Shoptime

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Shoptime
B2W Companhia Digital
Página inicial do Shoptime em novembro de 2020
Nomes anteriores TV Shoptime
Proprietário(s) B2W Digital
Gênero Comércio eletrônico
Cadastro Necessário para realizar compras
País de origem  Brasil
Idioma(s) Língua portuguesa
Lançamento 1995
Desenvolvedor B2W Digital
Endereço eletrônico shoptime.com.br

Shoptime é uma empresa brasileira de varejo, criada em 1995, como o primeiro canal de home shopping da América Latina, isto é, com foco na venda de itens de decoração para a casa através da TV. [1]

Em 1997 além do canal de televisão, a TV Shoptime, a marca ganhou um site de comércio eletrônico. Em 2005, foi adquirida pelo grupo B2W Digital, com foco na expansão do e-commerce. Em 2017, o site passou a integrar o formato de vendas do marketplace, ou seja, onde lojistas parceiros podem se cadastrar para vender no canal. [2]

História[editar | editar código-fonte]

O Shoptime teve sua origem a partir de um plano de expansão da Multicanal, operadora de televisão a cabo. O objetivo principal era iniciar uma operação própria de DTH no Brasil (televisão via satélite). Para isso, a operadora investiu para montar um projeto de programação. Seriam lançados novos canais, como um de filmes de aventura, um infantil e outro voltado ao público feminino; entre os planos, estava um canal de vendas, batizado de Shoptime. Inspirado no modelo norte-americano de home shopping, que já contava com redes como HSN e QVC, sua programação seria 24 horas dedicada às televendas.[3] O projeto de DTH da Multicanal e o lançamento dos demais canais foram interrompidos devido a divergências entre os acionistas da operadora, o que interrompeu os preparativos. O Shoptime, no entanto, já estava pronto para iniciar suas operações.[4]

Além do canal de televisão, o Shoptime também editava um catálogo de venda direta ao consumidor. Com a ascensão da internet, a empresa entrou no comércio eletrônico em 1997, com a criação do site Shoptime.com, com maior variedade de produtos. Apesar disso, a primeira investida do Shoptime na internet veio com o lançamento do Cybermall, uma página em que os clientes podiam visualizar informações sobre os produtos anunciados na televisão. As compras, porém, ocorriam apenas através do telefone.[5]

Já passaram pelo canal da empresa, a TV Shoptime, apresentadores como Ciro Bottini, Carlos Takeshi,[6] Rosana Garcia,[7] Monique Evans,[8] Roberta Close,[9] Rodolfo Bottino,[10] Viviane Romanelli,[11] Antonio Pedro,[12] Marcos Veras e Rafael Baronesi. Um dos diferenciais mais apontados para o sucesso do Shoptime, que já chegou a vender 500 máquinas de waffles em 90 minutos,[11] é o fato de ter o horário nobre apresentado ao vivo.

A empresa foi comprada pelo grupo controlador das Lojas Americanas[13] em agosto de 2005 por 126,7 milhões de reais.[14] A aquisição abriu caminho para que o Shoptime integrasse a B2W Digital, proprietária de sites como Submarino e Americanas.com. Hoje em dia, além de produtos para a casa, o site oferece itens das mais diferentes categorias.

Marcas próprias[editar | editar código-fonte]

O Shoptime possui alguns produtos com marca própria, como:

  • Casa & Conforto (cama, mesa e banho),
  • Fun Kitchen (eletroportáteis)
  • La Cuisine (utilidades domésticas)
  • Life Zone (esporte e lazer)

Shoptime Marketplace[editar | editar código-fonte]

Através do Shoptime Marketplace, lojistas de diferentes categorias do varejo podem passar a vender itens de seus estoques dentro dos sites da B2W Marketplace, incluindo o Shoptime.

Alguns lojistas com ofertas mais competitivas podem ainda participar do Canal Shoptime com seus produtos sendo anunciados pelos apresentadores do canal.[15]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Vender no Shoptime: passos para aproveitar as oportunidades do canal». Blog B2W Marketplace. 21 de dezembro de 2017. Consultado em 12 de abril de 2021 
  2. «B2W Companhia Digital». ri.b2w.digital. Consultado em 12 de abril de 2021 
  3. Paulino Neto, Fernando; Blecher, Nelson (12 de outubro de 1995). «TV fará vendas diretas durante 24 horas». Folha de S. Paulo. Consultado em 18 de fevereiro de 2015. Arquivado do original em 19 de fevereiro de 2015 
  4. Possebon 2009, pp. 75–76
  5. «ShopTime inaugura serviço interativo de vendas». Folha de S. Paulo. 25 de dezembro de 1995. Consultado em 18 de fevereiro de 2015. Arquivado do original em 19 de fevereiro de 2015 
  6. Campos, Vanessa (8 de março de 1998). «Shoptime troca de cozinheiro». Folha de S. Paulo. Consultado em 19 de fevereiro de 2015 
  7. Padiglione, Cristina (28 de março de 1998). «Ratinho supera a Globo com menino deformado». Folha de S. Paulo. Consultado em 18 de fevereiro de 2015 
  8. Padiglione, Cristina (27 de fevereiro de 1998). «Novela da Band já tem o elenco fechado». Folha de S. Paulo. Consultado em 19 de fevereiro de 2015 
  9. «Close substitui Monique». Folha de S. Paulo. 3 de setembro de 2000. Consultado em 19 de fevereiro de 2015 
  10. Scalzo, Mariana (31 de agosto de 1997). «Para chef, programas evoluíram». Folha de S. Paulo. Consultado em 19 de fevereiro de 2015 
  11. a b Valladares, Ricardo (15 de outubro de 2003). «Vai um boi aí?». São Paulo: Abril. Veja (1824). 118 páginas. ISSN 0100-7122. Consultado em 18 de fevereiro de 2015. Arquivado do original (Flash) em 28 de abril de 2015 
  12. «Cozinha da Ofélia muda». Folha de S. Paulo. 6 de março de 1998. Consultado em 19 de fevereiro de 2015 
  13. Globo Online (18 de agosto de 2005). «Americanas.com compra Shoptime». Imirante.com. Consultado em 18 de fevereiro de 2015 [ligação inativa]
  14. Valor Online (18 de agosto de 2005). «Americanas.com anuncia compra do Shoptime por R$ 126,7 mi». Valor Econômico. Consultado em 18 de fevereiro de 2015 
  15. «O que é o Canal Shoptime e como posso alavancar a minha venda através dele?». Blog B2W Marketplace. 9 de agosto de 2018. Consultado em 12 de abril de 2021 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]