Avibras

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Avibras Indústria Aerospacial S/A
Sociedade Anônima
Atividade Indústria bélica
Indústria de defesa
Fundação 1961
Sede São José dos Campos, SP, Brasil
Pessoas-chave João Verdi de Carvalho Leite
Produtos sistemas de defesa aéreos, Artilharia, veículos Armados, Equipamento de transporte, Pintura automotriz e Explosivos
Website oficial http://www.avibras.com.br

A Avibras Indústria Aeroespacial é uma diversificada empresa brasileira que projeta, desenvolve e fabrica produtos e serviços de defesa. Sua gama de produtos abrange tanto sistemas de artilharia e defesa de aeronaves, foguetes e mísseis, como sistemas de armas ar-solo e superfície-superfície, incluindo sistemas de foguetes de artilharias, sistemas ar-solo de 70 mm e mísseis guiados multifunção de fibra óptica. Também fabrica veículos blindados.

A Avibras também é fabricante de veículos de transporte civil por meio de uma divisão chamada Tectran, equipamentos de telecomunicações, equipamentos eletrônicos industriais (Powertronics), pintura automotiva e explosivos.

Tem sede em São José dos Campos, Brasil.[1]

Histórico[editar | editar código-fonte]

A Avibras foi uma das primeiras indústrias aeroespaciais surgidas na região de São José dos Campos em função da formação de recursos humanos especializados pelo ITA. A Avibras (de “aviões brasileiros”) foi criada em abril de 1961 por Olympio Sambatti, ao lado de José Carlos de Sousa Reis, Aloysio Figueiredo e João Verdi de Carvalho Leite, todos engenheiros recém-formados pelo ITA. Em seus anos iniciais, a empresa trabalhou no desenvolvimento de uma aeronave de treinamento para a Força Aérea Brasileira, o projeto Falcão, um monomotor de asa baixa e estrutura em material composto.[2]

Nas décadas seguintes trabalhou no desenvolvimento em conjunto com o CTA (Centro Técnico Aeroespacial) no desenvolvimento de diversos foguetes de sondagem.

Com o conflito entre Irã e Iraque, houve o primeiro grande contrato internacional para a empresa na área de defesa, o desenvolvimento do sistema ASTROS II, sistema de artilharia de saturação.[1]

Principais produtos[editar | editar código-fonte]

Avibras AV VBL 4x4.

Em produção[editar | editar código-fonte]

  • Astros II: Lançador múltiplo de foguetes e importante produto da Avibras, utilizado em seis países. O Astros II foi decisivo para deter a ofensiva iraniana durante a Guerra Irã-Iraque (1980–1988) e foi usado pela Arábia Saudita contra as forças iraquianas durante a Operação Tempestade no Deserto (1991).[3][4]
  • AV VBL 4x4: É um veículo blindado de transporte de pessoal, utilizado pelo Exército da Malásia.
  • Guará 4x4: É outro veículo blindado de transporte de pessoal brasileiro.
  • AV-SS 12/36: um lançador de foguetes múltiplo leve. Pode disparar foguetes com peso de até 6 kg e alcance de até 12 km.
  • Astros Hawk: o ASTROS HAWK foi concebido para apoiar as forças ligeiras através da utilização de veículos-lançadores de alta mobilidade e uma variedade de munições. A munição é compatível com o Sistema ASTROS II. O sistema pode colocar um grande volume de fogo em um período muito curto de tempo, em faixas de até 12 km.
  • SKYFIRE: com base em sua larga experiência com o SBAT 70 (Sistema Brasileiro Ar-Terra), a AVIBRAS desenvolveu e passou a produzir e exportar para seus clientes o mais avançado sistema de foguetes de 70 mm, o SKYFIRE, um sistema ar-solo de alto desempenho sistema de foguetes para emprego em qualquer tipo de aeronave de combate ou helicóptero.
  • EDT-FILA: equipamento de controle de fogo de defesa antiaérea de última geração, para detecção de aeronaves e mísseis em baixa altitude, direcionando o fogo de canhões e mísseis antiaéreos.
  • VANT Falcão: um monomotor, material e estrutura composta de asa baixa para Veículo Aéreo Não Tripulado MACHO.
  • TUPI 4x4
  • Avibras Falcão UAV

Em desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

  • MANSUP: desenvolvido em conjunto com a Mectron para a Marinha do Brasil. É um míssil antinavio com alcance de cerca de 180 km. Desenvolvido a partir do projeto de repotenciação de mísseis MBDA MM40 Exocet Bloco III da Marinha do Brasil com tecnologia transferida pelo MBDA.
  • AV-TM 300: um GPS e/ou míssil guiado por laser, seu alcance é de até 300 km. Não há apoio do governo brasileiro para este projeto.
  • FOG-MPM: em fase de testes, a nova geração FOG-MPM (Míssil Multipropósito Guiado por Fibra Ótica), utiliza fibra ótica para permitir ao operador, sem linha de visão do inimigo, guiar o míssil até a aquisição e destruição do alvo.O uso de fibra óptica para orientação também torna o míssil imune ao ECM (Contador Eletrônico) inimigo. Com o alcance atual de até 20 quilômetros, e a possibilidade de ser estendido para mais de 100 quilômetros, o FOG-MPM também pode ser empregado como uma munição adicional para o Sistema ASTROS II. Hoje seu emprego é contra tanques, helicópteros e fortificações.
  • Astros 2020: nova versão melhorada do lançador múltiplo Astros II, capaz de lançar o míssil de cruzeiro AV TM-300.
  • A-Darter: um míssil ar-ar de quinta geração infravermelho de curto alcance ("busca de calor").

Recuperação judicial[editar | editar código-fonte]

Em 18 de março de 2022, a empresa pediu pela terceira vez em sua história recuperação judicial por conta da pandemia de Covid-19. Mais de 400 funcionários foram demitidos. As dividas calculadas, chegam a R$ 570 milhões. [5]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma empresa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.