Máquina de Vendas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Maquina de Vendas
Razão social Máquina de Vendas Brasil Participações S.A[1]
Tipo Empresa de capital fechado
Indústria Varejista, Eletrodomésticos, Eletrônicos, Móveis
Gênero Varejo
Fundação 29 de março de 2010 (7 anos)
Sede Brasil São Paulo, São Paulo
Presidente Enéas Pestana[2]
Pessoas-chave Ricardo Nunes
Luiz Carlos Batista[3]
Empregados 26.000 [4]
Subsidiárias Ricardo Eletro
Extintas:
Faturamento Lucro R$ 7,2 bilhões (2011)[5]
Antecessora(s) Ricardo Eletro
Lojas Insinuante

Demais redes ligadas ao holding:
City Lar[6]
Eletro Shopping[7]
Salfer [8]

Website oficial www.maquinadevendas.com.br

A Máquina de Vendas[9] é a quinta maior empresa varejista brasileira[10] e a terceira maior varejista de eletroeletrônicos e eletrodomésticos, atrás da Via Varejo, empresa composta por Casas Bahia e Ponto Frio.[11][12] A empresa foi fundada em 29 de março de 2010, como resultado da fusão das empresas varejistas Insinuante presente no estado da Bahia e da Ricardo Eletro no estado de Minas Gerais. Desde então, a holding cresceu com a inclusão das redes City Lar (aquirida em junho de 2010),[8] Eletro Shopping (incorporada em junho de 2011)[6] e Salfer (comprada em abril de 2012)[10] ao seu portfólio. A expansão possibilitou que a Máquina de Vendas se tornasse a rede de maior cobertura territorial do País.[10]

O modelo de negócio da Máquina de Vendas valoriza as marcas regionais e o conhecimento de cada novo parceiro.[6] As operações da Insinuante e da rede pernambucana Eletro Shopping são complementares, uma vez que são poucas as cidades do Nordeste com lojas das duas bandeiras.[13] A marca Ricardo Eletro continua como predominante no Sudeste, Goiás e Distrito Federal, a rede catarinense Salfer atua na região Sul, e a rede mato-grossense City Lar é a bandeira do grupo na região Norte, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. Com esta estratégia, a Máquina de Vendas consolida sua posição como líder em capilaridade regional e player melhor posicionado para capturar o crescimento do Nordeste do País.[4]

O grupo conta com cerca de 1,1 mil lojas em funcionamento em 442 cidades em todos os estados brasileiros. As empresas que oferecem 4,5 mil itens nos canais de vendas e 50 mil itens em seus sites de comércio eletrônico.  

História[editar | editar código-fonte]

Em 29 de março de 2010 ocorreu a fusão entre as redes varejistas Ricardo Eletro e Insinuante criando uma holding batizada de Máquina de Vendas S/A. Juntas, elas são a segunda maior empresa de eletroeletrônicos e móveis do país, com 8% do mercado brasileiro. O novo grupo ultrapassa os 6% de market share do Magazine Luiza, ficando atrás apenas da gigante formada pela união de Pão de Açúcar, Ponto Frio e Casas Bahia, que conta com uma participação de pelo menos 20% do mercado.[14]

Em 24 de junho de 2010 a holding da empresa anunciou a compra da rede mato-grossense City Lar, presente nas regiões Centro-Oeste e Norte do país.[15] Segundo o próprio fundador da empresa, Ricardo Nunes a compra da City Lar foi motivada pela compra das Casas Bahia e do Ponto Frio pelo Grupo Pão de Açúcar[8] e teve como objetivo fortalecer a Máquina de Vendas na região Centro-Norte do país.

Em 21 de julho de 2011 a Máquina de Vendas comprou 51% da empresa pernambucana Eletro Shopping, presente em estados da região Nordeste.[7]

Em abril de 2012 a empresa comprou a rede catarinense Salfer, presente na região Sul do Brasil, única parte do país onde ainda não atuava. Com isso a empresa criou a Máquina de Vendas Sul, sendo parte regional de holding presidida por Clayton Salfer.[6]

Em 11 de abril de 2016, as marcas "City Lar", "Eletro Shopping", "Insinuante" e "Salfer" deixaram de ser usadas em prol de uma única marca, prevalecendo o nome Ricardo Eletro.[16]

Bandeiras[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. http://ri.maquinadevendas.com.br/#organograma_societario
  2. «Assume Maquina de Vendas». Portal no Varejo. Consultado em 3 de dezembro de 2015 
  3. «O varejo é gringo». 15 de dezembro de 2016. Consultado em 15 de dezembro de 2016 
  4. a b «A máquina ajusta as engrenagens». www.istoedinheiro.com.br . IstoÉ Dinheiro (11/10/2013). Página visitada em 12 de fevereiro de 2014.
  5. A máquina ajusta as engrenagens. IstoÉ Dinheiro (11/10/2013). Página visitada em 12 de fevereiro de 2014.  
  6. a b c d «Varejo, crédito, seguro, consórcio... Até onde vai a Máquina de Vendas». www.estadao.com.br . Estadão (28/02/2011). Página visitada em 13/02/2014.
  7. a b «Máquina de Vendas compra rede Eletro Shopping». Odiário.com. 21 de julho de 2011. Consultado em 30 de junho de 2012 
  8. a b c 1.   Vanessa Dezem (23 de junho de 2010). «Com City Lar, Máquina de Vendas amplia rede para 281 cidades». oglobo.globo.com .  O Globo. Página visitada em 30 de junho de 2012.
  9. «(o-O) → A Maquina de Vendas Online 2.0 [SAIBA A VERDADE NUA] -». Consultado em 2 de outubro de 2016 
  10. a b c Chiara, Márcia De (5 de dezembro de 2012). «Número de varejistas que fatura mais de R$ 1 bi no Brasil cresce 32%». Agência Estado. Estadão. Consultado em 3 de janeiro de 2013 
  11. Serodio, Guilherme (19 de outubro de 2012). «Máquina de Vendas espera crescimento entre 5% e 7% este ano». Grupo Folha. Valor Econômico. Consultado em 3 de janeiro de 2013 
  12. Comin, Arnaldo (6 de julho de 2012). «O varejo é gringo». Editora Três. ISTOÉ Dinheiro. Consultado em 3 de janeiro de 2013 
  13. «Máquina de Vendas compra rede Eletro Shopping e retoma 2º lugar no varejo». www.estadao.com.br . Estadão (21/07/2011). Página visitada em 12/02/2014.
  14. Vivian Pereira (29 de março de 2010). «Insinuante e Ricardo Eletro se unem e querem dobrar de tamanho». Reuters. o Globo. Consultado em 30 de junho de 2012 
  15. Marinella Castro (24 de junho de 2010). «Holding da Ricardo Eletro anuncia compra da City Lar». Estado de Minas. [[Uai (portal)|UAI]]. Consultado em 30 de junho de 2012 
  16. «Lojas Insinuante, Eletro Shopping, City Lar e Salfer viram Ricardo Eletro». UOL. 11 de abril de 2016. Consultado em 12 de fevereiro de 2017 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]