BTG Pactual

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Banco BTG Pactual
Razão social BTG Pactual S.A.
Tipo Empresa de capital aberto
Cotação BM&F Bovespa: BPAC11, BPAC3, BPAC5, PPLA11, PPLA35, PPLA36
NYSE: BBTG11
Euronext: BTGP
Indústria Serviços financeiros
Gênero Sociedade anônima
Fundação 1983
Fundador(es) André Jacurski
Luiz Cezar Fernandes
Paulo Guedes
Sede Rio de Janeiro,  Brasil
Locais Mundo
Presidente Roberto Sallouti
Pessoas-chave Roberto Sallouti (CEO), Marcelo Kalim (Chairman), André Esteves (Senior Partner), Nelson Jobim (Partner), Guilherme Paes (Patner)[1]
Empregados 4.362 (em 2016)[2]
Produtos Banco de investimentos
Gestão de patrimônios
Gestão de ativos
Fusões e Aquisições e Assessoria Financeira (M&A)
Mercado de Ações (ECM)
Mercado de Dívida (DCM)
Project Finance
Gestão em renda fixa
Gestão em renda variável
Hedge Funds
Private Equity
Infraestrutura
Real Estate
Ativos Florestais
Administração Fiduciária
Valor de mercado Aumento R$ 215 bilhões (Mar/2015)[3]
Lucro Aumento R$ 3,411 bilhões (2014)[4]
Faturamento Aumento R$ 6,737 bilhões (2014)[5]
Website oficial www.btgpactual.com

www.btgpactualdigital.com

BTG Pactual é um banco de investimento brasileiro que atua nos mercados de investment banking, wealth management e global asset management na América Latina.[6]

O BTG Pactual é uma empresa controlada por uma sociedade de 156 executivos e resultou da aquisição do UBS Pactual pela BTG Investments. O banco foi fundado em 1983 e tem como sede o seu escritório na Praia de Botafogo, na cidade do Rio de Janeiro, e na Avenida Brigadeiro Faria Lima, em São Paulo.[7] Além disso, tem escritórios em outros centros financeiros globais como Nova Iorque, Londres, Hong Kong, e também pela América Latina.[8]

O banco oferece serviços de assessoria em transações de M&A, renda variável, subscrição de dívida (debt underwriting), asset management, wealth management, sales e trading, empréstimos e financiamentos (corporate lending) e administração de fundos para clientes que incluem sociedades anônimas, instituições financeiras, governos e indivíduos de alto patrimônio. O banco atua também em investimentos proprietários (tanto na classe de ativos líquidos, quanto na de ativos não líquidos). Além disso, é um dos maiores gestores de ativos florestais do mundo com investimentos nos EUA, América Latina, Europa e África.[9] É reconhecido por ser um dos principais bancos de investimento nos mercados emergentes, o maior banco de investimento independente e a maior gestora de ativos do Brasil.[10]

Em julho de 2014, o banco alcançou a marca de US$ 200 bilhões em ativos totais.[11] O BTG Pactual é controlado pelo Conselho de Administração, composto pelos sócios Marcelo Kalim (Chairman), Roberto Sallouti (CEO), Claudio Eugênio Stiller Galeazzi, Guillermo Ortiz Martínez, John Huw Gwili Jenkins e Nelson Azevedo Jobim. O grupo já atuava como executivos do banco durante a gestão de André Esteves, como CEO do BTG Pactual.[12] A reestruturação da governança ocorreu após problemas judiciais envolvendo Esteves, que segue como sócio do banco, mas sem poder de voto. Em 1º de setembro de 2017, o Ministério Público Federal pediu a sua absolvição por falta de provas.[13] Os novos controladores adotaram uma série de medidas que fortaleceram o diálogo com órgãos reguladores visando uma maior transparência e atendendo às melhores práticas de compliance.[14] Em setembro de 2016, a agência classificadora de riscos Standard & Poor's subiu a nota do banco em suas avaliações.[15]

História[editar | editar código-fonte]

A Pactual DTVM foi fundada em 1983 no Rio de Janeiro[16] por Luiz Cezar Fernandes, André Jacurski e Paulo Guedes, sendo que sua atividade inicial e primordial era proprietary trading e securities sales and trading.[17] Desde o primeiro dia, os sócios-fundadores acordaram que a nova organização financeira se fundamentaria em conceitos como partnership meritocrático, hard-working, hands-on e empreendedorismo. Periodicamente, todos os colaboradores, inclusive os sócios, recebiam uma nota pelo desempenho individual e pela aderência aos valores e cultura, que culminava na atribuição de um bônus. Aqueles que tivessem desempenho diferenciado ao longo do tempo, um fator crítico para o sucesso do negócio, eram convidados a tornarem-se partners por meio da compra de ações.[18]

Em junho de 1998, a empresa passou por alterações societárias que resultaram na substituição dos ex-diretores executivos por uma equipe liderada por André Esteves, Eduardo Plass, Marcelo Serfaty e Gilberto Sayão. A mudança na administração também deu ao banco uma nova direção estratégica e começou a desenvolver os seus negócios de client facing (asset management, investment banking e wealth management) como uma forma de diversificar suas fontes de receita e criar uma franquia nos mercados financeiros brasileiros.[19]

Em dezembro de 2006, o Pactual foi vendido para o banco suíço UBS por US$ 3,1 bilhões se tornando o UBS Pactual. A maioria dos executivos antigos continuou na nova empreitada, sendo que vários deles, inclusive o próprio André Esteves, assumiram posições no UBS no exterior.[20] André Esteves se tornou o Chefe Global de Renda Fixa e morou em Londres entre 2007 e 2008.[21]

Em junho de 2008, André Esteves deixou UBS para fundar a BTG Investments, uma sociedade alternativa de asset management, junto com outros nove sócios-fundadores do UBS A.G. e do UBS Pactual, além de Pérsio Arida, ex-presidente do Banco Central. A empresa atuava em investimentos macro e de private equity globais. Em maio de 2009, BTG Investments fechou a aquisição do UBS Pactual por US$ 2,5 bilhões (uma transação que finalmente foi finalizada e homologada pelo Banco Central do Brasil em outubro do mesmo ano). Vários sócios antigos do Banco Pactual continuaram na nova instituição nomeada de BTG Pactual.

Desde a aquisição, o BTG Pactual vem crescendo, com o seu lucro anual passando de R$ 1,3 bilhão em 2009 para R$ 3,3 bilhões em 2012, e de um patrimônio líquido de R$ 5,1 bilhões em 2009 para R$ 14,1 bilhões em 2012. Em 2016, o lucro anual foi de R$ 3,325 bilhões e um patrimônio líquido estimado em R$ 18,1 bilhões.[22][18]

Atualmente, Roberto Sallouti é CEO do BTG Pactual. A gestão do banco preservou a estrutura de uma sociedade, onde todos os sócios são executivos com responsabilidade no dia-a-dia da organização. Os percentuais da sociedade são revisados anualmente, de acordo com o desempenho individual de cada um, novos sócios são convidados para entrar na sociedade.

Em dezembro de 2010, o banco passou por uma captação de recursos que lhe trouxe US$ 1,8 bilhão em equity investments de um consórcio de investidores internacionais incluindo fundos de Sovereign Wealth (CIC, da China, GIC, de Singapura e ADIC, de Abu Dhabi), famílias estratégicas (Mottas, de Panamá, Rothschilds da Inglaterra, Agnelli da Itália e Santo Domingo de Colômbia) e investidores institucionais (Ontario Teachers’ Pension Plan e J.C. Flowers & Co.). Os sócios do BTG Pactual mantiveram o controle do banco, com uma participação de aproximadamente 80% do seu capital.[23]

Em janeiro de 2011, o BTG Pactual comprou uma participação de controle no Banco Panamericano (atual Banco PAN) por R$ 450 milhões, uma instituição financeira problemática, do Grupo Silvio Santos. A aquisição lhe deu uma participação acionária de 34,64% no Panamericano, com 51% do capital votante e um acordo de controle conjunto com a Caixa Econômica Federal (CEF). Pelo acordo, a CEF aceitou manter sua participação no Panamericano e lhe oferecer financiamento por um período de oito anos, sustentando assim o seu negócio futuro.[24]

Em dezembro de 2011, o banco fechou a aquisição da Brazilian Finance & Real Estate por R$ 1,2 bilhão, uma gestora de ativos local e também uma financeira com foco no setor imobiliário. Com a aquisição, BTG Pactual se tornou a maior administradora brasileira de fundos de investimento dedicados ao setor imobiliário e um player relevante no setor.[25] Desde 2012, o BTG Pactual mantém a liderança nesta categoria. Sob a gestão ou administração do BTG Pactual, estão 42 fundos imobiliários com patrimônio de R$ 11,6 bilhões.[26]

Em abril de 2012, BTG Pactual se tornou uma empresa listada na bolsa, captando R$ 3,656 bilhões junto aos investidores da Bolsa de Valores de São Paulo numa oferta primária incluindo ações de duas entidades diferentes: o Banco BTG Pactual S.A, que controla as operações de investment banking, e o BTG Pactual Participations, uma empresa offshore para investimentos líquidos e ilíquidos criados para fins de planejamento tributário. O BBTG12, o ticker na Bovespa, compõe três ações de cada entidade. Os investidores de private placement (colocação privada) e de IPO agora detém uma participação conjunta de aproximadamente 30% no banco. A IPO do BTG Pactual foi considerada, na época, a maior do Brasil desde 2009.[27]

No mesmo ano, o BTG Pactual concluiu a aquisição de duas operações relevantes de serviços financeiros. A primeira foi a Celfin Capital, um banco de investimento chileno adquirido por US$ 245 milhões e concretizou a estratégia do BTG Pactual de se tornar um banco de investimento líder na região, com escritórios no Chile e no Peru.[28] Em junho de 2012, comprou a Bolsa y Renta, uma corretora colombiana por US$ 52 milhões, assim permitindo ao banco estabelecer uma presença nas economias mais importantes da América Latina.[29]

Em julho de 2014, fez duas aquisições na Europa, a primeira foi a resseguradora britânica Ariel Re comprada pelo BTG por um valor não divulgado[30] e adquiriu também por US$ 1,7 bilhão (cerca de R$ 4 bilhões) o banco suíço BSI,[31] com a aquisição o BTG Pactual expandiu suas operações na Europa.[32]

Nos últimos anos, o BTG Pactual vem expandindo sua atuação em private equity e como merchant bank. Por isso, o banco possui ações de diversas empresas em setores diferentes, como na rede de estacionamentos Estapar, na holding de drogarias Brazil Pharma e no grupo hospitalar Rede D'or.[33]

Linhas de Negócio[editar | editar código-fonte]

Investment Banking[editar | editar código-fonte]

O BTG Pactual é líder em assessoria financeira (fusões e aquisições, ou M&A) e em subscrição de títulos (mercados de capital de dívida e de renda variável – ou, DCM e ECM) desde 2009. O banco assessorou transações importantes como a venda da cervejaria Schincariol para a empresa japonesa, a Kirin, e a maioria dos IPOs e ofertas secundárias realizados no mercado brasileiro.[34]

Corporate Lending (Empréstimos e Financiamentos)[editar | editar código-fonte]

Envolve o financiamento e estruturação de garantias de créditos e empréstimos para empresas. O banco tem crescido neste mercado de forma exponencial desde as suas capitalizações de 2009 e 2012, e permanece bem desalavancado pelas métricas da Basileia (BIS).[35]

Sales and Trading[editar | editar código-fonte]

A primeira linha de negócio a ser desenvolvida, o Sales and Trading, oferece produtos e serviços a um grupo diverso de clientes nos mercados locais e internacionais, incluindo serviços de formação de mercado (market making), corretagem, compensação e derivativos, juros, câmbio, renda variável, energia e commodities para os fins de hedging e trading.[36]

Asset Management[editar | editar código-fonte]

O banco administra ativos através de um amplo leque de classes de ativos para clientes locais e internacionais. Além dos fundos long-only administrados pelo banco, desde 2009 o BTG Pactual vem consolidando uma presença relevante no mercado local de private equity (capital para crescimento e infraestrutura) e no segmento imobiliário, com participações nas seguintes empresas:[37][38]

  • Estapar (administração de estacionamentos)
  • Brazil Pharma (rede de farmácias)
  • Mitsubishi Motors do Brasil (montadora de carros)
  • Bravante (serviços offshore para o setor de Oil&Gas)
  • Estre Ambiental (remoção e tratamento de resíduos)
  • CCRR (papéis especiais)
  • UOL (portal do web e operador de centro de dados)
  • BodyTech (rede de academias)
  • Leader (rede de varejo de roupa e eletroeletrônicos)
  • BR Properties (dono e administrador imobiliário)
  • Suzuki (montadora de carros)
  • CPFL e empresas de energia (setor energético)
  • Brasbunker (offshore)
  • STR (setor de petróleo)
  • Beat, MaxHaus e UpTown (setor imobiliário)
  • Santé e companhias nordestinas (setor alimentício)
  • DVBR (combustíveis)

O banco consolidou uma presença relevante também no mercado de administração de fundos de hedge globais através do seu carro-chefe, o fundo GEMM Fund, que administra US$ 22 bilhões ao redor do mundo e está entre os 20 fundos mais rentáveis do mundo,[39] tendo sido considerado o Melhor Fundo Macro, pela EuroHedge, em 2010 e 2012.[40]

Wealth Management[editar | editar código-fonte]

Em 2014, o BTG Pactual era um dos líderes em gestão de patrimônio no Brasil,[41] com R$ 70,5 bilhões sob gestão do banco.[42] Seus serviços vão de asset management a assessoria de planejamento patrimonial no Brasil, no Chile, na Colômbia e na Europa.[43]

Ativos Florestais[editar | editar código-fonte]

O BTG Pactual Timberland Investiment Group (TIG) é um dos maiores gestores de ativos florestais do mundo, com investimentos nos EUA, América Latina, Europa e África. Possuem vários investidores, incluindo fundos de pensão, companhias de seguros, endowments, além de family offices dos EUA, Europa, América Latina e Oriente Médio.[44][45]

Principal investimento[editar | editar código-fonte]

O Banco investe seu capital em mercados globais, private equity (capital de crescimento e infraestrutura) e no segmento imobiliário. A maioria destes investimentos é conduzida através de fundos administrados pelos seus negócios de asset management, junto aos clientes do banco, em 2011 a divisão de Principal Investments representou 5,6% de todo o faturamento do BTG Pactual.[46]

BTG Pactual Digital[editar | editar código-fonte]

Projeto iniciado em janeiro de 2014 e aprovado no comitê executivo do banco em julho de 2014 foi implantado em 4 fases: março de 2015 - funcionários, outubro de 2015 - clientes existentes, junho de 2016 - family & friends de funcionários e, finalmente, dezembro de 2016 - público em geral.

Essa nova plataforma de investimentos online busca atrair clientes a partir de R$ 3.000,00 - um público até então jamais atendido diretamente pelo banco, cujo foco sempre se manteve em grandes investidores nacionais e estrangeiros.

Nesse novo segmento, o cliente de varejo passa a ter acesso a fundos de investimento, produtos de renda fixa (CDB, LCA, LCI e LF), previdência privada (PGBL e VGBL) e COE - Certificado de Operação Estruturada.

Segundo Marcelo Flora, Managing Director Partner do Banco e Head do BTG Pactual digital, a plataforma atuaria como uma startup dentro do banco com foco em user experience e investimentos, voltada para o varejo de alta renda no Brasil.[47]

Premiações Concedidas[editar | editar código-fonte]

  • Asset Management eleita a Melhor Gestora de Fundos do Brasil pela revista Exame/FGV por dois anos consecutivos (2011 e 2012)[48][49]
  • Considerada a melhor casa de Research da América Latina (2012) e do Brasil (2013 e 2012) e líder em Sales & Trading na América Latina (2013) e no Brasil (2013 e 2012) pela Institutional Investor[50]
  • Líder em emissões de ações na América Latina desde 2004 (Dealogic) e no Brasil (Bloomberg, 2012), eleita a Melhor Merger & Acquisition House (Brasil) e a Melhor Equity House (Brasil, Chile e América Latina) pela Euromoney (2013)[51]
  • Eleito o Banco de Investimentos mais inovador da América Latina pela The Banker (2013) e o Melhor Banco de Investimentos do Brasil e do Chile pela World Finance (2013)[52]
  • Líder em volume e número de transações de renda fixa de empresas brasileiras no mercado internacional (Dealogic, 2013) e em operações de M&A no Brasil (Thomson Reuters, 2013)[53]
  • Wealth Management escolhida o Melhor Private Bank do Brasil pelas revistas The Banker e Euromoney (2013)[54]
  • Melhor banco de Equities Sales do Brasil no ranking da Institutional Investor (2017)[55]
  • Eleito como melhor “solução financeira” no Prêmio Master Imobiliário do Estadão com o Fundo do BTG Pactual (2017)[56]

Suspeitas de corrupção[editar | editar código-fonte]

Operação Lava Jato[editar | editar código-fonte]

Em 25 de novembro de 2015, durante as investigações da Operação Lava Jato, o então presidente do BTG Pactual, André Esteves, foi preso sob a acusação de obstrução de justiça.[57] No mesmo dia da prisão do Esteves, as ações do BTG Pactual na BM&FBovespa chegaram a recuar 30%, com perda de mais de R$ 9 bilhões do valor de mercado.[58]

No dia 30 de novembro de 2015, segundo notícias veiculadas pela imprensa brasileira, um documento recolhido por investigadores da Operação Lava Jato apontava a realização de um suposto pagamento de R$ 45 milhões em propina ao presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), com a finalidade de alterar uma medida provisória para beneficiar o banco BTG Pactual.[59] Esteves também teria pago R$ 1,5 milhão ao advogado que defendia Cerveró, Edson Ribeiro, para que o BTG não fosse envolvido na Lava Jato.[60] Em dezembro, foi solto e passou à condição de "recolhimento domiciliar".

Preso, André Esteves renunciou ao cargo de CEO do BTG Pactual. Em 25 de abril de 2016, teve a prisão domiciliar revogada, tendo sido também dispensado de se apresentar quinzenalmente à Justiça, por decisão do ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal. Em 27 de abril, Pérsio Arida tornou-se CEO interino do BTG Pactual e Esteves voltou a trabalhar.[61][60][62]

Pedido de absolvição do MPF[editar | editar código-fonte]

Em 1º de setembro de 2017, o Ministério Público Federal pediu a absolvição do banqueiro André Esteves sob o argumento de que não há provas que ele tenha participado do esquema criminoso. O órgão entregou à Justiça Federal em Brasília as alegações finais na ação penal, na qual apresenta as conclusões com base nas provas e depoimentos realizados. O MPF diz não ter encontrado evidências de que André Esteves cometeu o crime de obstrução de Justiça. “O André foi envolvido indevidamente nesse processo, a instrução comprovou isso de forma cabal”, afirmou o advogado Antônio Carlos Almeida de Castro.[13][63]

Operação Conclave[editar | editar código-fonte]

O Ministério Público Federal e a Polícia Federal, no âmbito da Operação Conclave (deflagrada em abril de 2017[64]) também investigam os motivos pelos quais a Caixa Econômica Federal, através da Caixa Participações S.A. (Caixapar), investiu, em 2009, R$ 740 milhões na compra de 35,54% do capital do Banco PanAmericano (atual Banco PAN), fundado por Silvio Santos - uma instituição falida, com um rombo de R$ 4,3 bilhões. O Banco Central autorizou a compra no início de 2010, algumas semanas antes de virem à tona os indícios de fraudes financeiras na instituição. Em maio de 2011, o BTG adquiriu por R$ 450 milhões a participação do Grupo Silvio Santos, então controlador do PAN, tornando-se sócio da Caixa no negócio e acionista majoritário do PAN.[65][66][67] Os investigadores querem saber quais "os interesses do BTG na aquisição".[68] A Polícia também investiga qual foi a negociação feita entre a CaixaPar e o BTG, que mudou o nome do Panamericano para PAN depois de assumir o controle da instituição. Em nota, o BTG Pactual informou que "não foi parte ou teve qualquer envolvimento na compra de participação do Banco Panamericano pela Caixapar em 2009". O banco informou ainda que apresentou documentos referentes ao investimento no Panamericano que já estavam disponíveis no Banco Central. Segundo o BTG Pactual, ele não comprou ações emitidas pelo banco Panamericano e que pertencem a Caixapar. Afirmou, ainda, que a operação com o Grupo Silvio Santos ocorreu dentro das tentativas da FGC (Fundo Garantidor de Crédito) de equacionar a situação do Panamericano.[64][69]

Vendas[editar | editar código-fonte]

Venda de fatia da Rede D'Or São Luiz[editar | editar código-fonte]

O banco de investimento BTG Pactual era detentor de 23% da Rede D'Or São Luís, a maior rede de hospitais privados do país, sendo que o acionista majoritário, Jorge Moll Filho, detinha 72% da companhia.[70] Em dezembro de 2015, o BTG Pactual informou ter vendido sua participação na empresa ao fundo soberano de Cingapura GIC. O negócio totalizou aproximadamente R$ 2,38 bilhões.[71]

Venda de fatia da Recovery no Brasil[editar | editar código-fonte]

O Itaú Unibanco informou que fechou acordo com o Banco BTG Pactual para a compra da participação de 81,94% do BTG na empresa de recuperação de crédito Recovery do Brasil Consultoria por R$ 640 milhões.[72]

Venda da Lojas Leader[editar | editar código-fonte]

O BTG Pactual Participations firmou contrato de venda com a Legion Holdings da totalidade das ações detidas na Lojas Leader.[73]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «GovernançaI». Consultado em 24 de outubro de 2017 
  2. «Banco BTG Pactual – Divulgação de ResultadosI» (PDF). Consultado em 24 de outubro de 2017 
  3. «Visão GeralI». Consultado em 24 de outubro de 2017 
  4. «Lucro líquido do BTG Pactual cresce 10% no 4º trimestre». Valor Econômico. 25 de fevereiro de 2015. Consultado em 1 de maio de 2016 
  5. «Lucro líquido do BTG Pactual cresce 10% no 4º trimestre de 2014 e alcança R$ 848,4 milhões» (PDF). BTG Pactual. Consultado em 1 de maio de 2016 
  6. «UPDATE 1-Brazil's BTG to bulk up London commodities, add 100 staff» (em inglês). Reuters. Consultado em 27 de abril de 2016 
  7. «BTG Pactual». BTG Pactual. Consultado em 1 de maio de 2016 
  8. Alexandre Teixeira. «A maior aposta de Esteves». Época Negócios 
  9. «Sobre Asset do BTG Pactual». BTG Pactual. Consultado em 24 de outubro de 2017 
  10. «BTG Pactual é o melhor Banco de Investimento em Brasil, Chile e Colômbia». BTG Pactual. Consultado em 24 de outubro de 2017 
  11. Horch, Chad Bray and Dan. «Generali Sells Swiss Private Bank to BTG Pactual for $1.7 Billion». DealBook (em inglês) 
  12. «Governança». BTG Pactual. Consultado em 24 de outubro de 2017 
  13. a b «Procurador pede absolvição de Lula e André Esteves no caso Cerveró». epocanegocios.globo.com 
  14. «Em carta a clientes, Arida revela medidas do BTG pós-prisão de Esteves». Valor Econômico 
  15. «S&P eleva notas do BTG Pactual por 'melhor liquidez'». Negócios. 28 de setembro de 2016 
  16. «BTG Pactual Asset Management S.A. DTVM» (PDF). Fitch Ratings. 23 de março de 2012. Consultado em 24 de outubro de 2017 
  17. «Da Tijuca para o mundo». revistaepoca.globo.com 
  18. a b «Visão Geral». BTG Pactual. Consultado em 24 de outubro de 2017 
  19. «Folha de S.Paulo - Pactual muda diretoria, e Fernandes está de saída - 22/06/99». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 24 de outubro de 2017 
  20. «UBS acerta venda do Pactual ao BTG por US$2,5 bi - Economia - Estadão». Estadão 
  21. «UBS nomeia André Esteves chefe global de renda fixa - Economia - Estadão». Estadão 
  22. «BTG Pactual: lucro cai 28% em 2016 ante 2015, para R$ 3,325 bilhões». Valor Econômico 
  23. «Folha de S.Paulo - Mercado - BTG Pactual se prepara para lançar ações na Bolsa - 27/02/2012». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 24 de outubro de 2017 
  24. «Silvio Santos vende Panamericano para BTG Pactual | VEJA.com». VEJA.com 
  25. «4 aplicativos para divertir as crianças e tranquilizar as mães no Natal | EXAME». exame.abril.com.br. Consultado em 24 de outubro de 2017 
  26. «BTG Pactual é o maior gestor de fundos imobiliários no País». BTG Pactual. Consultado em 24 de outubro de 2017 
  27. Editorial, Reuters. «BTG Pactual emplaca maior IPO do país em quase 3 anos». BR 
  28. «BTG compra chileno Celfin e já estuda novas aquisições na AL - Economia - Estadão». Estadão 
  29. «UPDATE 2-BTG Pactual pays $52 mln for Colombian brokerage». Reuters. 14 de Junho de 2012 
  30. «BTG Pactual acerta compra de subsidiárias da resseguradora Ariel Re - Notícias - UOL Economia». UOL Economia 
  31. Alves, Por Aluísio. «BTG Pactual receberá BSI "limpinho" e já se vê como player global em gestão». BR 
  32. «BTG Pactual anuncia compra do banco suíço BSI por cerca de R$ 4 bilhões». Jornal do Brasil 
  33. Consultoria, Lafis. «LAFIS - Blog, Noticias, Análise Setorial». www.lafis.com.br. Consultado em 24 de outubro de 2017 
  34. «Banco BTG Pactual | Relações com Investidores |». ri.btgpactual.com. Consultado em 24 de outubro de 2017 
  35. «Lucro líquido do BTG Pactual soma R$ 768 mi no 4º tri | EXAME». exame.abril.com.br. Consultado em 24 de outubro de 2017 
  36. «UPDATE 2-BTG Pactual's Esteves sees commodities increasingly adding to profit». Reuters. 7 de Maio de 2014 
  37. «Sobre Asset do BTG Pactual». BTG Pactual. Consultado em 24 de outubro de 2017 
  38. «As 25 empresas das quais o BTG Pactual é sócio no Brasil | EXAME». exame.abril.com.br. Consultado em 24 de outubro de 2017 
  39. «BTG Pactual». www.btgpactual.com. Consultado em 24 de outubro de 2017 
  40. «BTG Pactual» (PDF). Banco do Brasil. 24 de abril de 2012. Consultado em 24 de outubro de 2017 
  41. «BTG Pactual é líder das operações de M&A no Brasil no primeiro semestre de 2010» (PDF). BTG Pactual. Consultado em 24 de outubro de 2017 
  42. «BTG Pactual». www.btgpactual.com. Consultado em 24 de outubro de 2017 
  43. «Onde Estamos». BTG Pactual. Consultado em 24 de outubro de 2017 
  44. «Sobre Asset do BTG Pactual». BTG Pactual. Consultado em 24 de outubro de 2017 
  45. «Fundo rende troféu de solução financeira ao BTG - Economia - Estadão». Estadão 
  46. «O que fez BTG Pactual dobrar de tamanho no ano passado». Exame. 20 de fevereiro de 2013. Consultado em 27 de abril de 2016 
  47. «BTG Pactual digital: Invista em LCI, Tesouro Direto, CDB e Previdência Privada». BTG Pactual digital. Consultado em 24 de outubro de 2017 
  48. «EXAME elege os melhores gestores de fundos | EXAME». exame.abril.com.br. Consultado em 24 de outubro de 2017 
  49. «Os melhores gestores de fundos do ano | EXAME». exame.abril.com.br. Consultado em 24 de outubro de 2017 
  50. «BTG Pactual Leads All-Brazil Research Team for Third Year». Institutional Investor (em inglês). Consultado em 24 de outubro de 2017 
  51. «Private Banking and Wealth Management Survey 2015: Latin America regional». Euromoney (em inglês). Consultado em 24 de outubro de 2017 
  52. «The Banker Database - interactive banking reports & global finance rankings  :: Banco BTG Pactual Overview». www.thebankerdatabase.com (em inglês). Consultado em 24 de outubro de 2017 
  53. «TABLE-BTG Pactual, Itaú top Brazil's first-half M&A rankings». Reuters. 1 de Julho de 2015 
  54. Banker, The. «PWM/The Banker Private Banking Awards 2013». www.thebanker.com (em inglês). Consultado em 24 de outubro de 2017 
  55. «The 2017 LATAM Sales Team». Institutional Investor (em inglês). Consultado em 24 de outubro de 2017 
  56. «Fundo rende troféu de solução financeira ao BTG - Economia - Estadão». Estadão 
  57. «A íntegra do pedido de prisão de Delcídio e Esteves». Congresso em foco. 25 de novembro de 2015. Consultado em 27 de abril de 2016 
  58. Bruno Rosa, Ana Paula Ribeiro, Renan Setti e Andrea Freitas (25 de novembro de 2015). «Prisão de André Esteves preocupa mercado financeiro e setor produtivo». O Globo. Consultado em 25 de novembro de 2015 
  59. «Documento diz que banco BTG pagou R$ 45 milhões a Cunha». Exame. Consultado em 30 de novembro de 2015 
  60. a b «STF revoga prisão domiciliar de André Esteves e libera volta ao BTG». Folha de S.Paulo 
  61. Vera Magalhães. «Pérsio Arida será novo CEO do BTG Pactual». VEJA. Consultado em 27 de abril de 2016 
  62. André Esteves volta a trabalhar no BTG Pactual após prisão na Lava Jato. Por David Friedlander. Folha de S. Paulo, 27 de abril de 2016
  63. «Procurador pede absolvição de Lula no caso Cerveró». Fausto Macedo 
  64. a b PF investiga compra do Banco PAN pela Caixa Econômica e pelo BTG Pactual. Por Bela Megale e Julio Wikiac. Folha de S. Paulo, 19 de abril de 2017.
  65. MPF pede condenação de 9 ex-diretores do Banco Panamericano. G1, 10 de outubro de 2016.
  66. 19/04/2017 às 07h29 13 PF apura fraudes na compra de ações do Banco Panamericano pela Caixa. Por André Guilherme Vieira, Carolina Mandl, Talita Moreira, Silvia Rosa e Eduardo Campos. Valor, 19 de abril de 2017.
  67. Sobre o Banco PAN
  68. Compra do PanAmericano pela Caixa Econômica será investigada pelo MP. Jornal do Brasil, 2 de agosto de 2014.
  69. «PF investiga compra do Banco Pan pela Caixa Econômica e pelo BTG Pactual». Folha de S.Paulo 
  70. Como o fundador da rede D'Or foi de médico a bilionário. Exame, 16 de abril de 2015.
  71. «BTG Pactual vende fatia na Rede D'Or a fundo de Cingapura por R$ 2,38 bi». Folha de S.Paulo. 2 de dezembro de 2015. Consultado em 27 de abril de 2016 
  72. «Itaú Unibanco fecha compra de fatia do BTG na Recovery». G1. 31 de dezembro de 2015. Consultado em 27 de abril de 2016 
  73. «BTG vende fatia na varejista Leader por valor simbólico». Valor Econômico 
Ícone de esboço Este artigo sobre um banco ou instituição financeira é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre BTG Pactual