Investimento financeiro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Finanças

Mercado Financeiro
Ações
ETFs
Títulos e Obrigações
Corretoras de Valores
Forex
Derivativos
Commodity
Debênture
Direitos de subscrição
Certificado de depósito bancário
Comissão de Valores Mobiliários
Classificação de crédito

Imóveis

Sistema Bancário
Banco Central do Brasil
Lista de bancos do Brasil
Depósito
Empréstimo

Entendem-se por investimento financeiro as operações de compra e venda de títulos como letras de câmbio, ações, etc., sendo uma sub-área da economia e dos investimentos mais ligada às finanças pessoais e à educação financeira[1][2]. São amplamente buscados por pessoas físicas, mas também por empresas[3], em instituições como bancos e corretoras de valores[4][5], sendo que em alguns casos o interessado também pode efetuar a aplicação individualmente, como na compra e venda de ações e de moeda estrangeira.

O principal objetivo do investimento financeiro é repor o valor de compra da moeda perdido com a inflação, que é outro fator importante a ser considerado, mas sendo também largamente possível a obtenção de lucro.[6] As aplicações podem ser classificadas segundo vários critérios: tipo de renda (renda fixa ou renda variável), risco (alto, médio ou baixo risco), prazo (curto, médio ou longo prazo), liquidez (alta ou baixa), entre outros, os quais o investidor deve analisar e comparar, para ver o que se encaixa melhor em seus projetos pessoais, suas necessidades, etc.[7][8]. Outro item importante a ser analisado é a tributação que incidirá sobre cada tipo de investimento.

São exemplos de investimentos financeiros[9]:

Todo esse "ambiente" que envolve estas aplicações é conhecido como mercado financeiro. Levando em conta um sentido mais amplo, esta área de investimentos pode envolver também outros ramos como o mercado imobiliário, o empreendedorismo, etc.[10][11],

Diferença entre investimento e especulação[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Especulação financeira

Muitos apontam uma separação entre investir e especular. Isto ocorre pelo fato de algumas modalidades de investimento não contarem com uma análise aprofundada de todas as questões econômicas envolvidas, sendo simplesmente o ato de comprar um ativo por determinado preço, apostando que ele se valorize no futuro, para então vendê-lo, geralmente no curto prazo.

Um exemplo desta diferença seria a compra de ações na bolsa de valores: investir em ações seria, então, comprá-las fazendo um estudo aprofundado de toda a situação financeira das empresas, para entender o que traria melhores dividendos no futuro, enquanto que especular seria comprá-las apenas considerando o preço da compra, esperando um momento de preço maior para vender. Também acontece com a compra e venda de imóveis, moedas, etc.[12][13]

Referências

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • MENEZES, Caldeira. Princípios da Gestão Financeira. 10ª Edição. Editorial Presença ano 2001

Ver também[editar | editar código-fonte]