Partidos políticos no Brasil

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Coat of arms of Brazil.svg
Parte da série sobre
Política do Brasil
Portal Portal do Brasil

Os partidos políticos no Brasil existem desde a primeira metade do século XIX. Mais de 200 agrupamentos surgiram nesse período, porém, por razões históricas, nenhum deles durou muito. Assim, não existem partidos centenários no Brasil, como é comum noutros países. Frequentemente, as legendas brasileiras foram forçadas a ter de começar, praticamente do zero, uma nova trajetória: tais rompimentos ocorreram pela implantação da República, em 1889, que sepultou os partidos monarquistas; pela Revolução de 1930, que desativou os partidos republicanos "carcomidos"; pelo Estado Novo (1937–1945), o qual vedou a existência de partidos; e pelo Regime Militar de 1964, que confinou manu militari os partidos políticos a um artificial bipartidarismo. Assim em termos de criação de partidos, a média no período entre 1945 e 1979 foi 1,2 por ano, totalizando 42 siglas registradas.[1] Já no período atual, os 35 partidos políticos existentes, criados entre 1981 e 2016, corresponde à média de 1 partido registrado por ano.[1]

Por outro lado, algumas visões se contrapõem à ideia de falta de uma longa tradição partidária no país. O Partido Comunista do Brasil (PCdoB), por exemplo, reivindica ser o partido mais antigo do Brasil e comemora ter sido fundado em 1922, embora tenha sido alvo de variados processos de cassação de seu registro.[2] Similarmente, apesar das rupturas políticas ocorridas no país, o professor do Instituto de Estudos Sociais e Políticos da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (IESP/UERJ) e pesquisador da Fundação Casa de Rui Barbosa Christian Lynch argumenta haver uma tradição entre saquaremas do Partido Conservador, o Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) de Getúlio Vargas, João Goulart e Leonel Brizola e o Partido dos Trabalhadores (PT), de um lado, e de outro, entre luzias do Partido Liberal, a União Democrática Nacional (UDN) e Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB) — se revezando no poder perante a Coroa, os militares e o eleitorado e perdurando, assim, duas mentalidades dicotômicas na política brasileira desde quase a independência: o nacional-estatismo e o cosmopolitismo liberal, respectivamente.[3][4] Outras visões vão em consonância às análises de que partidos políticos brasileiros somente tiveram atuação permanente, institucionalização efetiva e caráter nacional após o fim da Era Vargas.[4] Nesse sentido, é comum que as três principais forças políticas dos dois períodos de democracia brasileiros (República Nova e Nova República) sejam associadas, a saber: PTB–PT, PSDPMDB e UDN–PSDB.[5][6][7][8]

Contrariamente, alguns autores, como José Honório Rodrigues, consideram que o Brasil sempre foi dominado por um só partido — o das classes proprietárias ou "o Partido do Patriarcado"; o único partido realmente governante da história nacional. Seus partidários, no poder desde os tempos coloniais, quando monopolizaram o acesso às terras, à mão-de-obra e aos principais cargos públicos, adaptam-se aos tempos, assumindo a forma e a feição necessária mais conveniente ao momento. Ora conservadoras, ora modernizadoras, ora reacionárias, ora progressistas, é sempre a mesma casta e seus descendentes, que prefere a conciliação ao conflito, que conduz as coisas maiores no Brasil.[9] Para Rodrigues, nem na Independência deu-se o rompimento com a oligarquia que governava o País, tendo mantido-se sempre uma continuidade histórica entre as diversas sucessões de regimes políticos. Reconhecendo a existência de duas correntes de opinião, "a tradicionalista e conservadora", defensora do statu quo, e a outra, a "mameluca", mais popular e radical, ele reconhece a vitória histórica da primeira.[9][10] Um caso que bem ilustra e corrobora essa tese é o de Afonso Arinos de Melo Franco, que participou da redação da Constituição Federal de 1967. Seu avô, o Conselheiro Cesário Alvim, foi um homem do Império e participou da redação da Constituição republicana de 1891. Afrânio de Melo Franco (cuja esposa era da família do ex-presidente Rodrigues Alves), seu pai, atuou na Constituição de 1934, e ele, por sua vez, participou da redação da Constituição de 1967. Gustavo Franco, seu sobrinho, foi presidente do Banco Central, entre 1997 e 1999.[carece de fontes?]

Histórico[editar | editar código-fonte]

Império do Brasil[editar | editar código-fonte]

Caricatura de Bernardo Pereira de Vasconcelos sobre um episódio de disputa entre saquaremas e luzias.

Até 1837, não se pode falar, a rigor, em partidos políticos no Brasil. Nesse ano, formaram-se as duas agremiações que caracterizaram o Segundo Reinado, a dos Conservadores, chamado Partido Conservador (saquaremas) e a dos Liberais, chamado Partido Liberal (luzias).[carece de fontes?]

Esses partidos, bem como o Partido Republicano Paulista, foram os partidos de mais longa duração no Brasil.

Os conservadores defendiam um regime forte, com autoridade concentrada na Coroa e pouca liberdade concedida às Províncias. Os liberais inclinavam-se pelo fortalecimento do Parlamento e por uma maior autonomia provincial. Ambos eram pela manutenção do regime escravista, mas os liberais aceitavam a sua supressão, conduzida por um processo lento e gradual que conduziria, enfim, à abolição da escravatura.[carece de fontes?]

Naquela época, poucos votavam, pois o voto era hierárquico, baseado no sufrágio censitário, por meio do decreto n.º 3 029, de 9 de janeiro de 1881,[11] conhecido como Lei Saraiva. As eleições eram realizadas em dois turnos, a saber: as assembleias paroquiais escolhiam os eleitores das Províncias, e estes, por seu turno, escolhiam os representantes da Nação e das Províncias. Tanto conservadores como liberais pertenciam a mesma classe social, a dos proprietários de terras, de bens e de escravos. Dentre os liberais, havia mais comerciantes, jornalistas e populações urbanas em geral.[carece de fontes?]

República Velha[editar | editar código-fonte]

Ainda no Império do Brasil, o Manifesto Republicano foi assinado por Quintino Bocaiúva, no município paulista de Itu, em 3 de dezembro de 1870, e provocou a fundação de um partido republicano. Sua primeira convenção criou o Partido Republicano Paulista (PRP).[carece de fontes?]

A república implantada a partir da Proclamação da República, em 15 de novembro de 1889, foi um golpe militar, obra de generais, e contou com escassa presença de republicanos autênticos. No âmbito regional, mesmo assim surgiram partidos como o Partido Republicano Paulista e o Partido Republicano Mineiro que foram importantes na aplicação da chamada "Política dos Governadores", iniciada em 1894. A maior parte dos partidos republicanos regionais dirigiu os governos estaduais no período 1889–1930. Vale mencionar ainda o Partido Libertador de Assis Brasil, no Rio Grande do Sul, ou o Partido Democrático, formado em 1926 por Antonio Prado, em São Paulo. A "Política dos Governadores" acabou por desestimular a formação de agremiações nacionais — os partidos republicanos federalistas, liberais e conservadores pretendiam agregar forças políticas no país inteiro, mas não foram adiante. Os partidos oposicionistas estaduais tiveram pouco sucesso no período.[carece de fontes?]

Assim, no âmbito federal foram apenas alguns agrupamentos que receberam o nome de "partido político" mas tiveram vida efêmera, para atenderem circunstâncias especiais. Alguns exemplos: Partido Republicano Federal (1893), de Francisco Glicério; Partido Republicano Conservador (1910), de Pinheiro Machado e Quintino Bocaiúva; Partido Republicano Liberal (1913), de Rui Barbosa e o Partido Democrático Nacional (1927) de Antônio Prado.[12]

Apesar de haver a lei n.º 1 269 de 1904 que admitia a "representação das minorias", apenas com a reforma constitucional de 1926 é que tornou-se obrigatória. Outra lei, a de n.º 3 139, de 1916 atribuía às autoridades judiciárias a qualificação para as eleições federais mas, apesar disso, as chamadas "mesas eleitorais" é que eram as responsáveis pelas triagens de votos e "primeira fonte de fraudes eleitorais do período".[12]

Esses partidos regionais favoreceram a adoção do coronelismo e de suas conhecidas práticas: democracia e eleições "de fachada", com seus resultados sempre manipulados pelo coronel local, pelo cabo eleitoral e pelo curral eleitoral, com a função básica de garantir resultados satisfatórios ao grupo governante.[carece de fontes?]

Essas práticas, que feriam o principio básico do sistema republicano, geraram a violência política que eclodiu em vários movimentos, tais quais: o Tenentista (1922–27); a Revolução de 1923, no Rio Grande do Sul; e a Revolta de Princesa, na Paraíba (1928).[carece de fontes?]

Primeiros partidos ideológicos[editar | editar código-fonte]

O Brasil também acolheu as ideologias extremistas e antidemocráticas que surgiram depois da Primeira Guerra Mundial, a saber: o comunismo e o fascismo. Em 1922, foi fundado o PCB, inicialmente denominado "Partido Comunista, Seção Brasileira da Internacional Comunista", depois Partido Comunista do Brasil (adotando o nome Partido Comunista Brasileiro em 1960; não confundir com o novo Partido Comunista do Brasil, PCdoB, fruto de uma cisão e funado em 1962). O principal responsável pela fundação do PCB foi o jornalista Astrojildo Pereira. Dez anos depois, em 1932, foi a vez da fundação da Ação Integralista Brasileira (AIB), comandada pelo chefe Plínio Salgado e inspirada no movimento fascista italiano e no movimento Falange Espanhola.[carece de fontes?]

Ambos os partidos tentaram depor o regime de Getúlio Vargas, por meio de um golpe. O PCB foi o principal articulador da frente que se escudou na Aliança Nacional Libertadora (ANL) e foi responsável pela fracassada Intentona Comunista (por se considerar um movimento revolucionário, é correto substituir-se por "Levante Comunista"), de 27 de novembro de 1935, enquanto a AIB tentou assaltar o Palácio da Guanabara, em 12 de maio de 1938, para derrubar o governo do Estado Novo que os excluíra do poder.[carece de fontes?]

No período pós-Revolução de 1930, até o advento do Estado Novo, manteve-se o sistema de partidos estaduais, com alguma maior fragmentação e representatividade dos partidos oposicionistas, todos de caráter estadual. Apareceram a Liga Eleitoral Católica (LEC), em dezenas de estados, sem organicidade nacional, porém, e partidos ligados à nova ordem disputando espaço com as antigas legendas oligárquicas.[carece de fontes?] Em Minas Gerais, por exemplo, o Partido Progressista, ligado à Interventoria, suplantou o PR mineiro, que mesmo assim, manteve representatividade minoritária, mas elegendo um bom número de representantes.

Partidos da república redemocratizada: 1945–1965[editar | editar código-fonte]

Após terem sido totalmente proibidos durante o Estado Novo (1937–1945), os partidos políticos foram novamente legalizados em 1945. A vida política brasileira entre 1945 e 1964 foi polarizada entre o principal partido antigetulista, a União Democrática Nacional (UDN), e os pró-Vargas: o Partido Social Democrático (PSD) e o Partido Trabalhista Brasileiro (PTB).[carece de fontes?]

O PSD abrigava as correntes mais conservadoras do getulismo, formada por proprietários rurais e altos funcionários estatais, enquanto que o PTB, inspirado no Partido Trabalhista do Reino Unido, reunia as lideranças sindicais e os operários fabris em geral. O partido rival, a UDN, de cunhos liberal e antipopulista, congregava a alta burguesia e a classe média urbana, defensora do capital estrangeiro e da iniciativa privada. Coube, então, à UDN o papel de ser a principal promotora das impugnações das vitórias eleitorais da coligação PSD–PTB (1950–1955), bem como a maior instigadora das tentativas de golpes contra Getúlio, Juscelino e Jânio, que se sucederam, até a vitória do golpe militar de 1964. Carlos Lacerda, um jornalista e dono de jornal opositor do trabalhismo de longa data, foi o mais destacado porta-voz do antigetulismo.[carece de fontes?]

O PCB teve breve duração legal, entre 1945 e 1947, e continuou a existir, na ilegalidade, e outros partidos tiveram razoável representatividade, como o PSP ademarista, ou o PDC. Os integralistas se reorganizaram, e seus ex-integrantes reagruparam-se, sob o nome de Partido de Representação Popular (PRP), ainda liderado por Plinio Salgado, podendo citar-se ainda o PDC (Partido Democrata Cristão), o Partido Republicano (PR), como relevantes, permanecendo de pouca representatividade o Partido Socialista Brasileiro (PSB).

Bipartidarismo no regime militar[editar | editar código-fonte]

Distribuição dos assentos na Câmara dos Deputados durante vigência do bipartidarismo, em 1966. ARENA em azul e MDB em vermelho.

Os partidos foram dissolvidos através do Ato Institucional n.º 2, e o bipartidarismo no Brasil foi logo após criado pelo Ato Complementar n.° 4,[13] baixado em 20 de novembro de 1965 pelo então presidente Castelo Branco.

A partir de 1965, somente era permitida a existência de duas associações políticas nacionais, e nenhuma delas podia usar a palavra "partido". Criou-se então a Aliança Renovadora Nacional (ARENA), base de sustentação civil do regime militar, formada majoritariamente pela UDN e alguns egressos mais conservadores do PSD, e o Movimento Democrático Brasileiro (MDB), que tinha a função de fazer uma oposição "bem-comportada" — que fosse tolerável ao regime, porém abrigando os militantes do PCB, que estava na ilegalidade, assim colaborando para a encenação da existência de uma "democracia" no Brasil e se recusando a recorrer à luta armada, como fizeram as organizações de esquerda clandestinas.[carece de fontes?]

O regime militar permitia o sistema de cassações de mandatos, que usava amiúde para se descartar dos seus adversários (4 682 perderam seus direitos políticos). Juntaram-se na ARENA todas as lideranças direitistas, conservadoras, ex-udenistas, e até alguns fascistas; enquanto os politicamente mais ao centro, os escassos trabalhistas sobreviventes dos expurgos do regime, e todos aqueles que não foram convidados para entrar na ARENA se inscreveram, misturados, no MDB.[carece de fontes?] Esse congelamento da situação partidária no Brasil, manu militari, prolongou-se por quase vinte anos.[carece de fontes?]

Retorno ao pluripartidarismo[editar | editar código-fonte]

Charge de Carlos Latuff com representações dos partidos políticos que protagonizaram os segundos turnos das eleições presidenciais desde 1994: PSDB e PT.
Distribuição partidária dos assentos da Câmara dos Deputados em maio de 2013. Cada cor é um partido diferente.

Em 1980, voltou a existir o pluripartidarismo sendo inicialmente criados cinco partidos políticos, e o país tem dezenas de partido atuantes, sendo que atualmente há mais de trinta partidos políticos registrados no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).[14]

Discurso de reinvenção na crise política[editar | editar código-fonte]

Na segunda metade da década de 2010, alguns partidos políticos iniciaram uma estratégia de publicidade política a fim de combater a desconfiança da população brasileira com a classe política a partir de renomeações. A ideia principal foi a renovação e atração de eleitores e parlamentares, especialmente ao remover o termo "partido" dos nomes das legendas. As propostas de renomeação para sobrevivência política esteve presente na mesma época nos então Partido Trabalhista do Brasil (de PTdoB para Avante), Partido Social Liberal (de PSL para Livres), Partido Trabalhista Nacional (de PTN para Podemos — PODE), Democratas (de DEM para Movimento da Unidade Democrática — MUDE), Partido Ecológico Nacional (de PEN para Patriotas), Partido Social Democrata Cristão (de PSDC para Democracia Cristã) e Partido do Movimento Democrático Brasileiro (de PMDB para de volta a Movimento Democrático Brasileiro — MDB). Entretanto, não constitui um fenômeno inédito no país, uma vez que, durante as duas décadas anteriores, o Partido da Frente Liberal virou Democratas e o Partido Progressista por diversas vezes foi renomeado (incluindo aí as fusões), dentre outros exemplos.[15][16][17][18][19][20][21][22][23][24][25]

Partidos atuais[editar | editar código-fonte]

Desde o fim de 2015, os partidos políticos em atividade no Brasil totalizam trinta e cinco organizações políticas registradas no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e aptas a lançarem candidatos nas eleições brasileiras.[26] Na tabela abaixo elaborada a partir dos dados do TSE, os partidos políticos estão listados primariamente pelo número eleitoral obtido junto ao tribunal, mas também é ordenável sob os demais critérios presentes nas outras colunas.[26][27]

Nome Sigla Número eleitoral Data de criação Data de registro definitivo
Partido Republicano Brasileiro PRB 10 02003-12-16 16 de dezembro de 2003[28] 02005-08-25 25 de agosto de 2005
Progressistas PP 11 01995-08-08 8 de agosto de 1995[29] 01995-11-16 16 de novembro de 1995
Partido Democrático Trabalhista PDT 12 01979-06-17 17 de junho de 1979[30] 01981-11-10 10 de novembro de 1981
Partido dos Trabalhadores PT 13 01980-02-10 10 de fevereiro de 1980[31] 01982-02-11 11 de fevereiro de 1982
Partido Trabalhista Brasileiro PTB 14 01945-05-15 15 de maio de 1945[32] 01981-11-03 3 de novembro de 1981
Movimento Democrático Brasileiro MDB 15 01965-12-04 4 de dezembro de 1965[33] 01981-06-30 30 de junho de 1981
Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado PSTU 16 01994-06-05 5 de junho de 1994[34] 01995-12-19 19 de dezembro de 1995
Partido Social Liberal PSL 17 01994-10-30 30 de outubro de 1994[35] 01998-06-02 2 de junho de 1998
Rede Sustentabilidade[36] REDE 18 02013-02-16 16 de fevereiro de 2013 02015-09-22 22 de setembro de 2015[37]
Podemos PODE 19 01945-05-02 2 de maio de 1945[38] 01997-10-02 2 de outubro de 1997
Partido Social Cristão PSC 20 01985-05-15 15 de maio de 1985[39] 01990-03-29 29 de março de 1990
Partido Comunista Brasileiro PCB 21 01922-03-25 25 de março de 1922[38] 01996-03-09 9 de março de 1996
Partido da República PR 22 02006-10-26 26 de outubro de 2006[40] 02006-12-19 19 de dezembro de 2006
Partido Popular Socialista PPS 23 01992-01-26 26 de janeiro de 1992[41] 01992-03-19 19 de março de 1992
Democratas DEM 25 01985-01-24 24 de janeiro de 1985[42] 01986-09-11 11 de setembro de 1986
Democracia Cristã DC 27 01995-07-09 9 de julho de 1995[43] 01997-08-05 5 de agosto de 1997
Partido Renovador Trabalhista Brasileiro PRTB 28 01994-11-27 27 de novembro de 1994[44] 01995-03-28 28 de março de 1995
Partido da Causa Operária PCO 29 01995-12-07 7 de dezembro de 1995[38] 01997-07-30 30 de julho de 1997
Partido Novo[45] NOVO 30 02011-02-12 12 de fevereiro de 2011 02015-09-15 15 de setembro de 2015[46]
Partido Humanista da Solidariedade PHS 31 01995-06-06 6 de junho de 1995[47] 01997-03-20 20 de março de 1997
Partido da Mobilização Nacional PMN 33 01984-04-21 21 de abril de 1984[48] 01990-10-25 25 de outubro de 1990
Partido da Mulher Brasileira[49] PMB 35 02008-09-13 13 de setembro de 2008 02015-09-29 29 de setembro de 2015[50]
Partido Trabalhista Cristão PTC 36 01985-07-11 11 de julho de 1985[51] 01990-02-22 22 de fevereiro de 1990
Partido Socialista Brasileiro PSB 40 01947-04-02 2 de abril de 1947[52] 01988-07-01 1 de julho de 1988
Partido Verde PV 43 01986-01-17 17 de janeiro de 1986[53] 01993-09-30 30 de setembro de 1993
Partido Republicano Progressista PRP 44 01989-05-24 24 de maio de 1989[54] 01991-10-29 29 de outubro de 1991
Partido da Social Democracia Brasileira PSDB 45 01988-06-25 25 de junho de 1988[55] 01988-08-24 24 de agosto de 1988
Partido Socialismo e Liberdade PSOL 50 02004-07-07 7 de julho de 2004[56] 02005-09-15 15 de setembro de 2005
Patriota PATRI 51 02011-08-09 9 de agosto de 2011[57] 02012-07-19 19 de julho de 2012
Partido Pátria Livre PPL 54 02009-04-21 21 de abril de 2009[58] 02011-10-04 4 de outubro de 2011
Partido Social Democrático PSD 55 02011-03-20 20 de março de 2011[59] 02011-09-27 27 de setembro de 2011
Partido Comunista do Brasil PCdoB 65 01922-03-25 25 de março de 1922[60][61] 01988-06-23 23 de junho de 1988
Avante AVANTE 70 01989-05-15 15 de maio de 1989[62] 01994-10-11 11 de outubro de 1994
Solidariedade SD 77 02012-10-25 25 de outubro de 2012[63] 02013-09-24 24 de setembro de 2013
Partido Republicano da Ordem Social PROS 90 02010-01-04 4 de janeiro de 2010[64] 02013-09-24 24 de setembro de 2013

Funcionamento e instituições associadas[editar | editar código-fonte]

Postscript-viewer-blue.svgVer também a categoria: Juventudes partidárias do Brasil

Os partidos políticos podem instituir fundações partidárias para, conforme o estatuto, formular questões e propostas sobre democracia, liberdade, soberania nacional, formação de quadros partidários (líderes), destinos do país. Por outro lado, não devem funcionar como assessoria partidária nem se confundir com as próprias atividades político-partidárias do partido que a instituiu.[65]

Processo de criação e registro[editar | editar código-fonte]

O processo de criação de partidos políticos no país exige uma série de passos. Estes existem a fim de garantir a representatividade do programa político em resposta às demandas sociais do povo brasileiro.[66] Assim, a lei federal 9 096 de 1995, conhecida como Lei dos Partidos Políticos, regulamentou os artigos constitucionais 14, §3.º, V, e 17.[66] Esta lei, ao lado da resolução do TSE de número 23 282 de 2010, exigem desconcentração espacial dos fundadores e dos apoiadores (oriundos de diferentes estados e em gozo dos direitos políticos), estruturação como organização (com órgãos estaduais e municipais estabelecidos, personalidade jurídica, diretorias constituídas, sede em Brasília) e publicidade dos atos fundacionais (programa e estatuto em cartório e diário oficial). Ao fim, o registro é conseguido com a análise positiva sobre a regularidade das assinaturas coletadas pela organização conforme as exigências.[67][66][68][69]

Sob a vigência da Lei dos Partidos Políticos, na década de 2000, somente três partidos conseguiram o registro: o Partido da República (PR), o Partido Republicano Brasileiro (PRB) e o Partido Socialismo e Liberdade (PSOL).[69] Na década posterior, já foram cinco registros concedidos pelo Tribunal na 54.ª legislatura federal[70] e mais três no ano de 2015.[71] Anteriormente a 1995, após o retorno do pluripartidarismo, as regras para registro exigiam apenas cem pessoas filiadas ao partido em nove estados do país.

Na etapa da análise da coleta de assinaturas a fim de adquirir o registro, o TSE lista os seguintes partidos em processo de formação:[72]

  • Ação Libertadora Nacional (ALN)
  • Aliança Nacional (AN)
  • Força Brasil (FB)
  • Frente Favela Brasil (FFB)
  • Iguais (IGUAIS)
  • Libertários (LIBER)
  • Liga Democrática Liberal (LIGA)
  • Movimento Cidadão Comum (MCC)
  • Nova Aliança Renovadora Nacional (NOVA ARENA)
  • Nova Ordem Social (NOS)
  • Partido Alternativo dos Trabalhadores (PAT)
  • Partido Brasileiro (PB)
  • Partido Carismático Social (PCS)
  • Partido Católico Brasileiro Unificado (PCBU)
  • Partido Consciência Democrática (PCD)
  • Partido Conservador (PACO)[73]
  • Partido Cristão (PC)
  • Partido da Cidadania (PCI)
  • Partido da Construção Imperial (PCI)[74]
  • Partido da Defesa Social (PDS)
  • Partido da Evolução Democrática (PED)
  • Partido da Família Brasileira (PFB)
  • Partido da Igualdade (ID)[75]
  • Partido da Inelegibilidade Automática (PINA)
  • Partido da Integração Social e Cidadania (PISC)
  • Partido da Liberdade Solidarista (PLS)
  • Partido da Mobilização Popular (PMP)
  • Partido da Ordem, da Democracia e da Ética (PODE)
  • Partido da Organização da Vanguarda Operacional (POVO)
  • Partido da Reedificação da Ordem Nacional (PRONA)
  • Partido da Reforma Urbana e Agrária do Brasil (PRUAB)
  • Partido da Segurança Pública e Cidadania (PSCP)
  • Partido da Solidariedade Nacional (PSN)
  • Partido de Organização Democrática dos Estudantes (PODE)
  • Partido de Reestruturação da Ordem Nacional (PRONA)
  • Partido Democracia Liberal (PDL)
  • Partido Democrata Cristão (PDC)
  • Partido Democrático Brasileiro (PDB)
  • Partido Democrático dos Servidores Públicos (PDSP)[76]
  • Partido do Esporte (PE)
  • Partido do Pequeno e Micro Empresário Brasileiro (INOVABRASIL)
  • Partido do Servidor Público e Privado (PSPP)
  • Partido dos Defensores da Ecologia (PDECO)
  • Partido dos Servidores Públicos do Brasil (PSPB)
  • Partido Ecológico Cristão
  • Partido Federalista (FE)
  • Partido Geral dos Trabalhadores do Brasil (PGTdoB)
  • Partido Humanista (PH)
  • Partido Humanista Democrático (PHD)
  • Partido Humanitário Nacional (PHN)
  • Partido Liberal Brasileiro (PLB)[77]
  • Partido Liberal Cristão (PLC)
  • Partido Militar Brasileiro (PMBr)
  • Partido Muda Brasil (MB)[75]
  • Partido Nacional Corinthiano (PNC)[74]
  • Partido Nacional da Saúde (PNS)
  • Partido Nacional Indígena (PNI)
  • Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Brasileiros (PNSTB)
  • Partido Ordem e Progresso (POP)
  • Partido pela Acessibilidade e Inclusão Social (PAIS)
  • Partido Pirata (PIRATAS)
  • Partido Político Animais (ANIMAIS)
  • Partido Popular de Liberdade de Expressão Afro-Brasileira (PPLE)
  • Partido Progressista Cristão (PPC)
  • Partido Republicano Cristão (PRC)[74]
  • Partido Republicano Cristão Brasileiro (PRCB)
  • Partido Social da Família (PSF)
  • Partido Universal do Meio Ambiente (PUMA)
  • Patriotas (PATRI)
  • Raiz Movimento Cidadanista (RAiZ)
  • Real Democracia Parlamentar (RDP)
  • Tribuna Popular (TRIBUNA)
  • União da Democracia Cristã do Brasil (UDCdoB)
  • União Democrática Nacional (UDN)
  • União para a Defesa Nacional (UDN)
  • Unidade Popular pelo Socialismo (UP)

Críticas[editar | editar código-fonte]

Críticas sobre os partidos políticos brasileiros se referem à falta de transparência, confiança, apoio e atração da atenção pelo eleitorado e pela sociedade em geral.

Em 2018, foi publicada primeira edição do Ranking da Transparência Partidária a partir de informações disponibilizadas nas páginas eletrônicas dos partidos em fevereiro de 2018 a fim de medir a transparência ativa dessas instituições. O levantamento foi divulgado pelo Movimento Transparência Partidária, com supervisão dos cientistas políticos Humberto Dantas e Marcelo Issa, coordenação da administradora pública Victoria Gandolfi e apoio do Instituto Betty e Jacob Lafer. Foram atribuídas notas a todos os 35 partidos registrados a partir de quatro eixos, cada um composto por quatro variáveis: contabilidade (receitas, despesas, patrimônio e formato aberto dos dados); dirigentes e filiados (relação de filiados, lista e histórico de dirigentes e relação de candidatos); procedimentos (normas internas para cargos, escolha de candidatos e distribuição de recursos, e comitê de ética); e estrutura (órgãos internos, fundações vinculadas, relação de funcionários e agenda dos dirigentes). Em escala crescente de zero a dez, o índice mediu quanto os partidos se mostram fiscalizáveis (transparentes) aos eleitores e sociedade civil de maneira pró-ativa e de fácil compreensão, para além das obrigações legais perante a Justiça Eleitoral. Os resultados foram a conclusão de que os partidos quase nenhuma ou pouca política transparência de seu funcionamento. A nota mais alta foi do Partido Novo, com 2,5, seguido do Partido dos Trabalhadores com 1,38 e os demais não atingiram ao menos 1 na avaliação, incluindo o Partido Social Liberal e o Partido da Causa Operária que obtiveram zero no ranqueamento. As notas ainda foram nulas para todos os partidos em nove das 16 variáveis. Na avaliação do relatório, o Partido Novo se destacou no eixo da contabilidade, enquanto os demais partidos conseguiram alguma pontuação nas variáveis sobre as fundações partidárias e a agenda dos dirigentes.[78][79][80][81][82]

Desde 2009, o Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística (IBOPE) elabora o Índice de Confiança Social (ICS) sobre a confiança dos brasileiros nas instituições e grupos sociais, inclusive nos partidos políticos em geral. Ele utiliza escala crescente de confiança com início no zero e máximo no cem. De 2009 até 2017, a confiança sobre os partidos políticos nunca ultrapassou 35 pontos.[82] Nas três edições de 2015 a 2017, marcou 17 pontos e a última posição no índice.[82][83][84][85] Antes, atingiu 22 pontos em 2010,[83] 28 pontos em 2011[86] e 30 pontos em 2014.[83] Outro índice chegou a conclusões parecidas. Foi o Índice de Confiança na Justiça (ICJBrasil), elaborado pela Escola de Direito de São Paulo da Fundação Getulio Vargas (FGV). Os partidos estavam em último lugar nos levantamentos de 2014 e 2015 com a confiança de 6% da população.[87] A última posição permaneceu nos dois anos seguintes, mas obtendo a confiança de 7% dos brasileiros.[88][89]

Na pesquisa Retratos da Sociedade Brasileira — Perspectivas para as eleições de 2018, encomendada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), o IBOPE identificou que nenhum partido político tinha a simpatia ou a preferência de quase metade dos brasileiros (48%), com margem de erro de ±2%. O maior percentual de apoio foi ao Partido dos Trabalhadores (19%), seguido pelo Movimento Democrático Brasileiro (7%), Partido da Social Democracia Brasileira (6%) e Partido Socialismo e Liberdade (2%). Outras onze legendas atingiram 1% cada, as demais somaram 3% e 5% não responderam ou não souberam.[90] A pesquisa pela preferência partidária dos brasileiros é feita pelo IBOPE desde 1988. Nesse ano 38% não indicou qualquer partido dentro de suas preferências.[91] Esse grupo se tornou maioria pela primeira vez no fim de 2012, quando se registrou 56%.[92] Mas o recorde de apartidarismo foi registrado em 2015, quando 66% declarou não ter simpatia a qualquer partido político. Em 2013, ano das Jornadas de Junho, foi registrado 59% para o mesmo grupo.[91] Por outro lado, foi em 2007 o recorde de preferências por alguma das legendas: 66% contra 33% de respostas apartidárias.[92] Dentre as mais preferidas, o Partido dos Trabalhadores lidera a lista desde 2001, quando ultrapassou o Movimento Democrático Brasileiro, após dois anos de empate e os anteriores na segunda colocação. Destacam-se os percentuais de 25% obtidos pelo Movimento Democrático Brasileiro em 1988 e pelo Partido dos Trabalhadores em 2001, de 33% em março de 2010 e 36% em abril de 2013, ambos pelo Partido dos Trabalhadores.[91]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Medeiros, Étore (6 de dezembro de 2016). «Truco no Congresso: Quantos partidos existem, estão no Congresso ou podem ser criados?». Pública. Consultado em 14 de março de 2017. 
  2. Amazonas, João (23 de março de 1997). «O partido mais antigo do Brasil». www1.folha.uol.com.br. Folha de S.Paulo. Consultado em 14 de março de 2017. 
  3. Lynch, Christian Edward Cyril (13 de outubro de 2014). «Saquaremas petistas e luzias tucanos». O Globo. Consultado em 14 de março de 2017. 
  4. a b Vilela, Márcio Garcia (23 de outubro de 2014). «A gênese dos partidos políticos brasileiros». O TEMPO. Consultado em 14 de março de 2017. 
  5. «Instituto Humanitas Unisinos - IHU - Fim da Nova República?». www.ihu.unisinos.br. Revista IHU on-line. 17 de março de 2016. Consultado em 14 de março de 2017. 
  6. Franco, Ilimar (21 de outubro de 2008). «Panorama Político: O Pós-Lula». Panorama Político. O Globo. Consultado em 14 de março de 2017. 
  7. «Disciplina: FLP0459 - Partidos e Eleições no Brasil Pós-45». uspdigital.usp.br. Jupiterweb. Consultado em 14 de março de 2017. 
  8. Vianna, Rodrigo (21 de agosto de 2009). «UDN, PSD e PTB: com outros nomes, eles ainda mandam - Escrevinhador». Escrevinhador. Consultado em 14 de março de 2017. 
  9. a b RODRIGUES, José Honório. Conciliação e reforma no Brasil, Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 1964.
  10. MACIEL, Marco. O dom da eficiência. São Paulo: Folha de S.Paulo, 25 de abril de 2007 - 10:15
  11. «Decreto nº 3.029». Câmara dos Deputados. 9 de Janeiro de 1881. Consultado em 9 de outubro de 2014. 
  12. a b NAGLE, Jorge (1976). Educação e sociedade na Primeira República Primeira reimpressão ed. São Paulo: EPU/MEC. pp. 7–9 
  13. «ATO COMPLEMENTAR - 4 de 20/11/1965». Diário Oficial da União. 22 de novembro de 1965. Consultado em 14 de março de 2017. 
  14. «Partidos políticos registrados no TSE». TSE. Julho–dezembro de 2014. Consultado em 9 de outubro de 2014. 
  15. «Encontro Nacional oficializa mudança de nome do PTdoB para Avante; lideranças de Juazeirinho estiveram presentes». Noticiando a Política 
  16. «Prestes a mudar de nome, PT do B tem novo presidente em Guarulhos». Guarulhos Hoje. Consultado em 18 de maio de 2017. 
  17. «PT do B 'muda' para Avante e lamenta perda de parlamentares com janela partidária». www.midiamax.com.br. Consultado em 18 de maio de 2017. 
  18. «Os novos partidos e a sobrevivência». Folha da Região 
  19. «Partidos trocam de nome: PTdoB agora é AVANTE, PSL agora é LIVRES e o PTN agora é PODEMOS». www.politicarj.com.br. Consultado em 18 de maio de 2017. 
  20. «O PT do B passa a ser Avante a partir de agora - Bahia na Política por Jair Onofre». www.bahianapolitica.com.br. Consultado em 18 de maio de 2017. 
  21. «Justiça Eleitoral aprova mudança do nome do PTN para "Podemos"; PTdoB quer mudar para "Avante" – Costa Branca News». costabrancanews.com. Consultado em 18 de maio de 2017. 
  22. Internet, MIX. «Política e Municípios». Antônio Viana Online. Consultado em 18 de maio de 2017. 
  23. Minas, Estado de (2 de maio de 2017). «Partido político muda de nome para 'estreitar laços' com povo». Estado de Minas 
  24. «Não se engane: os partidos que estão mudando de nome para te ludibriar em 2018». Portal Fórum. 14 de agosto de 2017. Consultado em 14 de agosto de 2017. 
  25. «Diante de crise política, partidos mudam de nome para atrair eleitores em 2018». G1 
  26. a b Tribunal Superior Eleitoral (TSE). «TSE - Partidos políticos registrados no TSE até Agosto de 2013». Consultado em 21 de setembro de 2013. 
  27. Tribunal Superior Eleitoral (abril de 2016). «Filiados». Consultado em 8 de maio de 2016. 
  28. «História do PRB». PRB 10 - Partido Republicano Brasileiro 
  29. «Maluf comanda fusão do PPR com PP». Folha de S.Paulo. 10 de agosto de 1995. Consultado em 28 de fevereiro de 2017. 
  30. «História do PDT». www.pdt.org.br. Consultado em 28 de fevereiro de 2017. 
  31. «Nossa História». www.pt.org.br. PT. Consultado em 28 de fevereiro de 2017. 
  32. «Estatuto do PTB – PTB». ptb.org.br. Consultado em 28 de fevereiro de 2017. 
  33. «História do PMDB». PMDB - O partido do Brasil. 22 de novembro de 2012. Consultado em 28 de fevereiro de 2017. 
  34. gus_admin (26 de dezembro de 2012). «Partido». PSTU | Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado 
  35. «Partido Social Liberal». www.pslnacional.org.br. Consultado em 28 de fevereiro de 2017. 
  36. Rede Sustentabilidade (Site Oficial). «Rede Sustentabilidad». Consultado em 15 de novembro de 2014. 
  37. «TSE autoriza registro do partido de Marina Silva». Zero Hora. 22 de setembro de 2015. Consultado em 22 de setembro de 2015. 
  38. a b c «Partido político». www.tse.jus.br. Consultado em 28 de fevereiro de 2017. 
  39. «Missão e Valores - Partido Social Cristão». Partido Social Cristão. Consultado em 28 de fevereiro de 2017. 
  40. «Partido da República - 22». www.partidodarepublica.org.br. Consultado em 28 de fevereiro de 2017. 
  41. «Estatuto - @PPS23». @PPS23 
  42. «O Partido: Democratas Bahia». 2 de novembro de 2012. Consultado em 28 de fevereiro de 2017. 
  43. «Sobre Nós - PSDC». www.democraciacrista.org.br. Consultado em 28 de fevereiro de 2017. 
  44. prtb1 (8 de janeiro de 2013). «Histórico». PRTB - Partido Renovador Trabalhista Brasileiro. Consultado em 28 de fevereiro de 2017. 
  45. «Portal do Partido NOVO». Consultado em 16 de novembro de 2014. 
  46. «TSE aprova registro do Partido Novo, 33ª legenda no país». Consultado em 16 de setembro de 2014. 
  47. LTDA., AFIXAR - Desenvolvimento Web e Design. «Conheça o PHS». phs.org.br. PHS 31 - Partido Humanista da Solidariedade. Consultado em 28 de fevereiro de 2017. 
  48. «PMN 33 - Partido da Mobilização Nacional». pmn.org.br. Consultado em 28 de fevereiro de 2017. 
  49. «PMB - Partido da Mulher Brasileira». PMB - Partido da Mulher Brasileira. Consultado em 28 de fevereiro de 2017. 
  50. «TSE aprova registro do Partido da Mulher Brasileira, o 35º do país». G1. 29 de setembro de 2015. Consultado em 29 de setembro de 2015. 
  51. «Sobre o Partido - PTC 36». www.ptc36nacional.com.br. Consultado em 28 de fevereiro de 2017. 
  52. E-Solution. «História do Partido Socialista Brasileiro». www.psbsp.org.br. Consultado em 28 de fevereiro de 2017. 
  53. Verde, Partido. «Fundação (1986)». pv.org.br. Partido Verde. Consultado em 28 de fevereiro de 2017. 
  54. «PRP - Partido Republicano Progressista». www.prp.org.br. Consultado em 28 de fevereiro de 2017. 
  55. «História - PSDB – Partido da Social Democracia Brasileira». www.psdb.org.br. Consultado em 28 de fevereiro de 2017. 
  56. «Programa Partidário». PSOL 
  57. «A história do PEN» (PDF). PEN. Consultado em 28 de fevereiro de 2017. 
  58. Desing, AcionArt. «Partido Pátria Livre». www.partidopatrialivre.org.br (em inglês). Consultado em 28 de fevereiro de 2017. 
  59. «Linha do Tempo». psd.org.br. PSD 55 - Partido Social Democrático. Consultado em 28 de fevereiro de 2017. 
  60. «Partidos políticos registrados no TSE». www.tse.jus.br. Consultado em 28 de fevereiro de 2017. 
  61. http://www.pcdob.org.br/interna.php?pagina=1920.htm
  62. «PTdoB - História». www.ptdob.org.br. Consultado em 28 de fevereiro de 2017. 
  63. «Diretório Nacional do Solidariedade pede registro de estatuto no TSE». www.tse.jus.br. Consultado em 28 de fevereiro de 2017. 
  64. «TSE confirma criação do PROS, 31º partido do país». Política. 24 de setembro de 2013 
  65. Carvalho, Gladaniel Palmeira de. «MPDFT - Partidos políticos e suas fundações». www.mpdft.mp.br. Consultado em 14 de agosto de 2018. 
  66. a b c Batista, Alexandre Lins (9 de outubro de 2015). «AFINAL, COMO SE CRIA UM PARTIDO POLÍTICO NO BRASIL?». Politize!. Consultado em 22 de janeiro de 2018. 
  67. «Entenda o passo a passo para a criação de um partido no Brasil». R7. 16 de fevereiro de 2013. Consultado em 22 de janeiro de 2018. 
  68. «Como criar um partido político no Brasil?». Colégio Web. 19 de fevereiro de 2016. Consultado em 22 de janeiro de 2018. 
  69. a b Preite Sobrinho, Wanderley (24 de dezembro de 2011). «Saiba por que é tão difícil criar um partido político». R7. Consultado em 22 de janeiro de 2018. 
  70. Bruno Marques, Schaefer (setembro de 2015). «Condições e Dinâmicas do Surgimento de Novos Partidos no Brasil: PSD, PROS e Solidariedade (2011-2014)» (PDF). Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul. I Seminário Internacional de Ciência Política. Consultado em 22 de janeiro de 2018. 
  71. Batista, Alexandre Lins (28 de outubro de 2015). «3 partidos políticos criados em 2015». Politize!. Consultado em 22 de janeiro de 2018. 
  72. «Partidos em formação». Tribunal Superior Eleitoral. Consultado em 5 de dezembro de 2017. 
  73. «Partido Conservador». Tribunal Regional Eleitoral. Consultado em 28 de fevereiro de 2017. 
  74. a b c http://www.tre-sp.jus.br/imprensa/noticias-tre-sp/2016/Maio/tre-aprova-registro-do-orgao-estadual-do-partido-nacional-corinthiano
  75. a b «Disputa em 2018 pode ter 2 novos partidos». Estado de Minas. Consultado em 28 de agosto de 2017. 
  76. «O Partido Democrático dos Servidores Públicos tenta obter seu registro no Tribunal Superior Eleitoral». O Sul. 2 de janeiro de 2017. Consultado em 20 de novembro de 2017. 
  77. «Partido Liberal Brasileiro pede registro do estatuto no TSE». www.tse.jus.br. Consultado em 28 de fevereiro de 2017. 
  78. Aguiar, Tiago (12 de março de 2018). «Estudo revela pouca transparência de partidos brasileiros». O Globo. Consultado em 15 de março de 2018. 
  79. Mendonça, Ricardo (12 de março de 2018). «Novo e PT lideram ranking de transparência partidária». Valor Econômico. Consultado em 15 de março de 2018. 
  80. Flores, Paulo (13 de março de 2018). «Por que a transparência dos partidos vai mal, segundo este ranking». Nexo Jornal. Consultado em 15 de março de 2018. 
  81. «Ranking da Transparência Partidária». Movimento Transparência Partidária. Consultado em 15 de março de 2018. 
  82. a b c «Ranking da Transparência Partidária. Relatório sintético» (PDF) 1.ª ed. Movimento Transparência Partidária. Março de 2018. Consultado em 15 de março de 2018. 
  83. a b c «Instituições políticas perdem ainda mais a confiança dos brasileiros». IBOPE Brasil. 30 de julho de 2015. Consultado em 15 de março de 2018. 
  84. Azevedo, Rita (13 de setembro de 2016). «Em quem os brasileiros mais confiam». EXAME. Consultado em 15 de março de 2018. 
  85. Holanda, Marianna (28 de julho de 2017). «Índice de confiança no presidente é o mais baixo desde 2009, diz Ibope». Estadão. Consultado em 15 de março de 2018. 
  86. Góes, Bruno (3 de outubro de 2011). «Ibope: partidos políticos e Congresso Nacional são as instituições menos confiáveis para o brasileiro». Extra Online. Consultado em 15 de março de 2018. 
  87. «FGV Direito SP aponta queda no Índice de Confiança na Justiça». FGV Notícias. 1 de abril de 2015. Consultado em 15 de março de 2018. 
  88. Cruz, Elaine Patricia (28 de outubro de 2016). «Forças Armadas são a instituição em que a população mais confia, diz pesquisa». Agência Brasil. Consultado em 15 de março de 2018. 
  89. «FGV: índice de confiança na Justiça caiu para 24%». JC Online. 25 de agosto de 2017. Consultado em 15 de março de 2018. 
  90. Maia, Gustavo (13 de março de 2018). «PT é o partido preferido por 19% dos brasileiros, diz CNI/Ibope». Brasília. UOL Eleições 2018. Consultado em 15 de março de 2018. 
  91. a b c «2 de cada 3 brasileiros não têm simpatia por nenhum partido político». IBOPE Brasil. 29 de abril de 2015. Consultado em 15 de março de 2018. 
  92. a b Duailibi, Julia; Toledo, José Roberto de (19 de janeiro de 2013). «Apartidários são maioria no País pela primeira vez desde a redemocratização». Estadão. Consultado em 15 de março de 2018. 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]