)
  • BR Properties (dono e administrador imobiliário)

O banco consolidou uma presença relevante também no mercado de administração de fundos de hedge globais através do seu carro-chefe, o fundo GEMM Fund que administra 22 bilhões de dólares ao redor do mundo e está entre os 20 fundos mais rentáveis do mundo,[34] o qual foi contemplado com o prêmio de Melhor Fundo Macro pela EuroHedge em 2010 e 2012.[35]

Wealth Management[editar | editar código-fonte]

Em 2014 o BTG Pactual era um dos lideres em gestão de patrimônio no Brasil,[36] com 70,5 bilhões de reais sob gestão do banco.[37] Seus serviços vão de asset management a assessoria de planejamento patrimonial no Brasil, no Chile, na Colômbia e na Europa.[38]

Principal investimento[editar | editar código-fonte]

O Banco investe seu capital em mercados globais, private equity (capital de crescimento e infraestrutura) e no segmento imobiliário. A maioria destes investimentos é conduzida através de fundos administrados pelos seus negócios de asset management, junto aos clientes do banco, em 2011 a divisão de Principal Investments representou 5,6% de todo o faturamento do BTG Pactual.[39]

BTG Pactual Digital[editar | editar código-fonte]

Em junho de 2016, o Banco lança uma nova plataforma digital chamada BTG Pactual digital para atrair o varejo de alta renda, um público ainda não acessado diretamente. Nesse novo segmento o cliente terá acesso aos fundos, administrados pela Asset do Banco, e comprar títulos privados — letras de crédito imobiliário e do agronegócio (LCIs e LCAs), letras financeiras e Certificados de Depósito Bancário (CDBs) — por meio de um site ou um aplicativo para celular. Saiba mais no site btgpactualdigital.com

Suspeitas de corrupção[editar | editar código-fonte]

Diante das investigações da Operação Lava Jato, no dia 25 de Novembro de 2015, o então presidente André Esteves foi preso sob a acusação de conspirar e negociar a fuga para a Espanha de Nestor Cerveró, ex-diretor da Petrobras e também preso durante a Operação Lava Jato, caso este recebesse um Habeas Corpus.[40] Neste mesmo dia da prisão do Esteves, as ações do BTG Pactual na BM&FBovespa chegaram a recuar 30%, com perda de mais de R$ 9 bilhões de valor de mercado.[41]

Notícias da imprensa brasileira relataram no dia 30 de novembro de 2015 que um documento recolhido pelos investigadores da Operação Lava Jato apontaria um suposto pagamento de R$ 45 milhões em propina ao presidente da Câmara dos deputados, o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), para alterar uma medida provisória que beneficiaria o banco BTG Pactual. [42]

Preso, André Esteves renunciou ao cargo de CEO, e em seu lugar, Pérsio Arida assumiu a presidência da instituição.[43]

Vendas[editar | editar código-fonte]

Venda de fatia da Rede D'Or São Luiz[editar | editar código-fonte]

O banco BTG Pactual informou nesta quarta-feira, dia 2 que vendeu ao fundo sobreano de Cingapura GIC ações da Rede D'Or São Luiz, a maior rede de hospitais privados do país. O negócio totaliza aproximadamente R$ 2,38 bilhões.[44]

Venda de fatia da Recovery no Brasil[editar | editar código-fonte]

O Itaú Unibanco informou que fechou acordo com o Banco BTG Pactual para a compra da participação de 81,94% do BTG na empresa de recuperação de crédito Recovery do Brasil Consultoria por R$ 640 milhões.[45]

Pedido de falência da Leader[editar | editar código-fonte]

Controlador das Lojas Leader, o banco de investimentos BTG Pactual anunciou o pedido de falência da rede varejista. A solicitação foi feita pela família Furlan, dona da rede de lojas paulista Seller, comprada pela Leader em 2013, que reclama pagamento atrasado de R$ 9 milhões na Justiça. A dívida total da Leader chegou a R$ 1 bilhão.[46]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «BTG Pactual adquire o banco suíço BSI» (PDF). BTG Pactual. Consultado em 1 de maio de 2016. 
  2. «BTG acerta a compra do suíço BSI por R$ 3,73 bilhões». Folha de S.Paulo. 14 de julho de 2014. Consultado em 1 de maio de 2016. 
  3. «BBTG11:BZ BM&FBovespa». Bloomberg. Consultado em 27 de abril de 2016. 
  4. «Lucro líquido do BTG Pactual cresce 10% no 4º trimestre». Valor Econômico. 25 de fevereiro de 2015. Consultado em 1 de maio de 2016. 
  5. «Lucro líquido do BTG Pactual cresce 10% no 4º trimestre de 2014 e alcança R$ 848,4 milhões» (PDF). BTG Pactual. Consultado em 1 de maio de2016. 
  6. «UPDATE 1-Brazil's BTG to bulk up London commodities, add 100 staff» (em inglês). Reuters. Consultado em 27 de abril de 2016. 
  7. «BTG Pactual». BTG Pactual. Consultado em 1 de maio de 2016. 
  8. Alexandre Teixeira. «A maior aposta de Esteves». Época Negócios. 
  9. «BTG Pactual». capital fundos. Consultado em 27 de abril de 2016. 
  10. http://dealbook.nytimes.com/2014/07/14/generali-sells-swiss-private-bank-to-btg-pactual-for-1-68-billion/?_php=true&_type=blogs&_r=0
  11. «Comitê Especial do Conselho supervisionará investigação independente» (PDF). BTG Pactual. 3 de dezembro de 2015. Consultado em 1 de maio de 2016. 
  12. Adriana Justi (25 de novembro de 2015). «Banqueiro André Esteves é preso pela Polícia Federal no Rio de Janeiro». G1. Consultado em 1 de maio de 2016. 
  13. Ana Paula Ragazzi (27 de novembro de 2015). «Arida revela medidas do BTG pós prisão do Esteves». Valor Econômico. Consultado em 27 de abril de 2016. 
  14. «Valor das ações do BTG Pactual cai pela metade desde prisão de banqueiro». UOL. 8 de dezembro de 2015. Consultado em 27 de abril de 2016. 
  15. «Após Moody's, Fitch tira grau de investimento do BTG Pactual». G1. 7 de dezembro de 2015. Consultado em 27 de abril de 2016. 
  16. http://www.pssnet.com.br/wp-content/uploads/2012/08/BTG-Pactual-Asset-Management.pdf
  17. http://revistaepoca.globo.com/vida/noticia/2012/04/da-tijuca-para-o-mundo.html
  18. http://www1.folha.uol.com.br/fsp/dinheiro/fi22069923.htm
  19. http://economia.estadao.com.br/noticias/geral,ubs-acerta-venda-do-pactual-ao-btg-por-us2-5-bi,357715
  20. http://economia.estadao.com.br/noticias/geral,ubs-nomeia-andre-esteves-chefe-global-de-renda-fixa,29234
  21. http://www1.folha.uol.com.br/fsp/mercado/28030-btg-pactual-se-prepara-para-lancar-acoes-na-bolsa.shtml
  22. http://veja.abril.com.br/noticia/economia/silvio-santos-vende-panamericano-para-btg-pactual
  23. http://www.istoedinheiro.com.br/noticias/financas/20111228/btg-pactual-adquire-brazilian-finance-real-estate-por-bilhao/93273.shtml
  24. http://br.reuters.com/article/topNews/idBRSPE83O00020120425
  25. http://economia.estadao.com.br/noticias/geral,btg-compra-chileno-celfin-e-ja-estuda-novas-aquisicoes-na-al-imp-,833337
  26. http://www.reuters.com/article/2012/06/14/bolsayrenta-colombia-btgpactual-idUSL1E8HEFX020120614
  27. http://economia.uol.com.br/noticias/reuters/2014/07/10/btg-pactual-acerta-compra-de-subsidiarias-da-resseguradora-ariel-re.htm
  28. http://br.reuters.com/article/topNews/idBRKBN0FJ20L20140714
  29. http://www.jb.com.br/economia/noticias/2014/07/14/btg-pactual-anuncia-compra-do-banco-suico-bsi-por-cerca-de-r-4-bilhoes/
  30. http://ri.btgpactual.com/btgpactual/web/conteudo_pt.asp?idioma=0&conta=28&tipo=40143
  31. http://exame.abril.com.br/negocios/noticias/lucro-liquido-do-btg-pactual-soma-r-768-mi-no-4o-tri
  32. http://www.reuters.com/article/2014/05/07/btgpactual-results-commodities-idUSL2N0NT1EA20140507
  33. https://www.btgpactual.com/home/AssetManagement.aspx
  34. https://www.btgpactual.com/home_en/AssetManagement.aspx/GlobalHedgeFunds
  35. http://www.asofiduciarias.org.co/p/Ricardo%20Kaufmann%20BTGP_CorporatePresentation_4Q2013%20ASO.pdf
  36. http://ir.btgpactual.com/btgpactual/web/mobile/conteudo_mobile.asp?idioma=0&conta=28&tipo=40143
  37. https://www.btgpactual.com/home_en/WhoWeAre.aspx/FinancialHighlights
  38. http://online.wsj.com/news/articles/SB10001424052702304688104579467841035218948
  39. «O que fez BTG Pactual dobrar de tamanho no ano passado». Exame. 20 de fevereiro de 2013. Consultado em 27 de abril de 2016. 
  40. «A íntegra do pedido de prisão de Delcídio e Esteves». Congresso em foco. 25 de novembro de 2015. Consultado em 27 de abril de 2016. 
  41. Bruno Rosa, Ana Paula Ribeiro, Renan Setti e Andrea Freitas (25 de novembro de 2015). «Prisão de André Esteves preocupa mercado financeiro e setor produtivo». O Globo. Consultado em 25 de novembro de 2015. 
  42. «Documento diz que banco BTG pagou R$ 45 milhões a Cunha». Exame. Consultado em 30 de novembro de 2015. 
  43. Vera Magalhães. «Pérsio Arida será novo CEO do BTG Pactual». VEJA. Consultado em 27 de abril de 2016. 
  44. «BTG Pactual vende fatia na Rede D'Or a fundo de Cingapura por R$ 2,38 bi». Folha de S.Paulo. 2 de dezembro de 2015. Consultado em 27 de abril de 2016. 
  45. «Itaú Unibanco fecha compra de fatia do BTG na Recovery». G1. 31 de dezembro de 2015. Consultado em 27 de abril de 2016. 
  46. «Com dívida no valor de R$ 1 bilhão, Leader Magazine pede falência». O Dia. iG. 20 de janeiro de 2016. Consultado em 27 de abril de 2016. 
Ícone de esboço Este artigo sobre um banco ou instituição financeira é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre BTG Pactual