Corretora de valores

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde junho de 2017).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde junho de 2017)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
Flag of Brazil.svgGnome-globe.svg
Esta página ou seção está redigida sob uma perspectiva principalmente brasileira e pode não representar uma visão mundial do assunto.
Por favor aperfeiçoe este artigo ou discuta este caso na página de discussão.
Finanças

Mercado Financeiro
Ações
ETFs
Títulos e Obrigações
Corretoras de Valores
Forex
Derivativos
Commodities
Debêntures
Bônus de subscrição
Certificado de depósito
Comissão de Valores Mobiliários
Classificação de crédito

Imóveis

Sistema Bancário
Banco Central do Brasil
Lista de bancos do Brasil
Depósito
Empréstimo

Corretora de valores é uma pessoa jurídica auxiliar do Sistema Financeiro Nacional que intermedia a compra e venda de títulos financeiros para seus clientes.

Sua constituição depende de autorização do BACEN e o exercício de sua atividade depende de autorização do CVM.

Sua função mais conhecida é a atuação na Bolsa de valores.

No Brasil, não se pode operar diretamente na Bolsa, sendo condição necessária que se tenha uma conta em alguma corretora autorizada. Geralmente, as corretoras cobram uma taxa pela custódia mensal dos títulos, mas esta cobrança não é obrigatória. A taxa é devida pela custódia, independentemente da movimentação dos ativos. Além da taxa de custódia, deve-se pagar à corretora um determinado preço por operação que pode ser um percentual do valor da transação, um valor fixo por operação, ou ainda uma quantia mensal fixa, chamada taxa de corretagem.

Tradicionalmente existem duas formas de se investir através de uma corretora de valores:

1. Mesa de operações: onde o investidor deve enviar suas ordens através do telefone; e
2. Home Broker: onde o investidor envia suas ordens através da internet.

As corretoras são, em geral, membros de uma bolsa de ativos (exceto as de seguro) que adquirem uma mesma parte do ser patrimônio (título da bolsa) e, em conseqüência, tem o direito de operar em todos os segmentos em que a bolsa atua (FARIA, 2003, p. 23). As corretoras de valores podem ser entendidas como instituições financeiras que operam no mercado de valores e títulos, comprando, vendendo e administrando esses valores como representante dos investidores, podendo elas, serem pessoas físicas ou jurídicas. São instituições típicas do mercado acionário, operando com a compra, venda e a distribuição de títulos e valores mobiliários por conta de terceiros. Elas fazem a intermediação com as bolsas de valores e de mercadorias (FORTUNA, 2008, p. 37).

Entre suas funções estão, de acordo com Galvão (2006):

  • Promover ou participar de lançamento público das ações;
  • Fazer a administração e a custódia das carteiras de títulos e valores mobiliários;
  • Organização e administração dos fundos e clubes de investimentos;
  • Operar em bolsas de mercadorias e futuros, por conta própria e de terceiros;
  • Operações de compra e venda de metais preciosos e moedas estrangeiras, por conta própria e de terceiros; e
  • Prestação de serviços de assessoria técnica em operações inerentes ao mercado financeiro.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre economia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.