Partido da Social Democracia Brasileira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de PSDB)
Partido da Social Democracia Brasileira
"Pelo Brasil"
Logomarca do Partido da Social Democracia Brasileira.png
Número eleitoral 45[1]
Presidente Bruno Araújo[2]
Secretário-geral Beto Pereira[2]
Vice-presidentes  • Bruna Furlan
 • Célio Silveira
 • Carlos Sampaio
 • Domingos Sávio
 • Nelson Marchezan Jr.
 • Roberto Pessoa[2]
Tesoureiro-geral Cesar Contijo[2]
Presidente de honra Fernando Henrique Cardoso[2]
Fundação 25 de junho de 1988 (32 anos)
Registro 24 de agosto de 1989 (31 anos)[1]
Sede Brasília, DF
Ideologia  • Liberalismo social[3][4][5][6]
 • Liberalismo econômico[4][5][6]
 • Social-democracia[4][5][6]
 • Democracia cristã[4][5]
Minoritária:
 • Socialismo Democrático[7]
 • Terceira via
Espectro político  • Centro-esquerda[8][9][10][11][12][13]
 • Centro[14][15][16][17][18]
 • Centro-direita[19][20][21][22]
Think tank Instituto Teotônio Vilela
Ala jovem Juventude do PSDB (JPSDB)[23]
Dividiu-se de Partido do Movimento Democrático Brasileiro
Membros (2021) 1.366.751 filiados[24]
Afiliação internacional  • Internacional Democrata Centrista
 • Organização Democrata Cristã da América (observador)
Governadores (2020)[25]
3 / 27
Prefeitos (2020)[26]
520 / 5 568
Senadores (2020)[27]
8 / 81
Deputados federais (2020)[28][29]
33 / 513
Deputados estaduais (2018)[30]
73 / 1 024
Vereadores (2020)[31]
4 377 / 56 810
Cores      Azul
Página oficial
www.psdb.org.br
Política do Brasil

Partidos políticos

Eleições

O Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB) é um partido político brasileiro de centro.[14][15][16][17][18] Surgiu da combinação entre a social-democracia, a democracia cristã e o liberalismo econômico e social.[4][5][6] Foi fundado em 25 de junho de 1988 pelo ex-governador Mario Covas (à época, senador). Seu símbolo é um tucano nas cores azul e amarela: por esta razão, seus membros são, eventualmente, chamados de "tucanos", e raramente de "peessedebistas".[32][33] O seu código eleitoral é o 45.[1]

Em 2010, o partido teve cinco indicados pela Revista Época entre os cem brasileiros mais influentes do ano: Fernando Henrique Cardoso (ex-presidente da república), José Serra (ex-governador de São Paulo), Aécio Neves (ex-governador e senador eleito por Minas Gerais), Geraldo Alckmin (governador eleito de São Paulo) e Antonio Anastasia (governador de Minas Gerais).[34]

Foram presidentes nacionais do partido Franco Montoro, Fernando Henrique Cardoso, Mário Covas, José Richa e Pimenta da Veiga (que se revezaram em uma comissão provisória, no primeiro ano depois da fundação). Passaram, também, pela presidência, Tasso Jereissati, José Serra e Geraldo Alckmin, entre outros.[35] O posto é atualmente ocupado pelo ex-ministro Bruno Araújo, eleito em 2019. Seu secretário geral é Humberto Pereira. Em março de 2021 o partido possuía 1.366.751 filiados.[24]

História[editar | editar código-fonte]

Dissidência do PMDB e fundação do PSDB[editar | editar código-fonte]

Participantes da criação do PSDB em 25 de junho de 1988.

O embrião do que viria ser o PSDB surgiu logo após as Eleições Gerais de 1986, com o surgimento do Movimento de Unidade Progressista (MUP) em 1987, capitaneado entre outros por Fernando Henrique Cardoso (PMDB-SP). Segundo Scott Mainwaring, tratou-se de uma resposta à estratégia política adotada pelo PMDB na ordem de maximizar o seu capital político: a ampla vitória do partido em 1986 se deu em parte ao influxo de políticos provenientes do PDS (e por extensão da ARENA) que buscavam novas oportunidades de ganho político no PMDB e no PFL. De forma ilustrativa, a bancada do PMDB aumentou de 224 parlamentares em fevereiro de 1985 para 246 em julho de 1986, ao passo que a bancada do PDS despencou de 196 para 81.[36]

Nesse contexto, a cisão no PMDB ocorre diante do convencimento de quadros importantes que o partido se tornara permanentemente viciado por essa guinada conservadora. O PMDB se tornou ideologicamente heterogêneo aglomerando facções desde a esquerda à direita.[36] Além disso, desentendimentos com a excessiva influência do Governador Orestes Quércia (PMDB-SP) na liderança do partido provocaram o afastamento de políticos que se identificavam como progressistas. Outra ruptura foi a adoção do sistema presidencialista pela Constituição Federal de 1988 que favorecia a linha quercista do PMDB, mas não o grupo dissidente.[37]

O nome "PSDB" (então "Partido Socialista Democrático Brasileiro") é pela primeira vez sugerido para um novo partido derivado do MUP em outubro de 1987, num encontro supra-partidário que reuniu o MUP, o PSB e outros políticos de esquerda e centro-esquerda, incluindo o deputado Paulo Ramos (PMDB-RJ) e Florestan Fernandes, o antigo professor de FHC.[38]

Criação do PSDB em 1988.

Em 25 de junho de 1988, os dissidentes do PMDB levaram a termo sua insatisfação perante o Governo Sarney, que haveria "de se constituir no primeiro da Nova República para se fazer o último da Velha República".[39] Tal disparidade se acentuou durante a Assembleia Nacional Constituinte, onde os membros do partido votaram pelos quatro anos de mandato para o Presidente da República apesar de ter prevalecido a tese dos cinco anos, por influência do establishment peemedebista e de políticos conservadores agrupados no Centrão. Entre os fundadores do novo partido estavam Franco Montoro, José Serra, Mário Covas e Fernando Henrique Cardoso, escudados por Sérgio Motta, Magalhães Teixeira e Geraldo Alckmin. Fora de São Paulo o novo partido arregimentou Pimenta da Veiga, Eduardo Azeredo, José Richa, Artur da Távola, Célio de Castro, Afonso Arinos, Chagas Rodrigues, Almir Gabriel, Teotônio Vilela Filho, Aécio Neves, Arthur Virgílio e Maria de Lourdes Abadia. Posteriormente outros políticos, como Tasso Jereissati e Ciro Gomes, também migrariam para o partido.[40]

Segundo levantamento feito pela Editora Três via enciclopédia Brasil 500 Anos, a bancada inaugural do PSDB no Congresso Nacional possuía nove senadores e trinta e nove deputados federais, representando dezesseis estados e o Distrito Federal. Destes, onze eram paulistas, porém a maior representação per capita era a de Alagoas, com quatro nomes numa bancada de onze membros contra os 63 oriundos de São Paulo. Para corroborar tais assertivas basta dizer que dois dos três senadores paulistas e três dos oito deputados federais alagoanos participaram da fundação do PSDB, inclusive Renan Calheiros.[carece de fontes?]Ao todo, foram 60 deputados que ingressaram no PSDB.[36]

Com este núcleo partidário, o PSDB foi formado pela confluência de diferentes pensamentos políticos contemporâneos: dos trabalhistas, adotou a primazia do trabalho sobre o capital; a ética, a solidariedade e a participação comunitária foram assimiladas dos pensadores católicos personalistas, e das ações políticas dos líderes europeus do pós-guerra. Não obstante, ainda que fosse um partido ideologicamente diversificado na sua fundação (mais que o Partido dos Trabalhadores, por exemplo), o PSDB era muito menos heterogêneo que o PMDB, tendo em vista que se fundou justamente para se contrapor ao ''declínio deste último em uma máquina eleitoreira clientelista.''[36]

Governo Sarney e eleições de 1989[editar | editar código-fonte]

Fernando Henrique Cardoso (PSDB-SP) com o então deputado federal José Serra (PSDB-SP) durante a Assembleia Nacional Constituinte.

Os partidos da base de Governo Sarney, o PFL e o PMDB, tentaram omitir os verdadeiros resultados do Plano Cruzado até o pleito de 1986, o que lhes proporcionou grande sucesso diante da penumbra dos efeitos de curto prazo que aparentavam resolver a calamidade monetária. Contudo, pouco após a eleição, o clima de deterioração econômica e a hiperinflação ficam evidentes para o eleitorado e a opinião pública rapidamente se estrutura em veemente descrédito dos políticos tradicionais. Todavia, a cisão no PMDB provocou o deslocamento dos líderes dissidentes à Oposição durante o Governo Sarney.[36][37] Assim, a primeira eleição que o PSDB concorre é Eleição Presidencial de 1989, animada por um sentimento antagônico às elites políticas. O PMDB lançou a candidatura de Ulysses Guimarães (PMDB-SP), o PFL lançou Aureliano Chaves (PFL-MG) e o PSDB lançou Mário Covas (PSDB-SP) sendo que nenhum dos três consegue capitalizar muito sucesso político: o PFL e o PMDB devido ao seu papel no Governo Sarney, e o PSDB diante da carisma populista de Fernando Collor de Mello (PRN-AL). Collor era desconhecido do eleitorado fora de seu estado e fora lançado por um partido igualmente obscuro (o Partido da Reconstrução Nacional), que conduziu uma campanha demagógica explorando as animosidades da população brasileira à corrupção e à inflação, de forma a projetar sua imagem como a de um outsider político.[36] Em 4º lugar na disputa, recolhendo 11,52% dos sufrágios, o PSDB foi inicialmente descartado como um partido promissor,[37] ainda mais depois da dramática redução da bancada tucana que contava precipuamente com 60 deputados e passou a 37.[36] Além disso, nas Eleições Gerais de 1990, o PSDB conseguiu eleger apenas um Governador e um Senador, ambos no Ceará.[37] O partido consegue reverter essa trajetória em parte nas Eleições Municipais de 1992 quando elege 332 prefeitos, dos quais 5 em capitais. A capilaridade do PSDB se restringe portanto - durante os seus primeiros anos - à região Sudeste, com um notório exclave no estado do Ceará devido à influência de Tasso Jereissati (PSDB-CE).[37]

Fernando Henrique Cardoso (PSDB-SP), Mario Covas (PSDB-SP) e José Roberto Magalhães Teixeira (PSDB-SP)

Apesar de ter apoiado a candidatura de Luís Inácio Lula da Silva do PT no segundo turno da majoritária de 1989, o PSDB se aproximou do Governo Collor no seu programa econômico de privatização, modernização e abertura para o exterior, mas não integrou a base do Governo.[41] O Presidente Collor tentou seduzir o apoio do PSDB em diversos momentos, ao que algumas correntes do partido, notadamente lideradas pelo deputado José Serra e pelo Senador Fernando Henrique, eram simpáticas; no entanto, o protesto de Mário Covas fizera ruir a hipótese.[41]

Sem embargo, diante dos incontáveis escândalos do Governo Collor, o PSDB se afastou integralmente do Palácio do Planalto. Após a célebre entrevista de Pedro Collor de Mello, o irmão do Presidente, à revista VEJA em que este acusa Fernando Collor e seu tesoureiro de campanha, Paulo César Farias, de comandar um esquema de corrupção, os desdobramentos do impeachment do Presidente começam a deslanchar. O Partido dos Trabalhadores foi o primeiro a apoiar formalmente a abertura de processo de impedimento ao Presidente. Inicialmente, o PSDB denunciava os escândalos e se opunha ao Governo sem abraçar a causa do impeachment, mas com a evolução dos fatos, tornou-se inevitável apoiar a queda de Collor.[41]

O PSDB no Governo Itamar Franco[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Plano Real


Com o afastamento de Fernando Collor de Mello e o início do Governo Itamar Franco, o PSDB integra a base governista. Quando Itamar Franco assumiu a presidência da república, houve uma coalizão de união nacional no congresso para dar sustentação ao novo presidente: PMDB, PT, PFL e PSDB, os maiores partidos, acenaram apoio. Posteriormente, o PT desistiu, sendo esse conflito o motivo do desligamento de Luiza Erundina do partido, pois ela havia sido nomeada ministra. Das indicações do PSDB, Fernando Henrique Cardoso assumiu o Itamaraty; Paulino Cícero (PSDB-MG), a pasta de Minas e Energia; Jutahy Magalhães (PSDB-BA), o Ministério do Bem-Estar Social; e outros tucanos serviram ao longo do Governo Franco, como Yeda Crusius (PSDB-RS) que assumiu posteriormente o Ministério do Planejamento.[42]

Quando do plebiscito de 21 de abril de 1993 acerca da forma de governo, o PSDB integrou a Frente Parlamentarista - inclusive esta fora liderada pelo Senador José Richa (PSDB-PR).[43] A campanha foi palanque da batalha que uniu presidencialistas ao grupo de Lula (PT-SP) e parlamentaristas ao grupo tucano.[44]

Após oito meses da gestão de Itamar Franco, Fernando Henrique Cardoso assumiu o Ministério da Fazenda, montou uma equipe composta por, entre outros, Edmar Bacha, Pérsio Arida e André Lara Resende, e deu início ao Plano Real.[42][41] O Plano Real, elaborado principalmente por Edmar Bacha, começou a tomar feições nítidas com a aprovação pelo Congresso Nacional do "fundo social de emergência", que daria, ao governo, liberdade para dispor de 15% a 20% de todo o orçamento da União, às custas da previdência social e de um aumento do imposto de renda sobre a classe média e as empresas. A equipe da Fazenda teria, então, possibilidade de manejar melhor o plano. O fundo de emergência também foi o estopim da aliança PSDB–PFL. Para obter a aprovação do fundo, o PSDB precisou do apoio maciço do PFL, que aquiesceu.[45] A maior faceta do plano Real foi a Unidade Real de Valor (URV) que atuava como indexador monetário, convertendo os preços em uma nova unidade que substituiria a moeda então vigente, o Cruzeiro Real, por uma nova moeda logo depois, o Real. Era a senha para acostumar o povo a um novo mundo, antes de chegar a moeda de fato e vencer, após mais de vinte anos, a cultura inflacionária do brasileiro.[41] Além disso, o programa de privatizações se fez presente na agenda do Ministro FHC. O governo buscou acelerar o Programa Nacional de Desestatização e privatizou subsidiárias da Petrobras e siderúrgicas — a Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), a Companhia Siderúrgica Paulista (Cosipa) e a Aço Minas Gerais (Açominas). Todas essas medidas recrudesceram a oposição de esquerda.[42] Forjou-se a aliança definitiva entre PSDB e PFL, apesar do estranhamento inicial. O PSDB baiano, inimigo à época do PFL do mesmo estado, recusou-se a integrar a união, como também ocorreu no Maranhão. Outras rusgas surgiram, mas a aliança manteve-se coesa, apesar de tudo. Inicialmente, o PSDB tentou camuflar a aliança, dando o tom de liderança na chapa, mas a ajuda do PFL foi indispensável para a vitória nas eleições. O PFL detinha um imenso curral eleitoral no Nordeste, o que impulsionou a vitória.

Logomarca do PSDB utilizada até 2019

Em dia 1º de março de 1994, a URV entrou em vigor, sucedendo uma das piores crises inflacionárias do história. Na oposição, o PT e a CUT protestavam, alegando que haveria arrocho salarial. Sem embargo, a recepção geral das medidas econômicas foram positivas e o Plano Real foi considerado um sucesso.[41]

Visando a Eleição de 1994, o PSDB se aproximou do PFL, procurando dividir o campo da direita. Ademais, o PFL tinha uma grande base eleitoral no Nordeste, região onde o PSDB não possuía muita força. Dentro do PFL não houve muita resistência e o nome de Guilherme Palmeira (PFL-AL) foi rapidamente selecionado como vice numa chapa capitaneada pelo popular Ministro da Fazenda, FHC. No entanto, importantes quadros tucanos resistiram a essa aproximação com a direita, sustentando incompatibilidade do PSDB com o conservadorismo e as práticas clientelísticas. Mesmo depois da substituição de Palmeira por Marco Maciel (PFL-PE) para compor a candidatura, a oposição explorou intensamente a alegada incoerência de Fernando Henrique durante a campanha. Ao que este retrucou “Eu sou social-democrata. Estou fazendo uma aliança com o setor liberal, porém com um setor liberal que tem sensibilidade social. Eu não quero fisiologia, não quero clientelismo”.[41]

Após uma campanha marcada pelo sucesso do Plano Real[41], a coalizão PSDB-PFL-PTB logrou 54,27% dos sufrágios e conseguiu eleger o Presidente da República em primeiro turno.[37]

Governo Fernando Henrique Cardoso[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Governo Fernando Henrique Cardoso
Posse do Presidente Fernando Henrique Cardoso em 1995

Na Câmara dos Deputados o PSDB pois passou de 38 deputados para 62 em 1994; no Senado, o seu único parlamentar foi acompanhado de mais nove senadores. A geografia do crescimento do partido foi também extremamente relevante, pois ela ocorreu sobretudo nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste, indicando que o PSDB não só cresceu, mas também se nacionalizou.[37]

Fernando Henrique Cardoso conquistou a Presidência da República, e foi presidente por dois mandatos (de 1995 a 1999 e de 1999 a 2003), havendo, no meio de seu primeiro mandato, apoiado a mudança constitucional que permitia a reeleição para ocupantes de cargos executivos, inclusive ele próprio e todos os governadores em exercício. Nesse período, alguns parlamentares que haviam se mantido no PMDB, ou mesmo em outros partidos, mas que haviam sido do antigo MDB ou se encaixavam no perfil social-democrata entraram no partido, como os deputados Alberto Goldman e Aloysio Nunes Ferreira Filho.[carece de fontes?]

Fernando Henrique Cardoso ao lado de Nelson Mandela em maio de 1998.

Ao longo do mandato presidencial tucano, o crescimento da economia brasileira foi de 2,3% ao ano.[46] Ocorreram inúmeras privatizações[47] que precederam a modernização de diversos setores antes controlados pelo Estado, como as telecomunicações.[48] No governo FHC foi atingido o fim da hiperinflação (que, antes de seu governo, chegou a ter períodos com 6 000% ao ano), obtendo-se assim a estabilidade monetária.[49] Houve a criação de programas sociais pioneiros, como o Bolsa-escola, o Auxílio-gás e o Bolsa-alimentação (posteriormente juntados em um só programa, o Bolsa Família, pelo Governo Lula),[50] além do início da reforma do Estado, com a implantação, por exemplo, do Ministério da Defesa, da Advocacia-Geral da União (AGU) e da Controladoria Geral da União (CGU). A implantação da Lei de Responsabilidade Fiscal foi um marco na regulação do uso de verbas públicas em todos os níveis administrativos do país.[51]

Eleições de 2002 e retorno à oposição[editar | editar código-fonte]

Nas eleições presidenciais de 2002, o candidato do partido, José Serra, perdeu para Luiz Inácio Lula da Silva, do Partido dos Trabalhadores. Lula teve 61,27% dos votos e Serra, 38,73%.[52]

Geraldo Alckmin (PSDB-SP) e José Jorge (PFL-PE) durante a campanha presidencial de 2006

Nas eleições presidenciais de 2006, o candidato do partido, Geraldo Alckmin, obteve 41,5% dos votos válidos no primeiro turno e foi para o segundo turno com o candidato do PT, Luiz Inácio Lula da Silva, quando este obteve 61% dos votos válidos, sendo reeleito.[53]

O candidato do PSDB na eleição presidencial de 2010 foi novamente José Serra. Ele perdeu no segundo turno para a candidata do PT Dilma Rousseff, Serra obteve quase 44% dos votos, enquanto Dilma obteve pouco mais de 56%.[54]

Após a derrota do tucano José Serra na disputa para a prefeitura de São Paulo de 2012, o ex-presidente FHC defendeu que PSDB precisa de "um discurso convincente, afim com os problemas atuais do país"[55] e de renovar os seus quadros. Ao lado do ex-senador Tasso Jereissati, o ex-presidente lançou a pré-candidatura do senador mineiro Aécio Neves à presidência.[56]

Como presidente do partido, Aécio Neves idealizou dois portais eletrônicos de interação e divulgação do partido com a sociedade. O "Conversa com brasileiros" foi lançado em Maio de 2013 como um portal de comunicação do PSDB que reúne depoimentos e opiniões de lideranças e filiados do partido sobre temas como custo de vida, educação, inflação, entre outros. Através do portal, a população também pode entrar em contato com os políticos do PSDB por meio de suas redes sociais ou por mensagens.[57][58]

Já o Portal Social do Brasil foi lançado no dia 4 de Setembro de 2013. O site visa a construir uma nova agenda para o PSDB, com foco no debate das políticas sociais.[59]

Eleições de 2014 e o Impeachment de Dilma Rousseff[editar | editar código-fonte]

Para as eleições de 2014, Aécio Neves foi escolhido como candidato à presidência pelo PSDB, em uma coligação com mais oito partidos. No dia 14 de junho de 2014, o PSDB oficializou Aécio Neves como candidato a presidente do Brasil e, no dia 30 de junho de 2014, anunciou o senador Aloysio Nunes como candidato a vice-presidente na chapa de Aécio Neves.[60] O senador de Minas Gerais foi ao segundo turno com a ex-presidente, Dilma Rousseff, sendo a sexta vez seguida que o PSDB e o PT se enfrentam no segundo turno presidencial. Porém, Aécio ficou em segundo lugar, e Rousseff foi reeleita.[61] No final de 2014, o PSDB entrou com um processo no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) com pedido de cassação da chapa Dilma Rousseff e Michel Temer por supostas irregularidades na campanha eleitoral daquele ano.[62] O PSDB protocolou o processo por entender que há irregularidades nas prestações de contas apresentadas por Dilma, que teria recebido recursos do esquema de corrupção investigado na Operação Lava Jato. Segundo entendimento do TSE, a prestação contábil da presidente e do vice-presidente é julgada em conjunto.[63]

Desempenho do partido nas campanhas presidenciais representado pela cor azul no mapa. Entre 1994 e 2018, vigorou um sistema partidário entre PSDB e PT.

Após a consumação do impeachment de Dilma, o PSDB passa a integrar o novo governo de Michel Temer, ocupando importantes ministérios. Nas eleições de 2018, Geraldo Alckmin foi novamente o candidato tucano à presidência, tendo como vice a senadora Ana Amélia Lemos, e amparado pela maior coligação de partidos do pleito, que reuniu nove legendas e lhe garantiu cerca de metade do tempo de TV destinado ao horário eleitoral.[64] Devido a alta impopularidade de Temer, Alckmin tentou descolar a sua imagem do governo, e durante toda a campanha, evitou o rótulo de candidato governista. O presidente reagiu, e pelas redes sociais, divulgou vídeos listando os apoiadores de Alckmin que ocupavam cargos no governo.[65] Apesar dos esforços, Alckmin acabou em 4º lugar na disputa, com cerca de 5 milhões de votos, a pior votação do PSDB desde a redemocratização do país.[66]

Eleição presidencial de 2018[editar | editar código-fonte]

A campanha de Geraldo Alckmin para a Eleição presidencial no Brasil em 2018, foi anunciada em 9 de dezembro de 2017, em uma convenção nacional do PSDB.[67] Foi oficialmente nomeado em 4 de agosto de 2018, tendo a senadora Ana Amélia Lemos como vice.[68] A campanha de Alckmin garantiu a coligação de oito partidos: DEM, PP, PR, PRB, SDD, PTB, PSD e PPS[69] O programa de governo de Alckmin foi intitulado como "Diretrizes Gerais", este possui 43 propostas, sendo três com prazos determinados, como a de crescer 50 pontos em oito anos no Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa). As outras duas são "garantir que todas as crianças estejam plenamente alfabetizadas até 2027" e "eliminar o déficit público em dois anos".[70]

Nas eleições municipais de 2020, o partido reelegeu 4 prefeitos nas capitais entre eles Álvaro Dias em Natal, Cinthia Ribeiro em Palmas, Hildon Chaves em Porto Velho e Bruno Covas em São Paulo.

Ideologia[editar | editar código-fonte]

Fernando Henrique Cardoso, José Serra e Mario Covas durante evento do PSDB.

Diversos críticos e intelectuais]de esquerda,[71] por considerarem que o partido em relação a determinados pontos adota posturas liberais, citam-no como sendo centrista,[72] ou até mesmo de centro-direita.[19][20][21] A terceira via de Anthony Giddens é também uma das ideologias assumidas pelo partido.[6]

Alterações políticas significativas no cenário mundial, como por exemplo a Queda do Muro de Berlim, tornaram a distinção entre esquerda e direita mais complicada. No Brasil, a dificuldade de se distinguir a posição do partido no espectro ideológico ficou maior no passado recente do país. As controvérsias em torno do uso dos termos "esquerda" e "direita" aumentaram, especialmente após um dos então principais partidos de esquerda do Brasil, o Partido dos Trabalhadores (PT), ter passado a adotar algumas políticas mais neoliberais. Dentro desse contexto, em 2003, entrevistado pelo jornal do PSDB, Fernando Henrique Cardoso, presidente de honra do partido, afirmou que, independentemente da posição assumida pelo PT, a posição do PSDB deveria permanecer a mesma. FHC afirmou que, do ponto de vista ideológico, o partido não poderia ceder, permanecendo onde estava, continuando com a sua linha "de centro-esquerda ou centro olhando para a esquerda". O partido é assumidamente anti-bolsonarista por isso é considerado como um partido de esquerda moderada.

Programa partidário[editar | editar código-fonte]

O PSDB foi criado originalmente com o objetivo de representar a social democracia no Brasil. Entre as principais propostas originais do partido, encontram-se o enxugamento da máquina pública, a instituição do parlamentarismo no plano político e uma economia de mercado regulada pelo Estado, com participação mais livre das empresas privadas e de investidores internacionais. Tem status de observador na Organização Democrata Cristã da América (ODCA).[73]

Em documento elaborado em 1990, o presidente de honra do partido discorre sobre a social democracia.[74] Os pontos principais do programa do PSDB são:[74]

  1. Defesa intransigente da democracia
  2. Descentralização política e administrativa
  3. Estado a serviço do povo e não de grupos privilegiados
  4. Crescimento econômico sustentável com distribuição de renda e educação de qualidade para todos
  5. Reforma política que fortaleça os partidos e aproxime o parlamentar de seus eleitores.

Organização[editar | editar código-fonte]

Composição[editar | editar código-fonte]

O partido a nível nacional, é composto por uma executiva, formada pelo presidente, secretário-geral, vices-presidentes e secretários, e um diretório nacional de 227 membros.[75] A nível estadual, é formado por diretórios estaduais, que possuem presidente e secretário-geral.

Plataforma de projetos[editar | editar código-fonte]

O Portal Social do Brasil é um portal com os projetos e práticas sociais desenvolvidos pelo PSDB. O Portal foi lançado em setembro de 2013.[76][77][78] O projeto foi idealizado pelo senador Aécio Neves, presidente do PSDB e pelo Instituto Teotônio Vilela, organização de estudos e formação política do partido.[79][80][81]

O Portal contém informações de 81 projetos sociais nas áreas de juventude, infância, educação, saúde, pobreza, assistência social, emprego, habitação, segurança alimentar, prevenção e combate às drogas, mulheres, idosos e pessoas com deficiência implantados pelos governos estaduais e prefeituras administrados pelo PSDB.[76][82][83]

O Portal permite que profissionais da área social, prefeitos e a população façam consultas sobre a execução e andamento dos projetos. Através do Portal é possível agendar uma visita para conhecer os projetos e enviar comentários, dúvidas ou sugestões.[76][82][84][85]

Identidade visual[editar | editar código-fonte]

Os filiados ao PSDB são conhecidos como "tucanos",[86] pois o partido adotou essa ave como símbolo. Isto se deu em uma das reuniões preparatórias da formação do PSDB, em Brasília, em abril de 1988, quando a representação de Minas Gerais propôs que houvesse um símbolo para simplificar a identificação do partido e para facilitar sua comunicação com a população, sugerindo, então, um tucano. Após acalorada discussão, a proposta foi aprovada, pela evidência das razões apresentadas. A figura do tucano tem três importantes significações:[86]

  1. O tucano de peito amarelo lembra a cor da campanha Diretas Já, movimento de que participaram vários de seus fundadores;
  2. O tucano é um dos símbolos do movimento ecológico e da defesa do meio ambiente, em voga nas décadas de 1980 e 1990, o que renderia, ao partido, uma boa imagem (de modernidade e ligação com temas importantes contemporâneos) frente à opinião pública;
  3. Trata-se de uma ave "brasileira", característica importante para indicar a preocupação do partido com a realidade nacional, ou seja, a de que o partido não entende a social-democracia como uma "fórmula" pronta para ser aplicada no Brasil, um país com realidades distintas dos países da Europa, o berço da ideologia social-democrata. Neste sentido, o tucano procuraria representar o entendimento de que é preciso formar um programa social-democrático que se encaixe e atenda às realidades do Brasil.

Após a derrota do PSDB em 2018, esforços para o rebranding do partido foram feitos, esforços que atingiram inclusive a tradicional logomarca do tucano. O novo símbolo do PSDB não apresenta mais um tucano, e sim a bandeira nacional além do slogan ''Pelo Brasil''. Foi também suscitada a possibilidade de mudança de nome do partido. [87]

Juventude PSDB (JPSDB)[editar | editar código-fonte]

Jovens paulistas da Juventude do PSDB.

A JPSDB é um movimento político interno do Partido da Social Democracia Brasileira, que surgiu junto o próprio PSDB, em 25 de junho de 1988.[88] O movimento cresceu com a campanha de Mário Covas para Presidente do Brasil, em 1989.[88] A JPSDB é o secretariado da juventude do PSDB. Está organizado em todos os estados brasileiros e em mais de 1.000 municípios do país.

Em 2013, o Presidente do PSDB, Senador Aécio Neves, reconfigurou o formato de atuação da JPSDB e definiu uma comissão provisória para organizar o secretariado, que passa a ser uma Rede Temática do PSDB. Na época, esse secretariado era composto por 3 presidentes estaduais: Caio Narcio (Minas Gerais), Michelí Petry (Rio Grande do Sul) e Mariana Carvalho (Rondônia), esta comissão convocou eleições democráticas, em que membros dos 27 estados escolheram Olyntho Neto, do Tocantins, o novo Presidente Nacional da JPSDB.[89] O processo de iniciou com a Executiva Nacional do PSDB, que decidiu formar uma comissão eleitoral para definir como seria as eleições para Presidente da Juventude Tucana. Foi decidido então, que quem iria votar seria somente os 27 presidentes estaduais. Os principais candidatos naquela ocasião eram Raffie Dellon da JPSDB-PE, que dizia ser o preferido de Aécio Neves e tinha o apoio da JPSDB-MG; Mariana Carvalho da JPSDB-RO; Pedro Pimenta da Veiga da JPSDB-DF; e Olyntho Neto da JPSDB-TO. Mariana e Pedro Pimenta declinaram da candidatura para apoiar Olyntho, que foi eleito com 1 voto de diferença.

Em 2019, Júlia Jereissati, sobrinha do senador Tasso Jereissati, se tornou presidente da Juventude do PSDB.[90]

Os presidentes do JPSDB foram:

  • 2005–2007: Kamyla Castro (JPSDB-CE)[91]
  • 2007–2011: Bruno Covas (JPSDB-SP)[91]
  • 2011–2013: Marcelo Richa (JPSDB-PR)[92]
  • 2013–2016: Olyntho Neto (JPSDB-TO)[93]
  • 2016–2019: Henrique Palermo do Vale (JPSDB-PR)[94]
  • 2019-presente: Julia Jereissati (JPSDB-CE)[90]

No XI Congresso foi eleito como presidente o Deputado Estadual (PSDB/SP) Bruno Covas, tendo como Vice Presidente o jovem Leonardo Felipe (JPSDB-GO).[91]

No XII Congresso a JPSDB elegeu para a presidência da JPSDB o jovem Marcello Richa (PSDB-PR) e Wesley Goggi (PSDB-ES) como representante da Juventude na Executiva Nacional do PSDB.[91]

Em 2012, o secretário da entidade foi criticado por Luís Nassif por recomendar o suicídio do senador Demóstenes Torres.[95]

TucanAFRO[editar | editar código-fonte]

Logomarca TucanAFRO

Além da juventude partidária, o PSDB possui o secretariado Tucanafro, que representa a causa negra do partido, presidido por Juvenal Araújo. Foi fundado em 2013. Tem por objetivo, debater sobre questões de povos afro-descendentes no Brasil dentro do partido.

PSDB Diversidade[editar | editar código-fonte]

Fundado em 24 de Junho de 2006, esse secretariado discute sobre as causas LGBT no Brasil. Seu presidente, é Marcos Antonio Fernandes. Oficialmente, o PSDB tem os seguintes objetivos a respeito da comunidade LGBT:

  • Reconhecer que a diversidade sexual é inerente à condição humana e, portanto, os direitos devem ser garantidos independentemente da orientação sexual ou da identidade de gênero.
  • Reconhecer que a diversidade sexual é compreendida de maneiras diferentes, no atual contexto brasileiro e mundial, e que, por conta disso, o Estado deve atuar em prol da defesa e garantia desses direitos nos trêspoderes (Executivo, Legislativo e Judiciário).
  • Cabe ao Estado salvaguardar as condições necessárias para que a diversidade esteja contemplada e seja respeitada em todas suas esferas e áreas de atuação.
  • A diversidade deve estar no DNA do poder público (em seus equipamentos, instituições, no quadro funcional, na política de recursos humanos, etc), através da institucionalização, permanência e legalização de espaços voltados à construção das políticas públicas para essa população.
  • As manifestações da sociedade civil organizada são importantes para a consolidação da democracia. Nesse sentido, é fundamental que o Estad garanta e promova espaços de interlocução com a sociedade civil e incentive a autonomia das organizações de luta pelos direitos.
  • Fiel a seu compromisso com a construção de uma sociedade mais justa e solidária, o partido deve pautar e inserir nos planos de governo doscandidatos majoritários propostas para a diversidade sexual.
  • É compromisso do PSDB buscar, no Legislativo, o empenho de seus representantes na luta pela igualdade e equidade de direitos para a diversidade sexual.
  • Ampliar a discussão e difundir o conhecimento acerca da diversidade sexual através de seminários, encontros, palestras com lideranças e militantes do partido.
  • Incentivar e garantir representantes dessa comunidade ou aliados nos pleitos eleitorais.[96]

PSDB Mulher[editar | editar código-fonte]

Logomarca do PSDB Mulher

É um dos mais antigos segmentos do partido, fundado em 1999, na V Convenção Nacional. Tem como objetivo, debater as causas de pessoas do sexo feminino dentro do partido. Sua presidente de honra, é Solange Jurema (PSDB-AL), mas a oficial presidente, é Yeda Crusius.

PSDB Sindical[editar | editar código-fonte]

Fundado em 20 de Agosto de 2011, em Minas Gerais, esse segmento tem como objetivo, trazer representação sindical pro partido. Ele hoje é presidido pelo partidário paulista, Ramalho da Construção. Hoje, conta com representatividade em 21 estados.[96]

Presidentes Nacionais[editar | editar código-fonte]

O presidente é eleito para um mandato de 2 anos. Fernando Henrique Cardoso, recebeu o título de "presidente de honra" simbolicamente.[97]

Foto Nome Mandato Notas e Referências
Início Fim
Logomarca do Partido da Social Democracia Brasileira.png
Comissão Provisória 1988 1989 Revesamento entre Franco Montoro, Fernando Henrique Cardoso, Mário Covas, José Richa e Pimenta da Veiga
FrancoMontoro perfil.png Franco Montoro 1989 1991
Senador Tasso Jereissati (Foto Oficial).jpg Tasso Jereissati 1991 1994
Pimenta da Veiga, 2014.jpg Pimenta da Veiga 1994 1995
Arthur da Távola.jpg Artur da Távola 1995 1996
Teotônio Vilela Filho em 2015 (3).jpg Teotônio Vilela Filho 1996 2001
Foto oficial de José Aníbal.jpg José Aníbal 2001 2003
Senador José Serra (Foto Oficial 2015).jpg José Serra 2003 2005
Eduardo azeredo.jpg Eduardo Azeredo Janeiro de 2005 Outubro de 2005
Senador José Serra (Foto Oficial 2015).jpg José Serra Outubro de 2005 Novembro de 2005
Senador Tasso Jereissati (Foto Oficial).jpg Tasso Jereissati Novembro de 2005 2007
Sergio guerra.jpg Sérgio Guerra 23 de Novembro de 2007 18 de Maio de 2013
Senador Aécio Neves-2.jpg Aécio Neves 18 de Maio de 2013 9 de Dezembro de 2017 Afastado dia 18 de Maio de 2017. Carlos Sampaio assumiu interinamente a presidência.
Geraldo Alckmin em agosto de 2017.jpg Geraldo Alckmin 9 de Dezembro de 2017 31 de Maio de 2019 Eleito por 470 votos a 3[67]
Bruno Araujo ministro das cidades.jpg Bruno Araújo 31 de Maio de 2019 Incumbente [98]

Desempenho eleitoral[editar | editar código-fonte]

Eleições presidenciais[editar | editar código-fonte]

  Eleições que o PSDB venceu
Ano Imagem Candidato a Presidente Candidato(a) a Vice-Presidente Coligação Votos Posição
1989
Mário Covas.jpg
Mário Covas

(PSDB)

Almir Gabriel

(PSDB)

sem coligação 7.790.392 (10,78%)
1994
Fernando Henrique Cardoso (1999).jpg
Fernando Henrique Cardoso

(PSDB)

Marco Maciel

(PFL)

União, Trabalho e Progresso

(PSDB, PFL e PTB)

34.364.961 (54,27%)
1998
Fernando Henrique Cardoso (1999).jpg
Fernando Henrique Cardoso

(PSDB)

Marco Maciel

(PFL)

União, Trabalho e Progresso

(PSDB, PFL, PPB, PTB e PSD)

35.936.540 (53,06%)
2002
Foto oficial do senador José Serra.jpg
José Serra

(PSDB)

Rita Camata

(PMDB)

Grande Aliança

(PSDB e PMDB)

33.370.739 (38,72%)
2006
Alckmingeraldo2006.jpg
Geraldo Alckmin

(PSDB)

José Jorge

(PFL)

Por Um Brasil Decente

(PSDB e PFL)

37.543.178 (39,17%)
2010
Foto oficial do senador José Serra.jpg
José Serra

(PSDB)

Indio da Costa

(DEM)

O Brasil Pode Mais

(PSDB, DEM, PPS, PMN, PTdoB e PTB)

43.711.388 (43,95%)
2014
Senador Aécio Neves-2.jpg
Aécio Neves

(PSDB)

Aloysio Nunes

(PSDB)

Muda Brasil

(PSDB, PMN, SD, DEM, PEN, PTN, PTB, PTC e PTdoB)

51.036.040 (48,36%)
2018
Geraldo Alckmin em agosto de 2017.jpg
Geraldo Alckmin

(PSDB)

Ana Amélia

(PP)

Para Unir o Brasil

(PSDB, PP, PR, PRB, PSD, Solidariedade, DEM, PTB e PPS)

5.096.349 (4,76%)

Eleições parlamentares federais[editar | editar código-fonte]

A bancada do partido na presente legislatura tem a seguinte composição por unidade federativa:

Deputados AC AL AM AP BA CE DF ES GO MA MG MS MT PA PB PE PI PR RJ RN RO RR RS SC SE SP TO
51 1 1 1 0 3 1 1 1 3 1 7 1 1 1 1 3 0 2 1 1 1 1 1 2 0 15 0

O PSDB saiu da eleição brasileira de 2006 com 66 deputados e quatorze senadores no Congresso Nacional, além de seis governadores. São eles: José Serra (São Paulo), Aécio Neves (Minas Gerais), Yeda Crusius (Rio Grande do Sul), Teotônio Vilela Filho (Alagoas), Cássio Cunha Lima (Paraíba) e José de Anchieta Júnior (Roraima), sendo que o último assumiu o governo após a morte do governador Ottomar Pinto, em 2007. O PSDB, o PPS e o PFL (atual DEM) decidiram continuar sendo oposição ao Governo Lula no atual mandato. O governador Cássio Cunha Lima teve seu mandato cassado pelo TSE em 2009, e em seu lugar assumiu o segundo mais votado, o governador José Maranhão, do PMDB.[101][102]

O partido formou, em 2011, a terceira maior bancada na Câmara, com 53 deputados federais, e a terceira maior no Senado, com onze eleitos, sendo o candidato Aloysio Nunes eleito Senador por São Paulo com onze milhões de votos, a maior votação da história para o senado.[103][104][105] Aloysio também será o primeiro senador tucano eleito por São Paulo em 16 anos.[106]

Em 2014 elegeu senadores no Ceará, em Minas Gerais, no Paraná e em São Paulo.[107]

Eleições estaduais[editar | editar código-fonte]

Nas eleições estaduais de 2002, o PSDB conseguiu manter relativa força, ganhando o governo de importantes estados como São Paulo (terceiro mandato consecutivo), com Geraldo Alckmin, Goiás, com Marconi Perillo, e Minas Gerais, com Aécio Neves.[108]

Em 2006, o ex-prefeito de São Paulo José Serra foi vencedor na disputa do governo do estado pelo partido já no primeiro turno, consolidando um domínio da legenda em São Paulo que completaria, ao fim de seu mandato, dezesseis anos de poder.[109]

Embora não tenha vencido a eleição presidencial de 2010, o PSDB foi o partido que mais elegeu governadores, 8, com mais de 47% da população, considerando os estados governados pelo partido. Em São Paulo, o partido conquistou 20 anos de governo, com a eleição em 2010 de Geraldo Alckmin.[110]

O partido reelegeu Geraldo Alckmin como governador de São Paulo e Beto Richa como governador paranaense, logo no primeiro turno. Já no segundo turno, reelegeu Marconi Perillo e Simão Jatene como governadores de Goiás e Pará, respectivamente, e ainda elegeu Reinaldo Azambuja como governador do Mato Grosso do Sul.[111]

Eleições municipais[editar | editar código-fonte]

Apesar de recém-constituído e ainda com organização provisória, o PSDB participou das eleições municipais de 15 de novembro de 1988, disputando com candidatos próprios e conseguindo vitórias importantes como em Minas Gerais, onde conquistou as prefeituras de Belo Horizonte com Pimenta da Veiga, e de Contagem, com Ademir Lucas Gomes, além de mais cinco prefeituras nesse estado. No Ceará, elegeu Ciro Gomes a prefeitura de Fortaleza. Ao todo, o PSDB elegeu dezoito prefeitos, sendo sete em Minas Gerais, cinco em São Paulo, três no Espírito Santo, um no Mato Grosso do Sul, um em Pernambuco e um no Amazonas Elegeu, nesses mesmos estados, cerca de 215 vereadores..[112]

O Partido da Social Democracia Brasileira venceu em São Bernardo do Campo, considerado berço e reduto petista, com Maurício Soares. Ao todo, conquistou 926 prefeituras e elegeu 5 761 vereadores, comprovando enorme crescimento e estabelecendo-se definitivamente como um dos maiores partidos do Brasil.[113]

Assim como em 2004, o PSDB saiu das eleições municipais com a segunda maior votação proporcional em todo o Brasil (a primeira foi do PMDB) elegendo no total, 790 prefeitos (786 no primeiro turno e 4 no segundo) e 5897 vereadores.[114]

João Doria Júnior ao lado de Aécio Neves. Em 2001, Doria se filiou ao PSDB.

Nas eleições municipais de 2012, o PSDB se manteve como o segundo maior partido municipal do Brasil, após o PMDB, com 701 prefeitos e 5146 vereadores.[115] O partido elege prefeitos de quatro capitais (Teresina, Maceió, Manaus e Belém).[116]

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

Corrupção[editar | editar código-fonte]

Com base em dados divulgados pelo Tribunal Superior Eleitoral, o Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral divulgou um balanço, em 4 de outubro de 2007, com os partidos com maior número de parlamentares cassados por corrupção eleitoral desde o ano 2000. O PSDB apareceu em terceiro lugar na lista, com 58 cassações, atrás apenas do DEM e do PMDB.[117]

Referências

  1. a b c TSE. «TSE - Partidos políticos registrados no TSE». Consultado em 9 de abril de 2021 
  2. a b c d e PSDB (9 de fevereiro de 2019). «Membros da Executiva Nacional». Consultado em 9 de abril de 2021 
  3. «Programa Partidário do Partido da Social Democracia Brasileira de 1988 — PSDB» (PDF) 
  4. a b c d e Ribeiro, Aline (28 de maio de 2019). «'UM PSDB DIVIDIDO NÃO VAI SOBREVIVER', DIZ CIENTISTA POLÍTICO» (Jornalismo online). Revista Época. Consultado em 28 de maio de 2019 
  5. a b c d e «INTRODUÇÃO E DIRETRIZES BÁSICAS» (PDF). Programa de Governo. Diário Oficial da União – Seção I, págs. 12508/12510). 6 de julho de 1988. Consultado em 28 de maio de 2019. “Longe das benesses oficiais, mas perto do pulsar das ruas, nasce o novo partido” 
  6. a b c d e «Artigo: Por uma Social Democracia contemporânea». PSDB. 18 de novembro de 2013. Consultado em 8 de janeiro de 2017 
  7. "PSDB Esquerda pra valer".
  8. «Brazil opposition leader will seek economic reforms». Reuters 
  9. «Cópia arquivada». Consultado em 2 de novembro de 2010. Arquivado do original em 28 de novembro de 2010 
  10. «Has Brazil voted for continuity?». BBC News. 31 de Outubro de 2010 
  11. «Freedom in the World 2010». www.freedomhouse.org 
  12. Foley, Conor (4 de Fevereiro de 2009). «Looking for Lula's successor» (em inglês). The Guardian 
  13. Philips, Tom (5 de Março de 2010). «Working class hero» (em inglês). The Guardian [ligação inativa] 
  14. a b «Centro-direita não tem a ver com PSDB, diz FHC». Estadão 
  15. a b Martins, Fernando (28 de novembro de 2017). «PSDB no divã: afinal, os tucanos são de direita ou de esquerda?» (Jornalismo online). Gazeta do Povo. Consultado em 28 de maio de 2019. Os tucanos querem mesmo ser de centro. (...) Após anos de radicalização e polarização política, o país está carente de lideranças mais moderadas. E as eleições presidenciais costumam ser vencidas por candidatos com plataforma mais ao centro – posição que tende a espantar um número menor de eleitores do que as demais. (...) Nessa guerra de ocupação de espaços, o PSDB quer fincar pé desde já nessa posição privilegiada, o centro. 
  16. a b Frias, Maria Cristina; Coelho, Luciana (22 de janeiro de 2019). «O PSDB vai mudar, será de centro e respeitará direita e esquerda, afirma Doria» (Jornalismo online). Folha de S.Paulo. Consultado em 28 de maio de 2019. O governador João Doria quer transformar o PSDB em um partido “de centro, com posições claras, que terá relações respeitosas com a esquerda e com a direita”. É esse o partido para chamar de “seu”, como já fez ao tomar posse no governo de São Paulo. 
  17. a b Delgado, Malu; Agostine, Cristiane (17 de janeiro de 2019). «Com aval de Doria, PSDB quer se reconstruir como sigla de centro» (Jornalismo online). Valor Econômico. Consultado em 28 de maio de 2019 
  18. a b Oliveira, Germano; Lima, Wilson (3 de maio de 2019). «O centro se articula» (Jornalismo online). IstoÉ. Consultado em 28 de maio de 2019. Há uma avenida entre os radicalismos de esquerda e direita. Para ocupar esse vácuo, partidos ensaiam fusão. Pesquisa será contratada e PSDB pode até mudar de nome. A procura por caminhos alternativos à polarização política não se encerrou nas eleições. 
  19. a b «Por que o PSDB apoiou em peso a redução da maioridade penal na Câmara?». BBC. 3 de julho de 2015 
  20. a b «PSDB: de progressista a conservador». Jornal do Brasil. 28 de julho de 2015 
  21. a b «O PT ocupou o centro, empurrando o PSDB para a direita». O Globo. 31 de outubro de 2014 
  22. «Brazil Supreme Court Approves Trial for Prominent Center-Right Politician». The Wall Street Journal. 18 de abril de 2018 
  23. http://psdb-mg.org.br/psdb-jovem/
  24. a b TSE. «Estatísticas do eleitorado – Eleitores filiados». Consultado em 9 de abril de 2021 
  25. «Veja quem são os 27 governadores eleitos nas eleições deste ano». G1 
  26. «MDB encolhe, mas lidera ranking de prefeitos eleitos; PP e PSD crescem e ocupam 2ª e 3ª posições». G1 
  27. a b «Saiba como eram e como ficaram as bancadas no Senado, partido a partido» 
  28. «Bancadas dos partidos» 
  29. a b «Saiba como eram e como ficaram as bancadas na Câmara dos Deputados, partido a partido». 8 de outubro de 2018 
  30. «Deputados Estaduais Eleitos no País em 2018». G1 
  31. «Vereadores Eleitos no País em 2020». G1 
  32. «PT tem a maior perda de votos, receita e influência; tucanos e 'nanicos' crescem - 03/10/2016 - Poder - Folha de S.Paulo». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 14 de agosto de 2017 
  33. S.A., Priberam Informática,. «Significado / definição de peessedebista no Dicionário Priberam da Língua Portuguesa». www.priberam.pt. Consultado em 20 de setembro de 2017 
  34. «Época - NOTÍCIAS - Os 100 brasileiros mais influentes de 2010». revistaepoca.globo.com. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  35. «Memória PSDB 25 anos: Galeria de ex-presidentes». PSDB. 18 de junho de 2013 
  36. a b c d e f g MAINWARING, Scott (1999). Rethinking Party Systems in the Third Wave of Democratisation: the case of Brazil. Stanford California: Stanford University Press. p. 102-108 
  37. a b c d e f g Brasil, CPDOC-Centro de Pesquisa e Documentação História Contemporânea do. «PARTIDO DA SOCIAL DEMOCRACIA BRASILEIRA (PSDB)». CPDOC - Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil. Consultado em 17 de fevereiro de 2021 
  38. Encontro de socialistas deverá lançar as bases de novo partido, página A-13 do caderno "Política" da Folha de S. Paulo, 4 de outubro de 1987
  39. «Introdução e Diretrizes Básicas.» (PDF). 25 de junho de 1988. Arquivado do original (PDF) em 2 de janeiro de 2007 
  40. «História do PSDB-Nascido para mudaro Brasil» 
  41. a b c d e f g h Brasil, CPDOC-Centro de Pesquisa e Documentação História Contemporânea do. «Fernando Henrique Cardoso». CPDOC - Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil. Consultado em 17 de fevereiro de 2021 
  42. a b c Brasil, CPDOC-Centro de Pesquisa e Documentação História Contemporânea do. «Itamar Augusto Cautiero Franco». CPDOC - Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil. Consultado em 17 de fevereiro de 2021 
  43. Brasil, CPDOC-Centro de Pesquisa e Documentação História Contemporânea do. «PLEBISCITO». CPDOC - Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil. Consultado em 18 de fevereiro de 2021 
  44. «Impeachment e governabilidade» 
  45. «Plano Real». PSDB-RJ 
  46. Sob Lula, crescimento fica igual ao de FHC, Ricardo Noblat, O Globo, 1 de Abril de 2007
  47. Privatizações se aceleraram nos anos 90, Gustavo Paul, O Globo, 19 de Agosto de 2009
  48. O processo de privatização no Brasil, Brasil Escola
  49. Confira o rendimento da poupança desde 1993, O Globo, 14 de Janeiro de 2010
  50. O herói e o antagonista, Ruy Fabiano, Blog do Noblat, 1 de Maio de 2010
  51. «Jornal do Brasil - Notícias, Vídeos e Fotos em Tempo Real». jbonline.terra.com.br 
  52. Eleições 2002 - Resultados da Eleição - 2º turno Arquivado em 6 de novembro de 2010, no Wayback Machine., Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo
  53. Lula promete reforma política e crescimento, Ricardo Noblat, 30 de Outubro de 2006
  54. Matheus Pichonelli e Cíntia Acayaba. «PSDB conquista maior número de Estados e 47% dos eleitores». Último Segundo. Consultado em 10 de novembro de 2010 
  55. Revista Veja. «FHC: "PSDB precisa de discurso convincente"» 
  56. Revista Veja. «Tucanos lançam Aécio à Presidência em 2014, mas senador diz que ainda é cedo» 
  57. «"Tasso Jereissati participa da nova plataforma digital do psdb apregoando etica"». O Povo. Consultado em 15 de Julho de 2014 
  58. «"PSDB destaca Aécio em novo site e propõe conversar com os brasileiros"». Gazeta do povo. Consultado em 15 de Julho de 2014 
  59. «DLideranças tucanas participam de lançamento do Portal Social do Brasil». PSDB. Consultado em 9 de Setembro de 2013 
  60. «"Aloysio Nunes escolhido como vice de Aecio Neves com apoio de FHC e Serra"». O Globo. Consultado em 7 de Julho de 2014 
  61. «Dilma Rousseff é reeleita presidente do Brasil». Folha de S.Paulo. Uol 
  62. Mariana Schreiber (28 de março de 2017). «Ação que pode cassar chapa Dilma-Temer entra na reta final: e agora?». BBC. Consultado em 31 de março de 2017 
  63. «TSE pode julgar na próxima semana a cassação da chapa Dilma-Temer». Último Segundo. iG. 27 de março de 2017. Consultado em 31 de março de 2017 
  64. «Definidas as coligações, Alckmin terá mais tempo de TV que Lula, Meirelles, Alvaro Dias, Ciro e Marina juntos». g1. G1. Consultado em 8 de outubro de 2018 
  65. «Temer rebate Alckmin e lista ministros que apoiam tucano: "Fale a verdade"». UOL. UOL. Consultado em 8 de outubro de 2018 
  66. «Quarto colocado, Alckmin tem pior desempenho da história do PSDB». Folha. Folha. Consultado em 8 de outubro de 2018 
  67. a b «Por 470 votos a 3, PSDB elege Geraldo Alckmin presidente nacional do partido» 
  68. «Em crítica a Bolsonaro, Alckmin combate ódio e pancadaria na eleição». 4 de agosto de 2018 
  69. «Alckmin terá 44% da TV; líderes, Bolsonaro e Marina dependerão da internet». 5 de agosto de 2018 
  70. «O que dizem os programas de governo dos candidatos à Presidência» 
  71. «Gazeta online» [ligação inativa]
  72. Angelo Segrillo. «A confusão esquerda/direita no mundo pós-Muro de Berlim: uma análise e uma hipótese/The left-right confusion in the post-Berlin Wall world: an analysis and a hypothesis/La confusion entre gauche et droite dans le monde de l'après Mur de Berlin: une analyse et une hypothèse». Dados vol.47 no.3 Rio de Janeiro 2004. Consultado em 12 de outubro de 2010 
  73. Organização Democrata Cristã da América. «Partidos». Arquivado do original em 6 de novembro de 2011 
  74. a b «A social democracia» (PDF). Arquivado do original (PDF) em 10 de setembro de 2006 
  75. «Membros do Diretório Nacional | PSDB – Partido da Social Democracia Brasileira». PSDB - Partido da Social Democracia Brasileira 
  76. a b c «PSDB lança portal para divulgar suas práticas sociais». Estadao. Consultado em 12 de maio de 2014 
  77. «PSDB lança portal e Aécio critica Dilma». O Globo. Consultado em 12 de maio de 2014 
  78. «Aécio recruta aliados de Serra para se fortalecer no PSDB». Ultimo Segundo. Consultado em 12 de maio de 2014 
  79. «Aécio lança portal na internet para discutir feitos do PSDB na área social». Folha de S. Paulo. Consultado em 12 de maio de 2014 
  80. «PSDB explica intenção do Portal Social do Brasil». Folha. Consultado em 12 de maio de 2014 
  81. «Aécio lança portal para discutir feitos do PSDB na área social». O Estado. Consultado em 12 de maio de 2014 
  82. a b «PSDB quer disputar políticas sociais com PT». Valor Economico. Consultado em 12 de maio de 2014 
  83. «PSDB lança portal para divulgar suas práticas sociais». Jornal A Tarde. Consultado em 12 de maio de 2014 
  84. «AÉCIO: "POBREZA NO BRASIL NÃO É COISA DO PASSADO"». Brasil 247. Consultado em 12 de maio de 2014 
  85. «PSDB lança portal para debater novos caminhos de combate à pobreza». Jornal GGN. Consultado em 12 de maio de 2014 
  86. a b «Por que tucano». Arquivado do original em 17 de março de 2008 
  87. Soares, Olavo. «PSDB tem nova logo e "mata" tucano clássico em emblema». Gazeta do Povo. Consultado em 18 de fevereiro de 2021 
  88. a b PSDB - Partido da Social Democracia Brasileira. «Juventude PSDB» 
  89. «Olyntho Neto (TO) é eleito o novo presidente da Juventude Nacional do PSDB». PSDB. Consultado em 10 de Setembro de 2013 
  90. a b Agência O Globo. «Juventude do PSDB se divide e briga em convenção nacional». Último Momento - iG 
  91. a b c d Paula Sholl (21 de Novembro de 2007). «Bruno Covas é aclamado da Juventude do PSDB». Consultado em 6 de maio de 2012. Arquivado do original em 8 de outubro de 2010 
  92. Karla Correia (18 de dezembro de 2011). «Jovens tucanos tentam pregar unidade do partido durante encontro». Consultado em 14 de Maio de 2012 
  93. PSDB (21 de setembro de 2014). «Olyntho Neto (TO) é eleito o novo presidente da Juventude Nacional do PSDB». PSDB. Consultado em 1 de fevereiro de 2014 
  94. «Resolução CEN PSDB 002/2016» (PDF) 
  95. Luis Nassif (10 de Abril de 2012). «O PSDB-MG e seu jeito deselegante de fazer política». Consultado em 14 de Maio de 2012 
  96. a b «Segmentos | PSDB – Partido da Social Democracia Brasileira». PSDB - Partido da Social Democracia Brasileira 
  97. «Memória PSDB 25 anos: Galeria de ex-presidentes - PSDB – Partido da Social Democracia Brasileira». 18 de junho de 2013 
  98. Fernanda Calgaro (31 de maio de 2019). «Ex-ministro Bruno Araújo é eleito presidente nacional do PSDB». G1. Consultado em 31 de agosto de 2019 
  99. Bancada na Eleição Portal da Câmara dos Deputados. Acessado em 19 de abril de 2016.
  100. Senadores Portal do Senado Federal. Acessado em 19 de abril de 2016.
  101. Tucano Cássio Cunha Lima é reeleito na Paraíba, UOL, 29 de Outubro de 2006
  102. TSE cassa mandato do governador da Paraíba, Cássio Cunha Lima, G1, 30 de Outubro de 2008
  103. «Confira os Deputados Federais eleitos em 2010». Consultado em 10 de novembro de 2010. Arquivado do original em 6 de novembro de 2010 
  104. Thiago Reis (3 de Outubro de 2010). «Saiba a nova composição do Senado». G1, Globo. Consultado em 10 de novembro de 2010 
  105. «Com {{subst:Número2palavra2|11}} milhões de votos, Aloysio Nunes (PSDB) é o senador mais votado da história». 3 de outubro de 2010. Consultado em 10 de novembro de 2010 
  106. Piero Locatelli (3 de outubro de 2010). «Aloysio Nunes é eleito senador em SP; é o 1º do PSDB em 16 anos». Último Segundo. Consultado em 10 de novembro de 2010 
  107. «Os senadores eleitos em 2014». Época Negócios. Globo.com 
  108. Eleições 2002 - Curiosidades, Folha de S.Paulo
  109. [1], Serra PSDB, 30 de Outubro de 2006
  110. R7 (4 de Janeiro de 2010). «Com Geraldo Alckmin, PSDB deve governar São Paulo por 20 anos». Consultado em 10 de novembro de 2010 
  111. «PMDB supera PSDB e vai governar sete estados». G1. Globo.com 
  112. «A primeira eleição» 
  113. «Eleições 1996». TSE 
  114. «TSE - Estatística das Eleições 2008». TSE. Arquivado do original em 17 de abril de 2009 
  115. «Eleições de 2012 nas Câmaras de Vereadores». G1. Globo.com 
  116. «Quais foram os prefeitos eleitos nas capitais». Último Segundo. iG 
  117. «Desde 2000, 623 políticos foram cassados. DEM lidera ranking». O Globo. Consultado em 11 de julho de 2010. Cópia arquivada em 7 de abril de 2008 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • «Revista Social Democracia Brasileira». São Paulo: Instituto Teotônio Vilela 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikiquote Citações no Wikiquote
Commons Categoria no Commons