Ricardo Nunes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Se procura pelo político e atual prefeito da cidade de São Paulo, veja Ricardo Nunes (político).
Ricardo Nunes
Ricardo Nunes durante palestra em 2014
Nascimento 1970 (52 anos)
Divinópolis, Minas Gerais
Nacionalidade Brasileira
Ocupação Empresário

Ricardo Nunes (Divinópolis, 1970) é um empresário brasileiro. Fundou a varejista Ricardo Eletro e porém não faz mais parte da empresa desde 2019 e nem ao grupo Máquina de Vendas, originada com a fusão de sua empresa com a Insinuante, Eletroshopping, Salfer e City Lar em Março de 2010.[1]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Iniciou sua carreira como vendedor após a morte de seu pai, aos 12 anos de idade, vendendo mexericas na rua. Aos 18 anos passou a transportar bichos de pelúcia de São Paulo para vender em sua cidade natal. Em 1989 abriu com a família sua primeira loja, chamada Ricardo Eletro, com apenas 20m², que apesar do nome vendia apenas pelúcias, passando a vender eletrodomésticos posteriormente.

Sua loja cresceu exponencialmente ao longo dos anos até que, no início de 2010, quando detinha a terceira colocação entre as varejistas de móveis e eletrodomésticos em todo o país, anunciou sua fusão com a baiana Insinuante, líder no Nordeste do país. A operação formou a Máquina de Vendas, nova segunda colocada no ranking nacional, atrás apenas do Grupo Pão de Açúcar, proprietário das redes Casas Bahia, Ponto Frio e Extra Hipermercados.

Em 2011 foi condenado à prisão por corrupção ativa, depois de uma denúncia da Procuradoria da República, por ter pago propina a um auditor fiscal da Receita para que a Ricardo Eletro não fosse autuada; o empresário recorreu ao Tribunal Regional Federal e a ação corre sob segredo de Justiça.[2]

Prisão[editar | editar código-fonte]

Em julho de 2020, Ricardo e sua filha Laura Nunes foram presos na operação "Direto com o Dono", sob a acusação de sonegarem aproximadamente R$400 milhões em impostos ao longo de mais de 5 anos. De acordo com o Ministério Público do Estado de Minas Gerais, a rede de varejo Ricardo Eletro cobrava dos consumidores, embutido no preço dos produtos, o valor correspondente aos impostos, mas não fazia o repasse.[3]

Referências

  1. Ivan Padilla (29 de abril de 2010). «Ricardo, o elétrico». Globo.com. Época Negócios. Consultado em 1 de outubro de 2013 
  2. «Sócio da Máquina de Vendas é condenado à prisão». VEJA. Consultado em 3 de maio de 2021 
  3. «Fundador da Ricardo Eletro é preso em SP em operação contra sonegação fiscal em MG» 
Wikinotícias
O Wikinotícias tem uma ou mais notícias relacionadas com este artigo: Fundador da Ricardo Eletro é preso em São Paulo
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.