Ricardo Nunes (político)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ricardo Nunes
54.º Prefeito de São Paulo
Período 16 de maio de 2021
a atualidade[nota 1]
Vice-prefeito Nenhum
Antecessor(a) Bruno Covas
Vice-prefeito de São Paulo
Período 1 de janeiro de 2021
até 15 de maio de 2021
Prefeito Bruno Covas
Antecessor(a) Bruno Covas
Vereador de São Paulo
Período 1 de janeiro de 2013
até 31 de dezembro de 2020
Dados pessoais
Nome completo Ricardo Luis Reis Nunes
Nascimento 13 de novembro de 1967 (53 anos)
São Paulo, SP
Nacionalidade brasileiro
Partido MDB (1986-presente)
Religião católico
Profissão empresário, político
[1][2]

Ricardo Luis Reis Nunes (São Paulo, 13 de novembro de 1967) é um empresário e político brasileiro. Filiado ao Movimento Democrático Brasileiro (MDB), é o atual prefeito de São Paulo, tendo assumido o cargo em decorrência da morte do titular Bruno Covas.

Também foi vereador da mesma cidade, onde ganhou notoriedade ao se posicionar ativamente contra a inclusão de temas de sexualidade e gênero no Plano de Educação, e também pela participação na Comissão Parlamentar de Inquérito que investigou a sonegação de impostos no município, conhecida como CPI dos Bancos.[3] É dono de uma empresa de controle de pragas.[4]

Carreira política[editar | editar código-fonte]

Ricardo Nunes é filiado ao Movimento Democrático Brasileiro.[3] Foi eleito vereador em São Paulo em 2012 e 2016, sendo aliado do governo de Fernando Haddad, do PT.[5] Enquanto na Câmara Municipal de São Paulo, propôs a criação de um fundo municipal para expansão do metrô[6] e participou de Comissões Parlamentares de Inquérito, entre as quais a dos bancos, em 2019, que investigava a sonegação de impostos sobre serviços (ISS) na capital.[3] [7] Nunes foi um dos críticos da atuação do Tribunal de Contas do Município de São Paulo, participando de discussões pluripartidárias na câmara que visavam aprovar a extinção deste tribunal (considerado por Nunes deficiente) e a transferência de suas atribuições ao Tribunal de Contas do Estado de São Paulo.[8]

Em 2016, apoiou a amnistia das igrejas em situação irregular durante a lei de zoneamento.[5]

Ganhou notoriedade na mídia por ser ativamente contra a inclusão de temas de sexualidade e gênero no Plano de Educação de São Paulo.[3] Foi também autor de um projeto de lei que criando um sistema de transporte aquático na Represa Billings. A proposta, embora pouco exequível, foi incorporada pela atual gestão, fazendo parte do Plano de Metas.[7]

Prefeitura de São Paulo[editar | editar código-fonte]

Em 2020, estando preparado para candidatar-se a um terceiro mandato como vereador, foi escolhido pelo prefeito Bruno Covas como seu candidato a vice, no âmbito da coalizão entre PSDB, MDB e DEM, em uma articulação política do governador de São Paulo, João Doria, do PSDB, visando o eventual apoio do MDB em 2022.[3][5]

Enquanto vice-prefeito, manteve um perfil discreto, aparecendo publicamente somente na ausência de Bruno Covas.[3] Ricardo Nunes é dito como um "profundo conhecedor das contas do município", por sua participação na Comissão de Finanças na Câmara dos vereadores.[9]

Em 2 de maio de 2021, assumiu interinamente, por 30 dias, a prefeitura de São Paulo, devido a licença de Covas para tratamento de câncer.[3] Após assumir a prefeitura, noticiou-se que o PSDB buscava filiá-lo ao partido, mas Nunes descartou sair do MDB.[10] Com a morte de Covas em 16 de maio, Nunes assumiu o cargo de prefeito definitivamente, com mandato até 31 de dezembro de 2024.[11] Ao assumir, Nunes afirmou que participou da formação do governo e que seu governo será de "continuidade", referente ao trabalho de Bruno Covas.[12]

Precedido por
Vice-Prefeito de São Paulo
2021
Sucedido por
Precedido por
Bruno Covas
Prefeito de São Paulo
2021 — presente
Sucedido por

Notas

  1. Prefeito em exercício entre 3 de maio de 2021 e 16 de maio de 2021, durante a licença do então prefeito Bruno Covas, para tratamento de um câncer.

Referências

  1. «Ricardo Nunes». O Município. 2020. Consultado em 15 de maio de 2021 
  2. Cláudia Motta (19 de novembro de 2020). «Ricardo Nunes e Luiza Erundina: quem são os vices de Bruno Covas e de Guilherme Boulos». Rede Brasil Atual. Consultado em 15 de maio de 2021 
  3. a b c d e f g «Ricardo Nunes: quem é o vice-prefeito de Bruno Covas». Exame. 14 de maio de 2021. Consultado em 15 de maio de 2021 
  4. «Quem é Ricardo Nunes, que assume Prefeitura de São Paulo durante licença de Bruno Covas». O Globo. 2 de maio de 2021. Consultado em 15 de maio de 2021 
  5. a b c «Ricardo Nunes: quem é o vice de Bruno Covas e prefeito em exercício de São Paulo». BBC News Brasil. Consultado em 15 de maio de 2021 
  6. Elvis Pereira (3 de fevereiro de 2013). «Promessa é dívida». Folha de S.Paulo, Ano 92, edição 30622 Caderno Revista São Paulo, página 23. Consultado em 18 de maio de 2021 
  7. a b «Prefeito em exercício, Ricardo Nunes mantém tom discreto e diretrizes de Bruno Covas | Poder SP». VEJA SÃO PAULO. Consultado em 15 de maio de 2021 
  8. Artur Rodrigues e Guilherme Seto (10 de março de 2018). «Ação para extinguir tribunal une partidos aliados de Doria». Folha de S.Paulo, ano 98, edição 32483, Caderno Cotidiano, página B8. Consultado em 18 de maio de 2021 
  9. «Morte de Bruno Covas: quem é Ricardo Nunes, que assume definitivamente a Prefeitura de São Paulo». G1. Consultado em 22 de maio de 2021 
  10. «Depois de vice de Doria, PSDB quer filiar prefeito em exercício de São Paulo». Valor Econômico. Consultado em 15 de maio de 2021 
  11. «Bruno Covas, prefeito de São Paulo, morre aos 41 anos, vítima de câncer». G1. Consultado em 16 de maio de 2021 
  12. Ricardo Nunes faz primeiro discurso após morte de Covas: 'É uma continuidade' | NOVO DIA, consultado em 22 de maio de 2021