Máquina de Vendas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Maquina de Vendas
Razão social Máquina de Vendas Brasil Participações S.A[1]
Empresa de capital fechado
Atividade Varejista, eletrodomésticos, eletrônicos, móveis
Gênero Varejo
Fundação 29 de março de 2010 (9 anos)
Sede Brasil São Paulo, São Paulo
Proprietário(s) Starboard
MV Participações
Presidente Luiz Wan-Dall[2]
Pessoas-chave Ricardo Nunes
Luiz Carlos Batista[3]
Empregados 12,200 (2018)[4]
Subsidiárias Ricardo Eletro
Lucro Lucro R$ 88 milhões (2013)[5]
Faturamento Baixa R$ 5,2 bilhões (2018)[4]
Renda líquida Baixa R$ 5,5 bilhões (2018)[6]
Antecessora(s) Lojas Insinuante
City Lar[7]
Eletro Shopping[8]
Salfer [9]
Website oficial www.maquinadevendas.com.br

A Máquina de Vendas é a quinta maior empresa varejista brasileira[10] e a terceira maior varejista de eletroeletrônicos e eletrodomésticos, atrás da Via Varejo, empresa composta por Casas Bahia e Ponto Frio.[11][12] A empresa foi fundada em 29 de março de 2010, como resultado da fusão das empresas varejistas Insinuante presente no estado da Bahia e da Ricardo Eletro no estado de Minas Gerais. Desde então, a holding cresceu com a inclusão das redes City Lar (aquirida em junho de 2010),[9] Eletro Shopping (incorporada em junho de 2011)[7] e Salfer (comprada em abril de 2012)[10] ao seu portfólio. A expansão possibilitou que a Máquina de Vendas se tornasse a rede de maior cobertura territorial do País.[10]

O modelo de negócio da Máquina de Vendas valoriza as marcas regionais e o conhecimento de cada novo parceiro.[7] As operações da baiana Insinuante e da rede pernambucana Eletro Shopping são complementares, uma vez que são poucas as cidades do Nordeste com lojas das duas bandeiras.[13] A marca Ricardo Eletro continua como predominante no Sudeste, Goiás e Distrito Federal, a rede catarinense Salfer atua na região Sul, e a rede mato-grossense City Lar é a bandeira do grupo na região Norte, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. Com esta estratégia, a Máquina de Vendas consolida sua posição como líder em capilaridade regional e player melhor posicionado para capturar o crescimento do Nordeste do País.[14]

O grupo conta com cerca de 1,1 mil lojas em funcionamento em 442 cidades em todos os estados brasileiros. As empresas que oferecem 4,5 mil itens nos canais de vendas e 50 mil itens em seus sites de comércio eletrônico.  

História[editar | editar código-fonte]

Em 29 de março de 2010 ocorreu a fusão entre as redes varejistas Ricardo Eletro e Insinuante criando uma holding batizada de Máquina de Vendas S/A. Juntas, elas são a segunda maior empresa de eletroeletrônicos e móveis do país, com 8% do mercado brasileiro. O novo grupo ultrapassa os 6% de market share do Magazine Luiza, ficando atrás apenas da gigante formada pela união de Pão de Açúcar, Ponto Frio e Casas Bahia, que conta com uma participação de pelo menos 20% do mercado.[15]

Em 24 de junho de 2010 a holding da empresa anunciou a compra da rede mato-grossense City Lar, presente nas regiões Centro-Oeste e Norte do país.[16] Segundo o próprio fundador da empresa, Ricardo Nunes a compra da City Lar foi motivada pela compra das Casas Bahia e do Ponto Frio pelo Grupo Pão de Açúcar[9] e teve como objetivo fortalecer a Máquina de Vendas na região Centro-Norte do país.

Em 21 de julho de 2011 a Máquina de Vendas comprou 51% da empresa pernambucana Eletro Shopping, presente em estados da região Nordeste.[8]

Em abril de 2012 a empresa comprou a rede catarinense Salfer, presente na região Sul do Brasil, única parte do país onde ainda não atuava. Com isso a empresa criou a Máquina de Vendas Sul, sendo parte regional de holding presidida por Clayton Salfer.[7]

Em 11 de abril de 2016, as marcas "City Lar", "Eletro Shopping", "Insinuante" e "Salfer" deixaram de ser usadas em prol de uma única marca, prevalecendo o nome Ricardo Eletro.[17]

Bandeiras[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. http://ri.maquinadevendas.com.br/#organograma_societario
  2. {{citar web|url=https://br.linkedin.com/in/luiz-a-wan-dall-jr-70398326
  3. «O varejo é gringo». 15 de dezembro de 2016. Consultado em 15 de dezembro de 2016 
  4. a b Jankavski, André (30 de agosto de 2018). «O desafio de consertar a máquina». Exame. Grupo Abril. Consultado em 17 de outubro de 2019 
  5. Bronzatto, Thiago (29 de setembro de 2014). «Adeus aos donos». Exame. Grupo Abril. Consultado em 17 de outubro de 2019 
  6. Drska, Moacir (10 de agosto de 2018). «Uma máquina à venda». IstoÉ. Terra Networks. Consultado em 17 de outubro de 2019 
  7. a b c d «Varejo, crédito, seguro, consórcio... Até onde vai a Máquina de Vendas». www.estadao.com.br . Estadão (28/02/2011). Página visitada em 13/02/2014.
  8. a b «Máquina de Vendas compra rede Eletro Shopping». Odiário.com. 21 de julho de 2011. Consultado em 30 de junho de 2012. Arquivado do original em 28 de fevereiro de 2014 
  9. a b c 1.   Vanessa Dezem (23 de junho de 2010). «Com City Lar, Máquina de Vendas amplia rede para 281 cidades». oglobo.globo.com .  O Globo. Página visitada em 30 de junho de 2012.
  10. a b c Chiara, Márcia De (5 de dezembro de 2012). «Número de varejistas que fatura mais de R$ 1 bi no Brasil cresce 32%». Agência Estado. Estadão. Consultado em 3 de janeiro de 2013 
  11. Serodio, Guilherme (19 de outubro de 2012). «Máquina de Vendas espera crescimento entre 5% e 7% este ano». Grupo Folha. Valor Econômico. Consultado em 3 de janeiro de 2013 
  12. Comin, Arnaldo (6 de julho de 2012). «O varejo é gringo». Editora Três. ISTOÉ Dinheiro. Consultado em 3 de janeiro de 2013. Arquivado do original em 14 de fevereiro de 2013 
  13. «Máquina de Vendas compra rede Eletro Shopping e retoma 2º lugar no varejo». www.estadao.com.br . Estadão (21/07/2011). Página visitada em 12/02/2014.
  14. «A máquina ajusta as engrenagens». www.istoedinheiro.com.br. Consultado em 21 de fevereiro de 2014. Arquivado do original em 14 de outubro de 2013 . IstoÉ Dinheiro (11/10/2013). Página visitada em 12 de fevereiro de 2014.
  15. Vivian Pereira (29 de março de 2010). «Insinuante e Ricardo Eletro se unem e querem dobrar de tamanho». Reuters. o Globo. Consultado em 30 de junho de 2012 
  16. Marinella Castro (24 de junho de 2010). «Holding da Ricardo Eletro anuncia compra da City Lar». Estado de Minas. [[Uai (portal)|UAI]]. Consultado em 30 de junho de 2012 
  17. «Lojas Insinuante, Eletro Shopping, City Lar e Salfer viram Ricardo Eletro». UOL. 11 de abril de 2016. Consultado em 12 de fevereiro de 2017 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]